(navigation image)
Home American Libraries | Canadian Libraries | Universal Library | Community Texts | Project Gutenberg | Children's Library | Biodiversity Heritage Library | Additional Collections
Search: Advanced Search
Anonymous User (login or join us)
Upload
See other formats

Full text of "Historia genealogica da casa real portugueza : desde a sua origem até o presente, com as familias illustres, que precedem dos reys, e dos serenissimos duques de Bragança"

Presented to the 
library of the 

UNIVERSITY OF TORONTO 

by 



Dr. António Gomes 
Da Rocha iíadahil 






HISTORIA 

GENEALÓGICA 

D A 

CASA REAL 

PORTUGUEZA. 



HISTORIA 

GENEALÓGICA 

D A 

CASA REAL 

PORTUGUEZA, 

DESDE A SUA ORIGEM ATE O PRESENTE, 

com as Famílias illuftres , que procedem dos Reys , 

e dos SereniíTimos Duques de Bragança. 

JUSTIFICADA COM INSTRUMENTOS, 

e E/critores de inviolável fè , 

E OFFERECIDA A ELREY 

D. JOAÕ V. 

NOSSO SENHOR 

POR 

D. ANTÓNIO CAETANO DE SOUSA, 

CLngo Regular, e Académico do numero da Academia Real. 



roMO viu. 




BOA. 

Na Regia Officina SYLVIANA, e da Academia Real. 

M-DCCXLÍ. 

Com codas aslian^ 1 farias. 



Digitized by the Internet Archive 

in 2012 with funding from 

University of Toronto 



http://archive.org/details/historiagenealog08sous 



CARTA, 

QUE AO AUTHOR ESCREVEO 

O EXCELLENTISSIMO DUQUE, 

e Senhor de Sottomayor , Grande 
de Heípanha. 

REVERENDÍSSIMO padre. 



MUy Senor mio : Aun no fé fí podre íâ- 
tisfazer en efte Corréo à las preguntas , 
que no acabe de informar en el poftrero , 
prectfado a mendigar las noticias de las 
mifm^s Cafas à quien pertenezen , cuyos Dueíios, 
ó porque fuelen eftar muy agenos de lo que mas 
les importa no pueden íubminiftrarlas , ó deíconfia- 
dos dei rln porque fe inquieren , las recatan. Pêro 
de qualquier fuerte podran retardarfe , pêro no de- 
jaran de confeguirfe. 

Dzfde que me han trahido íu Hiíloria de V. 
Reverendiiíima hecho menos los inftantes , que me 
roba qualquier precifion, e emplearme en leerla. Ni 
yo íby capaz de calificarla $ ni Ia lifonja tiene lugar 
íino en quien puede dar valor à las cofas , y Ie de£ 
mide. Con que folo diré con la ingenuidad , que 
me correíponde lo que percibo , y lo que fiento en 
mi , quando la leo : Que es , una complacência 

* ii def- 



■ <- 



defahogada en que foííiega el snimo de la inquie- 
tud , con que fui íaber porque fe hallava moltílado 
en Obras de efla eTpecie , unas vezes dei haíiio de 
lo que fobra , y otras de la penúria de lo que falta. 
Dtluerte , que fino es para examinar algo funda- 
mentalmente , poços havrá que las hayan ltído fi- 
no es por faltos j y mas por lo que bufcan , que 
por lo que hallan. En efta , defde la primera linea 
va empenada la curiofidad , conduzida infenfible- 
mente dela dulzura mifma deleílilo à no perder ni 
la menor palabra , desfrutando de pafíò una inftruc- 
cion cafi univerfal en quantas matérias pueden dar- 
ia para la vida de los hombies de nafcimiento por 
todas las diferentes claíTes en que fe divide ia Gê- 
rarchia Politica. Para mi todo Io Io£ra V. Revê- 
rendiííima por el methodo tan de Maeftro , ó tan de 
"V. Reverendiííima , que no le conofco compara- 
cion. Lo primero en que defde luego habla la def 
treza ( para explicarme affi ) es en faberfe defcartar : 
Es en entrar libre à efcrivir de las Perfonas de quien 
trata conforme íê neceffita para el todo, ciniendoíe 
en unas, explayandoíè en otras, infinuandofe en las 
demás : de modo que en las de mayor bulto con lo 
poço que fe acuerda , fe difpierta todo lo que fe fa- 
be; y en las otras dignas de faberfe , y no íabidas íê 
informa con gala , y fatisfazion , y de todo fe dize 
lo que íblo es meneíler. Porque en lo mas que íè 
ha impreílò de efte género fe eílá congojando el 
que lee de Ia iniuilidad , à que encuentra atareado 
h. fu Autor , de ILnnr el papel en cada individuo 
para igualar lcs Capitules a plana, y renglon ) y no 

dife- 



diferenciar en lo que ocupan Ias paginas a un hom- 
bre ^loriofo, (que con tanta eícaílèz accntezen á las 
famílias , y aun a los figlos ) o que variamente ha 
ccmdo entre ruidofos accidentes de entrambas for- 
tunas, con que paíTó calladamente la vida folo en 
paliaria , fin crabajar , ni fer trabajado para la me- 
moria : con que fe precifan a completar puerilmente 
de menudencias caibras , y defpreciables los blanccs 
de las acciones. Aqui íe ven los caracteres de los 
Príncipes , y de lo que deven pintarfe en qualquier 
linage de Hiílorias tan de í\i color, que no fe he- 
cha menos la diftancia delas edades para elconoci- 
miento , la C'aridad de las derivaciones , entroncami- 
entos , y deícendencias ( fiendo en lo que mas lè 
ofufca la inteligência) tan patente, que no foio fe 
eomprehende, porque fe puede dezir, que fe toca. 
No padece Ia violência el aílunto principal de pro- 
hijar con futiles extorfiones ramas de otras plantas 
por la ambicion de amplificar , y hazerfe acreedores 
à íu argumento de lo que le anaden , que han pra- 
ticado los mas, y con que folo ganan el dar un 
mal lado en el afceníb comun a las noticias , que 
con verdad defcubre íu diligencia. Aqui babla íí- 
err.pre en un tono el amor à la verdad , imparcial, 
y dcfaíido; pêro no hazanero , ó fuperfticiofo 5 y 
en tas dudas fiempre propenfo à ladearfe no àloex- 
quifito, fino a lo mas adequado. Una independên- 
cia de ciertos princípios , que no teniendo nada de 
cicrto , fe ha dac^o modernamente en fentarlos por 
inconteftcbles , folo porque alguno para íobrepo- 
neríè à los amigues fe aplico à urdidos , ó inventár- 
ios, 



los, y que losdemas han íèguido enveíliríê dellos, 
ó por Ia gala de la novedad , ó porque arguye mas 
caudal gaitar Io que no es comun, y mas íi íòn gé- 
neros eftrageros : fiendo aíli , que no pudiendo fa- 
lir de paradoxas , dexan ííempre en mejor grado à 
Io que eftá mas tiempo , y mas generalmente reci- 
bido -, y que en todo derecho à una poíIeíTion anti- 
gua folo la debilita ó un vicio maninerlo de íu in- 
troducion , ó un titulo claro contratio. Y no ha 
de íer menos en lo que íè cré , que en lo que lê juz- 
ga. Aun pudiendo V. Reverediííima con tanta 
confíanza no fe ve aqui aquel ayre dominante de 
los mas con que quieren fugetar à fus Le&ores à 
que tengan eíle género de prefupueftos por regias 
de la verdad , fiando aíli que dependiendo de obíèr- 
vaciones fingulares , y cafuales, nada pueden afian- 
zar univerfalj y procediendo de modas , y coftum- 
bres no pudieron dcjar de padezer variedades 5 pues 
poças ion Ias leyes , ( fiendo tanto mas que los ufos, 
íi es que los huvo , y no nos enganamos en creer- 
los por ignorar las caufas de lo que íe encuentra re- 
petido) que fiempre hayan eílado en obíervancia j 
y bien única fera la que íe libraííè de trangreííiones. 
Todo eílo fe ve altamente excufado en V. Reve- 
rendiííima , y mas que todo el defdeziríe en lo que 
fe obra de lo que fe culpa. No fe me prefenta nin- 
guno , que no entre prometiendo deílerrar fabulas , 
deíènganar de íènzillezes de los antiguos , y refor- 
mar credulidades 5 y ai primer paííò no executar 
mas que fraíèar fueíios , entroncando à quantos to- 
man por fu quenta afcendenGias coronadas , en lu- 



gar 



gar de las que antes conílruhian de íiglos improba- 
bles $ y dHpeníàrie a un de eftas , y de los princí- 
pios , que dieron por infalibles j y tildando de fan- 
taíticos à los Nacionales recibir llanamente Ias fabu- 
las de los Eftrangeros , como fi no las huviefíemos 
aprendido dellos. Ni el mas leve defcuydo fe le 
encuentra à V. Reverendiííima en Ia igualdad de 
practicar fin excepcion máxima tan jufta como que 
no fe relaje para unos lo que no íe difpenfa para 
oiros. Ni el menor cuydado en bufcar médios tér- 
minos , ó modos enfáticos con que fe aviía de lo 
que íê quiere dar à entender , que tiene que ocul- 
tar : que es lo que mas ha diftrahido la aceptacion 
de los mas celebrados. Podemos dezir que V. Re- 
verendiííima por íi mifmo , y por la íublimidad de 
tan Augufto argumento navega en alta Mar , y à 
rumbo deícubierto libre de baxíos , corriendo ím do- 
blar las velas derechamente ai acierto. "Y íiendo en 
todo , pêro mas en eíta eípecie , la primera exce- 
lência el carezer de defe&o , como tambien en lo 
que pueden habtar aun los que como yo entienden 
menos 5 pues por poço que íea , fienten Io que de- 
íazona , me he dilatado en expreííàrlo , por dar al- 
guna razon de Ia que me puede hazer capaz à ha- 
zerme parte en los aplaufos j porque en las perfec- 
ciones, que hafta en lo mas material deimpuííion, 
y adornos, exceden alo exquifito , folo deve oyife 
à los que tienen muy graduada de primor la vifta. 
Lo que no efcufsré , porque depende de la inge- 
nuidad , y no de la compreheníion es dezir que to- 
do me gufta , y complaze exorbitantemente , aun- 

que 



G 



que ni fepa dezir , ni conocer porque me compla- 
ze , y guita ; como me fucede en todas las cofas 
grandes , en que veo , que hallan todos fu quenta , 
y fatisfacion proporcionada los íabios , y los ignoran- 
tes. 

VuerVa Reverendiffima íe firva indultarme de 
prolijo donde aunqwa corto , no puedo íer breve. 
Y porque contra mi juíta repugnância acredite a 
V. ReverendiíTima la puntualidad d^ mi obediên- 
cia la obfervaré en apuntar lo que inevitablemente 
fe haya paflado de erratas , aunque es cierto , que 
en obra tan vaíla es increible ver , que fean tan po- 
ças , y lo casí imperceptible de quanto por el miC- 
mo temple pueda fupliríè , ó haya en que parar íè, 
que fera comprobacion de lo que folicíto obfervar 
inviolablemente los preceptos de V. Reverendiffi- 
ma , porque ninguna falta de habiJidad excufa à 
que no alcanze à cuidar dei aííeo en la Obra mas 
magnifica. Nueítro Seíior guarde a V. Reveren- 
diíiima muchos anos como defeo. Madrid, y Jú- 
lio 28 de 1741. 

Reverendiffimo Padre 

BI. m. s de V. Reverendiffima 
Su mayor , y mas feguro fervidor 

Duque , y Seíior de Sotomayor. 

R." 10 P. D. António Csyetano de Soufa. 

IN. 



INDEX 

DOS CAPÍTULOS, 

que fe contem neíla Parte. 

LIVRO VII. 

C^ APITULO VI. DelRey D. Joaí V. pag. i 
é CAPIT. VII. Do Sereniffimo Senhor D.Jo- 
feph y Príncipe do Brafil , e Duque de Bragan- 
çfljpag.355. 

CAPIT. VI1Í. Do Sereniffimo Senhor Infante D. 
Carlos, pag. 3 65. 

CAPIT. IX. Do Sereniffimo Senhor Infante D. Pe- 
dro , pag. 3 69. 

CAPIT. X. Do Sereniffimo Senhor Infante D. Ale- 
xandre , pag.375. 

CAPIT. XI. Da Sereniffima Senhora Infanta D. 
Maria , Princesa das A H uri as , pag. 3 77. 

CAPIT. XII. Da Sereniffima Senhora Infanta D. 
Ifabel, que foy jurada herdeira do Re y no, pag. 

CAPIT. XIII. Do Sereniffimo Senhor Infante D. 
Francfco, Duque de Beja , Grão Prior da Or- 
dem de Malta em Portugal, pag. 409. 

CAPIT. XIV. Do Sereniffimo Senhor Infante D. 
António , pag. 425. 

CA- 



CAPIT. XV. DoSeremffimo Senhor Infante Dom 

Manoel, pag.455. 
CAPIT. XVI. Da Sereni/ima Senhora Infanta D. 

Therefa , pag.447. 
CAPIT. XVII. Da Serenifima Senhora Infanta D. 

Francj/ca, pag.453. 

Filhos legitimados do Sereniílimo Se- 
nhor Rey D. Pedro II. 

CAPIT. XVIII. Da Senhora D. Lwza, pag.459. 
CAPIT. XIX. Do Senhor D. Miguel, pag-479- 
CAPIT. XX. Do Senhor D. Jofeph , Arcebifpo de 
Braga , Primaz das He/panhas , pag.5 15. 



HISTO- 




HISTORIA 

GENEALÓGICA 

DACASAR 




L 



PORTUGUEZA. 



CAPITULO VI. 

DefRty T>. foao V. 

A Cidade de Lisboa em hum 
Sabbado 22 de Outubro do 
anno de 1689 nafceo às nove 
jjl horas e meya da manhãa , nó 
;j| Paço da Ccrte Real , o Prín- 
cipe D. Joaõ com hum ger; í 
VttrYr^rfíll contentamento dos Teus Va£ 
fallos, que entre acclamações, e júbilos, rendiaõ a 
Deos as graças , pelo fingular beneficio de em taô 
Tom.Vilí. A pouco 




2 HiUorla (genealógica 

pouco tempo fatisfazer os kvs votos, e de verem 
cumpridas as fuás efpetanças-.fm hum íucceflòr do 
F^eyno, que no armo antecedente haviaõ perdido 
com a morte do Principe íèu irmaõ , primeiro fruto 
do Real thalamo dos Auguftos Reys D. Pedi o li. 
e D. Maria Sc fia de Neoburg. Aífim vejo a íer o 
Príncipe D. Jòaõ dado por Deos , e o prcmettido 
para continuação da Real Cafa Portugueza , e pa- 
ra eflabclecer na fua defcendencia a perpetuidade 
do Império Luíitano. 

Celebrou-íè o íèu Bautifmo na Capella Real, 
comamayor folemnidade, no dia 19 de Novembro 
do referido anno , que lhe conferio Luiz de Soufa , 
Arceb fpo de Lisboa, Capellaõ mor , com o nome 
de D. foAÕ, Francisco, António ,Joseph, Ben- 
to , Bernardo , fendo os Bifpos a (Mentes, o de 
Coimbra D. João de Mello , o da Guarda D. Fr. 
Luiz da Sylva , o do Algarve D. Simaõ da Gama, 
e o do Porto D. Joaõ de Souía : levou-o nos braços 
à pia o Duque de Cadaval D. Nuno Alvares Perei- - 
ra de Mello , Mordomo môr da Rainha. Foy Pa- í 
drinho o Eleitor Palatino íêu avô , de quem teve 
Procuração o Cardeal de Lencaftre, Tnquifidor Ge- f 
ral, e Madrinha a Senhora Infanta D. Ifabel Luiza ' 
Joíèfa fua irmãa , e pelas fuás indifpofiçÔes afTifiio 
com Procuraça5 ília Nuno de Mendoça , Conde 
de Vai de Reys, feu Mordomo môr, do Confelho 
de Eítado , Prefidente do ConíelKo Ultramarino, 
Levarão as inílgnias , o Saleiro o Duque de Cadaval 

D. 



■ 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 3 

D. Luiz Ambrofio de Mello , a Vela o Marquez 
de Arronches Henrique de Soufa Tavares , o Ma- 
çapa5 o Marquez cias Minas D. António Luiz de 
Soufa , a Toalha o Marquez de Galcaes D. Luiz 
Alvares de Carlro , e a Vefte cândida o Marquez 
de Marialva D. Pedro de Menezes : as varas do Pai- 
lio os Marquezes de Fronteira D. Fernando Maf* 
carenhas , o de Fontes Rodrigo Annes de Sá , o 
Conde da Ericeira D. Fernando de Menezes , do 
Confelho de Eílado , o Conde de Sarzedas D. Luiz 
da Sylveira , o Conde de Alvor Francifco de Távo- 
ra, do Confelho deEftado, e Regedor das Juíliças, 
e o Monteiro môr Garcia de Mello , Prefid . nte do 
Paço } na Tribuna aíTiftiraõ asMagefíades. O Papa 
Innocencio XII. pelo Núncio, que tinha nomeado 
para eíle Reyno, Sebaítiaõ António Tanara , Ar- 
cebifpo de Damaíco, que depois foy Cardeal , lhe 
mandou as faxas bentas, obíèquio, que a Sé Apof- 
tolica coítuma praticar fomente com os Príncipes 
filhos herdeiros dos Reys , as quaes entregou a 14 
de Novembro do anno de 1691 com a coílumada 
formalidade. 

Começou o Príncipe na fua puericia a dar a 
conhecer na viveza do efpirito o íublime talento, 
com que a natureza o adornava , brilhando nelle taô 
anticipadamente a luz da razão, que admirado, re- p rova num I00 
feria Chriítovaô de Almada, Vedor da Cafa da Rai- 
nha fua mãy , Fidalgo velho de grande authorida- 
de , em quem concorrerão grandes partes , que lhe 
Tom. VIII. Aii affif- 






4 Hlfloria Cjenealogica 

aííiílio nafua infância, que já mais vira o Príncipe 
occupado em pueris entretenimentos, communs, e 
naturaes daquclla idade , porque nella parecia os 
defprezava. O primeiro Meftre , e depois Confefc 
for , que teve , foy o Padre Franciíco da Cruz , da 
Companhia de Jefu , Varaõ douto , de muita mo- 
deília, e prudência, o qual faleceo a 29 de Janeiro 
de 1706. Para lhe aíTiftir às lições de efcrever, foy 
nomeado o Padre Caetano Lopes , que foy Prior 
da Igreja da Magdalena de Lisboa , e para a Lati- 
nidade o Padre JoaÕ Seco , da Companhia , e com 
ambos foraõ admiráveis os progreílòs ; porque o 
Príncipe efcrevia gentilmente , como teftemunhaõ 
algumas matérias , que fe confervaô na Livraria ma- 
nuícrita do Duque de Cadaval. Nas Humanidades 
íè adiantou de forte , que com o tempo veyo a ter 
pleno conhecimento da língua Latina , e da Italia- 
na , Franceza , e Kefpanhola , com perfeita intelli- 
gencia de todas. Ao mefmo tempo foy nomeado 
o Padre Luiz Gonzaga dameíma Companhia, para 
o inílruir na Mathematica, em que entrou com tan- 
ta inclinação , que nem depois de Rey os grandes 
negócios lhe diminuirão o amor defta Sciencia , co- 
mo adiante diremos. Eftes foraõ os fundamentos, 
com que depois a ília applicaçaõ confeguio inflruil- 
lo nas Sciencias com pafmofa erudição. E fendo 
educado pela direcção da "Rainha fuamãy, aquém 
a dcvoçaõ , e amor de Deos fízeraó ainda mais di- 
tofa a Mageftade , começou de tenros annos a inf- 

trúillo 



da Cafa l&al Tortug. Liv. VIL 5 

tniillo..nas máximas da perfeita Religião, de ícrte, 
que lhe ficarão fendo próprias as da devoção , e pie- 
dade Chrirtãa , entre as quaes refplandecem com 
mais vivo brilhante as da heroicidade. 

Determinou EIRey D. Pedro, que fèus fi- 
lhos entraílèm na Ordem da inílgne Cavallaria de 
Chrifto, de que era Governador, e perpetuo Ad- 
miniftrador , e para lha conferir em hum Sabbado 7 
de Abril do anno de 1696 baixou à fua Real Ca- 
pella com o Principe , e o Infante D. Francifco , a 
quem hiaó afíiftindo Chriftovaõ de Almada , e D. 
Diogo de Faro , Vedores da Caía da Rainha íua 
mãy j e acompanhado dos Grandes , e Officiaes da 
Caía , entrou EIRey com o Principe , e Infante pa- 
ra dentro da cortina , e a Corte tomou os lugares , 
conforme he coftume. Armou EIRey Cavalleiro 
ao Principe, e ao Infante D. Francifco, como dire- 
mos no Capitulo XIII. deite livro. Calçou asefpo- 
ras ao Príncipe o Duque de Cadaval D. Nuno Al- 
vares Pereira de Mello da parte direita , e da outra 
o Marquez das Minas D. António Luiz deSoufa, 
reveílidos com os mantos da mefma Ordem , de que 
eraõ Commendadores 5 e porque o Duque eftava 
encarregado de ter o prato , em que eftavaÔ as ar- 
ma? , e efporas, no tempo , que a calçou, teve o 
prato o Marquez de Fontes D. Rodrigo Annes de 
Sá feu genro : no Oratório do Paço da Corte-Real, 
onde EIRey affiftia , lhe mandou lançar o Híbito 
pelo Djm Prior da mefma Ordem de Chrifto Fr. 

Felícia- 



6 Hiftoria Genealógica 

Feliciano de Abreu , que revertido com cappa rica , 
acompanhado dos Cavalleiros João de Saldanha de 
Albuquerque , D. Joaõ Rolim de Moura, D. Ber- 
nardo de Noronha , e António Luiz da Camera 
Coutinho, Almotacé môr, todos com mantos, e to- 
chas acceíâs nas mãos , fez a ceremonia de lançar o 
Habito ao Príncipe , e Infante , o que íe executou 
com grande refpeito , íem que íe apartaílè , do que 
ordenaõ os Definitorios da mefma Ordem. 

Havia cumprido o Príncipe D. Joaõ oito an- 
nos, quando EIRey íèu pay convocou Cortes no 
anno de 1697, determinando o dia primeiro de De- 
zembro para fer jurado herdeiro do Reyno , dia 
venturofo nos faftos Portuguezes ; porque nelle te- 
ve principio a reftauraçaõ deite Reyno em feu Au- 
gufto , e vitorioíb avô o Grande Rey D. JoaÔ IV. 
Efte felice aufpicio encheo de huma venturoía ale- 
gria aos íèus Vaííàllos , vendo defterrados os fuílos, 
em que o Reyno íe tinha vifto , quando foy preci» 
fado a jurar fucceílbra do Reyno a Infanta D. Ifa- 
bel fua irmãa , vendo agora o Príncipe Dom Joaõ 
com tantos fiadores, íègurando com a fua Real pe£ 
foa o Império Lufitano , na continuação da antiga 
varonía de íeus Auguftos progenitores , em que ha- 
viaõ lograr o mais íuave domínio j porque a felici- 
dade do Príncipe faria venturoía a profperidade nos 
Vaííalíos , como depois acreditou o tempo. 

Convocadas as Cortes para o referido dia , na 
cafa immediata à Camera dei Rey eftava Manoel 

de 



da Ca/a 'Real Tortug. LivJU. 7 

de Andrade Leitão, Eícrivaõ dos Filhamentos , que 
fervia de Guarda-Repofta, e com elle hum Repo£ 
teiro com hum prato de baftiaens dourado, em que 
eftava o Ettoque , infignia do Condeftavel , officio, 
que naquelle auto havia de exercitar o Senhor In- 
fante Dom Francifco , e entregando o Eftoque ao 
Conde Baraô de Alvito D. Vafco Lobo, Vedor 
da Cafa da Rainha , lho deu , e hia o Conde Baraõ 
hum pou:o affaftado, de modo, que entre EIRey, 
o Príncipe , e o Infante , íe naõ metia peííba algu- 
ma. A v s duas horas da tarde íâhio EIRey D. Pe- 
dro da fua Camera com o Príncipe à fua maÕ e£ 
querda , e hia vertido de cappa , e volta , de huma íe- 
da negra adamaícada , forrada de outra cor de péro- 
la com ramos côr de ouro , e da meíma feda era a 
veftia , e os calções , tudo conforme a Pragmática, 
com habito da Ordem de Chrifto de diamantes , e 
no chapeo broche de diamantes , com algumas pe£ 
ias , que compu ihaõ hum centilho , tudo de gran- 
de valor. O Príncipe também hia veftido de cap- 
pa de feda preta lavrada com ramos , a cappa forra- 
da de íêda branca com ramos carmeííns , e da me£ 
ma feda os calções , e veftia , e tudo fe abotoava 
de huma rica abotoadura de diamantes com habito 
também rico , no chapeo plumas brancas , e carme- 
íins , com hum broche de diamantes , que prendia 
a aba do chapeo , tudo peíías de grande eílimaçaõ, 
e valor. Hiaõ diante osOífíciaes, e Criados da Ca- 
fa , que acompanhavaõ a EIRey , e o Infante com 

o Efto- 



8 Hijlorh genealógica 

o Eftoque levantado, veítido de gala muy bizarro, 
com habito , e broche de diamantes na aba do cha- 
peo $ e porque he eftylo ir o Condeftavel em íeme- 
lhantes funções defcoberto , levava o Conde Barão 
o chapco do Infante : e baixando o acompanhamen- 
to à falia dos Tudeícos , fohio EIRey com o Prín- 
cipe ao throno , e fe aílentaraÕ , e cobrirão , fican- 
do detraz das cadeiras o Conde de Vianna Gentil- 
homem da Camera , que eílava de femana , e feu 
Eftribeiro mor , e lhe tocava acompanhar a EIRey, 
e ao Príncipe. Fez o officio de Efcrivaõ da Puri- 
dade Mendo Foyos Pereira, do Confelho delRey, 
e feu Secretario de Eftado 5 e porque o Infante D. 
Francifco naõ tinha idade para fazer juramento, EI- 
Rey feu pay o fupprio por hum Decreto , que o 
Efcrivaõ da Puridade , depois de fazer a devida re- 
verencia a EIRey , diílè em voz alta : 

„ Sua Mageftade tendo refpeito , a que o Sere- 
„ nifíimo Senhor Infante D. Francifco , ainda que 
„naõ tem idade perfeita, tem difcriçao, e capaci- 
dade baftante para jurar, e fazer preito, ehome* 
„ nagem : Sua Mage frade para mayor abundância 
; , fuppre o defeito da idade , e difpenfa em qualquer 
„ impedimento Civil. 

Poz logo o Repoíleiro mor o Conde da Ca- 
lheta a cadeira raza com almofada , conforme o ufo 
das Cortes , e o Sumilher da Cortina Nuno da Syl- 
va Telles , que eftava de femana , poz a Cruz , e 
Santos Euangelhos por impedimento do Capellaõ 

mor, 



da Cajá ^eal Tortttg. Liv. VIL 9 

mor , que entaõ era o Cardeal de Soufa. Seguio- 
íe o juramento , preito , e homenagem , e foy o pri- 
meiro, que jurou, o Infante Dom Franciíco , fem 
embargo de fer oufo, e eílylo antigo doReyno fer 
o Condeítavel o ultimo 5 porém quando faz efte of- 
fício algum Infante he o primeiro , que faz o jura- 
mento. O Infante D. Francifco fe poz de joelhos 
com ambas as mãos nos Santos Euangelhos, eCruz, 
e foy dizendo com o Efcrivaõ da Puridade o fe- 
guinte : 

„ Juramos aos Santos Euangelhos corporal- 
„ mente , com noíTas mãos tocados , e declaramos, 
„ que reconhecemos , havemos , e recebemos por 
„ noíTo verdadeiro , e natural Príncipe , e Senhor ao 
„ muito alto , excellente Principe D. Joaô , filho 
„ legitimo herdeiro , e fucceílòr delRey noíTo Se- 
nhor , e da Rainha Dona Maria Sofia fua mulher 
,jnofla Senhora, e como feus verdadeiros, enatu- 
„raes íubditos, e VaiTallos, que fomos, lhe fazemos 
„ preito , e homenagem nas mãos de Sua Mageíla- 
„de, que por elle de nós a recebe , como feu Pay, 
„ e legitimo Adminiftrador , por Sua Alteza naÕ ter 
,, ainda idade perfeita , e promettemos , que depois 
„ dos dias de Sua Mageflade , reconheceremos , e 
„ receberemos ao dito Príncipe D. Joaõ noííò Se- 
„ nhor , como de agora para entaõ o reconhece- 
„ mos , e recebemos por noííò verdadeiro , e natu- 
„ ral R ey , e Senhor deites R eynos de Portugal , e 
„ dos Algarve*, daquem, e dalém , mar em Africa , 
Tom. VIII. B „ede 



i o Hijloriíé, (jerieahgica 

„ e de Guiné , Conquifía , Navegação , e Commer- 
„ cio da Ethiopia , A rabia, Perfia, e da índia, &c. 
„ e lhe obedeceremos em tudo , e por tudo a feus 
„ mandados , e juizos , no alto , e baixo , e faremos 
„ por elle guerra , e manteremos a paz a quem nos 
„ mandar , e naõ obedeceremos , nem reconhecere- 
„ mos outro al^um Rey , falvo a elle , e tudo o fo- 
„ bredko juramos aos Santos Euangelhos , em que 
„ corporalmente pomos noííàs mãos , em prefença 
„ de Sua Mageftade , e de Sua Alteza , de aífim em 
„ tudo , e por tudo de o guardar : e em final de fo- 
„ geiçaõ , obediência , e reconhecimento do diro fè- 
„ nhorio Real, beijamos as mãos a Sua Magefta- 
, ; de , e a Sua Alteza , que nefte aclo eftaô prefen- 
„ tes. 

Em quanto o Infante jurou , lhe teve maô no 
Eítoque o Conde Baraõ , que lhe aífiftia para lhe 
advertir algumas ceremonias daquelle auto j logo , 
que acabou de jurar , foy beijar a maõ a EIRey , que 
lhe lançou hum braço fobre o hombro , e chegando 
para beijar a ma5 ao Príncipe , íe levantou em pé , 
e lhe lançou ambos os braços ao pefcoço , o que 
acabado, voltou para o lugar doCondeftavel , que 
he da banda da maõ direita dei Rey , donde eftava 
em pé , e defcoberto , com o Eíloque em ambas as 
mãos , levantado com a ponta para cima , ficando 
junto delle o Conde Baraõ , que teve ordem para 
checar hum encofto alto forrado de veludo carme- 
fim guarnecido de galoens de ouro , que pela fua 

idade 



da Café "Real Tortug. Liv. VIL 1 1 

idade era neceííario ter , em que íê encoftaíTè. Se- 
guiraõ-íe os Grandes , Senhores , Prelados , e mais 
peííòas, que coítumaõ jurar, e acabado o auto , íè 
recolheo EIRey , e o Principe com o mefmo acom- 
panhamento , com que viera. 

Contava o Príncipe onze annos no de 1700, 
quando em 4 de Abril íè vio acometido de huma 
graviííima doença , com fymptomas taõ efcondidos, 
que naõ davaõ lugar aos Médicos de poder fazer 
juizo certo , por naõ conhecerem a doença. Con- 
feííbu-fe o Principe com o Padre Francifco da Cruz, 
e communicandolhe huma Relíquia da Venerável 
Maria do Lado , que era meya irmãa do dito Pa- 
dre , mulher de grande virtude , e que havia acaba- 
do no Louriçal , fua Pátria , com opinião de Santa 
em 28 de Abril doanno de 1652 , depois de lhe ter 
dado a beber huma porção da terra da fua fepultu- 
ra , fez o Principe voto de edificar o Mofteiro das 
Religioíàs do Louriçal , que tivera principio no 
Recolhimento , que aquella ferva de Deos havia 
fundado. Declarou-íe a queixa em bexigas , e ain- 
da que íempre daô cuidado , o deu por entaõ me- 
nor , ao que fe padecia , e curadas com methodo , 
cobrou o Principe com felicidade a fua taõ defe- 
jada faude. Efte voto ratificou paíTàdo tempo , e 
mandou efcrever pelo feu ConfeíTòr a 18 de Janei- 
ro de 1702, que aííinou , e cumprio fendo já Rey ; 
aííim edificou , e dotou eíle Modeiro , ensiquecen- 
do a igreja de ornamentos, prata, e tudo o que 
Tom. VIII. Bii era 



1 2 Hijloria (jenealogca 

era neceiTario, comgenerofa piedade; e no de 1709 
entrara5 as Fundadoras nelle , aonde profeílàõ as 
fuás Religioíàs a primeira Regra de Santa Clara , 
a cuja eílreitiííima obfervancia do feu penitente Eí- 
tatuto ajuntarão hum particular daquella Caía , de 
orarem em Laufperenne de dia, e de noiíe diante 
do Santifllmo Sacramento duas Religiofas , rogan- 
do a Deos peia Igreja Catholica , eReyno, como 
mais di (lindamente diílèmos no dia 4 de Agofto no 
quarto Tomo do Agiologio Lijjitano , que temos 
efcrito , e com licenças para imprimir , aonde tra- 
tamos da fundação defte Morteiro , no dia da Traf- 
ladaçaõ do Corpo da Venerável Maria do Lado, 
que em deliciofa vifaô tinha vifto eíle Mofteiro po- 
voado de Religiofas com o Inftituto , que profe£ 
faõ , devendo-íe à piedade delRey D. Joaô efta ef- 
pecialiíííma devoção , e cuko ao Santiííimo Sacra- 
mento da Euchariftia. 

Eftava EIRey D. Pedro na Quinta de Alcân- 
tara , a que fica contíguo o Mofteiro das Religio- 
fas Flamengas do Padroado Real , as quaes profef- 
íao a primeira Regra de Santa Clara , e a Tua Igre- 
ja lhe íèrvia de Capella para a celebração dos Offi- 
cios Divinos : nella determinou recebeííè o Prínci- 
pe , e feus irmãos os Infantes D. Francifco, D. An- 
tónio, e D. Manoel , o Sacramento da Confirma- 
ção. Sahio EIRey do Paço com íêus filhos no dia 
31 de Outubro doanno de 1703 , acompanhado dos 
Grandes , e Officiaes da fua Cafa. Eftava o Bifpo 

Cap^l- 



da Cafa T^r.i Tortag. Liv. VIL 1 3 

CapelJaõ mòr, e Inquifidor Geral D. Fr.Jofcph de 
Lencaftre, revertido de Pontifical, aííèntado junto 
às eícadas do Altar mòr , e o Bifpo de Eivas Dom 
António Pereira da Sylva com cappa de Aíperges, 
e Mitra, fèntado da parte efquerda. Aííim , que 
EIRey entrou, íè levantarão os Biípos, efteve EI- 
Rey com o Príncipe , e Infantes debaixo da corti- 
na, e a Corte nos lugares , que lhe tocavaõ, e íà- 
hindo o Príncipe, íe poz de joelhos diante do Altar 
mòr em huma almofada , que lhe chegou o Duque 
de Cadaval D. Nuno Alvares Pereira de Mello, 
que íervia de Mordomo mòr, e conferindolhe oBif. 
po Capellaõ mor o Chrifma , foy feu Padrinho o 
Padre Miguel Dias , da Companhia , que havia fi- 
do Confeííor da Rainha fua may , Varaõ infigne 
em virtude , e letras , em quem concorriaõ tantas 
circunftancias , que o faziaõ merecedor da eílima- 
çaõ delRey, e de huma taõ grande honra, como 
íèr Padrinho do Príncipe , e o foy no mefmo acto 
dos Infantes feus irmãos, como em feu lugar dire- 
mos. 

No Capitulo V. eícrevemos , que falecera EI- 
Rey D. Pedro a 9 de Dezembro de 1706 , e neíte 
mefmo dia fobio ao throno Luíitano íèu filho o 
Príncipe D.JoaÔ V. do nome, entre os Reys íêus 
predeceíTores. A primeira peííòa, que beijou a maõ 
ao novo Rey , foy o Infante D. Francifco íeu ir- 
mão , que fe achava junto com elle ,. quando rece- 
berão a noticia da morte delRey feu pay , que 

hiaõ 



14 Hi flori a (genealógica 

hiaõ ver , como coftumavaõ todos os dias , à Quin- 
ta de Alcântara , e no caminho tiveraõ a referida 
noticia. Satisfeitas as ceremonias devidas à Magef 
tade do defumo Rey , começou logo a brilhar no 
novo Rey o fublime talento no acerto das fuás pru- 
dentes acções j porque com exemplo poucas vezes 
vido , pois naõ coftumaõ os Principes ferviremíè 
dos mefmos criados de feus pays $ porque com in- 
clinações antigas de novo occupaõ no feu ferviço 
Memorias do Duque outros: porém EIRey D. Joaõ V. chegando à fua 
m.í.tom. V | a 2.pag. u° Real prefença os Marquezes de Marialva , Alegre- 
te, e o Conde de Vianna, a entregarlhe as chaves 
douradas, com que haviaõ fervido a EIRey íèu pay, 
lhes ordenou , que as levaííem , porque queria o fer- 
viííèm na mefma occupaçaõ de Gentis-homens da 
fua Camera , que logo começarão a exercitar, to- 
mando femana. Tinha o Duque de Cadaval huma 
chave negra , que trazia comfigo , íèrvindo-íe delia 
quando lhe era neceílario , aífim no quarto delRey, 
como da Rainha , de quem era Mordomo mor ; 
porque defde os feus primeiros annos havia fido 
creado no Paço , e grande íèrvidor delRey ; depois 
da morte delRey D. Pedro, foy o Duque levar a 
EIRey a chave , e lhe diílè , que aquella chave, 
que elle tinha do Paço , lha havia dado a Rainha 
Dona Luiza fua avó , e que EIRey , que Deos 
tinha no Ceo , lhe havia continuado a permiflaõ de 
a ter , e que agora a ofFèrecia a Sua Mageftade , 
que lhe refpondeo , a levafle , para que ufaííè del- 
ia 



da Cafa %cal Tortug. Lh. VIL i 5 

la na mefma forma , que havia tantos annos. 

Naó tinha ainda acabado o encerro pela mor- 
te delRey feu pay , que havia principiado a 9 de 
Dezembro , e acabou a 19 do referido mez , e que- 
rendo fazer huma efpecial honra ao feu Confelho 
de Eftado , em hum Domingo antes de fahir em 
publico para a Tribuna da Capella Real aííiftir aos 
Officios Divinos , lhe deu licença para que foflè à 
fua prefença. Juntaraõ-fe os Coníelheiros de Efta- 
do na ante-camera delRey , e dizendo o Secretario 
de Eftado ao Marquez de Alegrete, Gentil-homem 
da Camera , que eftava de femana , que o Confelho 
de Eftado eftava alli para ir à Real preíença de Sua 
Mageftade , quan o foílè fervido , deu o recado o 
Marquez de Alegrete a EIRey , que mandou , que 
entrafle. Eftava EIRey na Camera em pé acom- 
panhado dos Infantes feus irmãos , pela preferencia 
da idade. Entrou o Confelho de Eftado com a for- 
malidade, com que coftumaõ preferiremíe huns a 
outros nos aííèntos , e depois de todos terem reve- 
renciado a EIRey , o Duque de Cadaval , como 
mais antigo , lhe expoz a mágoa , com que o Con- 
felho de Eftado chegava a ília Real preíença , pelo 
grande fentimento , em que os tinha a morte del- 
Rey feu Senhor : porém , que a confolaçaõ de taô 
grande perda lha havia Deos prevenido na Real 
peífoa de Sua Mageftade, ornada de Religião , Juf- 
tiça , e Clemência , e outras muitas virtudes , que 
fariuõ o feu nome recommendavel à pofteridade , 

como 



\6 Hiftoria Çenealogica 

como nelles o amor , zelo , e fidelidade ; e logo to- 
dos beijarão a maõ a EIRey , e aos Infantes. De- 
pois íahio EIRey para a Tribuna, e quando paíícu 
eftava toda a Corte , e lhe beijou a maõ. No dia fe- 
guinte , que era íègunda feira , foraõ todos os Tri- 
bunaes à fua Real preíença , na forma coftumada. 
Nomeou EIRey para o defpacho do Expediente ao 
Marquez de Marialva , Alegrete , e ao Conde de 
Vianna ; porque o Duque já havia muitos annos 
occupava efte lugar , ordenandolhe , que todas as 
tardes continuariaõ efta occupaçaô. Depois no- 
meou para o meímo defpacho ao Bifpo Capellaõ 
mor , e Inquiíidor Geral Nuno da Cunha de Ataí- 
de. 

Determinou-íè o dia primeiro de Janeiro do 
anno de 1707 para o auto do levantamento , e jura- 
mento , que haviaS de fazer os Grandes , Senhores 
Seculares , e Ecclefiafticos , e mais peíTòas , que tem 
lugar em íêmelhantes occaíioens. Para o que no 
Terreiro do Paço junto à galaria , que corre do 
canto da Torre , que fica da parte do rio até o ou- 
tro canto da varanda de pedraria , que fica da par- 
te da terra , fe fabricou huma varanda de madeira , 
que tomava todo aquelle efpaço de huma , e outra 
parte no meímo andar, e altura da outra de pedra, 
da qual fe paíTàva de huma para a outra , que tinha 
trezentos e íètenta palmos de cumprimento , e trin- 
ta de largura , armadas as paredes de riquiílimas ar- 
mações , as columnas de damafco carmefim , e as ba- 

zes, 



da Cafa T^al Tortug. Liv. VIL 1 7 

zes , e aílentos das columnas cobertas de panos de 
veludo carmefim , bordados de ouro com fanefas 
do meímo , e entre cada arco íè via hum pano de 
veludo verde bordado de prata com huma tarja , 
dentro da qual eftavaõ as Armas Reaes de ouro , e 
prata ; o teclo da varanda eítava ornado todo de 
panos de veludo , e em boa femetria fe admiravaõ 
huns de cor azul bordados de prata, e deborcado 
de ouro carmefim , e pelas duas bandas outros de 
veludo ve de , bordados , e franjados de prata com 
as Armas Reaes bordadas , e todos divididos com 
efpaldares de veludo carmefim bordados de ouro , 
que igualmente admiravaõ pelo bom gofto , do que 
pela riqueza; o pavimento todo coberto de finifíi- 
mas alcatifas da índia de diverfas cores, e grande es- 
timação ; o madeiramento por baixo das grades da 
varanda fe armarão de excellentes tapeçarias de Ar- 
raz , e as janellas do Paço , que cahiaõ fobre a va- 
randa, eftavaõ todas com cortinas de damafco car- 
mefim com fanefas de borcado da mefma cor , tudo 
franjado de ouro , de forte , que tudo o que íè via, 
era rico , e magnifico. 

No topo da varanda, que fica da parte do For- 
te , ficava o throno para EIRey, que íè levanrava 
em hum eftrado grande com quatro degraos , e fo- 
bre elle outro mais pequeno com dous, tudo co- 
berto de riquifíimas alcatifas , e nefte eftava huma 
cadeira de tela carmefim bordada de ouro , debaixo 
de hum muy rico docel também carmefim todo 
Tom.VIII. C borda- 



I 8 Hljloria Çenealogica 

bordado de ouro , e no meyo as Reaes Armas de£ 
te Reyno , e a parede , em que íè encoftava , co- 
berta de dous riquiílimos panos de Arraz de feda, 
e ouro , o da parte direita tinha a figura da Juíli^a , 
e o da efquerda , a da Prudência. 

Occupavaõ muita parte da varanda, e os qua- 
tro degraos do eílrado grande, os Minifiros de to- 
dos os Tribunaes , Cabido da Sé , Prelados das Re- 
ligioens , Fidalgos, peíTbas do Confelho delRey, 
Donatários de terras da Coroa, e Alcaides mores, 
todos em pé. No Terreiro do Paço eflavaõ for- 
mados dous Regimentos de Infantaria dos Coro- 
néis D.Jorge Henriques, Senhor das Alcáçovas, e 
D. Miguel Luiz de Menezes , herdeiro da Caía de 
Valadares, ehum corpo de íeis Companhias deCa- 
vallos à ordem de Diogo Luiz Ribeiro Soares , 
General de Batalha da Província da Extremadura , 
e General da Artilharia do Reyno do Algarve , 
acompanhado do CommiíTario de Cavallaria Antó- 
nio Luiz de Eéja , e outros Officiaes Militares ; ao 
pé da varanda eftava a guarda dos Archeiros del- 
Rey com o íèu Tenente António Rapofo de An- 
drade. Todo o mais Terreiro eftava coberto de 
innumeravel gente , aíílm de Nobreza em carrua- 
gens , como de Povo , vendo-íe naõ fó todas as ja- 
nellas, mas os telhados, que fícaõ para aquella par- 
te , occupados de gente. 
•o dal evamamen. Sahio EIRey da fua Camera , e baixou doPa- 

to imprcflo no anno de \ /* 11 i m i /• 1 i 1 1 1 

1707. ço a ia;Ja dos luaeícos pela numa hora da tarde 

cm 



da Cafa T\eal Tortug. Liv. VIL 1 9 

com Opa Real de cela de prata com flores de ouro, 
forrada de tela carmefim com as mefmas flores, vef- 
tido de velado com abotoadura de diamantes, e no 
peito com o Habito da Ordem de Chrifto em bu- 
ma Venera , guarnecida também de diamantes de 
grande valor , elpadim da meíma íorte, e no chapeo 
huma joya , que prendia a aba delle , tudo peíTàs 
de grandilfíma eílimaçaõ. Levava a cauda do Man- 
to Real o Marquez de Marialva D. Pedro Luiz 
de Menezes , do Coníêlho de Eftado, e íeu Gentil- 
homem c!a Camera , que eftava de íemana. Pouco 
diante, e immediato a EIRey , hia o Infante Dom 
Francifco com o Eftoque defembainhado , e levan- 
tado em as mãos, e deícoberto, fazendo o officio 
de Condeftavel defte Reyno , e à maõ efquerda 
delRey os Infantes Dom António, e D. Manoel, 
a quem acompanhava D.Jofeph de Menezes, Ve- 
dor , que eftava de femana : adiante do Condefta- 
vel hia Vaíco Fernandes Cefar de Menezes fazen- 
do o officio de Alferes môr , por aufencia de feu 
pay , com a bandeira enrolada : a elle fe feguia o 
Mordomo môr D. Martinho Mafcarenhas , Con- 
de de Santa Cruz , e na mefma igualdade D. Fer- 
naõ Martins Mafcarenhas , Conde de Óbidos , 
Meirinho môr, e adiante Lourenço de Mendoça, 
Conde de Vai de Reys , Regedor da Cafa da Sup. 
plicaçaõ , do Coníêlho de Eftado , e D. Thomás 
de Almeida , Bifpo de Lamego , ( ainda naô íag r a- 
do ) Chancelíer môr do Reyno , Secretario de Ef- 
Tom.VÍII. Cii tado, 



2 Hifioria Genealógica 

tado, fazendo oofficio deEícrivaÕ da Puridade, e 
aíiim hiaõ diante os mais Officiaes da Cafa Real, 
Thomé de Soufa Coutinho , D. Francifco Xavier , 
Pedro de Soufa , Vedores , Álvaro de Souíà e 
Mello , Porteiro môr , D. Luiz Joíêph de Alma- 
da, Meftre Salla , Aleixo de Souía e Sylva > Con- 
de de Santiago, Apofentador môr, ArTonib de Va£ 
concellos e >,oufa, Conde da Calheta , Repoíteiro 
môr, Fn.ncifco de Mello, Monteiro môr, Marti- 
nho de Soufa de Menezes , Copeiro môr , D. Fi- 
lippe de Soufa , D. Pedro de Caílellobranco , Con- 
de de Pomhciro , e D. Luiz Innocencio de Caftro, 
todos três Capitaens da Guarda Real , D. Pedro 
Alvares da Cunha , e Manoel de Vafconcellos e 
Souía , Trinchantes , e todos os que tinhaõ iníig- 
nias dos fêus cargos as levavaõ , vertidos de gala , 
ornados com joyas com muito luzimento. 

Da parte da maô direita delRey hia o Du- 
que D. Javme , do Confelho de Eftado , três , ou 
quatro paííbs mais adiante , e da outra parte hiaõ 
o Marquez de Cafcaes D. Luiz Alvares deCaflro, 
do Confelho de Eftado, Alcaide môr de Lisboa, o 
Marquez de Alegrete Manoel Telles da Sylva, do 
Confelho de Eftado , Gentil-hornem da Camera de 
Sua Magefiade , e Vedor da Fazenda, o Marquez 
de Fontes D. Rodrigo Annes de Sá de Menezes, 
o Marquez das Minas D. Joaõ de Souíâ , e D. Ro- 
drigo de Mello, filho do Duque de Cadaval: hiaô 
diante os Condes em duas alas, enomeyo delles os 

Offici es 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 2 i 

Officiaes da Cafa já nomeados ; todos os Grandes 
hiaô veltidos com excellentes galas com admiráveis 
joyas , mas defcobertos ; porque neftes aólos he cof- 
tume naõ fe cobrir peíloa alguma. 

Detraz delRey hia Nuno da Cunha de Ataí- 
de, Bifpo deTarga, leu Capellaõ mor, António de 
Vaíconcelios e Souíà , Bifpo de Coimbra, Conde 
de Arganil , Dom Álvaro de Abranches , Bifpo de 
Leiria , António de Saldanha da Gama , Biípo da 
Guarda , D Nuno Alvares Pereira de Mello, Re- 
formador da Univerfidade de Coimbra, D. Joíeph 
de Almada , Arciprefte da Sé de Lisboa , D. Joaõ 
de Soula , Dom Prior deGuimaraens, todos Sumi- 
lheres da Cortina , o Arcebifpo D. Diogo da An- 
nunciaçaõ , que o havia fido de Cranganor , o Bifc 
po D. Fr. Joíeph de Oliveira , que o havia fido de 
Angola , e outros Fidalgos. 

Principiava o acompanhamento pelos Reys 
de Armas , Ai autos , e PaíTavantes , veftidos com 
Cotas, e os Porteiros da Cana com Maças de pra- 
ta , e outros com Canas na mão , e os Moços da 
Camera. AfTim , que começou o acompanhamen- 
to, foaraÔ as trombetas, atabales, e mais inftrumen- 
tos ; e para que o povo viííe a Real peíloa de Sua 
Mageilade , foy andando por junto das grades da 
varanda : ao mefmo tempo fe abrirão as janellas do 
Paço, que cahiaõ fobre ella, e na ultima junto ao 
Forte, que ficava defronte ao throno delRey, es- 
teve a Infanta D. Francifca, que aííiftio incógnita , 

acom- 



2 2 Hiftoria Çenealogica 

acompanhada da Marqueza de Unhaõ ília Aya ; e 
às outras janellas , que íe feguiaõ , eltavaô as Da- 
mas , Senhoras de Honor , Marquezas , Condeflas , 
e mais Senhoras , que haviao ido aífiftir à Infanta. 

Antes delRey fubir ao throno , o Repofteiro 
mor íbbio a defcobrir a cadeira , eElRey fe Tentou 
nella , e tomou da maõ do Marquez de Marialva 
hum fceptro de ouro eímaltado , que o Thefoureiro 
da Caía Belchior de Andrade Leitão tinha em hu- 
ma falva de prata dourada ; eftava o Infante Dom 
Franciíco , como Condeftavel do Reyno , na pon- 
ta do eftrado da parte direita em pé , e defcoberto 
com o Eíloque levantado ; da mefma parte ficarão 
mais próximos aElRey os Infantes D. António, e 
D. Manoel , em pé , e defcobertos , porque , como 
já diííèmos , em femelhantes autos ninguém tem af- 
fento , nem íe cobre : e detraz da cadeira Real fi- 
cava o Marquez de Marialva. Da mefma parte di- 
reita , já noíegundo eftrado grande, ficarão o Du- 
que D. Jayme , o Bifpo Capellaõ mor , o Bifpo da 
Guarda , os Sumilheres da Cortina delRey , o Con- 
de Mordomo môr , o Conde Meirinho môr , os 
Marquezes de Cafcaes , Alegrete, Fontes, Minas, 
D. Rodrigo de Mello, e o Secretario de Eftado , e 
o Alferes môr ficou com a Bandeira enrolada em 
cima do ultimo degrao da mefma parte direita do 
eftrado grande quando fe fobe ; e por huma , e ou- 
tra parte eftavaõ os mais Grandes fem precedência , 
o Conde de Alvor Francifco de Távora , do Con- 

felho 



da Cafa %eal Tcrtug. Liv. VIL 2 3 

felho de Eftado , e Prefidente do Confelho Ultra- 
marino , Miguel Carlos de Távora, Conde de S. 
Vicente , do Confelho de Eftado , General da Ar- 
mada Real , Simaõ Corrêa da Sylva , Conde da 
Caftanheira , do Confelho de Eftado, Vedor da Fa- 
zenda , e da Cala dos Infantes , Joaõ da Sylva Tel- 
lo de Menezes , Conde de Aveiras , Prefidente do 
Senado daCamera , D. Jofeph de Menezes , Conde 
de Vianna , do Confelho de Eftado, e feu Eftribei- 
ro môr , D. Luiz de Almeida , Conde de Avintes , 
General de Batalha da Província de Traz dos Mon- 
tes , D. Jofeph Rodrigo da Camera , Conde da Ri- 
beira Grande, D. Marcos de Noronha , Conde dos 
Arcos , Fernão Telles da Sylva , Conde de Villar- 
Mayor, Embaixador nomeado à Corte de Vienna, 
Depurado da Junta dos Três Eftados , D. Rodrigo 
da Sylveira Telles da Sylva , Conde de Sarzedas, 
Deputado da Junta dos Três Eftados , D. Miguel 
Luiz de Menezes , Conde de Valladares , D. Ma- 
noel Jofeph de Caftro e Noronha , Conde de Mon- 
íiinto , Nuno de Mendoça , Conde de Vai de Reys, 
D. Thomds de Noronha , Conde dos Arcos , Dom 
Francifco de Souía , do Confelho de Eftado , Prefi- 
dente da Mefa da Confciencia , e Ordens , Bernar- 
do de Távora, Conde de Alvor , Manoel Carlos da 
Cunha , Conde de S. Vicente , António Jofeph de 
Mello e Torres , Conde da Ponte , D. Jeronymo 
Caílmiro de Ataíde, Conde de Atougia. D. Filip- 
pe Mafcarenhas , Conde de Coculim , D. Pedro de 

Len- 



24 Hijloria Çenealogica 

Lencaftre , Conde de Villa-Nova , Álvaro Jofeph 
Botelho de Távora, Conde de S.Miguel, o Conde 
Thomás Joíeph Botelho de Távora feu filho , D. 
Pedro de Caftellobranco , Conde de Pombeiro , 
Capitão da Guarda Real, Aleixo de Soufa da Syl- 
va, Conde de Santiago , Apofentador mor, Mar- 
tim António de Mello , Conde de S. Lourenço , 
D. Joaô Maícarenhas , Conde da Torre , Rodri- 
go Xavier Telles de Caftro e Sylveira , Conde de 
Unhaô , D. Thomás de Lima Brito e Neguei a , 
Vifconde de Villa-Nova da Cerveira , D. Jofeph 
Lobo da Sylveira , Conde de Onola , Baraõ de Al- 
vito , e Luiz da Sylva Tello , Conde de Aveiras, 
o Vifconde de Aíleca Diogo Corrêa de Sá , e todos 
os Officiaes da Caía Real , de que já rizemos men- 
ção, oceuparaõ o referido eftrado grande. Seguiaõ- 
íe no fegundo degrao os Miniítros do Senado em 
corpo de Camera , e logo os Miniftros do Tribunal 
do Defembargo do Paço , os do Coníèlho Geral 
do Santo Officio , do Coníèlho da Fazenda , Meia 
da Coníciencia , e Ordens , Cafa da Supplicaçaõ , 
Confelho Ultramarino , Junta dos Três Eftados , 
Junta do Commercio Geral , Junta da Adminiftra- 
ça6 do Tabaco, e outros mais Miniftros. No pa- 
vimento, antes de chegar ao primeiro degrao do ef- 
trado grande, eíliveraõ os Reys de Armas, Arau- 
tos, e PaíTavantes , Porteiros das Maças , e da Ca- 
.. , e depois delles fe feguiaõ os Senhores de Ter- 
ras , Donatários da Coroa , Alcaides rr.ôres , e mui- 
tos 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL 2 5 

muitos Fidalgos , que fe acharão nefte auto , cada 
hum no lugar, em que melhor pode eílar em pé. 

Depois, que EIRey íe ièntou , ficando tudo 
cm filencio , precedida a ceremonia coílumada , o 
Doutor Manoel Lopes de Oliveira , do Confelho 
delRey , e feu Defembargador do Paço, fez a cof- 
tumada falia , que acabada, o Repofteiro môr poz 
diante delRey huma cadeira raza de tela carmeíim, 
coberta com hum pano , e huma almofada , e ou- 
tra aos pés delRey para ajoelhar , tudo da meíma 
tela , fobre a qual o Hiípo Capellaõ môr poz hum 
MiíTal aberto , e nelle huma Cruz de prata doura- 
da. EIRey fe poz de joelhos, ficando junto à fua 
cadeira o Capellaõ môr , e os Bifpos de Coimbra , 
Leiria , e Guarda , que foraõ teíicmunhas do jura- 
mento , que EIRey fez, para o que podo de joe- 
lhos fobre a almofada , mudando o {ceptro para a 
maõ efquerda , e dando o chapeo ao Marquez de 
Marialva , pondo a maõ direita fobre o Miflal , e 
Cruz, fez o juramento , e levantando-fe EIRey, íè 
fentou, e os Bifpos foraõ para o feu lugar , e depois 
de precedidas as formalidades indiípeníaveis defte 
auto, a primeira peílba , que jurou , foy o Infante 
Dom Francifco, naõ como Condeftavel , como já 
deixamos referido , mas pela fua Fveal peílba, a que 
fe íèguio o Infante D. António , e o Infante Dom 
Manoel, aos quaes EIRey com o poder Real íup- 
prio o deleito da idade , diípeníândo com elles o 
impedimento das Leys Civis 5 feguio-fe logo o Du- 
Tom.VIII. D que 



2 6 Híjloria Çenealogica 

que D. Jayme , do Ccnfelho de Eftado , cunhado 
delRey , e tanco , que íe acabarão os juramentos, o 
Rty de Armas declarou, que todos osGrandes, e 
Kobreza, que naquelle lugar íè achavaõ , foíTem 
jurar fem precedência , nem prejuízo do direito de 
algum ; e arTim foraõ os Marquezes de Cafcaes y 
Matiaiva , Alegrete , Fontes, e Minas, a que fe íe- 
guiraõ os Condes, que já ficaõ referidos; e tanto 9 
que os Grandes feculares jurarão , o fez o Bifpo Ca- 
pellaõ môr , o de Coimbra , e todos os mais Bifc 
pos , e Prelados: e acabado o auto , fahio EIRey 
acompanhado fomente, dos que tinhaõ vindo com 
ellc , e baixou à Capella , que eftava licamente ar- 
mada. Efperava à porta nas efcadas o Conde de 
Aveiras , Prefidente da Camera , com os Vereado- 
res do Senado com as infígnias do feu cargo , e de- 
fronte eílava o Bifpo Capellaõ môr revertido de 
Pontifical com a Relíquia do Sacroíanto Lenho nas 
mãos debaixo de hum rico Paleo de tél i branca , 
de que tinhaõ as varas osCapellães da Capella Real, 
revertidos com Pluviaes , os Moços da Capella com 
tochas accefas , o Deão da meíma Capella Luiz de 
Almada , e os mais Capellaens com Cruz alçada. 
AíTim, que chegou EIRey , fe poz de joelhos íb- 
bre huma almofada deborcado, e adorou, e beijou 
a Santa Relíquia , que lhe deu o Bifpo Capellaõ 
môr , e entoando a Capella o Hymno Te Deum lau- 
damas , foy EIRey acompanhando a R eliquia até 
o Altar môr r onde ertava hum fuial de borcado 

ff,:n- 



da Cafa T^çal Tortug. Lh. VIL 2 7 

franjado de ouro , em que EIRey íe poz de joelhos, 
em quanto a Muílca acabou de cantar , e depois o 
Bifpo Capellaõ mòr diíle a Oração: eftava o Infan- 
te Condeflavel doReyno com o EMoque levanta- 
do diante delRey ; e aífim mefmo os Infantes D. 
António , e Dom Manoel , e logo o Alferes môr , 
os Grandes , e Officiaes da Cafa , que todos foraõ 
acompanhando a EIRey quando fobio para o Pa- 
ço. Foy grande o gofto , e alvoroço deite dia em 
todo o povo , vendo o íeu Rey no mais florido 
tempo da idade , de gentil prefença , bizarro, agra- 
dável aípeclo , brilhando em poucos annos virtudes 
heróicas , pois fó com a vifta fe fazia amável ; e af- 
fim com vivas , e acclamações felicitavaõ ao novo 
Rey , em que feguravaõ a fua mayor felicidade. 

Exaltado EIRey ao throno , todos os Minif- 
tros Eftrangeiros foraõ à íua Real prefença a ren- 
derlhe os íeus obfequios , e começou a cuidar no 
governo do Reyno , a que deu principio com a rati- 
ficação da liga da Grande Alliança, que EIRey feu 
pay havia celebrado. O Miniftro de Inglaterra Pau- 
lo Methwin , Enviado daquella Corte , de donde 
havia pouco chegsra , para fubftituir a falta de feu 
pay, que falecera nefta Cidade fendo Embaixador, 
e D. Francifco Schonomberg , Minifl.ro dos Efta- 
dos Geraes, lhe foraõ logo render as graças dapir- 
te de feus Soberanos pela fua admirável refoluçaõ. 
E nomeou para governar as Armas dos feus Exér- 
citos ao Duque de Cadaval Medre de Campo Ge- 
Tom.VIII. Dii neral 



2. 8 Hiftoria Çenealoglca 

neral junto àfua peflba, em quem concorriau grnn- 
des experiências , e valor ; porém depois com ou- 
tros motivos naó teve erfcito , fem embargo iie já 
ter mandado a fua bagagem para a Beira, aonde ie 
rjuntava o Exercito. 

Deu EIRey logo nos primeiros dias do ílu 
Reynado huma publica demonftraçaõ do feu reli- 
niofo animo , moftrando o quanto venerava a Sé 
Apoftolica. Havia o Papa Clemente XI. promo- 
vido ao Capelio de Cardeal a D. Miguel Angelo 
Conti, Romano, da antiga, e efclarecida Família 
do feu appellido, Núncio neftes Reynos ; e para 
moftrar a efiimaçaô, que fazia da fua peílòa , reíol- 
veo de a honrar , pondolhe com a fua Real maõ o 
Barrete Cardinalício , que lhe havia trazido Mon- 
fegnor Valinhane , parente do Núncio , o que no 
dia 6 dejaneiro do referido anno de 1707 fe execu- 
tou no Oratório privado do Paço. . 
~ Querendo EIRey em tudo imitar aos feus pre- 

Memorias do Duque V 14 J r . , TT ■ r 

de Cadaval d. Nuno deceíTores , determinou jurar os toros da Univerli- 
rom.iz.pag.5. ^^^ de Coimbra, como feu Proteftor, para oque 

privadamente na fua Camera , no dia 1? dejanei- 
ro , achando-fe fomente prefentes o B.fpo Capellaõ 
mor Nuno da Cunha de Ataide, os Gentis-homens 
da Camera os Marquezes de Marialva, e de Alegre- 
te , e o Conde de Vianna , e o Prefidente da Meíâ 
da Confciencia , e Ordens D. Francifco de Soufa, 
todos doConfclho de Eílado , eD.Thomás de Al- 
meida, Secretario de Eftado , fe fez eíla ceremonia 
na forma feguinte. Elta- 



daCajaT^ealTcrtag. Lix.VU. 2.9 

Eílava EIRey Tentado ern huma cadeira de 
borcado carmefim, e os Gentis-homens da Camera 
tomarão a parede da parte direita, em que EIRey 
ficava , e o Prelldente da Meia da Confciencia , e 
Ordens , e o Reytor da Univerfidade D. Nuno Al- 
vares Pereira de Mello da efquerda $ e diante hu- 
ma cadeira raza coberta com hum pano debcrcado 
carmehm com huma almofada do meímo , e outra 
ao pé para EIRey Te pôr de joelhos. Hum Capel- 
laõ trouxe do Oratório privado delRey huma Cruz 
de prata , em que eftava a Imagem de Chrifto Cru- 
cificado , e hum MiíTal , que à porta da Camera foy 
tf mar o Capellaõ môr , e entrando com a Cruz, 
EIRey fe levantou, e o Capellaõ môr apoz, eo 
MilTJ íbbre a almofada , e pondo-fe EIRey de joe- 
lhos com as mãos fobre a Cruz, e Miílàl , eílavao 
de joelhos da parte direita o Capellaõ môr , e da ef- 
querda o Secretario de Eftado , que lendo a forma 
do juramento, EIRey arepetio em voz clara, e in- 
telligivel , e dizia : 

„ Eu EIRey, Protector da Univerfidade , ju- 
„ ro a eftes Santos Euangelhos , em que ponho as 
„ mãos, que daqui em diante, quanto em mim for, 
„ampararey, e defenderey adita Univerfidade com 
„ todas as coufas , que lhe tocarem , fegundo vir, 
„ que mais convém à fua coníêrvaçaõ , e proveito j 
„ e aílim guardarey os Eftatutos , privilegies , liber- 
„ dades, uíbs , e coílumes delia : e no que toca ao 
„ íèu Regimento , augmento, e confervaçaõ de fua 

3 , fazen* 






3 o Hi floria (genealógica 

„ fazenda , cumprir as coufas , que eftaô poílas no 
„ Titulo do Regimento do Prote&or. 

Já EIRey a 10 do referido mez havia também 
privadamente feito o juramento dos Medrados das 
Ordens Militares de Chrifto, Aviz, e Santiago , de 
que elle era Governador , e perpetuo Adminiftra- 
dor , na mefma forma , que o haviaÕ feito os feus 
predeceííòres , e havendo cumprido com os antigos 
coftumes do Reyno , entrou com grande apphca- 
çaõ a tratar dos negócios delle. Creou novos Mi- 
niftros para o Coníêlho de Eftado , e foraõ o Bifpo 
Capellaõ mor Nuno da Cunha de Ataide , que 
também o nomeou Inquifidor Geral deites Reynos, 
e o Conde Meirinho môr D. Fernão Martins Mas- 
carenhas, aquém fez Ayo dos Infantes D. Antó- 
nio y e D. Manoel , e reftituio também ao Coníê- 
lho de Eítado ao Conde de Caftello-Melhor Luiz 
de Vaíconcellos e Soufa , que pelos motivos , que 
temos referido , naõ havia entrado nelle , quando 
teve a permiflãõ de refidir na Corte. Ao Infante 
D.Francifco íeu irmaõ deu também logo Cafa a 15 
de Janeiro , nomeandolhe Gentis-homens da Came- 
ra , e mais Criados nos foros da Cafa Real para o 
íèrvirem , accrefcentando com novas doações , e 
mercês , as que EIRey íeu pay lhe deixara na Caía 
do Infantado , e augmentandolhe o feu Eftado con- 
íjderavelmente , como diremos no Capitulo XIII. 
e nas Províncias fez continuar a guerra , moftrando 
em tudo huma tao cuidadoíli applicaçaõ , que dei- 
xava 



da Ca/a Ifyal Tortng. Liv. VIL 3 1 

xava aos feu VaíTalIos igualmente admirados , cue 
contentes. 

No Capitulo V. deixámos ao Marquez das 
Minas , que governava o Exercito dos Altos Allia- 
dos em Catalunha , onde neíte anno a 23 de Abril 
fe achava , tendo expugnado oCaftello de Vilhena, 
depois de haver procurado atacar os inimigos em 
Ecla , e em Montalegre , occaíloens , que evitou o 
Duque de Berwick , que mandava o Exercito del- 
Rey D. Filippe V. abandonando em ambas as par- 
tes os principaes celleiros. Tendo noticia os Ge- 
neraes da Grande AHiança, que de Chinchilha , de 
donde elle íe havia ultimamente retirado , paliara 
por Montalegre com todo ofeu Exercito, efe acam- 
para em Almança , refblveraõ os noííòs marchar no 
dia 24 com o noíío Exercito , e ir acampar a Cau- 
dete , aonde no mefmo dia fe deraõ as ordens para 
a marcha , e ataque , que no dia 25 fe havia de ex- 
ecutar. Desfilou o noííb Exercito por ambos os la- 
dos , e marchou em quatro columnas pelas cinco 
horas da manhãa , e chegando pelas onze do dia à 
vifta do inimigo, fe formou, e marchou em batalha. 
Achando-fe , que a noíTa frente era menor , que a 
contraria , fe augmentou a efquerda da noílà primei- 
ra linha com cinco efquadroens do Minho , que man- 
dava o Conde de Atalaya Dom Pedro Manoel , e 
dous batalhoens Inglezes , que faziaõ a efquerda da 
fegunda. Pelas duas horas e meya da tarde desfi- 
lou a noíTa efquerda para paíTar hum barranco, que 

paííòu 



32 Hifloria Çenealoyca 

pafíòu debaixo do fogo das batarias dos inimigos , e 
íe formou, e fem dilação atacou a direita inimiga, 
que por três vezes cedeo aos noflbs , e tomou ao 
combate, até que o Duque de Berwick, temendo a 
ultima ruina daquella ala , a reforçou com a Briga- 
da de Maine, que com quatro batalhoens fazia a di- 
reita da fua fegunda linha de Infantaria , o que obri- 
gou aos noílòs a ceder do combate , porque derro- 
tou a Infantaria Ingleza , cujo fogo amparava, e 
fuppria o inferior numero da noíTa Cavaliaria. No 
mefmo tempo doze batalhoens da noíTa primeira li- 
nha das três Nações , Portugueza, Ingleza , e Hol- 
landeza , e íète da íegunda linha marcharão a atacar 
a Infantaria inimiga j os doze o executarão com tao 
bom fucceíío , ( achando as linhas contrarias em 
marcha de Coíiado íòbre a fua direita , o que fize- 
raõ pela mefma cauía , que os tinha obrigado a fa- 
zer o deílacamento ) que toda lhe cedeo , e fe reti- 
rou com defordem até dentro de Almança , de don- 
,de os noííbs trouxeraõ muitas bandeiras Francezas. 
Tanto fe deu a batalha por perdida, que o Duque 
de Orleans , que caminhava para o feu Exercito, 
fem íàber da batalha , a primeira noticia , que lhe 
derao no caminho, foy, que os feus ahaviaõ perdi- 
do. A noíla direita , que fe naõ tinha movido , foy 
atacada pela efquerda dos inimigos , que também fe 
naõ havia abalado , quando o reftante do Exercito 
fez a marcha de Coíiado, e por iííò fe achava con- 
fideravelmente dividida delle. A noíla Cavaliaria 

do 



da Cafa ^Real Tortug. Liv. VIL 3 3 

do lado direito , fendo muito inferior no numero à 
do inimigo , pele jou de ícrte , que fendo rota pe- 
los inimigos duas vezes , fe tornou a foi mar , e ven- 
do-fe atacada por todos os lados pela Cavallaria , e 
Infantaria inimiga , foy obrigada a retirarfe depois 
de hum muy diiputado combate. A Infantaria, que 
fe achava entre ella , íe defendeo , obrigando à Ca- 
vallaria inimiga , a que fe retiraílè varias vezes a re- 
fazer fe da delordem , que lhe caufava o fogo dos 
noflbs , que íè naõ renderão inteiramente , fenaõ 
junto à noite. O que vendo o corpo da noíía In- 
fantaria , que havia deftroçado a inimiga , e reco- 
nhecendo , que íem o amparo das duas alas , que 
já naõ exiíliaô , naõ podia confervar a ventagem, 
que tinha ganhado ícbre o principal corpo do Ex- 
ercito contrario , procurou retirarfe , o que fez pe- 
lo meimo carrpo , em que principiara a batalha , 
corde as duas alas da Cavallaria inimiga já defem- 
buraçadas da^ noífas, inveftirao os doze Regimentos 
das três Nações , a que fe havia ajuntado mais hum 
Hollandez : rechaçarão os noífos três vezes os con- 
trarias , que outras untas os atacarão no espaço de 
duas legoas , que os noííos fe retirarão p ra ganhar 
a Strra , íonde fizeraõ alto, por naõ poderem os 
S( ldados continuar a marcha, e capitularão no dia 
feguinte, ermo fe fe achaíTèm dentro em huma Pra« 
ça Real: e efla entrega foy a grande ventegem , 
que os inimigos tiveraõ neíla batalha , em que a 
perda foy mayor , que a dos noífos , e he referida 
Tom.VilI. E naõ 



34 HifloYta (fc?jea!og!ca 

naõ ío por defintereííàdos , mas pelos meírnos ini- 
migos, dos quaes ouvimos alguns Officiaes , que le 
acharão na mefma batalha , que livremente o ccn- 
feííàvaõ : de forte , que fenaõ padecera eíle corpo 
a defgraça de fe naõ poder unir às mais Tropas, 
que do combate fe retirarão , ambos csGtneraes íè 
jactariaõ igualmente da vitoria , ficando em duvida, 
de que parte havia fido a ventagem , que os inimi- 
gos confeguiraõ com o grande numero dos prifio* 
neiros dos treze Regimentos , que fe entregarão, 
depois de haverem capitulado com hum Exercito 
fí[!loin ã* Po[yie «nu vitoriofo. Folard , Author Francez , fallando nefta 

notes par Mohj.de Fá» . t, c rp ... • * i- 

Urd, tom.?, pag. 305. batalha conrelfa , que os inimigos a tiverao perdi- 

Ai-anz 172b'. do, e C omo depois os melhorara afortuna , e a conf 

tancia , e valor , com que huns , e outros peleija- 

raô , naõ fe apartando , do que temos referido. O 

Marquez de San Filipe Marquez de S. Filippe nos íeus Commentarios con- 

Comet1t.delaG1tcr.de r — l r _ .. , ^ ., .. 

£/^.lib.8.pag.28i. relia o meímo ; porque rallando de Oalloway , diz: 
E/Io avigorò las Tropas dei centro, que peleaban va- 
lerofamente contra Bervvil' , y protegidos de fu dere- 
cha , la havian hecho retroceder ca/i ha/la %Almcnía 
cediendo los Francezes , y E/paãoles ai brio de fus 
contrários , no dexaron el combate , ni bolvieron la ef- 
palda , pêro rompia el Marquez de las Minas la pri- 
mera , y fegunia Une a , y pafjo adelante con mas que 
probables efperanças de vitoria , OV. Porém efte il* 
luflre Author , que efcreveo com elegância , pade^ 
ceo alguma equivocaçaõ em muitos incidentes dei- 
ta batalha , o que lhe fuccede de ordinário , quan- 
do 



da Ca/a %eal Tortug. Liv. VIL 3 5 

do falia nas noflàs coufas , que efcufamos de relatar, 
porque nos nao importa mais , que referir os lucef- 
los com verdade ', e ailim íó ciumos , que entre os 
enganos , que teve , toy o de dizer , que o Marquez 
das Minas fura terido netia batalha ; porque iup- 
poito ptleijou valerolameite, naó teve ferida algu- 
ma. Outro Author Htípanhol, que efcreveo elia Hijl. civil de E/pana, 
guerra , fe^uio em tudo os referidos Commentarios, P^ o8 »c™MAdr,d, 
e aJTim cahio nos melmos erros ; e delle fazemos ef- 
ta mençaõ para me (irarmos , que os vimos , e ou- 
tros , que todos conhrmaõ c melmo , que referimos, 
do valor , com que os nollos peleijaraõ. No Rey- 
no continuava a guerra nas Províncias , em que as 
noíías ai mas fizeraõ huma diverfaó a favor das que 
em Catalunha linha EIRey Carlos III. onde con- 
servámos fempre hum bom corpo de Tropas Por- 
tuguezas em quanto durou a guerra. 

Neile melmo anuo mandou o Almirante Scho- 
wel a duas fragatas de guerra Inglezas , que eftavaõ 
no porto de Lisboa , feguifíem hum navio Geno- 
vez , que delle fahia , o que ellas flzeraÕ íem em- 
barco de fofrerem leílenti tiros da artilharia das For- 
talezas de S.Juiiaõ, e S. Lourenço da Barra, que 
lhe matarão catorze homens, e ferirão outros. Pau- 
lo Methwim, Embaixador da Rainha da Grãa Bre- 
tanha , paflbu logo hum Officio à Corte , pedindo 
fati>fjçaõ. Depois teve audiência delRey, e lhe 
repreíentou , o que haviaõ padecido as nãos Ingle- 
zas, a que ElRey com feveridade refpondeo, que 
Tom. VIII. E ii elle 



$6 Hiftoria Çenealogica 

elle havia mandado crdem para que naõ íâhifíè na- 
vio algum; e fendo eíla ordem geral dada aos Go- 
vernadores das Torres, e Fortalezas da Marinha, 
que naõ deixaíTem fahir navio algum, íem que íoÇ- 
fe examinado , as duas fragntas Inglezas faltarão aos 
finaes coftumados , de mandarem os léus efcaleres 
à Torre para o exame, e o naõ quizeraõ fazer, con- 
tinuando o feu caminho , fem quererem dar fundo, 
de forte , que naõ havia outro meyo , íenaõ aca- 
nhoarem as Fortalezas as ditas nãos ; e que em ía- 
tisfaçaõ da amifade da Rainha da Graa Bretanha , 
deíêjara fazer todas as demonftrações , o que impe- 
dia o motivo das fragatas Inglezas haverem faltado 
em obedecer aos finaes , que as Fortalezas lhe ha- 
viaõ feito por fua ordem. 

Como o projecto da guerra , que queria fazer- 
fe pda parte de Portugal , era marchar pela parte 
da Beira hum Exercito , de que era General o Du- 
que de Cadaval , para encorporaríe por Penharan- 
da com o dos Alliados, governado pelo Marquez 
das Minas , fe mudou o intento com o fucceííT) da 
batalha de Aímança, havendo-fe perdido Alcântara 
por interpreza ; e naõ havendo tempo para puxar 
para a Provinda de Alentejo , que governava o 
Medre de Campo General Jorge Furtado de Men- 
doça , Viíconde de Barbacena , as Tropas , que ti- 
nhaõ marchado para a Beira , para onde tinha ido 
governar as Armas o Marquez de Fronteira , íê 
aproveitarão os Heípauhoes deíla conjunclira, e o 

Duque 



da Cafa %eal Tcrtug. Lh. Vil 3 7 

Dtque de OíTuna ganhou Serpa , que tinha pouca 
defènfa , e menos guarnição , e veyo fitiar Moura, 
que Francifco de Mello, Senhor de Ficalho , defen- 
deo confiantemente , Tem guarnição paga 5 e de- 
pois de biecha abetta , e do deíengano de poder íer 
íbecorrida a Praça, a rendeo com honradas capi- 
tulações, e EIRey lhe deu huma Commenda , e 
fez outras mercês , nomeando-o General de Bata- 
lha com exercício na Campanha, e na mefma pro- 
moção ao Conde da Ericeira , que governava Évo- 
ra. Sahio o Viíconde com a pouca gente, que ti- 
nha , e acampando na defeza de Monçarás com hum 
corpo de Milícias , que o Conde da Ericeira em 
poucos dias tinha armado , e a pouca Cavallaria , 
com que D. Joaõ de Soufa , Marquez das Minas , 
que era feu General , trouxe da Beira , confeguiraô 
defender os váos do Guadiana , e a ponte de Oli- 
vença ; de que os inimigos tinhaõ cortado hum ar- 
co. Mandando já o Exercito o Marquez de Fron- 
teira com o governo das Armas de Alentejo , ten- 
do-fe o Viíconde pelas fuás queixas, e annos reco- 
lhido a Lisboa , aonde viveo pouco tempo , aca- 
) nellc hum digno imitador de íeu valei oíb 
pny Àffbnío Furtado , confeguio o Marquez de 
m te ira , que fe defvaneceíTe o bloqueo de Oli- 
vença , que intentou o Marquez de Bay fitiar com 
a junção do Duque de OíTuna: porém efta Praça, 
dirTerente das outras pela fua fortificação , naõ lho 
permittio , parque íè vio obrigado a retirarfe com a 

cheg t- 



38 Hijloria Çenealogica 

chegada do Marquez ce Fronteira , que íe recolheo 
a Lisboa gravemtnte enfermo, lem poder intentar, 
pelo avançado do Eftio , a re(iauraç,aò de Moura, 
a que tinha ido aíMir como Medre de Campo Ge- 
neral o Conde de Tarouca , e ccmo voluntário o 
Conde das Galveas Diniz de Mello deCaflro, que 
com íèu filho o Conde Pedro de Mello , e feu ne- 
to António de Mello tinhaõ fahido de Borba, quan- 
do oVifconde deBarbacena íe poz em Campanha. 
Foy nomeado o Conde de Alvor Franciíco de Tá- 
vora, doConfelho de Eftado, e Prefidente do Con- 
felho Ultramarino , para Governador das Am as do 
Exercito, e Província de Alentejo, e por General de 
Batalha feu filho o Conde Bernardo de Távora : ef- 
tando nos primeiros de Outubro o (onde de Alvor 
para paliar o Guadiana , e já acampado em Monía- 
rás , lhe fobreveyo huma parlezia , de que fe reco- 
lheo a Lisboa , fem recuperar os íèntidos em alguns 
annos , que ainda viveo , havendo procedido no 
Reyno , e fuás Conquiftas , e lugares políticos , 
com o valor, e integridade, que faõ bem notórios. 
O Conde de S. Joaõ Luiz Alvares de Távo- 
ra , Meftre de Campo General , e digno de ter o no- 
me da íua família , ficou governando o Exercito , e 
mandou ao Marquez das Minas, General da Ca- 
vallaria, que com eíla paíTàíTe o Guadiana a ganhar 
póftos fobre Moura , e que por outra pai te paílaííè 
o meímo rio no porto chamado de E\ora , e gover- 
nando toda a Infantaria o ConJe daEiiceira, indo 

também 



da Cafa %eal TórtHgi Liv. VIL $? 

também o Conde de Alvor Bernardo de Távora > 
e ao mefmo tempo o Conde de S. Joaõ, toy com 
o:* mais Generacs reconhecer Moura , e achando-le 
melhor fortificada , c guarnecida , do qiu fe enten- 
dia , e que vinha foccorrella o Marquez de Bay , 
depois de ganhar quaíí por interpreza no mez de Se- 
tembro Ciudad Rodrigo , e que a eítaçaõ do In- 
verno fe anticipava , recebendo ordem da Corte, 
deixou de emprender o fuio , havendo no mefmo 
tempo os inimigos lançado em Elvas algumas bom- 
bas iem eíTeito , e com boa ordem tornou a paífar 
o Guadiana com a artilharia groíía , e bagagens ; e 
deixando o Exercito em quartéis , fe recolheo a 
Traz os Montes, Provinda, que governava, e de 
que tinha augmentado as Tropas, dandolhe boa dif- 
ciphna. 

Também na Beira tinha íàhido à Campanha 
D. Sancho de Faro , Medre de Campo General , 
que a governava, aquém depois EIRey nomeou 
Con.le de Vimieiro, e Governador do Brafil , aon- 
de morreo , deíempenhando em tudo a íua illuílrif 
íima origem. 

Havia ElPvey D. Pedro , de íaudofa memo- 
ria , rerlcclido na percifaõ de haver de dar eítado ao 
Príncipe , que já fe achava em idade competente 
para o thalamo : pelo que determinou daríhe efpo- 
ía , e entre as Princezas , que então havia na Euro- 
pa , fez eleição da Archiduqueza D. Maria Ánna 
de Auílria , filha do Emperador Leopoldo I. En- 

carre- 



40 Hl floria Genealógica 

carregou efte negocio ao Conde de Aílumar , que 
entaõ affiftia a EIRey Carlos III. no fitio de Be- 
lém , como já diflèmos , para que introduziile a 
pratica do cafamento do Príncipe do Biafil com a 
Sereniííima Archiduqueza , fiando da prudência , e 
grande talento do Conde efta negociação , a que 
logo deu piincipio, communicando o negocio com 
o Príncipe de Liechtenfiein , Gamereiro môr t'o 
mefmo Rey j e porque a repofia devia vir da Cor- 
te deVienna, e ao tempo , que íe poderia efperar, 
embarcou EIRey Carlos para Barceiona nafórma, 
que fica referido : pelo que raqueíla Cidade a 3 de 
Novembro de 1705 deu EIRey Carlos mefmo a 
repofta ao Conde , e como delle fez fempre grande 
eftimaçaÔ, lhemoftrou as Cartas, que recebera do 
Emperador Joíeph , e da Emperatriz Leonor , em 
que referiaõ o goílo , e fatisfaçaõ , com que abra- 
çavaô aquelía propofiçaõ , e taõ fatisfeitos defta al- 
liança , que diziaõ , que fó faltava nomearfe Minis- 
tro para pôr em execução o Tratar' o , e a forma- 
lidade de pedir a Archiduqueza. Depois nomeou 
EIRey por Embaixador Extraordinário à Corte de 
Vienna a Fernão Telles da Sylva ,111. Conde de 
Villar-Mayor ; mas faltando refle tempo a vida a 
EIRey D. Pedro , ficava toda efla idéa 20 parecer 
defvanecida , por fer totalmente do arbítrio dei Rey 
feu filho naõ ío a eleição da efpofa , mas também a 
da peííoa, aquém havia de encarregar efle negocio. 
Porém a alta comprehenfao delRey , reconhecen- 
do 



da Cafa T^al Tortug. Liv. VIL 4 1 

do o acerto da efcolha delRey íeu pay , em tudo 
a ft guio , e nomeou ao mefmo Conde para paílar 
a Alemanha com a referida Embaixada , e a 24 de 
Setembro do anuo de 1707 embarcou o Conde de 
Villar-Mayor no porto de Lisboa em huma nao de 
guerra lngleza de fetenta e duas peíTas , que cem 
mais duas de igual força, comboyavaõ huma frota 
de navios de commercio de Inglaterra , que hiaô 
para aquel'a Ilha. Era grande a comitiva , que le- 
vava o Embaixador, porque confiava de noventa e 
duas peífoas j e aííim foy precifò para melhor com- 
modo íeparar alguma parte delia , deixando no feu 
navio as principaes , que eraõ António Rodrigues 
da Cofia , Secretario da Embaixada , António Re- 
bello da Fonfeca , Porteiro da Camera delRey , 
Manoel Leitaõ de Soufa , Moço da Guarda-Rou- 
pa delRey, que hia por Theíoureiro da Embaixa- 
da , e o Doutor Francifco Xavier Leitaõ , Medi- 
co da fua Camera, o Padre Francifco da Fonfeca, 
Confeílbr do Embaixador , com o feu companheiro 
o Irmaõ Joaõ Lopes , da Companhia de Jefus 5 e 
deixando alguns Gentis-homens , Pagens, e Repo£ 
teiros para oferviço, todos os mais embarcarão em 
huma charrua, em que foraõ bem accommodados. 

No dia feguinte 25 de Setembro, que era hum 
Domingo , fahio de Lisboa , e navegando com os 
vagares de comboyar huma frota , no primeiro de 
Novembro chegarão a aviftar as Ilhas Sorlingas na 
boca do Canal -, e porque o Conde Embaixador ha- 
Tom.VIII. F via 



4 2 HíHorla Çenealogtca 

via padecido baflantes defcomodos no mar, o Com- 
mandante ordenou ao Capitão da nao , em que hia 
o Embaixador , que íe apartaíle do comboyo para 
cem menos tempo chegar a Inglaterra , e a 5 de 
Noverrb o deu Rindo na Bahia dePoflmcutb. Ma- 
noel de Sequeira Crefpo , Secretario do Enviado D. 
Luiz da Cunha, oefperavajá naquella Cidade , e 
na tarde do mefmo dia deíembarcou o Embaixador. 
O Governador da Praça , que o eftava eíperando , 
depois de o receber com huma falva de trinca e hu- 
ma peíTàs de artilharia , e com muitos obíequios , o 
fez entrar no feu coche para o Palácio , em que vi- 
via , tendo prevenido coches para a mais família. 
A 12 de Novembro chegou de Londres o Enviado 
D. Luiz da Cunha , que o veyo efperar ao cami- 
nho , e o levou no íèu coche, e íeguidos da fua co- 
mitiva , entrarão naquella Cidade às cinco horas da 
tarde , e fe apearão no Palácio do Enviado , que lhe 
fez huma pompoíà hofpedagem todo o tempo, que 
o Embaixador íê deteve naquella Corte. Teve o 
Conde Embaixador audiência da Rainha Anna , e 
do Príncipe Jorge íèu marido , dos quaes recebeo 
fíngulares honras , e attenções de benevolência , e 
depois por meyo dos Secretários lhe participou os 
negócios, que o levarão àquelia Corte, que era re- 
preíentarlhe o eílado da rnierra da Grande Alliança, 
em que Portugal tinha feito grandes deípezas, e di- 
minuído as fuás forças no íèrviço da Liga , com 
perda da batalha de Almança , e pela que tinha das 

Auxi- 



da Cafa ^Real Tortug. Liv.VIl. 43 

Auxiliares , por lhe terem faltado os Altos Alliados 
com os ibccorros promettidos , e eftipulados : e jun- 
tamente pedia a Sua Magcftade Britânica huma Ar- 
mada , que leguramente conduziííe a Portugal a 
Archiduqueza Maria Anna de Auftria , futura Rai- 
nha , e ultimamente pedio huma embarcação fegu- 
ra para paliar daquelle Reyno a Hollanda. A tu- 
do atrendeo a Rainha cuidadoíamente, porque com 
o Parlamento fez todos os bons officios para as afc 
firtencias dos ibccorros , de dinheiro, e gente, que 
eraõ obrigados a mandar a Portugal ; e que ella 
mandaria pôr prompta huma Armada , que fegura- 
mente trouxeílê a Rainha a Portugal: e para o Em- 
baixador paííàr a Hollanda , ordenou , que fe lhe 
délle hum Yacht , com duas fragatas de guerra pa- 
ra o comboyarem até Yarmouth , e dahi com a fro- 
ta Ingleza até Pvoterdaõ. Eíte negoceado favo- 
receo muito a grande intelligencia , e cuidado do 
Enviado D. Luiz da Cunha , que já naqueile tem- 
po lograva huma efpecial eílimaçaÕ da Corte, que 
em outras depois acreditou o íêu talento , e grande 
prudência. 

No dia 5 de Dezembro fahio o Conde de Vil- 
lar-Mayor da Corte de Londres , e no feguinte em- 
barcou no famofo rio Tamtfis 5 chegou a Roter- 
dão na tarde de 12 do referido mez, de donde avi- 
fou a Francifco de Souía Pacheco , Enviado de Por- 
tugal , que refidia na Haya , o qual antes de rece- 
ber efta noticia tinha embarcado no bargantim dos 
Tom.VIII. Fii Eíla- 



44 Hi floria Çenealogica 

Eftados a bufcar o Embaixador , e conduzindo-o a 
Haya, o hofpedou no feu Palácio magnificamente, 
e a toda a fua familia , aonde efteve até 18 de Janei- 
ro do anno feguinte de 1708, em que deu principio 
à jornada para Alemanlv» , e a 21 de Fevereiro entrou 
em Vienna, e por naõ eftar o Palácio do Conde de 
Stratmon , que lhe tinhaò alugado , de todo pa- 
ramentado , fe accommodou na caía do Baraõ de 
Tinto, Miniílro do Eleitor Palatino , aonde efteve 
dous dias , e parlando para o feu Palácio , coníê- 
guio, naõ íendo coílume da Corte de Vienna, (an- 
tes da entrada publica ) ter audiência privada do 
do Conde de miar. Emperador Joíeph , e da Emperatriz fua efpofa , da 
Mayor,cz?. p. pag, Emperatriz Leonor, viuva do Emperador Leopol- 
ennd 1717. do , e no dia leguinte , que era o primeiro de Mar- 

ço , das Sereniífimas Archiduquezas. Foy precilb 
algum tempo ao Conde Embaixador para fazer con- 
duzir de Hollanda cavalios , e coches , e trabalhar 
nosapreftos para a fua entrada publica em Vienna, 
que foy hurna das mais pompofas, e magnificas, que 
fe vio naquella grande Coite, o que a diligencia do 
Embaixador fez confeguir de forte , que no dia 7 
de Junho de tarde , em que a Igreja celebrava a fef- 
ta do Corpo de Deos , fe poz em publico, havendo 
para efte fim no dia antecedente feito paílàr o feu 
pompofo trem a huma pequena Aldeã chamada In- 
zerftorff, diftante huma legoa da Cidade de Vien- 
na , de donde he coílume fahirem os Embaixadores 
para entrarem na Cidade. Para ella caminhava o 

Ccnde 



da Caía 1{eal Tortvg. Lh\ VIL 4 5 

Conde Embaixador, quando encontrou na monta- 
nha junto de Vienna ao Conde de Waldeftein, Ma- 
richal da Corte , com dous coches do Emperador, 
e quarenta e dous tirados a féis cavallos, mandados 
pelas piincipaes peííoas da Corte com os íèus Gen- 
tiá-homens j depois de paliadas as ceremonias , en- 
trou com o Conde de Waldeliein no coche do Em- 
perador, e o Secretario da Embaixada António Ro- 
drigues da Coíia no outro coche com o Secretario 
òo Emperador, o Baraõ de Rueienftein-Truches, 
e marcharão na forma feguinte. Hia diante hum 
Furriel do Em perador , e feguiaõ-felhe por ília ordem 
os coches dos Cavalheros da Chave dourada , de- 
pois os dos Mimftros , e Confelheiros de Eftado , 
que eraõ quarenta e dous , e logo o doEmperador, 
em que hia o Secretario da Embaixada, com dous 
Criados Teus às portinholas com librés azues agaloa- 
das de ouro , com veftes de borcado : a efte coche 
feguiaõ trinta Lacayos do Conde Embaixador póf- 
tos em ordem , e no meyo o coche do Emperador, 
em que hia o Embaixador, ao qual acompanhava5 
nas eitribeiras quatro Lacayos do Emperador com 
a Tua libré coftumada da Corte , e detraz do coche 
hiaõ doze Pagens do Embaixador, todos montados 
em cavallos, que hiaõ ajaezados com chareis verdes 
agaloados de prata , e as crinas entrançadas com fi- 
tas verdes, eelles vertidos uniformemente de eícarla- 
ti flnifllrna , coberta de galoens de prata , veíles de 
tiflu de prata íèmeado de flores , e plumas encar- 
nadas 



^6 Hiftoria Çenealoçica 

nadas nos chapeos , e da meíma forte era a libré dos 
Lacayos , menos rica , e entrechaçada com galoens 
de feda verde entre os de prata, e quatro Palafrenei- 
ros j diante dos Pagens hia o Eftribeiro do Embai- 
xador , montado em hum bom cavallo ricamente 
ajaezado , eelle luzidamente veílido, e no leu fe- 
guimento hiaô féis cavallos da peílba do Embaixa- 
dor com riquiííimos jaezes , levados à maõ por íeis 
Palafreneiros , com librés da mefma còr , mas me- 
nos ricas , que as dos Lacayos , e ultimamente os 
Sota-Cavalhariços , e immediatamente o primeiro 
coche do Embaixador , que era riquiliimo , e todo 
o ornato delle era de grande cufto, e fmgular ?;of- 
to , tirado por féis cavallos côr de ferro com os cabos 
brancos, cobertos de admiráveis arreyos de veludo 
agaloados de ouro, com plumas brancas, e encarna- 
das, e junto delle o do Embaixador de Veneza, do 
Biípo de Vienna, elogo, íem interrupção, féis co- 
ches do Embaixador, em que hiaô dezafeis Gentis- 
homens, amayorparte Portuguezes, todos comfin- 
gulares veílidos, e em hum hia o Theíòureiro Real 
com dous Criados feus com librés verdes agaloadas 
de prata : e neíta ordem parlou pelo Paço da Fa- 
vorita, onde eftava o Emperador Joíeph com a 
Emperatriz, e Archiduqnezas ílias rilhas, nas janel- 
las em publico vendo a entrada ; que quiz com ex- 
emplo nunca viflo moftrar a fatisfaçaÔ, que tinha 
daquella Embaixada , que o povo recebeo com ap- 
plauíò, e eftimaçaê : era innumeravel, o que havia 

concor- 



da Caía 2^*/ Tórtttg. Lh. VIL 47 

concorriJo a ver o Embaixador , que fe recolheo 
ao Palácio , que tinha magnificamente mandado 
preparar na Cidide. No dia feguinte fòy bufcar 
ao Conde Embaixador o Conde Gundacharo Pop- 
pone de Diettichttein com os mefmos dous coches 
do Em pêra dor , a que fe feguiaõ os do Embaixador 
de Veneza , com o ettado do Conde Embaixador, 
e foy levado ao Paço da Favorita a audiência publi- 
ca dos Emperadores reynantes, e pouco depois pafc 
fou ao Paço de Vienna à audiência da Emperatriz 
viuva, edas Archiduquezas, de quem recebeo gran- 
des honras. 

PaíTados alguns dias, no de 24 de Junho deu o 
Embaixador nova libré, e muito mais rica, a toda a 
ília família. Aos Pagens caíàcas de veludo carme- 
fim bordadas de ouro, e vertes de tiíTú de ouro 5 aos 
Lacayos , Palafreneiros , e Cocheiros , caíàcas de 
efcarlata agoloadas de ouro com vertes de veludo 
verde guarnecidas do mefmo galão , e chapeos aga- 
loados com plumas encarnadas , e amarellas ; os 
Ge-uis-homens , e mais peííbas de diílinçaõ com 
vertidos ricos de diírerentes invenções, e gofto : e 
íêguido de todo o feu luzido cortejo , às onze horas 
do dia fahio do íèu Palácio à audiência do Empe- 
rador, em que obfervadas todas as ceremonias, pe- 
dio a Sereniífima Archiduqueza Maria Anna para 
eípoía delRey D. João, feu Senhor, que o Empe- 
rado** com muita íàtisraçaõ lhe concedeo 5 e paílàn- 
do ao Palácio da Emperatriz mãy , lhe repetio a 

meíma 



Prova num. io i. 



48 Ht floria Çenealogica 

mefma fupplica , a que ella fatisfez com tanto gof- 
to , que mandou chamar a nova Rainha , a quem 
o Embaixador , poílo de joelhos , entregou o retra- 
to delRey , poíio em huma joya de diamantes de 
grande valor , digna de quem a mandava , e de 
quem a recebia. 

Nefte mefmo dia fe aííinou o Tratado do Ca- 
famento , que fe havia concluido entre o Conde de 
Villar-Mayor , Embaixador Extraordinano del- 
Rey , e feu Gentil-homem da Camera , que tinha 
efpecial procuração para o ajuftar com os Piocura- 
dores do Emperador: foraõ elles , Joaõ Leopoldo, 
Conde de Falckenftein , feu Camereiro môr , Ca- 
valleiro do Tofaõ , Carlos Erneílo, Conde de Wal- 
deílein , Camereiro do Emperador , e Marichal do 
feu Palácio , Cavalleiro do Tofaõ , que havia fido 
Embaixador em Portugal , Joaõ Federico , Baraõ 
livre de Scilernchonceller , e Filippe Luiz , Conde 
de Sinzendorf , Theíbureiro hereditário do Sacro 
Romano Império; fendo as condições principaes, 
que o Emperador dotava a Sereniíílma Archidu- 
queza fua irmaa com cem mil efcudos , ou coroas 
de ouro , de valor cada hum de quatro placas da 
moeda deFlandes, que íe contariaõ em Amfterdaõ, 
ou em Génova, como pareceíTe a EIRey de Portu- 
gal , que era o mefmo dote , que tivera a Sereniííl- 
ma Aichiduqueza Marianna , rilha do Emperador 
Fernando III. quando cafou com EIRey Catholi- 
co D. Filippe IV. de Caílella j e que o Empera- 
dor 



da Ca/a ^eal Tortug. Liv. VIL 4 9 

dor faria todas as dtfyezas á nova Rainha, naõ fó 
à ília peílòa , mas a toda à fua comitiva , até o ulti- 
mo porto marítimo , em que embarcaíTe na Arma- 
da : e que EíRey de Portuga! lhe fatisfaria o dote, 
e arras , com todas aqueilas condições coftumadas 
em fcmelhantes Tratados , e lhe daria as terras , 
rendas, e padroados, que haviaó tido as mais Rai- 
nhas Portuguezas \ como fe pode ver no Tratado, 
que vay por inteiro lançado nas Provas. Na noi» 
te houve hum baile no Paço , que durou até às 
íeis horas da manhãa , em que dançarão as Magef- 
tades, e Príncipes, a que aíiiftio o Embaixador , o 
qual no dia feguinte celebrou também efta função 
com hum magnifico feftejo , a que aíTiíliraõ os Se- 
nhores , e Senhoras da Corte com as Damas do Pa- 
ço , por efpecial attençaõ doEmperador, que re- 
galou ao Embaixador com hum prefente de couCs 
de prata , que confiava de hum canciieiro , duas fon- 
tes , e dons brazeiros. Ao Secretario, Anto-io 
Rebelio , e Thefoureiro , mandou armeis de dia- 
mantes j ao Medico , Eítribeiro, eEfcrivaõ , cadeas 
de ouro com medalhas com o íèu retrato guarneci- 
das com alguns diamantes. Do que paífava em 
Alemanha, veyo ater EIRey avifo a 21 de Agof- 
to pelas Cartas do Embaixador com o Tratado do 
Cafamento , e no dia feguinte pela manhaa man- 
dou dar conta ao Confelho de Eftado , que foy a 
beijarlhe a maõ com a mefma ordem , e preferen- 
cia, com que íe ajuntaõ , votaó , e fe aííèntad : o 
Tom.VIIí. G Duque 



5 o Hiftoria Genealógica 

Duque D. Jayme , que foy o primeiro , que beijou 
a maõ aHlKey, lhe reprefentou em nome do Con- 
felho de Etlado, o grande contentamento, com que 
chegavaõ aos pés de Sua Mageftade a darlhe os 
parabéns de huma taô feliz noticia , como era para 
os íêus Vafíàllos , o feu cafamento , e que efpera- 
vaõ , que Deos profperaíTe com a fua benção os 
íêus votos , e os feus fieis defejos : em ultimo lugar 
beijou a maõ o Secretario de Eftado Diogo deMtiié 
doca Corte-Real. EIRey recebeo oCenf lho de 
Eftado na cafa interior , e depois fahio com os In- 
fantes feus irmãos à da Audiência , aonde lhe bei- 
jarão a maõ os Grandes , e Officiaes da Caía Real, 
e algumas peílbas , que alli íe acharão. Participou 
efta noticia aos Miniílros Eflran^eiros , mandando- 
Ihe eferever pelo Secretario de Eftado , e aos Gran- 
des, eCameras de todo o Reyno por Cartas aííina- 
das pela fua Real maõ ; mandou Decretos aos Tri- 
bunaes , que todos fobiraõ no dia , que fe lhe de- 
terminou , a beijarlhe a maõ fem preferencia , e foy 
applaudida a noticia com falvas de artilharia , e lu- 
minárias por três dias, na forma coftumada. 

Deu a Rainha principio à fua jornada a 7 de 
Julho , fahindo da Corte de Vienna às cinco horas 
da tarde com a ordem fèguinte. Hiaõ diante os 
Meftres das Poftas , e Officiaes do Conde de Paar 
com libré carmefim agaloada de prata , a que le fe- 
guia hum troço de Cavallaria , immediato logo o 
coche , em que hia o Emperador , o das duas Em- 

pera- 



da Cafa T^cal Tortug. Liv. VIL 5 I 

peratrizes , e nova Rainha ; depois o coche com as 
três Archiduquezas , a quem feguiaõ os coches das 
Damas , e Otiiciaes da Cafa , que cobria hum cor- 
po de Cavallaria, e huma Companhia de Granadei- 
ros , e nefta forma foraõ à Cathedral de Santo Eíle- 
vaõ , aonde depois de (atisfazerem com piedofas de- 
voções , marcharão para a Cidade de Clofterney- 
bourg , que difta meya legoa da de Vienna , e íè 
apoieuraraõ no íòberbo Palácio, que nella tem o 
Emperador , e no meímo dia fahio também de Vi- 
enna o Conde Embaixador. Na tarde do dia 9 do 
dito mez fe celebrarão os deípoíòrios das Magef- 
tades Portuguezas , fendo Procuradores delRey o 
Emperador , que fe recebeo com a Rainha > com 
quem fez todas as demonftrações , que íê haviaõ 
praticado com a deCaftella , e defte Sacramento foy 
o Parocho o Cardeal de Saxonia-Zeits , a quem o 
Embaixador fez preftnte de hum dos feus coches 
com cavallos j e aos Capellaens , e mais peííòas def- 
ta categoria, que aííifl.iraõ a efta função, mandou 
diftnbuir generofamente diverfas dadivas , de que 
ficarão fatisfeitos. Celebrado efte acto com Real 
magnificência , foy a Rainha entre as Emperatrizes 
fua mãy , e cunhada , conduzida até o eftribo do 
coche , em que foy introduzida pelo Conde Em- 
baixador , e defpedindo-íe com grande ternura das 
Magefhdes Cefareas , entre vivas, e applaufos do 
povo, e triplicada falva de artilharia , marchou para 
CorneybouríT, paííàndo o Danúbio fobre huma pon- 
Tom.VÍÍI. Gii te 



5 1 Hijloria Çenealcglca 

te de barcas feita fomente para efte flrn , e chegou 
já tareie a efta Cidade : nella tiveraõ no dia feguint : 
todos os Portuguezes a honra de beijarem amaõ à 
fua Rainha , a quem a Emperatriz fua mãy , acom- 
panhada das duas Archidcquezas íuas filhas , veyo 
vifuar , e pouco depois chegou o Emperador com 
a Emperatriz fua efpofa , e jantarão todos com a 
Rainha, de quem à noite , entre terniílimas expreí- 
íoens , e nau poucas lagrimas , fe defpediraõ , reco- 
lhendo-íê a Cloflerneybourg , e Vienna. Na tarde 
deíle meímo dia os Magiíirados das duas Auílrias 
forao cumprimentar a Rainha, a quem em huma 
rica bolíà oíTereceraõ o donativo de trinta mil flo- 
rins. 

Continuou a Rainha no dia feguinte , que fe 
contavaõ u de Julho, a fua jornada , entrando no 
coche com a CondeíIIi de la Tour fua Camereira 
mor , e marcharão levando diante bum Official da 
Pofta a cavallo para moftrar o caminho , feguiaô- 
íe dous coches , em que hiaõ fete Cameriftas do 
Emperador , que era5 os Condes de Keyfel , de la 
Tour, de Kinburg , de Breyner , de Kevenhiller, 
de Martiniz , e de Staremberg , de que os primeiros 
quatro acompanharão a Rainha até Portugal , e 
depois dous Meftres das Porias com todos os Of- 
íiciaes do Conde de Paar , e atraz delle o coche do 
dito Conde , e com elle o Embaixador do Empera- 
dor à Corte de Portugal , que era o Bifpo Prínci- 
pe de Laubach , chamado vulgarmente de Lubia- 

na , 



da Cafa %ea\ Tortug. Liv. VIL 5 3 

na , acompanhado de dous Pagens , dous Lacayos, 
e Sota-Cavalhariço go Conde Embaixador , a que 
íè fêguia o coche da Rainha acompanhado de qua- 
tro Soldados da guarda do Emperador , e depois o 
coche das Damas , que eraô Maria B&rbara , Con- 
deíia de Breyner, e Maria Iíabel, Condeííà Dorlick, 
ambas de illuftre fangue, eodosConfeííòres, enefla 
ordem íèguiraÔ a jornada com todo o poííivel com- 
mo Jo , até que em A godo entrou em Hollanda ; 
e porque naõ haviaõ chegado os navios , e yachts, 
paliou à Haya , apofentando-fe no Palácio do En- 
viado Francifco de Souía Pacheco , até que a 11 
de Setembro embarcou a Rainha , e toda a íua co- 
mitiva nos bergantins , que eflavaõ promptos , e 
pelo Canal de Delfll, chegou às nove horas da noi- 
te à Cidade de Roterdam , e por evitar o embara- 
ço doconcurfo do povo, foy defembarcar abordo 
do yacht Peregrino , que eílava ricamente adorna- 
do, aonde dormio aquella noite. A família da Rai- 
nha , e de hum, e outro Embaixador, fe repartio 
por cinco yachts , que eítavaõ promptos , e pelos 
navios de tranfporte. Aqui no dia feguinte fez o 
Bifpo Embaixador do Emperador , folemne entre- 
ga da Rainha ao Conde Embaixador, que fe de£ 
pedio do Conde de Paar , e da mais familia Ceíà- 
rea, que alli os haviao acompanhado, dando o Em- 
baixador joyas de diamantes às pe Moas de diftinç ao , 
t mandando repartir quantidade de dinheiro pela fa- 
milia inferior, com que fe retirarão muito íàtisfekos: 

Fizeraõ- 



54 Hiftoria Çenealogica 

Fizeraõ-fe os yachts à vela a 13 do mefmo 
mez entre repetidas íalvas de artilharia , e decendo 
pelo rio Moza , chegarão a Brilla ; aqui fe diípedi- 
raõ da Rainha os Deputados dos Eítados Geraes, 
edo-Almirantado, que avieraõ fervindo , attençaõ, 
que a Rainha experimentou de todos os Soberanos 
das terras, por onde parlou, com grande formalida- 
de. Fizeraõ-fe novamente à vela , e pondo-íe o 
tempo contrario , íê viraõ obrigados a arribarem a 
Brilla ; e porque naõ havia apparencia de mudar 
taõ depreíía o tempo , ordenou o Conde Embaixa- 
dor , que deíembarcarTè a família ; porque eilando 
a bordo, lhe aííiftiaô com todo o neceíLrio por con- 
ta da Rainha de Inglaterra : a Rainha de Portugal 
ficou a bordo do yacht , aonde lhe aííiftia a ília fa- 
mília , o Conde Embaixador , e o Bilpo Err.baixa- 
dor Ceíareo , adonde também veyo fervilla o En- 
viado Francifco de Souía Pacheco com a Princeza 
de Naflau Siege fua mulher. Neíle porto eftive- 
raõ até 25 do referido mez , que com o defejo de 
livrar a Rainha do eftreito commodo , em que íè 
achava , deraõ à vela : porém a pouco experimen* 
taraó huma taõ furiofa tormenta , que depois de 
trabalho , e perigo , no outro dia arribarão outra 
vez a Brilla. O fuílo , e fadiga da noite puzerao a 
Rainha em tanto cuidado , que foy preciíò , que 
defembarcaíTè logo em terra , efeolhendo-fe o me- 
lhor apoíènto , que podia dar a Cidade, e nelle e£ 
teve com a CondeíTa de la Tour , Damas , e Aça- 
fatas , 



da Ca/a "Real Tortug. Liv. VIL 5 5 

fia tas, fcrvich com toda a grandeza, que era poífi» 
vel , e na meíma tórma todas as mais peílbas Ale- 
mãas, e Inglezas, que fe achavaõ na lua comiti- 
va , a quem o Conde Embaixador hofpedava à dei- 
peza delRey. Também a vieraõ acompanhando 
01 Genenes de batalha Conde da Ribeira , e Dom 
Eraz Balthaíàr àà Sylveira , que da Corte de Fran- 
ça , aonde haviaÔ eítado depois da batalha de Al- 
mança, tinhaÔ chegado para efte fim. Finalmen- 
te a 5 de Outubro tornou a Rainha aembarcarfe, 
e feguindo o parecer do Almirante Buker , que a 
havia de comboyar , e dos mais Cabos Inglezes , 
deraõ a vela , e navegando feiizmente, a 5 do refe- 
rido mez ancorarão em Poítmouth, que applaudio 
a fua chegada com repetidas íalvas de artilharia, a£ 
fim das Forta'ezas, como dos navios de guerra, e 
dos mais , que fe achavaõ naquelle porto. Eípera- 
va naquella Cidade o Enviado D. Luiz da Cunha, 
que logo teve a honra de beijar a maõ a Rainha 
com toda a fua luzidiffíma família; e todo o tem- 
po, que a Rainln íe deteve nefta Cidade, recebeo 
de Sua Mageftade efpeciaes honras, juftamente me- 
recidas da fua petToa , e do zelo , com que havia 
tantos annos fervia aElRey na Corte de Londres ; 
e na mefma forma honrou ao Conde deGallâs , En- 
viado do Emperador feu irmaõ na meíma Corte. O 
General Jorge Bings, que mandava a Armada, que 
havia de conduzir a Rainha, com todas as peflbas , 
e Officiaes de mayor diítinçaõ , tivera5 audiência , 

e fo- 



$6 Hijloria (jeneahglca 

e foraõ recebidos com fingular benignidade. Pafc 
fados três dias , chegou de Londres o Duque de 
Grafton , e Milord de la Vares , a cumprimentar a 
Sua Mageftade da parte da Rainha Anna, o primei- 
ro , e da do Príncipe Jorge , o íegundo j a todos o 
Conde Embaixador deu joyas , e já o havia feito 
ao Almirante Buker , e aos Capitaens dos yachts , 
que conduzirão a Rainha , a qual mandou a Lon- 
dres ao Enviado D. Luiz da Cunha a agradecer à 
Rainha , e ao Principe taõ finas attenções. 

Apreftada a Armada , que havia de conduzir 
a Rainha a Portugal , que fe compunha de dezoi- 
to nãos de guerra de muita força , que mandava o 
Almirante Bings , que ao mefmo tempo havia de 
comboyar cento e cincoenta navios de tranfporte , 
e commercio j a 17 de Outubro entrou a Rainha 
na Real Anna, que tinha oitocentos homens de lo- 
tação , ecem peííàs de artilharia, fendo applaudida 
com huma falva geral da Cidade , Caftello , e to- 
dos os navios da Armada com toda a artilharia. Na 
nao da Rainha embarcou a Condeííà Camereira 
môr , feu filho o Conde de la Tour , e os outros 
três Gentis-homens da Camera referidos, as Damas, 
Açafatas , o Conde Embaixador , e as principaes 
peííbas da fua família , e o Coronel Gradfrey com 
muitos Fidalgos Inglezes. Na madrugada do dia 
íèguinte fe começou a Armada a pôr prompta, e às 
íeis horas deu à vela a Real Anna , íèguindo a íua 
viagem para Portugal , aonde a 26 do meímo mez 

entrou 



da Cafa ^al Torttig. Lh. VIL 5 7 

entrou pela barra de Lisboa com todos os navios , 
e deu fundo na Enfeuda deS.Jofeph. Foy logo a 
bordo o Conde de Yilla-Verde , Vedor da Fazen. 
da , por preeminência do íeu lugar , oríerecer tudo, 
o que podia necellitar a Armada da parte delRey , 
de quem levou logo bum recado à Rainha o Con- 
de de .Santa Cruz D. Martinho Mafcarei has , feu 
Mordomo mor; da parte do Infunte D. Francifco 
o Conde dos Arcos D. Marcos de Noronha , ílu 
Gentil-homem daCamera j e da parte dos Infantes 
Dom António, e D. Manoel, o Conde Meirinho 
mòr D. Fernando Martins Mafcarenhas , feu Ayo ; 
e da parte da Infanta D. Franciíca D. Chriftovaó 
Jofcph da Gama , Yédor da Cafa da Rainha. No 
dia íèguinte , que era hum Sabbado , levando an- 
cora , foy a Capitania dar fundo defronte do Faço, 
no qual da parte do Forte eílava feita huma mag- 
nifica Ponte , que fora encarregada a direcção do 
Secretario de Eftado Diogo de Mendoça Corte- 
Real , que fervia de Provedor das Obras do Paço, 
na menoridade do Conde de Soure Dom Henrique 
Francifco da Cofta ; por ella fahio a embarcarfe às 
duas horas da tarde EIRey acompanhado dos Se- 
reniífimos Infantes Dom Francifco, D. António, e 
D. Manoel, e de toda a Corte : hia EIRey vefti- 
do de huma feda pardi , feguindo a Pragmática , 
com botoens de diamantes , habito , e prezilha do 
chaneo de diamantes, tudo de hum exceííivo valorj 
via-íelhe brilhar na fua Real peíToa huma galhardia 
Tom.VIII. H natu- 



5 8 Hi/lcria Çenealogica 

natural com tanto deíèmbaraço , como ílngular 
agracio, c,ue levava juftamente a attençaõ daquelle 
grande concuríb , que efpeiava para o ver. Ao 
entrar no bergantim Real , que era de huma admi- 
rável , e rica efcultura , dourado, e forrado de téía 
encarnada com grandes guarnições, e franjas , e os 
Remeiros veftidos da melma cor, agaloados de ou- 
ro, lhe deu a maõ o Conde de Viila-Verde, Vedor 
da Fazenda , por preeminência do íêu cargo. De- 
pois delRey , e os Infantes íêus irmãos tomarem 
as fuás cadeiras , entrarão os Confelheiros de Efta- 
do , e foraõ em pé , e defcobertos , porque EIRey 
nao poz o chapeo , nem íe fentou ; acompanha- 
vas a EIRey o Gentil-homem daG.imera , o Secre- 
tario de Eilado , Porteiro môr , e outros Officiaes 
pieciib.;, a que he concedida a entrada no bergan- 
tim Real. Tanto , que o bergantim abordou a 
Capitania , o veyo efperar ao por talo o Almirante 
Bings, e Milord Galoway , o qual já em Março 
havia voltado de Catalunha na companhia do Mar- 
quez das Minas, na Efquadra , que mandava o Ca- 
valleiro Hicks, e fe havia declarado Embaixador 
Extraordinário da Rainha Anna da Grla Bretanha, 
coníêrvando o mando das Tropas ínglezas , e ao 
Marquez havia EIRey nomeado naquelle dia Eftri- 
beiro môr da Rainha. Sobto EIRey acompanha- 
do dos qii2 havia6 entrado no bergantim Real, 
que eraõ as peííoas , que fomente haviao de entrar 
na Camera , e eftando a Infantaria com as armas na 

maõ, 



daCafa^alTortag. Liv.VH. $p 

mao , paflou EIRey a Camera da Rainha , e depois 
de íè faudarem os Reys com reciprocas cortezias, 
o Infante L>. Francifco indo a porfe de joelhos para 
beijar a maõ à Rainha, inclinando-fe ella , o naõ 
conientio , e o mefmo tízeraõ os Infantes D. Antó- 
nio , e D. Manoel , e a Rainha repttia a mefraa 
ceremonia , e levava a cauda a CondelTa de laTour, 
que avinha acompanhando com o exercício de Ca- 
mereira mòr, e lha levou até o bergantim. Depois 
delRey íè deter hum pouco, o Conde de Vilia- 
Verde lhe diífc , que eftava tudo prompto , e des- 
cerão os Reys para o bergantim , trazendo EIRey 
pela mao à Rainha da parte eíqueida , e os Infan- 
tes adiante, e toda a Corte, que o havia íeguido. 
Tanto, que EIRey fahio da Capitania, ferrou elta 
logo a bandeira , a qual naõ íbltou, íènaõ quando 
quiz íalvar com toda a artilharia ; feguiraõ-na aíTim 
na entrada , corno na íahida , toda a Armada , e to- 
dos os navios, que eflavaô no rio. Entrarão os 
Reys no bergantim com as pefloas , que nelle ti- 
nhaô lugar , e os Grandes , e Officiaes da Caía em 
diverfos efcaleres rnuy bem adereçados, edefembar- 
caraõ as Mageítades na Ponte, aonde logo come- 
çou a Marqueza de Unhaô D. Maria de Lencaíl e 
a exercitar o cargo de Camcreira môr , em que já 
citava nomeada. Tanto , que EIRey defembarcou 
mandou cobrir os Grandes , e por huma , e outra 
parte do caminho efiavaõ as Companhias da guarda 
dos Archeiros em duas alas. Aonde fc acabava a 
Tom. VIII. II ii Pon- 



€o HiHoria (jeneahgica 

Ponte, ja no faguaõ antes defobir aefcada, eftava 
a infanta D. Franciíca acompanhada da Senhora D. 
Luiza fua irmãa , e aííiitida da Marqueza de Fontes 
D. fnanna de Lencaftre fua Aya, da Duqneza de 
Cadaval D. Margarida de Lorena , das Senhoras de 
Honor, e Damas, todas com luz i difamas galas, 
ornadas de preciofas joyas; a Infanta rendendclhe 
muitos ob equios , pertendeo beijar a maõ à Rai- 
nha , dandolhe os parabéns da fua chegada , que ella 
com muito agrado naõ confentio, correfpondendo- 
Ihe com igual attençao, e com carinhofos abraços 5 
com todo o acompanhamento foraõ a Capella 
Real , que eítava ricamente ornada , e chegando 
ao íltial , que na Capella môr lhe eftava preparado, 
fízeraõ oração os Reys, ficando a Rainha à mao 
efquerda delRey, e à ília os infantes D. Francifco, 
D. António , D. Manoel , e D. Franciíca. O Bi£ 
po Capellaõ môr Nuno da Cunha de Ataide , re- 
vertido de Pontifical , lhe lançou as benções nup« 
ciaes, e acabada a ceremonia, fe levantarão os Reys, 
e íobiraõ para o Paço com o rnefrno acompanha- 
mento , e pararão em hum camerim do quarto da 
Rainha , aonde havia cadeiras de efpaldas para os 
Reys , e Infantes , e depois de eítarem algum tem- 
po íêntados , e a Senhora D. Luiza em almofada , 
íerecolheo EIRey com (eus irmãos ao íèu quarto. 
Na noite cearão em publico com grande pompa , 
na forma obíèrvada na Caía Real $ o Capel!aÕ mor 
benzeo a meíâ , e no fim deu as graças, eftando as 

Mâgeíla- 



daCafa%ealTúitug. Liv.VIL 61 

Mageílades , e Altezas em pé neíle tempo. A v 
ilharga da cadeira delRey eíiava o Conde de San- 
ta Cruz, Mordomo môr , combaftaõ, infignia do 
feu cargo , e lha chegou o Repofleiro mòr Conde 
da Calheta , e detraz delia eíiava o Marquez de 
Alegrete Manoel Telles da Sylva , Gentil-homem 
da Camera de kmana , e da cadeira da Rainha o 
Duque de Cadaval com a fua infignia de feu Mor- 
domo mòr , e lha chegou , e à ilharga eftava a Mar- 
queza de Unhaô fua Camereira môr , da do Infan- 
te D. Francifco o Conde dos Arcos feu Gentil-ho- 
mem da Camera, da do Infante D. António o Con- 
de de Valadares D. Carlos de Noronha, e da do In- 
fante D. Manoel D.Sancho de Faro , ambos Ve- 
dores da Cafa da Rainha , e da parte da Infanta D. 
Francifca eíiava a fua Aya a Marqueza de Fontes; 
EIRey deu o chapeo a hum Moço Fidalgo, que 
efíeve com elle nas mãos de joelhos-, e a Rainha 
deu o manguito , e luvas à fua Camereira môr , e a 
Infanta à fua Aya : os Grandes eílavaô à parede , e 
todos defcobertos. 

No mefmo dia , que a Rainha defembarcou, 
fby D. Jorge Henriques feu Vedor a bordo da Ca- 
pitania em hum bergantim a bufcar a Condeíla da 
JaTour, que viera exercitando o lugar de Came- 
reira môr, como temos dite», eacenduzio ao Arco 
do Ouro para ascafas do Armeiro môr, que efiavao 
preparadas ; e D. Chriílovaõ Jofeph da Gama , Ve- 
dor da Rainha , em outro bergantim conduzio as 

Damas 



6 2. Hiftoria Çenealogica 

Damas ao Paço. O Embaixador de Alemanha , 
que vinha em outra nao , foy depois conduzido 
na forma , que íè pratica nefta Coite com os Mirvif- 
tros do feu caracíer. TinhaÕ vindo também fer- 
vindo a Rainha , como fe diííe , o Conde de Ia 
Tour , filho da Camereira mor , o de Breyner , o 
de Kimbourg , o de Kefel , e Straíblt , e a todos 
mandou hofpedar em humas caías nobremente ador- 
nadas , aonde tiveraõ mefa publica , a que convi- 
darão a Nobreza no largo tempo , que eíliveraõ em 
Lisboa , de donde voltarão fatisfeitos com ma oníri- 
cos prefentes. Solemnizou-fe a noite efta felicidade 
illuminando-fe toda a Cidade, o que fe repetio por 
três dias com falvas de artilharia das Torres, Forta- 
lezas , e navios, que eítavaõ no rio ; houve depois 
Serenatas , e Mufícas no Paço , e formando-fe no 
Terreiro delle hum agradável , e. polido Anruhea- 
tro , nos dias quinze , dezafete , e vinte e hum de 
Novembro houve Touros , a que aíTiftiraõ as Ma- 
geftadês em publico , e toda a Corte , repartindo- íè 
as janellas do Paço. A immediata à Tribuna , em 
que eílavaS os Reys , e Infantes , era a do Eílribei- 
ro mor Conde de Vianna , de donde diftribuia as 
ordens, que EÍRey lhe davaj feguia-fe a do Con- 
fclho de Eítado, fem aflentos, e depois o Defem- 
bargo do Paço , também íèm afiemos , a dos Em- 
baixadores com cadeiras razas de couro , aonde ef- 
teve Milord GaWoway , Embaixador de Inglaterra; 
o Bifpo de Lubiana , Embaixador de Alemanha , 

por 



da Cafa %r*l Tortug. Liv. VII. 6 3 

por oao ter feito a fua entrada publica, eíteve in- 
cógnito , e vio os Touros do Forte, aonde fe lhe 
poz cadeira também raza , como a do Embaixador 
de Inglaterra , e ordem aos Repofteiros para lhe 
fclfiilkem com doces , e agua , íe elles o pediílem. 
A Senhora D. Luiza vio de huma janella do Quar- 
to da Senhora Infanta alcatifada, e em cadeira de 
eípaldas , conde os Toureiros , depois das cortezias 
aos Reys, lhe íizeraõ duas: foraõ elles, no primei- 
ro dia o Conde do Rio Grande Lopo Furtado de 
Mendo^a , no fegundo o Conde de S. Lourenço 
Martim António de Mello, e no ultimo o Vifcon- 
de de Vil!a-Nova de Cerveira D. Thomás de Lima, 
o que fízeraõ com muito luzimento , íciencia, for- 
tuna , fingular acordo , e defembaraço , de forte , 
que divertindo as Mageítades, coníeguiraõ univer- 
fal applaufo ; o Vifconde comprando vinte e qua- 
tro negros cativos , e levando-os primorofamenre 
adornados , deu a todos liberdade , levando cada 
hum comilão a fua ca! ta de alforria. No dia 26 
à noite, no meíino Terreiro do Paço, fe executou 
hum beliiííimo artifício de fo.^o de admirável idéa , 
e primor, formando-fe huma machina , em que íè 
via reprefentado o Monte Etna , que eílava fume- 
gando , e lançando por vezes chammas , fendolhe 
lo hum Arco de triunfo, que repreíêntava o 
Palácio de Vénus , de donde ella íàhiò em hum car- 
ro triunfante tirado porCiíhes , que Cupido bina- 
va, cercado de Génios amorofos , que fe viaõ por 

hum 



6 4 Hi floria Çenealoglca 

hum infinito numero de archotes , e parando o car- 
ro defronte dajanella, em que eílavaõ as Mageíta- 
des , cantarão excelentemente hum breve Epitha- 
lamio. Depois andando para o Monte Etna , Vé- 
nus defceo do carro , e íeguida da ília comitiva , 
abrio-fe o monte, de que lahio Vulcano com os 
Cyclopes, e todos juntos cantai aõ recitados, acom- 
panhados de danças, de íbnoros, e diverfos inítru- 
mentos , que faziaõ huma agradável confbnancia , 
o que tudo fe formava em hum theatro feito defron- 
te dajanella, em que eftavaõ osReys. No tempo, 
que durava a Mufica , Vulcano forjou hum rayo, 
que havia de pôr fogo àquella machina , que aca- 
bou , começando a jogar o fogo por hum jardim , 
que eftava reprefentado ao pé do Monte Etna , de 
donde fe communicava a toda a machina. Efte viÊ 
toíò entretenimento , que durou ardendo mais de 
duas horas , foy agradável à Corte , e a hum influi- 
to numero de gente , e os Estrangeiros o applau- 
ciraô por hum dos mais luzidos artifícios de fogo, 
que fe tinha viílo. 

Determinado o dia 22 de Dezembro para a 
entrada publica , foraõ os Reys à Sé com grande 
pompa , por entre dezanove Arcos triunfaes , que 
os oíficios da Cidade, e as nações EfVangeiras le- 
vantarão defde o Paço até à Cathedral , por onde 
os Reys paflàraõ : eraõ formados com excellente 
archite&ura , ornados com emblemas , e diílicos, 
que declaravaõ asallufoens, do que reprefcntavao , 

e guar- 



da Cafa T^al Torttig. Liv. VIL 6 5 

e guarnecidos com primorofas ertatuas , e pinturas, 
outros ricamente adereçados com fingular idéa , 
eraõ naõ menos virtofos, que de bom gofto , e na 
mefma forma todas as ruas por onde pailàraõ efta- 
vaõ ricamente armadas , e guarnecidas de Infanta- 
ria em duas alas j no Terreiro do Paço ertava , po£ 
tado hum corpo de três Regimentos de Infantaria , 
e hum de Cavallaria , que mandava o Duque de 
Cadaval Mertre de Campo General junto à peílòa 
Real , muy bem fardados , e os Officiaes uniforme- 
mente veftidos. Principiava o acompanhamento 
pelos Miniftros dejuíliça da Cidade , os Reys de 
Armas , Arautos , e Parta vantes , os Porteiros da 
Cana com grandes Maças de prata , os Corregedo- 
res da Corte , e Cafa , todos vertidos com muito 
luzimento , montados em bem ajaezados cavallos, 
que acompanhavao com boas librés os íeus Laca- 
yos : feguia-fe hum grande numero de coches dos 
Grandes, Senhores, e Fidalgos , iem precedência; 
os coches delRey , e da Rainha com os Officiaes 
da fua Cafa , os de Refpeito com hum grande nu- 
mero de Moços da Ertribeira , e os feus Eílribeiros 
em fcberbos cavallos bem ajaezados , a que <e íeguia 
o magnifico coche de triunfo, em que hia EIRey à 
maõ direita da Rainha , e diante o Infante D. An- 
tónio, e a infanta D. Francifca, e naõ foraõ os In- 
fantes D. Franciíco , e D. Manoel por eftarem do- 
entes : era o coche de huma nob!"e idéa , tirado por 
oito cavallos murzellos com riquilíimas guarnições, 
Tom. VIII. I cer- 



66 Hijloria Çtnealogica 

cercado de quarenta Moços da Camera , e de três 
Companhias das guardas dos Archeiros , todos de£ 
cobertos , íèguidos dos três Capitaens das guardas , 
e depois hia a Marqueza deUnhaõ, Camereira mor 
da Rainha , em huma boa liteira , e em outra a 
Marqueza de Fontes , Aya da Senhora Infanta , e 
íeis coches , em que hiaõ as Senhoras de Honor , 
Damas Portuguezas , e Alemãas. A x porta de 
Santo António efperava o Senado da Camera com 
o íèu Prefi dente Joaõ de Saldanha da Gama , que 
fez a entrega das chaves , na forma praticada em íè- 
melhantes occafíoens , como diílemos quando de£ 
crevemos a entrada da Rainha D. Maria Sofia ; e o 
Defèmbargador André Freire de Carvalho , Verea- 
dor mais antigo, fez huma elegante Pratica. De- 
pois chegando o coche às eícadas da Sé , baixou o 
Senado com o Palio rico , debaixo do qual recebeo 
as Mageítades, e Altezas, pegando nus varas o Pre- 
íidente, e Vereadores, e o Corregedor da Rua No- 
va , Sindico da Cidade , a quem EIRey fez mercê 
da Toga para fupprir hum lugar de Vereador , que 
faltava: aííim levarão asMageftades, e Altezas até 
à porta da Igreja , aonde ficarão efperando para 
quando voltaílem , os levarem até o coche. O 
Dea5 da Sé D. Gafpar de Mofcofo , Sumiiher da 
Cortina , lançou a agua benta a Suas Mageftades , 
e debaixo do Palio eftava hum Cónego com a Ima- 
gem de Cnriílo Crucificado , que era a mefma , que 
no dia da Acclamaçaõ delRey D. Joaõ IV. â^C 

pregou 



da Cafz T^eal 7V*«g. Liv. VIL 6 J 

pregou o braço, que Suas Mageftades beijarão ajoe- 
lhando , havendo checado a almofada o Conde da 
Calheta Repoíleiío mor aElRey , e à Rainha hum 
Veador na aufencia do feu Mordomo mor , e de- 
pois de fe ter cantado o Te Deum com grande fo- 
lemnidade , fe recolherão os Reys ao Paço com o 
mefmo acompanhamento entre hum concuríb ex- 
traordinário , acclamações , e vivas do povo. Ao 
Conde de Villar-Mayor, a quem aflim que chegou 
à preíênça delRey , lhe agradeceo com honrofas pa- 
lavras o bem , que o tinha fervido, ejá o havia ex- 
preílàdo em huma Carta , toda da própria maô , 
agora lhe fez mercê de o crear Marquez de Ale- 
grete , e em hum Sabbado 24 de Novembro lhe fo- 
raõ conferidas as honras defta dignidade na forma 
praticada. 

A' Armada Ingleza , que conduzio a noíía 
Rainha defde Inglaterra para eíte Reyno a defpe- 
za da Rainha Anna da Grãa Bretanha , mandou 
EIRey agradecer o trabalho com grandioías dadi- 
vas , ao Almirante Bing huma joya de grande va- 
lor, ao Almirante Jenning hum broche também de 
muito preço , ao Coronel Godfrey huma joya , ao 
Capitão do navio do Cavalleiro Bing hum annel , e 
huma cadea de ouro com huma medalha com o re- 
trato delRey j aos mais Capitaens cadeas com me- 
dalhas de igual valor, e preciofidade ; aos Tenen- 
tes , de menor valor, aos Capitaens dos navios de 
fogo , cadeas com medalhas de ouro , ao Mordomo 
Tom. VIII. Iii da 



68 Hijloria Çenealogica 

da Rainha da Grfia Bretanha, que veyo com a di- 
recção da defpeza , hum broche de diamantes , ao 
Efcrivaõ da Cofinha huma joya , e ao Theibureiro 
outra , ao Meílre , e Contra-Meíire da Capitania 
cadeas crm medalhas , e pela familia inferior de mo- 
ços da prata , e mais gente , que eraõ trinta e qua- 
tro , fe lhe deu dinheiro confideravel , para diílri- 
buirem entre fi : havendo mandado EIRey, logo, 
que a armada chegou , hum refrefco de todo o gé- 
nero de regallp de carnes , vinhos , frutas , e doces, 
com tanta largueza , que fe repartio com abundân- 
cia por tocos os navios delia. 

Nefte mefmo anno de 1708 chegou de Barcel- 
lona ao porto de Lisboa a Efquadra Ingleza , que 
mandava o Cavalleiro Hicks , e nella vieraõ em- 
barcados o Marquez das Minas , e Miíord Galo- 
way , a quem a Rainha Anna nomeou de novo 
General fupremo das fuás Tropas , e Embaixador 
Extraordinário nefta Corte , como temos dito , e 
Paulo Methwin , que nella refidia com o caracter 
de Embaixador , voltou para Inglaterra. Depois 
o Embaixador Conde de Galoway fez a fua entra- 
da publica a 26 de Fevereiro de 1709 , íèndo con- 
duzido pelo Marquez das Minas, do Confelho de 
Eflado , à preíença delRey , na forma coítumada, 
com muito luzimento. Foraõ grandes os negocia- 
dos, com que as duas Coroas Franceza, e Ingleza, 
pertenderaõ feparar a EIRey da Grande Alliança , 
offerecendoJhe condições muy ventajofas, que EI- 
Rey 



da Cajá %eal Tortag. Liv. VIL 6? 

Rey naõ admittio , confervarulo-fe nareíbíuçaõ" do 
Tratado, que havia ratificado com os íéus Aliia- 
dos. E paia que as Tropas foliem mais bem di£ 
ciplinadas , fez publicar novas Ordenanças , pelas 
quaes reduziu aCavallaria a Regimentos, e alguns 
de Dragoens , e da mefma forte a Infantaria, que 
até alli fe compunha de Terços. 

O Marquez de Fronteira , que governava as 
Armas de Alentejo, depois de íahir com o íèu Ex- 
ercito na Primavera , e impedido algumas opera- 
ções , que intentara o Marquez de Bay , General 
das Tropas dos inimigos, eíle paíTou o Guadiana , 
eaquelle oCa\a, e querendo obrigar aos inimigos a 
huma acçaõ , fe moverão os noffos poftando a di- 
reita fubre a ribeira de Olor , e a efquerda junto à 
Praça de Olivença , de forte , que ficarão os dous 
Exércitos taõ checados , que as guardas avançadas 
fe pod'aõ fallar , naõ tendo entre fi mais que a pe- 
quena ribeira de Valverde junto a Olivença 5 e de- 
pois de eílarem muitos dias à vifta hum do outro, 
íoube-aõ os noíTos , que o Duque de OíTuna fe hia 
ajuntar com o Marquez de Bay , e já havia chega- 
do a Xeres de los Cavalleros : pelo que o noílb Ex- 
ercito tornou a paífar o Caya , e o Marquez de 
Bay marchou para Badajoz , e meterão as Tropas 
em Quartéis. 

Neíla Campanha fez o noííò Exercito mui- 
tos , e bem regulados movimentos , pois eftando 
primeiro inferior, aceitou, fem fortiíicarfe, a bata- 
lha, 



jo Hiftoria Genealógica 

lha , que o Marquez de Bay moílrou queria dar- 
lhe , e depois de reforçado lha offèreceo duas ve- 
zes , íem que os Heípanhoes lha aceltaílèm , e ven- 
do , que elles intentavaõ o fitio de Olivença por 
alguma mina , que havia nas fortificações , e ou- 
trás faltas , marchou à fua vifta , depois de íhccor- 
rer a Praça ; e paliando o Guadiana , occupou pri- 
meiro o Campo de Valverde com o Regimento de 
Dragoens de Filippe de Soufa de Carvalho , com 
o qual , e com outras Tropas , foraô os Generaes 
de Batalha Condes da Ericeira , e Alvor , e depc is 
íuprendendo os inimigos algumas bagagens , fe re- 
cuperarão , fazendo voltallos , havendo outras oc- 
cufioens , em que as noíTàs Tropas fe moftraraÔ 
igualmente valeroías , que bem diíciplinadas. Pa* 
xeceo a Corte , que era conveniente demolir a Pra- 
ça de Valença de Alcântara , e para efte eífeito íè 
mandou a Thomás da Sylva Telles, Coronel do Re- 
gimento de Eftremoz , e íkbendo o Marquez de 
Fronteira , que o de Bay eílava doente em Bada- 
joz , e com muito pauca gente naquella Praça , e 
que o Tenente General Conde de Aguillar , que 
governava o Exercito , o enfraquecera com as Tro- 
pas , que mandou a ver fe podia embaraçar , que 
Valença íe demoliíle , depois de reconhecer a fua 
marcha o General de Batalha , e Quartel-Meftre 
General Pedro Carie , fahio de Campo-Mayor com 
o Exercito formado em duas columnas , e com a 
primeira paíluu o Marquez com os outros Gene- 

raes 



da Ca/a %eal Tortug. Liv. VIL 7 1 

raes o rio Xevora , e com a fegunda o Meílre de 
Campo General D, Joaõ Manoel de Noronha com 
os Condes da Ericeira , e Alvor , pela ponte , àc(- 
prezando algumas balas de artilharia de Badajoz , e 
dobrando bridada fobre bridada , formou a fecunda 
linha em batalha, como também o fez à primeira; 
e avançando-fe Pedro Carie com quatrocentos Ca- 
vallos , mandou repetidos avifos , de que os himi- 
gos eílavaõ também com parte das fuás Tropas oc- 
cupadas em huma forragem , e que a marcha os f 11- 
prendera: porém como efta tinha fido larga, e di- 
latada pelos desfiladeiros , e paíTagens do rio , nao 
fe empenhou na batalha , eítando também já os ini- 
migos em fitio ventajofo , e fendolhe fácil o evitai- 
la , pela vifinhança de Badajoz •, e aífim à viria do 
Exercito contrario tornou a pafíar o noííò o Xevo- 
ra com boa ordem , fuftentando a Cavallaria da fe- 
gunda columna o esforço , que fazia o Coronel D. 
António de Leiva , para carregalla quando paííàvá 
o váo do Xevora , fazendo efta retaguarda o Con- 
de da Ericeira, e fuftentando algumas eícaramuças 
das Tropas de Badajoz o de Alvor. D. João Ma- 
noel , que também tinha o governo da artilharia , 
com grande promptidaõ plantou huma bataria (o- 
bre o Xevora , com que embaraçou , e fez damno 
aos inimigos , e tendo-fe demolido perfeitamente 
Valença de Alcântara , e recolhido a fua guarnição, 
artilharia , e munições , deu fim por eíte anno a 
guerra em Portugal , e nas outras Provindas nao 

houve 



72 Hijloria Çenealogica 

houve couíà digna de memoria , tendo marchado 
as fuás Tropas a uniríe com o Exercito de Alente- 
jo. Os inimigos abandonarão Serpa , e Moura , e 
outros pequenos Lugares , que haviaõ occupado , 
deixando-os demolidos , e guarnecendo fó o peque- 
no Caftello de Noudar, que pela paz reftituiraõ, 
reedificando- fe logo Moura , e Serpa. 

No mez de Julho fizera 5 os noííòs huma in- 
vafaõ na Andaluzia , chegando quatorze legoas diC 
tantes da Cidade de Sevilha, com hum corpo, que 
conRava de quatro Regimentos de Infantaria , e 
Cavallaria , e atacando o Forte de Alqueria de la 
Puebla , fe rencleo o feu Governador com a guar- 
nição de duzentos homens , e acharão na Praça tre- 
ze peílas de artilharia. Entrou a Cavallaria no Con- 
dado de Niebla , faqueou muitos Lugares , e poz 
em contribuição a Villa de Gibraleon , que remio 
ofàque por dez mil patacas, e tirou de Outros Lu- 
gares grandes contribuições , além de huma grande 
quantidade de gados , e de mulas , de que tínhamos 
falta , com que fe recolherão os noííòs Soldados 
bem providos , e fatisfeitos. No mez de Dezem- 
bro entrou a frota do Brafil muy rica ; porque as 
Minas do ouro até aquelles tempos avaras , e oc- 
cultas , começarão a deíentranharfe em precioíos , e 
copiofos tributos ao novo Rey , que depois feaug- 
mentaraõ com admiração do Mundo, e felicidade 
dos íêus Vaílallos. Padeceo a frota huma furioíâ 
tormenta na Cofta de Portugal , e Hefpanha, em 

que 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 7 3 

que teve perda , fendo a mayor , a que experimen- 
tou no porto de Lisboa na horrafca , que íe levan- 
tou na noite de 20 do referido mez taô violenta, 
que muitos navios defamarrados, encalharão nas pra- 
yas , e alguns naufragarão carregados. Nefte anuo 
a 9 de Novembro faleceo o Príncipe Jorge de Di- 
namarca , marido da Rainha da Grãa Bretanha , o 
que participou a EIRey , que tomou luto confor- 
me o coítume. 

Depois, que a Rainha chegou, comerão fem- 
pre Suas Magetiades , e Altezas em publico , ha- 
vendo mufica , e inftrumentos , e aíMencia de toda 
a Corte, o que continuou no anno íèguintej ene£ 
te , e em outros executarão as Damas com o mayor 
luzimento , e acerto , muitas feftas de theatro , aU 
gumas com baftidores , e tramoyas, comportas pe- 
los melhores engenhos da Corte ; outras fízeraõ os 
Muficos daCapellla Real, em que houve algumas 
com muitas machinas, e mutações, com que íe ce- 
lebrarão os annos , e outras funções Reaes. 

Na Primavera do anno feguinte de 1709 o 
Marquez de Fronteira , Governador das Armas da 
Provincia de Alentejo , íàhio de Elvas, e acampou 
o Exercito entre Caya , e Cayola. Tendo tirado 
os Regimentos da guarnição de Campo-Mayor, e 
fazendo revifta ao Exercito , achou , que íè compa- 
nha de trinta e cinco batalhoens de Infantaria , e tre- 
ze Regimentos de Cavallaria , entrando a Infanta- 
ria Ingleza , que mandava Milord Galloway , e à 
Tom.VIII, K fua 



j^ Hl floria (jenealogica 

fua ordem o Marquez cie Montandre, General de 
Batalha. Os inimigos tinhaõ dous corpos, hum 
acampado à ponte do Xevora , e cutro no plaino 
de Badajoz , em que tinhaõ dezaíeis Regimentos 
de Cavallaria, e vinte e quatro batalhe eis. O Mar- 
quez de Fronteira em o primeiro de Mayo chamou 
a Confeiho de Guerra para íaber íe psíTaria oCaya, 
e marcharia para os inimigos , que eítavaò entrin- 
cheirados debaixo da artilharia do Forte de S. Cl rií- 
tovaõ. Alguns dos Generaes foraõ de parecer, 
que os atacaífemos ; porque os inimigos , que nos 
eraõ fuperiores na Cavallaria , naÕ podiaõ ter erm 
ella ventagem em hum terreno , que era mais pró- 
prio para a Infantaria , em que os noíTos lhe eraõ fu- 
periores. Outros íeguindo diverfos pareceres , fi- 
carão muy difeordes nos votos. Deu o Marquez 
parte a Corte , para que EIRey determinafle , o 
que íe havia de fazer , fobre o que lhe foy ordenado, 
que mandaííe o íeu voto , o que naõ tinha feito , e 
em tanto procuraíTe faber logo com certeza o efta- 
do , e numero das forças dos inimigos. Depois de 
hum Confeiho de Guerra , em que a reíbluçaõ fe re- 
metteo ao parecer do Marquez , e dos Generaes, 
no dia 7 de Mayo tiveraõ noticia , que os inimigos 
com toda a fua Cavallaria , fe avançarão para forra- 
gear nos trigos de Campo-Mavor , de íorte, qne o 
Marquez reíolveo de fazer paííàr o nofíb Exercito 
oCaya para cortar a Cavallaria inimiga j mas apref. 
íândo-íè efta , fe retirou ao feu campo , deixando 

alguns 



daCafaT^alTortug. Liv.VH. 75 

alguns eíquadroens nas eminências para nos obfer- 
varem. O Marquez fe formou em batalha] e Mi- 
lord Galloway fazendo avançar os Regimentos In 
glezes , que lempre levavaó a noíTa eíquerda , para 
ganharem em flanco aos inimigos , fe achou o Mar- 
quez de Fronteira empenhado no conflicto , e os 
Hefpanhoes carregando com os íeus elquadroens a 
nc íla eíquerda , ficarão cortados os Regimentos In- 
glezes ca primeira linha , e com elles Milord Gal- 
loway , que íê íalvou depois com trabalho em Cam- 
po-Mayor, naÕ bailando a providencia de mandar 
o Marquez pôr na tefta da Cavallaria da efquerda 
aoMtílre de Campo General Pedro Maícarenhas, 
que governava a legunda linha, e ao General de 
Batalha Conde de Alvor , que eftava no centro 
delia ; e para a Cavallaria do lado direito foy man- 
dado também o General de Batalha Dom Braz da 
Sylveira , que eftava na direita da fegunda linha , 
ficando efta toda governada pelo General de Bata- 
lha Conde da Ericeira , que acabava de chegar pela 
pofta de Lh-boa , aonde EIRey o havia mandado 
deter. Vendo a noílà Cavallaria da efquerda , que 
os inimigos a carregavaõ , a pezar das diligencias dos 
Generaes , e Officiaes , voltou , ficando o Conde 
de Alvor com algumas feridas , e aleijado da maõ 
direita , e íeu irmaô António Luiz de Távora atra- 
veflado pelo corpo com huma efpada larga. Pro- 
curou o Conde da Ericeira vendo, que a Cavalla- 
ria da efquerda da fegunda linha feguia o mefmo 
Tom. VIII. K ii exem- 



q6 Hl floria Çenealogica 

exemplo da primeira , obrigalla a que voltaíTe , e fó 
confeguio , que o tizelíem cem Cavallcs com o 
Coronel Joíeph do Quental Lobo , e o Tentnte 
Coronel Manoel Nunes Leitão , o qual valerofa- 
mente pode reítituirfe à Infantaria da fecunda linha 
por entre os noílbs efquadroens , que voltavaõ , e 
os inimigos , que os feguiaõ. Pedro Mafcarenhas 
com a btigada de António Telies , e o Regimen- 
to de feu irmão Thomás da Sylva , fuflentou por 
aquelle lado três vezes o ataque da Cavallaria ini- 
miga, eji o fogo de algumas peíTas da noííà arti- 
lharia, que os inimigos tinhaõ ganhado j o Conde 
da Ericeira fuftentou o reíto da linha , aonde tam- 
bém fê achou Francifco Jofeph deSampayo, o Con- 
de dos Arcos , e outros Officiaes da Cavallaria , que 
nao íeguiraõ o exemplo dos feus Regimentos , que 
do lado direito da mefma linha também fe tinhaõ 
retirado ; porque os inimigos carregarão a Cavallaria 
da direita da primeira linha , que governava o Conde 
de S. Joaõ , o qual pouco depois ficou priíloneiro, 
e o Regimento de Dragoens de Traz os Montes , 
de que era Coronel Filippe de Soufa de Carvalho, 
iuítentando o ataque com mais valor , que difcipli- 
na , ficou inteiramente derrotado, ejoaõ de Antas 
da Cunha, Coronel da Cavalbria do Regimento 
de Almeida, mal ferido , e priíloneiro. A Infanta- 
ria do lado direito , que foy varias vezes vigoroía- 
mente atacada , principalmente o Regimento de 
Mathias da Cunha , fazendo fogo aos inimigos , 

lhe 



da Cafa l^eai Tortng. Liv.Vll. 77 

lhe caufou grande perda , morrendo entre grande 
numero de Soldados , e Officiaes, o Coronel cio Re- 
gimento de la Muerte D. António de Leyva , pou- 
cos dias depois , de huma bala , e havendo pouco 
tempo, que tinha voltado de Portugal , aonde eíle- 
\ e prilionciro. Dom Joaó Diogo de Ataide , e D. 
Joaõ Manoel de Noronha, Meitres de Campo Ge- 
neraes, ArTonfo Francifco Furtado, e outros Offi- 
ciaes , coníervaraõ efta linha impenetrável , e da 
meíma forte o tizeraõ os da fegunda , e o Marquez 
de Fronteira com grande acordo , e valor, fe achou 
nas partes mais exporias , cerrando as duas linhas 
com os batalhoens de Infantaria dos lados , com que 
fazia o Exercito hum pa?allelo gramon 5 e aílim fe 
retirou mais de legoa , e meya , paíTando ribeiros, 
e íanges , fem perder a forma , nem com os ataques 
da Cavallaria , nem com os tiros da artilharia , nem 
com a viíinhança da Infantaria inimiga , de que já 
ouvia de perto as caixas , e a quem fez fazer hum 
alt j o Duque de Havré. Affim chegou em boa or- 
dem a Campo-Mayor , de donde marchou de noite 
para Arronches , e recolhendo os Generaes de Bata- 
lha Maiquez de Aça , e Francifco de Mello, parte 
da Cavallaria , que fe tinha efpalhado , marchou o 
Marquez de Fronteira pela manhaa para o meímo 
Campo da batalha , e reforçando as guarnições de 
Elvas , e Campo-Mayor , veyo campar ao Cam- 
cam , e depois a Jerumenba , de donde mandou íê- 
gurar Olivença: os inimigos fem animarfe a invedir 

o noííb 



78 Hijtoria Çfenealogica 

onoffo Campo, desfilarão pela ponte, que depois 
voarão, e marchando onoíTo Exercito Cobre o Gua- 
diana , fe canhonearaõ os dous Campos ; e aííim fe 
embaraçou o fitio de Olivença. Milord Galioway 
quando vio , que a Cavallaria da efquerda fora pot 
ta em defordem , e que os inimigos haviaõ tomado 
duas peíTàs daquella meíma parte , fez avançar hu- 
ma brigada de três Regimentos de Infantaria , em 
que entrava hum de Hefpanhoes de Pedro Carie , e 
recobrarão as duas peílàs, mas naõ fe puderaõ ajun- 
tar ao Exercito , porque foraõ cortados j e íb íè for- 
tificarão em hum pofto , em que fe mantiveraÕ até 
o dia íèguinte , em que fe renderão por capitulação 
prifioneiros de guerra. A perda , que tivemos de 
mais dos Officiaes referidos , e de outros feridos , 
e priíloneiros , foy a de oitocentos homens , entre 
mortos , e feridos j os dous Regimentos Inglezes , 
e o de Pedro Carie prifioneiros. Naõ foy menor o 
numero dos Soldados, que os inimigos perderão , e 
naõ teve efte combate outras confequencias. Fica- 
rão também prifioneiros o Coronel Sankins , e mal 
ferido o Capitão de Cavallos Francifco da Cofia, e 
da mefma forte Jorge de Souíâ de Menezes. Efte 
fucceílò , que efcrevemos como paílòu , com a ver- 
dade , que exactamente proferíamos , refere hum 
d*A«girtemliom!iu Author Eítrangeiro taõ affeclada mente , e taõ mal 
liv.z7.pag. 286. informado, que ignorou , que o Exercito era go- 
vernado pelo Marquez de Fronteira , dizendo o 
mandava Zvlilord Galioway , e depois de ir deícre- 

vendo 



da Cafa T^al Tortug. Liv. VIL H$ 

vendo o combate , como lhe pareceo , diz , que o 
Regimento de Traz os Montes , de que já demos 
noticia , a quem louva pela conílancia , e valor, 
com que peleijara, que naõ lábia íe era Portuguez, 
cu Inglez. Efta arle&adiííima expreílàõ deile Au- 
thor me obrigou a dizerlhe , que eia Portuguez, e 
que quando Te trata hum fucceílò , ainda que na5 
ít ja próprio , fe deve tratar rynceramente , e naõ 
calando a gloria alhea , e pondo-a na lua NaçaÕ y 
porque o Leitor , que for inftruido , precifamente 
deve conhecer a affe&aç,aõ do Authcr , como no 
cafo prefente, e outros, que pudéramos apontar, 
com que os Eflrangeiros faõ de ordinário muy mal 
informa los das oolíLs coufas , ainda de muitas, que 
preciíLmeme naõ deviaõ ignorar. Também naõ 
devemos paííar em filencio o modo, com que ou- cowent.deUGuer.de 
tros Authores efcreveraÕ efte fucceílò j porque re- ■ fc yf- lib « x -r a g-37?. 
veílidos de amor próprio , o enfeitaõ a íeu modo , Mfioria Civil de Ef- 
que parece bem diffèrente, do que foy , o que tam- vã<ii cap ' 68, 
bem he digno de cenfura 5 porque nenhum Hifto- 
riador deve ter partido , que o fepare da verdade. 
Fizeraõ-fe novas levas, e EIRey deu licença para 
fe levantarem dous Regimentos à defpeza de Ingla- 
terra , hum deDragoens, e outro de Infantaria , de 
que havia fer Coronel Milord Galloway , manda- 
do por Officiaes Francezes , e o outro por Officiaes 
Portuguezes , e Hefpanhoes. 

Pertendeo o Marquez de Bay novamente in- 
veftir Olivença, que os noííbs impedirão, foccor- 

rendo 



8 o Hiftoria Çenealogica 

rendo a tempo a Praça de viveres , e munições. O 
noííò Exercito , e o dos inimigos , naõ faniraõ no 
Outono dosfeus quartéis. Nefte tempo padeceo 
EIRey huma indiípofiçaõ , que deu cuidado aos 
feus Vaílàllos , de que em breve íe reílabeleceo in- 
teiramente , de que rendeo a Deos as graças. Por 
concerto feito com a Rainha daGraa Bretanha , fe 
levantarão por ordem delRey mais quatro Regi- 
mentos de Dragoens , pagos pela defpeza da Coroa 
de Inglaterra , de que os Coronéis eraõ Portugue- 
zes, e fora5 nomeados D. Díoí^o de Noronha , An- 
tonio Luiz de Távora , Manoel de Mello da Syl- 
va, e Jorge de Soufa de Menezes, e grande parte 
dos Officiaes Inglezes , e Francezes , refugiados em 
Inglaterra. A 25 de Junho do referido anno de 
1709 chegou a Lisboa em huma nao de guerra In- 
gleza o Conde de Stampa , Embaixador Extraordi- 
nário delRey Catholico Carlos III. a dar ao noííò 
Rey os parabéns do íêu caíàmento , e a 28 de No- 
vembro deu a fua entrada publica , fendo conduzi- 
do à prefença delRey pelo Marquez de Marialva 
D. Pedro de Menezes em hum coche da peííòa del- 
Rey com mais outros da Caía , e hum de refpeito 
da Rainha , e os mais dos Grandes , e Miniitros , na 
forma coftumada , tendo fido primeiro hoípedado 
na Quinta , que entaõ era do Conde de S. Louren- 
ço , por três dias com muita grandeza. A 50 do 
mefmo mez partio huma grande frota para o Bra- 
fil , compofia de noventa e fete navios, e comboya- 

da 



ia Cafo T^al Tcrtug. Liv. VIL 8 i 

3a por oito navios de guerra, que mandava o Con- 
de do Rio Grande , Almirante da Armada Real, 
e Gafpar da Coita de Àtaide, General de Batalha 
do mar , fervia de Almirante , e Luiz de Miranda 
Henriques , Coronel do Regimento da Armada, de 
Fifcal. Entaõ fe ordenou a todos os que embar- 
carão para aquelle Eftado, fòíTèm obrigados atirar 
paíraportes, collume, que fe ficou obíèrvando, pa- 
ra íe evitarem algumas deíbrdens prejudiciaes. 

Entrou o anno de 171 o, e nelle padeceo El- 
Rey huma leve queixa , que o obrigou a ufar do 
remédio da fangria no dia 27 de Fevereiro , e nelle 
me imo foy convocado o Confelho de Eftado para 
alguns negócios , que occorriaõ : e com a noticia , 
de que EIRey fe fangrara naquclla manhaa, acaba- 
do o Confelho, foy a faber delRey , a quem o Mar- 
quez de Alegrete , Gentil-homem daCamera, que 
eílava de femana , participou eílar alli o Confeito 
de Eftado , que hia faber de Sua Mageftade , q'je 
benignamente o mandou entrar a fua P^eal prefença; 
e por E!R.ey eftar de cama, lhe fallaraõ os Confe- 
Iheiros de Eftado de joelhos. Efta foy a primeira 
vez, que o Confelho de Eftado teve a honra de en- 
trar à prefença dos Reys deftes Reynos , eftando 
doentes ; porque a benignidade delRey refplande- 
ce em todas as fuás acções de forte, que igualmen- 
te brilha nelle a grandeza , a clemência , a feverida- 
de, e confinneia , em prudentes máximas j porque 
defie os p-imeiros annos do íèu reynado , fe enca- 
Tom. VIIÍ. L minha- 



8 2 Hiftoria Çenealogica 

minharaõ à heroicidade , como veremos no cafo fe- 
guinte , em que reveílido de íòberania , fez execu- 
tar a fua refoluçaõ. 

Havia EIRey D. Pedro, degloriofa memoria, 
noanno de 1681 abolido os bairros dos Embaixado- 
res , e Enviados dos Príncipes , que refidiaÔ na fua 
Corte , eílabe!ecendo-fe ao mefmo tempo , que os 
Miniílros , e Officiaes dejuftiça, pudeílem paíTàr 
pelaà ruas, e cafas dos Embaixadores com as íuas 
LettKs Hiftoriq. Mm varas alçadas , infignias dos feus cargos. Era na- 
de Man 1710, tom. q Ue ]j e tempo Enibaixador de França neíla Corte 
LaCict duCabincídes Monfieur d' Oppet , que intentou opporfe a ella 

5^^I?i 7,C * "foluçaÔ i P orém ve ) 70 a deflftir - Nefta forma fi- 
Lamberty , Mtmoires caraô extindlos os bairros para boa adminiftraçaõ da 

pourfervir a P Hifíoi- . ,, . . r . M r n . 

re Au xviil ficcie , juitiça , e deuie aqueile tempo íe reftringio a immu- 
iom^.pag.i74.im P . n \^ e fomente a dentro das cafas dos Miniftros. 

a ia Haya 3 1710. r r * • r\ á~* 

Memoria? doD-jque do Ifío íe havia praticado netta Corte por largo nume- 
c^m.í.tom.iz. ro deannoSj f em qlle os Embaixadores, e Envia- 
dos , que refidiaô nella , íe oppuzeííèm a efta or- 
dem , até que no mez de Junho do anno de 1709 
o Bifpo de Lubiana , Embaixador do Emperador 
neíla Corte, ( que ainda fe achava incógnito) per- 
tendeo alterar efta obíervaneia , querendo coníer- 
var os bairros já abolidos , havia mais de vinte e 
oito annos , havendo-fe praticado o contrario , de- 
pois da refoluçaõ delRey D. Pedro, de paílàrem 
os Miniftrcs , e Officiaes de Juftiça pelas ruas com 
varas alçadas , e prezos , que conduziaÕ aos cárce- 
res publico-. Ede inveterado coftume alterou o 

Embai- 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 8 3 

Embaixador de Alemanha 5 porque paíTando hum 
Aicaide do Julgado de Odivellas com hum prezo 
pela fua porta , o Porteiro lho impedio de forte , 
que entre a contenda dosdous, fogio o prezo para 
caía do Embaixador: feguio-o o Alcaide até alogea, 
aonde outros da meíma família o obrigarão a reti- 
rarfe , e levarão o prezo para cima. Com a meíma 
família fuccedeo outro caio femelhante com outro 
Alcaide. Efte procedimento naÕ eíperado do Em- 
baixador, caufou juílo efcandalo na Corte : e dòn- 
do elle conta do fuccedido ao Secretario de Eftado 
Diogo de Mendoça Corte-B.eal , lhe refpondeo por 
huma Carta de 26 de Junho do referido anno, na 
qual lhe referia o fentimento delRey por elle inten- 
tar arrogar a fi hum privilegio , que os mais Minis- 
tros do lêu caracter naÕ tiveraÔ , nem pertenderaõ 
em taõ largo numero de anu os ; porque nefta Cor- 
te fe haviaõ extin&o os bairros pela grande pertur- 
bação , que caufavaõ à boa adminiftraçaS da jufli- 
ça, reftringindo-fe a immunidade às caías dosMini£ 
tros , como íe havia praticado íèmpre depois da re- 
íblu^aõ do Senhor Rey D. Pedro , que Deos tinha 
na gloria , paíTando os Miniftros , e Òfficiaes de Ju£ 
tiça com varas alçadas pelas ruas com os prezos j 
e fe alguma vez fuccedeo fogirem para a caía dos 
Embaixadores, osreftituíaõ todas as vezes, que fe 
lhe pedirão j e que aííim efperava EIRey , que o 
Embaixador o praticaííè , como haviaõ feito os Mi- 
niftros do íêu carader , que refidiraõ nefta Corte; 
Tom. VIII. L ii por- 



84 Hljloria (jcnealoglca 

porque feria muy feníivel a EIRey ferlhe precifo 
tomar a refoluçaõ , que lhe pareceíle mais conveni* 
ente, para o fazer obíervar huma matéria, que havia 
tantos annos fe praticava ; e vendo-íe, que o Em- 
baixador naõ dava a fatisfaçaõ , que devia , o Se- 
cretario de Efiado per huma Carta de 29 de Junho 
lhe intimou , que fe abftiveíle de ir ao Paço , e que 
nenhum Miniílro de Eílado o havia de ouvir em 
algum negocio , e que os Miniílros de Juíliça ha- 
viaÕ de pafíàr pela ília porta , pelo que o Embai- 
xador fe accommodou. Finalmente concluío-ie 
efta dependência por outra Carta do Secretario de 
Eílado para o Embaixador de 28 de Ágoilo. No 
tempo , que íè entendia , que a compofiçaô do Em- 
baixador fora fyncera , e verdadeira , e eíla depen- 
dência inteiramente fe acabara , o Bifpo de Lubiana 
períuadio ao Conde de Stampa , Embaixador dei- 
Rey Catholico , para que quizeíle confervar o pri- 
vilegio dos bairros, eque as fuás familias impediílem 
aos Miniílros de Juíliça , que paííàílèm pelas ruas 
das cafas , em que elles moravaõ. 

Eílando eíle negocio ao que parecia ajudado,' 
fuecedeo depois entrar em breve tempo em outro em- 
penho mayor o mefmo Embaixador de Alemanha j 
porque paííàndo pela fua porta o Juiz do Crime da 
Hibeira montado acavallo com a fua vara alçada, 
como he coílume , lhe impedirão os criados do 
Embaixador , que continuaííe o caminho. Defle 
exceííò refultou eferever o Secretario de Eílado ao 

Bi J po 



da Caf* %eal Tortng. Liv. VIL 8 5 

Bi r po huma Carta a 10 de Janeiro do anno de 1710 
na meíma forma , que a íegunda , accrefcentando , 
cjue naò podia EIRey deixar de reprefentar ao Em- 
perador o juilo fentimento , que lhe caufava , de 
que el!e ttveílè inteiuado alterar o eflylo obfervado 
por todos os Embaixadores, que aíTiftiraõ nefta Cor- 
te , lendo elle caulâ de alguns , que entaõ íeíidiaõ, 
feajuntaííèm emfua cafa parapertenderem o rnefmo. 
Vendo-fe o Embaixador por efta refoluçaõ inhibi- 
do para entrar no Paço , nem poder tratar negocio 
algum, recorreo à Rainha por huma Carta de 14 
do referido mez de Janeiro , em que fe fobmetia à 
Real di r pofiça5 , do que cila lhe mandaííè ) porém 
delia naõ teve repoíta. 

Achava-íe o Bifpo Embaixador de Alemanha 
muito entrado nefte empenho , e naõ fabendo o mo- 
do de como deile havia defahir, quiz fazer partici- 
pante delle aos mais Miniílros Eftrangeiros , que 
refídiaõ na Corte , para o que fe ajuntarão em fua 
cafa o Conde deStampa, Embaixador delRey Car- 
los III. Milord Galloway , Embaixador da Grãa 
Bretanha , Francifco Schonemberg , Plenipotenciá- 
rio dosEftados Geraes, e o Padre Cienfuegos, que 
nefta Corte aífjítia aos negócios , e dependências 
delRey Catholico , com hum pleno poder: e por- 
que de ordinário os Embaixadores íempre defejaõ 
adiantar a fua immunidade , acordarão íerem todos 
intereíTados nefte empenho , e que naõ coníênti- 
riaõ , que pelas fuás portas paíTaííèm os Miniílros 

de 



26 Hiftoria Çenealogica 

de Juíliça com varas alçadas. Naõ foy chamado a 
efta conferencia Carlos Iíàc de Bei ge , Enviado dei- 
Rey de Pruflia ; porque tendo fido anticipadamen- 
te perguntado como peííòa intelligente , e que ha- 
via muitos annos- refidia na Corte , lhe refpondeo , 
que fempre pelas portas dos Embaixadores paífa- 
laõ os Miniftros de Juíliça com vara alçada, e que 
eftando elle naquelle conhecimento , naô podia en- 
trar no empenho , que o Embaixador lhe propunha. 
Fertendeo o Bifpo Embaixador , que entraflè nefta 
conferencia o Cardeal Conti , Núncio nefte Rey- 
no , para o que o bufcou em fua caía , e communi- 
candolhe o negocio , elle lhe reípondeo , que fe ad- 
mirava muito , de que elle perfuadiííè ao Núncio 
do Papa , a que entraílè em huma conferencia aon- 
de concorriao os Miniftros de Inglaterra , e Hollan- 
da, de Religião Proteftantes j accreícentando , que 
ainda feparado daquelle motivo , como era poflivel 
entrar elle em hum empenho, depois de haver reíí- 
dido tantos annos nefta Corte , nao entrando nun- 
ca em tal pertençaõ , nem ver , que algum outro 
Miniftro do feu cara&er já mais intentaílè tal pri- 
vilegio ? Pelo que lhe parecia , que o Embaixador 
bufcaííè os meyos mais decentes de accommodar 
aquella dependência , livrando-íe aftim de taõ ár- 
duo empenho. Depois o Cardeal Núncio partici- 
pou efta pratica ao Duque de Cadaval , íêu Con- 
ferente, que lho agradeceo da parte delRey. 

Refultou da conferencia , que íê havia feito na 

caía 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 8 ( 

cafa do Embaixador de Alemanha , aílèntarem to- 
dos os Miniílros, que nella fe acharão, de na5 con- 
fentirem , que pelas fuás poitas paíiaílè Mmiftna 
com vara alçada , e nella conformidade perfiftio o 
Embaixador de Alemanha , no que havia principia- 
do ; porque logo fe íeguio impedir ao Corregedor 
da Corte Manoel Henriques Sacoto, a que paíIafTè 
por ella indo dentro em huma fege. O Embaixa- 
dor de Hefpanha praticou o mefmo com o Corre- 
gedor do Bairro Alto, Juiz do Crime da Alouraria, 
e com o Corregedor do Civel Franciíco Nunes Car- 
deal. 

Eíles defcon certos obrigarão a EIRey a tomar 
huma prompta refoluçaõ , que intimou por Cartas 
de 20 de Janeiro de 17 10 o Secretario deEftado aos 
Embaixadores de Alemanha , Inglaterra , e delRey 
Catholico , e ao Plenipotenciário dos Eftados Ge- 
raes , nas quaes EIRey ordenava , que dentro em 
quatro dias fahilTèm da Corte para aparte, que lhe 
pareceíTe , para que os Miniítros, e Ofnciaes de Jus- 
tiça pudeílèm andar livremente , e íèm embara- 
ço por toda a Cidade , como faziao de antes j por- 
que a qualquer , que fe lhe oppuzeííè , poderiaõ íê- 
guirfe terriveis confequencias , que EIRey com 
aquclle meyo queria evitar , em attençaô aos cara- 
cteres , e psílòas , o que participava a íeus Amos , 
para que os advertiílcm de naõ infiftirem naquelia 
novidade , pertendendo huma prerogativa , que os 
feus anteceííbres naõ tiverao ; e nem actualmente a 

perten- 



8 8 Hijloria Çenealcgica 

pertendia o Cardeal Conti , Núncio do Papa , riem 
o Enviado delRey de Pruííia. Depois de recebidas 
eftas Cartas, refponderaõ com outras da data de 21 
domefmo mez, em que intentavaõ permiíTaõ para 
em quanto davaô conta a feus Amos , fe conferva- 
rem naquelle eftado , íêm íahirem da Corte , e ao 
mefmo tempo armarão as fuás caías , o que fe to- 
mou taõ mal , que fe ordenou aos Miniftros de Juf- 
tiça j que paííaílèm pelas portas dos três Embaixa- 
dores , para o que os mandarão auxiliar de hum cor- 
po de Cavallaria, para obviar qualquer incidente, 
com que fe intentaífe impedir a liberdade das Juíli. 
ças. E porque fe temia alguma defordem do povo, 
que em íèmelhantes caíbs lè enfurece , fe ordenou ao 
Conde de Aveiras, Coronel de hum dos Regimen- 
tos de Cavallaria da Guarnição da Corte, que com 
hum efquadraõ de ieííènta Cavallos com hum Ca- 
pitão, e outro com vinte, e alguma Infantaria, fe 
puzeííèm em parte de donde igualmente feguraílè 
o Corregedor, que havia de paííàr, e a cafa do Em- 
baixador de algum infulto do povo. Eíía reíblu- 
çaô , de que tiveraô noticia os Miniftros intereíla- 
dos no empenho , os fez com melhor acordo efcre- 
verem lo^o ao Secretario de Eftado huma Carta a 
24 do referido mez de Janeiro, que todos aíiinarao, 
que em fumma dizia : que em quanto davaõ conta 
a feus Amos , íe conformavao com aquella refolu- 
çaõ , enaõ tomariaô conhecimento algum , do que 
paílaíle por diante das fuás caías. Eíle foy o fim 

de 



da Cafa %ed Tortug. Liv. VIL 8 9 

de hum empenho intentado fem confideraçaõ das 
coníêquencias , que deile podiaõ refultar ; e fendo 
participado o referido pelos Miniílros delRey nas 
Cortes dos Soberanos dos intereíTados no empenho, 
a Rainha da Grãa Bretanha ordenou ao feu Em- 
baixador ?\Iilord Galloway , naõ fallaílè mais em 
tal matéria , e que fe apartafíè de íêguir a idéa de 
hum Miniftro taÕ ínconfiderado j e aííim ficou ac- 
commodado hum negocio, que caufou tanto ruí- 
do na Europa. 

Nefte mefmo anno de 171 o o Conde deStam- 
pa , Embaixador delRey Carlos III. teve em o pri- 
meiro de Setembro audiência de defpedida , e foy 
conduzido pelo Marquez de Marialva do Coníelho 
de Eftado , e a 5 do referido mez a teve também o 
Conde de Galloway , fendo conduzido à prefença 
delRey pelo Marquez das Minas , na forma coftu- 
mada , e o Bifpo de Lubiana , já Arcebifpo de Pra- 
ga , Embaixador do Emperador , fez a fua entra- 
da publica 326 de Setembro, fendo feu Conduclor 
o Conde de Óbidos Meirinho mor Dom Fernando 
Martins Mafcarenhas , doConíêlho de Eílado , com 
todo aquelle apparato , que requeria a grandeza do 
feu caracter. 

EIRey Ca r Ios III. que em Catalunha conti- 
nuava a guerra contra EIRey D. Filippe V. com 
profperos fucceffos , venceo a 20 de Agoflo do an- 
no de 1710 a batalha de Çaragoça , em que as Tro- 
pas Portuçuezas fe diftinguiraõ com grande applau- 
Tom.VlII. M fo, 



po Htjloria Çeneafogica 

ío , as quaes mandava o Conde de Atalaya D. Pe» 
dro Manoel , e era General de Batalha D.Pedro de 
Almeida , depois Conde de AíTumar , que com o 
corpo da referva, que governava na eíquerda do 
Exercito, que os inimigos carregarão com mais ím- 
peto , de íòrte , que romperão as duas linhas dos 
noílbs Alliados , em que eítavaõ os Inglezes , Pala- 
tinos , e Hollandezes , marchou para elles com tal 
ordem , que naõ fó deteve os inimigos , mas os car- 
regou de forte , que os poz em fogida , deixando 
muitos mortos, feridos, e prifioneiros 5 dando com 
eíle bom fucceílb lugar a que as duas linhas fe re- 
fízeííèm , etornaííèm de novo ao combate, que foy 
bem difputado 5 e porque haviaõ os inimigos com 
vinte efquadroens derrotado íeis de Portuguezes , 
com que o General Hamilton lhes pertendeo tomar 
o flanco , o que vendo o General de Batalha Dom 
Pedro , que lhe ficavaõ na retaguarda , voltou fo- 
bre elles tanto atempo, que atacando-os no paço de 
hum barranco , forao poucos os que efeaparaõ com 
vida, feridos, ou prifioneiros : por efta glorioía ac- 
ção lhe deu públicos agradecimentos o Manchai 
de Staremberg , juftamente devidos naõ fó ao va- 
lor , mas ao acordo , pois naõ contava ainda D. Pe- 
dro de Almeida vinte e dous annos de idade. El- 
Rey CathoJico depois com particulares cxpreííccns 
o honrou , e ao Conde de Atalaya , pelo que obra- 
rão nefle dia ; porque he fem duvida, que as Tro- 
pas Portuguezas tiveraõ grande parte na vitoria, 

dif- 



da Cafa l^eal Tortug. Liv. VIL 9 1 

diílinguindo-fe naÕ lo os feus Generaes , mas todos 
os Olficiaes, com tanto valor, como refere a Rela- 
ção , que entaÔ íe imprimio. Havendo alcança- 
do as Armas Alliadas a mefma ventagem no cho- 
que de Almenara , EIRey Carlos depois com o 
Conde de Starembem marchou em direitura a Ma- 
drid , e tanto, que chegou àquella Corte, Milcrd 
Stanhope , General das Tropas Inglezas , fe avan- 
çou com hum deftacamento até à ponte de Alma- 
raz , de donde deipedio hum Official com Cartas 
delRey Carlos , e dos Condes de AíTumar, Ata- 
laya , e Staremberg , que todas continhaõ pedirem , 
que o noíío Exercito deixando o Reyno , entraílè 
por Caftella a ajuntarfe com o delRey Carlos , ou 
ao menos íe deítacaíTem três mil homens de pé , e 
mil Cavallos , para íè encorporarem na ponte de 
Almaraz com o General Stanhope. Os Miniftros 
dos Alliados , que refidiaõ neíla Corte , movidos 
das infíancias delRey Carlos , reprefentaraõ viva- 
mente a utilidade deíla junção. Porém os noíTos Letn-Ê* Fíifioriq. Moh 

1 n ■" 1 1 n 1 de No-vemb. 1710. c. 

com madura renexao conhecendo o eíiaao , em }b', p á . 5 3 5 . 
que as couíàs íê achavaõ , lhes reíponderao , naõ te- 
rem as munições baftantes para rxover aqueíle íbc- 
corro , do que lhe era neceílàrio para huma tao di- 
latada Campanha : de mais , que naõ era poííivel 
privaremfe das próprias Tropas ao tempo , que lhe 
eraõ neceflarias para defenderem as fronteiras , que 
daquella forre flcariaõ expoftas às continuas entra- 
das da Cavalaria dos Caíleíhanos. Os Minifíros de 
Tom.VIII. Mii Ingla- 



p 2 Hiftoria Çenealogica 

Inglaterra , e Hollanda , promptos em prometer , di- 
ziaõ , que fe obrigavaõ a proverem de tudo o ne- 
ceílario aos quatro mil homens , que fe pediaõ , e 
que logo poriaõ em Portugal baftantes Tropas pa- 
ra defenderem as fuás fronteiras. Vendo csMinif- 
tros Eftrangeiros , que naõ tinha efFeito efte nego- 
ceado , entrarão no de que fe mandaílem a Stanho- 
pe as Tropas , que fe pagavaõ nefte Reyno a fol- 
do da Grua Bretanha : porém também era inconíl- 
derada efta propofiçaó , porque fendo eftas eflipu» 
ladas nos Tratados para auxiliarem a defenía do 
Reyno , o vinhaõ a deixar expofto a huma invafaó 
dos inimigo 5 ? , quando os noíTos na diveríàõ, que fize- 
raÕ aos Caílelhanos , obrarão fempre naquella guer- 
ra as mayores ventagens dos noíTos Alliados , íe 
bem íe reparar em todos os íucceííòs do tempo , 
que ella durou. 

EIRey Carlos havendo níílRido quafi dous 
mezes em Madrid , e vendo , que naõ podia con- 
qiíiftar os corações dos Hefpanhoes , voltou psra 
Catalunha , onde continuando a guerra , as noíTàs 
Tropas lhe aiTlíliraõ 9 até que fe concluío a paz dos 
feus mefmos Alliados. Nefte meíino anro de 171 o 
a 10 de Dezembro fe acharão as noíTas Tropas na 
batalha de Viila-Viçofa , que o Marichal de Sta- 
remberg venceo pela conílancia , e valor dos Offi- 
ciaes , e Soldados , com muy defigual poder ao dos 
inimigos, como elle refere na Carta , que ef reveo 
aElliey Carlos, dandolhe conta defía ^lorirfa vi- 
toria , 



da Cajá l^eal Tcrtug. Liv. VIL p 3 

toria, fazendo mençaõ dos batalhoens, efquadrocns, 
e das nações, onde nomeando os Generaes, diz: 
Todos fe dilUnguirao , mas mais particularmente os 
Me/ires de Campo Generaes Barão de M^ezel, o Con- 
de de Atai ay a, D. António Vi lia Roei , os Sargentos 
mores de Bata/lia o Conde de Ech, o Conde de Hamil- 
ton , e D. Fedro de Almeida. Todos elles Generaes 
obrarão com lummo valor , e derao moíiras da /ha 
grande prudência , e capacidade , e for ao os únicos 9 
que obrarão em toda a acqao y porque logo no primei- 
ro ataque perdemos os Generaes Bellallel , Framkem- 
berg , Copie Saint Amant. O Conde de Aílumar , 
Embaixador aElRey Carlos, defempenhou em to- 
do o tempo daíua larga miíTaõ as obrigações do feu 
cara&er com grande luzimento , e com tanto acer- 
to nos feus votos , que o meímo Rey Catholico, 
que lhe fez particulares diftinções , confeííou , que 
íe o feguiífe , teria melhores íucceííos ; e como Sol- 
dado fe achou com EIRey em todas as occaíloens 
com fummo valor , e intelligencia. 

Ao Marquez de Fronteira continuarão algu- 
mas queixas : pelo que pedio a EIRey o deíobri. 
gaíTe do governo das Armas da Provinda de Alen- 
tejo , e pouco depois o nomeou Vedor da Fazen- 
da , defempenhando com igual acerto os empregos 
militares , e peliticos , porque foy dotado de mui- 
to defintereííe , valor , e feiencia. Foy nomeado 
Governador das Armas da referida Província o Con- 
de de Yilla- Verde D. Pedro António de Noronha, 

do 



Prova num. 102. 



5? 4 Hijloria Genealógica 

do Confelho de Eílado , e Vedor da Fazenda , e fa- 
hindo na Primavera de 171 o com o noílò Exercito 
acampou junto de Elvas , o qual íe compunha de 
trinta batalhoens, e de cincoenta e féis elquadroens. 
Os inimigos acamparão em NoíTà Senhora da Bo- 
tava com vinte e íeis batalhoens , e dezaleis Regi- 
mentos de Cavallaria. A noííà Cavallaria governa- 
va-a D. Joaõ Diogo de Ataide , e Bernardim Frei- 
re de Andrade a artilharia ; eraõ Meftres de Cam- 
po Generaes Pedro Maícarenhas , Pedro de Vaf- 
concellos eSouía, e D. [oao Manoel de Noronha, 
e Generaes de Batalha D. Braz Balthafar da Sylvei- 
ra , D. Pedro Amaííà , e Francifco Jofeph de Sam- 
payo , Monf. Meiíoles , e D. Joaõ Hogan. 

Paííòu o noíTo Exercito o Caya , e fe poz íb- 
bre a ponte de Olivença , e os inimigos na do Xe- 
vora ; e afiim em alguns movimentos paíiaraõ os 
Exércitos a Campanha até oS.JoaÕ, em que os ca- 
lores íâõ taõ ardentes naquella Província , que os 
obrigarão a recolheremíè aos feus quartéis , fera 
mais occaííaõ , que huma da Cavallaria da outra 
porte do Guadiana , aonde a noílà com muito def- 
igual partido moftrou valor , e difciplina , íuílen- 
tando-fe quinhentos Cavallos , com que fe achava 
D. Joaõ Diogo de Ataide, com quafi todos os Ge- 
neraes 5 e D. Luiz de Menezes , que naõ tinha pof- 
to , procedeo de forte , que mereceo , que todos 
efcrevefíem a Corte, para que EIRey lhe agrade- 
ceííè o bzm , que obrara. Os inimigos naõ paíTt- 

raõ 



da Cafa ^Real Tortttg. Lfo. VIL $ 5 

rao o Caya com hum (6 Cavallo para infeftar a 
Província. 

Achava-fè a Provinda de Traz os Montes fal- 
ta de Tropas por terem ido Auxiliares para a de 
Alentejo j e alíim o General Monte-Negro fe apro- 
veitou da infidelidade , com que Carlos Pimentel , 
Sargento môr da Cidade de Miranda , vendeo aquel- 
la Praça por féis mil dobroens. Os inimigos entra- 
rão nella na noite de 8 de Julho do referido anno 
de 1710 íem mais outra morte, do que a do filho 
do traidor, e de hum Joaõ Luiz; o Soldado , que 
foy levar a Carta a Monte-Negro , foy logo prezo. 
O Conde de Alvor, que fe achava fem Tropas pa- 
gas , naõ pode evitar , que os inimigos com qui- 
nhentos Cavallos penetraítem até a Torre de Mon- 
corvo, ti r ando deita Villa , e de outros Lugares, 
ente o iíj Douro, e o Sabor, diverías contribui- 
ções. 

No Outono o Governador das Armas de Alen- 
tejo Conde de Villa-Verde íâhio com o noííô Ex- 
ercito em campo , e paííbu o Guadiana a 50 de Se- 
tembro , e a 2 do mez de Outubro paílando por 
Barcarota , pequena Praça, foy logo occupada, e 
marchando a Xerês , em que os inimigos tinhaõ 
hum Regimento de Infantaria , e mais de duzentos 
homens íbltos , e a Praça provida de todas as cou- 
íàs neceílàrias , com tudo naõ íe defendeo ; porque 
aos primeiros ataques, osfitiados fizeraõ chamada, 
e íè renderão à diícriçao do General , ficando fete- 

cent s 



$6 Hifloria genealógica 

centos priííoneiros , entre os quaes haviaõ três Co- 
ronéis , dous Tenentes Coronéis , dous Sargentos 
mores , e trinta e íète Officiaes. O Conde de Villa- 
Verde naõ lhe parecendo conveniente guarnecer 
efta Praça , lhe mandou demolir a fortificação , e 
encravar a artilharia. Achavaõ-íè os inimigos , naõ 
diílantes , com quatro mil Cavallos , quatro Regi- 
mentos de Infantaria , e íète Companhias de Gra- 
nadeiros , de forte , que nos eraÕ conhecidamente 
íuperiores na Cavallaria : pelo que o Conde Gover- 
nador das Armas tomou a refoluçaÕ de marchar pa- 
ra a Serra de Olor para fe íègurar, e poder paíTàr 
a artilharia a Olivença. Neíle mefmo anno o Ge- 
neral Pedro Maícarenhas mandava outro corpo de 
Tropas na Província de Traz os Montes , e entran- 
do no Reyno de Leaõ no principio de Outubro , 
mandou a Franciíco de Távora , General de Bata- 
lha, com hum deftacamento , que a 12 do referido 
mez rendeo o Lugar de Carvajales , em que havia 
alguma guarnição , e três peílàs de artilharia. E 
marchando com o Exercito a Alcaniças, ganhou a 
17 o arrabalde da Praça, cuja guarnição fe compu- 
nha de três Companhias de Granadeiros , quatro de 
Ordenanças , e quarenta Cavallos , e entrando lo- 
go em concertos , lhe concedeo retiraremíe a Ç i- 
mora , deixando os quarenta Cavallos ; depois to- 
mou Puebla de Sanabria , Praça confideravel na» 
quelle Reyno , deixando em contribuição muitas 
Vilias , e Lugares do Reyno de Leaõ , e fazendo 

deita 



da Cafa %c>ú ç Portug. Liv. VIL 9 7 

defta forte difficeis os íbccorros para Miranda. Por 
efte mefmo tempo na Província da Beira entrarão 
os inimigos com algumas partidas , e havendo hu- 
ma rebanhado hum grande numero de gado nas vi- 
finhanças de Yillar-Maycr , e Alfayates , o Gover- 
nador deita Praça mandou fahir duas Companhias 
de Cavallos, que tirarão a preza das mãos dos ini- 
migos, tomandolhe alguns Cavallos, e fazendolhe 
muitos priíloneiros. 

No porto de Breft no Reyno de França fe 
preparou com grande íegredo huma Efquadra , que 
fe compunha de cinco navios de guerra , e huma 
balandra com mil homens de defembarque de Tro- 
pas efcolhidas , com muitos Guardas-Marinhas , e 
Cavalheros voluntários , de que era Cabo Mon- 
íleur Duclere , com o deftino de darem fobre a Ci- 
dade do Rio de Janeiro , e chegando às fuás Coitas 
a 6 de Agofto deite mefmo anno de 17 10 , foy vii- 
ta a Efquadra pelas vigias , que o participarão ao 
Governador Francifco de Moraes e Caítro , que 
cem cuidado repartio os póftos , e augmentou a 
guarnição das Fortalezas , e as da barra aviftaraõ no 
dia 17 as féis embarcações com bandeiras Inglezasj 
da Fortaleza de Santa Cruz fe lhe fez final com hu- 
ma peííà fem bala , a que a Capitania refpondeo 
com outra por fotavento , colhendo a bandeira , e 
começando a Fortaleza aacanhoala, íe víraõ obriga- 
dos os Francezes a dar fundo , em diítancia , que h> 
caíTèm íèguros. Neíte tempo entrava huma fuma- 
Tom.VIII. N ca 



$ 8 Hi/loria Çenealogica 

ca da Bahia , e enganando-fe com a bandeira Ingle- 
za , fe foy meter entre os navios , que a tomarão. 
No outro dia íe fizeraô à vela para aparte do Sul, 
e o Governador mandou guarnecer as Praças da 
Pcílaria, e Pedra , e avifou a Santos , e à Ilha Gran- 
de para íe prevenirem. Porém os Francezes a 27 
foraõ dar fundo na ilha Grande, onde eftiveraÕ an- 
corados até o ultimo do mez , faqueando algumas 
fazendas, que defenderão muy poucos moradorer, 
em quanto tiveraõ munições de guerra , mat-ndo 
íeis Francezes , e ferindo muitos. Depois já a ^ 
ce Setembro lançarão «"ente em terra , com féis lan- 
chás , na Ilha , que chamaô da Madeira , e com tre« 
zentos homens roubarão , fem refiftencia , hum En- 
genho , em que acharão poucos eícravos. Da Ilha 
Grande defpedirao dous navios com a balsndra , e 
fumaça, e os que ficarão, chegando-fe mais ater- 
ra , acanhoaraõ dous dias a Villa com pouco effei- 
to ; porque fó os Conventos do Carmo , e Santo 
António , receberão alg;um damno. Governava a 
Villa o Capitão de Infantaria Joaõ Gonçalves Vi- 
eira , e naõ tendo mais guarnição , que as Qrde* 
nanças , e fem embargo de íer aberta , defprezou a? 
proporias dos inimigos , e os obrigou a retiraremíè 
fem mais perda, do que a de hum Alferes. Os dous 
navios , que fahiraõ com a balandra , e fumaça da 
Ilha Grande , fondaraõ a Co^a nas prayas de Sa- 
copenopan , e da Lagoa , e na noite de dez intenta- 
rão deíêmbarcar duas legoas diftantes da Cidade de 

S. 



da Cafa ^Real Tortug. Li 'v. VIL 99 

S.. Sebafliaõ , e tinha já o Governador unida toda a 
gente ; foraõ rechaçados fó pelas Ordenanças , que 
logo o Governador reforçou com dous deftacamen* 
tos dos Remmentos dos Coronéis Joaõ de Paiva 
Sottomayor, e Gregório de Caftro de Moraes ; po- 
rém quando eftes chegarão , já os defenfores tinhaõ 
obrigado aos inimigos a fe retirarem , a quem a af- 
pereza do íitio naõ favorecia. No dia feguinte 
pela manhãa chegarão à barra Tojuza , quatro Ie- 
goas da Cidade , e à de Guaratiba, quatorze diftan» 
te : neíte deílricto , que pela altura dos montes , e 
pelo tempeíluofo dos mares he difficil o defembar- 
que , e títava fem fentinellas , lançarão gente cm 
terra : porém o Governador tendo eíla noticia pe- 
lo Capitão de Cavallos Jofeph Ferreira Barreto, a 
cujo cargo eílava a guarnição de Guaratiba até San* 
ta Cruz , obfervou naõ poderem fer mais de mil e 
duzentos os homens, que caminhavao para a Cidade. 
O Governador conhecendo o terreno afpero com 
desfiladeiros, e Serras altiílimas , fe contentou com 
mandar alguns práticos do paiz com pequenas par- 
tidas para os embaraçarem no caminho , e nos pav- 
ios eílreitos os maltratarem ; ordenando ao meímo 
tempo ao Tenente General Engenheiro Jofeph Vi- 
eira , que com hum corpo mais groíTo , junto das 
guarnições , que os inimigos deixavaõ nas CoMa^, 
lhe picaile a retaguarda , e lhe embaraçaíle a retirada; 
mas naõ pode executar tudo , o que lhe poderia fer 
fácil a naõ o impedir a afpereza do terreno. Conti- 
Tom.VÍII. N ii nuaraô 



I o o Hi 'floria Çenealogica 

miara ô os Francezes a marcha , naõ deixando de 
vencer muitos embaraços no caminho , e chegarão 
ao Engenho dos Padres da Companhia , huma le- 
goa da Cidade. O Governador havendo guarne- 
cido os quartéis do mar com alguma gente , paíTuu 
com a mais ao Campo de Noílà Senhora do Rofa- 
rio , e fe formou em batalha , difpcndo tudo em 
ordem , que pudeííe difputar aos inimigos o ataca- 
rem a Cidade , para onde continuavaõ a marcha pe- 
lo mais alto dos montes , quafi impraticáveis aos 
mefmos moradores. O Governador mandou defta- 
car trezentos homens do Regimento do Coronel 
Crifpim da Cunha , e occupar o caminho do Outei- 
ro de NoíTa Senhora do Defterro , para entrar na 
Cidade por Nofla Senhora da Ajuda ; e porque po- 
deriaõ atacar o Forte da Praya Vermelha , mandou 
ao Coronel JoaÕ de Paiva Sottomayor com o feu 
Regimento para que neíte cafo lhe diíputaíTe o ca- 
minho , e íèndo para a Cidade , lhe carregaííè a re- 
taguarda , naõ executando efta íêjninda ordem , 
porque o Oíficial , que a levou, anão deu com dis- 
tinção. O Capitão de Cavallos António de Ultra da 
Sylva avançado do Campo obfervava a marcha en- 
tre o Defterro , e Noílà Senhora da Ajuda. Final- 
mente foy o primeiro encontro taõ valerofamente 
difputado, que fofrendo hum grande fogo de hu- 
ma , e outra parte , fe augmentou efie com os tiros 
de artilharia de bala miúda do Forre de S. Sebaíliao, 
que eílava ao cargo de jofeph Corrêa de Caflro , 



cu* 



da Ca/a %eal Tortug. Liv. VIL I ô 1 

ene havia acabado de Governador de S. Thomc, 
que com valor moítrou bem nefia occafiaõ a fua 
capacidade. 

Os Francezes vendo , que o Governador efc 
tava portado no lêu Campo com nova guarnição, 
e que o Forte da Praya Vermelha eftava taõ guar- 
necido de artilharia , que por todas as partes os of- 
rendiaõ , intentarão com eíiranha refoluçaõ entrar 
na Cidade para capitular dentro em alguma Igre- 
ja. Confeguiraõ elte intento, ainda que valeroía- 
mente lho diíputou o Tenente General Joíeph Vi- 
eira, que fe achava com muy pouca gente poraquel- 
la pa:te ; formaraÕ-íê junto do Convento do Car- 
mo , e naõ podendo forçarlhe as portas , já com 
perda de muita gente pelas ruas , e retaguarda , fo- 
raõ em demanda da cafa dos Governadores , e íen- 
dolhe por muito tempo defendida a entrada, com 
muitas mortes de ambas as partes , por huma Cem*. 
panhia de Eftudantes , mas metendo-fe alguns Fran- 
cezes no Palácio , e Corpo da Guarda , vieraô to- 
dos a ficar prifioneiros , ou mortos. 

Affim que o Governador teve noticia, que os Relação <fo Viroría at- 
inimigos entrarão na Cidade , fez marchar o Mef- ^%^^^ 
tre de Campo Gregório de Caílro com o íeu Ter- 
ço , e por outra parte o Capitão Francifco Xavier 
de Caílro de Moraes, filho primogénito do Coro- 
nel , a quem também acompanhava outro filho íêu 
Alferes, povernando eíle troço o feu Sargento môr 
Martim Corrêa de Sá. Chegarão eíks Corpos à 

rua 



10 2 Hiftoria Çenealogka 

rua direita , aonde ainda os Eftudantes embaraçavaõ 
os inimigos , e os noííòs os atacarão taõ vigorofa- 
mente , que deíàmparando o Copo da Guarda , íè 
retirarão por huma traveíla para aparte dapjaya, 
e entrarão em hum Armazém , a que chamaõ Tra- 
piche , e ainda que fe lhe difputou a entrada , ga- 
nharão féis peííàs de artilharia, que alli eitavaõ pa- 
ra defenía do rio , que já lhe haviaõ no principio 
feito grande damno : aqui matarão o Meítre de 
Campo Gregório de Caílro de Moraes com duas 
balas , e com outra ferirão nos peitos , e em huma 
ilharga com huma bayoneta a leu filho Francifco 
Xavier , e também recebeo algumas feridas o Ca- 
pitão Jofeph de Almeida , havendo procedido com 
valor em toda a occafiaô. O Governador intentou 
pôr fogo ao Armazém , mas como íè podia atear 
às cafas vifinhas , e fe haviaõ recolhido a elle feííèn» 
ta mulheres , mandou da Ilha das Cobras , e de ou- 
tras vifinhas conduzir artilharia , havendo já feito 
conduzir algumas peílas para as bocas das ruas; mas 
o Capitão António de Ultra da Sylva , que com a 
Cavallaria havia acoiido aoconfli&o, querendo di- 
ante de todos entrar no Armazém , foy morto. O 
Commandante Duclere vendo-íe nefle aperto , de- 
terminou capitular , e o Governador lhe concedeo 
fó as vidas , fe no meírno inftante ferendeííèm, no 
que o Commandante veyo, ficando prifioneiros de 
guerra no dia 19 de' Setembro do referido anno: 
porém osFrancezes, que marcharão no ultimo tro- 
ço, 



da Cajá 'Real Tcrtitg. Liv. VIL 103 

ço , experimentarão differente fortuna ; porque ha- 
vendo marchado por diferentes ruas, quaii todos 
foraò mortos : acharaõ-le os corpos de trezentos , 
e depois anpareceraõ muitos pelos matos, e rios, 
ficando ftifcentos prifioneiros, entre elles duzentos 
fe; idos : morrerão cincoenta dos noílos , e ficarão 
oitenta feridos, e fendo mais de mil os Francezes, 
que defemburcaraõ, naõ efeapou mais, que hum ne- 
gro fugitivo , que lhe havia fervido de guia , e le- 
v u elta funeíla noticia aos navios , que eílavaõ na 
IIIu Grande. Depois a 21 de Setembro apparece- 
raó na barra os dous navios , e a balandra , e lança- 
rão Lis bombis , fem nenhum damno : o feu Com- 
mandante Ducl^re com permiíTaõ do Governador 
lhe mandou participar afortuna, em que citava , e 
a palfiraõ aos navios , que eítava5 na Ilha Grande. 
Com titã noticia fufpenderao as operações , com 
que nos pertendiaõ oífender , e depois de reftituirem 
os vinte e oito prifioneiros , que tinhaô tomado na 
fumaça , e mandarem para terra alguns veílidos dos 
Francezcs , fe fizeraõ à vela para Martinica. Fi- 
carão prifioneiros o Commandante da Efquadra 
Duclere , hum Coronel Commandante dos Guar- 
das-Marinhas , hum Sargento mòr, hum Ayde de 
Camp , o Provedor da Armada, dous Tenentes, e 
hum Alferes, fete Guardas-Marinhas , onze Cava- 
lheros voluntários , dous Capellaens j e feridos , e 
prifioneiros , hum Coronel , dous Tenentes Coro- 
néis , hum Sargento mòr , féis Capitaens , fete Te- 
nentes, 



104 Hi floria (jenealogica 

nentes, dous Alferes, e dous Guardas-Marinhas ; e 
mortos hum Capitão de artilharia , dous de Grana- 
deiros , hum de Infantaria, outro Guarda-Marinha, 
dous Tenentes de Granadeiros , hum de Infantaria , 
e três Guardas- Marinhas. Efta noticia trouxe a 
Lisboa o Capitão Francifco Xavier de Caftio , a 
quem EIRey fez mercê do pofto de Meftre de 
Campo , que vagara por feu pay Gregório de Caf- 
tro , e ao Governador íèu tio deu huma Commen- 
da , e aos mais Oííiciaes , e peííbas , que fe diíl ingui« 
ra5 , fez proporcionadas mercês às fuás peíToas , e 
póMos. 
Memorias do Duque Havia EIRey convalecido de huma queixa 

de Cadaval m.f.liv. 13, j e f] a tos , que com muita vehemencia o molefta- 
raõ, e fendo os Médicos de parecer, que íàhiííè EI- 
Rey ao campo a gozar o beneficio doar livre, por 
íer eíie o mais útil remédio contra todas as queixas, 
era efpeeial contra aquelle afFedo. Refolveo EI- 
Rey ir eílar alguns dias em Azeitão da outra parte 
do Tejo , fitio ameno , alegre , e benigno no Ve- 
rão. A Rainha fua efpofa fe achava prenhe de três 
para quatro mezes , e defejava muito naõ fe fepa- 
rar da companhia dei Rey ; porém a fua grande pru- 
dência fez, que cedeíTe a fua vontade àneceífidade 
publica j porque havendo confultado os Médicos , 
pareceo uniformemente , que a Rainha naõ devia 
fazer jornada , por fenao expor a algum incidente , 
de que foííè geral o íentimento : pelo que a Rainha 
fe conformou com o voto dos Médicos. 

Em 



da Cafa Ifyal Tcrtug. Liv.VIl. I o J 

Em hum Domingo 14 de Junho do anno de 
171 1 fahio EIRey do Paço acompanhado dos Se- 
reniííímos Infantes D. Francifco , D. António, e 
D. Manoel , e de pouca familia ; porque fomente 
ordenou o acompanhafle o Duque de Cadaval , e 
o Duque Dom Jayme feu filho , o Bifpo CapelIaS 
mòr Nuno da Cunha de Ataíde, todos três do Con- 
íelho de Eftado , o Conde de Santa Crua D. Mar- 
tinho Mafcarenhas íeu Mordomo mor , o Conde 
de Valadares Dom Carlos de Noronha , Vedor da 
Caía da Rainha , o Marquez de Alegrete Fernaô 
Telles da Sylva , Gentil-homem daCamera, e Ve- 
dor da Fazenda , o Conde de Santiago Aleixo de 
Soufa da Sylva, Apofentador mor, Francifco de 
Mello, Monteiro mòr do Reyno , o Secretario de 
Eflado Diogo de Mendoça Corte-Real , que fer- 
via de Provedor das Obras Reaes na menoi idade 
do Conde de Soure , Manoel Galvão , Eílribeiro 
menor , e outros criados fomente precifos para a£ 
íiílencia , e ferviço da fua Real peíToa. 

Parlou EIRey em hum bergantim o rio, edef- 
embarcando em Coina , entrou com feus irmãos em 
hum coche , e em pouco tempo chegaraS a Aldeã 
de Nogueira , onde lhe eftava preparada a cafa , que 
naquelle fitio tem os Duques de Aveiro , e defía 
caía era Adminiftrador Manoel Lopes da Lavre 
pela auíència da Duqueza D. Maria de Guadalupe 
de LencauVe , a quem tinha fido julgado aquelle 
Efíado. He o Palácio antigo, mas grande, com 
Tom. VIII. O boa 



I o 6 Hijloria Çenealogica 

boa Quinta, povoada de muitas arvores fylvefíres, 
largos paííèos , e agradáveis bofques , moftrando em 
tudo a grandeza dos habitadores, e Senhores delia. 
O dia correfpondeo de forte ao fitio, fazendo-o ta5 
agradável , e frondoíb , como íè podia defejar. O 
Conde Apoíentador mor exercitou o feu officio , e 
por preeminência delle , quando EIRey chegou, 
lhe entregou a chave da Camera. O Senhor In- 
fante D. Francifco quiz ficar na Quinta de Ayres 
de Saldanha , que tinha mandado prevenir pelos 
Officiaes da fua Cala. 

Na tarde do mefmo Domingo foy EIRey 
com os Infantes feus irmãos vifitar a Igreja de S. 
Domingos , onde foy recebido com as coílumadas 
ceremonias. No outro dia, que era fegunda feira , 
foy ver o Convento da Arrábida , onde em vida 
contemplativa , e rigoroía , vivem com univerfal 
ediíicaçaõ os filhos de S. Francifco deita Provinda, 
que deíie primeiro Convento naquelle fitio tomou 
o nome da Arrábida. Teve fempre EIRey parti- 
cular devoção aos Religiofos deíta Província , e 
agora examinou , e juntamente refpeitou diverfos 
domicílios , em que habitarão em vida Angélica 
muitos Religioíbs , que depois de afperas peniten- 
cias , com que afrligiaÕ os corpos , paliarão em con- 
tinua contemplação , e aonde também exiíliaõ ou- 
tros , que com femelhante vida naÕ cediaõ ao rigor 
dos feus primeiros habitadores. EIRey , que entre 
as virtudes , com que orna a fua Real peíToa , bri- 
lha 



da Cifa T^al Tortttg. Lh. VIL I o 7 

lha a piedade , os tratou muy familiarmente , e diílè 
aos Religiofos , que o encommendafiem aDeos, e 
que tomalíèm por fua conta a felicidade, que todo 
o Reyno efperava no prenhado da Rainha. He 
digno , que naõ fique em efquecimento hum cafo , 
que fuccedeo, eftando ElPvey nerle fitio. Em hum 
dia muito chuvofo , atraveíTava EIRey a Serra , e 
encontrou hum Religiofo Leigo da Arrábida muy 
molhado ,, defcalço, eencoftado no íeu bordão: EI- 
Rey lhe pedio a benção de S. Francifco , e lhe per- 
guntou onde hia , a que refpondeo , que hia ver íe 
achava quem pelo amor de Deos lhe déíTe hum fac« 
co de trigo , porque eílava a fua Communidade em 
aperto : EIRey lhe diííè íe recolheííè ao Conven- 
to, e diíleílè ao Guardião , que logo lhe iria mayor 
efmola de trino. Recolheo-fe o Leigo contente 
vendo , que havia achado o que defejava : e fen- 
do tanta a felicidade do Leigo naquelle encontro, 
mayor fera a do íeu Bemfeitor contando cento por 
hum: e naõ fó fupprio EIRey a neceííidade dos 
Religioíbs, mas infundio no animo dos íeus Vaf- 
íallos applaufo , e veneração à fua piedade. 

Divertia-íe EIRey em ir à caça, e no primei- 
ro dia matou dous veados com grande deflreza , e 
defembaraço , e em todos os dias fempre matarão 
mais, ou menos, de forte, que EIRey com íeus ir- 
mãos paflaraõ muy divertidos nefte fitio ; mas naõ 
íe efquecia quando fe recolhia a cafa , de dar expedi- 
ente a alguns negócios, aue defpachava com o Se- 
Tom.VIII. Oii creta- 



i o 8 Híjlcria Çeneahgka 

cretario de Eftado , o Duque D. Nuno , e o Bifpo 
CapelJao mor, e recebidas as Cartas da Rainha, 
lhe refpondia logo , de forte , que a tudo attendia 
com admirável promptidaõ. 

ISIaõ fica diftante de Azeitão a Villa deCe- 
zimbra , aonde EIRey paíTou a ver huma pefcaria 
no dia 19 do referido roez. Para efre eneito fe man- 
darão ir quatro bergantins bem efquipados; entrou 
EIRey na Villa comfeus irmãos, eftavaõ as janel- 
las delia armadas , as milícias em duas alas , a Pra- 
ça o falvou cem toda a artilharia , o Juiz de Fora 
lhe fez huma breve falia , e o Vereador mais velho 
lhe orTereceo as chaves em huma falva de prata dou- 
rada ; EIRey pegando nellas , as tornou a pôr na 
mefma falva. He a Igreja Matriz Priorado da Or- 
dem de Santiago , onde EIRey foy fazer oração , 
e foy recebido pelos Freires da dita Ordem como 
manda o ceremonial , o que fe praticou em todas as 
Igrejas , onde EIRey nefta jornada entrou. De- 
pois delRey ver a Praça, embarcou no bergantim 
Real com os Infantes , e o acompanharão os Du- 
ques de Cadaval , o Conde de Santa Crvz , Mor- 
domo môr , o Marquez de Alegrete , Gentil-ho- 
mem da Camera, D. Rodrigo de Lencaílre, Gen- 
til-homem da Camera do Infante D. Francifco , e 
o Conde de Valadares , que afTiftia cos Infantes D. 
António, e D.Manoel. PaíTòu EIRey divertido 
gomando de ver a pefcaria , afllm pela arte , com 
que fe difpoem , como pela grande multidão de 

peixes, 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL I cp 

peixes, que cahiraõ nas redes , e fe recolheo a Azei- 
tão. 

No tempo, que o Senhor Rey D. Pedro, de 
gloriofa memoria , fc acliou gravemente enfermo , 
como diíTemos no Capitulo V. EIRey feu filho , 
entaõ Príncipe do Braíil jurado fucceílòr do Rey- 
no, entre outros votos, com que implorou dePeos 
a deíèjada frude delRey feu pay , fez o de ir vifitar 
huma milaçrofa Imagem de Noílb Senhor com o 
titulo do Senhor Jejus do Bom Fim , e parece , que 
foy ouvida do mefmo Senhor a fupplica 5 porque 
EIRey D. Pedro le reftituio a faude pedida, e de- 
íèjada. Lembrado EIRey agora de naÕ haver def« 
empenhado a palavra de Príncipe , determinou a 
Eterna Sabedoria, que lha íatisrlzeíTè depois de Co- 
roado Rey deftes K eynos. Fica a Ermida do Se- 
nhor Jefus do Bom Fim na Villa de Setuval , legoa 
e meya de Azeitão , onde EIRey determinou íatifc 
fazer aquela romaria , e depois ficar alguns dias na 
mefma Villa , para o que fe ordenou lhe foílem af 
fiftir alguns Grandes doPveyno, e feavifou ao Mar- 
quez de Fontes, aos Condes de Coculim , Redon- 
do, Pombeiro, S. Lourenço, Ericeira, Unhaõ , e 
Villar-Mayor , que fe achavaõ em Lisboa, elogo 
paííaraõ para Azeitão. O Mordomo môr man- 
dou ir Moços da Camera , e o Capitão da Guarda 
huma Efquadra de Archeiros. Sahio EIRey de 
Azeitão em hum Sabbado 20 do referido mez de 
tarde com fcus irmãos os Infantes D. António, e 

D. 



lio Hiftoria Çenealogjca 

D. Manoel j deixando de o acompanhar o Infante 
D. Franciíco , porque havia tido huma leve indif- 
pofiçaõ , e os Médicos o obrigarão a ficar de ca- 
ma. 

He a Villa de Setuval huma das principaes 
do Reyno , e os feus moradores alvoraçados com a 
noticia delFv.ey a querer honrar com a íua Real 
prefença , pedirão foíle com entrada publica , o que 
EiRey benignamente lhe concedeo , para o que íê 
ordenou fe difpuzefíè tudo na antiga forma prati- 
cada nefte Reyno em femelhante occafiaô. Che- 
gou EIRey à Ermida do Senhor do Bom Fim com 
os Infantes. Eílava o Rocio da Ermida , que he 
muy grande , com hum numeroíb concurfo de gen- 
te , e com inexplicável alegria daquelle povo , íê 
ouviaô os íèus leaes affèótos em repetidos vivas. 
Fez EIRey oração , e cumprida apromeíla, orde- 
nou , que os Infantes íê recolheííêm ao Paço da 
Villa em coche por eílar muy ardente o Sol da- 
quelle dia, acompanhados do Conde de Valadares, 
que lhes aííiília. 

Hia EIRey veílido de encarnado com habi- 
to , e broche (nochapeo) de diamantes de grande 
valor , montado em hum íbberbo cavallo ruço ri- 
camente ajaezado, com coldres, epiílolas, taõ bi- 
zarro , com taõ gentil poftura , defembaraço , e ga- 
lhardia , de forte , que à natural bizarria , cediaô os 
adornos, que também inculcaõ a Mageftade. To. 
da a comitiva o acompanhava a cavallo , indo di- 
ante 



da Cafa T^eal Tortug. Liv. VIL 1 1 1 

ante dous Porteiros da Cana , o Corregedor do Cri- 
me da Corte , e Cafa Belchior da Cunha Brochado, 
com os Miniftros dejuíliça de Azeitão , e Setuval. 
Seguiaõ-íe alguns Fidalgos daquella Villa , depois 
os Grandes, conforme a lua precedência , e o Secre- 
tario de Eftado com ordem para fazer executar, o 
que eftava mandado. Diante delRey hia o Con- 
de Mordomo mor , o Duque D. Jayme da parte di- 
reita , e da eíquerda o Duque de Cadaval íeu pay, 
todos três em diílancia proporcionada, e detraz del- 
Rey o Marquez de Alegrete, que fazia o oíTicio 
de Eftribeiro môr na aufencia do Conde de Vian- 
na , que fe achava por caufa das fuás queixas reti- 
rado em Condexa. Diitante cem paíTòs da porta 
da Villa efperava a EIRey o Prior da Igreja Ma- 
triz de Santa Maria da Graça revertido com cappa 
de Afperges , acompanhado dos Freires da Ordem 
de Santiago , de quem he a Igreja , em corpo de 
Communidade com Cruz diante , e com o veo de 
hombros tinha o Prior na maõ huma Cruz de pra- 
ta liza. Nefte lugar íe apearão todas aspeííòas, 
que acompanhavaõ a EIRey , excepto o Eílribeiro 
môr ; deu o Prior a Cruz a beijar a EIRey, o que 
fez dcbruçando-fe do cavallo quanto pode , com 
fingular refpeito , e devoção. Hiaõ os Grandes , 
e todos os mais a pé , e defcobertos , diante do ca- 
vallo delRey, e os Freires em duas alas , e no meyo 
t Corte; a Guarda Tudefca cobria tudo por huma, 
e outra parte , e neíla ordem chegarão à porta da 

Villa , 



112 Hijloria (jenealógica 

Villa , onde em hum theatro levantado o Juiz de 
Fora Sebaíiiaõ Salema Peílànha fez huma breve falia, 
rendendolhe as graças da honra , que fazia àquella 
,Villa, e louvando juntamente a íua juftiça , e cle- 
mência. A porta da Villa eftava ornada com hum 
Arco triunfal , em que fe liaô diverfos emblemas , e 
o Vereador mais velho Mathias da Sylva Cabral , 
que eílava com o corpo do Senado , todos com va- 
ras, em huma falva de prata dourada ofFereceo as 
chaves a EIRey , dizendoíhe , que aquelle era o ge- 
roglyflco dos corações de todos aquelles VaíTallos. 
EIRey pegando nellas , as tornou a pôr na íâlva , e 
largando os Vereadores as varas , pegarão nas de 
hum rico Palio de tela branca , em que receberão a 
EIRey , indo todos os Grandes , e mais acompa- 
nhamento a pé , e defcobertos , excepto o Eílribei- 
ro môr , por preeminência do feu officio , que co£ 
tuma ir detraz delRey, mas fora do Palio. 

Naõ havia na Villa de Setuval Alcaide môr , 
poHo que anda na caía de Aveiro , que entaõ eíla- 
va em adminiílraçaô , como já diílèmos : e deven- 
do EIRey nomear peííòa para o levar de rédea, 
nomeou para efta honra ao Duque D. Jaime feu 
cunhado , que a pé , e defcoberto , o levou por 
hum liílaõ , e na auíència do Eílribeiro Manoel 
Galvão , fez o officio Joaõ Xavier da Sylveira, 
Guarda-Roupa delRey , e Eílribeiro da Rainha, 
occupando o lugar , que lhe tocava : e neíla forma 
por entre hum grande çoncuríò de gente , e três 

Arcos 



da Cafa Ifyal Tortug. Lh. VIL 1 1 3 

Arcos triunfaes de huma perfeita idéa , as janellas 
todas virlofamente armadas , com muitas danças , e 
geral contentamento dos feus VaíTallos , chegou 
ÉiRey à Igreja Matriz , onde fe apeou , ficando de 
fora da porta os Vereadores com o Palio. O Bif. 
po Capellaó môr deitou agua benta a EIRey , e o 
Prior reveltido lhe tornou a dar a beijar a Cruz, e 
debaixo do Palio , que levava õ os Freires com íb- 
brepelizes, e a Murça da Ordem , foy EIRey para 
o ficial , que eftava preparado , e depois de breve 
oração , voltando , montou a cavallo namefma for- 
ma até o Paço, e mandou dar liberdade aos prezos. 
A Praça , Fortalezas , e navios , que eftavaõ na- 
quelle porto, íalvaraõ a EIRey com repetidas def- 
cargas de artilharia , e por três dias houve luminá- 
rias , e diverfos artifícios de fogo , e na Praça hou- 
ve Touros , que correo o Ajudante da Cavallaria 
António Antunes. De tudo fe agradou EIRey, 
moftrando eíiimaçaõ dos obfequios , que lhe tribu- 
tavaõ os feus VaíTallos. Também he digno de me- 
moria hum cafo , que EIRey , e toda a Corte tef- 
temunharaõ , pois veyo a fua prefença huma mu- 
lher , que moflrava íer muito velha , e conftou ter 
íetenta annos , trazendo nos braços hum menino de 
dous , muito lindo , e bem creado , dandolhe de 
mamar à vifta de todos , e mugindo leite em gran- 
de abundância : conftou , que morrendolhe huma 
filha , e mãy defte menino , com a impaciência de 
naõ ter por pobre quem o creaíle , tomou o neto 
Tom.VIII. P nos 



H4 Hijloría Çenealogica 

nos braços , e metendolhe o peito na boca com o 
amor natural , e invocando o Senhor do Bom Fim, 
experimentou logo o effeito , e continuava havia 
mais de hum anno a creaçaõ. EIRey lhe conce- 
deo huma mercê , que lhe pedio , e lhe deu huma 
generoía efmola. 

Aquella inexplicável viveza , com que o or- 
nou a natureza , e de que fabe ufar a fua ílngular 
ciuiofidade, fez, que EIRey vifitaílè as Fortalezas, 
e Conventos , e tudo o que era digno de memoria. 
Vio a Praça de Setuval , o Convento de Brancanes 
da Recoleta de Varatojo , que com grande devo- 
ção mandou edificar EIRey feu pay , o Morteiro 
de Jefus da primeira Regra de Santa Clara, eo de 
S.Joaõ da Ordem de S. Domingos. Paííbu depois 
com íeus irmãos , acompanhado de todos os que 
lhe afllíliaõ , a ver a Fortaleza de Outaõ , de que 
entaõ era Governador Eernardo de Vafconcellos e 
Soufa. He o rio de Setuval agradável , pelo que 
EIRey determinou ir por mar , centrando no ber- 
gantim, o íàlvaraõ da Praça as Fortalezas , e todos 
os navios , que fe achavao no porto , que he fre- 
quentado de muitos de divcrfas nações : a entrada 
da Praça, o Governador lhe oífereceo os chaves , e 
o falvou na forma coítumada , e na mefma caía do 
Governador tinha preparado hum refreíco de do- 
ces, e frutas , com grande perfeição, e delicadeza. 
EIRey por fazer mercê , e honrar ao Governador, 
comeo com feus irmãos , do que eftava na mefa , e 

depois 



da Gifa T^eal Tortug. Liv. VIL 115 

depois ordenou aos Fidalgos , que o fízeílèm tam- 
bém j daqui paílòu à Troya , onde correo algumas 
lebres , e íe recolheo ao Paço. Também foy ver 
o Caftello de S. Filippe , e o Governador Joaõ San- 
ches de Baenna lhe entregou as chaves , e o falvou 
à entrada , e fahida. 

Da Yilla de Setuval paíTou EIRey à de Pal- 
mella , em que eílá o Convento, que he cabeça da 
Ordem de Santiago , de que entaõ era Prior mor 
D. Joíèph Pereira de Lacerda , (depois Cardeal da 
Santa Igreja de Roma) que recebeo a EIRey à 
porta da Igreja com cappa de Afperges , e Cruz, 
que lhe deu a beijar , e aos Infantes 5 entrou EIRey 
debaixo do Palio , de que levarão as varas o Mar- 
quez de Fontes , os Condes de Santa Cruz , e UnhaÔ, 
e Bernardo de Vafconcellos , todos Commendado- 
res da Ordem de Santiago, e íe entoou o Te Deum, 
e ditas pelo Prior mor as Orações do Ceremonial , 
e tirando a cappa de Afperges , acompanhou a EI- 
Rey até o quarto dos Priores mores , e alli lhe of- 
fereceo os Freires para lhe beijarem a maÕ , e fez 
huma breve falia ; depois baixando à Igreja fez Pon- 
tifical , e quando era neceífario, fe tentava na cadei- 
ra debaixo do docel , ( que EIRey naõ permittio, 
que fe tiraííe ) por querer ver as ceremonias conce- 
didas àquella Dignidade : era o dia 2 de Julho , em 
que a Igreja celebra a feita da Viíitaçaô de Noflã 
Senhora a Santa Ifabel , e em huma difcreta allu- 
íau fez o Prior mor huma bem feita Homilia 5 por- 
Tom.VIII. Pii que 



nó Hiftoria Çenealogtca 

que era douto , erudito , e naturalmente fallava 
com defembaraço , e com eloquência , de íbrte , 
que fatií-fez cabalmente ao auditório. EIRey e£ 
tava com os Infantes na Tribuna , e os Corr.men- 
dadores da Ordem de Santiago , que hiaõ na com- 
panhia delRey , ferviraõ ao Dom Prior mor, dan- 
dolhe agua às mãos , e a toalha : acabado o Pon- 
tifical , com que íê celebrou a fefta da Viíltaçaõ de 
Noílà Senhora , paílòu EIRey de Palmella a Coi- 
na , de donde embarcou para Lisboa , muy fatif- 
feito do tempo, que paílara divertido , e com gran- 
de , e conhecido proveito da ília taõ eílimada , co- 
mo deíejada íaude. 

Depois delRey eftar em Lisboa , recebeo a 
noticia de fer falecido o Emperador Jofeph I. feu 
cunhado a 17 de Abril do referido anno : pelo que 
EIRey , e a Rainha íè encerrarão a 6 ie Julho por 
tempo de oito dias, tomando luto pezado portem*, 
po de três mezes , e outros três aliviado , e na mef- 
ma forma a famiiia da Cafa Real , e os Grandes , e 
Corte. 
Relato impreí*". a 14 Na Província de Traz os Montes , em que os 

deFevercirodei/n. Caftelhanos fe haviaÔ apoderado da Cidade de Mi- 
randa , como fica dito , entrou o Brigadeiro Palomi- 
no com o feu Regimento , e cento e trinta Oval- 
los para a governar no lugar do Marquez de Dra- 
gonete ; mandou lo^o notificar aos moradores dos 
Lugares circumvifinhos da Praça , para que pagafc 
íêm contribuição $ do que tendo noticia o General 

de 



JaCafa^alTortug. Liv.VlI. 117 

de Batalha Franciíco Xavier de Távora , que cita- 
va em Bragança , mandou logo ordem aos ditos Lu- 
gares, que n^õ contribuiífem com coufa alguma, 
e ao msímo tempo ordenou ao Tenente Coronel 
Anco \o Monteiro de Almeida , que com feííènta 
Cavallos, juntos a outros feííènta, que eftavaõ na- 
quellas vifinhanças , íè oppuzeííe aos inimigos ,' que 
tinhaõ ameaçado os ditos Lugares de ferem quei- 
mados , fenaõ pagaíTem a contribuição , que íe lhe 
p:dia. Era já no Mm de Janeiro do anno de 171 1 
quando fahiraõ da Praça de Miranda cento e qua- 
renta Cavallos , e cento e feflenta Infantes , para 
executarem as hoílilidades promettidas contra os 
taes Lufares. Porém o Tenente Coronel , que 
com cuidado os efperava , tendo noticia , que mar- 
cha vaõ , os foy atacar com cento e trinta Cavallos, 
e os bateo com tal valor , que derrotados os inimi- 
gos , lhe tomou dez cavallos , e lhe matou onze, 
e da Infantaria fe naõ falvou mais que hum íbbri- 
nho de Palomino , ficando cento e dez prifiqneiros, 
e os mais mortos. 

Haviaõ os inimigos no fim do anno antece- 
dente pertendido tomar por entrepreza a Praça de 
Carvajales, que os noíTòs lhe ganharão fendo Go- 
vernador das Armas Pedro Mafcarenhas , que lhe 
puzera por Governador ao Sargento mor Manoel 
de Almeida de Caftellobranco, e íêndo aíTàltada na 
noite de 28 ce Outubro por hum corpo dos inimi- 
gos com féis Regimentos de Infantaria , e dous de 

Cavai- 



1 1 8 Hiftoria Çenealogtca 

Cavallaria , fe defendeo valerofamente do aílalto, 
que lhe deraõ defde a meya noite ate o romper da 
manhãa, e os inimigos vendo a refiftencia , íe reti- 
rarão com deíbrdem j o que advertindo Manoel de 
Almeida , os atacou no foílo de forte , que largan- 
do muitas armas , e caixas de guerra , precipitada- 
mente fe falvaraÔ , ficando muitos Officiaes mor- 
tos , e peíToas de diílinçaõ , como foraõ hum Te- 
nente Coronel , e dous Capitaens de Granadeiros , 
perdendo mais de quatrocentos homens nefta fac- 
ção, que mandava o Marquez de Quluz. 

Determinou-fe , que íe recuperaíle a Praça de 
Miranda , e fe encarregou efta empreza a D. Joaô 
Manoel de Noronha, Meftre de Campo General, 
(depois Conde de Atalaya) que governava as Tro- 
pas , que íe achavaõ de Quartel na dita Província , 
o qual depois de rr andar ao General de Batalha Pe- 
R e iaçaõdofitio,eren- dro Carl . e reconhecer a Praça , e prevenir armazéns 
dimento da Praça de de mantimentos em Alcaniças , e Carvajales , que 

M^iapcflâcm fgz tirar do p ajz conquiftado> para f u ft en tO da Ca- 

vallaria , que foíle precifa para cobrir o fitio , fez 
também juntar em Vimicíò , Villa da mefma Pro- 
vinda , o fuftento para manter a Infantaria. Pre- 
venido com efta difpoílçaõ , determinou o dia 10 
de Março do referido anno de 171 1 para que em 
Vimioíb fejuntaíTe a Infantaria , e em Alcaniças a 
Cavallaria , por ficarem eftas Praças diftantes qua- 
tro legoas da Cidade de Miranda ; e no mefmo dia 
D. Joaõ Manoel com o General de Batalha Fran- 

cifco 



da Cafa T^çal Tortug. Liv.VIL 1 ip 

cifco Xavier de Távora , Commandante da Cavai- 
lana, e o Brigadeiro António Luiz de Távora, (de- 
pois Conde de Sarzedas ) foraõ a Alcaniças , onde 
eftava havia dias o General de Batalha Pedro Car- 
ie, para ordenar os mantimentos para a fubfiften- 
cia das Tropas. Em Vimiofb eftava o Brigadeiro 
Francifco da Veiga Cabral encarregado do gover- 
no da Infantaria. 

D. Joaõ Manoel com admirável providencia 
mandou occupar diffèrentes paflagens de barcas , 
que os inimigos tinhaõ fobre diverias ribeiras , que 
ferviaõ de fronteiras aoPaiz, que lhe tínhamos con- 
quiftado , para o que ordenou a Franciíco Xavier 
de Távora marchaíTe com toda a CavalJaria para 
Carvajales , que ficava no centro das paflagens , e 
que logo occupaííe todos os portos , para que os 
inimigos naõ pudeíTèm paílàr as ribeiras ; e tendo 
noticia , que os Gallegos faziaõ algum movimen- 
to , mandou reforçar a guarnição de Chaves , e já 
o havia feito à de la Puebla. No outro dia chegou 
o General Dom Joaõ Manoel com Pedro Carie à 
vifta de Miranda , e Francifco Xavier de Távora 
com António Luiz de Távora executarão o que íè 
lhe tinha mandado , levando a Cavallaria para Car- 
vajales. Nefte mefmo dia às duas horas da tarde 
chegou a noíla Infantaria j e o trem da artilharia , 
que íe compunha de cinco peílàs de vinte e quatro, 
e três de dezafeis , chegou no mefmo dia antes da 
noite. 

Tanto, 



12o Hi/loria Çenealogica 

Tanto , que o Exercito acampou , foy o pri- 
meiro cuidado de D. Joaõ Manoel cortar a com- 
mumcaçaõ , que os inimigos tinhaõ pelo rio Dou- 
ro ; e aliim ordenou ao General de Batalha Carie o 
foííè executar , e o naõ pode confeguir por fer noi- 
te , e pelos terriveis precipícios por onde precifa- 
mente havia de paílàr. Depois de feito o alojamen* 
to íbbre a ribeira de Treino , começou huma bata- 
ria de oito peíTas a bater o Caftello. O General de 
Batalha Carie no dia 12 com cem Granadeiros, e 
o Regimento de André Pires da Sylva , e duzen- 
tos homens , tirados por deftacamento do Exerci- 
to , foraõ cortar a communicaçao da Barca do Dou- 
ro , o que quaíl era impoíTivel , a naõ ferem os ini- 
migos fuprendidos , havendo-fe de paíTar por cami- 
nhos por onde ninguém paííòu. O Coronel mar- 
chou na teíía dos cem Granadeiros , íeguido dos 
duzentos Infantes , fuítentado pelo General de Ba- 
talha Carie com o Regimento do dito Coronel , e 
ganharão hum alto da montanha , poftando-fe a 
meyo tiro de moíquete da Praça. Tomados nefta 
forma os póílos , Carie ordenou ao Coronel André 
Pires , que marchaíTè com parte daquella Infanta- 
ria a atacar os inimigos , que eftavaõ em huma vi- 
nha , moílrando queriaõ defender a fua communi- 
caçao ; porém tanto , que viraõ , que marchavaõ 
em direitura a elles , íe recolherão à Praça. O Co- 
ronel , que tinha ordem para que tanto , que ga- 
nhaíTe a vinha ; deftacar cincosnta homens ao Lu- 
gar 



d.iCafafyalTortiig. Liv.VIL 12 1 

gar da Earca , o executou j mas naõ lhe foy poífi- 
vel queimalio , por ficar da outra parte do rio de- 
baixo do fogo de huma trincheira dos inimigos: 
porém hum Tenente , e muitos Granadeiros , brio- 
lamente le otlèreceraõ voluntariamente a paílar o 
rio a nado , fendo nefle fitio mais rápido , do que 
fe pode imaginar. Confeguida a expedição, Carie 
fe retirou , deixando ao Coronel André Pires poda- 
do, de forte, que naõ podiao os inimigos ter com- 
municaçaõ alguma pelo rio. Aííim , que D. João 
Manoel teve perfeita a bataria , a treze do referido 
roez , às cinco horas da manMa , principiou a bater 
a Cidade , e em pouco lhe defmontou quatro pef- 
íàs , que atiravaõ fobre o noííò ataque. 

Vendo os inimigos , que nos naõ podiaõ fazer 
damno com a fua artilharia , deraõ principio a hu« 
ma bataria fobre o ramal efquerdo de huma obra 
corna , que cobre hum lado do Caftello , com que 
poderiaõ offender o noíTo ataque : porém o Gene- 
ral D. JoaÕ Manoel com fingular acordo tomou a 
refoluçaõ de a mandar atacar tanto , que foífe noi- 
te com a efpada na maõ, o que encarregou ao Bri- 
gadeiro Thomás da Sylva Telles, (depois Vifcon- 
de de Villa-Nova da Cerveira) que pela poda ti- 
nha chegado da Província de Alentejo ao Campo 
no dia antecedente para aíMir ao fitio, e fe lhe de- 
raõ duzentos e cincoenta Granadeiros à ordem do 
Coronel Fianciíco de Arez , e duzentos Infantes, 
governados pelo Sargento mòr Joaõ Piíano. Ex- 
Tom.VHI. Q ecutou 



122 Hiftoria Çenealogica 

ecutou Thomas da Sylva eíla acção com tanto vi- 
gor , que eonlcgxiio , que sbandonaílèm os inimi- 
gos a obra corna , contentando-fe com fazer hum 
grande fogo de artilharia , e mofquetaria fobre os 
noííbs Soldados , que logo fe cooriraõ detraz da 
muralha da mefma obra : foy coníeguida efta acçaô 
com tanta felicidade, que naõ perdemos nem hum 
Soldado , e fomente o Capitão de Granadeiros João 
da Coda Ferreira , que neíla occafiaõ fe havia dif« 
tinguido , recebeo huma bala de moíquete em hu- 
ma perna. Ao mefmo tempo batia vigorofamen- 
te a noíía artilharia a Praça , de forte , que vendo 
os íltiados fê começava abrir a brecha , tocarão a 
chamada as oito horas da manha do dia 15 de Mar- 
ço , e mandarão hum Tenente , pedindo três dias 
para fe refolverem no que deviaõ de fazer ; o Ge- 
neral D. João Manoel com aquelle generofo efpi- 
rito , de que fe anima , lhe refpondeo , que cllc naõ 
tinha, que lhe dizer, fenaõ efías poucas palavras: 
Q}ie a guarnição havia fer priíioneira de guerra , e 
que lhe dava meya hora para fe refolverem , e pelo 
que refpeitava aos Oíiiciaes , íe lhe fariaõ todas as 
permittidas honras. Para tratar eíle negocio mandou 
ao Brigadeiro Thomas da Sylva ajuílar com o Go- 
vernador a entrega, e detendo-fe pouco Thomas da 
Sylva, voltou dizendo, que os Officiaes da Guar- 
nição nao queriao coníêntir em ficarem priíioneiros 
de guerra , e pediaõ alguma moderação naquelle 
Tratado 3 o General D.Joaõ Manoel nao deu ou- 
tra 



da Cafa %eal Tortttg. Liv. VIL 123 

tra reporta aeíta propoíiçaõ mais, que mandar ba- 
ter vigoroíamente a Praça , e paliou ordem para fe 
dar hum allalto geral com todos os Granadeiros do 
Exercito , e alguns Regimentos , o que obíèrvado 
da Praça , tocarão íêgunda vez à chamada : voltou 
a ella Tbomás da Sylva Telles , e capitulou com o 
Governador, que a Guarnição ficaria prifioneira de 
guerra à mercê do Me-tre de Campo General D. 
Joaõ Manoel, e tanto , que íe a Minar ao as Capitu- 
lações da entrega no dia 15 de Março do referido 
anno de 171 1 pelo Brigadeiro Thomás da Sylva 
Telles , e o Tenente de Rey , Commandante da di- 
ta Praça , D. António de Mendoça e Sandoval , a 
ratificou o General D. Joaõ Manoel de Noronha, 
que mandou logo oceupar a porta principal com cem 
Granadeiros , e a brecha com cincoenta. Os Pri- 
fioneiros foraõ o Governador D. António de Men- 
doça e Sandoval, hum Tenente Coronel, o Sargen- 
to mor da Praça, o Tenente de Fuzileiros , eofeu 
Alferes , o Ajudante do primeiro batalhão de Palo- 
mino , dezoito Capitaens , treze Tenentes , deza- 
feis Alferes, trinta eoito Sa r gentos, quatorze Tam- 
bores , e novecentos e trinta e fete Soldados , o 
Commiííario da Artilharia , e Artilheiros , que fa- 
ziaõ por todos mil e trinta e íeis , a quem naõ con- 
cedeo o General mais, que ficarem com a fua rou- 
pa ; e o ardor , e actividade, com que o General íê 
lançou fobre a Cidade , tomandolhe a ccmmuni- 
caçaõ , os poz na grande confufaõ de fe renderem 
Tom. Vi II. Qji com 



154 HiUoria Cjenealogica 

com tanta brevidade no referido dia. Mandou D. 
Joaõ Manoel demolir Alcaniças, e coníervar a Pue. 
bla , e Carvajales , que he hum Forte de pequeno 
recinto j porém depois os inimigos ofuiaraõ a 12 
de Mayo , governando já o Conde de Alvor a Pro- 
víncia , em que naõ havia mais , que hum Regi- 
mento de Cavallaria , e dous de Infantaria ; e doen- 
te , e retirado Francifco de Távora , naô lhe era 
poMivel foccorrer Carvajales, que governava o Sar- 
gento môr Domingos Teixeira de Andrade, onde 
tendo fó três peíTas , e duzentos homens, fe defen- 
deo valerofamente vinte e féis dias, em que fez três 
íôrtidas , defalojanio aos inimigos da explanada , to- 
mandolhs muitas armas, e matandolh- muita gen- 
te, ganhandolhe a agua de beber , que tinhaõ no 
foííb , que todos os dias hia bufear peleijando. 

As Províncias da Beira , e Minho fe coníerva- 
raõ fem couía memorável , porque a guerra toda 
ESEriSfaSS: "a pela parte do Alentejo. O Minho , que go- 
cifeo Xavier de Mcne- vemava D. Manoel de Azevedo e Brito, que foy 
chamado a Corte , íè mandou governar por Dom 
Jf ao Diogo de Ataide , e a da Beira pelo Medre de 
Campo General Francifco de Mello , que na nova 
promoção , que EIRey fizera de Medres de Canv 
po Generaes , fahira nomeado , íêndo os outros D. 
António de Noronha , o Marquez de Aííà , Dom 
Eraz Balthaíar da Sylveira, e o Conde da Ribeira 
Grande Dom Luiz daCamera, aquém íè encarre- 
gou o governo da Artilharia, que tinha o Meílre 

de 



da Cajá %!fal Tcrtug. Lk. VIL 1 2 5 

de Campo General Bernardim Freire de Andrade 5 
porque havia de ficar cccupado com o governo de 
Alentejo 110 tempo, que o Exercito fahiíie em Cam- 
panha. Nomeou EIRey tarr.bem Generaes de Ba- 
talha a António Telles da Sylva ; ArTonlb Furtado 
de Mendoça , Joaõ de Antas da Cunha , Fedro 
Machado deBiito, Monfieur Moncal, D. Francis- 
co de Mello Manoel , e Luiz de Miranda Henri- 
ques : proveo diveríbs Regimentos , e entre elles 
dtu a D. Luiz de Menezes o de Serpa, a D. Joaõ 
da S>!veira o de Setuval , e a Pedro de Soufa de 
Caíleilobranco o da Armada. 

Na Primavera do mefmo anno de 171 1 fahio 
o nefíb Exercito de Alentejo em Campanha , e íê 
compunha de íeis mil Cavallos , e treze mil Infan- 
tes bem fardados, e luzidos, que mandava o Go- 
vernador das Armas o Conde de Villa- Verde , e 
paíTou o rio Guadiana , e com o reílo do Exercito 
o Marquez das Minas D.JoaÕ de Soufa por huma 
ponte de barcas , que lançarão em Jerumenha , e 
paliando o iio de Vai- Verde fem oppoílçaõ, cam- 
parão no Paiz inimigo, e oceuparaõ Almendra!, 
Nogales , e Safra , tirando huma larga contribui- 
ção : os inimigos com parte do feu Exercito obfer- 
varaõ de duas lepoas onoíTo, e mandando a Mo£ 
cofo e Alarcão com cinco Regimentos de Caval- 
laria , e fete de Infantaria , entrarão em Alentejo, e 
foraõ a Borba , e furragiando os pães fem entrarem 
em outro Lugar , fahiraõ ca Província a 4 de Ju- 
nho , 






I 2 6 Hifloria (jenealoçjca 

nho , e no outro dia tornarão a entrar com mayor 
poder, e havendo lançado algumas bombas fem ef- 
fèito em Elvas , fe retirarão ; porque o Conde de 
Villa- Verde , que em Safra teve efta noticia , vol- 
tou a bufcallos. E depois do nofib Exercito per- 
manecer em Campanha até os princípios de Julho , 
ferecolheo aos íeus Quartéis. O Conde de Villa- 
Verde pedindo licença para vir à Corte, fe lhe con- 
cedeo , e ficou governando a Provinda o Meftre de 
Campo General D.Joaõ Manoel de Noronha ; os 
partidos , excepto a Infantaria do Minho , foraô pa- 
ra as fuás Províncias. O Conde de Alvor Bernar- 
do de Távora com a pouca gente , que tinha , co- 
brio a Província de Traz os Montes , que governa- 
va , e derrotou inteiramente o Regimento de Ca- 
vallaria de Oureníè. Ao Conde de Villa- Verde , 
que já fe havia deílinado para paííàr por Vice-Rey 
do Eftado do Brafil , fe mandou continuar a fua oc- 
cupaçaô de Vedor da Fazenda , e para o Alentejo 
foy por Governador das Armas Pedro Mafcarenhas. 
A America fentio neíle mefmo anno de 171 1 , 
em diveríâs partes, alguns contratempos domefticos 
entre os próprios naturaes , que tiveraõ fácil com- 
poíiçaÒ pelo cuidado dos feus Governadores j po- 
rém o Rio de Janeiro padeceo mayor trabalho na 
invaíaô , que os Francezes flzeraõ nefta Capitania , 
onde a 12 de Setembro do referido anno entrou Du- 
gué Trovin com huma Efquadra de dezoito nãos 
de guerra , com que havia fahido de Breít , e favore- 
cido 



da Cafx 2^rf/ Torttig. Liv. VIL I 2 7 

eido de huma neblina taõ fechada, que fe naõ des- 
cobria coula alguma , de forte , que nem das For- 
talezas , nem das vigias , puderaó fer viftos , fenaõ 
depois de eftarem muy perto das Fortalezas , e pe- 
leijando eítas contra os navios , lhe fizeraõ baftante 
damno , matando mais de oitenta peííòas : porém 
a maré , e vento os favoreceo tanto , que em me- 
nos de huma hora , os dezoito navios Francezes 
tinhaô entrado a barra , o que parecia impoííivel 
aos práticos 5 e para tudo fer contra os noílòs , lhe 
fíiccedeo huma fatal difgraça , porque fem fabéreml 
como na Fortaleza de Virgalon , de que os inimi- 
gos recebiaõ mayor damno , pegou o fogo na Car- 
tuxama , que eftava na plataforma , em que mor- 
rerão mais de trinta peífoas , em que entrarão os 
Capitaens Manoel Ferreira Eftrella , e Joaõ Pinto 
de Caflro de Mercês, hum Capitão da Artilharia , 
ficando feílènta feridos , em que entrarão o Capi- 
tão Francifco de Moraes de Caítro , e o Alferes 
António Francifco. Deraõ todos os navios fundo 
por detraz da Ilha das Cobras , que oceuparaõ lo- 
go. Gufpar da Cofta de Ataide , General cie Bata- 
lha do mar, que tinha três nãos de guerra para com- 
boyar a frota , e eftavaõ encalhadas, naó perceben- 
do a chegada dos inimigos , íenaõ depois de cita- 
rem no porto , mandou alguns barcos para os ob- 
fervarem , os cuaes elles tomarão , e lhe ferviraõ de 
guias. Vendo o General de batalha , que naõ po- 
dia valerfe dos feus navios , lhe mandou pôr fogo , 

e a 



128 Hijloria genealógica 

e a alguns mercantes de força , para que os inimi- 
gos fe naõ aproveitaílem delles , e íe retirou com a 
gente à Cidade de S. Sebaftiaõ. 

O Governador daquella Capitania Francifco 
de Moraes de Caílro , fez hum ataque de S. Bento 
para a Ilha das Cobras , que os inimigos prevenirão 
com outra bataria contra a meíma parte , e fem em- 
bargo do inceílànte fogo , que a Fortaleza de S. 
Sebaftiaõ fazia contra a meíma Ilha, elles fe adi- 
antarão fazendo íegunda bataria de artilharia , e féis 
morteiros contra a Fortaleza de S. Sebaftiaõ , e Ci- 
dade , e começarão a mandar alguma gente para 
terra, paííàndo até 21 do referido mez , em que o 
Governador fe defendeo ; os moradores começando 
a deíconíiar , o deíàropararaõ , levando huma grande 
parte dos íèus cabedacs para o interior do Paiz. Em 
fim os Francezes íe acamparão , e a 20 de Outubro 
domeímo anno, íeaffinou huma Capitulação entre 
o Governador , e Commandante Francez , convin- 
do-íè em lhe darem os moradores da Cidade fei£ 
centos e dez mil cruzados , cem caixas de aííucar , 
e duzentos boys , com o que íè recolherão para 
França , fendo muito mayor a defpeza , que flzerao 
para efta expedição , do que o intereílè , que tira- 
rão. Eíle procedimento do Governador fe íèntio 
na Corte , porque ainda que em tudo moíirou va- 
lor , o arguira õ de naõ fe ter com tempo preveni- 
do , e fortificado j e de naõ ter as milicias em mayor 
obediência, naõ deixando íàhir da Cidade peffoa al- 
guma 



da Cafa l^al Tortttg. Lh. VIL izp 

puma , obrigando os moradores a fe defenderem , 
de lorte , que nefte tempo pudeíle chegar o Go- 
vernador das Minas António de Albuquerque Coe- 
lho , que baixara em leu íoccorro ; mas a afpereza 
de caminhos incultos naõ o deixarão chegar a tem- 
po. Depois fe mandou governar aquella Capita- 
nia pelo Meilre de Campo General Francifco Xa- 
vier de Távora , que a poz em efiado de naõ temer 
fegundo infuko , e o Governador Francifco de Caf- 
tro de Moraes voltou prezo para o Reyno , onde 
depois íe jurl inçou com os fundamentos , que íe 
vem na fua fentenca. 

Terminou-íe eíle anno com o feliz fucceflo, 
com que a Rainha D. Maria Anna de Auftria deu 
a luz a 4 de Dezembro do referido anno de 171 1 a 
Princeza D. Maria Barbara, primeiro fruto daquel- 
la Real unia5. Eíta felicidade encheo de huma ex- 
traordinária alegria a Nobreza , e Povos , e foy ap- 
plaudida com grandes demoníírações de goílo na 
Corte , e em todo o Reyno. 

Depois da morte do Emperacfcr Jofeph en- 
trarão os Eleitores do Império na eleição de Rey 
dos Romanos , efoy eleito EIRey Carlos III. que 
íe achava em Barcellona, aonde tinha a ília Corte , 
e deixando nella a Rainha íua efpofa , como pe- 
nhor, que pudeíle fegurar acs Catalaens a fua efti- 
miçaõ, e juntamente a fua defenfa, eintereílès, paf 
íòu à Alemanha, e foy coroado em Francfort a 22 
deDezemb-o d^fte meímo anno, cuja noticia parti- 
Tom.VIII. R. cipou 



130 Hiftoria Çenealogíca 

Prova num. 10$. cipou a EIRey por huma Carta da própria maõ, 
efcrita na meíma Cidade a 26 do referido mez, chea 
de taõ affè&uofas expreíToens deamifade, como pe- 
diaõ os eílreitos , e repetidos vínculos do parente^ 
co 5 porém fentindo-íê já , de que as negociações, 
que fe intentavam com os noílos Alliados , fe trata- 
vaõ por intereííès particulares de huma paz , com 
a qual íè diminuiria a gloria, que as noíTas , e as fuás 
Armas haviaô coníèguido na guerra da Grande Al» 
lianca. EIRey lhe refpondeo com reciprocas ex- 

Prova num. 104. preííbens em huma Carta também da própria maõ, 
efcrita a 12 de Abril do feguinte anno de 1712. 

Havia tempos , que durava huma queílaõ en- 
tre a noífa Corte , e a de Roma , fobre os quinden- 
nios , qu^ he huma taxa , que pagavaô certas Igre- 
jas, que fe unira5 a Moíleiros de Regulares; e por- 
que entre ellas faõ algumas , que foraõ do Padroa- 
do Real , cuja natureza naõ ficara abolida pela 
imiaõ, e aííim íe mantinhaõ com o direito do pri- 
vilegio Real , de naõ pagarem quindennios , fobre 
o que íe contendeo largo tempo, fendo a Religião 
da Companhia , a que como mais intereíTàda fentio 
mayores demonftrações da Corte de Roma , e de- 
pois íe vieraõ a ajuflar as duvidas, que havia febre o 
pagamento dos quindennios no anno de 1716, eo 
Papa levantou a prohibiçaÔ , que tinha feito aos 
Padres da Companhia deite lleyno para tomarem 
Noviços. Sobre cfte mefmo negocio fez hum pa- 
pel o Padre Jcaõ Ribeiro , damefma Companhia , 

em 



da Cafa T^ezl Tortug. Liv. VIL 131 

em que pertendia moftrar a ifençaõ , que tinhaõ as 
taes Igrejas dos quindennios. Bfte parecer foy mal 
recebido da Corte de Roma , como também a re- 
íòluçaõ , com que o mefmo Padre votava quando 
era chamado íobre a contenda dos Ritos Chinos , 
em que entaô fe difputava. Por eíle motivo fuc- 
cedeo , que a 12 de Março de 17 12 foy o Padre 
Joaõ Ribeiro notificado pelo Secretario do Vigá- 
rio Provincial deíla Província em virtude de huma 
ordem, que recebera do feu Geral, paia que de£ 
pindolhe a Roupeta , foílè expulío da Caía de S. 
Roque, onde aííiília: a eíla notificação íummaria 
appellou o Padre Joaõ Ribeiro para o Teu Geral, 
e naõ lhe recebendo a apneliaçaõ , diíTe : que ante 
cnmiã appellava para o Papa, e por ultima condu- 
íaõ , valendo-fe da protecção Real , pedio fe naõ 
executaííe coufa alguma fem fe fazer preíente a El- 
Rey : porém a nada feattendeo, ecomeffeito, def- 
pindolhe a Roupeta, o puzeraô de fora da Porta- 
ria, íêriaõ onze horas da noite, e o Padre fe reco- 
Iheo a cafa do Doutor António de Bailo Pereira , 
Chanceller da Cafa da Supplicaçaõ. Chegou \\ no- 
ticia delRey eíle fac~r.o, e fentindo , que fe tomaílè 
aquella refo'uçaõ , por dizer o Padre , o que enten- 
dia , quando EIRey lhe mandava perguntar ; con- 
cedeo ao Padre Joaó Ribeiro a fua Real protec- 
ção , e lhe fez mercê de hum lugar de Deputado da 
Mefa da Confciencia , e Ordens, e do feu Conte- 
lho , dandolhe huma larga penfaõ para fe poder tra- 
Tom.VIIÍ. Rii tar 



i 32 Hiftctta Çenealcgica 

tar com a decência devida ao lugar , com que o 
honrara -, e o Vigário Provincial foy defnaturaliza- 
do por naò haver dado primeiro conta a EIRey da 
ordem antes de a executar. 

Na promoção , que o Papa Clemente XI. fez 
neíle meímo anno de 17 12, foy por nomina del- 
Rey creado Cardeal Nuno da Cunha de Ataide , 
Biípo de Targa , do Confelho deEílado, Miniílro 
do Defpacho , Capellaõ môr , e Inquifidor Geral 
deites Reynos , em quem concorriaõ além de taô 
grandes lugares, íangue illuftre, virtudes, e letras, 
que o fizerao benemérito da particular honra , cem 
que EIRey o favorecia , e que elle nunca defmere- 
ceo. Chegou a noticia a Lisboa por hum Exprefc 
íò a 15 de Julho do referido anno, e foy recebida 
com univeifaí applaufo da Corte. Tanto , que o 
Cardeal recebeo o aviío de, Roma , paíTou a render 
as graças a EIRey, e à Rainha , que eílavaõ de 
refidencia em Pedrouços na Quinta do Duque de 
Cadaval. Trouxelhe o Barrete Moníènhor Mar- 
culini, Camereiro privado do Papa , e no dia 8 de 
Outubro em hum Sabbado determinou EIRey de 
lhe fazer a honra de lhe pôr com a fua Real maõ 
o Barrete $ e aííim no referido dia , às onze horas da 
manhaa , foy o Cardeal ao Paço em publico cem 
hum luzido efíado , corrpo^o ainda das Vefles 
Fpífcopaes roxas, como andava , levando comíigo 
na liteira ao Prelado, que lhe trouxera o Barrete, 
fendo acompanhado de todos os Grandes , e Fidal- 
gos 



da Cafa c Réal Tortug. Liv.Vll. 133 

£0S da Corte , e entrando no pateo da Capella, por 
ordem , que tiveraõ , o foraõ receber o Conde de 
Redondo Thomé de Soufa , Vedor da Cafa dd- 
Rey, e Dom Filippe de Soufa, Capita5 da Guarda 
Alemãa , com a mefma guarda , que fe poz em duas 
ala? para elle paliar: e lendo conduzido ahuma fal- 
ia do Paço da parte do Forte, ellava nella hum Al- 
tar ricamente ornado , e da parte da Epiítola hum 
bofete coberto com hum pano, e fobre elle huma 
bandeija dourada , em que eítava o Barrete , que 
naquelie Iu^ar puzera o Guarda da Tapefíaria João 
de Leiros , coberto com hum tafetá encarnado : es- 
tava huma almofada de tela para EIRey , e outra 
hum pouco diflante de veludo para o Cardeal. Sa- 
hio EIRey para ouvir JVIiíia , e o Prelado lhe oíFe- 
receo em huma fulva a Bulia do Papa , que EIRey 
tomeu , e tor^.ando-a a pôr na falva , a mandou ler 
pelo Prelado , que lida , a tornou a oíferecer a El- 
Rey, o qual lhe ordenou a déíTe ao Cardeal. Aca- 
bada a Aiiíla tomou o Meftre das Ceremonias a fal- 
va , em que eftava o Barrete , e dando-a a Moníè- 
nhor Marculini , aprefentou a EIRey o Barrete, 
que tomando-o, o poz na cabeça do Cardeal. Aca- 
bada a ceremonia da impofiçaõ do Barrete , foy o 
Cardeal conduzido até huma cafi , onde eítava fo- 
bre hum bofete huma bandeija de prata , na qual 
eílavaô as Yeíles Cardinalícias, e huma cadeira de 
veludo franjada de ouro. Neíla caía , que fe de- 
putou para o Cardeal depor as veíliduras roxas , c 

tomar 



134 Hijloria (jenealovlca 

tomar a purpura , naõ entrarão mais , que os feus 
criados. Depois paliou à audiência delRey acom- 
panhado dos dous Condutores. Os Grandes cita- 
vam cobertos no lugar , que lhe tocava , e os Offi. 
ciaes da Caía Real , no que lhe pertencia. Entiou 
o Cardeal , e à primeira vénia , que fez , tirou El- 
Rey o chapeo , e o meímo fez à fegunda , e quan- 
do o Cardeal chegou , deu El Rey três pafibs : o Car- 
deal com hum profundo refpeito lhe fez huma re- 
verencia, elogo hum Repoíleiro trouxe huma ca- 
deira de efpaldas, e de veludo, e quando EIRey o 
mandou fentar , lhe chegou a cadeira o Porteiro da 
Camera António Rebeíio da Fonfeca ; e depois de 
fe cobrir , mandou pôr o Barrete ao Cardeal , e co- 
berto , rendeo a EIRey as graças portão repetidas 
honras , com que a fua innata benignidade o favo- 
recia , e honrava, attendendo a elle fer em tudo fei- 
tura da fua Real grandeza, a que EIRey reípon- 
tleo com palavras de eílimaçaõ , e levantando-fs, 
affaílou a cadeira o Porteiro da Camera , e a levou 
o Repoíleiro , e o Cardeal foy acompanhando a EI- 
Rey detraz ate à fua Camera : e paííòu logo à au- 
diência da Rainha, que eftava aílèntada, e quan- 
do chegou quafi à ponta do eílrado , fe levantou , 
dando três paílos, e mandando-o aílèntar na cadei- 
ra , que chegou o Porteiro da fua Camera , o man- 
dou cobrir , e depois do Cardeal expreííàr a fua 
grande obrigação, fedefpedio, e como era Capei- 
laô mor , foy à Capella Real , acompanhado dos 

Condu- 



da Cafa l^al Tortug. Dv.VlI. 135 

Condutores , e de muitos Senhores , a fazer ora- 
ção. 

Eraõ já quafi publicas na Europa as efperan- 
ças da paz , porque todas as Nações , que con- 
tendiaõ , fe achavaõ canfàdas de huma taô larga 
guerra ; e aíTm naõ tardou muito o Concrreííb de rT . n . 

tti TJTVTriV/Tr Lettres Hiftonq, Mots 

Utrech, p: ra o que em Londres JMcniiur Meína- ^ Famer i 7i:) iom. 

ger convidou a Rainha da Graa Bretanha, ofFere- 4*»P a & , 4«« 

cendolhe em fere artigos os preliminares de huma 

paz geral , que fe havia de tratar na Cidade de 

Utrech , os quaes a R ainha mandou logo por hum 

FxpreíTo a EIRey , e por elle mefmo remeteo EI« 

Rey aos íeus Miniílros novas inítrucçces para 

quando d^g^/fe a occaílaõ de fe publicar o Con- 

greílò. 

NeHe anno de 17 12 era Governador das Ar- 
mas da Província de Alentejo Pedro Mafcarenhas 
de Carvalho , do Confelho de Guerra , que fahin- 
do em Campanha na Primavera ao mefmo tempo , 
que o Marquez de Bay , Capitão General da Ex- 
tremadura , que governava o Exercito inimigo com 
a fupeiioridade de vinte e íète efquadroens , e tre- 
ze batalhoens , com que havia entrado até a Ata- 
laya dos Çapateiros, e intentando com todos os Gra- 
nadeiros ganhar o pequeno Caltello de Barbacena, 
o naõ confeguio pela boa difpoíiça5 do Capita5 
Francifco de Carvalho , que o governava cem a 
guarnição de cincoenta Soldados infantes, manda- 
dos pelo Capitão Jeronymo da Sylveira: e inten- 
tando 



I 3 6 Hi floria (jenealogica 

tando depois com três mil Granadeiros íuprender 
Arronches , Praça mal fortificada , íítuada da outra 
parte do Caya , o Tenente Coronel André Ferrei- 
ra da Coda, que a governava, rechaçou os inimi- 
gos de forte , que depois de haverem peleijado mais 
de duas horas, íê retirarão , deixando muitos mor- 
tos , e feridos, asefcadas, e outros inílrumentos de 
expugnaçaõ. 

A militar difpofíçaõ do Governador das Ar- 
mas Pedro Maícarenhas coníèguio todos os bons 
fucceííos deda Campanha ; porque dividio o feu 
Exercito em três corpos acampados emEítremoz, 
Borba , e Vilia-Viçofa , obfervando os inimigos pa- 
ra os poder unir a qualquer movimento , que elles 
íizeííem , e para que cobriíTem a parte ameaçada , 
íervindo o Meílre de Campo General Pedro Carie 
no emprego de Quartel- Meílre , em quem concor- 
ria intelligencia , e valor. A Cavallaria , que go- 
vernava o Meílre de Campo General D. Joaõ de 
Souía , Marquez das Minas , também íe diftribuío 
em três corpos : o primeiro , que mandava o me£ 
mo Marquez , campava em Alcaraviças ; o íegun- 
do à ordem do General de Batalha Franciíco Joíepli 
de Sampayo , Senhor de Villa-FIor , e do Brigadei- 
ro António Luiz de Távora , e cobria a Província 
pela parte do rio Caya ; e o terceiro edava em Ei- 
ves com mil Cavallos , governado pelo Medre de 
Campo General D. Pedro Amada , Marquez de 
Haça , e quando os inimigos fe recolherão a quar- 
téis, 



daCafa^alTortfig. Liv.VIL 137 

teis, fãhio a reconhecer a marcha , atacandolhe a 
retaguarda, e puxando elles toda a ília Cavallaria, 
naõ puderaõ rompello. Diílinguiraõ-íê nefta oc- 
cafiaó os noííbs Orficiaes , particularmente o Ca- 
pitão de Cavallos Jofeph Bernardo de Távora, que 
procedeo com grande valor j ficou priíioneiro o Te- 
nente Coronel Jeronymo Serrão Pimentel , e mor- 
to oCi-pitaõ de Cavallos António Leitaô , que ha- 
via fervido com valor 5 e levemente ferido o Te- 
nente Coronel D. Thomás de Aragão , que neíta 
occaíiaõ procedeo como em todas ; afíim fe veyo 
a acabar a Campanha, fem que o Marquez de Iby 
pudeílè com a fuperioridade do feu Exercito coníè- 
guir couía alguma. 

Milord de Portmorre, General das Tropas In- 
glezas , recebeo ordens da Rainha da Grãa Breta- 
nha para reformar os oito Regimentos de Cavalla- 
ria , e hum de Infantaria , que nefte Reyno milita- 
vaõ ao feu fcldo : e para que paííàndo a vifitar as 
fortificações de Gibraltar, voltaííe para Inglaterra. 
Era já notória huma ílifpenfaõ de armas entre 
Fiança , Hefpanha , e Inglaterra , que no Congrefc 
fo de Utrech fe havia acordado , aonde íe achavaõ 
es Plenipotenciários Portuguezes o Conde de Ta- 
rouca , e D. Luiz da Cunha : pelo que muitos en- 
tendiaõ , naõ intentariaõ os inimigos na Campa- 
riha do Outono empreza confideravel. Com tudo 
a ncíla Corte com as Tropas nacionaes , procurou 
es meyos poífiveis para a guerra defenfiva , naõ fo 
Tom. VIII. S na 



138 HiJloYta Cjenealogca 

na Província de Alentejo , mas em todas as mais. 
Cem o mefmo cuidado íe ordenou ao Conde de 
Alvor , Meílre de Campo General , que governa- 
va as Armas da Província de Traz os Montes , que 
com cinco Regimentos de Infantaria , e três de Ca- 
vallaria , e Dragoens , obfervaíle o movimento dos 
inimigos, que entaõ lhe eOavaõ muy fuperiores , e 
fe lhe oppuzeíle com o cuidado , que delle fe efpe- 
rava : e para que naõ chegaíTem a encorporaríe com 
o Marquez de Bay , fízeíTe huma diverfaõ para obri- 
gallos a retroceder, batendo o Forte de Carvajalles, 
que os inimigos haviaõ recuperado depois de huma 
larga , e gloriofa defendi , que fez o feu Governa- 
dor Domingos Teixeira de Andrade , e que fem fe 
empenhar no fítio , campaílè no feu Paiz : porém 
quando eíla operação naô baílafle , íbccorreííè a 
Província de Alentejo com três Regimentos de Ca- 
vallaria , e três de Infantaria. O Conde executou 
pontualmente as ordens , bateo o Forte , e vendo , 
que os inimigos naõ mudavaõ do primeiro intento , 
expedio o foccorro para Alentejo , que chegou mui- 
to a tempo. 

Na Província de Entre Douro , e Minho go- 
vernava as Armas oMeftre de Campo General D. 
Joaõ Diogo de Ataíde , a quem fe recommendaraò 
reclutas para quatro Regimentos de Infantaria, que 
com o do Porto tinhaõ ficado em Alentejo, epara 
dous de Cavacaria da mefma Provinda, o que com 
grande cuidado fatisfez. A meíma diligencia íê 

man- 



da Cafa T{cal Tortug. Liv. VIL 1 3 p 

mandou executar noReyno do Algarve para qua- 
tro Regimentos de Infantaria , e hum de Cavalla- 
ria , o que executou com promptidaô o feu Biipo 
D. António Pereira da Sylva , que governava na 
aufencia do Conde de Monfanto Dom Manoel de 
Caftro , do Confelho de Guerra, que com licença 
delRey paliara a tomar os banhos das Caldas, ten- 
do nos últimos annos da guerra governado aquelle 
Reyno com grande prudência , e vigilância: e com 
a meíma licença íè achava na Corte o Medre de 
Campo General Francifco de Mello , Senhor de Fi- 
calho , que governava as Armas da Beira , que lar- 
gando as dependências , que o trouxeraõ à Corte, 
le recolheo à Província a tratar da íua defenfa , e 
reencher os Regimentos , de que mandou oito de 
Infantaria, e dous deCavallaria para Alentejo, com 
grande promptidaô. Na Província da Extremadu- 
ra , que governava o Duque de Cadaval , Meftre 
de Campo General junto à peílòa delRey , íè lhe 
encarregarão as reconduções, e fe mandou a Cafcaes 
o Medre de Campo General Conde de S. Joaô 
Luiz Alvares de Távora , do Confelho de Guerra, 
e a Setuval o Conde do Rio Grande Lopo Furta- 
do de Mendoça , do Confelho de Guerra , e Almi- 
rante da Armada Real 5 e ao Conde da Ericeira D. 
Francifco Xavier de Menezes, General de Bacal ! a, 
e Deputado da f unta dos Três Eftados , íè mandou 
paííaílè a Aldeã Gallega para a expedição das Tropas 
da Extremadura , e ao mefmo tempo , que abbre- 
Tom.VIÍÍ. Sii viaífe 



140 Hi floria genealógica 

viaííe aconducçaõ dos mantimentos, do que já d.e£ 
de o anno antecedente eftava encarregado , o que 
fez com tal ordem , e providencia , que pondo em 
hum novo methodo as carruagens , que eftavaõ ar- 
ruinadas , nem hum íó dia padeceo falta a Provín- 
cia. Todas eftas difpofições , com que os noiTòs íe 
prepararão para a deferfa doReyno, fcraõ utiliífi- 
mas j porque os Inglezes haviaõ feito huma fufpen- 
íaõ de armas com os ncílbs inimigos , e tirado as 
Tropas auxiliares , que tinhaõ neíte Reyno , re- 
duzindo-íe o corpo daquelia naçaõ a quatro bata- 
Ihocns , que governava o General de Batalha Par- 
ce , que havia íêrvido na guerra de Portugal com 
igual eílimaçaô dos noiTòs , do que dos íèus , e que 
prudentemente declarou naõ faber do eílado das 
negociações de Utrech , nem ter ordens de Ingla- 
terra para a fufpenfaõ das armas com Heípanha : e 
como naõ tinha noticia , de que fe houveíTe expe- 
dido na fua Corte , errava prompto para coníervac 
em Alentejo as fuás Tropas , o que executou pon- 
tualmente , acampando fempre em Borba , íêm que 
as infinuações dos inimigos perturhaílèrn a fua confc 
tancia , até que íbube depois da Campanha acaba- 
da , que as ordens íe detiveraõ , porque os ventos 
contrários dilatarão os aviíbs , e tanto , que os re- 
cebeo fez marchar os íèus R coimemos para Gi- 
braltar , e elle fe recolheo para Inglaterra. 

Efpaíharaõ deítramente os Caílelhanos , que 
fliziau marchar huma grcnJe parte do Exercito, 

que 



da Cafa ^eal Tortug. Lh. VIL 1 4 1 

qne tinhaõ nâ Fronteira, para Catalunha: porém lo- 
go fe defcobriraõ as grandes preparações , que o 
Marquez de Bay fazia para formar hum fitio ; por- 
que além da abundância de munições de guerra, e 
boca , tinha montado vinte e dous canhoens , dez- 
oito peças de campanha , e onze morteiros, e a 20 
de Setembro campou fobre Elvas com o feu Exer- 
cito , que fe compunha de fetenta efquadroens com 
oito mil Cavallos , e trinta e três batalhoens com 
dtz mil Infantes , três mil gaftadcres , fornos para 
cozer paõ , cem canos com faxinas , e eftacas , fete 
Meílres de Campo Generaes, oito Generaes de Ba- 
talha , quinze Brigadeiros > e outros muitos Officiaes 
experimentados , e valerofos. 

Entenderão os noílbs íêr o projeclo dos inimi- 
gos o fitio da Praça de Elvas , e pelas noticias, 
que em Pariz fe publicarão , fe tinha por fem duvi* 
da j peque íè o primeiro intento fora fobre a Pra- 
ça de Campo-Mayor , feria intempeítivo o movi- 
mento , em que perderão dez dias antes de ganhac 
os pódios daquella Praça ; porque o Marquez de 
Bay dividio o feu Exercito em três diííèrentes quar* 
teis , com diílancia confideravel entre huns , e ou- 
tros 5 mas reconhecendo a Praça os Engenheiros, 
fez mudar o Marquez de Bay com ordem da Cor- 
te o primeiro deílgnio. Cuidarão os noílbs com 
prevenção o modo de defender a Cidade , porque 
naõ havia na Praça de guarnição mais , que quatro 
batalhoens com mil e duzentos homens, e duzen- 
tos 



1^.1 Hi floria Çenealogica 

tos cavallos , curto prefidio para taõ grande Praça, 
que governava o Meftre de Campo General Dom 
Pedro Amaíía , Marquez de Haça. Porém obfervan* 
do Pedro Mafcarenhas a larga circunvallaçaõ , em 
que acampavaõ os inimigos , e que o terreno era 
cortado com barrancos , vinhas , e olivaes , coníè- 
guio introduzirlhe na noite de 22 de Setembro ao 
General de Batalha Paulo Caetano de Albuquer- 
que , e na feguinte ao General de Batalha Aífoníb 
Furtado de Mendoça , e o Brigadeiro Engenheiro 
Joaõ Mafsê, íeguidos pelo Regimento de Infanta- 
ria de Moura , de que era Coronel Miguel da Cu- 
nha Alcaforado , que efteve doente toda a Campa- 
nha 5 e pelo Regimento de Serpa do Coronel D. 
Luiz de Menezes , Conde da Ericeira , que tendo- 
fe recolhido a Lisboa , aonde havia mais de hum 
mez padecia cefoens, edefprezando amoleília, ani- 
mado do íèu vivo efpirito , correo a porfe na teíla 
do íèu Regimento , e entrou na Praça com a mef- 
ma felicidade. 

Na Praça de Eílremoz fe achava o Governa- 
dor das Armas Pedro Mafcarenhas com os Meftres 
de Campo Generaes o Marquez das Minas D. João 
de Soufa , do Confelho de Guerra , que governava 
aCavallaria , Bernardim Freire de Andrade, Pedro 
Carie , que exercitava o emprego de Quartel-Me£ 
tre General , Dom António de Noronha, (depois 
Conde de Villa- Verde , e Marquez de Angeja ) D. 
Braz Bakhafar da Sylveira , o Conde da Ribeira 

Grande 



da Caía Ifyal Tortug. Liv.FII. 143 

Grande D. Luiz da Camera , que governava a ar- 
rilharia , e Francifco Xavier de Távora, e os Ge* 
neraes de Batalha Francifco Jofeph de Sampayo , 
António Telles da Sylva , que havendo recahido 
em Liíboa de huma grave doença, naõ quiz deixar 
de exercitar o íèu poíto , D. joaõ Hogan , Dom 
Francifco de Mello Manoel , e Luiz de Miranda 
Henriques. Os Brigadeiros da Cavallaria , que e£ 
tavaô na Província , eraõ o Conde de Aveiras Luiz 
da Sylva Tello , Manoel Lobo da Sylva , e Antó- 
nio Luiz de Távora; da Infantaria Thomás da Syl- 
va Telles, a quem fe encarregou o Caítello de Vil- 
la-Viçofa , que já havia governado na Campanha 
da Primavera, Pedro Alvares Cabral, Alcaide mor 
de Belmonte , Ignacio Xavier Vieira Matofo , Ma- 
thias da Cunha, que governava Eílremoz, Franci£ 
co da Veiga Cabral, Rodrigo Cefar de Menezes, 
e Joíeph de Mello e Souía , Porteiro mor. Os Aju- 
dantes Generaes de Cavallaria eraõ os Coronéis Pe- 
dro Gonçalves da Camera Coutinho , e Luiz Ro- 
drigues da Fonfeca ; e da Infantaria o Coronel An- 
tónio Pedro de Vafconcellos , o Capitão das Guar- 
das de D. Braz D. António da Sylveira íèu irmão, 
o Sargento mor Álvaro Caetano de Mello , Mi- 
guel Joaõ Botelho , e António Henriques , Tenen- 
te Coronel. Era neceííària toda a conflancia de 
Pedro Mafcarenhas , e dos mais Generaes para coii- 
fervarem huma Praça mal fortificada , e a fua vifi- 
nhança, com taõ pequeno corpo para opporíê aos 

pro- 



144 Hijloria Genealógica 

progreílòs dos inimigos , pois naõ tinhaõ mais , que 
dous batalhoens Inglezes em Borba , porque os ou- 
tros dous eftavaõ em Beja , e alguns da Beira , que 
vinhaõ concorrendo j porque os mais eftavaõ divi- 
didos nas guarnições das Praças , na duvida de qual 
feria íitiada : a pouca Cavallaria , que fe bia ajun- 
tando , acampava nas Alcaraviças, e todos os Regi- 
mentos , que depois vieraõ , eftavaõ à ordem do 
General de Batalha Francifco Jofeph de Sampayo, 
que com fumma vigilância , e ío com a perda de 
poucas partidas , fe coníèrvou naquelle fitio , e co- 
brio a Província em toda a Campanha , devendo-fe 
ao cuidado do Marquez das Minas a coníervaçaõ da 
Cavallaria, que pelas faltas de remontas naõ efta- 
va numerofa , e pode com poucas forças fuftentar 
o trabalho da Campanha. 

Na Corte fe tratava com cuidado do íbccorro 
de Elvas , que EiRey com animo incomparável , 
preferindo a faude publica à fua própria , de que 
tanto a primeira dependia , deixou a aííiftencia de 
Pedrouços , onde começava a convaíecer de huma 
larga queixa , e íe mudou para Lisboa com o deíê- 
jo de paílar a Alentejo , para com a fua Real pre- 
íènça fazer mais efficaz a fua defenía ; o que fe âcf- 
vaneceo com a noticia , de que na madrugada de 
28 de Setembro o Marquez de Eay paífara o rio 
Ca3 r a, acampando huma legoa deCampo-Mayor, 
com o lado direito na Tapada de Francifco Gal- 
vão , e o efquerdo a Yalmorto , fazendo frente ao 

mefmo 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 145 

mefmo rio. Era Governador da Praça o Brigadei- 
ro Eftevaõ da Gama de Moura e Azevedo , que 
quafi tudo o tempo da guerra o havia fido com 
grande cuidado, e fidelidade, e Sargento mor Fran- 
cifco da Sylveira da Sylva ; Engenheiros o Sargen- 
to môr Vicente Ferreira , e o Capitão Manoel de 
Torres Frazão. Achava-fe na Praça o Tenente Co- 
ronel da Cavallaria António Paílanha , Official de 
iiimmo valor , e experiência , Joaõ Dias Penfo , 
também Tenente Coronel da Cavallaria entretido, 
a quem fe encarregou o baluarte dos Coelhos , e 
confiava a ília guarnição do Regimento de Infan- 
taria deEílremoz, de que era Coronel o Brigadei- 
ro Thomás da Sylva Telles , e o governava o feu 
Tenente ArTònfo Carrafco 3 o Sargento môr Fran- 
ciíco Teixeira hum Regimento de Jerumenha , 
de que era Coronel Luiz Pereira de Sá , Tenente 
Coronel António Serrão Diniz , e ambos íe acha- 
vaõ em Lisboa com licença , e governava o Sar- 
gento môr Manoel de Carvalho. Hum Regimen- 
to do Minho, de que também eílava em Lisboa o 
Coronel Joíeph Homem de Magalhaens , e naõ ti- 
nha Tenente Coronel, e o mandava o Sargento môr 
Domingos Lopes de Azevedo, e íb hum Regimen- 
to do Algarve íe achava com o Teu Coronel Fran- 
cifco de Àlacedo Pimentel , com o Tenente Coro- 
nel Domingos Garces , e o Sargento môr Luiz Pe- 
gado , e faltavaô em todos muitos Officiaes fubal- 
ternos , eRando todos eíles batalhoens taõ diminu- 
Tom.VIII. T tos, 



1^6 Hi floria Cj ene alo gic a 

tos j que naõ contando o deflacamento , que guar- 
necia Ouguela , e cento e vinte e nove doentes , le 
achavao íó promptos para pegar nas armas nove- 
centos e quarenta e fete Soldados , trezentos e íeis 
Paizanos , poucos Artilheiros , e havia ílííenta Ca- 
vallos de boa qualidade , mandados pelo Capitão 
Fernão Rodrigues Galvão , pratico, e valerofo : 
eíla era tcda a guarnição da Praça , e íê começou 
a difp or com grande vigilância a defenía contra hum 
Exercito taõ numerofo. 

O Meftre de Campo General Marquez de 
Haça tanto , que reconheceo a marcha dos inimi- 
gos , na meíma noite intentou introduzirlhe o Bri- 
gadeiro João Maísê $ porque do íeu valor , e feien- 
cia militar , tantas vezes manifeftada em fitios , e 
Campanhas , fe promettia grande utilidade na pre- 
íènte occafiaõ. Ao mefmo tempo chegou de EC- 
tremoz a Elvas o Meftre de Campo General Con- 
de da Ribeira Grande, que era dotado de gentil ef- 
pirito , e defejando trocar nefla Campanha o gover- 
no da Artilharia do Exercito pelo da Praça , que 
foíle íltiada ; porque já dtfde Lisboa íe tinha ofTè- 
recido a Corte, e ao General , e como do feu valor, 
e capacidade tinha dado tantas moftrss nas occa- 
fioens mais difficeis , que fe fiarão da fua prudência, 
fem a fua inftancia feria efcolhido para a defenfa de 
Campo- Mayor. Sábio o Conde , e Maísê de El- 
vas com quatro guias , e o Capitão de Infantaria, 
Agoílinho da Cunha Scttcmaycr , Ajudanre de 

Lam- 



da Cafa %ed Tortug. Liv. VIL 147 

Campo do Conde , e depois de marchar toda a noi- 
te, fazendo diverfos gyros, fe acharão ao amanhecer 
a tiro de canhaõ de Campo-Mayor , e íendo fenti- 
dos pelas guardas inimigas, ainda que lhes atirarão, 
os naõ íêguiraõ , com que fe puderao recolher na 
Praça de Ouguela , huma legoa diftante ; e intentan- 
do na noite de vinte e nove do referido mez intro- 
duzirfe a pé , fe acharão algumas vezes embaraça- 
dos entre as guardas Caftelhanas, com evidente pe- 
rigo de íêrem mortos , ou prifioneiros. O Brigadei- 
ro Maísê cahio em huma cova , a quem tirarão os 
Companheiros ferido em huma perna, efe tornarão 
a valer de Ouguela. Bem diferentemente fucce- 
deo ao Brigadeiro Thomás da Sylva ; porque com 
felicidade entrou na mefma noite em Campo-Ma- 
yor com huma fó guia , que o levou pelo caminho 
de Badajoz , fendo íèntido de huma fentinella , e na 
fua peííòa teve a Praça hum grande íòccorro j por- 
que fobre valerofo , a fua prudência pode compor 
as muitas defordens , que já fe começavaõ a experi- 
mentar , que o Governador logo pode atalhar , fí- 
andolhe os empregos mais importantes : nefte mef- 
mo dia íe occuparaõ os inimigos em cortar faxinas, 
e querendo reconhecer a Praça o feu íegundo En- 
genheiro Santiago Gafau , tendo acabado de tirar a 
planta, avançando-fe mais, o cortou huma partida 
dos fitiados , e ficou prifioneiro , e taô mal ferido, 
que em poucas horas morreo , e fe lhe achou a plan- 
ta. 

Tom.VIII. T ii Con- 



148 Hijloria Cjenealogka 

Continuarão com grande força as faxinas , e 
mais difpofições do fitio , e as guardas da Cavallaria 
inimiga efíavaõ de dia fóra do tiro de canhaô , e de 
noite mais viílnhas à Praça , a qual fempre obfer- 
varaõ feifcentos Cavallos de mais das guardas de 
Campo j porém naõ embaraçarão aThorrás daSyl- 
va , que com cincoenta Granadeiros cobriíTe os Sol- 
dados , que cortarão fóra muitas faxinas , e forra- 
gens , e ao mefmo tempo fazia o Governador tra- 
balhar nas plataformas, e no reparo das ruínas. Na 
manhaa deite dia, que era trinta de Setembro, pafc 
fou o Conde da Ribeira Grande, e JoaÕ Maftê a 
Albuquerque , e mandando a dous- paizanos , que 
entraííèm em Campo-Mayor , e voltaílem para lhes 
eníinar o caminho , voltarão no outro dia com a 
noticia, de que nao puderaõ entrar na Praça. Nel- 
la recolheo íègunda faxina Thomás da Sylva com 
grande abundância , havendo fahido com duzentos 
Infantes a fuílentar a Cavallaria da Praça , que tra- 
vou com a dos inimigos huma efcaramuça. Nefte 
tempo entrou na Praça o Tenente Coronel Joíeph 
da Sylva Paes , que havia de exercitar a occupaçao 
de Engenheiro , o que foy de grande utilidade para 
a defenía da Praça pela fua actividade , valor , e in- 
telligencia : e depois entrarão com grande trabalho 
os Coronéis Luiz Pereira de Sá , Jofèph Homem de 
Magalhaens , e o Tenente Coronel António Seiraô 
Diniz j o Conde da Ribeira , e Joaõ Maí?è , com 
hum grande rodeyo voltarão de Albuquerque a El- 
vas, 



da Cafa ''Real Torttig. Liv. VIL 149 

vas j e acharão naquella Praça ao Governador das 
Armas Pedro Maícarenhas com os mais Generaes, 
que viera5 de Ellremoz , e parecendolhe , que a 
parte da Província vifmha a Arronches ficava ex- 
porta , reforçou a guarnição com o Regimento de 
Infantaria de Pinhel , de que era Coronel Manoel 
Eíteves Feyo , e o MeRre de Campo General Fran- 
cifco de Távora com oitocentos Cavallos, e o man- 
dou recolher pouco depois, porque os inimigos naõ 
íizeraõ outro movimento : pelo que mandou refor- 
çar o corpo , que governava Francifco Jofeph de 
Sampayo no campo de Alcaraviças : e como hiaõ 
chegando mais Regimentos de Infantaria das Pro- 
víncias , formou o General em Villa-Viçofa hum 
Campo à ordem do Meílre de Campo General D. 
Braz Balthafar da Sylveira , fiando juftamente do 
feu valor, e acordo, a boa difpoíiçaô, que teve nef- 
te emprego , e moftrou fempre em todos , os que 
teve nefta guerra ; o qual Campo ficava viíinho ao 
dos Inglezes , que eftavaô em Borba com o Gene- 
ral Parce, como fica dito. 

No dia 4 de Outubro começarão os inimigos 
a abrir a Trincheira , e na noite defte meímo dia de- 
terminou o Governador das Armas Pedro Mafca- 
renhas mandar o primeiro íbccorro a Campo-Ma- 
yor para a fua defenía com a peílòa do Conde da 
Ribeira , que já com impaciência naÕ podia íbfrer 
o terfclhe malogrado por vezes o intento de íè in- 
troduzir na Praça 5 e lhe deu hum deflacamento 

de 



150 Hiftoria Çenealogica 

de trezentos Granadeiros, e fetenta Cavallos com 
os Officiaes , o Tenente Coronel SimaÕ dos Santos, 
e Pantaleaô de Oliveira e Soufa , Sargento mor de 
Elvas, e o Capitão Engenheiro António Rodri- 
gues Neves , com ordem , de que ainda que fe per- 
deílem todos os Granadeiros , e Cavallos , rompeííè 
as guardas do bloqueyo para que o Conde , e João 
Maf:ê fe introduziílem na Praça. E para encobiir 
efte intento mandou Pedro Mafcarenhas prevenir 
carruagens , eípalhando , que mandava conduzir os 
mantimentos, que havia em Barbacena , e na Aldeã, 
para que os inimigos fe naõ aproveitaíTem delles. E 
fahindo às fete horas da noite paíTàndo o Caya com 
íeis horas de marcha , íe acharão meya legoa de 
Campo-Mayor fem ferem íèntidós j alli formando 
hum batalhão, cobrindo com a Ca vallaria. os flan- 
cos , marcharão mais hum quarto de legoâ , aon- 
de foraõ deícobertos pelas fentinellas dos inimigos, 
que tocarão arma , e com hum efquadraõ groífo de 
Cavallaria os atacarão pelo lado efquerdoj porém os 
noííbs obíèrvando a ordem paííàraõ ao direito : fez 
alto o batalhão , que os inimigos carregarão furio- 
famente , lançando-fe as primeiras fileiras íòbre as 
bayonetas por ambos os lados , e parte da retaguar- 
da 5 porém os pelotoens tirarão tanto a tempo , e 
em taõ pouca diílancia, que os inimigos fem poder 
rompellos , fe retirarão com defordem , deixando oi- 
to mortos , levando dous Officiaes , e dez Soldados 
feridos , e o Conde da Ribeira fem perder mais , 

que 



da Cajá %eal Tortug. Lív. VIL I 5 I 

que bum Cabo de Efquadra da Cavallaria, tornan- 
do-íe a formar os fetenta Cavallcs no lado direito , 
entrou na Praça tocando as caixas , fem outra op- 
pofiçaõ , e no foííò os efperava com quatrocentos 
homens o Brigadeiro Tbomás da Sylva Telles. 

O Conde da Ribeira viíitou lopo as fortifica- 
coes , e fazendo tudo o que lhe pareceo conveni- 
ente para defender a Praça, diftribuio as ordens, en- 
carregando ao Tenente Coronel Patovillê ogover- 
* no da Artilharia , e o Brigadeiro Joaõ Maísê com 
Jofiph da Sylva Paes, Vicente Ferreira, e o Capi- 
tão Engenheiro , começarão a trabalhar inceílànte- 
mente nas cortaduras , e reparos das fortificações. 
Haviaõ acabado os inimigos a communicaçaõ com 
a primeira trincheira , mas da eílrada coberta lhe fi- 
zeraõ os ncííbs hum grande fogo de moíquetaria > 
e começou a jogar contra o ataque dos inimigos 
com doze canhoens. Nefte dia, que eraõ íeis de 
Outubro, às onze horas, fez huma íòrtida Thomás 
da Sylva com cem Granadeiros } com ordem para 
que ie naõ avançaíTem muito , mas hum Tenente 
querendo-íe avançar mais para reconhecer os tra- 
balhadores , dous Officiaes pegandolhe nos braços, 
o levavaõ prifioneiro ; mas os noílbs Granadeiros 
atirarão tanto a tempo , que o Tenente Meou , e 
voltou levemente ferido. TrabalhavaÕ os inimigos 
íbfrendo com cGnftancia a artilharia, e mofquetariaj 
e huma baila de artilharia da Praça paílànao a trin- 
cheira entrou pelo trem dos inimigos , aonde fez 

voar 



152 Hiíloria (genealógica 

voar cinco mil granadas $ efte eftrago confiou por 
hum priíioneiro , que os fitiados tomarão. Havia 
Pedro Mafcarenhas mandado dizer ao Conde da 
Ribeira , que eíperafíe hum foccorro , que lhe ha- 
via introduzir , para o que o Conde mandou occu- 
par com duzentos Granadeiros fora da eftrada co- 
berta os dous caminhos por onde podia entrar , e a 
Cavallaria fe formou junto da Infantaria para o fa- 
vorecer. Na madrugada chegou o General de Ba- 
talha D. Joaõ Hógan , valeroíò Irlandês , que nef- 
te fitio obrou acções dignas de memoria , e trazia 
féis Companhias com trezentos Granadeiros , e cin- 
coenta Cavallos , tirado tudo do Campo de Villa- 
Viçofa , em que entravaõ o Tenente Coronel Jo- 
feph Caetano de Meirelles do Regimento de Pe- 
dro Alvares Cabral , Manoel da Coíla Efcudeiro, 
Sargento môr da Beira , de D. Filippe de Alarcão 
Maícarenhas , Joaõ André Gazo , Genovez , Sar- 
gento môr de Artilharia , fendo todos pelo feu va- 
lor , e preílimo , de grande utilidade à Praça. 

Ao mefmo tempo , que o Conde da Ribeira 
difpunha a guarnição , e defeniâ , de forte , que naÕ 
pudeíTe haver falta , os inimigos adiantavaõ as ba- 
tarias com grande ardor 5 e vendo o Conde no dia 
treze algumas canhoeiras na fua bataria , mandou 
íàhir ao Brigadeiro Thomás da Sylva, que com du- 
zentos Cavallos, fuftentados por outros tantos Gra- 
nadeiros , e cortando diante do Forte de S. Joaõ ra- 
mos de Faxina , fuítentou huma forte efearamuça 

com 



da Cafa l^eal Tortug. Liv. VIL 153 

com os inimigos , e íe recclheo fem perda. Do 
Campo começarão a lançar com trcs morteiros 
bombas na Villa, o que caufou às mulheres gran- 
de horror ; e afíim eítas, como os incapazes, fe alo- 
jarão nos Conventos , e lugares mais feguros , e o 
Brigadeiro Joaõ Makè delineou varias obras, que 
foraò muy úteis. Batiaõ em a brecha os inimigos 
atirando cada dia fetecentos até oitocentos tiros. 
O Conde da Ribeira intentou dentro nas fuás trin- 
cheiras encravarlhe a artilharia, e mandando no dia 
dezafete pelas cinco horas da manhãa formar no 
foílo , e eftrada coberta dezafeis Companhias de 
Granadeiros , fahiraõ quatro mandadas pelo Tenen- 
te Coronel André Ferreira da Coita, ena fua direi- 
ta, e efquerda marchavaõ doze Granadeiros avan- 
çados com hum Sargento , e ordem de fe naõ apar- 
tarem mais de vinte pados do íèu corpo , lançan- 
do-fe dentro dos ataques , e carregando fem reco- 
nhecerem tudo o que fe lhe oppuzeílè. Seguia-lè o 
Tenente Coronel Joíêph da Sylva Paes , e o Capi- 
tão Jeronymo Corrêa Freire com trinta Sargentos, 
que levavao com as alabardas pregos , e martellos 
para encravar a artilharia , e machados para desfa- 
zer os reparos ; e hum Tenente com outros dous 
Sargentos efcolhidos marchavaõ à direita com os 
mefmos inílrumentos para encravar os morteiros, 
com ordem , que tanto , que fizeíTèm a operação , 
voltaílem para a Praça. Seguia-íe a eíle corpo ou- 
tro , que governava , e toda a fortida , o Brigadei- 
Tom.VIII. U ro 



154 Hijloria (jenealogica 

ro Thomás da Sylva Telles com o Tenente Coro- 
nel Simaô dos Santos , e o Sargento mor Pantaleaõ 
de Oliveira e Soufa com três Companhias de Gra- 
nadeiros , deftinadas para a principal acçaõ. Se- 
guiaõ-fe três Companhias , e todas tinhaõ ordem , 
de que marchalTem direitas à primeira parallela do 
ataque , e atraveíTaííèm , fem fazer fogo , debaixo do 
amparo da artilharia da Praça , para que executada 
a acçaõ , encorporados todos, fe recolheíTem a Pra- 
ça , aonde os efperava o General de Batalha Dom 
Joaõ Kogan, o Tenente Coronel Joíêph Caetano 
de Meirelles, o Sargento mor Manoel da Coita Ef- 
cudeiro , com oito Companhias de Granadeiros , e 
toda a Cavallaria da Praça mandada pelo CapitaS 
Fernão Rodrigues Galvão , todos formados trezen- 
tos paíTos fora da eílrada coberta para a eíquerda 
do ataque , que era a única parte por onde a Caval- 
laria inimiga podia cortar a retirada aos noílbs. 

Executarão elles com tanto filencio efta ac- 
ção , que havendo fahido às cinco horas e meya da 
manhaa , os inimigos naõ íèntiraõ o primeiro cor- 
po íenaõ dez pados da fua trincheira , íobre que íê 
lançarão dous Sargentos com incrível valor , fendo 
já grande o fogo da Praça ; os inimigos fobrefalta- 
dos, huns íe deitarão, outros íè retirarão com pref- 
fa , e os noííòs Soldados paíTando a primeira paral- 
lela , ícm embarco de acharem o foílb muy profun- 
do , paíTaraõ à íègunda , que eftando com guarni- 
ção numerofa , fe defendeo pouco , e miílurando-fe 

os 



da Ca/a l^eal Tortug. Liv. VIL 155 

os noííòs Soldados com os inimigos matarão mui- 
tos : porem o meímo ardor os confundio de forte , 
que naõ foy poliivel ao Brigadeiro, nem a outros 
Oíiiciaes , formar dez homens , nem o Tenente Co- 
ronel Joíeph da Sylva ajuntar os trinta Sargentos , 
que foraõ nomeados para encravar a artilharia 5 e 
aííim por mais de meya hora andarão os noflb Gra- 
nadeiros a direita, eàefquerda, matando, e defpo- 
jando os inimigos , que encontravaõ j e aehando-íè 
o Brigadeiro Thomás da Sylva junto da bataria qua- 
fi fó , e a manhãa muy avançada , perdendo as efc 
peranças de lograr huma acçaõ taõ bem ideada, íe 
retirou atraveííàndo as parallelas com os Granadei- 
ros , e fe recolheo à Praça. O General de Batalha 
D.Joaõ Hogan todo o tempo, que durou eíla ac- 
çaõ , com o corpo , que mandava , fofreo o fogo da 
direita da trincheira , que naõ foy atacada. Todo 
o tempo , que durou a operação, efteve nella o Bri- 
gadeiro Joaõ Mafsè com dous Regimentos , e com 
cincoenta homens com o Capitão Garcia Peílana, 
e fazendo atacar o ramal do lado eíquerdo dos ini- 
migos , montando a trincheira , íe naõ quiz retirar 
fem ordem expreíla do Brigadeiro Thomás da Syl- 
va , que trouxe prifioneiro hum Ajudante do Regi- 
mento de Ecija com oito Soldados feridos, e feri ao 
muitos mais, feosnoííbs naõ quizeraõ antes o fac- 
co : e nefta acçaõ fe affirmou perderão os inimigos 
mais de trezentos homens entre feridos , e mortos, 
e aos noíTòs cuftou fomente hum Alferes , e dez 
Tom. VIII. Uii Gra- 



t 5 6 Hiftoria Çenealogica 

Granadeiros mortos , outro Alferes , e oito Solda* 
dos priííoneiros , porque fe retirarão mais tarde ; e 
dezafete feridos, tm que entrou o Capitão de In. 
fantaria Manoel de Befia. Efta taõ bem dilpofta 
for tida fe nao logrou . porque com dem afiado ar« 
dor os m ílòs Soldados fe arrojarão de íbrte , que 
naõ lhe deixou obfervar as ordens dos Cfficiaes , e 
o embaraço dos foífos lhes impedirão chegar às ba- 
tarias, para o que contiibuío huma névoa, que naõ 
deixava ver o terreno. Eftes foraõ os embaraços , 
que naõ deixarão lograr huma taõ valeroíâ acçaõ; 
porém manifeílou aos expugnado^es a refoíuçao , 
com que ellavaõ os fitiados de defenderem a Praça. 
Os inimigos eftimulados do que havia paíTa- 
do, continuarão com mayor vigor a bater a Praça, 
que igualmente correfpondia com a artilharia para 
a fua defenfaj e vendo, que o intento dos inimigos 
era já dirigir as batarias a alargar a brecha , forman- 
do outra contra o rebelim , os noífos embofean- 
do cem Cavallos de traz dos ramaes , que nos eraõ 
mais viíinhos , intentarão cortarlhe huma guarda 
de quarenta , com que os inimigos carregavao to- 
das as manhãas os noílbs batedores até à eftrada 
coberta. Na noite deite dia para 20 de Outubro 
entrarão quatro Cavallos , que acompanhavao a 
António de Mello de Caftro , que voluntário quiz 
acharíe na Praça , e dormio todas as noites na bre- 
cha , procedendo no dia do afialto, e nos mais com 
aquelle valor , com que os íeus mayores obrarão 

íèmpre 



da Caía T^al Tortug. Liv. VIL I 5 7 

íêmpre no Jêrviço da Pátria. A guarda tia Caval- 
laria dos inimigos defcobrindo a noíTa emboícada , 
e correndo os noílos batedores, depois de huma le- 
ve eícaramuça, nos retiramos com a perda de hum 
Soldado. 

Empenhados os inimigos em renderem a Pia* 
ça , no dia 24 baterão a brecha com vinte e duas 
pellàs da primeira bataria , e com duas de outra o 
angulo do flanco efquerdo do baluarte de S. Joaõ , 
e as contrabatarias eraõ igualmente bem fervidas. 
Na noite fizeraõ mais profundos , e mais largos os 
últimos ramaes , naõ ceifando com as bombas , e 
pei tenderão com cento e cincoenta Granadeiros re- 
conhecer o foííb , e a brecha j mas deita , e do rebe- 
lim os fizemos retirar fem coníèguirem a obíèrva- 
çaõ. Tmhaô os noíTos fácil communicaçaô com 
Elvas , e naquella noite recebeo o Conde da Ribei- 
ra quarenta bombas ardentes , que havia pedido , e 
como a brecha fe achava praticável , anticipada- 
mente havia diípofto a guarnição para fuftentar o 
aílàlto, com tanta vigilância, erefoluçaõ, que naõ 
deixava de prevenir os mais leves incidentes. Ao 
Sargento môr de Batalha D. JoaÕ Hogan encarre- 
gou o governo da brecha , que nella arMio conti- 
nuamente. O fegundo poílo para a defenía do af- 
falto , que era a cortina do lago , e o flanco do ba- 
luarte de Santa Cruz , entregou ao Brigadeiro Joaõ 
Maftè , e eftava deftinado para o Brigadeiro Tho- 
más da Sylva , que havendo obrado nefte íitio com 

tanta 



158 Hifloria Çenealogica 

tanta diftinçao , como capacidade , do muito tra- 
balho íê lhe originou huma grave doença , e pro- 
curando vencella , tinha cedido à repetição das ce- 
foens : aíMia ao Brigadeiro Maísê o Coronel da 
Cavallaria António Peílânha , que íêmpre fe achava 
nos lugares mais expoílos , e o acompanhava o Sar- 
gento mor da Artilharia Joaõ André Gazo. O 
terceiro pofto, que era o flanco, e baluarte chama- 
do Ficha Torta , íè deu ao Tenente Coronel André 
Ferreira da Coda com o Tenente Coronel da Ar- 
tilharia Patovillè com três peííà-s de baila miúda , 
aflèftada fobre aeftrada coberta, parte certa por on- 
de os inimigos haviaõ de paííàr para o aífàlto. To- 
da a mais guarnição eftava diftribuida em boa or- 
dem nos póílos, que íè lhe deftinarao, íèndo em to- 
dos igual o zelo , que a vigilância : pelo que he ju£ 
to fazermos memoria de trinta e cinco Clérigos da 
Praça , que íe encarregarão de guardar o baluarte 
de S. Sebafliaõ , o que executarão prompta , e vale- 
rofamente. O Governador da Praça EftevaÕ da 
Gama com exa&a obediência feguia as ordens do 
Conde da Ribeira , com mayor cuidado na gloria 
da defenfa, do que na perda de muita fazenda , que 
tinha fora da Villa 5 e ultimamente as bombas , e a 
artilharia lhe haviaõ totalmente arruinado humas 
cafas nobres , que havia pouco acabara de edificar. 
O Coronel Jofeph Homem de Magalhaens eftava 
gravemente enfermo , e os Coronéis Luiz Pereira 
de Sá , e Francifco de Macedo Pimentel; faziaô al- 
terna- 



da Cafa 7\eal Tortug. Liv. VIL 159 

ternativamente a ronda da muralha. Ao Tenente 
Coronel Jofeph da Sylva Paes deu o Conde a cor- 
tadura, que dirigio defde o feu principio, em que 
naõ ceifou hum inflame o trabalho, com admirarão 
dos mefmos Generaes inimigos. 

Era o mayor cuidado do Governador das Ar- 
mas Pedro Maícarenhas íbccorrer Campo-Mayor, 
e cobrir a Província de Alentejo ; porque fuppoílo 
fe engroíTava o noílb Campo das Alcaraviças com 
os Regimentos , que a largas marchas vieraõ das 
Províncias , e fendo tanta a ventagem dos inimigos, 
naõ puderaõ coníèguir no noíTb Paiz mais, que to- 
mamos algumas partidas , que fempre andarão fo- 
bre o feu Exercito ; mas Pedro Maícarenhas que- 
rendo darlhe hum pezar fenfivel , conferio a maté- 
ria com o Marquez das Minas , que eícolheo três 
Soldados, a quem deu hum bom premio, e indo 
até Truxillo tomarão o Correyo , que vinha de Ma- 
drid para o Exercito. Checarão os inimigos no dia 
21 de Outubro com fetecentos Cavallos a viíinhan- 
ça de Elvas, e achando ao Meftre de Campo Ge- 
neral Francifco Xavier de Távora fó com duzen- 
tos e cincoenta Cavallos , os carregou valeroíàmen- 
te, naõ cedendo, e alguns Officiaes, que oíêguiaõ, 
à defigualdade do numero , tendo voltado carrega- 
dos os poucos , que deixou para íbccorrello. Suc- 
cedeo nefte tempo eftar o Conde da Ericeira Dom 
Luiz de Menezes fazendo exercido ao feu Regi- 
mento, efabendo o General de Batalha Paulo Cae- 
tano 



i£o Hijloria (genealógica 

tano de Albuquerque o empenho , em que eftava 
a noííà Cavallaria , mandou marchar ao Conde da 
Ericeira , e fe formou no fim dos Olivaes , e vendo 
os inimigos a boa ordem , com que a noíía Infanta- 
ria os obfervava , fe retirarão deixando alguns pri- 
íloneiros , e fem mais perda , que hum Soldado nof 
íb y que ficou levemente ferido. 

Pelos aviíbs , que tinha Pedro Maícarenhns 
de Campo-Mayor , íabia o aperto da Praça, de que 
a guarnição eííava pelas doenças reduzida a mil e 
trezentos Soldados capazes de fervirem , e íuppof- 
to a cortadura íe achava acabada com hum foífo de 
dezoito pés de largo , e doze de alto , com huma 
eftacada muy forte , hum parapeito enterrado com 
huma Praça de armas capaz de fetecentos homens , 
no lado três peíías carregadas de baila miúda , e di- 
ante hum artificio de madeira para lançar as bom- 
bas do alto da brecha, feito porjoao André Gazo, 
e íêrem menos vigoroíàs as ultimas operações dos 
inimigos , que já cançados fe naõ aproveitarão da 
facilidade , com que íe poderiaõ cobrir do fogo, 
que os flanqueava , do rebelim , defenfas , e contra- 
batarias ; com tudo mais formidável era a conftan- 
cia invencível do Conde da Ribeira, com o valor, 
e uniaó dos Officiaes , que prometiaô fer glorioía a 
defenfà. 

Eftas noticias obrigarão ao Governador das 
Armas Pedro Mafcarenhas a chamar os Generaes a 
Coníêlho , em que os votos fs dividirão 5 porque 

huns 



daCafa^alTortug. Liv.VII. 161 

huns íe inclinarão , a que o foccorro de Campo- 
JVlayor ajuntando-fe aonoífo Exercito, fe déííe hu- 
ma batalha j porem a mayor parte dos Generaes 
foy de parecer , com o qual a Corte fe conformou , 
que íe lhe introduziííè terceiro foccorro , porque a 
vifmhança do Inverno, e poderíe também concluir 
o Tratado de Utrech , e o valor dos íitiados , pode- 
riaõ obrigar aos inimigos a retirarfe. No dia 25 de 
Outubro batiaõ os inimigos a brecha com quatorze 
canhoens , que íe empregavaõ no rebelim , e corti- 
na do lago. Succedeo na Praça rebentar huma pe- 
ça de pequeno calibre , que matou hum Tenente 
de Cavallos , hum Alferes de Infantaria , e três Sol- 
dados. No mefmo dia obfervou o Conde da Ri- 
beira , que em lugar de féis bandeiras , que havia 
na guarda das trincheiras , entravaõ quinze , e era 
muy numeroíò o corpo dos Granadeiros , e que no 
Campo dos inimigos íe faziaõ alguns ílnaes com fo- 
guetes, eentendeo, que brevemente devia efperar o 
aJIalto. E como era dotado de hum grande efpiri- 
to , e naõ duvidando de efperar o aíTalto , naõ poz 
emConfelho íèohaviaõ defuftentar, ainda que fa- 
bia , que todos concordariaõ em defender a brecha. 
Mandou às nove horas da noite ao Brigadeiro Joaô 
Mafsè , que fizeífe partir huma grande quantidade 
de lenha , mifturandolhe faxinas alcatroadas , e a fí- 
zeíTe lançar ao pé da brecha , e dando-felhe fogo , a 
grande labareda , que fahia , feeílava cevando fem- 
pre em madeira , íervindo a luz de defcobrir , e em- 
Tom.VIII- X baia- 



ZÚ2 Hijlcria Çcnealogica 

baraçar o primeiro intento dos inimigos , e offen- 
dendo a artilharia da Praça as fuás batarias. No 
dia feguinte procurarão os inimigos com o mayor 
vigor das batarias facilitar a brecha para o aíTàlto , 
que haviaõ premeditado j e aííim foy grande o ef- 
forço , com que trabalhavaõ , íèndo innumeraveis 
as pedras , que lançavaõ com os morteiros íòhre a 
cortadura , e rebelim , e disfarçando o intento por 
naõ meterem mais guarda , que com cinco bandei- 
ras. Porém os fitiados , que íe naõ deícuidavaõ , 
lançarão mais cincoenta carros de lenha ao pé da 
brecha , e defcobriraÕ , que na entrada da noite fe 
augmentava a guarnição das meímas trincheiras , e 
às oito horas avançarão trinta e duas Companhias 
de Granadeiros até a explanada entre a brecha , e 
o rebelim , occupando-fe toda a noite em formar 
os Corpos deftinados para o aíTalto entre a eílrada 
coberta , e as fuás trincheiras , obrigando a retirar 
as pequenas guardas do feu podo , querendo-o oc- 
cupar com huma Companhia de Granadeiros. O 
Capitão Jofeph Corrêa Freire do Regimento de 
Eftremoz recebeo huma carga dos inimigos , e dan- 
do outra íê retirou , conforme a ordem , que tinha, 
e quatro vezes, com numero taô defigual , tornou a 
occupar o feu lugar , e fendo às três horas da ma- 
drugada defalojado , teve ordem do Conde da K i- 
heira para ir governar o rebeiim da porta de S. Pe- 
dro. No rebelim do lago eílava o Capitão Bento 
Pereira de Caftro , aonde ouvia de mais perto o ru- 
mor 



da Ca/a 'Real Tortug. Liv. VIL 16$ 

mor dos inimigos , e com bom effèito lhe fazia hum 
grande fogo com os cento e vinte Infantes da lua 
guarnição , e igualmente o recebia : a eílrada co- 
berta eliava toda raza , e naõ havia mais contraef- 
carpa , que o pequeno muro de pedra enfoíía com 
quatro pés de altura : o fogo , que ardia ao pé da 
brecha, ainda que confervava grande brazido, naõ 
levantava muito a labareda por ter algumas vezes 
chovido naquella noite. O Conde da Ribeira com 
acordo admirável , íêm deícançar , acodia a toda a 
parte > prevenindo tudo quanto era neceíTario para 
taÕ grande occaíiaõ. 

O Governador das Armas Pedro Mafcarenhas 
cuidadoíb no modo de íbecorrer a Praça , havia 
mandado ao Meftre de Campo General D. Braz 
da Sylveira , que governava o Campo deVilla-Vi- 
çofa , que mandaílè marchar três Companhias de 
Granadeiros , e quinhentos Infantes efeolhidos para 
junto de Elvas , e que alli achariaõ novas ordens. 
Efta foy huma das principaes razoens , porque Pe- 
dro Mafcarenhas naõ ajuntou o Exercito em Elvas, 
para que a vifinhança do inimigo naõ defcobriííè ef 
te movimento. Para governar eíle Corpo eíèolheo 
ao Conde da Ericeira D. Luiz de Menezes , Coro- 
nel do Regimento de Serpa , que eftava em Elvas, 
e ao General de Batalha Paulo Caetano de Albu- 
querque , que do feu valor , e capacidade havia 
muy pouco , que na guerra de Catalunha obrara 
acções taõ ílngulares , que lhe adquirirão univerfal 
Tom. VIII. X ii repu- 



164 Hl floria Çenealogica 

reputação , e agora foy efcolhido para mandar to- 
do o íbccorro. No mefmo dia 26 , que a Praça ef- 
tava ameaçada , e no mayor perigo , fahio de Elvas 
o Conde da Ericeira, e huma legoa diítante encon- 
trou o derlacamento de íeiícentos e cincoenta ho- 
mens , que marchara de Villa-Viçofa , governado 
pelo Tenente Coronel Manoel Ribeiro Malafaya, 
com o Tenente Coronel António Henriques, Aju- 
dante de Campo do General Pedro Mafcarenhas , 
o Sargento mayor Álvaro Joíèph Serpa e oottoma- 
yor do Regimento de Lisboa de Pedro Alvares Ca- 
bral , António da Sylva Furtado , Sargento mayor 
do Regimento da Beira de Francifco de Azevedo, 
e outros Oífíciaes. Marchou o Conde com efte 
derlacamento , e o fez defcançar até que chegaíTè 
o General de Batalha Paulo Caetano , que fahio de 
Eiva? com vinte Cavallos com dous Tenentes, 
vinte Mineiros , e trinta Artilheiros , e por volun- 
tários Luiz Joíèph de Vafconcellos , que havia fi- 
do Coronel de Infantaria , Bernardo Pereira de La- 
cerda ; Capitão de Cavallos entretido , Dom Pedro 
de Mello , Capitão do Regimento de Francifco de 
Macedo , António Henriques , irmaõ , e Ajudante 
de Campo de Paulo Caetano , e Jofeph de Faria 
Travados , Capitão entretido do Regimento do 
Conde da Ericeira. 

Paííàdo o rio Caya formarão hum batalhão 
quadrado com praça vazia , e os vinte e cinco Ca- 
vallos nos lados , e antes das quatro horas da ma- 
druga- 



da Cafi \Rgal Tortug. Lh. VIL l6$ 

drupjada do dia vinte e fete íè acharão hum quarto 
de legoa de Campo-Mayor , havendo enganado a 
primeira fentinella, dizencolhe íèr íbccorro manda- 
do de Badajoz; porém naõ querendo afegunda dei- 
xallos paliar , cepois de tocar arma, o matarão , e 
com grande promptidaõ fe acharão atacados por 
mais de quatrocentos Cavallos das guardas , e pi- 
quetes dos inimigos, que lempre fe hiaõ engroíTan- 
do , porque já eftava a Cavallaria montada para íuf- 
tentar o aílàlto. Porém osnoííos fazendo alto, ex- 
pedirão grande fogo por pelotoens, com que os ini- 
migos íè retirarão , tendo chegado a pôr as efpa- 
das fobre as bayonetas , e peleijando a pé o Gene- 
ral Paulo Caetano , e o Coronel Conde da Ericei- 
ra , com tanto acordo , como valor , que os mais 
Officiaes imitavaõ bizarramente. Continuando a 
marcha , e tocando já à Portugueza os Granadei- 
ros , per onde os da Praça fouberaõ lhe chegava 
foccorro , que naõ efperavaÕ , foraõ fegunda vez 
atacados pela efquerda , e retaguarda com muito 
mayor numero de Cavallaria: porém osnoflòs re- 
petindo o mefmo movimento, íe foraõ íêmpre adi- 
antando com excellente ordem , até que chegarão 
à porta fal/â entre o baluarte de S. Franciíco, e Boa- 
vifta , íèm mais perda , que de oito Soldados. Ca- 
hindo no batalhão cinco bombas , que era o final 
do aíTdlto , correrão os dous Cfficiaes a buícar o 
Conde da Ribeira por quem fouberaõ, que a bre- 
cha fw atacava , e pedindolhe lhes mandaííe enfinar 

o ca* 



i66 Hiftoria Çenealogíca 

o caminho , foraõ hoípedados na brecha , ordenan- 
do aos Tenentes Coronéis , que formaílem o defta- 
camento, que começava a entrar nas ruas, para que 
pudeííem fuftentar os que defendiaó a brecha , fe os 
inimigos entraílem. Eíle foy hum dos principaes 
motivos , que os inimigos publicarão ter para le- 
vantar o fitio , e a felicidade , e valor daquelle Cor- 
po entrar peleijando por entre oito mil Cavallos , 
e dez mil Infantes , acçaõ taõ íingular , que íe naô 
lem muitos exemplos femelhantes na Hiíloria. 

Na mefma manhãa do dia 27 às cinco horas 
fe ouvio o final de três peílàs , e das cinco bombas 
já referidas , e tendo promptas trinta e duas Com- 
panhias de Granadeiros , e dezaíèis batalhoens , o 
Regimento de Cayluz defmontado, e hum Corpo 
de Officiaes entretidos reformados , e voluntários , 
ePcavaõ deitados no chão fobre a explanada , e le- 
vantando-íe com grande Ímpeto , e ruido , correrão 
a bufcar a brecha : mandava efta acçaõ o Meftre 
de Campo General D. Pedro de Zuniga , irmaõ do 
Duque de Bejar , a quem depois fuccedeo na Caía. 
Aos Officiaes voluntários feguiaõ oito Companhias 
de Granadeiros efcolhidos , e paílàndo a eílrada co- 
berta , defceraõ à contraefcarpa do foíío íecco com 
quarenta efcadas , e atraveífando o mefmo foflb che* 
garaõ à brecha; mas como a lenha , que ardia, lhe 
embaraçava montalla de frente , intentarão à desfila- 
da o ataque pelos lados. Quarenta e tantos Offi- 
ciaes , e Granadeiros , confèguiraó fobir até o alto 

da 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL lój 

da brecha ; porém o Capitão de Granadeiros Jero- 
nymo Rebello do Regimento do Porto com qua- 
renta Soldados, com quem eftava , os precipitou íb- 
bre o fogo , e outros com morte ditTerente acabarão 
na agua do foflb : os Corpos, que haviaÕ de íuften- 
tar , os que aííaltavaõ , íòíxeraõ pelo flanco a mof- 
quetaria do rebelim de S. Pedro com toda a artilha- 
ria da Praça , que eftava apontada contra a expla- 
nada da parte da brecha : as granadas , que lança- 
vaõ os Granadeiros de Jeronymo Rebello , e as 
bombas groílas do novo artifício multiplicavam os 
peiigos aos expugnadores , e a eíperança dos íitiados 
no bom fucceílb da fua defenía. O íègundo Cor- 
po dos inimigos , que havia de fuftentar o primei, 
ro , naõ podendo avançarfe , atirava à eílrada co- 
berta , e rebelim do lago , e fendo muita a gente , 
que perdiaõ nofoílb, feviraõ obrigados a deíãmpa- 
rallo, íem que os íeus Officiaes com o exemplo, e 
com as vozes , nem ainda com os ameaços , dos que 
eftavaõ na eílrada coberta , pudeíTem obrigallos a que 
naõ deíamparaílem o poílo. Nefte tempo chegou à 
brecha o General de Batalha Paulo Caetano , e o 
Coronel Conde da Ericeira, e eftiverao expoílos ao 
fogo nas duas acções fucceííivas , ajudando com o 
feu valor a felicidade do fucceííb $ e proteftandolhe 
D.Joaõ Hogan o perigo, naõ eftando alli o Cor- 
po, que elles mandavaõ , o qual havendo-fe forma- 
do muy perto , fempre eftavaõ promptos para pu- 
xar, por elle quando o pediífe a occafiaõ 3 affim to- 
do 



1 6 8 Hifloria Çenealogica 

do o tempo , que depois durou o íitio , aíMiao na 
meíma brecha continuamente tomando o dia o Ge- 
neral de Batalha. Os inimigos de novo animados , 
intentarão fegundo afoito , e desfilando quafi o 
mefmo numero , que na primeira vez , chegarão a 
montar a brecha , e do alto lançarão granadas con- 
tra os defeníòres ; porém D. Joaõ Hogan taõ va« 
leroíò , como prompto , acodio muito a tempo pe- 
los pelotoens das quatorze Companhias , que tinha 
promptas , ajudado de Paulo Caetano , e do Con- 
de da Ericeira , dos Tenentes Coronéis António 
Serrão Diniz , que eftava de dia , Simaô dos San- 
tos , Jofeph Caetano de Meirelles , e do Sargento 
mayor Pantaleaõ de Oliveira e Soufa , dos Capi- 
taens de Granadeiros Francifco Rebello do Regi- 
mento de Francifco de Macedo , que naõ ío no af- 
íalto, mas em todo o fitio procedeo com inexplicá- 
vel valor , Jeronymo Rebello , e outros ; e come- 
çando a fazer fogo , principalmente os quarenta Gra- 
nadeiros , quafi a peito defcoberto , porque naõ ti- 
nhaõ para cobriríe mais, que huma pequena por- 
ção de parapeito diante da cortadura , e lançando 
granadas , e bombas , matarão os que fobiraõ , con- 
tinuando a artilharia , e mofquetaria das defenfas 
com promptidaõ a atirar ao foííb, e a brecha. Ain- 
da os inimigos fe animarão terceira vez ao afoito, 
mas naõ paforaõ do meyo da brecha , onde cahiraõ 
quafi todos mortos , e feridos. Havia durado hora 
e meya eíla vigorofa acçaõ , e era já o dia muito 

claro, 



da Cajá %eal Tortug. Liv. VIL 1 6 9 

claro , e tinhaõ fofrido os inimigos cincoenta tiros 
de artilharia de baila miúda , e todas as mais opera- 
ções referidas : nos defenfores fe admirava naõ fó 
o valor , mas a ordem , e filencio , com que pelei- 
javaõ , de forte , que os que eftavaÕ mais diftantes 
le perfuadiaõ , que naquelle lugar naõ havia com- 
bate : os noíiòs Granadeiros da cortadura impaci- 
entes para acabar de defanimar os inimigos , fem 
ordem dos Orficiaes, faltando à desfilada as banque- 
tas , e parapeitos , íe formarão no alto da brecha , 
dando furiofas cargas contra os que eílavaõ no foí- 
fo , eftrada coberta , e explanada , íèm que os dous 
Generaes , e o Coronel Conde da Ericeira , pudef- 
lèm obrigallos , a que voltaííem ao feu pofto : pelo 
que aproveitando-íe entaõ daquelle ardor , lhe n*ze- 
raõ repetir as cargas com mais ordem , e com ellas 
obrigarão aos inimigos a retirarfe de todo para as 
fuás trincheiras , e outros para o Campo. 

Foy fmguíar o goflo dos defenfores verem 
mais de três mil homens efcolhidos voltar com 
tanta preíTa de huma acçaõ , em que entrarão com 
tanto brio , e valor , naõ podendo fazellos formar 
cutra vez os efjuadroe-^s de Cavallaria , que eítavaõ 
ros flancos para eíle eíFeito. Succedeo nefte tem- 
po fegunda , mas valerofa defordem ; porque dos 
noíiòs Granadeiros íâhiraõ mais de cincoenta , dos 
que defendia õ a brecha , e defcendo por ella defpo- 
jaraõ os mortos no foflo , confervando-íè os Offi- 
ciaes, e Soldados expoílos no alto da brecha àsba- 
Tom. VIII. Y tarias 



170 HíHoria (genealógica 

tarias dos inimigos , que começarão a jogar para 
favorecer a retirada , tendo parado em quanto du- 
rou o aííalto. O Conde da Ribeira com igual va- 
lor , e focego , acodia às partes mais perigofas , e 
para o fazer com mayor utilidade , defde o princi- 
pio doconfl&o, efeolheo hum lugar donde de per- 
to pudeííè ver a execução das fuás ordens , e ebíer- 
vaíle os inimigos fe faziao algum ataque falio com 
eícadas , que fabia lhe chegarão de Badajoz : porém 
vendo o naõ intentavaõ , fez marchar as duas refer- 
vas dos Regimentos de Eítremoz , e Algarve , que 
guarneciaò os baluartes de S. Sebaftiaõ , e Lisboa , 
mandando-as formar nas ruas mais viíinhas ao balu- 
arte atacado, aonde efperaííèm as ordens do General 
de Batalha D.JoaÕ Hogan, e na mefma forma ef- 
peravaõ os fetecentos homens do novo foccorro; 
rnas os defeníbres da brecha os deixarão fem exer- 
cido. He para reparar a defigualdade da perda de 
huma , e outra parte , porque nos fitiados eftando 
defcobettos , e a guarnição do rebelim do lago mon- 
tada fobre os parapeitos , naõ houve entre todos 
mais , que quatro mortos , e outros tantos feridos, 
e dos ex puxadores fe affirma , que entre mortos , e 
feridos perderão cem GfTiciaes , e mais de fetecen- 
tos Soldados. Finalmente ceílbu o fogo depois de 
fete horas de combate , e tocando hum Tambor dos 
inimigos à chamada da fàa trincheira , o Conde da 
Ribeira o mandou ouvir por bum Official , e lhe 
diíFe: que o Tenente General D, Pedro de Zuni- 

g a > 



da Cafa l^eal Tortug. Liv. VIL 171 

ga , que governava os ataques , pedÍ3 ao Conde 
hum a ceíTaõ de armas para enterrar os mortos , e 
acodir aos feridos, que nofoflb, e eftrada coberta 
eftavaõ agonizando huns , e outros pedindo confif- 
íaõ : permittio o Conde , que hum Official entrai 
fe pela porta falfa , e dandolhe o mefmo recado , 
refpondeo com acordo , e piedade , que concederia 
a tregoa fó com a condição , de que os íeus Grana- 
deiros naõ haviaõ de fahir da Tua trincheira , aonde 
os da Praça levariaÕ os feridos , e mortos ; e aceita 
a condição , mandou hum deftacamento de oitenta 
Granadeiros , que com muita piedade conduzio oi- 
tenta e íeis mortos , e feridos , que os inimigos naõ 
puderaÔ retirar , e que naõ cahiraõ no fofíò junto à 
brecha , nem no lago do foílb , e os noílbs recolhe- 
rão ao mefmo tempo para a Praça muitas armas, 
e outros defpojos , e trinta e féis efcadas , e du- 
rou a fufpenfaõ de armas até o meyo dia. Antes 
da huma hora começou de huma , e outra parte a 
laborar a artilharia ; a dos inimigos com mais vingan- 
ça , do que ordem militar , porque deixando a bre- 
cha íe encaminhava contra os moradores , e cafas 
da Villa , naõ ficando ifenta a Igreja de S. Joaõ, 
de que efcandalizado juílamente o Conde da Ribei- 
ra , fez dirigir as balias da fua artilharia às tendas do 
Quartel da Corte , que caufou baftante eftrago nas 
barracas. Naõ jogarão os inimigos no dia 28 mais, 
que onze peças , e três morteiros com granadas 
Reaes, porém tudo com grande intervallo j a mofc 
Tom. VIII. Tii queta- 



172 Hiftoria Genealógica 

quetaria naõ ceííàva , mas o Conde da Ribeira 
nem por iíío diminuio o cuidado, e vigilância , por- 
que mandou renovar a lenha ao pé da brecha , e 
que fe continuuíTe nos dias fucceííívos , padecendo 
já huma cefaõ, que lhe repetio, originada do tra- 
balho de taõ largo íitio : na noite ceíTaraô os ca- 
nhoens , e os morteiros , que flzeraõ retirar os ini- 
migos com os mais inftri mentos de expugnaçaõ , e 
ao ruido das fuás carruagens encaminhavaõ os nof- 
fos com acerto os tiros. No outro dia flzeraõ mar- 
char a artilharia groíTa para a efyuerda doíèu Cam- 
po , tomando o caminho de Badajoz , confervando 
até entaõ as guardas nas trincheiras , que às onze 
horas defampararaÕ , recolhendo-íè a guarnição pa- 
ra o Campo , e retirando-fe as guardas da Cavalla- 
ria , foraô as tendas , e a bagagem o emprego de 
quatro canhoens , que eítavaõ apontados para o 
Campo , e para o caminho. 

Ao tempo , que os inimigos tratarão de con- 
duzir as munições para Badajoz , entrarão em Cam- 
po- May or trinta deíèrtores , que concordarão , que 
os inimigos perderão no íitio entre mortos , e feri- 
dos mais de dous mil homens. Eli a taõ glorioíâ 
noticia participou logo o Conde da Ribeira ao Go- 
vernador das Armas Pedro Maícarenhas , que a 
mandou a Corte pelo feu Ajudante de Campo o 
Sarmento môr.Toaõ de Roxas de Azevedo. A 2 de 
Novembro levantou o Marquez de Eay o íítio , e 
foy acampar à Godinha, pouco mais de meya le- 
go» 



da Cafa "Red Tortug. Lh. VIL 173 

goa da Praça no fitio chamado Azinhal , com o rio 
Caya pela frente , e paliando moítra ao feu Exerci» 
to , achou huma grande diminuição na gente , que 
perdera no fitio. Pedro Maícarenhas no mefmo 
dia com os mais Generaes fahio de Elvas para Vil- 
la-Viçofa , unindo as Tropas, e reforçando as guar- 
nições até o Tejo no cafo , que os inimigos in- 
tentaííem alguma entrada. Porém o Marquez de 
Bay em poucos dias dividio as fuás Tropas pelos 
Quartéis de Inverno. O Conde da Ribeira paífou 
moflra à fua guarnição, e achou nao faltar mais, 
que hum Tenente, dous Alferes, hum Sargento, 
eíêtenta Soldados monos, e dous Capitaem, hum 
Tenente , dous Sargentos , e fetenta e dous Sol- 
dados fc iJos , hum Alferes, e vinte e oito Soldados 
prin\>nei.'os , que todos faziaô o numero de cento 
e oitenta e hum , nao contando trinta paizanos fe- 
ridos , ou m nos , dezoito prifioneiros , que o Mar- 
quez de Bay mandou nos dias íeguintes para Cam- 
po- Mayor , e achou promptos duzentos e oitenta 
e oito Officiaes , dous mil e cento e quarenta e hum 
Soldados , em que naô entrao quarenta e oito dos 
prifioneiros , e trezentos e dezafeis dos fegundos r 
que eílavaõ doentes. 

O Conde da Ribeira , que com admirável 
actividade attendia a tudo, fez, que a guarnição da 
Praça nao de&ançafíè fem que alimpaííe , ereparaf» 
fe a brecha, demolindo as linhas dos inimigos, para 
o que vieraõ feifcentos pdzancs de Albuquerque. 

No 



174 Hiftoria Çcnenlõgka 

No dia oito entrou na Praça o Governador das Ar- 
mas Pedro Mafcarenhas , e os mais Generaes , Bri- 
gadeiros , e Coronéis , a congratular ao Conde pela 
vitoria : Pedro Mafcarenhas lhe agradeceo a admi- 
rável defenfa , que fizera , e o Conde reveftido de 
modeília , confeífou , que devera à fua direcção , 
e à promptidaô dos foccorros , a melhor parte da 
Íii3 gloria. Recebeo o Conde licença para fe reco- 
lher a Lisboa para convalecer da moleília , que o 
trabalho lhe caufara , e chegando a Corte coníèguio 
univerfal applauíb, bem merecido pelo valor, e dif- 
poílçaõ, com que fofreo hum fitio, que durou trin- 
ta e fete dias , vinte e oito de trincheira aberta , 
quinze de batarias , e dezafeis de bombas , em que 
atirarão à Praça dez mil oitocentas e fetenta bailas 
de artilharia , mil trezentas e nove bombas , tre- 
zentos e cincoenta tiros de morteiros com pedras, 
hum grande numero de granadas , e inceííàntes car- 
das de mofquetaria , rebatido três afíàltos vigorofif 
fimos , em que os inimigos entrarão já naõ fó co- 
oio valeroíbs , mas fentidos no brio. O Governo 
da Praça ficou entregue ao General de Batalha Pau- 
lo Caetano de Albuquerque com tr^s Regimentos, 
Cjue vieraÕ render a outra guarnição, tirando o Re- 
gimento de Luiz Pereira de Sá 5 e íuhio o Conde 
da Ericeira com quinze Companhias de Granadei- 
ros , três Regimentos de Infantaria , a Cavallaria, e 
:s mais deftacamentos , que eítavaõ na Praça , que 
e reítituiraô aos feus Quartéis , e Províncias. 

Eíla 



da Cafa %ed Tortug. Liv.VIl. 175 

Ella glorioía defenía nos pareceo eícrever com 
tanta individuação , aproveitandonos da Relação 
Diária , que encaõ fe imprimio , efcrita pela exac- 
çaõ de huma penna taõ erudita, como verdadeira ; o Con^e da Ericeira 
porque efte fiúo foy taõ difputado, como temos ^£^; 
referido , e cem tantas circunftancias , que o rize- Campanha de 171*, 
raõ famoíb , poríèr hum dos celebres, que fe Ic na ím P reíraem, 7 I * 
Hiíloria , em que os Generaes , Officiaes , e Solda- 
dos , obrarão naõ íb milagres de valor, mas íè ad- 
mirou a reciproca uniaõ , em que fe mantiveraõ , 
trabalhando todos pela reputação própria , que foy 
hum dos principaes motivos para triunfarem de 
hum Exercito poderofo, com Generaes , e Officiaes 
experimentados , que com difeiplina , e valor , me- 
tiaõ os (eus ao fogo , incitando-os com o exemplo, 
e com as pela ras. 

Aos dtfeníbres honrou EIRey com admirá- 
vel equidade mandando hum Decreto ao Confelho 
de Guerra para que os Officiaes foíTèm confultados 
com preferencia aos mais nos portos , a que eílivefc 
íem a caber , e ordenando fe diftribuiííè quantidade 
de dinheiro por todos os Soldados , que defenderão 
a brecha. Ao Conde da Ribeira elereveo huma 
Carta firmada da fua Real maõ , com honrofas ex- 
preííòens, em que lhe mandava agradeceílè aos mais 
Officiaes da fua parte o bem , que tinhaõ procedi- 
do ; e outras Cartas femelhantes efereveo também 
EIRey aos dons Generaes de Batalha , aos três Bri- 
gadeiros , ao Conde da Ericeira 5 e aos três Coro- 
néis , 



ljó Hi flor ia (jenealogica 

neis, que íê acharão no fi tio 5 e o havia feito com 
grande diftinçaõ ao Governador das Armas Pedro 
Maícarenhas pelo acerto , e difpofiçaõ , com que 
obrara em toda a Campanha $ e juntamente lhe fez 
mercê de huma Commenda groíla , e outra ao Con- 
de da Ribeira , fem que elles lhas pediíTem. O Se- 
reniílimo Infante D. Francifco para moílrar a fatiC- 
façaõ, com que eftimava aos que bem ferviaõ aEl- 
Rey íeu irmaô , efcreveo huma Carta muyto hon- 
rofa ao Conde da Ribeira , dandolhe a Alcaidaria 
mor da Amieira do Priorado do Crato , de groílb 
rendimento. A Thomás da Sylva Telles deu El- 
Rey o pofto de General de Batalha , a D. Joaõ Ho- 
gan o foldo dobrado em quanto viveífè , e o habi- 
to de Chnfto com huma groíla tença , ao Conde 
da Ericeira fez Brigadeiro da Infantaria , a Joaõ 
Maísè , a quem havia pouco defpachara , mandou 
dar huma joya, outra ao Tenente Coronel Patovil- 
íe , que também havia pouco tinha accrefcentadoj 
a André Ferreira da Coita a Patente de Coronel , e 
logo hum Regimento na Beira 5 aos Tenentes Co- 
íoneis Joíèph da Sylva Paes, António Serrão Di- 
niz , Joíèph Caetano de Meirelles , e Simaõ dos San- 
tos, Patentes de Coronéis ; aos Sargentos mores 
Pantaleaó de Oliveira e Souía , e António da Coita 
Efcudeiro , Patentes de Tenentes Coronéis ; aos 
Capitaens Jofeph Corrêa Freire , Francifco Rebel- 
lo , e Jeronymo Rebello as de Sargentos mores , 
confervando as fuás Companhias de Granadeiros ; 

ao 



da Cafa %eal Tortttg. Liv. VIL 177 

no Tenente de Granadeiros Manoel Rodrigues de 
Carvalho do Regimento da Corte de Ignacio Xa- 
vier fez Capitão de Infantaria , e a Agoltinho ca 
Cunha de Sottomayor , que tinha efte pofto , e o 
exercício de Ajudante do Campo do Conde da Ri- 
beira , fez Capitão de Cavallos ; ao Capitão de In- 
fantaria Bento Pereira de Caítro , Tenente Coro- 
nel , e ao Sargento mor da Artilharia Joaõ André 
Gazo deu a mefma Patente com o habito deChrif- 
to, ehuma tença, de forte, que todos ficarão pre- 
miados logo , e outros depois : ao General Paulo 
Caetano de Albuquerque nomeou Governador da 
Praça de Elvas. Ao Meítre de Campo General D. 
Joaõ Manoel de Noronha tinha EIRey nomeado 
Governador , e Capitão General do Reyno de An- 
gola para onde partio , e pondo as Praças , e Cof- 
tas daquelle Reyno em defenfa , com ventagens, 
que alcançou dos vifinhos , moftrou em tudo a fua 
prudência , e definte eíle. Aos moradores da Vil- 
la de Campo-Mayor fez EIRey mercê de os aliviar 
dos tributos da decima , e ciza dobrada por hum 
anno , fazendo reparar as ruinas , e Igreja de S. Joaõ 
Bautifta , a quem deu huma alampada de grande 
preço ; ao Santo fez o mefmo Infante outra gene- 
rofa orTèrta. 

Em tudo eraõ proíperos os fucceíTbs , porque 

a oito de Outubro do referido anno de 1712 ceííòu 

hum dos grandes cuidados , que tinhaõ os povos , 

e o commercio da Praça de Lisboa , começando a 

Tom.VHI. Z entrar 



178 Hijloria Çenealogica 

i ettres Hiftoriq. Moh entrar a Frota do Braíll , que íè defencontrou da 

de Lecar.br e 171 
tem. 42. ^.703, 



z > Efquadra Ingleza , que fora eíperalla para a com 



boyar , governada pelo Almirante Buker, que an- 
dou cruzando alguns mezes na altura das Ilhas dos 
Açores íèm a encontrar. Compunha-fe a Frota de 
íetenta navios , comboyados por alguns de guerra 
da Coroa , e da Junta do Commercio , eftimados 
em cincoenta milhoens de cruzados ; e fendo huma 
das mais ricas Frotas, que vieraõ daquelle Eítado, 
chegou felizmente a Lisboa , depois de haver livra- 
do de huma furiofa tormenta , e das Efquadras ini- 
migas , que a efperavaõ ; e fobre a importância da 
grande riqueza, confirmou as novas do focego } em 
que flcavaõ os povos da Bahia , que por hum no- 
vo tributo, que fe lhe puzera , com menos direc- 
ção le haviaô alterado , e já ficavaõ focegados pe- 
la boa difpofiçaõ de Pedro de Vafconcellos , Go- 
vernador , e Capitão General do Eftado do Brafil , 
para o que contribuio muito D. Lourenço de Al- 
mada , que havia acabado do governo do Ileyno 
de Angola com igual aceitação , e veyo para o 
K eyno na mefma Frota ; e que também a Capita- 
nia de Pernambuco ficava focegada das defordens, 
que tinhaõ fuccedido , pela aclividade de Félix Jo- 
íeph Machado e Cafíro feu Governador ; e fe ti- 
nhaõ no Rio de Janeiro igualmente reparado os 
damnos padecidos na invafao dos Francezes , com 
os foccorros neceíTarios para a fegurança daquella 
Capitania. 

Nefte 



ia Caf* "Real Tortng. Liv t VIL iy<? 

Nefte mefmo mez foy ainda mais geral o 
contentamento de todo o íleyno pela felicidade 
dofêgundo parto da Rainha, que a 19 do mefmo 
mez de Outubro deu a luz o Príncipe D. Pedro, 
fendo o feu nafcimento applaudido com extraordi- 
nárias demonftrações de gollo 5 porque a fecundida- 
de da Rainha enchia aos feus Vaílàllos de huma 
natural confiança de terem repetidos fiadores à Co- 
rça , pois dentro do circulo de hum anno havia da- 
do a Portugal dous Príncipes. E para que foílè ain- 
da mayor a fatisfaçaõ nos povos, fe acordou a 7 
de Novembro do referido anno de 17 12 em Utrech 
huma tregoa entre a noílà Coroa , a de França , e 
Hefpanha. Com efta fufpenfaô ceííàraõ as hoftili- 
dades de huma, e outra parte, e fendo ajuflado por 
quatro mezes , depois fe prorogou o tempo no pri- 
meiro de Março do feguinte anno de 171 3 , e du- 
rou até a conclufaõ da paz. 

No feguinte anno de 171 3 no mez de Janeiro 
paliou EIRey com a Rainha, e Infantes, acompa- 
nhados de muitos Grandes do Reyno , e Officiaes 
da fua Cafa , para a Villa de Salvaterra para fe di- 
vertirem com a caça , de que aquelle íitio he abun- 
dantiílimo , e depois de terem logrado por muitos 
dias do divertimento naõ fó da caça groíla , mas 
também da outra , determinarão ir à Villa de San- 
tarém, que diria de Salvaterra quatro legoas, a ado- 
rar o Santo Milagre, e algumas Imagens, que de 
tempos antigos fe veneraõ naquella Villa com gran- 
Tom.VIII. Z ii de 



i 8c Hijloria Çenealogtca 

de devoção. He a Villa de Santarém huma das 
primeiras do Reyno, e como tal tem nas Cortes lu- 
gar os íèus Procuradores no primeiro banco , a qual 
EIRey quiz agora honrar de novo, como já o ha- 
viaõ feito em outras occafioens os Reys íeus pre- 
dccelTures. Para o que determinou foííè a Tua en- 
trada publica, e com effeito no dia 30 de Janeiro 
entrou neíla Villa com toda aquella formalidade 
coftumada dos antigos Reys em femelhantes occa- 
fioens. Sahio EIRey de Salvaterra, e foy dormir 
a Muja , caía de campo do Duque de Cadaval , e 
no outro dia entrou em Santarém, fendo levado de 
rédea por D. Fr. Lopo de Almeida , Commenda- 
dor de Malta , na auf-ncia do Conde de Aííúmar 
feu irmaõ, Alcaide mor deita Villa, que eftava por 
Embaixador Extraordinário na Corte deBarcellona, 
a quem tocava eíla função. Levarão os Verea- 
dores da Camera da Villa as varas do Palio: EIRey 
montado em hum foberbo cavallo hia taõ bizarro, 
que os a lornos eroõ inferiores a gentil figura da fua 
Real peííoa ; o Conde de Vianna Eílribeiro mor 
hia detraz a cavallo , como íe pratica em femelhan- 
tes occafioens. Entrou EIRey pela porta de Man- 
cos, onde o efperava o Magiítrado , Clero, Reli- 
gioens , e o Militar da Villa , fendo precedido dos 
trombetas , timbales , e aboazes , montados a caval- 
lo , a que fe íeguiao os Porteiros das Canas com 
Maças , Reys de Armas, Arautos, e Pa ííà vantes a 
pé , Juíliças da Villa , e a eit.es o Corregedor do 

d ime 



da Cafa %eal Tcrtug. Liv. VIL I 8 I 

Crime da Corte, e Caía , o Porteiro daCamera, 
os Fidalgos , Criados , e Grandes, todos a pé. 

Os que entaõ fe acharão acompanhando as 
Mageftades , foraõ os feguintes : o Duque de Ca- 
daval , íêus filhos o Duque D.Jayme , e D. Rodri- 
go de Mello, o Marquez de Alegrete Fernão Tel« 
les , Gentil-homem daCamera delRey, o Marquez 
das Minas , Eítribeiro mòr da Rainha , feu filho o 
Marquez D. Joaõ de Souía , o Marquez de Niza 
D. Vaíco da Gama , o Marquez de Marialva D. 
Pedro António de Menezes, Gentil-homem da Ca- 
mera delRey, o Conde de Vianna , feu Eítribeiro 
mòr, o Conde de Vai de Reys Nuno deMendo- 
ça , o Conde de Villar-Mayor Manoel Telles da 
Sylva , o Conde da Ericeira D. Francifco Xavier 
de Menezes , e feu filho o Conde D. Luiz de Me- 
nezes , o Conde de Villa- Verde D. Pedro António 
de Noronha , o Conde de Monfanto D. Manoel de 
Cafl.ro , o Conde de Unhaõ Rodrigo Xavier Tel- 
les , o Conde de Santiago Aleixo de Souía da Syl- 
va , Apofentador mor, o Conde de Villa-Nova D. 
Pedro de Lencaílre , o Conde das Galveas Antó- 
nio de Mello de Callro , o Conde de S. Lourenço 
Marti m António de Mello , o Conde de Penaguião 
Joachim de Sá, oVifconde de Villa-Nova da Cer- 
veira D. Thomás de Lima , o Conde de Pombeiro 
D. Pedro de Cailellobranco , Capitão da Guarda , 
o Conde de Sarzedas D. Rodrigo da Sylveira , o 
Conde de Villa-Flor Martinho de Souía de Mene- 
zes, 



182 Hijloria Çenealogica 

zes, o Conde de Coculim D. Filippe Mafcarenhas, 
o Conde de Prado D. António Caetano deSoufa, 
o Conde da Ribeira Grande D. Jofeph Rodrigo 
da Camera , íêu filho o Conde D. Luiz da Came- 
ra , Pedro Mafcarenhas , Joaô de Saldanha da Ga- 
ma , Ayres de Saldanha de Albuquerque , Pedro 
de Figueiredo de Alarcão, D. Francifco deSoufa, 
Vedor da Caía, D. Lourenço de Almada, Mefc 
tre-Sa!la , feu filho D. Luiz de Almada , Nuno da 
Sylva Telles, D.Jofêph Manoel , ambos Sumilhe- 
res da Cortina , D. Chriítovaõ da Gama , D. Luiz 
da Sylveira , D. Jofeph de Menezes , Gaftaõ Jofeph 
da Camera Coutinho , todos Vedores da Caía da 
Rainha , e D. Eftevaõ de Menezes , Moço Fidal- 
go. Hiaõ adiante os Moços da Camera aos dous 
lados , e aguarda dos Archeiros, que os hia cobrin- 
do , e atraz delia os Moços da Eílribeira a cavallo 
com os cavallos da peílba delRey a maõ ; e depois 
de na entrada da porta o Juiz de Fora fazer huma 
breve Oração , e o Vereador mais antigo entregar 
as chaves , foy EIRey à Collegiada de Santa Ma- 
ria de Alcáçova, aonde apeando -fe , foy recebido 
com outro Palio rico pelos Cónegos da Gollegiada, 
que em corpo de Cabido oefperavaõ, conforme o 
que ordena o Ritual Romano : feita oração , vol- 
tou EIRey, e montando a cavallo, ficou o Clero 
à porta da Igreja , aonde o Cabido da Sé Vacante 
de Lisboa mandara o Arcediago Eftevaõ de Barros, 
o Thefoureiro mor Francifco André , o Arcediago 

de 



da Cafa "Real Tortttg. Lh. VIL 183 

de Santarém Franciíco de Macedo Leite, e os Có- 
negos Franciíco de Banos Pereira , e Franciíco Bar- 
reiros de Carvalho , em quem delegou todo o feu 
poder para tudo , o que foíTe neceílurio naquella 
Villa. 

No dia feguinte , que era huma terça feira 3 1 
do referido mez, fez a Rainha a lua entrada publi- 
ca na mefma Villa pela porta de Mancos , por onde 
EIRey entrara, onde a efperava na mefma forma 
o Clero Secular , e Regular , e os Vereadores j a 
Rainha , que vinha em coche , fe apeou , e entrou 
em huma cadeira de mãos muy rica , e chegando 
aonde a efperavaõ os Grandes , e Officiaes da Caía 
delRey , e os da íua Cafa, a foraõ acompanhando 
a pé , e defcobertos ; Joaõ Xavier da Sylveira , feu 
Eitnbeiro , hia a pé da banda direita immediato h 
portinholla da cadeira , e os Moços da Camera di« 
ante no mefmo lugar, em que acompanharão a EI- 
Rey. Depois de fe meter debaixo do Palio , cami- 
nhou a Rainha até onde eftava o Arcediago revef 
tido , que lhe deu a Cruz a beijar no mefmo lugar, 
em que já o fizera a EIRey , para o que fe apeou 
o Marquez das Minas feu Eílribeiro mor, que hia 
a cavallo atraz da cadeira , e mandando-a a Rainha 
parar , abrio o Marquez a portinholla , quanto baf- 
tou para a Rainha beijar a Cruz em pé , e o Cle- 
ro começou a entoar os Pfalmos , que difpocm o 
Ritual j e voltando na meíma forma, que fe havia 
praticado com EIRey , fe foy feguindo a prociflao 

diante 



184 Hiftoria Çenealogica 

diante da Corte, que hia immediata à cadeira, em 
que hia a Rainha $ e aííim ao entrar da porta , da ban- 
da de fora eftava em hum balcaõ de madeira o Ma- 
giftrado , e o Vereador mais antigo , que fervia na 
aufencia do Juiz de Fora, lhe fez huma breve Ora- 
ção , e lhe oííèreceo as chaves, que a Rainha to- 
mou da falva , e lhas tornou a pôr , e tomarão os 
Vereadores as varas do Palio debaixo do qual hia 
a Rainha na cadeira, e detraz delia o Marquez das 
Minas a cavallo , que a guarda dos Archeiros co- 
bria : íeguiaõ-íe os coches das Damas, e Acefatas 
Alemãas, e nefta forma chegou à Collegiada , e fe 
apeou fora da porta , e a receberão com Palio à 
porta da Igreja: da parte de dentro eftava huma al- 
catifa, e chegando a Rainha, o Duque de Cadaval, 
feu Mordomo môr , lhe poz huma almofada para 
ajoelhar , e beijar a Relíquia , e deitandolhe agua 
benta o Cardeal da Cunha Capellaõ môr, fe foy a 
Rainha para o íitial 5 e depois dos Cónegos canta- 
rem o Te Deum , e as Orações determinadas em fe- 
melhantes a£los , voltou debaixo do mefmo Palio 
até à porta da Igreja , e Meando o Clero , as Reli- 
gioens íe retirarão, e a Rainha entrou na cadeira, 
acompanhada de toda a Corte, debaixo do Palio, 
e paflando pela Igreja de Noííà Senhora da Pieda- 
de , Imagem de grande devoção , fez a Rainha 
oração , e fe recolheo às cafas , que lhe eftavaõ pre- 
paradas pelo Apofentador môr o Conde de Santia- 



go- 



Com 



daCafa^RealTorttig. Liv.VIL 185 

Com o Tratado de fufpenfaõ de armas, que 
temos dito, que fe ajudou emUtrech, e com ma- 
yor prazo para as Conquidas, redituindo-fe quaef- 
quer prezas , que fe fizedèm depois da fua ratifi- 
cação 5 fe deu por terra livre pallagem , e todos os 
mantimentos neceíTarios pelo preço do Paiz às Tro- 
pas Portuguezas, que ferviraô ao Emperador Car- 
los VI. em Catalunha, e fendo todo o Tratado ex- 
ecutado com boa té , íàhiraõ as Tropas dos Quar- 
téis a 7 de Jaaei;o do referido anno de 1715. E 
porque o Conde de Atalaya Dom Pedro Manoel, 
Medre de Campo General, que as governava com 
tanta didinç^õ , fe achava neíta conjuntura doen- 
te , veyo goveinando as ditas Tropas o General de 
Batalha D. Ped.o de Almeida, (depois Conde de 
AíTumar ) que começou a difpor tudo para a mar- 
cha ; e defpedido da Emperatriz Ifabel , que ainda 
ficou naquelie Principado , com todas as demondra- 
ções de agradecimento do bom ferviço, que aííím 
tile , como as Tropas , com tanta floria da fua Na- 
ção lhe tinhaõ feito, paííbu pela poda a Girona, 
aonde o Marichal de Staramberg edava bloquean- 
do aquella Praça, a defpedirfe delle. 

Neíla dilatada , e difficil marcha de cento e 
oitenta legoas, moílrou D. Pedro de Almeida com 
louvor dos inimigos a fua prudência , que naõ era 
menor, que o feu valor, que havia acreditado def 
de o principio da guerra , em que entrara a fervir 
de poucos annos neíle Reyno , e depois quando 
Tom. Y III. Aa fadou 



I 8 6 Hi floria Çenealogica 

paílbu a Catalunha acompanhando á feu pay oCon- 
de de AíTumar D. JoaO de Almeida , Embaixador 
Extraí rdinario na Corte de Earceilona , do Confe- 
lho de EHado , onde igualmente defempenhou as 
obrigações do feu cara&er, a (Tm nas occafioens po« 
líticas , como nas militares , como temos cito , em 
oito annos , que durou a íua miílaõ j e porque hou- 
ve algumas circunítancias dignas de memoria na 
marcha das Tropas Portuguezas , referiremos as 
mais eífenciaes. 

Sahiraõ as Tropas dos Quartéis de Inverno a 
7 de Janeiro , fendo cada Regimento conduzido 
até à Fronteira por hum dos primeiros Cavalheros 
Catalaens , prevenção , que a Emperatriz julgou 
precifa , e neceílaria ; porque a auíência das noílàs 
Tropas era contraria aos intereíTes dos Catalaens, 
por íe fupprrem com o Armiflicio expoflos à in- 
dignação delíley D. Filippe V. e fendo de génio 
pouco fofridos , e fáceis em pegar nas armas por 
qualquer leve motivo, a menor defordem , que fuc* 
cedefle ou por falta de viveres , ou por qualquer 
outro refpeito , lhe ferveria de pretexto para porem 
em fublevaçaõ todo o Paiz , cujo damno evitou a 
Emperatriz com eíte expediente. 

D. Pedro de Almeida fè adiantou à Cerveira 
para conferir com o General Bracamonte o dia, em 
que as Tropas Caílelhanas haviaõ de íahir daquel- 
le lugar, para entrarem as Portuguezas , e rjuílar o 
modo da fim fi;bfiílencia. Alli achou per ordem de 

Madrid 



da Ca/a lfyal Tortug. Liv. VIL 1 8 7 

Madrid hum CommiíTario de Guerra , chamado D. 
Franciíco Genjo , e hum deítacamento deDcagoens, 
que haviaõ de acompanhar os Portuguezes até à 
Raya de Portugal para lhe deftinar os Quartéis , e 
prevenir os mantimentos. No dia 17 chegarão as 
Tropas a LeriJa , e governava aquella Praça oCa- 
valleiro de Buy, Capitão das guardas Valonas com 
patente de Manchai de Campo, o qual fez ao Ge- 
neral D. Pedro de Almeida todas as honras milita- 
res, emayores, do que tocavaõ à graduação do feu 
porto , mandando-o falvar com vinte e huma peííà 
de artilharia , e pondo-íê na entrada da Praça com 
o efpontaõ na maõ diante das fuás Tropas para lhe 
fazer as cortezias militares , a que o General Dom 
Pedro de Almeida íê vio obrigado a lhe correfpon- 
der com a mefma urbanidade , fazendo desfilar as 
Tropas por diante delle, pondo- íè diante delias com 
a efpada na maõ , e mandando , que fe lhe abatef- 
íèm os eftendartes , e bandeiras j e depois de o hos- 
pedar em fua cafa com muita grandeza , e de que- 
rer , que naquella noite o noíTo General déíle o 
Santo , e as ordens na. Praça , proíêguio no dia fe- 
guinte a fua marcha. Naõ durou muito efta civil, 
e-cortez correfpondencia , porque dalli por diante 
foraõ experimentando os Portuguezes o contrario 
do CommiíTario de Guerra, que ou por mao natu- 
ral, ou por outro motivo , obfervava fazer a marcha 
de traníito a tranfito taõ dilatada , que algumas ve- 
zes durava vinte e quatro horas íem deícanço , com 
Tom. VIII. Aaii o fim, 



i 8 8 Hijloria Çenealogica 

o fim , de que o trabalho, cançaílb , e moleília cio 
caminho, obrigaflem ao« Soldados a ir ficando atraz, 
e tomaííèm partido nas fuás Tropas ; accrefcentan- 
do-fe a efla fadiga o mao commodo , a falta de di- 
nheiro , e as eftreitas ordens , que o Ccmmiflario 
dai^aos Paizanos para fe naõ pioverem osPortu- 



ímezes. 

o 



Nas primeiras duas marchas naõ fez o Gene- 
ral de Batalha D. Pedro de Almeida demonftraçaõ 
alguma, fuppondo, que feria por naõ haver toda a 
commodidade neceíTària ; mas tanto , que percebeo 
o intento , mudou de refoluçaõ. Chegou a Calpe 
no Reyno de Aragão a 22 de Janeiro, tendo a mar- 
cha principiado pela meya noite do dia anteceden- 
te por montanhas fragofas , chovendo neve , e fa- 
zendo hum tempo taõ rigorofo , que nefta marcha 
morrerão algumas peílòas , e cavallos de frio : na 
mefma Cidade efíavaõ dous Regimentos de Dra- 
goens Francezes aquartelados , por cuja razaÕ era 
o alojamento para os Portuguezes mais eftreito, e 
deíàcornmodado. No dia feguinte , em que era 
precifo fazellos defcançar de taõ penoía marcha , fe 
puzeraõ por parte dos Francezes mefas publicas 
pelas ruas com dinheiro , e fardas , convidando a 
todos para tomar partido , e nefte mefmo dia o to- 
marão quatro Portuguezes , muitos Trombetas , e 
Atabaleiros , e grande numero de criados de Offi- 
ciaes. Vendo Dom Pedro de Almeida efia deíbr- 
dem, e o perigo a que fe expunha dalli por diante, 

fe 



da Cafa ^Real Tortug. Liv.VIL 1 8^ 

fe logo a naõ atalhaíle , mandou por hum Oíficial 
dizer ao Commandante Francez , que hum gran- 
de numero da íua gente havia tomado partido no 
feu Corpo , pelos haverem convidado os feus Of- 
ficiaes, o que era contra a boa fé do Armiílicio, e 
que íê elle , e as Tuas Tropas havia5 de íêr reputa- 
das por inimigas , que elle procuraria defenderíè 
daquellas hoílilidades ; porem que efperava da fua 
prudência , que elle evitaíle o damno , mandando- 
lhe entregar todos os Soldados , que tinhaõ toma- 
do p.rtido nas fuás Tropas. O Commandante ne- 
gou , que houveííè Soldado algum Portuguez to- 
mado partido , e com eíla frívola efcuía mandou o 
General Dom Pedro de Almeida hum Capitão de 
Cavallos com hum deítacamemo de cincoenta ho- 
mens atacar a cafa, aonde íabia , que eílavao al- 
gu is refugiados , e os prenieo , e a dous delles fe 
fez lo ;o hum fumrnarii pelo Auditor Geral como 
adefertores, que ti íhaõ tomado partido nas Tro- 
pas inimigas , e íe arcabuzearaò diante dos mefmos 
Francezes , o que conteve muito aos Soldados dal- 
li por diante para naõ desertarem ; mas nem por i£ 
to o CornmiíTa i') de Guerra fe abíleve, porque to- 
das as vez s, que por qualquer pretexto podia fa- 
zer os tranfitos mais dilatados, o fazia, para que íe 
foílèm cançando zs Tropas , o que Dom Pedro de 
Almeida dalli por diante atalhou fempre, fazendo 
aquartelar as Tropas nos lugares , que achava na 
murcha, ainda fem chegai aotranfito, com o fun- 
damento, 



I<? o Hi/loria genealógica 

damento , de que eftavaÕ cançadas , e naõ podiaÔ 
íofrer marcha mais dilatada. 

Tanto , que as noííàs Tropas chegarão a hum 
lugar naõ muy diftante das vifinhanças de Madrid, 
mandou a Duqueza de Aveiro D. Maria de Gua- 
dalupe de Lencaílre por hum feu Gentil-homem 
cumprimentar ao General D. Pedro de Almeida , e 
oíferecerlhe hum cavallo para a fua peííòa , do que 
tomou o CommirTario de Guerra fundamento para 
fazer à Corte de Madrid huma queixa calumniofa 
contra efte General , dizendo , que defendendo as 
Leys de Hefpanha com pena de morte a fahida dos 
cavaílos fora do Reyno , hia D. Pedro de Almei- 
da reclutando as fuás Tropas com os cavaílos Ca£ 
telhanos , e remontando hum batalhão de quatro- 
tos defmontados da Cavallaria. 

Efta noticia fez em Madrid crande ruido , e 
pudera pôr aos Portuguezes em grande embaraço. 
Defpachou a Corte de Madrid logo hum Poftilhaõ 
a de Lisboa , queixando-fe de D. Pedro de Almei- 
da , dizendo , que elle vinha com as íuas Tropas 
quebrantando as Leys de Hefpanha , e as do Armif- 
ticio: o que fuppoílo, tinha já mandado ordem ao 
Marquez deBay, Capitão General da Eílremadu- 
ra , para que reconheceííè as Tropas Portuguezas , 
e lhe tiraííe todos os cavaílos , que tiveíle iedutado 
r.a marcha. 

Mandou-fe ver efta matéria no Concelho de 
Eftado , e alguns foraõ de parecer , que fe aviíaííe 

logo 



da Cafa ^eal Tortug. Lh. VIL 191 

logo a D. Pedro de Almeida , que entregaíTe os ca- 
vallos antes, que o Marquez de Bay os foííè reco- 
nhecer : outros com mayor reflexão diílèraõ , que 
naõ parecia poííivel , que elle deixaíTe de efcrever 
fobie femelhante novidade , de que fe podia inferir 
fer falíà a noticia, e que fem chegarem Cartas fuás, 
fe naõ devia tomar a ultima refoluçaõ. Dom Pe- 
dro de AlmeiJa naÔ podia avifar de numa tramoya, 
que ignorava , nem podia prevenir taõ maliciofa 
quimera do Commiílario , o qual tendo noticia do 
bem , que fe abraçara em Madrid a fua repreíen- 
taçaõ , fe reverti.) de mayor altivez, procurando, 
quanto podia , arruinar na marcha as noílas Tro- 
pa?. 

Chegarão eftas à Cidade de Almagro , gran- 
de povoação da Mancha , no dia 24 de Fevereiro, 
aonie o Commiirario tinha difpoíto, que fena5 dé£ 
fe quartel às Tiopas : mandou o General repreíen- 
tar ao Intendente da Cidade , que as fuás Tropas 
naõ traziaô tendas baílantes, eque o ajufte era, fe 
déiie coberto às Tropas nos lugares por onde pa£ 
fàíícm ; e que aíHm eílranhava mais aquella novi- 
dade, fendo aquella Cidade das mais eípaçofas por 
cnJe tronfltara ; mas que elle paíTava por aquelle 
difeommodo j e mandava logo acampallas na plana 
junto da Cidade, e era efta íemeada de açafrão , o 
mayor cemmercio daquelle povo, o qual vendo, 
qu^ o General mandava formar as Tropas em ba- 
talha, moílrando, que as queria acampar naquelle 

lugar , 



1^2 Hiftoria Cjeneahyca 

lugar , acodio o povo ao Intendente reprefentando- 
lhe a ruina , que íe feguia , e logo íe facilitarão os 
Quartéis , e entrarão as Tropas nelle?. 

Como D. Pedro de Almeida viíle por experi- 
ência , que moftrando refoluçaó llie íuccedia me- 
lhor , do que levando as coufas pelo termo da pru- 
dência , refolveo dalli por diante obrar com menor 
receyo. Eítava na meíma Cidade de Almagro alo- 
jado hum Regimento de Dragoens Caftelhano, e 
teve noticia, que nelle íè achava hum Portuguez, 
que tinha defertado no anno antecedente do Regi- 
mento de António de Miranda ; ordenou D. Pe- 
dro a alguns Officiaes , que o efpreitaíTèm , e que 
em qualquer rua , que o encontraílem , o prendei 
fem : affim fuccedeo , e tanto , que os Caftelhanos 
íbuberaõ d^íta prizaõ , foraõ a cafa do Intendente 
clamando , que aquella acçaõ era contra o decoro 
das ílias Tropas , e que era quebrantar todas as Leys 
Militares , e violar as do Armifticio. Foy logo o 
Intendente com os feus Officiaes a cafa do General 
fazerlhe a meíma reprefentaçaõ , e exa^gerando a 
gravidade do caio , D. Pedro de Almeida , que ti- 
nha remetido o prezo ao Auditor Geral para que 
logo lhe rlzeíTe o fummario , e lhe impuzeílè a pê- 
ra dos defertores para os inimigos , refpondeo conf- 
iantemente , que elle naõ quebrantava Ley nenhu- 
ma do Armiíticio , nem obrava nada contra o di- 
reito da guerra , em caíligar hum deíêrtor das fuás 
Tropas \ e fem dar outra razaõ , nem efperança ao 

Inten- 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL lp$ 

Intendente , fez profeguir o procefío do reo ; final- 
mente depois de grandes debates , por boa compo- 
fiçaõ convieraó os Oííiciaes Caílelhanos com o In- 
tendente , que fe fizeííèm inítancias com o General 
para que ao menos perdoaííe ávida ao Soldado -, e 
como ido mefmo era o que o General defejava pa- 
ra fahir defte negocio com menos ruido , difficul- 
tando muito o cafo , efcuíando-fe com o pretexto 
de o ter remetido ao Auditor Geral , vendeo por 
grande fineza ao Intendente , e aos Officiaes , to- 
mar fobre íl o perdoarlhe a vida , e aflim íè con- 
cluio efte cafo , e o Soldado veyo para Portugal 
nas Tropas. 

No dia 8 de Março chegarão as Trepas ao 
Lugar de Dom Bonito , aonde efperava a D. Pe- 
dro de Almeida hum Tenente Coronel Hefpanhcl 
da parte do Marquez de Bay , para lhe dar as boas 
vindas de ter entrado na fua Província , e pervenil- 
lo , de que , com grande fentimento feu , recebera 
ordem da fua Corte para reconhecer as Tropas Por- 
tuguezas , e tirarlhe todos os cavallos , que fe tivef- 
Tem reclutado na marcha , e que bem fabia , o que 
obrigavaõ os preceitos dos Soberanos : pelo que naô 
eílranharia , que elle , ainda que contra vontade, os 
puzeííè em execução. NaÕ deu nenhum aballo o 
recado ao General , porque ainda no cafo de fe dei- 
xar fazer o reconhecimento , fe averiguaria melhor 
a falfidade daquella noticia , e como eílava feguro 
no que tinha obrado , tratou ao Tenente Coronel 
Tom.VIlI. Bb com 



i<?4 H! floria Çenealogtca 

cem grande civilidade , e agrado , convidando-o 
a jantar, e depois, que acabou, deu a reporia ao 
recado do Marquez de Bay , chea de muita civili- 
dade , e agradecimento , dizendo , que reconhecia 
a obrigação , que Sua Excelleneia tinha de execu- 
tar as ordens da íua Corte , e que iílo mefmo o per- 
íuadiria , a que elle fe naõ deixaria reconhecer íe- 
naÕ com todo o decoro, para o que efperava a Sua 
Excelleneia na teíla das fuás Tropas , para o rece- 
ber na mefma forma , que Sua Excelleneia fabia, íe 
deixara reconhecer na batalha de Çaragoça , ( que 
havia perdido ) e que todas as vezes , que Sua Ex- 
celleneia quizeíTè , o acharia prompto : e para dar 
mayor impreíTaõ ao Tenente Coronel , em quanto 
íè dilatava naquelle Lugar , chamou logo todos os 
Coronéis a Confelho , e lhes diíTe : que elle os con- 
vocara para lhe participar a reíbluçaõ , em que efc 
tava de íè naõ deixar reconhecer pelo Marquez de 
Bay 5 e que no cafo , que elle o intentafíè por vio- 
lência , eftava na firme reíbluçaõ de fe defender com 
as armas na maõ: o que fuppofto, foíTèm lego pre- 
venir os íeus Corpos, e diftribuir pólvora, e balia 
aos Soldados , e ao mefmo tempo ordenou , que a 
bagagem íe puzeíTè em marcha com hum deítaca* 
mento de Cavallaria pelo caminho mais breve pa- 
ra Portugal, de donde já eftava pouco diHante. 

O Tenente Coronel , que fe dilateu dous dias 
naquelle Lugar, examinou cuidado r amente a ver- 
dade fobre o calo , que o CornrniíTario tinha eferi- 

to 



da Cafa T$çal Tortug. Lh. VIL I p 5 

to à Corte de Madrid, e achando tudo falíb , o re- 
prefentou ao Marquez de Bay , o qual com efta in- 
formação mandou ao Marichal de Campo o Mar- 
quez de S. Vicente efperar a D. Pedro de Almei- 
da no Lugar de Álmendralejo a darlhe huma pu« 
blica fatisfaça5 da injutia conta , que dera o Com- 
miíTario a Corte de Madrid , e na prefença de to- 
dos os Officiaes chamou o dito CommiíTario , e lhe 
leo a mefma Carta original , que elle eícrevera à 
Corte , e lhe perguntou a razaõ , porque a efcreve* 
ra , fendo fallb tudo , o que ella continha j ao que 
elle de convencido , e envergonhado naõ pode ref- 
ponder , e depois de reprehendido publicamente 
com termos afperos , e injuriofos , pedio ao Gene- 
ral D. Pedro, que lhe perdoaíle, dizendolhe, que 
o tal Commiílàrio eftava muito malquiíto antece- 
dentemente em Madrid , e que entendendo , que 
por aquelle caminho fazia íêrviço de fe moftrar ze- . 
lofo , e vigilante , cahio naquelle abfurdo , enten- 
dendo , que fe naõ poderia averiguar : o General 
D. Pedro de Almeida pedio ao Marquez de S. Vi- 
cente , com vivas expreíToens , que por aquelle ca- 
io naõ fuccedeíTè nenhum mal ao CommiíTario j 
porque elle naõ pertendia mais fatisfaçaõ , do que 
a que tinha recebido: e pouco depois efcreveo ao 
Marquez Grimaldi, Secretario do Defpacho Uni- 
verfal da Corte de Madrid , e ao Secretario de E£ 
tado Diogo de Mendoça Corte-Real , dandolhe 
ccnta da averiguação , que tinha feito , louvando 
Tom. VIII. Bbii mui- 



l$6 Hiítoria Çenealogica 

muito a prudência de D. Pedro de Almeida , e a 
grande difciplina , com que conduzira as Tropas 
por toda Hefpanha. 

O Marquez de Bay para fazer mais plaufivel 
aquella fàtisfaçaõ tinha mandado com o Marquez 
de S. Vicente os Teus Coílnheiros , e a lua bcixella 
de prata , para que naquelle Lugar íê preparaífe hum 
magnifico jantar para o noíío General , e mais Offi. 
ciaes mayores , a quem convidou o Marquez , íig- 
nirlcandolhe o fentimento , que o Marquez de Bay 
tinha de nao poder aííiftir, por lhe naõ íêr poííivel 
fahir de Badajoz. Dom Pedro de Almeida íè dete- 
ve naquelle Lugar mais hum dia com as Tropas pa- 
ra poder correfponder com o mefmo convite ao 
Marquez de S. Vicente , e aos Officiaes , que com 
elle vieraõ , e ao mefmo Commiílario ; e por eftar 
já muy viíinho de Portugal , defpachcu pela pofta 
ao Capitão Damião Borges, dando conta de tudo, 
o que tinha fuccedido , e reprefentando a EIRey , 
que íem embargo daquelle caio , lhe parecia con- 
forme à grandeza de Sua Mageftade , fe de'ííè hum 
regallo ao Commiflàrio pelo trabalho de ter condu- 
zido as Tropas , e EIRey lhe mandou dar huma 
groílà ajuda de cufto. 

Finalmente a \6 de Março checarão as Tro- 
pas a Olivença , dando fim àquella penofa , e dila- 
tada marcha no rigor do Inverno , por montanhas 
afperas , e fragofas , cobertas de neve , por chuvas, 
e inclemências , com os mais difcommodos acima 

referi- 



da Café T^alTortug. Llv.Vll. 157 

referidos. Compunha-íe eíle Corpo de Tropas de 
cinco Regimentos de Cavallaria , que eraõ o de 
António de Miranda Henriques, odejacintho Bor- 
ges de Caltro , o de D. Diogo Manoel , o de An- 
tónio da Cunha Sottomayor, e o de André de Aze- 
vedo , que faziaõ quinze efquadroens , com o nu- 
mero de dous mil Cavallos , e demais quatrocentos 
defmontados da Cavallaria em hum batalhão , e o 
Regimento de Infantaria de Álvaro Pereira de La- 
cerda. 

No dia feguinte foy o General de Batalha D. 
Pedro de Almeida , acompanhado de todos os OfH- 
ciaes das fuás Tropas , à Igreja Matriz da Villa , 
aonde eftava preveniJa huma fefta em acçaõ de 
graças pela feliz chegada a Portugal , com todos 
os Trombetas , Atabales , e Tambores das Tropas , 
e nefta fefta fez hum eloquente Panegyrico o Re- 
verendiílimo Padre D. Manoel Caetano de Soufà, 
bem conhecido pela fua fingular literatura , toman- 
do por thema aquellas Sagradas palavras do myfte- 
riofo Livro de Judith no cap. 13. v. 20. Vivit au- 
tem ipfe Dominus , (juoniam cuflcdivit me Angelus 
ejus , & /li/w emitem , & ibi commorar.tem , O* inde 
huc reverte/item ; muito naturaes , e próprias para 
explicar , como fez prodigiofa , e eruditamente em 
três difcuríos, a felicidade dos progredos, aííiftencia, 
e reti;ada das ditas Tropas , as quaes na occaíia5 7 
em que fahiraõ de Catalunha , fe achava o referido 
Padre em Barcellona voltando de Roma para Por- 
tugal p 



15? 8 Hiftoria Genealógica 

tugal , e veyo na companhia do General D. Pedro 
de Almeida para o Reyno. 

Continuava o Congreíío de Utrech , aonde os 
noífos Miniílros , e os de França concluirão hum 
Tratado de Paz entre as duas Coroas, que aííinarao 
a ii de Abril de 17 15 , e o fizeraõ pela parte de 
Portugal o Conde de Tarouca , e D. Luiz da Cu- 
nha; e da parte de França o Marichal de Huxelles, 
e Monf. Mefnager ; e depois de os mandar cada hu- 
ma das partes aos íeus Soberanos , que os approva- 
Prova num. 105. r aÓ, e ratificarão , foraô trocados os referidos Tra- 
tados de firme paz, amizade perpetua, e livre com- 
mercio entre Portugal , e França. No dia 28 de 
Junho do dito anno íe fez a publicação em Lisboa 
com grande íblemnidade na forma coftumada em 
femelhantes occafioens , porque concorrerão a efte 
adio as Juíliças , principiando pelos Alcaides , aos 
quaes íèíeguiaõ os Juizes das Propriedades, Civel , 
e Crime da Cidade, e logo os Corregedores , e mais 
Miniílros , excepto os dous Corregedores do Cri- 
me da Corte ; e depois féis Porteiros com maças de 
prata , os Arautos , Fafíavantes, e Reys de Arm3s, 
precedidos pelos Trombetas , e Timbales. Neíla 
iórma íê encaminharão para o Terreiro do Paço , 
aonde o Rey de Armas Portugal recebendo huma 
Carta aííinada por EIRey, a leo em voz alta no 
mefmo lugar ao tempo, que El Rey chegou a hu- 
ma janella do Paço , que cabe para o Terreiro , e 
depois caminhando com todo efte acompanhamen- 
to, 



da Cafa T\eal Tortug. Liv.VIL 1$? 

to , a leo junto às efcadas da Sé , e no Rocio jun- 
to das efcadas do Hoípital , e ultimamente na Rua 
Nova , applaudindo os Trombetas , e Timballes a 
noticia , toduS as vezes , que oRey de Armas a pu- 
blicava : o povo deícoberto cem attençaõ a ouvia, 
e com vivas, e demonílrações alegres engrandeciaõ 
aElRey. Depois nomeou por Embaixador Extra- 
ordinário à Corte de Pariz a D. Luiz da Camera , 
Conde da Ribeira Grande, Meftre de Campo Ge- 
neral dos Teus Exércitos , que fazendo a lua entra- 
da pub'ica a 15 de Agofto de 17 15, foy conduzido 
pelo Manchai de Tallard , e depois pelo Príncipe 
Carlos de Lorena, fendo eíla função huma das mais 
luzidas , que vio aquella Corte , lançando ao povo 
medalhas de ouro , e prata ; e com bailes , e outras 
feitas pompof.s celebrou o nafeimento dos noííòs 
Principes , e mais occaíloens , tendo também a de 
hofpedar por largo tempo ao Sereniífimo Infante 
D. Manoel , e contribuindo muito para a paz de 
L T tre:h , tendo o caracter de Plenipotenciário para 
a de Cambray ; e levando comfigo a CondeíTa D. 
Leonor There fa Maria de Ataíde fua mulher, ador- 
nada de grandes virtudes , e perfeições , moílrou 
huma prudência muito fuperior aos annos : e vol- 
tou para o Reyno , havendo refidido com grande 
luzimento , e aceitação daquella Corte, que man- 
do j à no fia por Embaixador ao Abbade de Mornay, 
que deu a fua entrada publica , fendo feu Condu- 
ção: o Marquez de Alegrete Fernaõ Telles da Syl- 

va , 



200 Hijloria Çenealogica 

va , do Confelho de Eftado ; e depois de alguns an- 
nos de aíiiftencia , em que confeguio eílimaçaõ , íe 
recolheo , havendo-o EIRey íeu Amo nomeado 
Arcebiípo de Bezançon. Na Cidade de Utrech , 
onde ainda durava o Congreífo , concluirão , e af- 
íinaraS os noííbs Embaixadores, e Plenipotenciá- 
rios , com o Duque de Oíluna Francifco Maria de 
Paula Telles Giron, Embaixador, e Plenipotenciá- 
rio delRey Catholico Filippe V. o Tratado de Paz 
da noíTa Corte com a de Heípanha a 6 de Feverei- 
ro do referido anno de 1715 , e fendo ratificados , e 
aííínados por EIRey de Portugal a 9 de Março , e 
por EIRey Catholico a três do mefmo mez , íe pu- 
blicou a paz em Lisboa a 6 de Abril do meímo 
anno com a coílumada íblemnidade , que referimos 
na de França , começando logo a correr o trato , e 
commercio livremente , entre os Vaííàllos de hu- 
ma , e outra Coroa 5 e da noíía foy por Embaixa- 
dor à de Madrid Pedro de Vafconcellos e Soufa , 
Meítre de Campo General dos Exércitos delRey j 
e de Hefpanha veyo para Portugal o Marquez de 
Capecelatro, que já na noíía Corte reíldira porEn- 
viado , como deixamos efcrito no Capitulo V. def- 
te Livro , com o caracter de Embaixador Ordiná- 
rio, e depois da aííiítencia de muitos annos, fez a 
fua entrada publica com muito luzimento a 5 de 
Dezembro de 1725 , íèndo conduzido pelo Mar- 
quez de Angeja , do Coníelho de Eftado , com a 
coílumada formalidade. 

Com 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 2 01 

Com a publicação da paz começarão os po- 
vos a gozar huma tranquilla ièlicidade , porque naó 
fo fe viraõ livres das inevitáveis vexações, que com- 
figo traz a guerra, mas logo foraõ levantados mui- 
tos tributos, correndo o commercio livre, e gozan- 
do do mais íuave domínio , recebendo a Republi- 
ca do vigilante cuidado do feu Soberano Leys muy 
proveitofas , entre ellas a da expulfaõ dos Siganos 
paííada a 10 de Dezembro de 1718 5 a em que pro- 
hibio as adagas, facas, e armas de fogo, cuja tran£ 
greíTaõ he punida feveramente, paíTada a 20 de De- 
zembro de 17195 a em que defende, que nenhuma 
pelToa de qualquer qualidade poílà paííãr ao Eftado 
do Brafil , íènaõ as que forem empregadas no feu 
ferviço , e a todas as mais feja neceífario pafla por- 
te , fendo comprehendidos todos os Eftrangeiros, a 
quem he totalmente vedada efta viagem , a qual 
Ley foy paííada a 23 de Março de 1720 ; e outra 
domefmo anno de 29 de Agoílo, em que prohibe 
aos Vice-Reys, Governadores, e mais Miniílros 
das Conquiftas Ultramarinas > poderem cómerceaí 
por fi , ou por outrem ; e a em que determinou 05 
tratamentos dos Grandes Ecclefiafticos , e Secula- 
res defte Reyno, acordandolhe Excellencia de ju- 
ro , e regulando os mais tratamentos conforme as 
preeminências das occupações , póftos , ou Luga- 
res , aífim Ecclefiafticos , como Seculares , como 
íè pode ver na dita Ley paflada a 29 de Janeiro de 
1739, que vay lançada no Tomo III. das Provas, 
Tom. VIII. Ce num. 



202 Hijlorla genealógica 

num. 197. Além das referidas fe promulgarão outras 
admiráveis, e de grande utilidade do Reyno, co- 
mo o foy também o Regimento das novas Orde- 
nanças publicado no anno de 1721. 

No íèu tempo fe começarão a colher copiofi£ 
fimos tributos das Minas Geraes , entranhadas no 
Certaô do Brafil , que no reynado delRey feu pay 
tiveraõ principio , como diíTèmos , e elle mandara 
povoar, a que concorreo em pouco tempo tanta 
gente, que edificarão Villas, e Aldeãs , que fe re« 
partirão em diverfas Ouvidorias , e cultivando as 
terras , lhe correfpondem com opulentos frutos pe- 
la bondade do clima. No feu feliz reynado, a que 
propriamente fe pode chamar o Século de Ouro , íê 
continuou a tirar das Minas abundante copia de 
ouro, de que íèleguiraõ outras importantiflimas em 
diverfas partes no meímo continente da America 
Portugueza no Eftado do Brafil, como faõ as de 
Quiabá , e Goyazes no deftricto do governo de S. 
Paulo, deícobertas no anno de 17 19 governando o 
Conde de AíTumar; e fuccedendolhe Rodrigo Cefar, 
foy em peílòa por ordem delRey dar nova forma a 
eíle defcobrimento por entre grandes perigos $ e cm 
outras partes das fuás dilatadas Concuifias fe conhe- 
cem outras , que íeraÔ de igual proveito. Entre 
outras he admirável a do Cerro do Fno , porque 
além de ouro , dá diamantes taô admiráveis , que 
naõ cedem em nada aos do Oriente , e em taS gran- 
de copia , que he admiração da Europa as Frotas 



da Cafa ^al Tortug. Liv. VIL 203 

do Brafil pela riqueza , que tranfportaõ da Ameri- 
ca: de íbrte, que as Conquiílas por tantos feculos 
avarentas dos íeus theíburos , os manifeítaraõ liberal» 
mente no feu feliz reynado , guardando para elle 
eíles preciofillimos tributos. 

Governarão eftas Minas D, Braz Balthaíâr da 
Sylveira : D. Pedro de Almeida, que eftando nellas, 
foy feito Conde de AiTumar , D. Lourenço de Al- 
meida , e outros Governadores , que contribuirão 
muico para oaugmento da fazenda Real , e para a 
boa ordem da fua diftribuiçaõ. Dividindo-íe eftes 
governos em dous , foy Rodrigo Cefar de Menezes 
para o de S. Paulo , a quem íuccedeo António da 
Sylva Pimentel, e depois o Conde deSarzedas An- 
tónio Luiz de Távora , que caíligando os índios 
rebeldes , difciplinando as Tropas , fortificando as 
Praç3s , e augmentando os defcobrimentos , a pezar 
dehuma larga doença, fez a jornada aos Goyazes, 
e morreo nos Tocantins em Agofto de 1758, e lhe 
íuccedeo D. Luiz Maícarenhas , filho quarto do 
Marquez de Fronteira. As de Villa-Rica gover- 
nou com grande acerto o Conde das Galveas An- 
dré de Mello , que depois paílbu a Vice-Rey do 
Brafil, efoy Governador Gomes Freire de Andra- 
de. A eítas Minas foy mandado com grandes po- 
deres Martinho de Mendoça de Pina e de Proença, 
que também governou algum tempo na auíência 
do feu Governador , e em tudo molhou tanto defc 
intereííè , e deu taõ boas direcções , que unio a 
Tom. VIII. Ccii pra- 



2 04 Hijloria genealógica 

pratica das virtudes cem o profundo das feiencias, 
em que muito fe diftingue, e EJRey lhe fez entre 
outras mercês a de Confelheiro Ultramarino. 

No Efíado da índia foraõ Vice-Reys, eCa- 
pitaens Generaes Caetano de Mello de Cattro , D. 
Rodrigo da Coíla, Vaíco Fernandes Cefar de Me- 
nezes , o Conde da Ericeira D. Luiz de Menezes, 
Francifco Jofeph de Sampayo , JoaÕ de Saldanha 
da Gama , e o Conde de Sandomil , e nelles fe vio 
naõ fó boa direcção no governo politico , mas no 
militar ; porque no anno de 171 3 as noííàs armas àtC- 
truiraõ os Reys de Canará , e Sunda , com dura 
guerra, porque haviaõ impedido o faque do arroz 
para Goa na forma coílumada , vencendolhe huma 
batalha naval , e os noííos foraõ atacar os Arábios 
dentro de Surrate. No de 17 17 a Armada, de que 
era General D. Lopo Jofeph de Almeida , reduzio 
a cinzas a Cidade de Porpatane , naõ euftando efta 
vitoria mais , que oitenta homens , em que entrou 
hum Capitão de Mar, e Guerra , e outro de Infan- 
taria , e o filho único do General Francifco Pereira 
da Sylva , e cem feridos , e Dom Jofeph de Mello 
Manoel. Os inimigos perderão mais de mil e qui- 
nhentos entre mortos , e feridos , eílimando-íe a 
fua perda em mais de hum milhão , e (,brigando-os 
a darem reféns para fatisfaçaõ do tributo de deza- 
nove annos , que deviaõ ao Eftado. No feguinte 
de 17 18 pedindo foccorro aoEfiado ElRey da Ilha 
de Sunda , adjacente às de Timor , pela incendida 

guerra . 



da Cafa %cd Tortug. Liv. VIL 205 

guerra, em que o havia poílo o Príncipe íeu irmaõ, 
lho concedeo o Vice-Rey Conde da Ericeira , e 
com elle deftruio ao Principe , deixando livre ao 
Rey. Nerte melmo anno entrou em Goa hum Em- 
baixador da Períla , com quem fe concluío hum 
Tratado mais ventajoio ao Eftado : e fuppofto as 
cavilações dos Miniílros Perfianos , ganhados pe- 
los Arábios de Maícate , naõ deixarão lugar, a que 
a noíía Armada pudeííè confeguir huma vitoria , 
porque os Perfas naõ cumprirão , o que tinhaõ ca- 
pitulado ; km embargo de todas as deílrezas , os 
noílbs cobrarão o dinheiro da defpeza , que a Ar- 
mada fizera para fe apparelhar em Goa 5 e no anno 
feguinte de 1719 o Almirante António de Figueire- 
do Utra confegui > huma vitoria dos Arábios , com 
quem por três vezes fe combateo à vifta de Bender- 
Congo , que os poz em eftado de naõ apparecercm 
mais , como já deixamos eícrito no Livro VI. Ca- 
pitulo V. \. IIÍ. pag. 581. No anno de 1726 ha- 
vendo Sar-Deíiai de Cuddale Fonddu-Saunto-Bon- 
fulo com os (eus coftumados fingimentos (eftando 
ainda em paz com o Eftado ) ccmmettido alguns 
atentados , com os quaes obrigou 20 Vice-Rey 
Joaõ de Saldanha da Gama a declararlhe aguena; 
looo . que cila ferompeo, encontrando-fe a fraga- 
ta Palma , e duas Palias do Eftado com quatro Pal- 
ias , e a^umas Galvetas do Sar-DeíTai , lhe íizeraõ 
tal fogo, que obrigados os inimigos delle vararão 
em terra , aonde pelo pouco fundo naõ pudemos 

chegar 



2c6 H! floria (jenealogica 

chegar para as queimar : e como eRe Regulo con- 
fina com as noíías terras de Goa , para íêgurar os 
noílòs, lhe mandou o Vice-Rey queimar a Aldeã 
de Peligaõ , eade Maim , depois de as faquear , re- 
colhendo-fe os noílòs depois de terem rebanhudo 
huma boa quantidade de cabeças de gados dos feus 
campos: eftas hoftilidades obrigarão aBonfulô a pe- 
dir paz ao Vice-Rey , que lha naó quiz conceder, 
determinado a caítigar exemplarmente aquelle in« 
quieto viíinho. Nagobâ filho primogénito do Sar- 
Deííai Fonddu-Sauntô , que fe tinha rebe liado ao 
pay , valendo-íe da occafiaÔ da noíTa guerra , man- 
dou hum Enviado repreíèntar ao Vice-Rey as fuás 
dependências , e o defejo , que tinha de que o E£ 
tado o amparaíle, o que fez o Vice-Rey ; para o 
que no mez de Mayo mandou marchar hum Exer- 
cito , e atacar a Fortaleza de Bicholim , a qual com 
o Governador Sabonazi Ponvar , Maratá de na- 
ção , abandonarão em huma noite os Bonfulos , de- 
pois de íeis dias de íitio. E metendo o Exercito 
de poílè delia a Nagobâ , eíle com alguns Artilhei- 
ros Portuguezes, que o Vice-Rey lhedtixara, obri- 
gou as Tropas do Sar-DeíTai feu pay a levantar o 
íitio depois de inutilmente a bater na força do In- 
verno ; e pedindo efte paz, íê lhe concedeo entaô 
com muitas ventagens do Eftado. Efía demon£ 
traçaÕ obrigou a EIRey de Sunda a mandar a Goa 
hum Embaixador a fazer mil proteftos da fua ami- 
fade. Sau-Raja , que fempre concedeo aos inimi- 
gos 



da Cafa T^eal Tortug. Lh. VIL 207 

gos do Eftado a fua protecção , efcreveo ao Vice- 
Rey , fuppondo durava ainda o fitio deBicholim, 
pedindolhe , que ceífulle de continuar a guerra a 
Fonddu-Saunto-Bonfulô , porque naõ o fazendo afc 
fim , o obrigaria a foccorrello com as fuás forças , a 
que o Vice-Rey refpondeo , que a todo o tempo, 
que ellas chegaílèm, o achariaô em Campanha. No 
anno de 1728 experimentou oEftado outras felices 
expedições , porque o General Luiz de Mello de 
Sampayo reftaurou Patte , e Mombaça aos Ará- 
bios em 15 de Março , e ainda que depois naÕ fe 
coníêrvaraô eftas Praças , o Vice-Rey as pertendeo 
foccorrer no anno de 1730 comhuma Armada, que 
derrotou huma furiofa tempeftade , naufragando a 
Capitania de fetenta peças de artilharia com qui- 
nhentas e cincoenta e cinco praças , e o General 
Luiz de Mello de Sampayo, que naquelle Eftado 
havia fervido com muita reputação , valor , e for- 
tuna , e muitos Officiaes beneméritos , perecendo 
juntamente muita parte da Nobreza da índia ; os 
mais navios , que efcaparaõ da tormenta , chegarão 
a Goa taõ derrotados , que houveraõ mifter hum 
grande concerto , mas em breve íe puzeraõ de ver- 
ga para em Janeiro do anno feguinte conduzir oito- 
centos homens de defembarque , com que o Vice- 
Rev eílava re r o!uto ir em pefíoa à terceira expedi- 
ção de Mombaça : pore'm os fuccefíbs da Provín- 
cia do Norte lhe impcfTibilitaraÕ executar hum taô 
louvável intento ; e depois de continuar a g-ierra 

com 



N 



20 8 Hiftoria Çenealogica 

com o Maratá , fe concluío hum Tratado cie paz 
muy decorofo , que fe aííínou em Baçaim a 3 de 
Junho de 1 7 3 1 5 e havendo nelle alguma alteração 
com os inimigos depois da partida do Vice-Rey 
para o Reyno , fe aííinou , e executou a fua rati- 
ficação. 

Havendo-fe em todos eíles governos alcança- 
do importantes vitorias , também íe padecerão ad- 
verfidades nos fucceíTos , porque efta he a fortuna 
na guerra, às quaes EIRey acodio com foccorros 
de gente , e dinheiro. E ultimamente conftandolhe 
a furioía guerra , em que fe achava o Eílado da Lí- 
dia , feita pelo Maratá, levado do zelo da Reli- 
gião , e para que naõ pereceííè o Chriílianifmo , e 
íe naõ perdeífe o fruto de tantas Miííoens, em que 
havia tido tanta parte S. Francifco Xavier , que 
mereceo o nome de Apoílolo do Oriente , a quem 
tem huma íingular devoção, naõ fofrento , que o 
Corpo do Santo, que fe coníerva com devido cul- 
to na Cidade de Goa no Collegio da Companhia , 
pudeííè íer deípojo dos Bárbaros , expedio genero- 
famênce hum grande foccorro entregue à direcção 
do Conde da Ericeira Dom Luiz de Menezes , que 
fez Marquez de Louriçal , que com o poílo de Vi- 
ce-Rey paíTava íegunda vez à índia. Compunha- 
fe de huma Eíquadra de íeis nãos de guerra , de que 
era Capitania Noíla Senhora da Efperança , em que 
embarcou o Marquez , e por Commandante o Co- 
ronel Luiz de Abreu Prego 5 NoíTa Senhora do 

Carmo, 



da Cafa ^Real Tortug. Lh. VIL lop 

Carmo , que foy fervirulo de Almirante , que go- 
vernava D. Francifco Xavier Maícarenhas, Gene- 
ral de Batalha , Commandante de quatro batalhoens 
de Tropas veteranas, que pailavaõ a feivir no me£ 
mo Eítado ; Noíía Senhora das Mercês, que gover- 
nava o Coronel Luiz de Pierrepont com exercicio 
de Tenente Coronel das referidas Tropas ; o Bom 
Jefus de Villa-Nova , que governava o Tenente 
Coronel com exercicio de Sargento mor Joíèph 
Caetano de Mattos ; NoíTà Senhora da Conceição, 
que mandava o Capitão de Mar , e Guerra Antó- 
nio Carlos Pereira de Soufa j Noílà Senhora de Na- 
zareth , que commandava o Capitão de Mar , e 
Guerra Bernardo António Pereira da Foníeca. Nel. 
Ia embarcarão dous mil Soldados Infantes tiraios 
dos Regimentos do Algarve , Peniche , Caícaes , e 
Setuval, e dos da Corte aílèntaraô voluntários mais 
de trezentos , que fe aggregaraõ aos Corpos , que 
fe tinhaò nomeado ; e entre as muitas armas , petre- 
chos , e munições de guerra , levou dezafeis peflas 
de artilharia de nova invenção , que cada huma faz 
vinte tiros , e todas trezentos e vinte no breve e£ 
paço de hum minuto , das quaes haõ de ufar es ba- 
talhoens na Campanha , fervidas por Artilheiros, 
que exercitou o Sargento mor da Artilharia Jacob 
de Weinholtz , que he o director deita nova inven- 
ção : e huma confideravel fomma de dinheiro em 
moeda, e barras de prata. Efta foy huma das ma- 
yores expedições , que em tempo algum paílòu à 
Tom.VIII. Pd Índia, 



2 i o Hi floria Çenealogka 

índia , para onde partio do porto de Lisboa a 7 
de Ma) o de 1740. EIRey embarcando no dito dia 
em hum yacle com o Príncipe , e os Sereniííimos 
Infantes D. Pedi o, e D. António, fahiraõ a diver- 
tiria no rio a ver fahsr a Efquadra pela barra, e pal- 
iou além de Cafcaes para obfervar os navios , que 
fahiraõ com hum vento favorável. O Sereniífimo 
Infante D. Francifco fez o mefmo em hum dos léus 
yactes ; e foy grande o concurfo de embarcações 
ligeiras , em que a Nobreza , e muitas peííòas par- 
ticulares foraõ obfequiar abordo aoVice-Rey, e 
depois acompanharão as nãos até à barra. A Rai- 
nha com a Princeza do Brafil foraõ também ver a 
Efquadra ao Convento da Boa Viagem. 

Para o Eílado do Brafil na America , que ne- 
ceííkava de huma peíToa , em quem além de hum 
grande caracler concorreflêm prudência , e experi- 
ências , efcolheo EIRey ao Marquez de Angeja, 
Conde de Villa-Verde D. Pedro António de No- 
ronha , do Coníelho de Eftado , e Guerra , Vedor 
da íua Fazenda , que tinha adquirido reputação na 
paz, fendo Vice-Rey da índia , e na guerra fen- 
do Meílre de Campo General com o governo da 
Cavallaria , e depois Governador das Armas da Pro- 
vinda de Alentejo , o qual ferenou logo com for- 
tuna as paííàdas deíòrdens da Cidade da Bahia ; e 
tendo governado com íuavidade , deixou ao Eííado 
na fua antiga obediência , e voltou para o Reyno. 
Succedeollie D. Sancho de Faro , Conde de Vimi- 
eiro, 



da Cafa l^eal Tortug. Liv. VIL 2 n 

eiró , que naó acabando o governo , faleceo na Ba- 
hia do anno de 17 19, havendo governado com ócf- 
intereííè , próprio do Teu efclarecido nafcimento. 
Depois foy por Vice-Rey a Bahia Vaíco Fernan- 
des C;íar de Menezes, primeiro Conde de Sabu- 
gofa , que já havia governado com acerto o Eftado 
da índia , e entaõ paííòu ao do Brafíl , que gover- 
nou mais de quatorze annos com refpeito, inteire- 
za , grande zelo , e utilidade do ferviço delRey. 
Succedeolhe o Conde das Galveas André de Mel- 
lo , paílando do governo das Minas Geraes , como 
íediílè, para Vice-Rey do Eftado doBraíiJ, acre- 
ditando em toda a parte aqueles acertos , que con- 
feguio com applaufo na Corte de Roma , aonde 
foy muitos annos Embaixador. Nas mais Capita- 
nias houve Governadores, que ferviraõ com muita 
reputação , fazendo affinalados ferviços no zelo , e 
cuidado , com que reparando as fortificações das 
Fortalezas , que fervem de defenía ao Eílado , edi- 
ficarão outras com grande utilidade daquellas Con- 
quiftas : foccorrendo vigoroíâmente a Nova Coló- 
nia do Sacramento no Rio da Prata, que valerofa- 
mente defendeo , e tem governado muitos annos 
com muito acerto o Brigadeiro António Pedro de 
Vafconcellos. No Reyno de Angola o Príncipe 
da Caconda , vifinho do Paiz de Bengalla , com- 
metteo algumas hoílilidades contra o pefidio , que 
n2quelle território temos: pelo que o Governador 
delle íê lhe oppoz , e dando conta ao Capitão Ge- 
Tom.VIIÍ. Ddii neral 



2T2 Hiftoria (genealógica 

neral D.Joaõ Manoel de Noronha, efte com a fua 
natural a&ividade lhe mandou hum tal foccorro, 
que com a gente da guarnição pode formar hum 
Corpo , e marchando contra o inimigo , naÕ fó lhe 
abateo o orgulho , com que entrara , mas o obrigou 
a pedirlhe a paz. Também na Africa , pela parte 
de Moçambique , foy vencido em três batalhas o 
Principe Changamira pelo Tenente Coronel Ra- 
fael Alvares da Sylva , obrigando-o a mandar Em- 
baixadores à Praça de Tete a pedir a paz , que íb 
concluío com muitas ventagens da noííà Coroa , e 
logo começou a correr o reígate do ouro com abun- 
dância , e com muitos avanços a fua comutação. 

Querendo EÍP^ey íàtisfazer huma romaria, que 
havia muito prometera à milagrofa. Imagem deNof- 
fa Senhora da Conceição de Villa-Viçofa na Pro- 
víncia de Alentejo , a 28 de Outubro de 1716 fahio 
de Lisboa com os Infantes D. Francifco , e D. An- 
tónio à ligeira com poucos Criados , e fó os préd- 
ios para o íèrvirem , que foraõ o Duque de Cada- 
val Dom Jayme , Eftribeiro môr , o Marquez de 
Gouvea Dom Martinho Mafcarenhas , Mordomo 
môr , o Marquez de Marialva D. Diogo de Noro- 
nha , e o Conde de Unhaó Rodrigo Telles de Me- 
nezes, íeus Gentis-homen? daCamera, o Secretario 
de Eftado Diogo de Mendoça Corte-Real, o Pa- 
dre Francifco Pedrofo da Congregação £ Orató- 
rio , com quem EIRey íe con r eí!ava , e o Duque 
de Cadaval D. Nuno Alvares Pereira de Mello, a 

quem 



da Cajá ^al Tortug. Liv. VIL 213 

quem ordenou , que o acompanhafíè. Nafua auíai- 
cia deixou o governo a Rainha fua efpofa, para o 
que fe lavrarão os Decretos preciíbs , que entaõ 
baixarão aos Tribunaes, ficando para lhe aííiítir no 
defpacho o Cardeal da Cunha com o Secretario 
Bartholomeu de Soufa Mexia. Paílòu EIRey o 
rio em hum bergantim Real , e defembarcando em 
Aldeã Galiega , foy por Montemor a Évora , e da- 
hi a Eftremoz , e naõ houve demonítraçao alguma 
de feftejo no feu recebimento pelo haver afíim or- 
denado antecedentemente. A 5 de Novembro en- 
trou em Yilla-Viçofa, efoy logo vifitar a milagro- 
íã Imagem de NoíFa Senhora da Conceição , a quem 
dedicara aquella romaria na antiga Igreja , que lhe 
edificou o Santo ConJeftavel Dom Nuno Alvares 
Pereira , e a quem feu Auguílo avô o Grande D. 
Joa5 IV. fizera tributário todo o feu Reyno , co- 
mo temos dito 5 e tendo fatisfeito com a devo- 
ção , fe divertio na Tapada , onde matou grande 
numero de rezes com os Infantes feus irmãos : e 
paliados alguns dias , incitado daquella admirável 
curiofida-le, q'ie anima o feu íublime efpirito , foy 
ver a Praça de Elvas , e outras principaes daquella 
Província , obf~rvando tudo fcientiflcamente. En- 
trou também em alguns Mofteiros , e Igrejas mais 
celebres , e depois c J e com a fua Real prefença dei- 
xar honrada a Província, feitas diverfas mercês, 
e duio aos pobres muitas eímolas y fe recolheo à 
Corte. 

Ncfle 



214 Hiftoria Çenealogtca 

Nefte mefmo atino com animo pio, e zelo da 
Chriftandade, movido EIRey das inltancias do Pa- 

Prova num. 106. pa Clemente Xí. que por hum Breve feito a 18 de 
Janeiro de 17 15 , e depois pelas repetidas expref- 
foens feitas aofeu Embaixador o Marquez deFon- 

Prova nurn. 107. tes , e ultimamente por huma Carta da própria maò 
do Papa , feita a 18 de Janeiro de 17 16, em que lhe 
referia o eftado , em que a Chriftandade íè via ate* 
morifada pela arrogância do Império Ottomano , 
que ameaçava a Ilha de Corfú , depois de haverem 
os Turcos conquiílado aos Venezianos na Campa- 
nha antecedente a Morêa , rogava a EIRey lhe 
mandafle huma Efquadra , para que unindo-íè à da 
Igreja , e de outros Príncipes , fe oppuzeíTe à Arma- 
da Ottomana , que foberba intentava pôr Itália na 
ultima ruina. Ao que EIRey fatisfez , mandando 
huma luzida Efquadra, que fahio do porto de Li£ 
boa a 5 de Julho do referido anno a ordem do Con- 
de do Rio Grande Lopo Furtado ! de Mendoça , 
Almirante da Armada Real, do Confelho de Guer- 
ra , que no mar , e na terra havia fervido com repu- 
taça5 , dando do feu valor , e experiências repeti- 
das demonftrações defde os Teus primeiros annos. 
Fraó os Cabos íubalternos o Conde deS. Vicente, 
General de Batalha do mar , e Pedro de Soufa de 
Caftellobranco , Senhor do Guardaó , Coronel do 
Regimento da Marinha. Compunha-íê a Efqua- 
dra de íeis nãos de guerra , e hum brulote, hum ho£ 
pitai , e huma tartana armada em guerra. Na Ca- 
pitania , 



da Cajá 2vVt?/ Tortug. Liv t VIL 2 1$ 

pitania , que era da invocação de Noííà Senhora da 
Conceição de oitenta peíTus , embarcou o General 
Conde do Rio , o Coronel Pedro Gonçalves da Ca- 
mera Coutinho com o feu Regimento, a que íe 
haviaõ aggregado o Conde da Ilha do Príncipe An- 
tónio Carneiro deSoufa, Coronel de Infantaria , e 
feu irmaõ Bernardo Carneiro , e outros Fidalgos, 
que embarcarão pela occafiaô , e que tinhaõ fervi- 
do na guerra com muita reputação : os Capitaens 
de Mar , e Guerra da Capitania eraõ António Du- 
arte , Luiz de Abreu Prego, ejoaô Bautifta Ro- 
Ihano. Na AíTumpçaõ , que fervia de Almiranta, 
de feífcnta e féis peíTàs , embarcou o Conde de S. 
Vicente com os Capitaens de Mar, e Guerra Ber- 
nardo Freire de Andrade , e Luiz de Queiroz. Na 
de Noílà Senhora das Neceítldades também de fef- 
fenta e íeis p-ílas , que íêrvia de Fiícal , embarcou 
PeJro de Soufa de Caíiellobranco com os Capitaens 
de Mar , e Guerra SimaÕ Porto , e Franciíco Dias 
Rego. Em Santa Rofa também de íèííènta e féis 
peífas , o Capitão de Mar , e Guerra Gillet du Bu- 
ca^e j na Rainha dos Anjos de cincoenta e quatro 
peífas o Capitão de Mar , e Guerra Manoel Perei- 
ra de Ávila ; em NoíTa Senhora do' Pilar de quaren- 
ta peíTas o Capitão de Mar , e Guerra António 
Lopes j e no brulote o Capitão Jorge Mathias de 
Sottomayor. Embarcarão neíla Efquadra por vo- 
luntários o Conde dos Arcos D. Thomás de Noro- 
nha , Brigadeiro da Cavallaria 5 Jofeph Bernardo de 

Távora , 



&i6 Hi floria (genealógica 

Távora , irmaõ do ConJe de S. Vicente , Capitão 
de Cavallos; Miguel João Botelho, irmaô do Con- 
de de S. Miguel ; Jorge de Souía de Menezes , ir- 
maõ do Conde de Villa-Flor ; D. António da Syl. 
veira , Capitão de Cavallos , filho de D. Luiz Bal- 
thafar da Sylveira , Vedor daCafa da Rainha ; Pe- 
dro Alvares Cabral, Senhor de Azurara, e Alcaide 
mor de Belmonte j Joaô de Soufa Coutinho , irmão 
do Correyo mor do Reyno , e Capitão de Infanta- 
ria ; António de Mello de Caílro 5 Rodrigo de Fi- 
gueiredo de Alarcão ; Franciíco de Vaíconcellos de 
lientancourt com feu filho primogénito} D.Diogo 
de Nápoles de Noronha ; Diogo Rangel Themu- 
do de Macedo ; Joaõ de Soufa Chichorro 5 Antó- 
nio de Soufa da Sylva , Guarda mor da Cafa da ín- 
dia } os filhos do Medre de Campo Francifco Gar- 
ces de Brito j Thadeo Daly , Coronel da Cavallaria, 
e outros Fidalgos , e Officiaes reformados , que a£ 
íèntaraõ praça pela occafiaõ , e que tinhaõ fervido 
na guerra com bom nome. Chegou a noílà Efqua- 
dra a Leorne, de donde o Almirante Conde do Rio 
mandou a Pedro Alvares Cabral a Roma a dar no- 
ticia ao Papa , de que EIRey o mandava para fe-. 
ruir as íuas ordens : voltou com a repoíla breve- 
mente , e com a inítrucçaõ do Papa huma graça de 
Indulgência plenária para todos os que fe emprega- 
vaô naquella acçaõ. Continuou a Armada com 
toda a diligencia a derrota de Corfú com a noticia , 
que teve de eílar aquslla Praça fitiada pelos Tur- 
cos, 



da Ca/a l^éal Torttig. Liv. VIL 217 

cos, que defendia o Manchai de Scoulembourg , e 
chegando ao porto, achou o General, que os Tur- 
cos haviaõ levantado o fitio com a noticia , de que 
era a Ilha foccorrida , e naõ havendo , em que íè 
empregar naquelks mares , cm que padeceo fem- 
pre ventos contrários , que lhe impedirão o podei íè 
encorporar com a Armada Chriíiãa, que íahira con- 
tra a dos Turcos , fe fez na volta de Lisboa , aon- 
de entrou a 25 de Novembro do referido anno, e 
asoutias Efquadras auxiliares bufearaõ osfeus por- 
tos. 

No anno feguinte de 17 17 tornou anofíà Ef- 
quadra a entrar no Medicerraneo , havendo íàhido 
do porto de Lisboa a 28 de Abri!. Mandava a Ar- 
mada omefmo General Conde do Rio Granc'e, e 
os meímos Cabos. Compunha-fe dos navios feguin» 
tes : a Capitania , que era da invocação deNoílà 
Senhora da Conceição , em que embarcou o Con- 
de do Rio de oitenta peíías , com os Capitaens de 
Mar , e Guerra António Duarte , Luiz de Abreu 
Prego , e Jofeph Gonçalves Lage. Noííà Senhora 
do Pilar , que fervia de Almirante , em que foy o 
Conde de S. Vicente , de oitenta e quatro peitas , 
com os Capitaens de Mar , e Guerra Manoel An- 
dré dos Santos , Luiz de Queirós , e Pedro de Olivei- 
ra Muge. NaAíTumpçaõ, que fervia de Fifcal , e 
era de flíTcnta efeis peíTas , hia Pedro de Soufi de 
Caítcllobranco com os Capitaens de Mar , e Guer- 
ra Simeaõ Porto , e Francifco Dias Rego. NoíTi 
Tom. VIII. Ee Se- 



2 i 8 Hljloria Genealógica 

Senhora das Neceflidades de íèííènta e féis peílas 
com o Capitão de Mar, e Guerra Gillet àu Buca- 
ge. Santa Roía de feílenta e féis peíTas com o Ca- 
pitão João Bautilla Rolhano. A Rainha dos An- 
jos de cincoenta e féis peíTas , em que hia o Capi- 
tão de Mar, e Guerra Joíèph Pereira de Ávila. Em 
S. Lourenço de cincoenta e féis peíTas Bartholomeu 
Freire. De Santo António de Pádua , que era bru» 
lote, hia o Capitão Jorge Mathias de Sottomayor. 
Em Santo António de Lisboa , que também era 
brulote , o Capitão Thomás Tully. Em Santo 
Thomás de Cantuaria , que era de tranfporte com 
vinte peílas , hia o Meftre António dos Santos , e 
humi tartana armada em guerra, de que era Me£ 
tre Jofeph Barganha. Nas referidas nãos hiaõ os 
Capitaens Tenentes Pedro de Albuquerque, Jofeph 
de Azevedo , António Pereira Borges , Pedro da 
Sylveira , Gafpar Vieira da Sylva , Pedro Dias Fal- 
cão , Agoílinho Morial , e André Gonçalves No- 
gueira. Embarcarão voluntários pela occaíiaõ di- 
verfos Cavalheros, que foraõ : Rodrigo Ceíar de 
Menezes , os Capitaens de Cavallos Joíèph Bernar- 
do de Távora , e D. António da Sylveira , António 
de Mello de Caftro, D. Affònfo de Noronha filho 
do Conde dos Arcos , Joaõ de Soufa Coutinho , 
Capitão de Infantaria , Dom Rodrigo de Brito de 
Monroy , Cavalleiro de Malta , António Carlos 
Cary , Cavalliero Inglez , e outros muitos. Che- 
gou a noílli Efquadra a Corfú em 10 de Junho, 

onde 



da Cafa Ityal Tortug. Liv. VIL 21 p 

onde eílava já o Capitão General da Republica de 
Veneza André Pizani com as fuás gales, encorpo- 
rado cem cinco da Igreja , mandadas pelo Cavalhe- 
ro Ferreti , e duas do Graô Duque de Tofcana , às 
quaes fe un.raõ cinco da Religião com o feu Gene- 
ral Frenois. O Papa tanto , que teve noticia da 
noíla Armada ter entrado nos mares de Itália , lo- 
go por hum Breve de dezafete do referido mez , 
agradeceo a EIRey o zelo , com que fe intereíía- 
va em defender a Chriftandade dos eminentes peri- 
gos , em que íe via. Unida anofla Efquadra com 
as outras , faltava fó para abertura da Campanha a 
uniaõ dos navios de Malta , que entrarão a dezafe- 
te com o Balio de Bellefontaine, Tenente General 
da Armada delRey de França , e Governador da 
Praça de Tolon , efeolhido pelo Pontífice para go- 
vernar as armas Auxiliares com o Eftendarte de íeu 
Almirante , e hum Breve , em que fulminava a in- 
dignação da Sé Apoftolica contra quem lhe difpu- 
taííè a obediência. Depois dos Generaes , e Cabos 
principaes terem refoluto , que partiílê a Armada 
Subtil unida com as Efquadras auxiliares de Portu- 
gal , e Malta , a encorporaríê com a groíTa da Re- 
publica de Veneza ao Archipelago , onde andava 
cruzando aquelles mares , para que depois de feita 
ajunçaõ fe tomarem as medidas para a Campanha, 
e que no caio , que os inimigos naô íahiíTem dos 
íèus portos, ( como erradamente fe entendeo) de- 
viaõ chegar aos Dardanellos, para naquellas Cofias 
Tom. VIII. Eeii faze- 



2 2 HiBoria (genealógica 

fazerem todas as hoílilidades , que pudeíTêm. A 
vinte e três partirão de Corfú tocando Zante por 
fe entender, que naquella Ilha poderiaõ achar noti- 
cias da Armada , porque até entaõ naõ tinhaõ tido 
aviíb algum. Pelos navios, que vinha Õ do Levante, 
fouberaõ , que os Turcos tinhaõ fahido com qua- 
renta navios a atacar a Armada de Veneza pela ve- 
rem andar bordejando nas bocas de Conftantinopla, 
e que duas vezes haviaõ peleijado , íèm chegarem 
nunca ao ultimo esforço , nem mais perda dos Ve- 
nezianos, que alguma avaria, e a morte do feu Ge- 
neral Luiz Flangini , o mais valerofo , e experimen- 
tado Soldado da marinha , que tinha a Republica. 
Deftes combates os íeparou hum vento rijo , que 
carregou os navios. Com efta noticia partirão do 
Zante em demanda do Cabo de Sapiência , donde 
deraô viíla da Armada , que andava forcejando por 
tomar algum porto para fazer aguada , e repararíè 
de algum deílroço , que nos combates experimen- 
tarão. Pela falta do General Flangini governava 
a Armada o feu Capitão extraordinário Marco An- 
tónio Diedo , e conferindo-íe o que íe devia obrar 
eílãndo os inimigos em Nápoles de Malvazia , Pra- 
ça que diítava pouco do lugar , em que fe acha- 
vaõ , íè refolveo de os ir atacar no dia fèpuinte ; 
mas a ifto íe cppunha o embaraço de vir a Armada 
taõ falta de agua , que naõ podia fubíiílir muito 
tempo: porém o Conde do Rio Grande lhe oíTe- 
receo todo o provimento neceííario da fua Eíqua- 

cira 5 



da Cajá Tfyal Tortug. Lh. VIL 2 2 1 

dra , que tinha de fobrecellente , por naõ retardar 
a acçaõ, em que impaciente procurava entrar com 
os feus navios , para fatisfazer às ordens do íeu Prín- 
cipe. Deu-fe parte logo deita refoluçaõ ao Capi- 
tão General André Pizani , que tinha dado fundo 
com a Armada Subtil em Cabo Groço , fem cuja 
ordem fe naõ podia fazer operação alguma. Co- 
meçaraô-fe na melma tarde a ver alguns navios ini- 
migos , e no dia feguinte , que era cinco de Julho, 
fahio do Cubo de Matapan a Armada dos Turcos 
com quarenta e dous navios , que eftenderaõ em 
huma dilatada linha, forcejando por naõ perderem 
o vento , que os favorecia. As duas Eíquadras au- 
xiliares rlzeraõ toda a força por fe melhorarem de 
poilo , e v.ndo aos Venezianos mais a fotavento 
com tal embaraço , que naõ feria fácil tomarem 
forma de pelei; i , lhe foy precifo fazer feparadamen- 
te huma linha de batalha , em que fe coníervaraõ 
todo o dia com t »nta felicidade , que a fua chega- 
da, ee^a manoura livrou aos Venezianos de íèrem 
combatidos ; porque os Turcos os bufcavaõ igno- 
rantes deita junção , pelo que íe abftiveraõ do 
combate. NaÕ padeceo duvida , que íè os Tur- 
cos arribaflem fobre os Venezianos , os poriaõ em 
grande confterqaçaõ ? porém apoílura, em que vi- 
rão as Efquadras auxiliares , e o medo das fuás for- 
ças lhe fufptndeo oimpulfo, e fe confervaraõ todo 
o dia fem f ;zer mais , que trabalharem por naõ per- 
dciim o barlavento j e aíTim todos tinhaõ po r in- 

fallivel 



222 Hijlorla (jenealogtca 

fallivel o combate no dia feguinte , porém nelle ap- 
parecerão os inimigos mais diftanres , do que anoi- 
tecerão , e aííim naquelle dia , como nos íeguintes , 
fe foraõ apartando como quem recufava o comba- 
te. A neceííidade , em que fe acbava a Armada 
Veneziana, a fez bufcar a Enfeada de Sapiência pa- 
ra fe refazer de agua, e de algumas outras coufas, 
que a puzeílem mais prompta para bufcar o inimi- 
go j mas os ventos contrários naÕ lhe deixarão to- 
mar porto , e lhe deraõ vifta de toda a Armada ini- 
miga na Bahia de Caron, fobre a qual andarão bor- 
dejando dous dias, fem que ella fizeííè movimento 
algum. A Armada Subtil, que fe achava ancora- 
da perto do inimigo , fe foy encorporar com agrof- 
fa pelo receyo de íêr queimada , no cafo dos inimi- 
gos deftacarem alguns navios para efta operação. 
Com as galés naÕ era poífivel bordejar , e aífim por 
lhe fazer conferva , como por buícar porto, lhe foy 
precifò arribar à Eníêada de PaíTavá entre o Cabo 
de Matapan , e o de Santo Angelo : aqui efteve a 
Armada quatro dias fobre ferro fazendo agua , e 
cortando lenha até o dia dezoito de Julho , em que 
ao pôr do Sol deraõ vifta de alguns navios do ini- 
migo a Capitania de Portugal , e o ícu Fifcal , que 
naõ quizeraõ entrar no porto , e logo flzeraô final 
aos mais navios , fem que os Generaes de Veneza 
o tiveíTem percebido pelas íuas defcobertas , que 
traziaÕ fora para os avifar. 

Na manhãa do dia 19 ao amanhecer vieraõ os 

Turcos 



da Cafa T^al Tcrtug. Liv. VIL 22$ 

Turcos arribando com todo o pano fobre a Arma- 
da. A Efquadra Portugueza com os dous navios 
da Religião , e huma fragata Veneziana , que em 
Corfú fè Ihz tinha unido , rízerad a ília linha na re- 
taguarda, entendendo, que os Venezianos aconti- 
nuariaõ , como lhe tocava, o que elles naÔ procu- 
raraô fazer , e muito menos depois de ver o inimi- 
go íobre fi. A Armada dos Turcos fè compunha 
de vinte e duas Sulcanas de grande força , com vin- 
te e íeis navios de Alexandria, e das Cofias de Ber- 
béria. A de Veneza contava vinte e cinco da pri- 
meira , e íègunda linha , que com os Auxiliares fa- 
zia o numero de trinta e quatro. Começaraõ-íê a 
ouvir alguns tiros foltos na vanguarda com pouco 
erlèito , porque o Graõ Baxá , que hia na fua Ca- 
pitania de cento e dez peííàs com mil e quatrocen- 
tos homens de equipagem , deíprezou todo o mais 
corpo da Armada , e foy determinadamente bufcar 
as Bandeiras de Portugal , e da Igreja , efcoltado de 
quinze Sultanas na5 muito inferiores no poder j e 
medindofe com ellas a tiro de canhão , eílendeo a 
fua linhi , e furiofamente as começou a combater. 
Seriaõ oito horas da manhaa quando principiarão a 
deícarregar todo aquelle foço fobre os últimos cin- 
co navios , que eraô : a Capitania de Portugal , a 
fua Almiranta , e Fifcal , com Santa Rofa , e o na- 
vio Veneziano, que diííèmos íe ajuntara aos Portu- 
guezes em Corfú , os quaes confiantemente o fo- 
freraõ até às cinco horas da tarde , íêm nunca per- 
derem 



224 Hijloria Çenealogca 

derem forma , nem íâhirem da linha , corefpon- 
dendo inceíTantemente com formidável fogo fobre 
os inimigos , e procurando fempre irem de lo para 
chegarem a elles , ou romperlhe a linha , o que con- 
fèguiraõ ficando a íèu barlavento ao render do bor- 
do , com o que os Turcos fe puzeraõ em retira- 
da defanimados do fucceííb , naõ podendo já íbfrer 
a invencível refiftencia , que experimentarão na Efc 
quadra de Portugal , que lhe tirou das mãos huma 
vitoria , de que fe davaõ a íèu entender tao íègu- 
ros , que lhe pareceo lha naõ difputariaó em feme- 
lhante forma. O Conde de S. Vicente na5 fatisfci- 
to com o muito , que tinha obrado naqutlle dia, 
fez huma valerofa arribada fobre as Capitanias ini- 
migas prolongando-fe com eilas , e batendo-as , a 
quem foccorreo apreííàdamente o Conde do Rio 
Grande , tomando fobre o feu navio grande parte 
do fogo , com que os inimigos o offèndiaô , o que 
também logo ao mefmo tempo fez Pedro de Soufa 
de Caftellobranco , meten3o-fe intrepidamente por 
entre toda a Armada com a fragata Santa Rofa a 
bufcar os feus Generaes j porém como hiao na re- 
taguarda , e os Turcos naõ efperaraõ muito, quando 
chegarão, hiaõ já os inimigos arribados, procuran- 
do faívaríè entre o mayor corpo dos (eus navios. 
O injurioíb partido da fua retirada privou aos Ge- 
neraes Portuguezes de terem unis a gloria naquel- 
l:-s cativos. O General Bellefontaine poucas horas 
depois do combate fahio da linha pondo-fe a fota- 

vento 



da Cafa Tieal Tortug. Liv. VIL 225 

vento delia cem outro navio da fua cenferva ; eíla 
eftranha novidade cauicu admiração por fe ignorar 
o motivo, e mandou ordem por hum feu Ofhcial a 
três navios Portuguezes , que hiaõ na fua proa, fí- 
zeíTem a melma arribada 5 à qual elles naÕ tbedece* 
raõ , dizendo , que em femelhantes occaíioens nao 
era licito , nem decoroíb diftribuir ordens particu- 
lares , quando havia íínaes no Regimento, de que 
fe devia ufar para todas as operaçoens, que inten- 
taíle fazer. O que fem duvida poria em perdição 
toda a Armada , fe os quatro navios Portuguezes , 
e o Veneziano , que taõ furiofamente fe eftavaõ 
acanhoneando na fua retaguarda , íèguiílèm a or- 
dem deite General. Os Venezianos fe coníèrva- 
raõ íempre com huma inexplicável confufaõ , íem 
entrarem em linha , nem tomarem forma pondo-íe 
fora do combate , e nao foraõ mais , que teítemu- 
nhas do que obrarão os Portuguezes em defenía dos 
Eftados, e incereilè da fua Republica, porque de£ 
ta fó quatro navios pelejarão , ainda que fem or- 
dem, com boa refoluçaõ, e fó na retirada dos Tur- 
cos os feguio toda a Armada , fazendo-lhe algum 
fogo, de taõ pouco prejuízo, que fó fervia de ap- 
plaudir o triunfo , que os noífos confeguiraõ cem 
tanta gloria, como teftemunharaÕ todas as Nações 
da Europa. A noííà Eíquadra ficou muito deílro- 
çada de maftros, velas , e enxarceas, e com os cof- 
iados taõ cheyos de balas , que a naõ fer forte a 
conftrucçaõ dos feus navios , e a fortaleza das ma- 
Tom.VlII. Ff deiras, 



2 2 6 Hiftoria Çenealogica 

deiras , todos perigariaõ, ou pelo menos a mayor 
parte das fuás guarnições. Naõ houve mais perda, 
cjue a de oitenta homens, que morrerão, fem outra 
peííòa de diftinçaõ, que o Capitão de mar, e guer- 
ra Manoel André , e cento e vinte feridos , de que 
alguns vieraõ a morrer , e dos Turcos mais de cin- 
co mil. Depois de eftarem no dia feguinte as Ar- 
madas à viíla fempre em calmaria, no dia 21 puxa- 
rão os Auxiliares para o mar , para fe melhorarem 
para huma boa operação, que entendiaõ era conve- 
niente 5 mas os Venezianos fe coníèrvaraõ no porto 
para cobrirem as galés, ou por outro defignio, que 
íe naõ entendeo, fem íe aproveitarem de taõ favo- 
rável conjun&ura como lhe oíferecia o tempo , en- 
trando com a ília Armada no vento , como tinhaõ 
feito os Auxiliares para defcarregarem fobre os ini- 
migos , que pela calmaria fe naõ podiaõ aproveitar 
das fuás forças para a í^fiftencia., E deíla forte pri- 
varão a Chriítandade de hum gioriofo dia, porque 
toda a Armada inimiga havia de encalhar nas fuás 
Cofias, perdendo todos os feus navios. Separarão- 
íe as Armadas obrigadas de hum tempo forte, pro- 
curando cada huma bufcar os feus portos. A noííâ 
Efquadra deixando os Venezianos íeguros, e anco- 
rados no porto deCorfu, e tendo noticia, de que 
os Turcos íê recolherão a Nápoles de Romania , 
para cobiirem a Morea , íe fez na volta de Mcííi- 
na , onde entrou a 24 de Agofto falta de manti- 
mentos , e com grande deílroço nos navios : e re- 
feitos 



da Cafa 1{eal Tortug. Liv.VIL 227 

feitos do que neceíTitavaõ , Te fez à vela para Li£ R c 'açaõ do fucc^o d» 
boa , onde entrou a 6 de Novembro com a irlo- * T T ÓA J e v S" cza ' 

7 o umcw com as Liqu»- 

ria do credito, que tiveraõ as noíias Armas, por- dras de Portugal, &c. 
que ellas livrarão a Itália do eminente perigo, que s inal;i ^ 
os Turcos lhe promettiaõ. O General Conde fio 
Rio , tanto que deíembarcou , foy com os Cabos 
principaes beijar a ma5 a EIRey , que os recebeo 
benignamente, moílrando iatisfaçaõ do bem, que 
tinhaô fervido , e depois premiou ao General , e 
Cabos principaes com Commendas, e aos Officiaes 

com prémios proporcionados aos feus póftos. CfL o 

n - ri i cu> - j u Prova num. 10S. 

Papa nao lo agradeceo a EIRey tao grande bene- 
fício com paternaes, e amorolas expreííbens , mas 
ao mefmo General Conde do Rio , mandou hum 
Breve, em que lhe agradecia o zelo, e valor, com 
que a fua Armada triunfara da inimiga. Deita Cam- p. ova num 10g> 
panha fez huma Relação em muito bom eílylo o 
Padre D. Onofre Chirino , Clérigo Regular, que 
em Lisboa havia fido meu Meftre de Theologia , e 
lòube a lingua Portugueza , e nella a efcreveo , e 
imprimio em Medina, fua Pátria, no mefmo tem- 
po, que nella efteve anoílà Armada. 

Noanno de 17 12 mandou EIRey a Roma por 
íèu Embaixador Extraordinário ao Marquez de Fon- 
tes (depois de Abrantes) feu Gentil-homem da Ca- 
mera, a dar obediência ao Papa Clemente XI. que 
o recebeo com paternal affecto, e de quem fez gran- 
de eftimaçaõ , porque o Marquez era erudito , e 
com excel lente talento ; aííim o attendeo fempre 

Tom. VIII. Ffii com 



228 Hi floria Çenealogica 

com fingulares honras, e muy particular trato, to- 
do o tempo, que eiteve naquella Corte, onde te- 
ve Audiência publica com magnifica, e luzida co- 
mitiva de carroças, e familia, a 8 dejulho de 1716. 
Aííiítia entaõ naquella Corte por Enviado Extraor- 
dinário André de Mello e Caftro, que depois no 
anno de 1718 íe declarou Embaixador, que EIRey 
entaõ honrou com a grandeza no titulo de Conde 
das Galveas : neíla reíidio muitos annos com mui- 
to luzimeoto, e eftimaçaõ em diverfos Pontificados, 
confeguindo em todos reputação , e applauíb uni- 
verfal dos Romanos, e de todas as Naçoens, que 
fe achaõ naquella grande Corte , onde fez huma 
taõ magnifica , e pompofa entrada , que a naõ vio 
mayor Roma , de forte , que o íèu generofo efpi- 
rito impoiTibilitou aos mais Miniftros das outras 
Cortes a fazerem entrada publica , porque depois 
da lua , naõ tem havido outra em Rema. 

O mefmo Pontífice tendo confirmado os an- 
tigos privilégios , e jurifdicçcõ de Capellaõ môr 
com confentimento delRey , erigio na íua Real 
Capella huma Collegiada iníígne, debaixo do titu- 
lo , que tinha de S. Thomé , para que expedio hu- 
Prova num. 110. ma Bulia, que principia: Apoíiolatus Miniiieric, da- 
da em Roma a 9 das Kalendas de Março de 17 10 , 
ornando-a com íeis Dignidades, e dezoito Cóne- 
gos, doze Beneficiados, e os Mancionarios amoví- 
veis, que EIRey foííè fervido nomear, e que todos 
aquelles Benefícios ficariaÕ unidos ao leu Real Pa- 
droado. 



da Cajá Tfyal Tortug. Liv. VIL 22 p 

droado. Foy commettida a execução deita Bulia 
ao Bifpo de Tagaíte D. Manoel da Sylva Francez, 
e para fe poder dar a ella comprimento, paflbu El- 
Rey hum Alvará a 9 de Mayo de 17 10, em que 
dava o feu Real confentimento para fe fazer a dita 
erecção. Em virtude do referido , fe deu íentença a 
15 de Mayo do mefmo atino, e nomeando EIRey 
as Dignidades , Cónegos , e Beneficiados , foraõ 
collados pelo Bifpo Capellaõ môr Nuno da Cu- 
nha de Attaide a 16 de Mayo, e ficarão fervindo 
na Real Capella. Depois governando ainda o San- 
to Padre Clemente XI. a Igreja de Deos , erigio 
de confentimento delRey em Igreja, eBafilica Pa- 
triarchal a infigne Collegiada de Saõ Thomé , que 
fora erecta na Capella Real, de que ainda fe fer- 
ve, em quanto fe naó edifica a Santa Igreja, e Ba- 
filica Patriarchal , que na fua vafta idéa tem deli- 
neada para aqueile Templo , e Palácio. Principia 
a Bulia Áurea : In Supremo Apoftolatus Solto: da- Prova num. 111. 
da em Roma a 7 dos Idus de Novembro de 1716, 
fendo o feu primeiro Patriarcha Dom Thomás de 
Almeida, efclarecido em fangue, e letras, que nas 
Igrejas de Lamego , e Porto , de que fora Bifpo , de- 
ra das fuás virtudes excellentes moftras ; como nos 
lugares , que oceupara nos Tribunaes Régios , de 
que fora Miniftro, da fua re&idaõ, letras 5 e no ma- 
nejo dos negócios politicos da Monarchia , o íêu 
fublime talento , o tempo , que oceupou o grande 
emprego de Secretario de Eítado. A efla excelia 

digni- 



230 Hijloria Cjenealoçica 

dignidade ficou annexa a de feu Capellaõ mor , 

concedendo ao Patriarcha , em razaõ da fua alta 

dignidade , e a íeus fucceílòres novas honras , e 

todas as prerogativas , que faõ concedidas , e elle 

_ permitte nos feus Reynos aos Cardeaes da Santa 

Prova num. 1 1 2. $ •& A 1 , > A/r r a 

Igreja Romana , por Decreto mandado a Meia do 

Defembargo do Paço de 12 de Fevereiro de 1717. 
EIRey levado da fua natural piedade , herdada de 
feus Auguftos Predeceílòres , que com tanta libe- 
ralidade dotarão tantas Igrejas , lhe fez huma am- 
pla , e generoía doação , fazendo mercê para íem- 
pre ao mefmo Patriarcha, e a todos os feus fucceí- 
fores de duzentos e vinte marcos de ouro todos os 
annos; declarando, que efta doação feita ao Patriar- 
cha, e perpetuamente aos íeus fucceílòres, os quaes 
fempre deviaõ fer pelos próprios merecimentos , e 
por todas as qualidades as primeiras , e principaes 
peííoas dos íeus Reynos, cujo lugar ainda o pode- 
riaõ occupar os Infantes delles, porque a fua Real 
intenção era, que aquella larga íòma fe applicaífe à 
fuítentaçao da peííòa do Patriarcha, Cafa, e Eíla- 
do , para que aííim íe augmentaífe ,0 efplendor , e 
magnificência delia , attendendo ( com admirável 
providencia) que os Patriarchas das rendas, que po£ 
fuíaõ, e poderiaõ ter de futuro, as podeílem diftri- 
buir em eímolas , e mais obras de piedade , a que 
como Paftores faÕ obrigados. Efta doação paííà- 
da com todas aquellas claufulas , que íê requerem 
para fua perpetua validade, conforme o Direito em 

feme* 



da Cafa 'Rgal Tortug. Liv. VIL 2 3 I 

femelhantes cafos , foy feita no primeiro de Abril 
de 1719. E logo por outra paííàda no mefmo dia, P r °va num. 115. 
e anno , lhe fez doaçaô da Liziria da Foz de Al- 
monda , de grande rendimento : de forte , que enri- 
quecendo aos Patriarchas de bens do íeu Patrimó- 
nio Real, lhe fez gracioía, e generofamente as re- 
feridas doaçoens , para que íèm prejuízo dos pobres 
pudeíTe brilhar a grandeza da fua alta dignidade. 
Depois o Papa Clemente XII. por nomina delRey Prova num. 114. 
creou ao mefmo Patriarcha Cardeal , a 20 de De- 
zembro de 1757, declarando, que efta dignidade 
ficaria perpetua nos Patriarchas feus íucceííòres, os 
quaes íèndo preconizados, em Confiftorio , feria5 
immediatamente creados Cardeaes , no íeguinte. 

Erigida a Santa Igreja Patriarchal pela divifaõ 
da antiga Metropoli de Lisboa , fendo o executor 
das referidas Bulias Dom Jofeph Pereira de Lacer- 
da , Bifpo do Algarve, e depois Cardeal da Santa 
Igreja Romana , ficou enta5 efta com o titulo de 
Árchiepifcopal Oriental , e o Patriarchado com a 
parte do Occidente , e foy dividida a grande Lis- 
boa em duas Cidades por hum Alvará Real, pafla- 
do a 15 de Janeiro de 17 17, em que íê lhe determi- 
nou com os feus territórios governo íêparado pa- P rovanum « i J 5. 
ra a policia, e tudo, o que pertence a cada huma 
das Cidades com Senado da Camera em huma , e 
outra ; ordenando-fè,, que nenhum inflrumento pu- 
blico, ou papel, que neceflltaíle de legalidade, a pu- 
deííè ter , fem que declaraíTe em qual das Cidades 

fora 






2 3 2 Htjloria Çenealogica 

Prova num. 116. f° r a feito, ou lavrado. O Papa em Coníiítorio fe- 
creto, a 7 de Dezembro de 1716 , havia participa- 
do ao Sacro Collegio dos Cardeaes os motivos da 
nova erecção da Igreja Patriarchal de Lisboa Oc- 
cidental , nomeada em Dom Thomás de Almeida, 
Bifpo do Porto , a que aííinou por íurTraganeos os 
Biípos de Leiria , Lamego , Funchal , e Angra , e 
hum Cabido conítituido com féis Dignidades , de 
que a primeira era o Deaô, e dezoito Cónegos com 
três Prebendas de Penitenciário, Theologo, e Dou. 
toral , e doze Beneficiados prebendados , e outros 
Miniftros Eccleíkilicos para o ferviço da Patriar- 
chal. Ornou-íè efta de hum egrégio Cabido, com- 
porto de vinte e quatro lugares, nomeando EIRey, 
como do feu Real Padroado, as Dignidades, e Co. 
negos ( a que depois chamarão Principaes , titulo, 
que o Papa approvou ) as peílòas mais efclarecidas 
em Tangue , e também em letras de todo o Reyno, 
com groííàs rendas para fe confervarem na authori- 
dade, que íe lhe havia conferido 5 porque o Papa 
lhe concedeo as Veftiduras Epifcopaes , e outras 
muitas graças , e privilégios , aos quaes EIRey 
também acordou todas as honras , e prerogativas 
de Grandes , que nos feus Reynos tem os Bifpos 
nomeados por elle, por Alvará de 24 de Dezembro 
Prova num. 117. de 17 16. Na tarde do meímo dia entrou o Cabi- 
do na poíTè da Santa Igreja Patriarchal, e cantarão 
íblemnemente as Vefperas da Feita do Natal. 
Concedeo também depois aos Cónegos a precedên- 
cia 



da Cafa TZgal Tortug. Liv. VIL 233 

cia a todos os mais Miniftros nos Tribunaes , por 

Decreto de 12 de Janeiro de 1717 , em confidera- Prova num, 11S. 

ça6 da preferencia , que o Papa havia concedido a 

cada hum dos Cónegos Patriarchaes, a refpeito dos 

Cónegos , e Cabidos de todas as outras Cathe- 

draes , e de todos os mais Prelados , ainda que ti- 

veíTem o ufo de Micra , ou foílèm Abbades Ge- 

raes , ou Priores Mores das Ordens Militares i e 

ultimamente na Ley noviííima dos Tratamento , 

feita a 29 de Janeiro de 1759, ficarão comprehen- 

didos entre os grandes Eccleíiaílicos. 

Confirmou depois o Papa a referida Bulia , 
declarando-a, e ampliando-a por outra, que princi- 
pia: Gregis Dommici cura , feita em Roma a 5 Prova num. 119. 
das Nonas de Janeiro de 17 17, e querendo o me£ 
mo Papa moftrar o quanto eftimava a erecção da 
Santa Igreja Patriarchal de Lisboa , por outra Bul- 
ia , que começa : Inefiabili Dlvin<e Makílatis , 
paíTada a 4 dos Idus de Março de 17 17, ampliou P r °va num 120. 
mais os privilégios do Collegio Patriarchal. De- 
pois já no anno de 1720, aos 27 de Setembro, con- 
cedeo o mefmo Pontífice Clemente XI. as quartas 
partes dos rendimentos dos Arcebifpados, e Bifpa- 
dos deftes Reynos com confentimento delRey. 
Deltas quartas partes eílavaõ os Reys de Portugal 
em poíle immemorial de ferem refervidas pelo Pa- 
pa no Confiílorio , em que propunhaô, e preconi- 
zavaõ as peííbas nomeadas para Bifpos , ou Arce- 
bifpos a favor de peííbas Eccleíiafticas , Seculares, 
Tom.VIII. Gg ou 



234 Hiftoria Çenealogica 

ou Regulares, gratas, e aceitas aos Reys, queel- 
les declaravao , e expediaô Bulias até abforberem 
a dita quarta parte , que cobravaõ a dinheiro : e 
por coníiderarfe , que era mais útil pagarfe em fru- 
tos , aííím íè eftabeleceo no ado deita applicaçaô , 
que dos particulares parlou ao Excellentiílimo , e 
Reverendiííimo Colleííio Patriarchal em commum. 
O Papa lhe ajuntou mais huma certa porçaõ dos 
frutos das Collegiadas de Santarém, Ourem, e Bar- 
cellos, unindo-lhe as Igrejas de Santa Maria deObi- 
dos no Arcebifpado de Lisboa, S. Mamede de Lin- 
do fo , Santiago de Anha, e Santa Maria de Chaves 
no Arcebifpado de Braga , para dote das Prebendas, 
e Benefícios da Santa Igreja Patriarchal: e porque a 
Bulia naõ íeexpedio em fua vida, o fez feu íucceílbr 

Prova num. 121. Innocencio XIII. e principia: Kationi congruit, foy 
paílada a 18 de May o de 1721 , confervando a data 
da graça do Papa Clemente XI. que foy em 5 das 
Kalendas de Setembro de 1720. PaíTados annos por 
Bulia de 8 de Fevereiro de 1757 , contando ab Inçar* 
natione, que vai o mefmo , que 1738 a Nativitate, 

Prova num. 122. c í ue principia : Keíigiofo Chriílianorum Principum , 
confirmou o Papa Clemente XII. as referidas graças, 
e reduzindo as quartas partes a terças dos mefmos 
Arcebifpados , e Bifpados , concedeo de novo cer- 
tas partes dos frutos de algumas Cathedraes do 
Reyno, e outras graças, entre as quaes foy dar fa- 
culdade ao Cardeal Patriarcha para erigir com con- 
íelho , e confentimento delRey novas Prebendas , 

eBe- 



da Cafa T^al Tortng. Liv. VIL 235 

e Benefícios, que tiveíTem csmefmas prerogativas, 
e qualidades, que os piimeiíos, ou menores, mo- 
deiando-as conforme lhe pareceíle. Em virtude 
delta faculdade fe erigirão fetenta e dous Prelados , 
que EIRey nomeou do íèu Confelho, com diiíeren- 
ça de Ordens, entre Presbyteros, Prothonotarios , 
Subdiaconos , e Acoiytos, e deu varias prerogati- 
vas refpe&ivaS às fuás dignidades, vinte Canonica- 
tos, ti inca e dous Beneficiados, e trinta e dous Clé- 
rigos Beneficiados , todos do Padroado Real , na 
forma da fentença, que proferio o Cardeal Patriar- 
cha a 14 de Março de 1759. 

Deita íbite fe augmentou o ferviço da Santa 
Igreja Patíiarchal com a ordem Prelaticia , com- 
polia de p^íloas de grande qualidade , e também 
de litteratura , e a dos Cónegos na mefma forma , 
e depois a dos Beneficiados, e os mais Clérigos Be- 
neficiados , e Cantores do íèrviço da Bafilica , go- 
zando todos de largas rendas , conforme a catégo- 
ria da fua ordem: aííim a proporção dos muitos Mi- 
niftros, de que a S. Igreja de Lisboa íe compõem, 
a ennqueceo EIRey, e ornou de muitas pedras 
preciolas de glande valor , de ouro , e prata , e di- 
verfos metaes , brocados, ledas , bordados os mais 
perfeitos, e polidos, que fe podem ver , de forte, 
que tem hum" rico thefouro , a que ajuntou hum 
grande numero de Muficos dos mais celebres na 
fua arte , obfervando-fe em tudo huma exacta per- 
feição na celebração dos Officios Divinos , íèguindo 
' Tom. VIII. Ggii as 



2 $6 Hijloria Çenealogka 

as regras do Ceremonial , que fe cbferva em Ro- 
ma na pompa , na grandeza , no apparato , e ma- 
gnificência , de forte , que o modo , e ferviço da 
Santa Igreja de Lisboa , naõ íó excede a todas as 
Capellas Reaes da Europa, mas ainda as mais ce- 
lebres Cathedraes da Chriftandade : verificando-fe 
agora na realidade , o que defejou EIRey D. Af- 
fonfo V. e lhe foy concedido pelo Papa Eugénio 
Prova num. 125. IV. na Bulia Meruit, paflada em Florença a 11 das 
Kalendas de Outubro, que íàõ a 21 de Setembro 
de 1439 , que na fua Capella Real fe cbfervaffè o 
codume, e ritos da Igreja de Roma, fem que fo£ 
fem obrigados a outra dirTerente ordem na celebra- 
ção das Miííàs , e Officios Divinos. 

O mefmo Papa Clemente XII. por huma cer- 
ta convenção, cecleo a EIRey para íempre, eunio 
ao Real Padroado o provimento de todas as Di- 
gnidades , Conefias , e mais Benefícios da antiga 
Cathedral de Lisboa Oriental por huma Bulia, que 
Prova num. 124. principia : CircunfpeÓía Sedis Apofíolic^, paliada a 
S de Março de 1757, de que tomou poíle a 2} de 
Fevereiro de 1740 o Doutor JoaÕ Alvares da Co£ 
ta , do Teu Confelho , Deíêmbargador do Paço , e 
Procurador da fna Coroa , a qual poz no Archivo 
Real da Torre do Tombo , onde fe guarda. 

Coníiderados depois alguns inconvenientes , 
que comfigo traz a difrerença das circunítancias , 
e mudança dos tempos , reíldindo já na Cadeira de 
S. Pedro o Santiííimo Padre Benedióto XIV. por 

hum 



da Cafa ligai Tortug. Liv. VIL 237 

hum motu próprio fugeitou a Igreja de Lisboa Ori- 
ental , de que eraó furíraganeos os Bifpos daGuar* 
da, Portalegre, Cabo-Verde, Maranhão, e Graõ 
Pará, com o prefidio de Mazagaõ à Santa Igieja 
Patriarcal de Lisboa com hum fó Cabido Patriar- 
cal , compoílo de vinte e quatro Piincipaes , fuppri- 
mindo o antigo nome das Dignidades, e Canonica- 
tos pelo de Principaes da Santa Igreja de Lisboa , 
principia a Bulia: Salvatoris Noân , &c. dada em Prova num. 125, 
Roma aos Idus de Dezembro (que faõ treze) do 
anno de 1740 no primeiro doíeu Pontificado. Em 
virtude defta Bulia, que o Eminentiífimo Cardeal 
Patriarca mandou intimar aos Cónegos da Igreja de 
Santa Maria, antigamente chamada de Lisboa Ori- 
ental , em o primeiro de Setembro de 1741 , entrou 
a exercitar a jurifdicçaõ em todo o território íem dif- 
tinçaÕ , como Prelado da antiga Dioceíí com o no- 
me de Patriarca de Lisboa : logo , que foy executa- 
da a Bulia dauniaõ de Lisboa, mandou EIRey por 
hum Alvará , que fe publicou, abolir o outro da di- Prova num. 126. 
vifaõ de Lisboa , foy paílàdo a 3 1 de Agoílo do an- 
no de 1741. Por hum Decreto do mefmo dia, e 
mez, que baixou a todos os Tribunaes para o expe- 
pediente, ficou fendo huma fó a Cidade de Lisboa. 
O Papa por huma Bulia , que principia : Ea , qua Prova num. 127. 
YrovidentLv rw/h\e, &c. fupprimio o antigo Cabido, 
Dignidades , Canonicatos , Quartenarias , e Capei- 
lanias da Igreja de Santa Maria, dando faculdade ao 
Cardeal Patriarca para erigir comconfclho, e con- 

íenti- 



338 Hiftoria genealógica 

fentimento delRey , vinte e oito Cónegos , vinte 
Beneficiados, e dezoito Clérigos Beneficiados , tudo 
do Padroado Real , e de poder difpor o modo do 
ferviço, e governo da dita Igreja, como pareceííè ao 
mefmo Patriarca comoconíèiho delRey, fendo os 
antigos Cónegos inteirados das rendas , que gozavaõ, 
quando ferviaõ na referida Igreja. Foy eíia Bulia 
paíTada em Roma , Pridie Idus Julii , que íaÕ 14 
de Julho de 1741. Defta forte feaugmentou muito o 
Padroado da Mitra Patriarcal , porque além do que 
pertencia ao antigo Arcebifpado de Lisboa , fe lhe 
unio para fempre , o que era próprio , e da data da 
Meia Capitular do antigo Cabido Archiepifcopal de 
Igrejas, Benefícios , e ainda os que eraõ privativos de 
algíías Cadeiras do mefmo Cabido , ficarão da jurifdic- 
çaõ, Padroado , e data do EminentiíTimo Patriarca. 
Erigio também o mefmo Papa por outra Bui- 
Prova num. 128. Ia, que principia : Dizini Pra:ceptoris , C/V. na Ci- 
dade de Lisboa hum Seminário Patriarcal no Palá- 
cio dos antigos Arcebifpos com as fuás pertenças, 
aííinandolhe para dote as Igrejas de Santa Maria de 
S. Bade no Arcebiípado de Braga , S. Payo deBem- 
poíia no Bifpado de Coimbra , S. Miguel de Re- 
bordofa , e S. Pedro de Abergaõ no do Porto , to- 
das do Padroado Real, e outras largas rendas, pa- 
ra poder fuílentar hum grande numero de Semina- 
riftas para fe educarem , aprendendo Latim, Riros, 
Ceremonias Eccleíiafticas, Cantochaõ, e outras Ar- 
tes, e Sciencias, para depois fervirem a Santa Igre- 
ja 



dá Cafa lie ai Tor>:ig. Liv. VIL 239 

ja de Lisboa , ficando debaixo da protecção, efub- 
ordinaçaõ do Eminentillimo Cardeal Patriarcha , a 
quem pertence totalmente o feu estabelecimento , 
eíiatutos, e governo do Seminário, que em pouco 
tempo poderá competir com os mais celebres da 
Europa. Foy paliada a Bulia ao duodécimo das 
Kalendas de Agofto, que faõ a 21 de Julho de 1741- 
Eilas , e outras graças , com que os Pontífices at> 
tendem ao noílo grande Rey , faõ huma jufta re- 
compenfa do que a Santa Sé Apoílolica deve ao 
ardente zelo , com que ampara a Chriftandade , o 
muito , que tem feito, porque ella fe dilate, como 
fizeraõ taõ largamente , e com taõ exceííivas de£ 
pezas , e trabalhos feus Auguftos PredeceíTbres , a 
quem elle naô cede no refpeito , e defejos do au- 
gmento da Religião , pelo que tem confeguido fer 
hum dos mais beneméritos filhos da Santa Igreja 
Romana, que vio o Mundo em todas as idades. 

Querendo o Papa Clemente XI. mandar hum 
Viíitador Apoílolico ao Império da China , no- 
meou para efta commiílaó a Dom Carlos António 
Mefabarba, Patriarcha de Alexandria, que veyo a 
erte Reyno, onde chegou em huma náo de Géno- 
va a $ de Fevereiro de 1720, e a 1 5 do mefmo mez 
teve Audiência delRey , que naõ ío o tratou com 
muita benignidade , fazendo-lhe efpeciaes honras , 
mas a todos os Miííionarios de diverfas Religiões, 
que levava na íua companhia , dando-lhe paííàgem 
em huma boa náo Portugueza, que partio de Lis- 
boa 



240 Hi floria Çenealogica 

boa em direitura a Macáo a 24 de Março do refe- 
rido armo : e depois de ter feito a fua Miflaô , vol- 
tou a efte Reyno já no anno de 1725 , donde fahio 
em Fevereiro por terra para íe recolher a Roma. 

O commercio , que florece no feu Reynado 
nas próprias Conquiftas, favoreceo com tanto cui- 
dado , que naô fó o augmentou confideravelmente, 
mas evitou padecer alguma diminuição, atalhando 
as defordens com admirável promptida5. Porque 
chegando à íua noticia, que alguns Armadores, ou 
Piratas Inglezes, com a ambição, e intereííè do feu 
commercio tinhaõ feito hum eftabelecimento na 
Cofta de Guiné, no fitio de Cabinda , que fica en- 
tre Angola, e Congo ao Norte do Rio Zayre, que 
entaõ eílava defpovoada , e deixando à parte a ou- 
fadia de fe eftabelecerem íem permiíTaõ nos noíTos 
Domínios 5 e coníiderando fomente o prejuízo, que 
pelo tempo adiante podia fazer ao commercio de 
Angola, e Ilhas adjacentes daquella Cofta, de que 
íe feguiriaõ coníêquencias mais graves: para atalhar 
todos eftes damnos , mandou EIRey logo ao Ca- 
pitão de Mar, e Guerra Jofeph de Semedo Maya , 
peííòa derefoluçaõ, e valor, e experimentado na 
navegação, na náo Noflà Senhora de Atalaya , bem 
petrechada de todo o neceííàrio, para caftigar aquel- 
le infulto. Sahio de Lisboa a 16 de Mayo de 1723, 
e fazendo derrota para Angola, chegou àquelle Por- 
to a 12 de Setembro , onde informado da fituaçaò 
de Cabinda, do Forte, que os Armadores Inglezes 

tinhaõ 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL 241 

tinhaõ levantado naquelle Porco , e das de mais no- 
ticias preciías para a iua expedição , partio de An- 
gola a 6 de Outubro para Cabinda , e a 25 do dito 
mez aviftou o Forte, que achou defendido por duas 
náos, e fem perder tempo principiou por atacallas 
para lhe tirar efta defenfa , e rendidas ellas , aceftou 
a íua artelharia contra o Forte , e batendo-o vigo- 
rofamente quarenta e oito horas , obrigou a guar- 
nição a capitular, a 26 do referido mez tomou pof- 
fe do Forte , o qual logo mandou arrafar , e entu- 
lhar o foííò. 

De trinta e cinco peças de artelharia, que achou 
no Forte, meteo a feu bordo vinte e quatro, e as 
onze, que lhe naõ foy poííível conduzir, mandou 
encravar, e quebrar os unhões, e as culatras, e nef« 
ta forma as mandou enterrar no foílb. A huma náo, 
que fervia de armazém , e que naõ pode conduzir 
por falta de gente , lhe mandou lançar fogo j e af- 
fim ficou a pouco cufto inteiramente deftruido 
aquelíe novo eítabelecimento , fem que Inglaterra 
procuraíiè fatisfaçaõ , porque convencida da razaõ 
de Portugal , com quem coníerva huma boa cor- 
refpondencia , naõ defendo huma caufa injufta , na 
qual tinhaõ fido aggrellbres os feus , perturbando a 
poííè pacifica , e fem controverfia , em que nos 
achávamos. A 14 de Setembro íè fez à vela Jo- 
íeph de Semedo para a Ilha doPrincipe, onde che- 
gou para tomar mantimentos , e refreícos , que lhe 
faltavaõ , e depois de os receber , fahio daquelle 

Tom. VIII. Hh Porto 



24 2 Hijloria genealógica 

Porto a 9 de Janeiro de 1724, demandando o Por- 
to do Caflello da Mina para recolher as armas , e fa- 
zendas de huma Summaca delRey, que os Hollan- 
dezes , que infeftaõ com piratarias aquella Cofia , 
tinhaõ roubado. Os Hollandezes depois de eíla* 
belecioos neíla Cofia, no Caflello de S.Jorge per- 
tendiaõ reconhecer todas as noíTas embarcações de 
commercio, que alli aportavaõ, e que encontravam 
naquelles mares , e com eíle mal fundado direito 
roubavaÕ as embarcações , e nos faziaÕ coníidera- 
vel damno ao commercio. Varias vezes mandou 
EIRey reprefentar efla matéria aos Eílados Geraes, 
íèm nunca lhe darem outra fatisfaçaõ , mais que 
aquellas hoftilidades naÕ erao commettidas por or- 
dem da Republica , e que ido tocava particular- 
mente à Companhia doOccidente. Diogo de Men- 
doca Corte-Real , que naqueíle tempo íê achava 
Enviado Extraordinário em Hollanda, imprimio hu. 
ma efpecie de Manifefto , moílrando as noíTas ra- 
zões, e a injuftiça dos Hollandezes , e a má expli- 
cação , que davaõ a alguns Tratados de negocea- 
rem nos noflos Portos, e nós nos íêu? ; mas delles 
fe naÕ coníêguio outra reporia , mais que , a que 
acima íè diMe , por cuja razaõ mandou EIRey ao 
meímo Capitão Jofeph de Semedo , que na vol- 
ta de Cabinda , Mzeííe por fe encontrar com huma 
fragata Hollandeza , que andava infeílando aquel- 
les mares , o que confeguio com bom fucceílò , 
e combatendo-a valerofamente , a meteo a pique, 

e dalli 



da Cafa "Rçal Tortug. Lh. VIL 243 

e dalli paífou ao Porto de Judá , que fica pouco 
diílante do Caftello da Mina , e a 21 do aferido 
mez , fez derroca para a Bahia , e dallí para Lis- 
boa. 

Havendo já paílado annos, teve EIRey no- 
ticia por Pernambuco, que huns Armadores , ou 
foííèm Piratas Eítrangeiros fe tinhaõ eftabelecido na 
Ulia de Fernaõ de Noronha , que íempre foy do 
Domínio de Portugal, e antigamente habitada dos 
Portuguezes ( de que ainda hoje fe achaô os veíti- 
gios ) e como aquella vifinhança podia fer preju- 
dicial ao commercio , e às Coitas do Eftado do 
Brafil, pareceo por benefício cornmum de todas as 
Naçoens , para focego das Povoaçoens marítimas 
do Brafil , naô coníentir , que íe eftabeleceíTem , e 
lançaííèm mais fortes raizes naquella Ilha os inimi- 
gos communs , donde a feu falvo poderiaô inquie- 
tar os navegantes. Por todos eftes motivos rtfol- 
veo EIRey mandar ao Capitão de Mar, e Guerra 
Dom Manoel Henriques lançallos fora , e guarne- 
cer a Ilha, para que outra vez naõ intentaflem to- 
mar pé nella. Pardo o Capitão de Lisboa a 7 de 
Setembro de 1738 na náo Gloria, e a 23 de Outu- 
bro aviftou a dita Ilha , lançou em terra algumas 
Companhias de Infantaria , cuidando , que encon- 
traílè alguma refíftencia : mas fem nenhuma , me- 
teo a feu bordo vinte Francezes, e de outras Na- 
çoens para os conduzir a Lisboa , os quaes tinhaõ 
ficado na Ilha para fazerem alguma cultura da ter- 
Tom.VIII. Hhii ra, 



244 Hiftoria Çenealogtca 

ra , e criarem alguns animaes , e aves domeílicas , 
em quanto a náo, que os conduzira, nao voltava 
com os petrechos neceííarios para fazerem mais fir- 
me aquelle eftabelecimento. O Capitão D. Ma- 
noel Henriques deixou na Ilha huma Companhia 
de Infantaria com hum Capitão para a guarnecerem, 
e alguns mantimentos , em quanto naõ vinhao da 
Capitania de Pernambuco as de mais coufas ne- 
ceííarias para íè tornar a habitar , e da mefma Ca- 
pitania le havia de mudar a guarnição , e tirar a fua 
fubfiftencia , e feito ifto , fe fez a vela a 6 de Julho 
de 1759 para a Cidade da Bahia de todos os San- 
tos, aonde deu fundo a 17 do referido mez. 

Inftituío a Academia Real da Hiftoria Portu- 
gueza por Decreto de 8 de Dezembro de 1720 , de 
que he Prote&or , dando-Ibe para as fuás Conferen- 
cias huma Sala do Paço da Sereniífíma, e Real Ca- 
ía de Bragança, e nomeando cincoenta Académi- 
cos , pelos quaes íe diftribuiraõ as partes da Hifto- 
ria Eccleílaftica , e Secular deftes Reynos , e fuás 
Conquiftas \ e para cabeça defle Corpo hum Di» 
reclor , e quatro Cenfores , os quaes íèrvem todos 
por turnos de Dire&or , que em Conferencias pu- 
blicas , e Juntas particulares com os Académicos, 
que o Dire&or chama , daÕ providencia aos negó- 
cios , que occorrem. Formarao-fe Eftatutos , e 
Leys para o governo da Academia , que EIRey 
confirmou por Decreto de 4 de Janeiro de 1721 , 
dotando-a também, com a fua coftumada generoíl- 

dade, 



daCafa^alTortug. Liv.VIL 245 

dade, de renda capaz para a ília fubfiítencia , decla- 
rando, que todas as delpezas, que à mefma Acade- 
mia pareceílem neceífarias, mandaria fatisfazer, com 
tal generofidade, que naõ poz termo aefta mercê. 
Foraõ os primeiros Directores , e Cenfores o Padre 
Dom Manoel Caetano de Souíã , Clérigo Regu- 
lar, os Marquezes de Abrantes, Alegrete, Fron- 
teira, e o Conde da Ericeira, e Secretario, o Mar- 
quez de Alegrete , Manoel Telles. Alem dos 
Académicos do Numero , que por Ley íê naõ po- 
de exceder , há outros, a que chamao Supranume- 
rários , ou das Províncias , para delias poderem re- 
metter memorias, e noticias antigas, e fazerem ou- 
tras diligencias condor-*"*-» « <»ft- &***<, ~ r^YY yja%Jf 
naõ ***d diitnbuiçaõ certa, coníêguem toda a hon- 
ra , que os mais , dandofe-lhe lugar , quando vem 
à Corte nas AiTembléas. Por Decreto de 29 de 
Abril de 1722 fez mercê à Academia de iíêntar to- 
das as fuás Obras da licença da Meia do Defembar- 
go do Paço, concedendo-lhe, que podeílèm impri- 
mir todos os Livros pertencentes ao íeu Infticuto , 
fendo examinados , e approvados pelos Cenfores. 
Reputou a Academia com a graduação de Tribu- 
nal, como fe vê dos Decretos, que parlou, e andaô 
impreiTos. Fez huma Ley , para que fe confervaf- 
fem os monumentos antigos, parlada a 20 de Agof- 
to de 172 1 , em que prohibe , que nenhuma pcííòa 
deftrua , nem em todo , nem em parte edifício, ou 
antigalhas , que fe entenda ferem dos tempos , que 

do- 



2^6 Hifioria Çenealogica 

dominarão eíles Reynos os Fenices, Gregos, Ro- 
manos , Godos , e Árabes. E ordenou , que íe 
abriííem todos os Archivos : que do Real da Tor- 
re do Tombo fe tiraíTem os extra&os de todas as 
Chancellarias, para fe diftribuirem aos Académicos, 
cujas Obras íe imprimem magnificamente pela Real 
defpeza j e para efte mefmo fim íe mantém diveríbs 
artífices , que tem penfoens fó por trabalharem pa- 
ra a Academia. E íobre tudo, a honra, que El- 
Rey difpenfa à Academia , afliílindo a muitas das 
fuás Conferencias , e permittindo , que vá ao Pa- 
ço nos annos dos Reys, e outras funçoens publi- 
cas , e admittindo-a outras vezes por mera beni- 
gniaauc , & nu^mi r *-o r .«r«ri , que tem a0 s eftu- 
dos. E para que os Militares fe applicaíFeu,, por 
hum Decreto de 24 de Dezembro de 1752 , man- 
dou erigir huma Academia Militar em todas as Pro- 
víncias do Reyno. Para Academia dos Árcades, 
que honrou íèndo feu Protector, e Académico com 
o titulo de Paílor Albano , comprou hum íicio , 
em que fe fabricou a Arcádia , em que fazem as 
fuás Aííêmbléas , e fobre a porta grande defte edi- 
fício, íè vê a feguinte infcripçaõ : 

foan: V. 
Lufitania 'Isegi 
l^lo, Felici, Invião 
Quod Tarrbafii nemoris 

Stabi* 



da Cafa "Rçal Tortug. Liv.VIL 247 

Stabilitati 
Adu nificentijjimè 
Trojpexerit) 
Ccetus Arcadum Vniterfus 

Tofuit 
André a de Mello de Caílrê 
Comité de Çalveat 
'Régio Oratore 
Anno falutis 

MD CC XXVI. 

Da piedade delRey fera eterno Padrão a ma- 
gnifica Obra de Mafra , onde edificou hum fum- 
ptuofo Mofteiro com o mais polido Templo , que 
lè pôde imaginar, dedicado à Virgem Santiííima, e 
ao nono efclarecido Portuguez Santo António de 
Lisboa. Foy o motivo defta Obra hum voto, que 
havia feito de edificar hum Moíleiro aos Relij^io- 
íos Capuchos da Província da Arrábida, em honra 
de Santo António , íe pelos feus rogos alcançaílè 
de Deos a defejada fucceílaõ , que havia mais de 
dous annos íe efperava depois do feu Augufliffimo 
Conforcio. Satisfez Deos aos votos pela intercef* 
f õ do Santo em lhe dar a Princeza Dona Maria 
Barbara, a 4 de Dezembro de 171 1 , e fucceffiva- 
mente a 19 de Outubro de 17 12 o Príncipe Dom 
Pedro, (como já diííemos. ) Naô durou muito o 

Prin- 



248 Hijloria (genealógica 

Príncipe, porque quando havia comprido dous an- 
nos com poucos dias mais, pelos impenetráveis íe- 
gredos da Providencia, voou à eternidade, deixan- 
do fucceííòr a feu irmão o Principe Dom Jofeph , 
que era o prommido para íè perpetuar a fua Real 
pofteridade. No dia 17 jde Novembro do anno 
de 1717, le lançou a primeira pedra, que benzeo 
o Patriarcha , affiílido de Dignidades , e Cónegos 
Ja fua Santa Igreja : foy efta ceremonia feita com 
admirável magnificência , e hum dos ados mais pú- 
blicos , em que brilhou a piedade , e religião do 
noíío Grande Rey, que naõ devemos remetterao 
filencio: porque naõ le ílitisfazendo com comprir 
com a ceremonia coílumada em femelhantes occa- 
íioens, com raro exemplo, que animava huma ar- 
fra m. í. do Duque Ef- dente devoção, levou em as íuas Keaes mãos num 
tnbciromor. cefto com huma pedra, que botou no alicefle , e 

na mefma forma o fizerao os Infantes D. Francif- 
co , e D. António , a quem feguiraõ os Grandes , 
e Officiaes da Gafa Real por íua ordem , todos com 
ceftos , e pedras para fobre eftes fundamentos fe le- 
vantar aquelle Templo. Crefceo a Obra , e em 
poucos annos le poz a Igreja em termos de fe 
uíàr delia, e o IVÍofteiro de fer habitado : fagrou a 
Igreja o mefmo Patriarcha em 22 de Outubro do 
anno de 1750, com aíMencia dei Rey , e de toda 
a Família Real , a que acompanhou a Corte , ex- 
ecutando-fe efta funçaÕ com pompoía Mageftade , 
porque correfpondia ao pio , e devoto animo del- 

Rey. 



Mcm. da Fund.de Ma- 



daCafa TZfalTortug. Liv.VIL 24^ 

Rey. He efta fabrica fumptuofa, naõ lo pela Igre- 
ja , mas pelo magnifico Convento , em que habi- 
taÕ mais de trezentos Religiofos , e pelo modo , 
com que íaõ celebrados os Officios Divinos na 
Igreja , aonde tudo he magnifico no delicado , e 
perfeição das finillimas pedras , bronzes , eftatuas , 
ornamentos , e o mais que pertence ao culto Di- 
vino , fem que EIRey quizefle , que fe alteraíle o 
Eftatuto da Arrábida. Finalmente tudo he mageÉ 
toíb , a Igreja , a grandeza dos finos , e harmonia 
do fom , que repetem nas horas agradável confo- 
nancia , o Convento , os jardins , fontes, officinas , 
fendo toda efta grande fabrica do Convento, e Igre- 
ja , cercada por hum Palácio , que unindo- fe por 
huma , e outra parte con o rrontifpicio da Igreja , 
tendo nos ângulos dous íoberbos pavilhões, forma a 
mayor, e mais magnifica frontaria, que íe pode ver, 
a que íe íeguem dilatados bofques , porque tudo e£ 
tá moftrando a incomparável grandeza do íèu Fun- 
dador , cujo Real animo excede a toda a compa- 
ração. 

No Louriçal fundou o Mofleiro de Religio- 
íâS , dotando-o com grandeza, como já diílemos. 
O Mofleiro da Encarnação de Lisboa de Religio- 
fas Commendadeiras da Ordem de Saõ Bento de 
Aviz , que a 10 de Agoílo do anno de 1754 pa- 
4&eceo hum terrivel incêndio , em que totalmente 
ficou abrazado , e arruinado , reedificou todo de 
novo ao moderno , cue he huma excellente obra j 
Tom. VIII. li ' eou- 



2 j o Hlftoria Çenealogica 

e outros , que tem experimentado a fua devoção , 
naó íb ncfte Reyno , mas nos eftranhos , em que 
fe efíá admirando a fua liberalidade , em Hefpa- 
nha em muitos Conventos, e Igrejas reparados, e 
Mofteiros pobres remediados , e em outros efta- 
tuas de prata, e muitos, e preciofos ornamentos, 
e copiofas dadivas, como troféos da fua piedade, 
que igualmente exercita com os neceííitados , co- 
mo vio Lisboa, quando padeceo em alguns bairros, 
doenças, que puzeraõ em cuidado os Médicos, no 
anno de 1723 , que pio , e generoíò mandou foc- 
correr a todos os doentes neceííitados com remé- 
dios , e dinheiro com admirável providencia 5 a 
mefma experimentou a Cidade de Beja no anno de 
1735 y padecendo huma geral efterilidade aquella 
Comarca, a quem EIRey com ílngular charidade 
mandou confideraveis íòmas de dinheiro para fuíten- 
to dos miíeraveis, que fe viao no ultimo extremo da 
vida. A Campo-Mayor , que experimentou hum 
eílrago grande com o incêndio da pólvora, cauíádo 
de hum rayo, a 16 de Setembro do anno de 1732 , 
mandou reedificar , acodindo aos moradores com 
eímolas , e mercês , e mandou os íeus Cirurgioens 
com remédios , com que íalvou a vida a quaíi to- 
dos. Seria muy larga a narração contra o eílylo, 
que íèguimos, fe houvéramos de referir, o que con- 
tinua , e liberalmente díi para o culto Divino : e 
baila dizer, que íoando na Europa , concorrem de 
Reynos eftranhos muitos Religiofos de diveríâs Fa- 
mílias 



da Cafa "Real Tortfíg. Lfo. VIL 251 

milias a darem occafioens aElRey de exercitar ef- 
ta virtude, ibccorrendo a todos com Chiiftãa ge- 
neralidade : a meíma compaixão lhe devem as Al- 
mas do Purgatório , porque com repetidos fuífra- 
gios as eftá piedofamente aliviando com infinitas 
Miflâs, piedade, que lhe deve toda a pefiba, que 
conheceo , naõ fó da fua R eal Cafa , mas os eftra- 
nhos, porque fabendo , que faleceo, logo lhe man- 
da dizer duzentas Miflas. 

Da fua devoção diremos fomente aquelles pú- 
blicos teitemunhos de religião , e reverencia , com 
que tem universalmente edificado os feus, e o* ef- 
tranhos : íeja o primeiro a íolemniííima pompa , 
com que faz ctkbrar a Prociííao do Corpo de Deos, 
que verdadeiramente he hum dia do Triunfo do 
Santiííimo Sacramento da Euchariftia , o apparato, 
a grandeza , e reverencia defta folernnidade , que 
acompanha todo o Clero , todos os Regulares , 
que habitaÔ na Cidade, fem que algum fique ifen- 
to , que elle mefmo acompanha com o Príncipe, e 
Infantes , os Grandes , e Cavalleiros das Ordens , 
e MinihVos dos Tribunaes. Outro publico tefte- 
munho fera , o que praticou , quando no anno de 
1715, na Igreja do Collegio dos Padres da Compa- 
nhia da Villa de Setuval , fuccedeo o execrando 
defacato , que naquella Igreja fe fez , abrindo o Sa- 
crário , e tirando o Vafo , em que eftava o Santi£ 
fimo Sacramento, e pondo as Formas fobre o Al- 
tar , roubaraS o Vafo. Eíle deíacato pertendeo 
Tom. VIU. li ii logo 



252 Hijloria Çenealogica 

logo defaggravar EIRey, veftindo-fe de pezado lu- 
to com toda a Família Real, e Corte, e foy em Pro- 
ciíTaõ no dia 15 de Abril da Sé de Lisboa, acompa- 
nhado dos Infantes , do Núncio do Papa , o Embai- 
xador de França , e de toda a Corte, o Cabido, e 
todo o Clero , e Religioens à Igreja de S. Roque 
com grande devoção , e reverencia , fe deíàggravou 
do modo poííivel a ofTenfa do deteftavel crime de 
leia Mageíiade Divina, que a barbara cegueira ha- 
via commettido. NaÔ he menor o obfequio, que 
dedica à May de Deos no portentoíò Myfterio da 
Immaculada Conceição, a quem feu Augufto Avô 

,,~ fez Univerfal Padroeira do Reyno ; e elle naõ fe 
Prova num. 129. . ' 

fatisrazendo na mageítola pompa , que a lua devo- 
ção lhe tributa na Santa Igreja Patriarchal, orde- 
nou por Carta firmada da íua Real maÕ de 12 de 
Novembro do anno de 1717, a todos os Prelados 
das Cathedraes , e Collegiadas do Reyno, que nas 
fuás Igrejas fizeílèm celebrar efta Feita com as ma- 
yores demonftraçoens de íblemnidade , e grandeza. 
E para mayor evidencia do cordeal afFeclo , com 
que reverencea a Puriííima , e Immaculada Con- 
ceição da Virgem Maria, referiremos, o que fuc- 
cedeo a 15 de Dezembro do anno de 1755 , <^ a * 
que a Academia Real daHiíloria deftinou para fes- 
tejar a íua Sagrada Padroeira, a que EIRey todos 
os annos affifte , e fe lhe dedica na Capella do Pa- 
ço da SereniíTima Caía de Bragança , onde a Aca- 
demia cem a Caía das fuás Aílèmbléas , como dif- 

femos. 



da Cafa Hfál Tortug. Liv. VIL 253 

íemos. Nefte anno , que era o primeiro deite es- 
pecial culto, determinou a Academia , que todos 
os Académicos juratfem o Myílerio PuriíTimo da 
Immaculada Senhora. Dita a MiíTa por Nuno da 
S) iva Telles , do Confelho de Sua Mageftade , e 
do Geral do Santo Officio , fendo Miniftros os Pa- 
dres Dom Jofeph Barbofa , e Dom António Cae- 
tano de Soufa , Clérigos Regulares, todos Acadé- 
micos , fez o Celebrante o juramento fobre o Al- 
tar, e depois os Miniftros. Eftando para íe dar prin- 
cipio ao acto , EIRey movido de hum ardente im- 
pulfo da puriííima devoção , com que venera efte 
prodigiofo Myfterio, querendo também jurar co- 
mo Protector da mefma Academia , mandou fu£ 
pender o acto , e defcendo da Tribuna com o Prín- 
cipe, acompanhado do Duque Eítribeiro mor, do 
Marquez de Abrantes , e do Conde de Aífumar , 
Gentis-homens daCamera, que eítavaõ de femanaj 
e chegando ao Altar com o Principe , poítos de 
joelhos, leu o Marquez de Alegrete, Manoel Tel- 
les da Sylva , Secretario da Academia , a forma do 
juramento em voz intelligivel , que EIRey repetia, 
e acabado , poz as mãos fobre o Miííàl , que eftava 
aberto, e logo o Principe fez o melmo. Os Aca- 
démicos depois de acompanharem a EIRey , e ao 
Principe até entrarem no coche, voltarão h mefma 
Capella, onde íe profeguio o juramento, e principi- 
ando pelo Director , e Cenfores por fua ordem , íê 
feguio a Academia. A v fua Real devoção deve 

o caf- 



254 Hlflorla Çenealogica 

o caftiíUmo Efpofo de Maria Santiííima , o Gran- 
de Patriarcha S. Jofeph, o augmentarfe tanto o feu 
cuito, naõ fó na Corte , mas no Reyno, lendo o 
principio a Novena , que na Patriarchal lhe de- 
dicou no anno de 1722 , que fempre íe continuou 
com içual fervor, mandando a todas as Cathedraes 
do Reyno , que fe celebrallè a mefma Fefta , e No- 
vena. Naõ fendo menor aquelle, com que no ul- 
timo dia do anno , e toda a Família Real vay a 
Caía ProfeíTà da Companhia a render a Deos as gra- 
ças pelos benefícios, que no diícuríò do meímo an- 
no recebera da fua poderoía mao, aífiftindo ao Te 
Deum , que por ordem do Eminentiríimo Cardeal 
Patriarcha cantaô os Muíicos , e Povo com mui- 
ta íblemnidade. Naõ devemos remetter ao filen- 
cio aquella grande devoção , que profeíla com o 
prodigioíb S. Francifco de Affis , a cuja Fefta af- 
íifte todos os annos no íèu dia com grande affe&o 
no Mofteiro de S. Joíèph de Riba-Mar , ou em o 
de Mafra , onde depois da Fefta íê digna de co- 
mer no Refeitório com os mefmos Religiofos, com 
o Príncipe, e Infantes, e efta louvável demonftra- 
çaõ da fua piedade executa ha muitos annos. No 
dia, em que fe íagrou a Igreja de Mafra, depois de 
ter aííiftido com geral edificação da Corte, e de to- 
dos os que íe acharão prefentes àquella Ceremonia, 
quando os Religioíòs foraõ à Meia , os acompa- 
nhou , levado de fuperior impulfo , depois de efta- 
rem fentados, os fervio EIRey miniftrando-lhe com 

as 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 255 

as fuás Reaes mãos as iguarias , e juntamente o 
Principe , e o Infante Dom António , e os Cria- 
dos , que lhe aíTiftiaõ. No anno de 171 1 , quando 
fe houve de dar principio à fabrica do Templo da 
Milagrofa Imagem do Menino Deos , que nefta 
Cidade refplandece com infinitas maravilhas , lhe 
lançou a primeira pedra no dia 4 de Julho , indo 
acompanhado dos Screniííimos Infantes Dom An- 
tónio , e Dom Manoel , aííiílido do Marquez de 
Alegrete Fernão Telles da Sylva, Gentil-homem 
da Camera de femana , do Duque de Cadaval D. 
Nuno Alvares Pereira de Mello , do Bifpo Capei- 
laÕ môr , e Inquifidor Geral Nuno da Cunha de 
Ataide, do Conde de S. Lourenço Martim Antó- 
nio de Mello , do Secretario de Eftado Diogo de 
Mendoça Corte-Real ; e pegando EIRey no pra- 
to, em que eftava a pedra febre o Altar do Meni- 
no Deos , juntamente com o Miniftro da Ordem 
Terceira de S. Francifco da Provinda de Xabregas, 
a lançou no aliceíTe, e huma quantidade de diverfas 
moedas de ouro, fabricadas no meímo anno. E no 
de 1757, quando fe henzeo a nova Igreja, e fe tranfc 
ferio depois na tarde de 25 de Março a Sagrada 
Milagrofa Imagem do Menino Deos com huma íb- 
lemne ProciíTaõ da antiga Igreja , onde fe venera- 
va, e tinha fido theatro de imrnenfas maravilhas , 
para o novo Templo, conílruido com ^ran^eza de 
pedaria, ornado de excellentes mármores de diver- 
fas cores , acompanhou EIRey com huma tocha 

com 



2 $6 HiHoria Çenealoglca 

com muita devoção, e o Príncipe doBrafil, e In- 
fantes Dom Pedro , e Dom António , com geral 
edificação de hum concurfo de Nobreza, e Povo, 
e íê collocou no Altar mor. 

Finalmente omittindo outros muitos exemplos 
da fua religião , concluiremos com o culto , com 
que celebrou diverfas Canonizaçoens à fua defpeza, 
e a todas foccorrendo com groíTàs ajudas de cufto, 
à de S. Luiz Gonzaga , e Santo Eftanislao Koska 
na Igreja de S. Roque, e à de S. Francifco Regis na 
mefma Igreja , afMindo em todo o Oitavario por 
todo o dia naCafa Profeííà de S. Roque j à de S. 
Toribio Morovejo , e S. Peregrino , que fez feftejar 
no Collegio de Santo Antaõ , feitas todas pela fua 
Real defpeza. Ultimamente a de S. Vicente de 
Paulo, Fundador dos Clérigos da Miííàô, que com 
Real magnificência fe íòlemnizou na Caía dos íêus 
Religiofos , onde aífiftio todo o Oitavario , fican* 
do naquella Cafa todo o dia com muita devoção : 
e no ultimo depois de afíiíiir de huma janella à Pro- 
ciílao , havendo íe de recolher já perto da noite , 
foy à Igreja a fazer oração ao Santo , que eftava 
no Andor, em que fora na Prociííáõ, e havendo-fè 
dilatado, quando fe levantou, movido fuperiormen- 
te, fallou com o Padre Joíèph Jofreo , Prelado da- 
quelle Hofpicio , que eftava aííiílindo-lhe com os 
feus Companheiros na Igreja , onde íê achavaõ ain- 
da Religiofos de diverfos Inílitutos , e lhe fez mercê 
de lhe conceder a Fundação da Cafa , que era fo- 
mente 



da Ca/a %eal Tortug. Lh. VIL 257 

mente Hofpicio, pertençaô , em que os íêus habi- 
tadores andavaô havia vinte e dous annos , o que 
foy applaudido de todos, os que eftavamos prefentes, 
pelo que muitos lhe beijarão a maõ , quando paf- 
íbu a entrar no coche. Depois lhe deu huma muy 
groíTa efmola para as obras , o que também fez aos 
Padres Capuchinhos Italianos , com que edifícara5 
a Igreja , e Convento , junto ao de Santos o No- 
vo , em que actualmente fe trabalha, e aos Padres 
da Companhia , e da Congregação do Oratório de 
S. Filippe Neri, e a outros muitos Conventos, e 
Igrejas , fendo as referidas efmolas humas de cem 
mil cruzados, e outras de cincoenta. 

Imitando aquelle louvável zelo , que EIRey 
feu pay teve da propagação da Fé, continuou com 
grande cuidado em favorecer os Mifllonarios com 
largas defpezas , para que íê adiantaííèm as Miísões: 
de forte, que tomando motivo de o Emperador da 
China, e Tartaria , lhe haver mandado hum gran- 
dioíò prefente pelo Padre António de Magalhães , 
Miífionario Apoílolico na Corte de Pekim , e fale- 
cendo neíle tempo o Emperador , lhe íuccedeo no 
throno íèu filho quarto , a quem EIRey refolveo 
mandar dar os parabéns da fua exaltação : a efte 
fim nomeou por Embaixador a Alexandre Metello 
de Soufa e Menezes , que fahindo de Lisboa a 1 8 
de Abril de 1725 , paííòu ao Rio de Janeiro, e da- 
hi à Cidade de Macáo , donde depois entrou nos 
Eftados do Emperador, e a iS de Março de 172", 
Tom. VIII. Kk fez 



258 Hi [torta (genealógica 

fez a fua entrada publica na Corte de Pekim com 
grande pompa, em que moftrava a grandeza , e po- 
der de leu Soberano , e com ííngular applaufo da- 
quella grande Cidade, em que recebeo todas as hon- 
ras, que aquella Corte naõ coíluma conferir aos Mi- 
niftros dos Príncipes da Afia, e affim fbraõ efpeciaes, 
e fem exemplo as com que tratou ao Embaixador , 
que depois de ter cumprido com tudo , o que lhe 
fora encarregado, voltou para o Reyno, e dando-íe 
EIRey por fatisfeito , o empregou no lugar deCon- 
felheiro no Tribunal do Confelho Ultramarino. O 
Emperador mandou a EIRey hum grande prefente 
das couíàs mais raras, e de bom goílo daquelle Paiz, 
a que EIRey havia correfpondido com outro, digno 
da íua Real grandeza. A* igreja do Santo Sepul- 
chro de Jerufalem mandou huma armação inteira 
para toda a Igreja de veludo lavrado, íòbre hum te- 
cido de ouro , com franjas , e galloens do meímo , 
as fanefas bordadas com as Armas Reaes , obra de 
bom gofto, e riquiífirna , e na mefma forma bellos 
ornamentos , que fervem nas feftas mais folemnes , 
e outras grandiofas efmolas, e faõ taô largas, e co- 
piofas , as que todos os annos vaõ dos feus Rey- 
rsos, e Conquiftas para efta Santa Caía, que os Re- 
ligioíbs Francifcanos, que fervem no culto, e guar- 
da daquelles Santuários , determinarão em Meia 
de Definição , de todos os annos celebrarem huma 
MiíTà cantada folemnemente , no dia 22 de Outu- 
bro, em que o noíTo Rey cumpre annos, pelo aug- 

mento 



da Café 'Real Tortug. Liv. VIL 2$p 

mento da Cafa Real , a que fe deu principio no 
de 1722, alem de outras , que todas as femanas íè 
celebraõ há annos em todos os Conventos daquel- 
!a Santa Cuílodia pela meíma intenção. 

He obra ília o Aríênal de Lisboa para a fabri- 
ca dos navios , e a que fe fez em Leiria para o cor- 
te das madeiras , que fe tirão dos pinhaes com ma- 
chinas admiráveis, que facilitaÕ o trabalho: da mefc 
ma forte fe introduzirão outras para a fabrica das 
armas , e peças de artilharia , os novos , e bem in- 
troduzidos Armazéns , augmencados com novas 
obras ao moderno, aííim em Lisboa, como na Pra- 
ça de Eftremoz , em que íe vem por ordem diftri- 
buidos todos os inítrumentos Militares para o íervi- 
ço da Campanha na terra, e no mar, em que fe con- 
íêrva hum prodigiofo numero de armas. Na Uni- 
veríidade de Coimbra fez levantar huma grande Ca- 
fa para Livraria publica , que fe ornou com grande 
perfeição , que já ferve com grande numero de Li- 
vros , que cada dia fe augmentaõ. A Fabrica da 
feda, fituada em hum grande Edifício, que de no- 
vo íe conílruio no fitio da Cotovia , eftabelecida 
por Roberto Godim, em que fe trabalha com tan- 
ta perfeição, que fazem as mais delicadas, e vifto- 
fas fedas , e todo o género de telas , ou ueflus , e 
eftofos de ouro , e prata , que naõ cedem aos de 
Leaõ. Foy eíla Fabrica modernamente introduzi- 
da pelo Cardeal da Mota, a quem EIRey encar- 
regou o feu eítabelecimento, devendo à fua direc. 
Tom.VIIL Kk ii ça5 



2 6 o Hifloria Çenealogka 

çaô o em pouco augmentaríè tanto ; porém o vigi- 
lante cuidado , com que efte Miniftro fe emprega 
no ferviço delRey , o faz alem das próprias virtu- 
des, juftamente benemérito daefpecial mercê, com 
que EIRey o honra, íêrvindo-íe muito do feu pre£ 
timo. Na Covilhãa, animando as antigas manu- 
facturas , faz fabricar defde o anno de 1710 todas as 
fardas dos feus Exércitos de melhor qualidade, e du- 
ração , que as que vinhaõ de Paizes Eftrangeiros , 
aííim as groíTàs, como as meudas. Mudou a Cala 
da Moeda do antigo fitio, para o que lhe fez cons- 
truir de novo com muita largueza, e commodidade 
a S. Paulo da banda do mar. 

Para a Fabrica da pólvora fez hum grandio- 
íb Edifício na Ribeira de Alcântara, em que íè vem 
todas as officinas, que podem fer neceflarias, com 
perfeita direcção , aguas correntes, efoílbs , de for- 
te, que he huma obra, que occupa largo terreno 
no Edifício, e terras. As Fabricas dos vidros, em 
que íè lavra com toda a perfeição todo o género 
de vidro; a do Atanado, que naõ cede em nada ao 
de outros Paizes, e outras muitas , que pelo feu fa- 
vor fervem de grande utilidade aos feus VaíTàllos. 
A Cidade de Lisboa , que no íèu tempo íè ornou 
com diverfos Palácios de boa architedura, íè eílen- 
deo em diverfos braços de ruas , inteiramente edifi- 
cadas de novo, com fabricas viftoíâs por di verias par- 
tes em larga diftancia , de íbrte , que confideravel- 
mente le tem ampliado , povoando-íè continuada- 
mente 



da Cafa Tical Tortug. Liv. VIL 261 

mente pela parte da Pampulha até Bellem, do Mor- 
teiro deS. Bento até Campo-Lide, unindo-íe com 
a Cotovia ; e pelo bairro de S. Jofeph , e dos An« 
j )s, Campo de Santa Clara , e outras partes fe vé 
tudo cheyo de Ediricios novos , que ornaÕ a Cida- 
de, que ainda o ficará mais com a obra dos Aque- 
duclos , que lhe conduzem agua de hum íltio aci- 
ma da Villa de Bellas, que chamaõ Aguas Livres, 
diftante mais de duas léguas da Cidade : efta Fabri- 
ca he íumptuofa pela fua conítrucçaõ , e pelo mo- 
do , com que íê executao as medidas do rifco , e de- 
íênho do Brigadeiro Manoel da Maya , que tendo 
dado por muitas vezes moftras do feu preftimo , e 
fciencia , nefta obra eternizou a fua memorii , por- 
que he ella taÕ magnifica , que excede a todas as 
lemelhantes , antigas , e modernas da Europa. NaÔ 
faõ de menor utilidade ao publico os caminhos, que 
mandou fazer com largas , e viftofas eftradas , para 
o que fe abaterão montes , e fe fuperarao outros 
obftaculos com exceííiva defpeza j defcobrindo-íè 
preciofos mármores de muitas cores , e fendo mui- 
tos de extraordinária grandeza, íe conduzirão de lar- 
ga diftancia , e fe levantarão com novas machinas 
de mecânica a grande altura. Também he obra fua 
o fazer abrir o Tejo com grande commodidade , 
para íè poder navegar íeguramente , e a toda a ho- 
ra , onde hoje chamao o Tejo Novo. Em tudo 
fe admira a fua Real magnificência, como vira5 as 
Cortes de Roma , França , Heípanha , e Inglater- 
ra 



2.6z Hi flori a genealógica 

ra nas fumptuofas entradas dos feus Embaixadores, 
em coches, librez , e trato ; como também os En- 
viados , e Miniílros de difíèrente cara&er o luzi- 
mento, com que fe portarão. 

Os antigos Palácios da Sereniííina Gafa de Bra- 
gança em Lisboa, e Villa-Viçofa reedificou, e ao 
primeiro fabticou de novo com mais larga extenfao 
ao moderno. O antigo Seminário de Villa-Viço- 
íà ampliou , e da meíma íòrte a Capella do Paço 
daquella Villa, com que fe adiantou em tudo, em 
numero deCapellães, Cantores, e riquiífimos orna- 
mentos, prata feita ao gofío moderno fobre a mui- 
ta antiga riqueza , que tinha 5 de íòrte , que o fer- 
viço do Culto Divino he fempre continuado com 
mageftoíã pompa , e o Palácio também ornou , e 
na fua galaria collocou os retratos de todos os Du- 
ques, e Senhores da Sereniffima Caía de Bragança, 
e o feu Palácio de Lisboa augmentou com efcadas 
magnificas , cafas novamente pintadas com ricos 
adornos. 

No agradável lítio de Bellem quaíí junto a 
Lisboa, comprou por grandes preços muitas Caías 
de Campo , de que algumas tinhaõ decentes palá- 
cios, e jardins, as deftinou, para que unindo-as pof- 
ía formar huma Regia Caía de Campo , que exce- 
derá pela fituaçaõ às mais celebres da Europa. 

A' fua inftancia creou o Papa Clemente XI. 

Prova num. 130. o Bifpado do Graõ Pará, por Bulia paílada a 4 de 

Março do anno de 17 19, no anno vigefimo do feu 

Pon- 



da Cajá %eal Tortug. Lh. VIL 265 

Pontificado, EIRey contribuio para o edifício, c 
ornato da Igreja com prata, e riquiííimos ornamen- 
tos com liberalifiima maõ, e foy fcu primeiro Bifpo 
Dom Fr. Bartholomeu do Pilar , Religiofo Carme- 
lita. Pela fua nomina foraõ creados Cardeaes Nu- 
no da Cunha , Inquifidor Geral, em 18 de Mayo 
de 1712 , Dom Joíeph Pereira de Lacerda , Bifpo 
do Algarve , a 19 de Novembro de 1719 , ambos 
pelo referido Papa ; Dom JoaÕ da Mota eSylvai 
Cónego Patriarcal , pelo Papa Benediclo XIII. a 9 
de Dezembro de 1726 , e Dom Thomás de Almei- 
da , Patriarca de Lisboa , a 20 de Dezembro de 
1757 , por Clemente XII. Por terem (ido Nun- > 
cios em Portugal , foraõ creados Cardeaes , Vicen- 
te Bichi , Arcebifpo de Laodicéa , e Dom Joíèph 
Ferrão , Arcebifpo de Nicea , ambos a 24 de Se- 
tembro de 175 1. Ao Cardeal Conti , que havia 
fido Núncio nefta Corte , e tivera o Capello pelo 
meímo motivo , como fica eferito , fez Protector 
de Portugal , lugar , que coníervou depois de íêr 
exaltado ao Pontificado com nome de Innocencio 
XIII. pelo que na fua exaltação a Academia Real 
da Hiftoria lhe determinou hum Elogio , que fez 
o Conde da Ericeira D. Francifco Xavier de Me- 
nezes , e recitou no dia 5 de Julho de 1721. Pa£ 
fados annos , fuecedeo na mefma protecção deita 
Coroa o Cardeal Neri Maria Corílno Florentino. 
Depois foy Núncio Dom Caetano UrCni de Ca- 
valieri , Arcebifpo de Tarfo , muy eftimado pelas 

fuás 



2^4 Hijloria (genealógica 

fuás virtudes, e natural affabilidade , e morreo apref. 
fada mente em Lisboa a 10 de Outubro de 1758, 
antes de lhe chegar o Capello , que lhe eftava dek 
tinado, e lhe feguio Dom Jacome Odi, Arcebiípo 
de Nicea , que a&ualmente reíide na Corte. 

Sendo eleito no anno de 1722 a 19 de Junho 
em Graô Meftre da infiçne Ordem Militar de Saõ 
Joaõ de Malta Dom António Manoel de Vilhena, 
mandou os Falcões a EIRey todos os annns , na 
meíma forma, que aos Reys de França, e Hefpa- 
nha. Depois com a occafiaõ dos recíprocos Cafa- 
mentos dos Piincipes doBrafil , e A iludas , man- 
dou hum Embaixador Extraordinário a noíía Cor- 
te , e veyo em huma Efquadra da Religião de qua- 
tro nãos de guerra , que entrarão no Porto de Li£ 
boa a 15 de Setembro de 1728 : era o Embaixador 
Fr. Wencislao , Conde de Harrach , Bailio , e Com* 
mendador na mefma Ordem , e actual General das 
Galés da Religião. Fez o Embaixador a fua entra- 
da púbica a 22 de Outubro , fendo íeu Conduótor 
o Conde da Atalaya Dom Joaõ Manoel de Noro- 
nha , entaõ Meftre de Campo General dos Exerci- 
tes de Sua Mageftade , e do feu Coníelho de Guer- 
ra , que o foy bufear a bordo da fua nao em hum 
bergantim , e alguns efcaleres para a fua família. 
Defernbarcaraõ na ponte da Cafa da índia com lu- 
zidas comitivas, aífim o Embaixador, como o Con- 
dutor, e íeíTenta e cinco Cavalleiros da Religião 
de Malta de diverfas Naçcens , que vieraõ embar- 
cados 



da Cafa l^al Tortug. Liv. VIL 26 $ 

cados na Eíquadra , de que era Commandante o 
Commendador de la Romagere j que fe lhe ag- 
gregaraõ os Cavalleiros Portuguezes , que fe acha- 
vaõ em Lisboa com o Bailio de Negroponti Dom 
Lopo de Almeida , que cfperava na ponte ao Em- 
baixador , e com eíla illuftre comitiva entrou no Pa- 
ço , onde o recebeo em huma das íalas delle Dom 
Francilco de Souíâ , Veador da Caía Real , e fen- 
do admittido a Audiência, EIRey tratou o Embai- 
xador com muito acolhimento, moftrando , que es- 
timava muito a Religião de Malta : acabada a Au- 
diência, a teve da Rainha, e do Principe doBrafi!, 
e Infantes feus irmãos, e paííàdos poucos dias, 325 
a teve do Infante Dom Francifco , fendo conduzi- 
do por Dom Duarte da Camera , Conde de Avei- 
ras, Gentil-homem da fua Camera , e a 26 do In- 
fante Dom António , conduzido por Ayres de Sal- 
danha e Albuquerque , feu Gentil-homem da Ca- 
mera. No mez de Dezembro teve o Embaixador, 
Conde de Harrach , Audiência de defpedida , e íe 
embarcou muy fatisfeito do modo, com que EIRey 
honrara a toda a fua Religião, e da boa correípon- 
dencia, que experimentara no trato dos Grandes, e 
Nobreza da Corte todo o tempo , que nella aífiíli- 
ra, e na mefma forma os Cavalleiros. EIRey teve 
com o Grão Medre , e com toda a Religião diver- 
fas attenções , em que deu a conhecer o quanto o 
eílimava , e lhe mandou muitas peças de artelharia 
de bronze para o Forte Manoel, que elle havia edifí- 
Tom.VIII. LI cado, 



2.66 Hifioria Çenealogka 

cado , e dado o nome no feu appellido: e falecendo 
a 12 de Dezembro de 1736, lhe íuccedeo D. Frey 
Raymundo Deípuig , que naõ governando muitos 
annos, foy eleito em Graõ Meitre de Malta D. Fr. 
Manoel Pinto daFonfeca, Graõ Chanceller da Re- 
ligião, eleito a 18 de Janeiro de 1741 , ehe o quarto 
Portuguez, que tem tido efta eminentiffima digni- 
dade. 

No anno íeguinte de 1729 , chegou de Goa 
o Padre Manoel de Figueiredo , da Companhia de 
Jefus , Miííionario na Corte de Agra , Embaixa- 
dor do Mogol ao Vice-Rey da índia Joaõ de Sal« 
danha da Gama , acompanhado de dous Mouros 
principaes daquelle Império, que depois o íèguiraò 
até Lisboa , havendo dado a fua Embaixada em 
Goa , veftido à Magol , em que o Vice-Rey o re- 
cebeo na primeira Audiência com toda a formalida- 
de na Sala Real da Fortaleza , íèndo conduzido pelo 
CapitaS, ou Governador de Goa, e pelo Tanadar 
mor com todas as honras Civis, e Militares, coftuma- 
r^as em femelhantes occafiões; e entregando aCarta 
do Príncipe, que o mandava, diftè, que lhe encarre- 
gara lhe défíè os agradecimentos da guerra taõ vigo- 
rofa, que havia feito ao Fondu-Saunto , ganhando- 
lhe a Praça de Eicholim , e que bem via fe lhe re- 
tribuía a verdadeira amifade, que profeílava a El- 
Rey de Portugal com igual fidelidade; e que para 
prova de que agradecia ao Vice-Rey haverlhe íè- 
gurado ifto mefmo na íua Carta, em que lhe parti- 
cipara 



d.i Cafa %eal Tortug. Lk\ VIL l6~j 

cipara a reducçaõ de Bicholim , lhe mandava hum 
Siripao , iíto he hum veftido rico , e huma joya de 

Tubins, tudo poílo huma VeZ pelo mcímO Mogol , Memorias da índia do 

fegundo o coftume daquelle Império , e do Reyno ^ quez - do Lou: ^ ! 
da Períia, aonde íè chama Ca/ata ao Siripao do In« 
duítaõ. Alem defte prefente, o Raja de Amber, 
o mayor Príncipe depois do Mogol , mandou ao 
Vice-Rey huma joya de peito de diamantes , três 
caudas brancas de humas vaccas bravas de Tibeth , 
hum vidro de eípirito de roías , quatro pannos bran- 
cos, e três ataliás, ou peças de brocado de ouro, 
psdindo-lhe lhe mandaííè hum bom Mathematico 
de Portugal para conferir com elle algumas duvidas 
Aftronomicas , que tinha. Embarcou o Embaixa- 
dor Jefuita para Portugal, onde chegou , como te- 
mos dito , e no mez de Fevereiro teve Audiência 
particular, e entregou as Cartas, e preíente delRey 
de Amber , pondo na Real prefença os negócios , 
de que vinha encarregado defte Príncipe, e do Grão 
Mogol Mahamad Xea , Emperador do Induftao. 
Na companhia do Padre veyo Pedro Gy , Mogol 
de naçaõ , mas Catholico , e Xeque Guy , Maho- 
metano , que EIRey de Amber mandava com a 
commiííaõ de conferir as Taboas Aftronomicas , 
que fe ufaõ na noíTa Corte com as do íeu Paiz , e 
refolver as duvidas, que nelle havia, tomando co- 
nhecimento dos inílrumentos modernos , e antigos 
pertencentes à Aftronomia, em que elle era perito: 
porém com as conferencias, que teve com os Ma- 
Tom.VHI. Llii thema- 



2^8 Hlftorla genealógica 

th em áticos, comprehendeo os erros, em que eftavao 
os da ília nação. Outros Príncipes Afiaticos man- 
darão diverfas Embaixadas , naõ íó a Goa , mas a 
Portugal com preíentes de ccuías raras , e de mui- 
ta eftimaçaõ. Já no anno de 1722 tinhaó vindo à 
noíTa Corte , onde chegarão no mez de Agofto três 
Embaixadores delRey Theocaufo de Tulanac , que 
he o mais poderofo da grande Ilha de S. Lourenço, 
encarregados de vários negócios. EIRey os mandou 
bufcar a bordo por Joaõ de Seixas , feu Mantieiro, 
o qual em coches da Caía Real , os levou a S. Ro- 
que, Cafa Profeííà da Companhia , onde fe lhe ti- 
nha prevenido hum quarto com muito aceyo, e fen- 
do aííiftidos com abundância , tiveraô Audiência 
delRey a 10 de Novembro, e ofTereceraõ da parte 
do íeu Soberano os íeus portos, para que nelles pu- 
deííè EIRey mandar fabricar fortalezas , que íègu- 
raílèm ocommercio, e outras propofias, e fendo 
depois deípedidos, embarcarão para voltarem à íua 
terra. 

Mandou EIRey bater diveríâs moedas de ou- 
ro com dirTèrente valor, humas com o feu retrato, 
e no reverfo as Armas Reaes, que começao em oi- 
to toflões, vaõ dobrando humas a outras , a deza- 
feis, três mil e duzentos, féis mil e quatrocentos, e 
doze mil e oitocentos, que he huma bem feita moe- 
da. Nas Minas mandou lavrar outras pelo cunho, 
e uíb de feus Predeceííbres de quatro mil e oito- 
centos, outras de doze mil reis, e de vinte e qua- 
tro 



daCafaT^ealTortug. Liv.VII. 26 p 

tro mil reis, e naÕ corre no Mundo moeda de igual 
valor a eíta. Também já nas Minas íe fabricaõ to- 
das com o íêu retrato , na meíma forma , que em 
Lisboa, como fe vê na Collecça5 das moedas, que 
eítampámos no Tomo IV. defta Obra. 

A fua curioíidade naõ íe contentou nos limi- 
tes da Mageftade : quiz obfervar , e ver o modo , 
com que fe fabrica a moeda , aííiílindo a fua Real 
peííba à fabrica do eníâyo , e cunho , com a fua 
Angular viveza fez todas as reflexões , que cabem 
nos mais peritos artífice?. A nobre Arte da Im- 
preílàõ , que também quiz ver , mandou ir ao Pa- 
ço, onde fez compor , e imprimir na ília Real pre- 
íènça. Entre as fciencias , lhe deveo defde os pri- 
meiros annos particular inclinação a Mathematica , 
e aííím depois de Rey mandou vir âc Itália dous 
infignes Mathematicos , que foraõ os Padres JoaÕ 
Bautifta Carbone , e Domingos Capaci da Compa- 
nhia , ambos naturaes do Reyno de Nápoles , que 
a 19 de Setembro de 1722 chegarão a Lisboa, e ha- 
vendo-íe empregado em fazerem varias obíêrvações 
Agronómicas com grande eftudo , coníeguirao ap- 
plaufò da Corte , e fatisfaçaõ delRey , as quaes (h 
imprimirão , e participarão as Nações Eftrangeiras, 
de quem foraõ eftimadas pela fua exacçaõ : mandou- 
Ihe EIRey buícar todos os inílrumentos , que po- 
diaõ fer neceííàrios para as operações, a que aííiítio 
a fua Real peííòa , obíbrvando fcientiílcamente os 
movimentos dos aílrcs , os eclypíès do Sol 7 e da 

Lua ? 



2 7 o Hiftoria Çenealogtca 

Lua , e movimentos Celeftes , que admirava 5 os 
profeíTores a fciencia , com que penetrava as mais 
diíficultoías demonftrações , e as fabias efpecula- 
ções , com que difcorre nos pontos mais delicados 
defta belliííima fciencia, que tanto eftima, que hu- 
manando-íè chegou a fêr elle meímo , levado da cu- 
riofidade, quem com as fuás Reaes mãos ajuftou os 
inftrumencos para as obíervaçôes : e para prova da 
eftimaçaõ, que faz defta fciencia, mandou vir mais 
hum grande numero de admiráveis inftrumentos , 
obrados pelos mais peritos artífices da Europa , que 
hoje com tanto applaufo florecem. E para eterno 
monumento da fua incomparável curiofidade , man- 
dou fazer hum excellente obfervatorio no Collegio 
de Santo Antaõ , e nelle depofitou efte fcientifico 
theíburo , entregue à vigilância do douto Padre Car- 
bone, em quem alem do fcientifico da fua profiílàõ, 
concorrem virtudes , e erudição , que o fazem be- 
nemérito dellley íè íêrvir da fua peílba , e fempre 
da fua aíMencia. O Padre Capaci , deixando na 
Corte ao feu Companheiro , correo grande parte 
doReyno, fazendo as mefmas obíervaçôes, e ou- 
tras muitas prolufoens Geográficas , exercitando-íè 
no emprego , a que eftava deftinado. No anno de 
1729 foy mandado a America para ordenar as Car- 
tas Geográficas daquelle Eftado , e juntamente ex- 
aminar por meyo de exactas obíervaçôes Aftrono- 
micas de eclypíes , e immeríbens de fatellites aílèn- 
tar nos verdadeiros fitios os Meridianos do Brafií , 

e dos 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 271 

e dos íèus principaes portos, e cabos , com refpei- 
to aos eltabelecidos de Europa , e Ilhas de Cabo- 
Verde. Porém como o Padre Carbone eftava oc- 
cupado no íèrviço delRey, fe lhe nomeou por com- 
panheiro o Padre Diogo Soares , da mefma Com- 
panhia , natural de Lisboa , igualmente perito , e 
(ciente daquella proflílaõ. Chegarão ambos ao Rio 
de Janeiro , e devidindo entre fi os eftudos : Capa- 
ci tomou o das obíervações Aftronomicas , de que 
mandou exactiffimas notas, que depois fe participa- 
rão às Academias de França, e Inglaterra 5 e pelo 
que tocava à Geografia , fez huma Carta muy pon- 
tual da Capitania do Rio de Janeiro , que mandou 
à Corte : e tendo difpofto outra defde aquella Capi- 
tania ate as Minas Geraes , lhe naÔ deu fim por fa- 
lecer em S. Paulo , no mez de Fevereiro de 1740. 
O Padre Soares concinuando na parte , de que fo- 
ra encarregado , fez outras Cartas muito boas do 
Rio da Prata, e do Sitio da Nova Colónia , e con- 
tinuando no íêu emprego , trabalha outras de diver- 
fas partes daquelle vafto Domínio, e ao meímo tem- 
po formando huma Hifloria natural dos rios, mon- 
tes , arvores, hervas , frutos, animaes , e paíFaros 
do Eftacte do Brafil. 

Em huma admirável pedra de íêvar pela gran- 
deza, que tem EIRey primorofamente montada pa- 
ra as obfervacões Magnéticas, tem feito as mais cu- 
riofas experiências, que fe podem imaginar; porque 
a viveza fingulariííima do íèu excelío efpiriro na5 

fatisfaz 



272 Hijloria (jenealoglca 

fatisfaz com menos a fua incomparável curioíidade. 
Eíla o levou a 51 de Janeiro do anno de 1719 a ver 
o Palácio da Alcáçova, fituado no Caftello deSao 
Jorge, habitação dos antigos Reys, hoje do Mar- 
quez de Cafcaes , como Alcaide mor de Lisboa : 
hç o fido o mais eminente da Cidade , onde tem 
a mais aprafivel vifta , descobrindo por todas as par- 
tes a grande Lisboa : vifitou a Capella do meimo 
Palácio , em que íê conferva a devotiííima , c mi- 
lagroíifíima Imagem do Santo Crucifixo , que he 
tradição confiante fallou à Rainha Santa Iíabel , 
e que era a própria, que o invi&o Dom Affonfo I. 
trouxera comíigo nos Exércitos. Depois vio a Tor- 
re do Tombo , em que fe coníerva o Archivo Real 
de todos os inílcumentos originaes, e todas as Chan« 
cellarias antigas , com a reformação feita por ordem 
delRey Dom Manoel, obfervando todo o memo- 
rável com fatisfaçaõ. 

Aííim naõ fazendo menção das tapeçarias mais 
finas , e de excellentes debuxos com que augmentou 
o grande numero das antigas de Rafael , Ticiano , 
Rubens , e outros infígnes inventores , e debuxa- 
dores, com que fe adornaô as paredes dos feus Reaes 
Palácios 5 nem dos preciofos moveis das proçola- 
nas exquifitas da China , de baixellas de prata fa- 
bricadas pelos mais peritos artífices 9 a exceífiva co- 
pia de ouro, e de grandes, e brilhantes diamantes, 
as pinturas dos mais famoíòs Medres , que celebra 
o Mundo 3 entre tao exceííiva abundância de cou- 

fas 



da Cafa 'Real Tortug. Liv. VIL 273 

fas preciofas, admiráveis, e raras, eícolhidas pe!o íèu 
bom gofto , a tudo excede, como fabio , o génio dos 
livros , de que faz mayor eftimaçaõ , do que dos 
grandes tributos dos diamantes, e ouro das Minas. 
Aííim tem huma numerofa , e admirável Livraria , 
em que fe vem as ediçoens mais raras , grande nu- 
mero de manufcritos, Inftrumentos Mathematicos , 
admiráveis Relógios, e outras muitas coufas raras, 
que occupaõ muitas Gafas, e Gabinetes. Naõ ha- 
via no Paço mais que hum pequeno refto da Livra- 
ria antiga da Sereniííima Caía de Bragança: EIRey 
o fez collocar em efta Real Bibliotheca , que íe 
compõem de muitos mil volumes , que quaíí na5 
cabem no çrande edifício, chamado o Forte. De£ 
ta forte tem nelle os eruditos amparo, e favor, por- 
que com generoía liberalidade augmenta os feus es- 
tudos , fazendo-os públicos pelo beneficio da Im- 
preíTaõ, em que tem defpendido grandes fomas de 
dinheiro, aííim com os feus, como com os Eílran- 
geiros de diverfas nações. Entre elles fó me lembra* 
rey daquella eftimavel Collecçaô dos Poetas Portu- 
guezes, que entregou ao cuidado, e diligencia do 
Padre António dos Reys , da Congregação do Ora- 
tório , que durando-lhe pouco a vida , naõ lhe po- 
de dar complemento , de que deixou muitos volu- 
mes impreílòs j porque no íèu fublime talento do- 
mina a applicaçaõ taõ vehemente , que o feu ma- 
yor divertimento he a liçaõ , como elle mefmo al- 
gumas vezes tem confeííado : e aííim enriquecido 
Tom. VIU. Mm das 



274 Hiftoria Çenealcgica 

das fciencias mais profundas , tem hum univerfal 
conhecimento de tudo , o que he erudição fagrada, 
e profana , como com admiração tem obfervado 
muitos doutos , e eruditos , que tiveraõ a honra de 
o ouvir. 

Sendo Enviado Extraordinário na Corte de 
Madrid António Guedes Pereira, aviíou a EIRey, 
que o de Hefpanha procurava huma reciproca al- 
liança entre as duas Coroas , com a qual em du- 
plicados vínculos íe feguraííè a antiga amifade , 
que os particulares intereííès tinhaÕ perturbado com 
larga guerra. PaíTòu a Madrid Jofeph da Cunha 
Brodiado , do Confelho delRey, e do da fua Fa- 
zenda , que já havia fido Enviado Extraordinário 
nas Cortes de Pariz, e Londres , levando hum ple- 
no poder, que íe efêendia também ao Enviado An- 
tónio Guedes , e fe ajuftara5 os artigos prelimina- 
res com os ditos Miniftros Plenipotenciários da par- 
te delRey , e o Marquez de Grimaldo , Miniflro 
Plenipotenciário delRey Catholico , e jfè fírmara5 
a 7 de Ourubro de 1725 , e os Reys depois rati- 
ficarão : EIRey de Portugal em Lisboa a 13 de 
Outubro domeímo anno de 1725, e EIRey Catho- 
lico em Santo Udefonfo a 14 do meímo mez, e an- 
no. Concluídos os primeiros ajuHesdefte negocio, 
voltou Joíeph da Cunha Brochado para Lisboa , e 
paílòu depois àquella Corte o Marquez de Abran- 
tes Pvodrigo Eannes de Sá Menezes e Almeida , 
Gentil-homem da Cumera delRey , e Vedor da 

fua 



da Cafa 2^ Tortug. Liv. VIL 275 

Cia Fazenda , por Embaixador Extraordinário , e à 
noííà Corte com o mefmo caracler o Marquez de 
los Balvafes Dom Ambrofio Efpinola de Lacerda , 
Gentil-homem da Camera delRey Catholico , on- 
de refidia o Marquez de Capecelatro por Embaixa- 
dor , e depois fe paííàraõ emhuma, e outra Corte 
os referidos Tratados Matrimoniaes, como adiante 
diremos. Celebrados os Defpoíbrios do Principe 
do Brafil com a Infanta Dona Marianna Vi&oria 
na Corte de Madrid , e na de Lisboa , os do Prin- 
cipe das Aílurias com a Infanta Dona Maria Barba- 
ra , ceremonia , que fe executou na Santa Igreja 
Patriarchal , fazendo eíla função o Patriarcha com 
a affiltencia das PeíToas Reaes, e de todos os Gran- 
des, Eccleíiafticos , Seculares, Fidalgos, e Officiaes 
da Caía Real , moílrando o feu affecto nas galas 
mais ricas , e nas joyas mais precioías , correípcn- 
dendo a Corte , Reynos , e Conquiftas em publi- 
cas, e íumptuofds feitas, com que em todas as par- 
tes do Mundo fe applaudiraó eftas Reaes Vodas, 
felicidade igual às duas Monarchias. 

Aííèntaraõ os Rcys de íe aviílarem ao tem* 
po da entrega das Princezas , e partirão de Madrid 
os Reys Catholicos, o Principe das Aílurias, a Prin- 
ceza do Brafil , os Infantes Dom Carlos , e Dom 
Filippe, e a Corte , que os acompanhavaó nomez 
de Dezembro de 1728. Ordenou EIRey o dia da 
partida , havendo ordenado , que a libré antiga da 
Sereniííima Caía de Bragança , que era de pano fyl- 
Tom.VIII. Mmii vado 



2^6 Hiftoria (genealógica 

vado de verde, e branco, guarnecida de galões de 
prata , íe mudaíle fomente para a fua Cafa Real , da 
Rainha , e Príncipes do Brafil , na cor de que ufa- 
raõ os antigos Reys de pano encarnado, com os 
cabos, e vefteas azues agaloadas de prata, e aos Ar- 
cheiros da Guarda da mefma cor com a dirrerença 
de ouro. Tendo nomeado os Grandes ., Senhores, 
e Officiaes da Corte para o fervirem na jornada , 
mandou , que fe adiantaííèm para o efperarem em 
a Cidade de Évora, e o fizeraõ com a mayor gran- 
deza, e luzimento, que le pode imaginar, aííim nos 
vertidos, librés, e carruagens , íendo a mayor par- 
te tiradas por frizões: he preciíò fazer menção da- 
quelles grandes Seculares, e Ecclefiafticos, Officiaes, 
e Criados da Caía Real, que tiveraõ aviíò, e acom- 
panharão a EIRey, e foraõ os feguintes: 

O Cardeal da Cunha , o Patriarcha com hu- 
ma parte do Collegio da Santa Igreja Patriarchal , 
o Deaõ Dom Joíeph Manoel , o Chantre Filippe 
de Souíâ , e os Conexos Francifco de Sales da Ca- 
mera , Gonçalo de Souía , Dom Lazaro Leitão 
Aranha , Joaõ de Mello , os quaes eraõ da Ordem 
dos Presbyteros mais antigos j Dom Luiz de Noro- 
nha , Dom Francifco de Menezes Baharem, Dom 
Jofeph de Menezes, Dom Luiz de Caftello-Branco 
da Ordem dos Diáconos. 

O Duque de Cadaval Dom Jayme de Mello , 
Eílribeiro mor, do Coníclho de Eftado, e Prefiden- 
te da Mefa da Confciencia , e Ordens, o Marquez 

de 



da Cafa T^çal Tortug. Liv.VIL 277 

de Marialva D. Diogo de Noronha, que governa- 
va as Armas da Provinda da Extremadura , o Mar- 
quez de Alegrete Fernaõ Telles da Sylva, do Con- 
felho de Eftado , e Vedor da Fazenda, ambos Gen- 
tis -homens da Camera delRey, o Marquez de Caf- 
caes D. Manoel de Caftro, do Confelho de Guerra, 
o Marquez de Fontes Joachim de Sá de Menezes, 
o Marquez de Alegrete Manoel Telles da Sylva , o 
Marquez de Angeja Dom Pedro António de No- 
ronha , Mordomo môr da Princeza do Brafil , do 
Coníêlho de Eftado , e Vedor da Fazenda , o Con- 
de de AíTumar Dom JoaÕ de Almeida , que lervia 
de Mordomo môr, do Coníêlho deEftado, o Con- 
de de Cucolim Dom Francifco Mafcarenhas, Gen- 
til-homem da Camera do Infante Dom António, o 
Conde da Ericeira Dom Francifco Xavier de Me- 
nezes , General de Batalha , e Deputado da Junta 
dos Três Eílados, o Conde do Rio Grande Lopo- 
Furtado de Mendoça, do Coníêlho de Guerra, Al- 
mirante da Armada Real, o Vis-Conde de Villa- 
Nova de Cerveira Dom Thomás de Lima , o Con- 
de de Avintes Dom Luiz de Almeida , Gentil-ho- 
mem da Camera do Infante D. Francifco, o Con- 
de da Calheta AfToníb de Vafconcellos e Soufa , 
Repoíteiro môr, o Conde de Alvor Bernardo de 
Távora , Meftre de Campo General , o Conde de 
Vai de Reys Nuno de Mendoça, Deputado da Jun- 
ta dos Três Eílados , o Conde de Villa-Nova D. 
Pedro deLencaftre, Commendedor môr da Ordem 

Militar 



278 Hiftoria Çenealoglca 

Militar de Aviz, o Conde de Arcos Dom Thomás 
de Noronha, Brigadeiro daCavallaria, o Conde de 
Oriola , Baraõ de Alvito Dom Joíèph Lobo , o 
Conde das Galveas Pedro de Mello e Caftro, Cou- 
teiro môr de Villa-Viçoíà , o Conde de S. Vicente 
Manoel da Cunha e Távora, General de Batalha 
do Mar , o Conde de Soure. Dom Henrique da Cof- 
ta Carvalho , o Conde das Galveas António de Mel- 
lo e Caftro , o Conde de Atouguia Dom Luiz de 
Ataide , o Conde de Valladares Dom Miguel Luiz 
de Menezes , o Conde de Vimiofo Dom Jofeph de 
Portugal , o Vis-Conde de Villa-Nova da Cerveira 
Thomás da Sylva Telles , General de Batalha , 
o Conde das Galveas André de Mello e Caftro, que 
havia fido Embaixador em Roma , o Conde de Vi- 
mieiro Dom Diogo de Faro e Souíã , o Conde de 
Villa-FIor Martinho de Soufa e Menezes , Copeiro 
môr, o Conde da Ilha do Principe Francifco Car- 
neiro de Souía , o Conde de Tarouca Dom Efte- 
vaÔ de Menezes , o Conde da Ribeira Grande D. 
Jofeph da Camera, o Conde do Lavradio Dom An- 
tonio de Almeida , o Conde de Monfanto D. Luiz 
de Caftro , o Conde de Atalaya Dom João Manoel 
de Noronha, doConfelho de Guerra, e Medre de 
Campo General , o Conde de Santiago Aleixo de 
Soufa de Menezes, Apofentador môr, o Conde de 
Povolide Luiz Vaíques da Cunha e Ataide , Gen- 
til-homem da Camera do Infante Dom António, o 
Conde de Caftello-Melhor Jofeph de Vafconcellos 

e Soula, 



e SouÇi , o Conde de Pombeiro D. Pedro de Caf- 
tello-Branco, Capitão da Guarda, Dom Luiz Inno- 
cencio de Caftro , Almirante de Portugal , e Capi- 
tão da Guarda , Dom Franciíco de Souíà , Capitão 
da Guarda Alemãa , Joaõ Gonçalves da Camera 
Coutinho, Almotace mòr, Dom Francifco Xavier 
Pedro deSoufa, Veador da Cafa delRey, Fernão 
Telles da Sylva , Monteiro môr do Reyno, Dom 
Lourenço de Almada, Meftre Sala , Dom Jcíêph 
da Coita , Armeiro môr, Dom António Alvares da 
Cunha, Trinchante, Rodrigo de Soufa Coutinho, 
que íèrvia de Veador da Caía delRey na menori- 
dade de feu fobrinho, o Conde de Redondo , Gaf- 
taõ Jofeph da Camera Coutinho, Eítribeiro môr da 
Rainha, Pedro de Vaíconcellos e Souíà, Eítribei- 
ro môr da Princeza do Braíll , do Coníèlho de Guer- 
ra , e Meílre de Campo General , Dom Dicgo de 
Menezes e Távora, Dom Jorge Henriques , Dom 
Pedro de Mello, Francifco de Almada, Dom An- 
tónio Henriques , e Dom JoaÕ de Almeida , todos 
Veadores da Caía da Rainha , Dom Carlos de Me- 
nezes , e Dom Lopo de Almeida , Balio de Acre , 
na Ordem de Malta , o Conde da Ponte António 
de Mello e Torres , todos três Veadores da Prince- 
za do Brafil , Diogo de Mendoça Corte-Real , Se- 
cretario de Eílado , Frey VeriíTimo de Lencaílre , 
Efmoler mòr , Dom Jofeph de Menezes , filho de 
Dom Diogo de Menezes e Távora, Dom Joaõ da 
Coíla , filho do Conde de Soure, Bernardo de Al- 

tââda* 



280 HiHoria (jenealogica 

mada, filho deFrancifco de Almada, D. Fernando 
de Almeida , filho de D. João de Almeida , todos 
quatro Moços Fidalgos , que ferviraÕ na jornada , 
o Doutor Joíêph Vaz de Carvalho , Corregedor 
do Crime da Corte , e Caía , e outros muitos Fi- 
dalgos , que eftavaõ empregados nos íeus póftos , 
e naõ fendo nomeados , fe acharão nefta occafiaõ. 
Em o dia 8 de Janeiro de 1729, fahio EIRey 
de Lisboa, embarcando perto das oito horas da ma- 
nhãa no bergantim Real, com o Príncipe, Infante 
Dom António, e os Criados, que lhe aííiftiaõ, que 
foraõ o Duque de Cadaval , feu Eílribeiro mor , o 
Marquez de Marialva , feu Gentil-homem da Ca« 
mera , que eílava de femana , e ao Príncipe o Mar 
quez de Alegrete , e Ayres de Saldanha , Gentil 
homem da Camera do Infante D. António. A£ 
fim, que íe mandou vogar o bergantim, foy falva 
do com três deícargas de artelharia de toda a mari 
nha da Cidade. Quiz EIRey primeiro vifitar a mi 
lagrofa Imagem da Madre deDeos, e depois de íâ 
tisfazer com a devoção, atraveífou o Tejo, e às dez 
horas chegou àVilla de Aldea-Gallega, feguido de 
quinze efcaleres, em que hia a Família, que o acom- 
panhava j e no outro dia depois de ouvir Miíià em 
Noíía Senhora da Atalaya, continuou a fua jorna- 
da, e às quatro horas da tarde chegou às Vendas- 
Novas , onde havia feito fabricar hum fumptuofo 
Palácio para fomente fervir neíla occafiaõ, levanta- 
do dos aliceílès em muy poucos mezes , ornado de 

pintu- 



da Cajá T$fd Tortug. Liv. Vil 281 

pinturas , e excellentes armações , com toda a com- 
modidade, e grandeza , que íè pode imaginar, ha- 
vendo também mandado fazer huma grande Caía 
para o mefmo fim nos Pegões, íítio que fica cinco 
léguas de Aldea-Gallega. Vio EIRey todo o Pa- 
lácio , e as fuás officinas, e mandou, que com to- 
da a prefía fe puzeílè na Tua ultima perfeição. Nef- 
te mefmo dia fahio a Rainha de Lisboa às fete ho- 
ras da manhãa com a Princeza das Aílurias , e o 
Infante Dom Pedro , acompanhada dos OfHciaes , 
e Criados da ília Caía, Camareiras mores, Senho- 
ras de Honor, e Damas nos mefmos bergantins, e 
eícaleres, em que EIRey havia pafiado no dia an- 
tecedente , fendo falvada com três deícargas geraes 
na mefma forma , que a EIRey : foy em direitu- 
ra à Madre de Deos , fupplicarlhe o bom fucceílò 
da jornada , e depois de ter cumprido com as fuás 
coftumadas devoçoens , paííòu a Aldea-Gallega , 
aonde no caiz eftavaõ os coches para a fua peílba , 
e família , e foy logo fazer oração à Igreja Matriz, 
antes de entrar no Paço, que lhe eftava preparado. 
Continuou EIRey no outro dia a jornada , e 
paíTando por Montemor, foy ouvir Miílà àCapella, 
em que nafceo S. João de Deos , e dahi à Cidade 
de Évora, onde hum quarto de légua o efperavaõ os 
Grandes , e Fidalgos, que foraõ nomeados para lhe 
aíliílirem , como diííèmos: entrou EIRey na Cida- 
de com a comitiva, que o íeguia, chegou a Sé com 
grande copia de agua , o Cabido o recebeo na fór- 
Tom.VIII. Na ma 



282 Hijloria Genealógica 

ma coftumada, e cantado o TeDeum, fe recolheo 
por dentro da Sc ao Palácio dos Arcebifpos. 

A Rainha, que feguia as meímas jornadas do 
que EIRey , naquelle dia fahio de Aldeã Gallega , 
foy ouvir MiíTa a NoíTa Senhora da Atulaya , e de- 
pois continuou a jornada , e foy pernoitar ao Paço 
das Vendas-Novas : e porque o rigor do tempo naõ 
dava lugar a feguilla, ficou nefte fitio, e no dia 12 
de Janeiro entrou em Évora. EIRey a efperou no 
largo do chafariz das Bravas, e tanto, que fe avik 
taraô as Mageftades , paliou a Rainha para o co- 
che delRey com a Princeza das Afturias , e o In- 
fante D. Pedro. Continuou-fe a marcha , acom- 
panhada de toda a Corte em boa ordem , porque 
íuppofto já era noite, o luar, e as muitas tochas, e 
luzes, que acompanhavaô os coches , deixava õ ver 
com diftincçaõ a riqueza, e bom gofto das carroças, 
e o luzido das librés 5 nefta forma chegarão à Ca- 
thedral , donde fe obíêrvou o meímo , que fe tinha 
p; atiçado com EIRey. Nefte dia creou EIRey 
Conde de Alva a D. JoaÕ Diogo de Ataide , Go- 
vernador das Armas da Província do Alentejo , e 
Genris-homens da ília Camera ao Marquez de Cafc 
cães D. Manoel de Caftro, ao Marquez de Abran- 
tes [oachim de Sá , ao Marquez de Alegrete Ma- 
noel Telles da Sylva , e ao Conde de Aflumar D. 
Joaõ de Almeida , do Confelho de Eítado , que 
fervia de Mordomo mor daCafa Real. 

No tempo, que EIRey efteve em Évora, foy 

ver 



da Cafa %eal Tortug. Liv.VU. 283 

ver alguns Moíleiros da Cidade, a todos deu efmo- 
las, e ao dos Mondes da Cartuxa, Padroado da Se- 
reniíííma Cafa de Bragança , huma muy groíia para 
huma obra, que emprendia; e no de Santo António 
mandou rezar hum Refponíò pela alma do Senhor 
Dom Theotonio , Arcebifpo de Évora , de quem 
no Livro VI. Capitulo XI. do Tomo V. rizemos 
menção 5 e depois de ter obíervado tudo , o que 
havia digno de eftimaçao, e antigo na Cidade, fa- 
hio delia a 14 do referido mez , indo ouvir Miíía 
no Mofíeiro de Noílà Senhora do Eípinheiro de Re- 
ligiofos Jeronymos , e marchou para Villa-Viçofa, 
antiga Corte dos Sereniífimos Duques de Bragança, 
onde chegou às quatro horas da tarde, enefta Vil- 
Ia o eíperavaõ já muitos Grandes, e Fidalgos, que 
íè tinhaõ adiantado: foy logo a Capella do Palácio 
Ducal Brigantino , e íè cantou o Te Deum pelos 
Muficos delia com afíiftencia do íeu Deaõ , o que 
fe fez com toda a folemnidade. Depois na noite 
foy à Matriz, cujo Orago he N. Senhora da Con- 
ceição : nefta Villa íè detiverao as Mageftades hum 
dia, e porque o Marquez de Capecelatro , Embai- 
xador de Heípanha , que por ordem da fua Corte 
íèmpre havia íèguido os noílos Reys , teve hum 
Expreííò com a noticia , de que no Domingo 16 
chegariaõ os Reys Catholicos a Badajoz , na tar- 
de iahio EIRey a pé pela porta , que chamao do 
Nó , para o Convento dos Religioíòs de Santo 
Agoílinho , em que eftao fepultados os Sereniííimos 
Tom. VIII. Nnii Du- 



284 Hijlorla genealógica 

Duques de Bragança. Foy acompanhado dos Se- 
reniítimos Infantes Dom Francifco, e Dom Antó- 
nio , do Duque Eílribeiro mor , do Marquez de 
Alegrete, Gentil-homem da Camera , e chegando 
à Capella , em que eftaõ as fupulturas dos Duques 
com a fua innata piedade, e igual viveza , começou 

Metrorits do Duque * Xm ^ 3 § Ua benta P el ° ultÍm0 DuC \ UQ ° Sereniííi- 

Eilnbciromòr m.f. mo D. Theodoíio II. dizendo, que principiava pe- 
lo que lhe era mais chegado. No outro dia depois 
de ter ouvido Miíla em Noííà Senhora da Concei» 
çaô , marcharão as Mageftades para Elvas, e no ca- 
minho na Atalaya dos Matos encontrarão ao Mar- 
quez de Abrantes, feu Embaixador na Corte de Ma- 
drid , que vinha feguindo aos Reys Catholicos , a 
quem fallou EIRey brevemente, e chegando à por- 
ta da Cidade , o Cabido o eíperava com Cruz alça- 
da , e o Santo Lenho. Apearac-fe todos , e tendo 
as Mageftades, e Altezas beijado o Santo Lenho, 
determinando EIRey ir a pé até a Cathedral , e dan- 
do já alguns paflbs , diíle a Rainha , que naõ lhe 
era poffivel fazeílo por caufa do grande frio , que 
padecia 5 pelo que mandou EIRey dizer ao Cabi- 
do pelo Marquez de Alegrete , que íê recolheííè 
por outras ruas , como já fuecedera em íèmelhante 
cafo, e já o Senado havia cumprido efta ceremonia 
na forma coftnmada. Entrarão as peflbas Reaes no 
coche , e na íègunda porta o Governador da Praça 
Dom Bernardo de Freíiieda , lhes oíTèreceo as cha- 
ves , c foraõ os Reys à Sé , e depois de fe cantar 

o Tc 



da Cafa %} Tortttg. Liv. VIL 285 

o Te Deum , íê recolherão ao Palácio Epifcopal , 
que naõ tinha capacidade para Reaes hofpedes. 
Houve luminárias em toda a Cidade , e muito fo- 
go do ar , executado com primor , e alegre varie- 
dade, falvas de artelharia , o que também ao mef- 
mo tempo fe ouvia em Badajoz. 

De Elvas mandou EIRey a Badajoz no dia 
17 ao Marquez de Alegrete Fernando Telles da 
Sylva , feu Gentil-homem da Camera , a faber co- 
mo haviaõ chegado os Reys, Príncipes, e Infantes, 
e de Badajoz chegou o Duque de Solforino D. Fran- 
cifco Gonzaga, Gentil-homem da Camera delRey 
Catholico , faber dos nofíòs Reys , e fendo condu- 
zido com a formalidade devida , entrou eftando pre- 
fente toda a Cafa Real , e depois de dar o feu re- 
cado às Mageftades , pedio licença para beijar a maõ 
à Princeza das Afturias, e poílo de joelhos, lha bei- 
jou, e fe defpedio. Na tarde do mefmo dia chegou 
o Conde de Montijo , Gentil-homem da Camera 
dellley Catholico , a trazer a joya à Princeza das 
Afturias, e o Marquez de Cafcaes , Gentil-homem 
da Camera, foy a Badajoz na mefma tarde a levar a 
joya à Princeza do Brafil. Depois no dia 19 íe 
aviftaraõ no Caya o Secretario de Eftado Diogo de 
Mendoça Corte-Real , e o Marquez de la Paz , 
Secretario delRey Catholico , e ajuftaraõ ambos a 
fórma, em que os Reys íe haviaõ de tratar, o que 
fe concluio fem duvida alguma dos deus Miniílros: 
avifou-fe à Cone para no outro dia acompanharem 

os 



2 8 6 Hiftoria Çeneabgica 

os noílòs Reys ao Bjo Caya. Nefte mefmo dia 
entrou em Elvas o Patriarcha com hum grande 
trem , e foy recebido com todas as honras , conce- 
didas à fua alta dignidade : o Senado da Camera o 
foy receber , e depois do Patriarcha ter ido ao Pa* 
ço faber delRey , foy à Cathedral : o Cabido o re- 
cebeo com Paleo , e Te Deum , e íè accommodou 
no Collegio da Companhia. 

No dia determinado 19 de Janeiro para fe avi£ 
tarem huns , e outros Reys , íahio o noííò com a 
Rainha , Príncipe, Princeza das Aflurias, o Infan- 
te Dom Pedro, o Infante Dom Franciíco , e o In- 
fante Dom Amónio da Cidade no mais fermofo dia, 
que íe podia deíejar cheyo de Sol , fereno , e agra- 
dável , em hum foberbo coche , tirado de oito fri- 
zões, com huma magnifica comitiva, tanto nas ga- 
las , como nas carruagens , tudo coberto de ouro , 
e prata , naõ fó nas peííòas da Corte , mas nas Fa- 
mílias dos Grandes, até nas librés doslacayos, mar- 
chando com admirável ordem , porque hiaõ prece- 
didos dos Grandes com luzidas carruagens, tiradas 
a mayor parte a féis frizões, efaziao o numero de 
mais de quarenta , a que íèguia hum Alferes com 
huma partida de quinze cavallos , vinte e quatro 
trombetas , e atabaleiros da Caía Real , vertidos de 
veludo encarnado , todos cobertos de galões de ou- 
ro: os cavallos de maô dos Infantes Dom António , 
e Dom Francifco , e a eíles trinta cavallos de maõ 
delRey, do Príncipe, e do feu Eftribeiro môr: de- 
pois 



da Cafa %cal Tortug. Liv. VIL 287 

pcis hum Tenente com quinze cavallos, e logo do« 
ze poftilhões de Gabinete com rica libré , hum co- 
che , em que hiaõ os Moços da Guarda- R.oupa do 
Infante Dom António, outro dos Moços daGuar- 
da-Roupa do Infante Dom Francifco , huma ber- 
linda, em que hia o Confeííòr, emais Padres, que 
aíílftem à Rainha, outra berlinda do íêu Eftribeiro, 
e Porteiro da Camera , outra berlinda dos Padres , 
que acompanhaõ a EIRey , e outra dos feus Mo- 
ços da Guarda Roupa , huma berlinda do Correge- 
dor do Crime da Corte , e Caía , e outra , em que 
hia o Eftribeiro delRey com outras peílòas, o co- 
che dos Camariftas do Infante Dom António , ou- 
tro dos Camariílas do Infante Dom Francifco, hu- 
ma berlinda dos Veadores da Princeza , outra com 
o feu Eftribeiro mor , e Mordomo môr , duas ber- 
lindas, em que hiaõ os Veadores da Rainha, e Mo- 
ços Fidalgos , outra , em que hia o Eftribeiro mor- 
da Rainha, outra dos Officiaes delRey, huma ber- 
linda , em que hia o feu Eftribeiro môr com alguns 
Genti-homens da fua Camera, o coche derefpeito 
do Infante Dom António , o do Infante Dom Fran- 
cifco, o coche de refpeito da Princeza , o coche de 
refpeito do Principe, e logo o coche de refpeito da 
Rainha, o coche derefpeito delRey , outro coche 
da peííoa da Rainha , o coche , em que hia ElPvey 
com toda a Família Real, depois três feges da peí- 
íoa delRey , e três da peflba da Rainha , huma do 
Infante Dom Francifco , outra do Infante Dom An- 
tónio, 



288 Hiflorla Çenealogca 

tonio , huma berlinda das Camareiras mores , três 
de Senhoras de Honor, e Damas, três de Açafatas. 
Ultimamente hum efquadraõ de guarda com qui- 
nhentos cavallos, que defde Lisboa foraõ acompa- 
nhando a EIRey com os Capitães Jofeph Bernar- 
do de Távora , Dom António da Sylveira de Al- 
buquerque , o Conde de Óbidos , e Dom Diogo 
de Soufa : a guarda dos Archeiros tinha marchado 
adiante acavallo, para eftar no Caya , fervindo a pé 
como coíluma. Detraz do coche delRey hia hum 
grande numero de moços da eftribeira , e das cava- 
Ihariças acavallo , para fervirem. Todos os coches, 
e berlindas da Caía Real erao tirados por frizÕes. 
Seguiaõ-íè cento e trinta feges da Família da Caía 
Real , que haviaõ ido fervindo em diverías occu- 
pações nefta jornada ; fendo taõ numeroíâ, que ba£ 
Memorias m.f. do Da- ta dizer , que na cavalhariça havia mais denovecen- 
H ucEknbciromor. tos Q f e ff enta cr iados , fomente pertencentes a ella, 

que mantia mais de mil e feifcentas e quarenta bef- 
tas. E naõ faliando nos criados de foro nobre , íê 
naõ derepofteiros, moços da prata, e outros íeme- 
lhantes paílavaõ de feifcentos e íêtenta , deixando à 
parte os Officiaes menores da Caía Real , e outros 
femelhantes, quarenta, e tantos Moços daCamera, 
Médicos , Cirurgiões , Clérigos , Criados particula- 
res, e outras muitas peíTòas do ferviço nobre da Ca- 
fa Real , porque naõ he noíía, tenção entrar a def- 
crever a magnificência , riqueza , e profufaõ defte 
ditofo dia , mas fomente dar huma idéa , do que 

foy 



da Cafa %cal Tortug. Lh. VIL 2 8 £ 

foy aquclla jornada , para fatisfazer aos curiofos. 

Chegarão os Reys ao Rio Caya, que divide 
os limites de huma , e outra Coroa, íbbre o qual íè 
havia fabricado huma magnifica Cafa, digna de re- 
ceber dous taõ poderoíbs Monarchas : era formada 
de madeira , repartida em três cafas, huma da parte 
de Portugal , e outra da de Caftella , e no meyo , 
a em que ie haviaõ de ver as Mageftades até à li- 
nha, que era o limite, e diviíàõ dos feus Domínios, 
que eitava igualmente ornada de excellentes , e ri- 
cas tapeçarias, por ordem de ambas as Mageftades , 
nella entrarão ao mefmo tempo por huma , e outra 
porta, da noíTa parte EIRey, a Rainha, o Prínci- 
pe, Princeza das Afturias , os Infantes Dom Pedro, 
Dom Francifco , e Dom António, e da outra parte 
EIRey Catholico , a Rainha , o Príncipe das Aflu- 
irias , a Princeza do Brafil, os Infantes Dom Carlos, 
e Dom Filippe 5 naô lemos fe aviftaíTem igual nu- 
mero de peiíòas Reaes em femelhantes funçoens. 
Todos íè viraõ com grande goílo , e demonftra- 
ções de contentamento, e depois de fe cumprimen- 
tarem com reciproca fatisfaçaõ , tendo eftado largo 
tempo em pé , fe fentaraô huns defronte dos outros 
em ricas cadeiras. Chegarão os Officiaes de ambas 
as Caías Reaes duas meias cobertas de teíTú, entra- 
rão os Secretários , e apreíèntando os papeis perten- 
centes àquelles actos , os quaes as Mageftades aííi- 
naraõ com todos os Príncipes das duas Reaes Famí- 
lias. Acabado efte acto, as duas Camareiras mores 
Tom. VIII. Oo de 



2j?o Hljlorla Çenealogica 

de Portugal , a Marqueza de Unhaõ Dona Maria 
deLencalíre, e Dona Anna de Lorena forao beijar 
a maõ à Princeza do Braíil , fazendo o mefmo as de 
Heípanha à Princeza das Aftuiias , os Reys ordena- 
rão a todos os feus Criados , Grandes , Officiaes da 
Caía Real , e peííòas de diftinçaõ foííèm cumpri, 
mentar as Mageftades , e beijar a ma5 às fuás Prin- 
cezas , que os Embaixadores davaõ a conhecer aos 
Reys, ao de Portugal o Marquez de Abrantes, e ao 
Catholico o Marquez de Capecelatro : acabada e£ 
ta officiofa ceremonia , levantaraÕ-fe finalmente pa« 
ra íê defpedirem , e eftiverao algum tempo Tem íê 
poderem apartar, e podendo mais a ternura, que o 
ceremonial , cedeo a Mageftade à natureza, quando 
fe trocarão as Princezas , pegando cada huma das 
Rainhas na que lhe tocava , porque as lagrimas do 
goílo íê equivocarão com a faudade , igualmente 
nas attençoes os aítedos de ambas as Nações. En- 
trarão nos coches, caminharão os Reys com as duas 
viíloíàs comitivas de ambas as Cortes , com ricas 
galas, e coches, as guardas de huma,e outra par- 
te cercavaÕ as margens do Rio , e hum immeníò 
ccncurfo de Povo , que cobria os limites de ambos 
os Reynos , que concorreo a ver hum dos mais ce- 
lebres , e viftofos dias , que íe lerá na Hiftoria .- ao 
tempo, que íê íizeraõ as trocas, começou a Caval- 
laria , e Infantaria a dar repetidas falvas de mofque- 
taria, a que logo correípondeo a artelharia das Pra- 
ças de Elvas , e Badajoz» 

Entra- 



daCafa^ealTortug. Liv.Vll. 2$i 

Entrarão os noflõs Reys na Cidade, acompa- 
nhados do feu luzido , e pompoío cortejo : o Sena- 
do da Camera eíperava na porta da Cidade , e lhe 
fez a coftumada ceremonia: foraõ àCathedral, on- 
de o Patriarchá reveíliJo em Pontifical , aííiftido de 
parte do íèa Collegio, e de todos aquelles Miniílros 
Eccleíiafticos, eSecula.es, que lhe aifirlem, deitou 
agua benta a todas as peííòas Reaes, que conduzi- 
rão debaixo do Paleo, e parlando a Capeíla môr, re- 
ceberão os Príncipes as bcnçaos nupciaes : levantou 
o Patriarchá o Tc Dcum , que proíeguiraõ os Muíl- 
cos , e ditas as Oraçoens , fe recolherão ao Paço. 
EIRey mandou repartir hum grande numero de do» 
bras de ouro pelos íòldatíos. No outro dia man- 
dou EIRey ao Marquez de Alegrete Manoel Tel- 
les da Sylva a Badajoz , e o Marquez de los Balva- 
íès veyo a Elvas a faber dos Reys , e Príncipes do 
Braíll: no mefmo diaFrancifco de Andrade Corvo, 
Moço da Guarda-Roupa , que tinha o officio de 
Guarda-Joyas , levou as joyas da Princeza das Af- 
turias , e de Badajoz veyo trazer as da Princeza do 
Brafil hum Guarda-Joyas. A Princeza das Aílu- 
rias mandou hum eípadim guarnecido de diaman- 
tes a cada hum dos Infantes íêus tios. Em todos 
aquelles dias foraõ as vifitas reciprocas , porque da 
noíla Corte foraõ muitos Grandes a cumprimentar 
a Princeza , e da outra vieraõ muitos também a 
ver , e cumprimentar os Reys , que lhe deraõ au- 
diência, e muitas peíToas de qualidade, o Conde de 
Tom. VIII. Oo ii Ko- 



2 $ 2 Hijlõrla Çenealogica 

Koninfegh , Embaixador do Emperador na Corte 
de Madrid , a Camareira môr da Princeza com al- 
gumas Damas, e Senhoras, e Cavalheiros France- 
zes j e todos tiverao a honra de fallarem a Suas Ma* 
geftades , o Duque de Oífuna com hum grande nu- 
mero de Grandes de Hefpanha, e muitos Cavalhei- 
ros particulares de diftincçaõ , a quem a Princeza 
do Brafil deu audiência na fua Camera. Os Reys ri- 
zeraÕ diílribuir joyas, e peças de grande valor, aílim 
aos Officiaes da Cafa, como às Damas, e outras Se- 
nhoras de ambos os Palácios. Quiz ElPvey ver fa- 
zer exercício às Tropas , para o que ordenou ao 
Conde de Alva, Governador das Armas, que no dia 
21 de tarde eftiveííem formadas. SahioElReyàs 
três horas , o Príncipe , os Infantes D. Francifco , e 
Dom António , acompanhado do Duque Eflribei- 
ro môr , e dos Camariftas de femana : eftavaõ for- 
madas em duas linhas frente a frente : correo El- 
Rey as linhas de hum , e outro lado : chegou a Rai- 
nha com a Princeza do Brafil , e o Infante Dom 
Pedro: EIRey, e Suas Altezas montarão a cavai- 
lo, e os léus criados: mandou fazer exercícios aos 
Regimentos da Infantaria , e ultimamente , que a 
Cavallaria fízeífè alguns movimentos com fogo,- 
Era a tarde muy fermofa, grande o numero da gen- 
te , c muitos Cavalheiros , e Officiaes Hefpanhoes, 
que tinhaó vindo ver a Princeza ; e executado tudo 
com muita ordem , fe recolherão as Mageílades ao 
Paço com grandes vivas, e acclamações do Povo. 

No 



da Cafa Tlçal Tcrtug. Liv t VIL 29$ 

• 

No dia 22 fe mandarão de huma para outra Ci- 
dade os enxovaes das Princezas, e fe ajuftou , que 
os Reys fe veriaô outra vez no meímo fitio em 
confiança, e íem género nenhum de oftentaçaõ, e 
afllm o determinarão : pelo que depois no dia 25 , 
em que a Igreja celebra a rVMa dos Defpoforios da 
Virgem Sanriflima com S. Jofeph , terem aíMido 
a hum Pontifical , que fez o Patriarcha em acção 
de graças pelos feiieirfimos Defpoforios dos Princi- 
pes , aue íe applaudiaõ com tanto goflo , de tar- 
de entrarão nos coches íêrh mais acompanhamento, 
que os fciis criados , que occupavao dezoito co- 
ches, e chegarão ao Caya, onde fe aviftaraõ com 
os Reys Catholicos com granie gofto, porque era 
reciproca , e viíivel a fatisfaçaõ de huma , e outra 
Pamilia Real: as Princezas paílàraõ logo a Raya 
de huma para outra parte , e o meímo iizerao as 
Mageíladcs fem reparo do Dominio , porque a fyn- 
cera amifaJe depoz toda a pratica da politica, e ao 
feu exemplo as Famílias dos Reys fizeraõ o meímo, 
tanto a dos homens , como a das ftnhoras : durou 
mais de duas horas efte acto , eftando íempre em 
pé , fallando , e di r correndo em diverfas matérias , 
fendo efpecial o aíTumpto da caça, a cujo exercicio 
he muy inclinado EIRey Catholico: depois das cin- 
co horas fe defpedíraã , ajuftando o tornarem-fe 
a ver no meímo íitio no dia 26 daquelle mefmo 
mcz. 

Eraó continuadas as vifitas de huma , e outra 

Corte 



2^4 Hiftotia Çenealrgica 

Corte em todos os dias. EIRey com o íêu ftiblime 
génio obfervou as fortiiicaç.Ões da Praça, vio os Ar- 
mazéns das Armas , que eílaõ repartidos com boa 
ordem, e policia, paflòu ao Forte de Santa Luzia; 
a Rainha , e Princeza correrão as muralhas da Pra- 
ça, de que fe logra a mais belia , e aprafivel Cam- 
panha. Determinou EIRey divertir a Princeza 
com paílàrem na tarde de 25 a Villa-Boim à caça 
dos coelhos a huma pequena Coutada , pertencen- 
te à SereniíTima Caía de Bragança. Foy ordenada a 
batida pelo Monteiro mor do Reyno Fernaô Tel- 
les da Sylva , para o que tinha íeis Monteiros mo- 
res das montarias, quarenta eíete Moços do Mon- 
te, quatorze Officiaes, ou Couteiros das Coutadas, 
trinta e fete Monteiros pequenos , três Empraza- 
dores , e o Miniftro Geral das Coutadas, para ex- 
pedição das íiias ordens , oito trombetas de caça , 
todos veftidos de verde agaloados de prata , cada 
hum conforme a fua graduação. Foy EIRey ver 
a Villa , e fazer oração à Igreja , e o Príncipe ; e 
como he da aprefentaçaõ da Caía de Bragança , 
de que o Príncipe he Duque, o Prior lhe fez huma 
Oração muy particular. Fizeraõ íe muitos tiros , 
e a Princeza empregou três com grande deftreza , e 
admiração de todos , os que a viraõ , pelos feus cur- 
tos annos, e íè recolherão a Cidade com fatisfaçao 
do divertimento. 

Voltarão terceira vez ao Caya humas, e ou» 
trás Mageítades no dia , que haviaõ aíFentado , e íe 

avif- 



da Cafa T{ea! Tortug. Liv. VIL 295 

aviítaraõ com igual, e reciproca correípondencia , 
faudando-fe com os mais vivos aííectos, que eílrei- 
tavaõ os apertados vinculos do Tangue com os no- 
vos parentelcos , e por mais de duas horas eílive- 
raõ converfando : e como de huma , e outra parte 
eftavaõ preparados lnítrumentos, e Muíicos, fe íen- 
taraõ as Mageílades, e Altezas , tendo tido a mef- 
ma famiiiariade , que no dia da outra vifta , de pa£ 
farem cada huma das Princezas aos Domínios dos 
Reys léus pays , fe começou a cantar da parte de 
Portugal , e alternativamente o rlzeraõ da outra 
parte , havendo-fe cantado quatro Cantatas , todas 
Italianas : era já noite , meteraõ-íe luzes , defpedi- 
raõ-íe, e como era a ultima vez , que o haviaò de 
fazer , giiítarao quafi huma hora em reciprocas ex- 
preííbens , e cedendo a Mageftade outra vez a na- 
tureza , fe abraçavaõ os pays com as filhas com tan- 
ta ternura , que explicarão mais os afFe&os com os 
olhos, do que com as palavras. Em quanto durou 
eíta viíita , paflaraÔ as Famílias dos Reys para hu- 
ma , e outra parte , e converfaraõ em goftoíà cor- 
reípondencia, e fyncera amifade. Entrarão as Ma- 
geílades, e Altezas nos coches , e íe recolherão pa- 
ra Elvas , e as Mageftades Catholicas , e Altezas a 
Badajoz, donde paffàraÕ para Sevilha 5 na Cidade fe 
rcpetiaõ todos os dias luminárias , e defcargas de 
artelharia , e a Rainha com a Princeza , Príncipe , 
e Infante Dom Pedro comeo fempre em publico. 
Os Reys Catholícos partirão para Sevilha , e 

es 



2 $6 Hí floria Çenealogka 

os noííòs para Lisboa , e íahindo de Elvas com a 
Família Real para Villa-Viçoía ao tempo , que ia- 
hia da Praça ElRey encontrou o Santiliimo Sacra- 
menco, que voltava de fe ciar a huma pobre enfer- 
ma, apeando íe o acompanhou até àFreguefia, man- 
dou-lhe dar huma boa efmola , e outra à doente. 
No dia tj as cinco horas da tarde entrarão os Reys 
em Villa-Viçofa , e fe apearão à porta , que vay 
para a Capella Ducal , onde fe cantou o Te Deum 
com muita íòlemnidade , e entrando outra vez na 
coche , foraô todos fazer oraçaõ à Imagem da Im- 
maculada Conceição da Virgem SantifTima, a quem 
he dedicada a Igreja Matriz. Entre as coufas no- 
táveis defta Vilía, he celebre a famoía Tapada , de 
que já fizemos menção no Tomo VI. Livro VL 
Capitulo XVIII. na qual ordenou ElRey ao Mon- 
teiro mor difpuzeíle o que foííe neceíTàrio para hu- 
ma batida de caça groííà. Sahio o Monteiro môr 
com quatro Monteiros de frente, e logo oito trom- 
betas de caça , depois òs Monteiros , quatro Cria- 
dos do Monteiro môr com efpingardas , e a mala 
do capote : feguiaõ-íè féis cavallos de maô , e o 
Monteiro môr em hum coche, outro coche de Cria- 
dos , depois os Moços do Monte a cavallo , dous 
carros com mulas para conduzirem a caça , feitos 
com boa invenção em modo de gayolas, para fe po- 
der ver : depois os Moços do Monte de pé em duas 
alas com fuás chopas , levando de maõ por cordões 
de feda verde, e branca os fabujos, e cães de trelas 

com 






dã Cafa ligai Tortug. Liv. VIL 2pj 

com coleiras de ouro, e verde com as Armas Reaes, 
e fivellas de prata. Foraõ as peflbas Reaes de tar- 
de , e matarão quatorze veados , e gamos , e depois 
de íê divertirem naquella Villa algum tempo , fize- 
raõ jornada a Eftremoz com menor comitiva , que 
pode fer , mandando-fe , que foíle por a Villa de 
Redondo toda a mais : foraõ fazer oração à memo* 
ria da Rainha Santa Ifabel de Portugal , fua glorio. 
fà afcendente; vifitaraõ os Mofteiíos, e Freguefias 
da Villa, e poufaraõ na Cafa dos Padres da Congre- 
gação deS. Filippe Neri. 

Em o primeiro de Fevereiro íâhio EIRey de 
Eftremoz , e pela huma hora da tarde eftava em 
Évora, ordenando , que toda a comitiva, que vi- 
nha por Redondo , eíperafle no Degebe , que he 
huma légua de Évora. EIRey afliftio às Vefperas 
foiemnes na Igreja Metropolitana , depois foy ao Pa- 
lácio , que o Duque de Cadaval tem naquella Ci- 
dade, que fica em fitio imminente com agradável vif« 
ta , e fe defcobre a eftrada de Eftremoz até o Efpi- 
nheiro , que fe via fermofiífíma pela multidão de 
gentes, coches , e diverfas carruagens. Tanto, que 
EIEley teve noticia , que a Rainha chegava ao Ef- 
pinheiro , a foy efperar à Porta da Alagoa , onde 
entrando todos em hum coche , íêndo precedidos 
de toda a Corte , a Guarda cobria o coche com o 
feu Capitão , e dous Tenentes , Moços da Camera 
junto ao coche das peííòas Reaes, os Moços da Es- 
tribeira em feu lugar, e tudo com boa ordem- As 
Tom.VIII. Pp ruas 



2^8 Hijlorla Çenealogica 

ruas fe viaõ bem armadas , e as fontes ornadas de 
eftatuas , e flores com excellente gofto , e chegan- 
doj à Sc, eíperava o Cabido com Paleo rico, e fó 
à Princeza do Brafil íe deu a Cruz a beijar, porque 
á fe havia praticado com os Reys efta ceremonia , 
como temos dito , que íe coftuma na primeira vez, 
que os Reys , ou Príncipes herdeiros entraõ nas 
Igrejas : cantou^fe o Te Deum , e no dia da Purifi- 
cação aííiftiraõ na mefma Cathedral ao Officio da 
Cera Benta , a que chamaõ Candeas ; o que fe fez 
com grande folemnidade , celebrando o Patriarcha 
Pontifical : e detendo-íê nefta Cidade até os 9 do 
mez, vio tudo, o que era digno dafua Real atten- 
çaõ , dentro , e fora da Cidade, com aquella admi- 
rável curiofidade , com que o feu portentofo talen. 
to fabe dar eftimaçaõ ao antigo. Os Padres da 
Companhia do Collegio da Univerfidade daquella 
Cidade, fízeraô huma Tragi-Comedia , em applauíb 
dos Deípolbrios dos íêus Príncipes , que as peflbas 
Reaes virão j e pedindo-lhe huma Cadeira de Câ- 
nones, porque nella naõ havia mais, que Theolo- 
gia, EIRey generofamente lha concedeo , e junta- 
mente lhe fez mercê de outra de Leys. 

Voltou EIRey de Évora , e em Montemor 
ouvio MiíTà na Capella, em que nafceo S. JoaÕ de 
Deos , e paíTou às Vendas-Novas. A Rainha íe- 
guindo as mefmas jornadas , vieraõV todos pela pof 
ti ter a Aldeã- Gallega: a Corte efperava em Mon- 
tijo , huma légua daquella Villa. No dia 1 2 de- 
pois 



da Cafa %eal Tcrtug. Liv. VIL 299 

pois de ouvirem MiflTa os Reys, e Príncipes na Ma- 
triz de Aldea-Gallega , entrarão no coche acompa- 
nhados fomente dos Criados , que eftavaõ de fema- 
ma : chegarão a Montijo as oito horas e meya , 
aonde tudo eftava prompto como íe ordenara. Em- 
barcarão no bergantim Real, que novamente fe ha- 
via fabricado com grande cufto , e ao mefmo tem- 
po , que EIRey mandou vogar o íêu bergantim, 
o fizeraõ trinta efcaleres, em que hiaõ os Grandes, 
e Senhores da Corte , e Família da Cafa Real 5 e 
como naõ eraõ baítantes , eftavaõ promptos mais 
duzentos barcos , dos que navegaõ pelo Tejo, to- 
dos empivefados com bandeiras , e galhardetes de 
diverfas cores, e toJos poílos à vela, íèguiaõ o ber- 
gantim Real j e fazia huma ferrnoía vifta aquella 
grande Armada ligeira, atraveílàndo o Tejo, puze- 
raõ a proa ao Convento da Madre de Deos , e a 
Virgem facilitou a maré , que foy feliciíííma : tan- 
to, que o bergantim Real íèguido daquella viíloía 
comitiva de embarcações chegou defronte da Bica 
doÇapato, todos os navios, que eftavaõ furtos no 
Rio, largarão grande numero de bandeiras, flâmu- 
las , e galhardetes , e o Caílello de S. Jorge de Lis- 
boa deu a primeira falva , o que fízeraÕ todos os 
navios , fortes da marinha , e fortalezas da Barra. 
Todos os fitios , que olhavaõ para o mar , e toda 
a marinha eftava coberta de innumeravel Povo , 
de forte , que até Bellem fe ouvia o alvoroço nos 
repetidos vivas , com que applaudiaÕ aquelle alegre 
Tom.VIlI. P P ii dia: 



joo Hifloria Çenealogica 

dia : repetiraõ-fe as falvas , fendo a ultima , quando 
as peífoas Reaes defembarcaraõ em Bellem em hu- 
ma das Caias de Campo, que naquelle agradável íí- 
tio tem , na que fica junto do Rio , que fora do 
Conde de S. Lourenço , onde iè fabricou da parte 
do mar huma efcada de vinte degraos bem lança- 
da , e formada fobre hum fingido rochedo , levan- 
tando-íè fobre os degraos hum arco de excellente 
architeótura , a que íè íèguia huma baranda , que 
acabava em huma cúpula , que defcançava fobre 
quatro columnas prirnorofamente obradas , e de fin- 
gular vifta. 

Na tarde do mefmo dia fízeraõ a fua entrada 
publica na Cidade, fahindo de Bellem nos feus ma- 
gníficos coches, acompanhados dos Grandes, Offi- 
ciaes da Cafa Real, e de toda a Nobreza, e peííòas, 
que tem lugar em femelhantes aclos , com luzidas 
librés, e ricos coches, precedidos das Juftiças , Reys 
de Armas , Arautos , e PaíTàvantes , e os Porteiros 
com maííàs de prata , conforme o ufo defte Rey- 
no : o Corregedor do Crime da Corte e Cafa Jo- 
íèph Vaz de Carvalho à Eíperança largando o co- 
che , montou a cavallo. Aííim entrarão na Ci- 
dade por hum grande numero de arcos triunfaes, 
que começavao na Eíperança , onde o Senado da 
Camera da Cidade efperava , e lhe fez huma breve 
Oraçaô o Vereador mais antigo Jorge Freire de 
Andrade , conforme o coflume : as ruas por onde 
pafíavaó, fè viaõ com ricas, e luzidiífimas «rmacõe?, 

• de 



da Cafa TZçal Tortug, Liv. VIL 301 

de forte 9 que tudo era admirável, porque os arco?, 
que íe continuavaõ da referida paragem pela calça- 
da do Combro , Rua Larga das Portas de Santa 
Catharina, Rua Nova da Almada, Rua Nova dos 
Ferros , Praça do Pelourinho , e Terreiro do Paço 
até à Patriarcbal , eraõ de fingular architeclura , 
huns com excellentes eftatuas , pinturas , e infcrip- 
ções j outros de fingular gofto , pela riqueza dos 
adornos , com que eraõ compoílos , e tudo fazia 
huma agradável vifta. A efte acompanhamento , 
que íe compunha de hum grande numero de coches, 
íe íeguiaõ os dos Criados da Caía Real , e a eftes 
conforme as fuás precedências os coches das peííbas 
Reaes, que começavaÕ por hum de refpeito da In- 
fanta Dona Francifca , a que fe feguia o do Infan- 
te Dom António, e o do Infante Dom Franciíco, 
o do Infante Dom Pedro , o do Infante D. Carlos, 
o da Princeza, o do Príncipe, e logo o da Rainha, 
e ultimamente o delRey, os Eftribeiros , e Tenen- 
tes da Guarda dos Archeiros , que hia cobrindo o 
coche Real, em que hiaõ os Reys, Príncipes, e In- 
fantes , e detraz os Capitães das três Companhias 
da Guarda , a que íê íeguiaõ os coches da Camarei- 
ra môr da Rainha , e depois o da Princeza , e os 
coches das Senhoras de Honor , e Damas 5 e ulti- 
mamente os das Açafatas; o que rematava o Regi- 
mento de Cavallaria do General Marquez de Ma- 
rialva , mandado pelo feu Tenente Coronel Antó- 
nio Carlos de Caítro 5 e chegando à Patriarcbal , 

onde 



302 Hifloria (jenealogca 

onde era o ultimo arco , na porta da Santa Igreja 
eftavaõ os Vereadores do Senado da Camera com 
o Paleo para as Mageílades , e Altezas. Na por- 
ta interior da Bafilica eíperava o Patriarcha , e che- 
gando as Mageílades, e Altezas, a Princeza do Bra- 
íil ajoelhou em huma almofada , que lhe chegou o 
íêu Mordomo mor , e beijou a Santa Cruz , e de- 
pois de recebida a agua benta , e feita oração , íê 
cantou o Tc Deum pelos Muficos Italianos , que 
em hum grande numero fervem nefta Santa Igreja , 
lendo entoado pelo Patriarcha , que reveftido em 
Pontifical fez efte a&o com grande íblemnidade : e 
rendidas a Deos as graças , fe recolherão as peílbas 
Reaes ao. Paço com todos , os que tinhaõ vindo 
acompanhando. E nefta noite, e nas duas fuccefc 
íivas, íè iiluminou o Palácio, Cidade , e Navios ; 
e houve no Caftello muitos fogos artifíciaes , e fo- 
rao as Mageftades em direitura ao Quarto da Prin- 
ceza , e voltando EIRey para o íêu , naõ tardou 
muito , que a Rainha com a mefma Princeza naõ 
foílèm ao de EIRey , e chegando a Princeza à ja- 
nella da Camera , que cahe para o Terreiro do Pa- 
ço, em que fe via huma multidão de Povo , que 
com alegres vozes repetiaõ novos vivas , a que íê 
feguio huma falva geral de artelhaua em toda a Ci- 
dade. 

Com as reciprocas allianças íè promettiaõ às 
duas Coroas a mais firme uniaõ , confirmadas nas 
í) nceras demonftrações , que fe viraÕ ratificadas na 

Caía 



da Cafa l{eal Tortug. Liv.VIL 303 

Cafa Real do Caya de huma inalterável , e perpetua 
paz , que o noílo grande Monarcha pela íua parte 
obfervou religiofamente , tendo-lhe a Corte de Ma- 
drid dado alguns motivos na uíurpaçaõ do Monte 
Vidio , e nas diíputas do território , e commercio 
da nova Colónia do Sacramento, cedido pelo Tra- 
tado de Utreck , e naõ admittindo propoftas muy 
ventajoílis , que lhe fizeraõ alguns Príncipes , que 
eílavaõ em guerra com Caftella. 

Pela volta de Madrid para Lisboa do Marquez 
de Abrantes, que veyo conduzindo a Princeza do 
Brafil até o Caya, foy nomeado Pedro Alvares Ca- 
bral , Senhor de Azurara , e Alcaide mor de Bel- 
monte , para acompanhar a Princeza das Aílurias , 
com o titulo de Plenipotenciário : e depois de ter 
aprefentado as Cartas de crença , íêguido a Corte 
em Sevilha , e outros portos de Andaluzia , a íè- 
guio a Madrid : e tendo por efpaço de íeis annos 
executado a fua commiíTaõ com luzimento , efian- 
do em 22 de Fevereiro de 1755 em íua Caía com 
alguns Grandes, e Miniítros Eftrangeiros , era eíla 
íituada nas vifinhanças do Prado , levou a Juítiça 
pela fua porta hum delinquente , que era no Do- 
mingo de entrudo , em que concorria muita gen- 
te , que acodio às vozes do prezo , que pedia íòc- 
corro : dous criados do Plenipotenciário , que ef- 
tavaõ à fua porta , e íèm caíâcas , acodiraõ ao 
tumulto , e o feguiraõ outros dous na mefma for- 
ma , de que refultou livraríe o prezo, e entrar pe- 
las 



304 Hi floria Çenealogka 

las portas do Plenipotenciário , fem que elle o fou- 
beífè , que tendo noticia do cafo , mandou na mef- 
ma noite fair o criminoíò , e defpedir os criados , 
participando tudo ao Governador , que fervia de 
Prefidente de Caftella , efcrevendo-lhe a verdade do 
fucceííò: eíle lhe refpondeo , que eftava doente, e 
no negocio principal moftrou, que naõ defapprova- 
va, o que fe tinha obrado: entendeo Pedro Alvares, 
que naõ tinha coníêquencias o fucceííò , e pela ma- 
nhãa lhe entrarão pela porta da fua cafa os foldados 
chamados Blanquilhos , deftinados para as execu- 
çoens dajuftiça à ordem doPrefidente de Caftella: 
a efte infulto acodio o Plenipotenciário , e os Offi- 
ciaes , que mandavaÕ aquelle corpo , lhe diííeraõ , 
que tinhaõ ordem do leu Commiflario , e efte del- 
Rey , para lhe levar prezos todos os criados de li- 
bré. Proteftou o Miniftro a immunidade , a viola- 
ção do direito das gentes , e correndo as caías , le- 
varão prezos dezafete criados de libré , e entre elles 
alguns, que naÔ erao da fua família, e fem exame 
de quaes eraõ os criminoíbs , levarão todos pelas 
ruas ao cárcere publico j e bufcando logo Pedro 
Alvares a Dom Joíèph Patinho, naõ teve a fatisfa- 
çaõ , que fe lhe devia , e fahindo-íe da Corte para 
Chinchon , lugar pouco diftante , deu conta a El- 
Rey. Eftava na Corte de Lisboa por Embaixador 
delRey Catholico o Marquez de Capecelatro , que 
naõ teve ordem de Madrid para íàtisfazer a EIRey, 
como devia , de que refultou avifallo o Secretario 

de 



di Cafa 1{eal Tortug. Liv. VIL 305 

de Eftado, que fe abftiveíTe de ir ao Paço. Fm am- 
bas as Coites fe participou aos Miniltros Eftrangei- 
ros eíle fucceífo, e todos os defintereííados acharão 
razaõ a noflà Corte. E continuando EIRey em pe- 
dir iatisraçaõ , a pertendeo também a Corte de Ma- 
drid, e mandou , que o íèu Embaixador pediífè paf- 
faporte , e no dia íeguinte fe retiraíTe para Aldea- 
Gallega. L.íta impeníada repofta obrigou a EIRey 
a mandar por alguns Soldados , e Officiaes, ufar do 
juílo direito da reprefalia , prendendo os criados do 
Embaixador , que no numero , e esfera fe feguraf- 
íèm os do noíío Miniílro , a quem em Madrid prin- 
cipiarão o proceíTo , executando-fe tudo na forma 
da prizaõ , que fe havia feito aos de Pedro Alvares 
no trato dos prezes, e na attençaõ do Embaixador, 
e Embaixatriz com muito diíferente moderarão, do 
que fe praticara em Madrid ; e mandando-lhe o Se- 
cretario de Eftado o paíTaporte na mefma hora, que 
o havia pedido, e íi deteve noReyno, em quan- 
to Pedro Alvares Cabral chegou à Fronteira, reco- 
lhendo-fe ambos ao meímo tempo para as Cortes 
dos feus Reys Ainda que alguns Príncipes allia- 
dos defjara5 prevenir as confequencias deite fuecef 
fo , de ambas as partes fe flzeraô as prevençoens 
neceífirias , paííando à Corte de Londres M ireo 
António de Azevedo Coutinho com o mefmo ca- 
racter de Enviado Extraordinário , que com muito 
acerto exercitou em F anca muitos aunc s , nv.ô fò 
fe^urou a contuuuç/au do Tratado de alliança das 
Tom. VIII. Q] tuas 



$c6 Hijloria (jenealogica 

duas Coroas, que exiftia , mas a defenía dos Portos, 
Coftas, Fiotas, e Conquiftas, fazendo preparar lo- 
go huma luzida Armada de vinte e cinco navios 
groííbs , e outras embarcações , governada pelo fa- 
mofo Almirante João Noris, e chegando ao Porto 
de Lisboa, teve Audiência delRey com todos os 
feus Officiaes: depois levado da fua curiofidade , foy 
Sua Mageftade acompanhado de toda a Corte a ver 
a Armada , e foy a bordo dos três principaes navios, 
a quem tinha mandado grandiofos refrefcos. Como 
EIRey de Graõ Bretanha eHava neutral na guerra, 
que Flefpanha , e França fízerao ao Emperador em 
Itália, e Alemanha , fe empenhou muito , em que 
as hoftilidades de Portugal , e Hefpanha naõ prin* 
cipiaííèm , entrando para eíle fim na mediação, e o 
mefmo fez EIRey de França , e os Eftados Geraes 
de Hollanda , e confeguiraõ , que íê fufpendeííèm 
dous grandes Exércitos , que eftavaô vifinhos pela 
fronteira do Alentejo. Concorreo EIRey com to- 
da a dcípeza para a guerra , íèm impor tributos nos 
Povos, raro erTeito da fua bondade, e clemência, e 
com inexplicável acH idade formou o mayor Ex- 
ercito nacional, que até agora fe tinha vífto , pois 
em menos de três mezes accreícenrando novos Cor- 
pos , fe achou com mais de tiinta mil Infantes , e 
de féis mil Cavallos , que com os Regimentos da 
Artelharia , e Guarnições pagas das Fortalezas ex- 
cedi \o o numero de quarenta mil homens pagos, e 
mais de outros tantos Auxiliares, a quem cambem 

fe 



da Cafa 'Real Tortug. Lfo. VIL 307 

fe pagou , e monicionou para guarnecer as Praças 
das Províncias , e a huns , e outros fe mandou di£ 
tribuir armas, que havia nos Armazéns doReyno, 
as que nelle fe fabricarão , e as que fe mandarão vir 
de fora , dando-fe fardas , e fazendo-fe largos , e bem 
providos aííèntos, e promptas conduçoens , fendo 
invencível o efbirito do Monarcha , o que deu mo- 
vimento a todo eíle Corpo , applicando-fe às pre- 
vençoens , e exercícios militares com incanfavel di£ 
velo , e fuperior intelligencia. Nomeou por Ge- 
neral do Exercito a D. Joaõ Manoel de Noronha, 
Conde da Atalaya , do Confelho de Guerra , e Go- 
vernador das Armas da Província do Alentejo } e 
para credito da efcolha baila dizerfe , que naõ hou- 
ve quem nao applaudiíTe eíla eleição , nem quem 
deixaíle de louvar a fumma a£lividade , com que o 
Conde fez exercitar as Tropas , com que difpoz 
hum acantonamento em Alentejo, ou ro no Riba- 
tejo, a que governava o Vis-Conde Thomás da Svl- 
va Telles, novo Meftre de Campo General, e que 
na exacta diíciplina , e acertadas difpoííçoens conti- 
nuou os fjus acertos , com que no luzimento , e 
mais virtudes de hum General deíèmpenhou a efco- 
lha do feu Soberano : ao mefmo Conde da Atalaya 
fez EIRey Director da Infantaria do Reyno , e da 
Cavallaria ao Meftre de Campo General D. Ped o 
de Almeida, ConJe de Aflumar, General da Caval- 
laria do Alentejo, que vifitanJo as Tropas em dU 
verfos quartéis , continuou em moílrar a fciencia , 
Tom.VIIL Qcjii que 



. 



308 Hiftoria CjMealogca 

que tinha adquirido na guerra de Portugal , e Cata- 
lunha : com o governo da Artilharia foy nomeado 
o Mellre de Campo General António Telles daSyl- 
va, que logo fez prompto hum numeroíb trem, e 
fez prevenir Praças, e Armazéns com grande me- 
thodo , e promptidaõ. 

Ao Con Je da Ericeira fez EIRey Meftre de 
Campo General , e Confelheiro de Guerra , coníêr- 
vando o lugar de Deputado da Junta dos Três E£ 
tados ; do meímo Confelho de Guerra nomeou a 
Dom Braz da Sylveira , Meílre de Campo General, 
governando as Armas da Beira, onde fez com gran- 
de zelo numerofas levas de foldados , e de cavai- 
los ; e naquella Província com o governo de Almei- 
da foy feito Meftre de Campo General Joaó Dantas 
da Cunha. O Conde de Alvor foy continuar o go- 
verno de Traz os Montes , e também nomeado 
Confelheiro de Guerra , e com fumma a&ividade 
contributo para as levas, ereconducções; e o Con- 
de de Aveiras Luiz da Sylva também novo Meftre 
de Campo General, paííou a governar a Província 
do Minho por morte do Marquez de Angeja, que 
deíprezando huma grande doença, e tendo também 
fido promovido ao Confelho de Guerra , faltou in- 
tempeílivamente. O Marquez de Marialva foy no- 
meado Meftre de Campo General , com o governo 
das Armas da Extremadura , de donde havia de paf-» 
far a íervir no Exercito , empregando-íè primeira 
nas medias levas , e remontas com incaníavel tra- 
balho. 



da Ca/a 7{eal Tortug. Llv. VIL $cp 

balho. Ao Conde de Tarouca, que eflava na Cor- 
te de Vienna por Plenipotenciário , deu a Patente 
de Governador das Armas , e depois o nomeou 
Mordomo mòr da Rainha, e Embaixador Extraor- 
dinário a Madrid, ataihando-lhe a morte o progre£ 
fo dos íeus acertos , de que o Emperador , e mais 
Príncipes da Europa , e os mayores Miniílros , e 
Generaes moftraraõ com grande diftinçaõ a efti- 
maça 5 , que faziaõ do feu merecimento. Os Ge- 
neraes d° Batalha, Brigadeiros, e Coronéis comos 
mais pó tos fubalternos foraõ attendidos com gran- 
de recbd.tõ, peia antiguidade , íerviços , e capaci- 
dade, empregando em governos de Praças, e refor- 
m.nJo-te com Toldos inteiros, os que pelos annos , 
e achaques naõ podiaõ fervir em guerra mais activa. 
Naõ eiqueceraõ , os que eftavaõ nas Conquiftas , 
íèndo o Conde de Sarzedas , que governava com' 
grande acerto as Minas de S. Paulo , feito Sargen- 
to mòr de Batalha , e Meílre de Campo General, 
tanto , que chegaíTè ao R eyno. Com efta preven- 
ção , com que efperava huma jufta guerra, íe víe- 
raõ finalmente a compor as diferenças das duas Co- 
roas , continuando na paílada harmonia , pelos arti- 
gos ajuH fidos em Panz , onde íê declarou Embai- 
xaior Dom Luiz da Cunha , vindo para Lisboa 
Monfieur Chavigni , muito conhecido pelo feu ta- 
lento , exercitado em qnafi todas as Cortes da Eu- 
ropa, e oara Madriéf rby nomeado por Embaixador 
Extraordinário o Vis Conde da Villa-Nova da Cer- 
veira 



3 i o Hlfloria Çenealcgka 

veira Thomás da Sylva, e para a noíla foy nomea- 
do D. Bernardino de Marimonda. 

Creou de novo até o prefente os Títulos fè- 
guintes, confirmando todos os antigos. 

A Dom Pedro Henrique de Bragança e Sou- 
fa , feu fobrinho, creou Duque de Lafoens no dia , 
que foy bautizado, de que fe lhe pafíòu Carta a £ 
de Novembro de 171S , e a fua mãy fez também 
a mercê de Duqueza do mefmo Lugar. 

A Dom Pedro António de Noronha , II. Con- 
de de Villa- Verde, fez Marquez de Angeja, de que 
tirou Carta feita a 21 de Janeiro de 1714. 

A Dom Martinho Mafcarenhas , VI. Conde 
de Santa Cruz, fez Marquez de Gouvea, por Carta 
de 17 de Janeiro de 1714, dando-lhe o tratamento, 
e prercgativa de fobrinho , e a feu filho Dom Joa5 
Mafcarenhas o de Conde de Santa Cruz , que de- 
pois fez Marquez de Gouvea. 

A Dom Francifco de Portugal, VIII. Conde 
de Vimiofò , fez Marquez de Valença, por Corta 
feita a 10 de Março de 1716 , e a íêu filho Conde 
de Vimiofo , dando-lhe o tratamento de fobrinho , 
prercgativa , que teve defde o feu principio efta 
Caía. 

A Rodrigo Eannes de Sá e Menezes , III. 
Marquez de Fontes, fez Marquez de Abrantes de 
juro, e herdade, por Carta de 12 de Agofto de 171 $ 
com a prerogativa do tratamento de fobrinho , e a 
feu filho Dom Joachim de Sá, VIII. Conde de Pe- 
naguião 



da Cafa %eal Tcrtug. Liv. VIL 311 

mguiaõ , fez Marquez de Fontes, e depois fuccedeo 
no de Abrantes por morte de Teu pay. 

A Dom Luiz de Menezes, V, Conde da Eri- 
ceira, fez Marquez de Louriçal , de que fe lhe pafc 
fou Carta a 22 de Abril de » 740 , e a ítu filho Dom 
Francifco de Menezes de Conde da Ericeira em vi- 
da de feu avo. 

A Fernão de Souía, Senhor de Gouvea, fez 
Conde de Redondo, por Carta paíTada a 2 de Mar- 
ço de 1707. 

A Dom Sancho de Faro, Senhor de Vimieiro, 
fez Conde da mefma Villa , por Carta de 5 de Ja- 
neiro de 1709. 

A Tíiftaõ da Cunha de Ataíde, Senhor de Po- 
voliJe, fez Conde deita Villa, por Carta de 6 de Ja- 
neiro de 1709. 

A Djm António de Almeida fez Conde do 
Lavradio d 2 juro , de que íè lhe paflbu Carta a 17 
de Julho de 1725. 

A Dom Joaõ Diogo de Ataide fez Conde de 
Alva, de que teve Carta feita a 29 de Abril de 1729. 

A Vafco Fernandes Cefar, Alferes môr, fez 
Conde de Sabugrofa ,de que tirou Carta feita a 19 
de Setembro de 1729. 

A Pedro Mafcarenhas fez Conde de Sandomil, 
de que fe lhe paílbu Carta a 12 de Março de 1752. 

A Dom Luiz de Caílro, Conde de Monían- 
to , fez Marquez de Cafoaes em vida de feu pay , 
dando-lhe o tratamento de fobrinho , de que tirou 

Carta 



3 1 2 Hijivria Çenealcgka 

Carta feita a 22 de Setemb o de 1758 , quando ca- 
iou com D. joanna Perpetua de Bragança, a quem 
concedeo as honras de Duqueza , por Carta de 20 
de Setembro do referido anno. 

A Dom Joaõ de Bragança Souía e Ligne, íêu 
fobrinho, deu as honras de Marquez , por aviio de 
21 de Junho de 1738 , declarando , que pela data 
delle lograria a fua antiguidade para preceder aos 
Marquezes , que foíTem nomeados depois daquella 
mercê , tendo-a também na quantia do aíTentamen- 
to , que he com muito exceílò à dos Marquezes 5 
depois tirou Carta , que fe lhe paíTou a 3 1 de Ago£ 
to de 1740. 

Também em alguns tranfverfaes multiplicou 
os Títulos das fuás Caías , como a Dom Fernan- 
do de Noronha y que fez Conde de Monfanto , e a 
André de Mello Conde das Galveas , e a outros 
muitos deu titulos em vidas de feus pays , e a ou- 
tros continuou os que eftava5 vagos, como fe ve- 
rá com mais miudeza nas Memorias dos Grandes 
de Portugal , que brevemente íahiráÕ a luz. 

He preciíb, íêguindo o que temos obfervado 
em feus Predeceílòres , dar conta dos Officiaes da 
Caía Real , Reyno , e Miniílros , que oceuparaõ 
os lugares ; e porque todos os que ferviraõ a El- 
Rey leu pay , e lhe fobreviveraÕ , confirmou nas 
mdmas oceupaçoens , que já íicaõ referidas : pelo 
que naõ faremos menção mais, que daquelles, que 
el.'e fez de novo. 

Ao 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 313 

Ao Duque de Cadaval Dom Jayme de Mel- 
lo, do Confelho de Efíado , fez feu Eítribeiro mor. 

D. Joaõ Mafcarenhas Marquez de Gouvea , 
foy Mordomo mor , lugar , em que fuccedeo a feu 
pay , e pela fua auíencia fuccedeo em Mordomo 
mor Dom Joieph Mafcarenhas feu irmaõ, a quem 
EIRey havia creado Conde de Santa Cruz , e de- 
pois a \6 de Janeiro de 1741 Marquez de Gouvea. 

Fernão Telles da Sylva, II. Marquez de Ale- 
grete , foy Gentil homem da Camera , e o foraÔ o 
Marquez Manoel Telles íèu filho , o Marquez de 
Abrantes Rodrigo Eannes de Sá , o Marquez das 
Minas Dom JoaÕ de Soufa, Dom Carlos de Noro- 
nha, II. Conde de Valladares, Dom Joaõ de Al- 
meida, II. Conde de AíTumar} e actualmente tem 
eíle grande emprego Rodrigo Xavier Telles de 
Menezes , IV. Conde de Unhaõ , Dom Diogo de 
Noronha , III. Marquez de Marialva , Dom Ma- 
noel deCaílro, IIÍ. Marquez de Cafcaes, Joachim 
de Sá e Menezes , II. Marquez de Abrantes. 

Dom Pedro de Almeida, III. Conde de A£ 
fumar , fuccedeo a feu pay em o lugar de Vedor 
da Caía Real : e por mone do Conde de Redondo 
Thomé de Soufa, Rodrigo de Soufa ferve o me£ 
mo emprego na menoridade de feu fobrinho Fernão 
de Soula, IIÍ. Conde de P^edondo. 

Dom Henrique de Noronia , foy Monteiro 

mor do Reyno, lu^ar, em que fuccedeo a feu fo- 

gro Franci.'oo de Mello, e por fua morte fuccedeo 

Tom.VilI. Rr Fer- 



314 Hi/loria (jenealogica 

Fernando Telles da Sylva , que he pelo feu caía* 
mento Monteiro mor do Reyno. 

D. Manoel Mafcarenhas, III. Conde de Óbi- 
dos , he Meirinho môr do Reyno , lugar , em que 
fuccedeo a feu pay. 

D. Henrique da Cofta , Conde de Soure , he 
Provedor das Obras do Paço , lugar, em que fuc- 
cedeo a íeu pay. 

Dom Jofeph da Cofta he Armeiro môr , lu- 
gar , em que fuccedeo a íeu pay. 

D. Luiz de Almada foy Meftre Sala da Ca- 
ía Real, lugar, em que fuccedeo a feu pay. 

Dom Manoel de Soufa he Capitão da Guar- 
da Alemaa por morte de feu irmaõ Dom Francif- 
co de Soufa , que havia fuccedido a íeu pay. 

D. Luiz de Caftello-Branco , IV. Conde de 
Pombeiro , he Capitão da Guarda Portugueza, em 
que fuccedeo a íèu irmaõ; e Simaõ de Vafconcel- 
los ferve de Capita5 da Guarda de outra Compa- 
nhia Portugueza na menoridade de Dom António 
de Caftro , Almirante de Portugal. 

Jofeph de Mello e Soufa he Porteiro môr , 
lugar, em que fuccedeo a feu irmaõ Álvaro de Sou- 
fa. 

D. António Alvares da Cunha he Trinchan- 
te, lugar, em que fuccedeo a Dom Pedro Alvares 
da Cunha feu pay: Jofeph de Vafconcellos também 
he Trinchante, lugar , em que fuccedeo a Manoel 
de Vafconcellos e Soufa feu pay. 

O Con- 



da Cafa ^Réal Tortug. Liv. VIL 315 

O Conde de V illa-Flor Luiz Manoel de Sou- 
fa he Copeiro môr , lugar , em que iuceedeo a feu 
pay. 

D. António de Caftro he Almirante doRey- 
110, potfo , em que fuecedeo a íèu pay. 

Coníelheiros de Eftado foraõ creados o Car- 
deal da Cunha, Inquifidor Geral, e o Conde Mei- 
rinho mòr, como diflêmos, depois tiveraõ eíte gran- 
de lugar o Cardeal Patriarcha , e o Cardeal Perei- 
ra , o Marquez de Fronteira, os Condes de Avei- 
ras, AíTumar, e Avintes. 

Diogo de Mendoça Corte-Real do íèu Con- 
felho , que havia fido Enviado Extraordinário nas 
Cortes de Haya , e Madrid , que era Secretario das 
Mercês , fez Secretario de Eftado j e depois vagan- 
do outras Secretarias , as fervio em quanto viveo, 
em que entravaõ a das Mercês, Expediente, e Af- 
fmatura, e teve também a ferventia de Provedor das 
Obras do Paço na menoridade do Conde de Soure. 

Bartholomeu de Souíà Mexia , que era Secre- 
tario da Aííinatura , e do íeu Confelho , e do da 
Fazenda, fez Secretario das Mercês. 

O Doutor António de Bailo Pereira foy íèu 
Secretario, do feu Confelho, e da fua Fazenda, Juiz 
da Inconfidência, Chanceller da Cafa da Supplica- 
çaõ , e Secretario da Rainha. 

Depois por hum Alvará, paííàdo a 8 de Julho 

do a-ino de 1736 , creou três Secretários de Eftado, 

dividi do todos os negócios para melhor diíliibui- 

Tom.VIH. Rrii taô 



3 1 6 Hiftorla Çenealcgíca 

çaõ, e commodo das partes, na maneira íeguinte : 

A Pedio da Mota eSylva, do íèu Confelho, 
que havia fido Enviado Extraordinário na Corte de 
Roma, fez Secretario de Eftado do Reyno , e Mer- 
cês. 

A António Guedes Pereira, do feu Confelho, 
que havia fido Enviado Extraordinário na Corte de 
Madrid , e Plenipotenciário , fez Secretario de Ef- 
tado da Marinha, e Conquiftas. 

A Marco António de Azevedo Coutinho, do 
feu Confelho, que havia fido Enviado Extraordiná- 
rio em a Corte de Pariz , e nomeado Plenipoten- 
ciário ao CongreíTo de Cambray, e depois Envia- 
do Extraordinário na Corte de Londres , fez Secre- 
tario de Eftado dos negócios Eftrangeiros , e da 
Guerra. Como fe vê do referido Alvará , onde 
largamente fe contém as diftribuiçoens das Secreta- 
rias. 

Nos Tribunaes creou de novoPreíldentes: na 
Mefa da Coníciencia , e Ordens o Duque de Ca- 
daval Dom Jayme, no Defembargo do Paço o Mar- 
quez de Fronteira D. Fernando Mafcarenhas , que 
havia fido Vedor da Fazenda , lugar, que também 
teve o Marquez de Alegrete Fernando Telles da 
Sylva , e o Marquez de Abrantes Rodrigo Eannes 
de Sá. O Conde de Aveiras Joaõ da Sylva Tello 
foy Regedor das Juíliças, lugar, que occupou de- 
pois o Biípo de Leiria D. Álvaro de Abranches. 
No Senado da Camera foy Prefidente Joaõ de Sal- 
danha 



da Cafa %eal Tortng. Liv. VIL 317 

danha de Albuquerque , e o Conde de Aveiras fe- 
gunda vez, depois de fer Regedor, e o Conde da 
Ribeira Grande Dom Jofeph Rodrigo da Camera. 
Dom Lourenço de Almada foy Preíidence da Jun- 
ta doCommercio, e o ultimo, porque naõ ie coníi- 
derando utilidade neile Tribunal, fe fupprimio, an- 
nexando íè tudo , o que lhe tocava ao Confelho da 
Fazendi, como hca referido. No Tribunal da Cru- 
zada preíTiio o Commiííàrio Geral Dom Francifco 
de Soufa , que era do feu Confelho , e do Geral 
do Santo Orficio , Deputado da Meia da Coníci- 
encia e Ordens , Cónego Doutoral da Guarda j e 
por fua morte lhe fuecedeo Pedro Haííe de Bellem, 
também do íêu Coníelho, e do Geral do Santo Of- 
fício , e Inquifidor da Corte , Cónego Prebendado 
da Sé de Lisboa , e lhe íuecedeo Joaô Duarte Ri- 
beiro, que também era do feu Confelho , e do Ge- 
ral do Santo Oíficio , Conexo Doutoral da Sé de 
Évora , a quem fe feguio o Padre Dom Manoel 
Caetano de Soufa , Clérigo Regular , e Deputado 
do mefno Tribund, com o titulo de Pro-Commif^ 
fario Geral da Bulia , e foy do Confelho de S. Ma* 
geftade 5 e por fua morte he Pro-Commiííàrio Ge- 
ral o Padre Frey Domingos de Santo Thomás , da 
Ordem dos Pregadores, do Confelho deSuaMagef- 
tade , que era Deputado do meílno Tribunal , e 
do Santo Offijio. Fez Confelheiros de Guerra o 
Marquez de Cafcaes D. Manoel de Caftro , o Mar- 
quez das Minas Dom Joaõ de Soufa , o Conde de 

S. 



3 1 8 Hijloria Çenealogica 

S. João, Dom Manoel de Azevedo , D. Joaõ Dio- 
go de Ataide, depois Conde de Alva, Pedro Maf- 
carenhas , depois Conde de Saõ Domil , Pedro de 
Vafconcellos , o Conde do Rio Grande, D. Joaõ 
Manoel de Noronha, depois Conde de Atalaya, o 
Marquez de Angeja Dom António de Noronha , 
Dom Braz Balthafar da Sylveira , o Conde de Al- 
vor Aernardo de Távora , o Conde da Ericeira D. 
Franciíco Xavier de Menezes , confervando o lugar 
da Junta dos Três Eftados. Na Junta dos Três Ef 
tados foraõ Deputados os Condes da Ericeira, 
Unhaõ, Coculim , Valladares , Vai de Reys, Saõ 
Lourenço , e Santiago , Dom Fernando de Almei- 
da , Dom Jofeph Manoel , hoje Principal Decano 
da Santa Igreja Patriarchal. 

O Conde de Alva D. Joaõ Diogo de Atai- 
de foy General da Armada Real , pofto , em que 
íuccedeo ao Conde de S. Vicente Miguel Carlos 
de Távora. 

O Conde de Saõ Vicente Manoel Carlos da 
Cunha de Távora , Almirante da mefma Armada, 
poílo , em que fuccedeo ao Conde do R io Gran- 
de com igualdade aos Meftres de Campo Generaes. 

Governarão o Algarve o Marquez deCafcaes, 
os Condes de Saõ Lourenço , Unhaõ , e o Conde 
de Atoupuia. 

Chancelleres mores foraõ os Doutores Manoel 
Lopes de Oliveira , do feu Coníelho , e feu Def- 
eri, bargador do Paço , infigne Jurifconfulto , e Jo- 
feph 



da Cafa %eal Tortng. Liv. VIL 3 1 5? 

íèph Galvaõ de Lacerda também do leu Coi.íèiho , 
e Deíembargador do Paço. 

Cerre) o môr do Reyno Luiz Viclorio de 
Soufa Coutinho, cfficio hereditário na íla cafa def. 
de o anno de 1606, fuccedtolhe íeu filho Joíeph 
António de Sonía Coutinho. 

Joaõ Couceiro de Abreu , Guarda môr da 
Torre do Tombo , que fuecedeo a Luiz de Ccuto 
Félix , varaÔ de prorundiííima erudição. 

Cofmografo môr do Reyno Luiz Francifco 
Pimentel , que fuecedeo a íèu pay o inílgne Ma- 
noel Pimentel. 

Chroniftas do Reyno : fuecedeo a Jofeph de 
Fatia o Padre Fr. Bernardo de Caftellobranco , a 
quem fe íêguio o Padre Fr. Manoel dos Santos , e 
por fua morte o he o Padre Fr. Manoel da Pvocha, 
todos da Ordem de Cifter nefte Reyno , e Acadé- 
micos da Academia Real da Hiftoria. Chroniíta 
Latino foy o Padre António dos Reys, aquém fue- 
cedeo o Padre Eftacio de Almeida, ambos da Con- 
gregação do Oratório de S. Filippe Neri , e Aca- 
démicos da referida Academia , de que o primeiro 
fora Ceníbr. 

E porque o noííò aíTumpto naõ he huma hifto- 
ria ^eral , como já temos outras vezes proteílado, 
que ros obrigue a pontualmente feguir a ordem dos 
fueceífos aos tempos , fe naÕ deve reparar , em que 
alguns vau alterados,, e muito mais quando a Hifto- 
ria he Genealógica, que fomente obriga a dar conhe- 

cimen- 



320 Hiftoria Çenealogica 

cimento dos Heroes nas acções principaes , para que 
fe veja , que íobre o Real langue , de que fe anima- 
rão, adquirirão virtudes dignas de eterna memoria. 
Pelo que na5 he poíiivel em hum Epitome 
referir , e ponderar todas as acções do noíTJ inclyto 
Monarca , porque as Reaes virtudes , que as pro- 
duzem , naõ faÕ fáceis de numerar : e podem leríe 
entre muitos , e os melhores Ettrangeiros , que ef- 
creveraô nefte feculo , que as admiraõ , e veneraõ. 
As Orações Panegyricas , e outras , que íè incluem 
nas Collecções , e mais Livros da Academia Real 
da Hiftoria. O erudito, e famofo Livro de Bíanchi- 
ni , que imprimio em Roma no anuo de 1728 , e di- 
rigio a EIRey os defcobrimentos , que fez com o 
Telleícopio nas manchas do Planeta Vénus , que 
fuppondo podiaõ íer terras , e mares , deu a todos 
nomes dos mayores Heroes Portuguezes ; o Padre 
Dom Luiz Caetano de Lima , Clérigo Regular, 
dedicou a algumas acções fuás os excellentes Epi- 
grammas , que em dous volumes de quarto impri- 
mio , o primeiro em 1730, com cento e dous Epi- 
grammas, eofegundo em 17^2, que contém cento 
e cinco. O Padre D. Rafael Bluteau, também Clé- 
rigo Regular, com a fua acorde Mciíã , que os lar- 
gos annos naõ deftemperaraõ, poi^ paííàva de oiten- 
ta e féis, quando dirigio ao noííb grande Rey a 
Obra , que imprimio no anno de 1726. E omitcin- 
do outras muitas de famofos Engenhos, me lembra- 
rey fomente daquela celebre Oraçaõ , que o Santi£ 

fim o 




da Cafa T^çal Tortug. Liv. VIL 321 

fimo Padre Clemente XI. com a íua eloquência, e 
erudição proferio no Coníiítorio fecreto do dia 7 
de Dezembro de 1716. 

E fendo as virtudes , e acções do noíío Rey 
verdadeiramente grandes , muitas faõ inimitáveis 5 
porque fobre magnifico , he fuperior a toda a gran- 
deza humana naturalmente, e fem atfe&açaõ, na- 
da eflima. He de huma incomparável generofida- 
de , de que manaõ torrentes da íua Real liberali- 
dade. Grande, Magnifico, Pio, e Devoto , com 
fingular compaixão , e caridade com a pobreza , ze- 
lador dajuftiça, querendo, que efta nunca fique 
orTendida , e que fejaõ punidos os vicios , obfervan- 
do em tudo huma equidade virtuofâ , efpecialmen- 
te na didribuiçaõ dos prémios , e das mercês , com 
admirável conftancia na firmeza das juftas reíblu- 
ções, e com huma profunda reverencia ao íãgrado, 
em que refplandece a própria Religião. Entre vir- 
tu .'es taõ excellentes he o brilhante a fua Real 
pefloa de huma eftatura bizarra, e proporcionada, 
de agradável prefença , mageftoíò afpcclo, olhos 
grandes , e pardos , nariz quaíi aquilino , e todas as 
mais feições proporcionadas, ágil, deíèmbaraçado, 
e robuílo. He animado de hum efpirito vivo , e 
fublime , com inexplicável agudeza , admirável 
c-mprehenfaõ nos negócios , prodigiofa memoria , 
com hum conhecimento individual de toda a pe£ 
foa , que huma vez vio , e de inviolável legredoj 
vendo-fe nelle obíervada huma rara virtude , muy 
Tom.VIII. Ss pou- 



322 Hiftoria (fenealcgica 

pouco praticada no Mundo ; porque fendo <!e or- 
dinário univerfal o efquecimento , que padecem os 
mortos , he máxima fua , que para elle já mais 
morreo peílba alguma , porque aquellas que teve 
motivo de favorecer com eftimaçaõ em vida , lho 
continuou depois da morte , honrando a peíToa , e 
generofamente amparando o que lhe pertencia : nos 
divertimentos moderado , porque o feu mayor íaô 
os livros , porém quando entra no da caça he in- 
caníâvel , taô deílro na lança , como na efpingar- 
da , de forte , que confeílaõ os mais apaixonados , e 
laborioíos continuadores defte nobre exercício , o 
exceííò , com que íè diftingue na certeza dos tiros, 
no forte , e defembaraçado das carreiras , com tanta 
agilidade , que caufa efpanto , como muitas vezes 
ouvimos a hum grande Caçador , naõ fó pelo exer- 
cício , mas pela alta reprefentaçaõ da fua peílòa , 
que fempre o acompanha. 

A eftes raros dotes da natureza ajuntou a va£ 
ta erudição , inftruindo-íè nas fciencias , como íè as 
houvera de profeííàr, de maneira , que muitas vezes 
íe viraõ embaraçados os profeílbres das faculdades 
pela larga noticia, com que o achavaõ nas fcien- 
cias , fuccedendo o mefmo com as artes liberaes ; de 
forte , que nelle íè vem juntas , e praticadas tantas 
partes , que algumas fó baítavaõ para conftituirern 
hum Príncipe Sábio. As fuás admiráveis acções , 
quando na pofteridade paííarem a Hiftoria , íèraõ 
nos feculos futuros lidas com efpanto 5 porque naõ 

fó 



di Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 323 

ío a natureza próvida o ornou de excelias virtudes, 
e partes próprias de hum grande Monarca ; mas a 
fua laboriofa liçaõ o inilruio , para que as virtudes 
lhe preparaíTem íublime lugar no Templo da Heroi- 
cidade, fazendo-o digno do mais feliz Império: e 
nós concluiremos efte Elogio com o mais profundo 
reípeito , pedindo a Deos com ardentes votos con- 
ceda dilatada vida a hum taõ grande Monarca pa- 
ra fe augmentarem os aíTumptos aos Hiíloriadores 
do feu felicilTímo reynado. 

Caiou a 27 de Outubro do anno de 1708 , co- 
mo fica eícrito , com a Rainha D. Maria Anna de 
Auílria , que nafceo virchiduqueza a 7 de Setem- 
bro do anno de 1685 na Cidade de Lintz , cabeça 
da Auílria Superior , ornada de efclarecidas virtu- 
des , que ella augmentou em louváveis exercícios, 
praticados defde tenros annos na fuave , e fanta 
educação da Auguftiííima Emperatriz fua may. A 
natureza a dotou de huma mageílofa preíença com 
fubiime talento , cultivado fcientiflcamente na liçaõ 
dos livros , que lè nas lingas Latina, Italiana, Por- 
tugueza , Franceza , Hefpanhola , e Alemaa , que 
igualmente falia , e efcreve com admirável proprie- 
dade , brilhando na fáhia Mageílade entre a erudi- 
ção a prudência , e a virtude , com que geralmente 
e Jifica aos íèus VaíTallos ; porque a fua vida he re- 
gulada como hum bem concertado relógio , fem va- 
riedade, porque todo o tempo he occupado virtuo- 
fa, e decen temeste , km que dê lugar a ócio j a£ 
Tom. VIII. Ssii fim 



324 Hijloria genealógica 

fim todos os dias nao ha hora , que feja vaga , em 
que fe nao veja , ou na affiftencia dos Cfficios Divi- 
nos, Oraçaõ, viíitas de Laufperenne , Igrejas mui- 
tas vezes frequentadas , e outras devoções , em que 
religioíâmente íè emprega , e muitas vezes entran- 
do nos Morteiros de Religiofas reformadas , com 
quem trata com muita eRimaçaõ , e clemência : a 
Mufica , que fabe fcientificamente , lhe deve par- 
ticular inclinação , tocando diveríòs inftrumencos 
com primor , íêndo na dança igualmente airoía, 
que déftra , o he também no exercicio da caça, em 
que algumas vezes le entretém , como também 
lendo, pintando, bordando , ou algum outro di- 
vertimento digno da Mageftade : de forte , que os 
dias , e as noites de todo o anno com huma inalte- 
rável harmonia faõ occupados inteiramente com ex- 
cellente , e igual diftribuiçao. O leu Paço regula- 
do pelos coftumes das antigas Rainhas , a que a fua 
fábia direcção ajuntou excellentes máximas , que 
luzem no decoro, e decência de toda afamilia. Da 
fua piedade íêrá eterno monumento o Convento 
dos Canmelitas Deícalços Alemães , que ella fun- 
dou , em que exercitados na regular obíervancia os 
filhos de Santa Therefa , he ainda mayor a edifica- 
ção do copioíb fruto , que tem feito na reducçaõ 
de muitos Hereges , que tem reconciliado com a 
Igreja Catholica. Da fua prudência íèrá o mais 
digno teftemunho a fatisfaçaS delRey feu efpofo 
no anno de 1716 quando paílòu à Província de 

Alen- 



da Ca/a ^eal Tortug. Liv. VIL 325 

Alentejo , e a deixou encarregada do governo do 
Reyno, vendo lbbre huma continua applicaçaõ ao 
defpacho , e occurrencia de tantos negócios , huma 
admirável equidade. A fua caridade íerá fempre 
louvada pelas continuas efmolas , com que foccor- 
re os pobres publicamente , muitas vezes com as Tuas 
próprias mãos , íèndo ainda muito mais as occul- 
tas , com que remedea a muita pobreza recolhida, 
e envergonhada , accommodando em Conventos a 
muitos de hum , e outro íêxo , que fez crear , li- 
vrando huns da miíeria , e outros dos erros heréticos, 
em que feus pays os creavaÕ , e depois na Religião 
fe empregarão em louváveis exercícios. Naõ de- 
vemos parlar em filencio hum acto digno da fua 
piedade, que fuccedeo naVilla de Cezimbra. Ha- 
via a Rainha no anno de 1751 paílàdo à outra par- 
te do Ttjo a huma magnifica cafa de campo, que 
chamaõ C^lhariz , que he de D. Manoel de Souíà , 
Capitão da Guarda Alemaa, onde foy com o Prín- 
cipe , Prineeza , e o Infante D. Pedro , acompa- 
nhada dos Officiaes , e Criados da fua Cafa , que 
lhe aíMiaõ , donde fahiaõ às Aldeãs de Azeitão , e 
outros Lugares amenos , e aprafiveis , em que ha 
muitas Quintas viftofas , havendo entre outros di- 
vertimentos , caçadas , e pefcarias , com que as pcC- 
íbas Reaes fe entretiveraõ com fatisfaçaõ tcòo o 
tempo , que eftiverao naquelJe fitio. No primeiro 
dia, que entrou naVilla de Cezimbra, foy à Igreja 
Matriz a fazer oração a tempo , que fe eftava pa- 
ra 



$i6 Hijloria Çenealogica 

ra bautizar huma menina , filha do Juiz de Fora da 
mefma Villa , e movida da íua natural clemência 
lhe fez a honra de fer íua Madrinha , fuftentando 
nos Reaes braços a menina com grande edificação 
dos que lhe affiftiaõ , admirando tanta humanida* 
de, que naõ puderaô reprimir as lagrimas, com 
que applaudirao a fua piedade , entaõ mais elo- 
quentes, que as vozes. Entre outros teftemunhos, 
com que geralmente tem edificado a Corte, referi- 
remos íbmente os da veneração ao Santiííimo Sa- 
cramento ; porque todas as vezes , que o encon- 
trou , ( e tem fido muitas ) fe apeou , e naõ íe ia- 
tisfazendo com o adorar , o acompanha à cafa do 
doente , e dahi a Igreja , e algumas vezes com baf- 
tante difcommodo , caufado da chuva , e rigor do 
tempo , porque nada lhe ferve de obftaculo para 
deixar de render a Deos devidos cultos , edifican- 
do aos íêus Vafíàllos com taõ públicos exercícios. 
Os da fua humildade repete muitas vezes no anno 
privada , e occultamente , eípecialmente na Nove- 
na do Natal, e outros dias , que a fua devoção e£ 
colhe , para que a Magefiade humilhada no cora- 
ção , íè exalte na preíença de Deos. E nós por naõ 
offènder a fua modeftia tratamos taõ levemente , 
naõ nos atrevendo a referir as fuás heróicas virtu- 
des , deixando aíTumpto largo aos vindouros , quan- 
do pafíàrem à pofteridade as virtuoías acções defta 
lábia Heroína : que agora íatisfazendo com o que 
toca àHiftoria Genealógica, diremos fomente, que 

entre 



da Cafa 1$çal Tortug. Liv. VIL 327 

entre taó excellentes virtudes , juntou a fecundida- 
de para nos Faftos Portuguezes fer glorioía a fua 
Real memoria, e ainda mais na educação , com que 
íe portou com íêus filhos , exercitando-os em fanto 
temor deDeos, e em admiráveis máximas Chriftãa?, 
applicando-os defde tenros annos àsfciencias, fen- 
do ella mefma a que os inftruia , lançando as pri- 
meiras linhas , de forte , que nelles foraõ depois co- 
mo naturaes as virtudes , e o amor das fciencias , 
que os fará tao celebres no Mundo , como o Real 
nafcimento. Finalmente íòhre tantas virtudes íê 
orna com huma invencível conftancia , como íê vio 
nos repetidos golpes , com que contraítada com a 
morte do Principe , e dous Infantes íêus filhos , com 
a dos Emperadores feus pays , e irmãos, e da Ar- 
chiduquezi Governadora de Flandes , fua irmaa ; 
e com taõ fenfiveis motivos , inalterável aos fuc- 
ceííbs , íê refignava na vontade Divina , pondo nas 
fuás mãos a própria com tanta humildade , que a 
todos edifica. He filha do Emperador Leopoldo 
I. o Grande , e da Emperatriz Leonor Magdalena 
Therefa de Neoburg , fua terceira efpofa , como 
deixamos efcrito no Capitulo V. $. I. do Livro III. 
pag. 2co do Tomo III. Pefta Real uniaõ nafce- 
raó os filhos feguintes : 

20 A Infanta D. Maria Barbara , Prin- 
ceza das Afturias , que occupará o Capitulo XI. 

20 O Príncipe do Brasil D. Pedro, que 
nafceo em Lisboa a j$> de Outubro de 17 12 hum 

quar- 



328 Hifloria Cjenealogica 

quarto antes da rneya noite , dia , em que a Igreja 
celebrava a fefta do gloriofo penitente S. Pedro de 
Alcântara ; parecendo , que o Fundador da Arrábi- 
da , com myfteriofa circunftancia , quiz concorrer 
ao defempenho dapromeíTa, que feu Augúrio Pay 
havia feito de lhe fundar hum Convento na Villa 
de Mafra , para que íe entendefle era mais myfie- 
rio , que cafualidade. Os repiques dos finos deraõ 
logo efta alegre noticia à Cidade , que foy applau- 
dida com vivas expreílbens dos íèus VaíTallos, com 
três dias de luminárias, e defcargas da anilharia das 
Torres , e Fortalezas da Marinha , e de todos os 
navios , que eftavaõ ancorados no porto de Lisboa. 
EIRey baixou àCapella no outro dia, acompanha- 
do de toda a Corte veftida de gala , a render a 
Deos as graças , a que concorreo o povo alvoroça- 
do com o gofto de haver Deos fatisfeito os ftus 
votos, dandolhe hum Principe preíumptivo herdei- 
ro da Coroa , e houve Sermaõ de acçaõ de graças, 
que pregou o Padre Fr. Caetano deS.Jofeph, Car- 
melita Defcalço , com grande eloquência , e pro- 
priedade , por íer elle hum dos mais doutos , e eru- 
ditos Religioíòs do íêu tempo. Foy bautizado em 
huma íêgunda feira 21 de Novembro do referido 
anno pelo Cardeal da Cunha , Capellaô môr , In- 
quiíidor Geral , e do Confelho de Eflado , fendo 
íèu Padrinho feu tio o Emperador Carlos VI. por 
quem tocou o Infante D. Manoel , e Madrinha a 
Infanta D. Francifca fua tia. Principiava o acom- 
panha- 



da Cafa Ifyal Tortug. Liv.VIL $2$ 

panhamento pelos Porteiros das Maças , que fê" 
guiaõ os Reys de Armas , Arautos , e Paílavantes» 
todos com as fuás Cotas de Armas , e logo a No- 
breza da Corte , que era em grande numero , de» 
pois os Criados da Cafa Real , e ultimamente os 
Grandes por fua antiguidade. Foy levado nos bra- 
ços do Duque de Cadaval D. Nuno Alvares Perei- 
ra de Mello , Mordomo mor da Rainha , do Con- 
felho de Eftado , debaixo de rico Paleo , cujas va- 
ras tiveraõ o Marquez de Marialva D. Diogo de 
Noronha , o Conde dos Arcos D. Marcos de No- 
ronha , o Conde de Villa-Verde D. Pedro António 
de Noronha , do Confelho de Eftado , o Conde de 
Vimioíò Dom Francifco de Portugal , o Conde de 
Aveiras JoaÔ da Sylva Tello , do Confelho de E£ 
tado , e Prefidente do Senado da Camera , o Con- 
de de Santiago Aleixo de Souía de Menezes, Apo- 
fentador mòr , precedendo-íê pela antiguidade das 
fuás Cartas. Levarão as infignias : o Duque de Ca» 
daval Dom Jayme o Salleiro , o Marquez das Mi- 
nas D. António Luiz de Soufa o Maçapaõ, o Mar- 
quez da Fronteira D. Fernando Maícarenhas a Ve- 
la , todos do Confelho de Eftado , o Marquez das 
Minas D.Joaõ de Soufa , do Confelho de Guerra, 
a Toalhinha de purificar os Santos Óleos, o Mar- 
quez de Alegrete Fernão Telles da Sylva , doCon» 
feiho de Eftado , e Gentil-homem da Camera dei* 
Rey , a Vefte Cândida. Foraõ acompanhando o 
Príncipe o Infante D. Manoel , e a Infanta Dona 
Tom. VIII. Tt Fran- 



Prova num. 131 



330 Hijloria Çenealogica 

Francifca , acompanhada das Damas até ficar o 
Príncipe debaixo do Paleo , ficando da banJa direi- 
ta o Infante coberto , e da efquerda a Infanta fua 
irmaa, a Marqueza de Santa Cruz Aya , a Condcf 
fa da Ilha Senhora de Honor , e as Damas , ptati- 
cando-íe todas aquellas formalidades do Real Ce- 
remonial da nofla Corte. Contava dez dias ít bre 
dous annos , e quando a lindeza , e a graça arreba* 
tava o carinho de feus Auguílos pays , ílbio anti- 
cipadamente a coroarfe na Eternidade , dando fim 
à vida em huma fecunda feira as três horas da tar- 
de do dia 29 de Outubro de 1714. Em obíequio 
de S. Francifco Xavier o trazia a Rainha fua may 
veftido com a Roupeta da Companhia , e nella or- 
denou foífe fepultado 5 e aflim cem Real pompa 
foy levado ao Mofteiro de S. Vicente de Fora. Pe- 
garão no caixão o Duque de Cadaval Dom Nuno 
Alvares Pereira de Mello, o Marquez de Cafcaes 
D. Luiz Alvares de Caftro , o Marquez de Frontei* 
ra D. Fernando Mafcarenhas , o Conde de Aveiras 
João da Sylva Tello e Menezes , o Conde de Avin- 
tes D. António de Almeida , e o Conde de AfTumar 
D. Joaõ de Almeida Portugal , todos do Confelho 
de Eftado : e feito o a&o da entrega, na forma cofc 
tumada , foy pofto na Capella onde jaz depoíltado. 

20 O Príncipe do Brasil D. Joseph, que 
he aífumpto do Capitulo VII. 

20 O Infante D. Carlos , de quem íê tra- 
ta no Capitulo VIII. 

O In- 



daCafafyalTortug. Lh.VIL 331 

20 O Infante D. Pedro , como fe verá no 
Capitulo IX. 

20 O Infante Dom Alexandre , de quem 
trataremos no Capitulo X. 




Tom. VIII. 



Ttii 



ARai. 



A Rainha 
Dona Ma- 
ria Anna 
deAuftria,- 
mulh. del- 
Rey Dom 
João V. 



Leopoldo Lo 
Grande Em- 
perador dos 
Roman. Rey, 
de Hungria 
e Bohemia 
n. a 9 de Ju- 
nho de 1640 
+ a y de Ma- 
yode 1705. 



A Empíratrizf 
Leonor Ma- 
gdalena de 
Neoburg , + 
a 19 d: Janei- 
ro de 1719 , 
terceira mu- 
-liicr. 



Fernando II. Em- 
f gerador , n. a 9 de 
V Julho de 1578 , + l 
\a 1 5 de Fevereiro 

Fernando HI.<í c, f^« 

Emperador , n. ) A Archiduqueza 

a 12 de Julho / Mana de Baviera, , 

deif5o8,4.a2f + a «» de Março 

de Abril 1657. ^ de ,6 }f» P nmcl ' 
ra mulher. 



333 

S remando I. Fnp.n. a se cie Març. 
de 150;, + a 16 de Julho dei -,64. 
1 5 de Junho de } Anna Bainha de Hungria, + 1547, 
C filha de Ladislao , Rey de Hungria. 



A Emperatriz 
D.Maria Anna 
de Auftria , +a, 
2, de Março de 
1646 , primei- 
'ra mulher. 



Dom Filippe III. 
Rey de Caftella, 
n.a 14 de Abril de 

»57 8 >+ a ? ,de 
Março de 1621. 

' A Rainha D. Mar- 
garida de Auliria, /- 
+ a 2. de Outubro \ 
de 161 1. 



540, + em Agol 
to de I 590. 
A Archiduq. Maria 
de Baviera,.} 1606. 

Guilherme , V. Du- 
que de Baviera , n. a 
29 de Setembro de. 
I548 , +a 7 de Fe- 
vereiro de \6z6. 
A Duqueza Renata 
de Lorena , + a 2 } 
deMayodc 1602. 

D. Filippe II. o Pru- 
dente, Rey de Caf- 
tella, n.a 24 de Ma- 
yode 1527, +a 1 2, 
deSetemb. de 1 598. 

A Rainha D. liabel Ç Henrique II. Rey de Franç. n. a 2, 1 
de Valões , + 1 56 8, .3 de Março de 1 5 1 8 , + em 1 5 ç y. 
terceira mulher. ) A Rainha Catharina de Medicis , + 
C em 5 de Janeiro de 1509. 

Fernando I. Emperador, n.a iode 
Março de 1 502, , + em 1 564. 
A Rainha Anna de Hungria , + em 

i?47« 
r* Aiberto V. Duque de Baviera , n. a 
7deM«rçode 1528, +em 1579. 
A Duqueza Anna de Auttria, + a 
• 6 de Outubro de s 5 80. 



Alberto V. Luuue de Baviera , n. a 
7 de Março Ce 1 528 , + a 24 de 
Outubro de 1 579. 
A Duqueza Anna de Auftria, + 8 
1 6 de Outubro de 1 5 80. 
Alberto V. Duque de Baviera , n. a 
7 de Março de 1528, + tm i?79« 
A Archiduqueza Anna de Aultna , 
+ a 1 6 de Outubro de I 5 80. 
Francifco , Duque de Lcrena , e 
Bar , + a 1 2 de Junho de 1 545. 
A Duqueza Chnitina de Dinamar- 
ca ,4" a IO de Dezembro de 1 544. 
Carlos V. Emperador, Rey de Caf- 
tella, n. a 24 de 1 ever. de 1 5C0, 
+ a2i de Setembiode 1558. 
A Emperatriz D. líabcl dePorcu* 
gal , + no l. de Mayode J 5 2, y. 



Car'cs Archiduque , 

Duque de Stiria, n. 

2, de Junho dei 540. 

+ a 5' de Agofto de 

1590. 

A rtrchid. Maria de 

Baviera, + em 1606. 



FilippeGuilher 
me, Eleit. Con- 
de Palatino do 
Rhin , n.a 5 de 
Novembro de 
161$ , e+ a 
ide Setembro de 
'1690. 



1 

Çi 

:r- \| 
m- 1 ( 

JoA. 

de /' 

2 . 



.'VY/olfango, Conde' 
Palatino do Rhin, ( 
Duque de Neo« 
burg, n. a 29 de 

'Outub. de 1578, 

| + a 20 de Março 
de 165?. 
A Princeza Mag- 

.daiena de Ba viera, 
+ em 1628. 



a 2 de Outubro cie ""\ A Uuqu< 
I ç47 , + a 1 2 de £ de Julho 
Agofto de 1614. 
A Duqueza Anna de 
Juliers, + em 1652. 

Guilherme ,V. Du- 
que de Baviera ,n. a 
29 de Seíembro de 



569. 
+ a 16 



Filippe Luiz , ConJe ,- V/oHango , Duq. de Duas Fontes, n 
Palatino do Rhin,n, \ a 26 de Set. de 1 526 , + em 
A Duqueza Anna de Heííe , 

de I 591. 
Guiiherme , Duque de Cicves , e 
Juliers, n. a 28 de Julho de 1 516, 
+ a 25 de Janeiro de 1592. 
A Archiduqueza Maria de Auftria f 
+ em 1584. 



verciro de 1626. 
A Duqueza Renata 
de Lorena, + a 25 
dcMayo de 1602. 



SA lberto V. Duque de Baviera , n. a 
7 " 

tf, 



Je Março de 152 8,+ em 1579. 



. . y j. j c ) A Duqueza Anna de AuLlria , 
1548 , + a7deFe-/ go ; 



+ tm 



AEIeitrizIfabel 
Amália de Dar- 
mftad , + em 3 
de Agofto de 
1709. 



FrancifcoDuqu? de Lorena , e Bar, 
n. a 2 3 de Agofto de 1 5 1 7 , + a 
l 2 de Junho de 1 545. 
A Duqueza Chriftina de Dinamar- 
ca, + a 10 de Dezembro de 1544. 



Jorge II. Landgra-(~ 
vc de Heiíe Dar-\ 
mftad , n. a 7 de<f 
Março de 1605 , ) 
+ a 1 1 de jUÍho(_ 
de 1661. 
A Landgrav. Sofia 
Leonor de Saxo- 
1 nia ,+ em o l.dc 
Abril de 1671. C 



dgravedeç-ç 



HclTcDarmftad,n.a 



Darmftad , + a 7 de Fev.de I 5'jCu 



2 2 de ta. de 1 577, i A Undgravina Ifabel de Anhau , + 
+ a 2 7dejun. 1607. ( „ ,^ 1 Ç? ■ , . .o. 

. , ,• ./ ^- a 2 6 de 1'evcreiro de l cô2. 
A Lancgravina Ma- 
dalena de Brandem- 
bourg + a 4 de Ma- 
yo de 1616. 



t 



JoaóGeorge , Eleitor de Biandem- 
bourg , + a 8 de Janeiro de 1 598, 
AEleitriz Babel de Anhalt ,4. em 
16 de Setembro de 1^07. 

Joaó Jorge, Eleitor C Ch«-i(>i a noI. Fleir de Saxonia,n.a 
de Saxonia. n. a 5 de < * Je Mar Ç° de 1 585 , + em 1 r> ç*. 
Março de ic8c + / A Weitriz Sofia de Brandembourg, 

16<6 a "de Dezembro de 1621, 

A Eleitriz Magdale- Ç A lberu> feder. Duq. dePruflia,n.a 

Hran- 3 2 9 de Abril de 1553, + em 1610. 



a 8 de Outub. 16 56. 

Lh-itriz 
a Sybilla de 

ribourg; 
Fev.dc i6j9> 2,m. 



boure, + ai2de'P A Du( l ucza ^J u Ltonor dcJu 
L licrs y J . em i^'ob. 



CA PI- 



35* 




CAPITULO VII. 

T)o Serenifjimo Senhor Dom fofeph 5 Trincipe 
do Brcfil 5 e Duque de c Bragança. 

A deixamos eícrito no Capi- 
tulo precedente a pouca dura- 
ção do Príncipe D. Pedro , a 
qual habilitou para prefumpti- 
vo herdeiro da Coroa Portu- 
gueza a feu irmão o Príncipe 
D. Jofeph , havendo nafcido 
na Cidade de Lisboa lnfl nte em huma quarta feira 
6 de Junho do anno de 17 14 às dez horas da noite : 
efta alegre noticia participarão os finos da Cidade a 
toda ella ; e aííim no outro dia concorrerão todos 
os Grandes , e Nobreza ao Paço a beijar a maõ a 

El- 




3 3 <5 Hi floria (jenealogica 

EIRey , que defceo a Cspella a render a Deos as 
graças , e fe cantou o Te Deum com grande íclem- 
nidade , congratulando-íe todos de t£Ò grande di- 
ta , por íè repetirem os penhores da noflà mayor fe- 
licidade , applaudio-fe a prefente com todas as de- 
monítrações de goílo praticadas nos Reaes nalci- 
mentos. 

Em o dia 27 de Agofto recebeo o Infante o 
fagrado Bautifmo com o nome de Dom Joseph 
Francisco António Ignacio Norberto Agos- 
tinho , que lhe conferío o Cardeal da Cunha , Ca- 
pellaõ môr , afàftindo os Bifpos de Vifeu D. Jero- 
nymo Soares , de Leiria D. Álvaro de Abranches, 
do Porto D. Thomás de Almeida , de Elvas Dom 
FernanJo de Faro , de Tagaite D. Manoel da Syl- 
va Francez, de Hypponia D. Fr. António Botado, 
de Angola D. Fr. Jofeph de Oliveira , e de Pátara 
D. Fr. Jofeph de Jefus Maria. Foy Padrinho EI- 
Rey Luiz XIV. de França, e com Procuração lua 
Reynaldo de Mornay , Abbade de Orleans , feu 
Embaixador , e Madrinha a Emperatriz Iíàbel. 

Foy levado à Pia nos braços do Duque de Ca- 
daval , Mordomo môr da Rainha, debaixo de rico 
Paleo , de que tinhaõ as varas da parte direita o 
Marquez de Cafcaes D. Manoel de Caftro , o Con- 
de da Ribeira Grande D. Jofeph Rodrigo da Ca- 
mera , o Conde de Sarzedas D. Rodrigo da Syl- 
veira , e da parte eíquerda o Marquez de Alegrete 
Fernaõ Telles da Sylva , Gentil-homem da Came- 

ra 



da Cafa ^Real Tortug. Liv. VIL 337 

ra delRey , e do Confelho de Eftado , o Conde dos 
Arcos D. Marcos de Noronha , Gentil-homem da 
Camera do Infante D. Francifco , e o Conde de 
Santiago Aleixo de Soufa da Sylva , Apofentador 
mor. As infignias foraõ levadas nefta ordem : o 
S nhor D. Miguel o Salleiro , o Duque D. Jayme, 
Eitribwiro môr delRey, e do Confelho de Eftado 
o Maçapaõ , o Marquez das Minas D. António' 
Luiz de Soufa , Eitribeiro môr da Rainha , e do 
Confelho de Eílado, a Vela , o Marquez de Fron- 
teira D. Fernando Mafcarenhas , do Confelho de 
Eirado , e Vedor da Fazenda , a Vefte Cândida , e 
o Marquez das Minas D. Joaõ de Soufa , Gentil- 
homem da Camera delP^ey, e do Confelho de Guer- 
ra, a Toalha para purificar; e íendo acompanhado, 
na forma do Ceremonial da noííà Corte , por todos 
os Grandes , e OíHciaes da Cafa Real , e mais pe£ 
foas , que tem lugar em femelhantes occafioens , 
hia aííiftido da Marqueza de Santa Cruz D. There- 
fa de Mofcofo Oforio fua Aya , e fe fez a função 
com Real nv.gnihcencia , EIRey, a Rainha, e os 
Infantes aíTiftiraõ na Tribuna todo o tempo , que 
durou efte acto. 

No dia 29 do referido mez íãhio a Rainha em 
publico à Igreja de S. Roque a oíferecer o Infante 
recemnafcido a Deos p~la interceífàõ de S. Fran- 
cifco Xavier. Depois da Rainha eftar na Igreja 
dentro do fitial , tomou ao Infante nos feus braços 
dos da Marqueza Aya , e neftc tempo defceo do 
Tom. VIU. Uu Ai- 



338 Hijloria Çenealcgica 

Altar o Cardeal da Cunha Capellaõ mor, reveítifo 
de Pontifical com Cappa , e Mitra , e a Rainha lhe 
entregou o Infante , e fobindo ao Altar da banda da 
Epiftola , fez a oblação , e voltando , o entregou à 
Rainha, que o deu à Marcjueza Aya , que entrou 
com a Rainha para o íitial , e logo fe cantou o Te 
Deum com grande folemnidade. Efta devota obla- 
ção havia já praticado a Rainha D. Maria Sofia 
com todos os íeus filhos , deixando no Paço efle , e 
outros devotos exemplos de exercicios , que foraõ 
bem obfervados da piedade da Rainha fua fucceííò- 
ra. O Senado da Camera de Lisboa, no Domingo 
íègundo de Setembro , fez huma folemne Prociflaô 
em acçaõ de graças , na forma coftumada nos nas- 
cimentos das peííòas Reaes , que íahio da Sé a S. 
Roque, que as Mageftades viraõ do Paço da par- 
te , que fica para a Rua Nova dos Ferros. 

O Papa Clemente XI. mandou ao Príncipe 
Dom Jofeph as Faxas bentas , attençaõ , que a Sé 
Apoílolica coftuma ter fomente com os filhos her- 
deiros dos Reys , as quaes Jhe enviou por D. Jo- 
feph Firrao , Arcebiípo de Nicéa , e íeu Núncio 
Extraordinário para efta commifíaõ , e fez a fua en- 
trada publica a 25 de Julho de 171 5 , fendo condu- 
zido pelo Conde deAífumar D.Joaõ de Almeida, 

do Confelho de Eftado ; e no dia íèçuinte aprefen- 

Prova num. 122. fc T?,r> j- • 1 i- d j 

4 tou a blKey em audiência publica as Faxas, de que 

o Papa fazia prefente ao Príncipe , recitando huma 

elegante Oraçaõ Latina. 

Creou- 



da Cajá %eal Tortug. Llv t VIL 3 3 p 

Creou-íe o Príncipe com a íabia direcção da 
Rainha fua mãy , porque inftruindo-o , como a to- 
dos os demais íeus filhos , de tenros annos nas má- 
ximas de perfeita Religião, começando pelo temor 
de Deos , e exercitando-os em virtudes Catholicas 
taõ antecipadamente , que de dia em dia fe adian- 
tarão de maneira , que lhe ficarão fendo próprias. 

Entrou o Príncipe de tenros annos a applicar- 
íe a lingua Latina , em que o inílruio o Padre An- 
tónio Stieff, da Companhia, Confeííòr da Rainha 
fua mãy, Religiofo douto, e muy verfado nas Hu- 
manidades : a viveza do eípirito do Príncipe, e a 
fingular compreheníâõ , começarão anticipadamen- 
te a moílrar o fublime talento, com que a nature- 
za o dotara ; e aíTim fendo curto emprego para taô 
larga esfera huma fó applicaçaõ , ao mefmo tem- 
po entrou em outros eítudos , tomando lições de 
Geografia , e Náutica , que lhe explicava Manoel 
Pimentel , Fidalgo da Caía Real, Cofmo^rafo mor 

'CS o 

do Reyno , irmaõ de Francifco Pimentel , Quartel- 
Meítre General dos Exércitos de Sua Magefiade, 
em quem correfpondeo o valor à fciencia militar , 
e delle fizemos menção no Tomo VII. pag. 619 , 
e 620 , nomeando-o com difFerente Patente, do que 
elle exercitou , e merecia ; e sííim deixamos repara- 
da aquella falta da impreííaõ com efta fyncera con- 
fifiaõ. Era Manoel Pimentel varaõ naõ fó infigne 
na fua profiiraõ, mas muito erudito, em quem con- 
correrão partes , que o faziaõ merecedor de taõ 
Tem. VIII. Uuii gran- 



340 Hi flori 'a Çenealogtca 

grande honra. Naô contava o Príncipe cinco an- 
nos, quando ainda no de 1718 principiou a empre- 
gar neftas fadigas o tempo , que requeria outros 
exercícios próprios a taÕ tenra idade. Era tanta a 
í?t:er?çaõ , que dava às lições , que com facilidade 
comprehendia , o que íê lhe explicava ; porque o 
goílo, com que deíejava faber, o incitava adiantar- 
fe , que parecia intentar anticipadamente examinar 
de huma fó vez o Globo Celefte , e o Terreítre , de 
forte, que íendo grande a erudição doMeítre, era 
ainda mais admirável o fublime efpirito do Diícipu- 
lo: durou muy pouco Manoel Pimentel neíle ho- 
norifico emprego j porque faltandolhe ávida, fale- 
ceo a 18 de Abril de 1719, perdendo nelle a Re- 
publica das Letras hum grande Sócio. O Príncipe 
quando teve a noticia da fua morte , honrou a fua 
memoria , fentindo a íua falta com algumas lagri- 
mas, ternura , que então celebrou o Conde da Eri- 
ceira D. Franciíco Xavier de Menezes em hum di£ 
creto , econceituofo Romance, e o Padre D. Ma- 
noel Caetano de Souía , com a fua nunca explicá- 
vel erudição , em hum Epigramma elegantemente 
conclue , que nenhum Meftre recebeo mais efplen- 
dido galardão : 

Quòd fólvit lachrymas morienti Regia Proles , 
Splendidius ccrte nemo Minerval habet. 

Efta honra parece anticipadamente pertendeo Ma- 
noel Pimentel , no modo poííivcl , agradecer ao 

Prin- 



da Caft T^eal Tortug. Liv.VIL 341 

Príncipe , tendo nas vefperas do dia, em que adoe- 
ceo , ideado hum Genechliaco , em que celebrava 
o primeiro luílro , que dahi a mez e meyo havia 
de cumprir o Príncipe em 6 de Junho, o qual de- 
terminava aperfeiçoar para o imprimir , e fazer pu- 
blico naquelle dia: e íuppofto foííè o primeiro en- 
tuíiafmo do Author , fem que lhe déííè a ultima 
maõ , he taõ excellente , e mais hum teftemunho 
da verdade , que referimos , e he o íèguinte : 

HíCc cíl illa dies ncftris cclebcrrima fallis > 

Magne Puer , vit<è qine tibi prima fuit. 
JEtatls numeras iuílrum non amplius unum, 

A (l ti St judiei jam grave pendus ineji, 
Qiiam valida gentes , quam magna potentia Regum 

No/cis , £/ excelsa granria mente geris. 
Si tantam primis Incem difundis in anuis , 

Noftraque fi , Princeps inclyte , vota prais , 
Oualis eris , cum -firma tibi jam venerit cetas \ 

Quale decus patrije } prceftáiumquc paras ! 
Cr e Ice Puer ,Jac~t isque tuumfer ad cethera nomenx 

Pncficie te nobis áurea fccla Jluent* 
Cr e Ice Puer , magnum meritis tf vince parentem s 

lngens deziSIi gloria patris eris, 
Crelce íequuturis virtutum exempla daturus 

Regibus, Z> Pylti têmpora vivejenh, 
Longtcvum faciet te zita , ot longius (cvum 

Tú/aiies itttc nobilitou tu<z. 

Na 



2A2. Hi floria Çenealogica 

Na mefma occupaçaõ lhe fuccedeo o Briga- 
deiro Manoel da Maya , em quem concorrem to- 
das aquelas partes , que habilitarão ao feu antecef- 
for para taõ alta honra , ornado de erudição , mo- 
deftia , e outras virtudes, próprias para aaííiílencia 
de hum Príncipe , em quem começarão a luzir as 
lições de íbrte , que com o tempo fcraõ prodígio- 
fos os progreííòs ; porque efcreveo com muita li- 
berdade, e bizarria : eu coníêrvo huma bateria fua, 
e outras dos Ssrenifíimos Infantes D. Carlos, eD. 
Pedro feus irmãos, de excellente caracter, asquaes 
me deu o mefmo Brigadeiro , que confervava ou- 
tras, e alguns rifcos do Príncipe, fingularmente ex- 
ecutados. Entrou por diverfas partes da M.thema- 
ti:a com taõ admirável comprehenfaõ , que íoube 
Arifthmetica taõ perfeitamente , e com tanta exac- 
çaõ , que naõ he fácil achar nos Tribunaes muitos 
Officiaes da Fazenda , que o compitaõ , e ninguém, 
que o iguale na Geometria de Euclides, ena prati- 
ca. Fezfe Senhor das línguas Italiana, Franceza, e 
Hefpanhola, aproveitando-fe da liçaõ dos melhores 
livros , que neftas línguas fe achaõ , aííim Políticos, 
como da Hiftoria Profana, Ecclefiaftica , e Mathe- 
maticas Militares de Fortificações , ofreníà , e de- 
fenfa de Praças , aquartelamento de Exércitos, for- 
mas de batalha , e todas as íòrtes de manejos de e£ 
quadroens , em que fundamentalmente he muy déí- 
tro, e igualmente na Geografia, Náutica, Artilha- 
ria , Eííatica , Mecânica , Gnomonica , e ufos de 

inílru- 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 343 

inítrumentos Mathematicos, de que fe ferve, com 
paímofa deílreza , rifcando com primor, ( em que 
o Dire&or he iníígne ) fendo as fuás plantas milita- 
res bem executadas ; afíim tem formado hum Ga- 
binete de huma felecla , e bem ordenada Livraria, 
fomente para o feu ufo. He bem de admirar a per- 
cepção do Principe , porque he taõ fácil em com- 
prehender, que na idade tenra íe contentava o Mef- 
tre , que elle eíliveííè com mediana attençaõ às li- 
ções , que lhe explicava ; porque tinha obfervado , 
que era o que bailava para fe fazer íenhor delias , 
fendo raras as vezes , a que naõ moftraílè gofto , e 
falta de repugnância para os eítudos , porque já 
mais fe lhe conheceo , que entraílè com diííabor às 
lições , nem fe lhe embaraçaíle a idéa para aquellag 
couías, que commummente íaõ difficultoías de per- 
ceber , principalmente aos de íêmelhante idade , co- 
mo a em que o Principe começou a goftar das fci- 
encias. 

Eílas fingulares partes adquiridas na flor dos 
feus tenros annos , conduzirão para depois fe admi- 
rarem fazonados frutos de prudência 5 porque a edu- 
cação , como diííèmos, lhe fez as virtudes tao na- 
turaes , que naõ houve mifter trabalho em as adqui- 
rir , e fomente adíantarfe nos annos para as praticar. 
Porque também a natureza havia concorrido libe- 
ral , formando ao Principe de huma gentil, e agra- 
dável prefença , bizarro, defembaraçado, robuíio , 
valerofo, com animo grande , begnino , generofo, 

com 



344 Hijlorta genealógica 

com hum génio dócil , revertido de Mageftade , e 
prudência ', porque regula aquelles divertimentos , 
em que fe entretém com a liçaõ dos livros , a que 
coníervou íempre inteiro amor , e applicaçaõ às íci- 
encias : na nobre arte de Cavallaria parece , que a 
natureza o inftruío , para que com hum moderado 
exercício , íè flzeííè capaz de comprehender com 
perfeição os feus mais delicados primores 5 na mef- 
ma forma no laborioío exercício da caça , em que 
a fadiga naõ diminue o vigoroíb , nem embaraça o 
déftro y e íèguro dos ti os 5 nefte , e outros diverti- 
mentos próprios , e decentes à fua Real peííòa , íè 
emprega o Príncipe , fem que o exceílb lhe poíía 
tirar , o que tem de innocentes , e entre taõ excel- 
lentes virtudes , com que íè adorna , em que naõ 
he fácil poder difeernir na que fe excede , he o bri- 
lhante a piedade, e a Religião, com que o tempo 
virá a coroar o feu Augufto nome. 

No Capitulo VI. referimos as reciprocas alli- 
anças , que os Auguílos Reys de Portugal , e Hef- 
panha ajuílaraÕ dos Príncipes do Brafil, e Afturias , 
e as Sereniílimas Infantas D. Maria Barbara , e D. 
Maria Anna Viótoria , e que para concluíaõ do 
Tratado do Príncipe paíTou a Madrid por Embai- 
xador Extraordinário o Marquez de Abrantes Ro- 
drigo Eanncs de Sá e Menezes , Gentil-homem da 
Camera dclRey , Véior da fua Fazenda, e a Por- 
tugal o Marquez de los Balvafes. Chegou o Mar- 
quez de Abrantes a Madrid , e a 3 de Setembro do 

anno 



da Cafa Tfyal Tortug. Lh. VIL 345 

anno de 1727 paíTou a hum Tratado os prelimina- 
res , que fe haviao ajuflado em Santo Udefonío, en- 
tre Jo eph da Cunha Brochado, e António Guedes 
Pereira, Plenipotenciários delRey de Portugal , e 
o Marquez Grimaldo da parte delRey Catholico, 
de quem entaõ era Miniftro CommirTario D. João 
Baurifta Orendayn , Marquez de la Paz , e do feu 
Coníèlho , e primeiro Secretario de Eílado , e do 
Defpadio , que cem o Marquez de Abrantes, Em- 
baixador , ajuftarao as Capitulações, nas quaes El- 
B ey Catholico deu em dote à Infanta Dona Maria p r0 va num. 132. 
Anna Vicloria quinhentos mil eícudos dei Sol, ou 
feu juíto valor , entregues na Cidade de Lisboa, 
obíi^ando-fe EIRey de Portugal àfatisfaçaõ do do- 
te , e anhas , com outras convenções, e claufulas 
commuas em feme^antes Tratados , os quaes os 
Keys ratificarão na forma coílumada. 

No dia 25 de Dezembro do referido anno fez 
o Marquez de Abrantes a fua entrada publica na 
Corte de Madrid para a ceremonia de pedir a Sere- 
niíTima Infanta de Hefpanha para efpofa do Serenifc 
ílmo Príncipe do Brafil. Iíe coilume na Corte de 
Madrid ferem femelhantes entradas a cavallo , para 
o que o Conde de Villa-Franca , Introductor dos 
Embaixadores, foy a cafa do Marquez para o con- 
duzir , e D. Jofeph de Eípexo, Decano dos Gentia 
homens de Boca delRey Catholico , cem outros 
Officiaes da Cafa Real, todos a cavallo , e ultima- 
mente foy o Marquez de Almodovar , Mordcmo 
Tom.VIII. Xx de 



34^ Hi floria Çertealogjca 

de íèmana , em huma carroça rica delRey. E de- 
pois de paliados os cumprimentos coílumados , o 
Introdu&or, Conde de Villa-Franca, montando em 
hum bom cavallo, diílribuío a ordem da marcha} 
e eftando tudo prompto , deíceo o Embaixador 
acompanhado do Marquez de Almodovar , e do 
Decano dos Gentis-homens de Boca , e montando 
o Embaixador em hum cavallo da peíToa deilley 
Catholico , íè deu principio ao acompanhamento 
pelo Meftre de Outel do mefmo Embaixador em 
hum fermofo cavallo bem ajaezado : ícguiaõ-íe 03 
Muficos , que eraõ cinco, com libré de pano fino 
encarnado , todo coberto de galoens de ouro , vcf« 
teas , e cabos azues, agaloadas de prata, e logo os 
Moços da Guarda-Roupa , que hoje clumaõ Val- 
les da Camera , com libré de pano azul finiííimo, 
com guarnições viílofiííimas de prata , e os mais ca- 
bos de todos correfpondentes à riqueza das librés, 
e depois doze Pagens cuftofamente veítidos de ve- 
ludo carmeílm bordado de ouro , vefteas de teíFú 
de prata com matizes azues franjadas de flocos de 
canutilhos de prata , e dragonas bordadas com pri« 
mor , e tudo o mais correípondente ; immeíiiatos 
aos Pagens hiaõ dez Gentis-homens , e no fim o 
feu Meftre-Salla , veít dos com precioíà variedade, 
e capricho , de diverfos eftofos de ouro , e pr^ta , e 
panos riquifllmamente bordados. A toda a família 
do Embaixador acompanhavaõ a pé quarenta La- 
cayos da Gafa Real com a fua própria libré , cada 

hum 



daCaJa %eal Tortug. Liv.VIl. 347 

hum junto ao cavallo , que havia conduzido. Se- 
guiaõ-íe também duas fileiras , que fe formava õ de 
quarenta Lacayos do Embaixador com huma libré 
de pano berne guarnecida degaloens de ouro, com 
hum vivo de veludo azul, os cabos, evefteas azues 
agaloadas de prata, e tudo ornais correfpondente à 
riqueza dos vertidos. O Porteiro , e hum Correyo 
veftidos com a mefma libré, com as diviías das oc- 
cupações : ultimamente o Embaixador montado em 
hum fermoíò cavallo murzello ricamente ajaezado 
com fella, e charel de veludo carmefim bordado, e 
franjado de ouro, e os coldes armados de piftolas, 
entre o Marquez de Almodovar , e o Decano dos 
Gentis homens de Boca , e detraz o íeu Eftribeiro 
da parte direita vertido curtofiírimamente , monta- 
do em hum cavallo daCafa bem ajaezado, e da ou- 
tra parte outro cavallo da peíToa delRey Catholi- 
co à maõ, e coberto com teliz das fuás Reaes Ar- 
mas , levado por hum homem da íua mefma libré. 
Seguia-fe immediatamente o coche delRey , 
em que fora o Marquez de Almodovar , com qua» 
tro Criados da libré da Caía Real , e depois dous 
Sota-Cavalheriços do Embaixador , que precediaõ 
a fete coches , com os Cocheiros , e quatorze Mo- 
cos dos coches , todos com libré uniforme à referi* 
da: o primeiro coche era muy rico, e de bom gofc 
to , de veludo carmefim bordado de ouro com ex- 
cellente debuxo , e bello artifício com primorofas 
obras de bronze , e entalhados dourados , forrado 
Tom.YIII. Xxii de 



348 Hijloria Çenealcgica 

de teíTú de ouro, e prata, delicadamente bordado, 
tirado por quatro frizoens rnurzellos , confoime a 
Pragmática , bem ajaezados de veludo , e ouro 3 o 
fegundo coche era também muy rico, eosdous fe- 
guintes pouco deferiao na riqueza ao fegundo, os 
últimos três em tudo eraõ iguaes no viílofo, e boa 
eleição, com differença dos outros. Depois cinco 
coches ricos , que eraõ do Cardeal de Borja , do 
Núncio de Sua Santidade , do Embaixador de Ale- 
manha , do Embaixador de Hollanda , e do Embai- 
xador de Malta. Entrou o Embaixador com e£ 
te luzidiííimo acompanhamento pela praça do Pa- 
lácio quando dava meyo dia , que fe via chea de 
innumeravel multidão de gente , e paflando por en- 
tre duas alas das Guardas de Infantaria Hefpanho- 
la , e Valona , que cobriaô os feus Orflciaes , dei- 
xando aquelle precifo lugar para paíTar o Embaixa- 
dor, e a fua luzidiííima comitiva. Asjanellas do 
Paço eftavaõ cheas da principal Nobreza ricamen- 
te veftida , e em huma das janellas os Reys , Prín- 
cipe, e Infantes debaixo das vidraças. Nefta for- 
ma entrarão no íâguao do Paço , e depois os co- 
ches delRey , e do Embaixador , apeando-fe nos 
d^graos , que daõ paífo a íèrventia para hum pateo 
cercado de columnas. Defde efte lugar até a fol- 
ia das Guardas de Corpo eRava em duas alas a 
Companhia dos Archeiros , por entre os quaes paÊ 
fou o Embaixador com toda a fua família , a que fe 
aggregaraõ muitos Fidalgos , Miniftros , e Cabos 

de 



da Cafa TZgal Tcrtug. Liv. VIL 349 

de Guerra , e outras pefíbas de diílinçaõ , todos 
Portuguezes , com ricas galas , que efperavaÕ o 
Embaixador , para com aquelle devido cbfequio 
moftrarem o feu refpeito 5 no topo da efcada para- 
rão os Lacayos , e íeguido dos mais , tanto que 
chegou ao ultimo degrao , o veyo receber o Prín- 
cipe de MaíTerano , Capitão da Guarda Heípanho- 
la dos Archeiros , e a poucos paíTos fez o meímo 
recebimento o Duque de Atri , Capitão das Guar- 
das de Corpo Italianas , e depois o Duque de OC- 
íuna, Capitão das Guardas de Corpo Hefpanholas, 
fem embargo de naõ eftar de Quartel. Antes de 
entrar na falia da audiência , o Secretario da Embai- 
xada o Doutor Alexandre Ferreira deu as Cartas 
credenciaes ao Embaixador, e a curta demora che- 
gou o Marquez dela Rocha, Secretario daEftam- 
pilha , a participar , que EIRey Catholico vinha. 
Entrou o Marquez Embaixador na falia da audiên- 
cia , que eftava ornada de ricas tapeçarias , e EI- 
Rey em pé junto a hum bofete, veftido de encar- 
nado, e aífiílido da Corte, e Officiaes da Cafa Real; 
depois de feitas as coftumadas cortezias, a que EI- 
Rey correfpondeo tirando o chapeo , e mandou 
cobrir ao Embaixador , que com a eloquência , de 
que era dotado , deu o recado delRey feu Senhor, 
pedindo a Serenifííma Infanta D. Marianna Vicio- 
ria para efpofa do Príncipe do Brafil , e dandolhe 
as Cartas , EIRey as aceitou com extraordinário 
agrado , refpondendo com vivas expreílbens do affe- 

clo, 



jjo Hl floria (jenealogica 

c~to , com que eftimava efta alliança , e o amcr, 
que tinha ao Príncipe do Brafil , na bca vontade , 
com que lhe dava lua filha para efpofa j o Embai- 
xador depois da fua parte manifeílou a fatisfaçaõ , 
que tinha daquella honra , e de fer elle o menfagei- 
ro de huma felicidade publica .* acabada a audiên- 
cia , íê defpedio com as coftumadas ceremonias , e 
foy conduzido pelo meírno Marquez de Almodo- 
var até o Quarto da Rainha , onde o recebeo o 
Conde de AnguiíTòla , Mordomo da mefma Senho- 
ra , que o conduzio a audiência , ficando o Mor- 
domo delRey no meyo da falia , onde o Embai- 
xador fez a íegunda cortezia. Eftava a Rainha em 
huma galaria riquiíiimamente coberta de tapeça- 
rias , de defenho de Rafael, e no topo da caía 
hum bofete , junto do qual eftava cuílofamente 
veftida , ainda que à Pragmática , com admirável 
adereço de diamantes , e íafiras de grande valor, 
e ao íeu lado a Infanta Dona Marianna Vi&oria: 
e depois do Embaixador expreílàr elegantemente 
com brevidade os motivos da fua commiíTaõ , quan- 
do proferio, que vinha naõ menos, do que a pe- 
dir aquella belliííima Infanta , que Sua Mageíladc 
tinha ao íeu lado , a eftas palavras fe enterneceo a 
Rainha , cedendo a Mageftade ao amor , e carinho 
da natureza , e lhe refpondeo com efpecial agrado , 
moftrando o grande gofto , com que admittia a pro- 
pofta , e que defejava a fua prompta execução ; e 
fazendo hum reverente cumprimento à Sereniíiima 

Infan- 



da Cafa T^eal Tortug. Liv. VIL 351 

Infanta , ella com a viveza , e promptidaõ , com que 
a natureza a dotou , anticipando a difcriçaõ aos an- 
nos , pedio à Rainha , que refpondeffe ao Embaixa- 
dor. Acabada a audiência , a teve do Príncipe das 
Afturias , e do Infante D. Carlos , e da mefma In- 
fanta , a quem o Embaixador beijou arcuõ já como 
a Princeza do Brafil , e depois foy conduzido ao 
quarto do Infante D. Filippe , e do Infante Dom 
Luiz , e ultimamente ao da Infanta Dona Therefà. 
Acabadas as audiências pelas duas horas da tarde, 
íè recolheo o Embaixador no coche delRey , em 
que entrou o Marquez de Almodovar , e o Conde 
de Villa- Franca , e Decano dos Gentis-homens de 
Boca , e acompanhado da fua luzida comitiva , fe- 
gnido do coche de refpeito da fua psííóa , e dos 
mais , em que hia a fua família , fe recolheo à fua 
caía por entre hum grande numero de gente , e de 
reclamações populares. 

No dia 27 do referido mez fe outorgou na pre- 
fença dos Reys Catholicos o Tratado do Matrimo- 
nio do Príncipe do Brafil com a Infanta de Heípa- 
nha com toda aquella formalidade divida àquelle 
a&o , a que affiíliraõ , os que foraõ nomeados para 
teftemunhas , e outros muitos Grandes , e Officiaes 
da Cafa Real. Efta noticia fe participou logo por 
hum Expreífo a noíía Corte , pelo que no Domin- 
go 4 de Janeiro de 1728 concorrerão ao Paço to- 
dos os Tribunaes , Grandes , e peííbas de diítinçao 
a beijar a maõ a Suas Mageftades , e Altezas. E 

por 



3 J 2 Hijloria Çtnealogica 

por Decreto efpecial concedeo EIRey à Academia 
Real da Hiftoria as prerogativas de Tribunal para 
que entraílè com elles na mefma forma , os quaes 
entrarão fem preferencia , conforme chegava cada 
hum dos Corpos dosTribunaes. EIRey eftava com 
o Príncipe , e o Infante D. António , todos em pé 
debaixo do docel junto ao bofete, e os Grandes, e 
Officiaes da Caía Real nos lugares , que lhe com- 
petiaõ. Do quarto delRey foraõ ao da Rainha, 
com quem eftavaõ os Infantes D. Carlos , D. Pe- 
dro , e D. Alexandre , e a Infanta D. Maria. Na 
noite houve luminárias em toda a Cidade, repiques 
de finos , e três deícargas de artilharia de todas as 
Fortalezas , e Torres da marinha , o que íê fez por 
três dias , e íê paílaraõ ordens para íê feftejar na 
mefma forma por todo o Reyno efta feliz alliança. 
A Academia Real teve depois a honra de ter audi- 
ência na prefença das peííòas Reaes , no dia 1 5 do 
referido mez , e em nome da Academia o Marquez 
de Valença recitou hum eloquente Panegyrio aos 
defpoíòrios do Principe. 

Já deixamos referido como as Mageftades Por- 
tuguezas, e CathoHcas íê aviftaraõ no rio Caya, e 
fe trocarão as Princezas no dia 1 9 de Janeiro do an- 
no de 1729 , e que nelle entrou em Elvas a Prince- 
za D. Marianna Vicloria, onde nafua Cathedral íê 
celebrou com grande folemnidade a função dos íêus 
defpoforios com o Principe do Brafil , ceremonia , 
que executou o Patriarca com grande pompa. Naf- 

ceo 



da Cafa ^eal Tortug. Liv. VIL 3 J 3 

ceo em huma quinta feira a 31 de Março de 171 £, 
filha delRey Catholico D. Filippe V. e da Rainha 
D. Ifabel Farneíè , fua fecunda mulher. Naõ con- 
tava ainda onze annos deidade, mas muitos de per- 
feições j porque a natureza com liberal prodigalida- 
de a adornou com tal belleza , e com tantos dotes 
na prefença , como na alma , porque fobre graça 
natural, viveza, agrado , benignidade , difctiçaõ , 
e generofidade , ajuntou huma applicaçao, e gof- 
to da liçaõ dos livros , que he hum dos íeus mayo- 
res entertenimentos , como também o he a Angéli- 
ca arte da Mufica , que exercita com fingular efty- 
lo, e prodigioíà gala, enamefma forma a bizarria, 
e grande ar no baile , naõ fendo menor no campo 
a deftreza com a efpingarda , de íòrte , que todas 
aquellas partes, dignas da fua Real peííba, executa 
com admiração , caufando-a ainda mayor na flor da 
idade a devoção , piedade , e Religião , em que íe 
exercita , porque o tempo também nella he fem« 
pre utilmente empregado com admiração da fua fa- 
mília , porque ou feja lendo , ou bordando , o que 
executa no ultimo primor da arte , em muitos , e 
diverfos modos de lavores, e com outras íèmelhan- 
tes occupações , defterrando o ócio, logra diftribui- 
do louvavelmente o dia \ parece que fe unirão as 
virtudes nefte Real conforcio, abençoando-o Deos 
de maneira , que deíía Real unia5 tem havido até 
o prefente a fucceíTaõ íèguinte : 

21 A Sereníssima Senhora Dona Maria 
Tom. VIII. Yy Fran- 



354 Hi floria (genealógica 

Fr.ancisca Isabel Josefa Antónia Getrudes 
Rita Joann\ , nafceo a 17 de Dezembro de 1734 
em huma feda feira às féis horas da tarde com fe- 
liciílímo fucceíío. EIRey íêu avô a declarou Prin- 
ceza da Bzira , em quanto naõ tiveííè filho varaõ o 
Príncipe do Brafil. Tanto , que a Princeza nafceo , 
a tomou a Rainha fua avó nos íeus braços , e de- 
pois de enfaxadi paííòu aos do Príncipe feu pay , 
que junto com EIRey entrarão no Oratório, que 
fica immediato à Camera da Princeza , e com gran- 
de devoção renderão a Deos as graças , ofíèrecen- 
dolhe com humilde piedade aquelle mefmo pre- 
cioíò dom , que acabavaõ de receber da fua Divi- 
na clemência. Depois foy levada a Princeza fua 
may, e logo foy declarada para Aya a Camereira 
môr D. A.nna de Lorena , e por Dama D. Marian- 
na de Mendoça , filha dos terceiros Condes de Vi!- 
la-Flor. Foy geral o contentamento da Corte , e 
do Povo , e fe celebrou com as coftumadas folemni- 
dades com luminárias, repiques dos finos, e defcar- 
gas da artilharia por três dias , na forma , que íe fe£ 
tejaõ os nafcimentos das peíloas Reaes. EIRey 
defpedio logo hum PoílilhaÕ com a noticia aos 
Reys Catholicos, e depois com o Príncipe, e Se- 
reniííimos Infantes D. Carlos , D. Pedro , D. Fran- 
ciíco , D. António , e D. Manoel , deu audiência 
ao Marquez de Capecelatro , Embaixador delRey 
Catholico , que foy a darlhe os parabéns , e imine- 
diatamente toda a Corte , que eílava prefcnte , te- 
ve 



da Cafa Tical Tortug. Liv.VIL 355 

ve a honra de beijar a mao a EIRey. No dia íê- 
guinte b:ixou a Patriarcal em publico a render a 
Deos as graças , e aíííítiraò todos à MiíTa cantada , 
que era da fefta de Nolla Senhora da Expectação, 
e pregou o Padre Ignacio Ribeiro , da Companhia, 
e depDis o Patriarca entoou o Tc Deum , e acabada 
a feiliv'idade fe recolheo EIRey ao feu quarto, en- 
contrando por todas as caías do Paço hum grande 
numero de Nobreza , e peílbas de diílinçaõ , e os 
Tribunaes, que todos tiveraõ aviíb para lhe beija- 
rem a maõ. Foy bautizada a 9 de Janeiro do an- 
no fêguinte pelo Patriarca , aíMido do íèu Colle- 
gio , e das mais Ordens da Santa Igreja de Lisboa , 
fe executou com grande pompa. È principiando o 
acompanhamento , na forma do ceremonial da nof- 
ía Corte , pelos Reys de Armas , e Porteiros da 
Maça, Grandes, e Officiaes da Cafa , levarão as 
iníignias , o Duque de Cadaval , Eftribeiro mor, o 
Cino, o Duque de Lafoens a Vefte Cândida , e o 
Marquez de Alegrete Manoel Telles da Sylva, 
Gentil-homem da Camera delRey , o Maçapaõ; o 
Marquez deCafcaes D. Manoel deCaftro, Gentil- 
homem da Camera delRey , fervia de Mordomo 
môr ; fèguiaõ-fe ultimamente diante do Paleo osSe« 
reniíTimos Infantes D.Manoel, D. Anconio, Dom 
Franciíco , Dom Pedro, D. Carlos, e o Principe, 
acorapa mados dos feus Gentis-homens da Camera, 
e Veadores , e debaixo do Paleo EIRey , a Rainha, 
e a Princeza da Beira , que levava nos braços , re- 
Tom.VIII. Yyii vertido, 



3 5 £ HiUcria Cjenealogica 

veílido de opa rica , o Marquez de Niza D. Vaíco 
da Gama , Mordomo mor da Cafa da Princeza do 
Braíil ; levara5 as varas do Paleo o Marquez de Tá- 
vora Francifco de Aííis e Távora , o Marquez de 
Angeja D. António de Noronha , o Conde de San- 
tiago , Apoíentador mor , Aleixo de Souía de Me- 
nezes , o Conde de Coculim D. Filippe Mafcare- 
nhas , o Conde de Unhaõ Rodrigo Telles , o Con- 
de de Villa-Nova D. Pedro de Lencaftre, o Con- 
de de S. Vicente Manoel Carlos da Cunha de Tá- 
vora , o Conde de S. Miguel Thomás Botelho de 
Távora ; e immediata ao Paleo hia a Senhora In- 
fanta D Franeifca , aquém levava a cauda D. Vio- 
lante Caílmira deMendoça, Senhora de Honor, e à 
Rainha a Marqueza de UnhaÕ , fua Camereira mor, 
e D. Anna de Lorena , Camereira mor da Prince- 
za do Braíil, fervia de Aya, porque naõ quiz, que 
fua filha tiveííè outra ; e afíim o ficou fendo das ou- 
tras Sereniflimas Infantas, que depois fe feguiraõ, 
como logo diremos. Acompanharão todas as Da- 
mas da Rainha , e Princeza , e Senhoras de Honor. 
Era grande o concuríb do povo por toda a parte do 
Paço. Entrarão as Mageftades na Santa Igreja Pa- 
triarcal , onde eíperava o Patriarca , que lhe deu 
agua benta na forma coftumada: debaixo da Tribu- 
na eílava armado hum leito , dentro do qual efiava 
a mulher, que dava de mamar à Princeza, para on- 
de o Marquez de Niza a levou , a quem aíMiao a 
fua Aya , e Dama Camariíla , e Veadores da Cafa 

da 



da&faltealTortug. Liv.VIL $$J 

da Princeza. Depois dos Reys , e Infantes faze- 
rem oracaõ ao Santiííimo Sacramento , tomarão os 
feus lugares , que erao debaixo de hum grande do- 
cel de veludo carmefim , guarnecido de galoens , e 
franjas de ouro , em que eftavaó nove cadeiras , em 
que íe fentaraõ as Mageílades , e Altezas, e o Pa- 
triarca no feu throno com a quadratura do íèu Col- 
legio, na forma praticada. Bautizou o Patriarca à 
Princeza, de quem foy Padrinho EIRey íèu avô, 
e Madrinha a Rainha Catholica fua avó , tocando 
com Procuração fua a Infanta D. Franciíca , e aca- 
bado de íe conferir o Sacramento , fe recolherão os 
Reys com a mefma ordem, com que tinhaõ vin- 
do. 

A natureza a dotou taõ liberalmente ; que nel- 
Ia empregou todos os dotes da mayor perfeição j 
porque fobre fermofura prodigiofa , logo começou 
a dar a conhecer quaes eraõ as virtudes , de que fe 
adornava , porque aos dezaíète mezes da fua idade 
começou a fallar com taõ clara expeíiàõ, que naõ 
era dicjuella tenra idade ; ao mefmo tempo fe lhe 
vio dar attençaõ à MiíTa com tal feriedade , que 
caufjva huma paímofa admiração a toda a família , 
que lhe afíkle, e como naõ lhe era neceííàrio o tem- 
po para fe adiantar na idade , porque parece íe lhe 
anticipou o ufo darazaõ , logo fe applicou a fe ins- 
truir nos Myílerios da noífa Santa Fé , porque naõ 
tendo mais , que dous annos , fabia com perfeição 
toda a Doutrina Chriftãa 3 que comprehende o Ca- 

thecif- 



358 Hijlorla Çenealogica 

theciímo; e aos três da fua florida idade, recitava 
já com reflexão o Symbolo de Santo Athanafio, o 
Te Deum , Magnlficat , e outras muitas Orações na 
lingua Latina : quando tinha comprido quatro lia 
perfeitiíTimamente as linguas Portugueza , Caílelha- 
na , ena Latina recitava o Officio deNoíTà Senho- 
ra devotamente attenta : de forte , que em tudo bri- 
lha huma efcondida moçaõ de graça íbbrenatur 1 , 
que confunde aos que lhe aíMem : em pouco efpa- 
ço de tempo depois íbube a lingua Franceza, naõ 
fó entendendo-a , mas vertendo-a na própria com 
energia ; aííim aos cinco annos entrou a aprender a 
lingua Latina : quaes feraõ os progreílòs , onde os 
princípios faõ prodigiofos ! 

Neftas íublimes virtudes refplandece huma na- 
tural manfidaõ de animo , huma viveza raramente 
vifta , hum agrado taõ benigno , que he inexplicá- 
vel , fem que por elle íè diminua a mageílofa gra- 
vidade de Princeza , hum modo de fallar com di£ 
criçaõ , refle&indo no que diícorre fentenciofa , e 
agradavelmente , fendo a liçaÕ dos livros , a que íe 
applica com goílo , hum dos íeus mayores diverti- 
mentos , e taõ grande a memoria , que aos três an- 
nos da fua idade , na celebração dos annos delRey 
íèu avô , na preíença da Corte , lhe repetio huns 
Epigrammas Latinos, aprendendo-os fem trabalho, 
porque lendo-os fomente duas vezes, lhe ficarão, 
os quaes recitou com tanta graça, e bizarria, como 
defembaraço, e confiança, o que depois continuou 

fempre 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL 3 5 p 

fempre em íêmelhante dia , e no do nome de ícu 
Augufto avò. E ia prodigiofa memoria he acom- 
panhada de ig ! al retentiva , e com huma compre- 
henfaõ jujicioía. , de forte , que naõ íó dá noticia , 
do que leo, mas com íuperior talento fabe reíervar 
o precioíb das noticias , fervindo-le delias para as 
applicar compropriedade nasoccafioens, que fe of» 
ferecem , porque tudo obra com fingular reflexão ; 
e aííim faõ paímofas as fuás repoílas , porque naõ 
podem fer , fenaõ nafcidas de profunda meditação. 
Todos eltes prodígios da natureza , que nella fe ad- 
miraõ , faõ eífeitos da graça de hum fublime eípi- 
rito , que domina na fua bella alma , e naõ porqwe 
com trabalho o adquiriííè por a applicarem ; por- 
que o delicado da fua conftituiçaõ naõ dava lugar , 
a que o attento cuidado , com que a fua Aya aííif- 
te à fua educação, permitiííè , a que fe applicaííèj 
antes de ordinário lho evita , porque lhe feria no- 
civo a faude. E finalmente deíla prodigiofa Prin- 
ceza , cujos dotes da natureza faõ iguaes aos da al- 
ma , porque a devoção , e cuidado , com que fe em- 
prega na adoração dos Myíterios dancíTa Santa Fé, 
tranfcende a mayor explicação ; aííim naõ queren- 
do oífender a fua modeília , o tempo virá a íèr o 
pregoeiro do refpeitofo fiiencio , que profeílàmos. 

21 A Sereníssima. Senhora Infanta Dona 
Maria Anna Francisca Josefa Antónia Ge- 
trudes Rita Joanna, naíceo a 7 de Outubro do 
anno de 1756 , e foy celebrado o feu nafcimento 

com 



360 Hijloria Çenealogíca 

com todas as demonftrações de gofto , que já refe* 
rimos em ília primeira iimaa. Foy bautizada cora 
grande pompa pelo Patriarca em hum Domingo 
2i de Novembro do meímo anno , fendo feu Pa- 
drinho EIRey Catholico D. Filippe feu avô , e 
com Procuração fua o Infante D. Pedro , e Madri- 
nha a Rainha de Portugal fua avô ; foy levada nos 
braços de D. Carlos de Menezes, Veador da Caía 
da Princeza , por impedimento do íèu Mordomo 
mor , e hia com opa rica debaixo de Paleo , de que 
levarão as varas o Marquez de Alegrete Fernão 
Telles da Sylva , o Conde de Villa-Nova D. Pedro 
de Lencaftre, o Conde de S. Vicente Manoel Car- 
los da Cunha e Távora , o Conde de S. Miguel 
Thomás Botelho de Távora , o Conde das Galveas 
António de Mello de Caftro , o Conde da Ericeira 
D. Luiz de Menezes , o Conde de Valadares D. 
Miguel Luiz de Menezes , o Conde de Atouguia 
D. Luiz Peregrino de Ataide , e as infígnias , o Du- 
que de Cadaval , Eftribeiro môr , o Cirio , o Duque 
de Lafoens a Vefte Cândida , e o Marquez das Mi- 
nas D. António Caetano de Souíâ oMaçspaõ. A 
natureza obfcquioíã a dotou de tanta viveza , como 
graça , ornando-a de agradáveis partes , e hum en- 
genho luzido , de forte, que começou a ler de muy 
tenra idade , e a dançar com tanta galantaria , que 
parece , com virtuofa emulação , quer feguir as ex- 
celfis virtudes , que íè contemplaò na prodigioíà 
Princeza fua irmãa , aífim arrebatando o carinho 

de 



dtCafafyalTortug. Liv.FlI. 3*1 

de (eus Ser. niííimos pays , logra igualmente as at- 
tençóes de feus Auguílos avós , lèm que firva de 
fobornp o Real ia igue ; porque as virtudes , que 
nela fe divifaõ , faõ hum at, activo da admiração de 
toJos os que tem a honra de lhe aífiftirem. 

21 A Sereníssima Senhora Infanta Dona 
M \ki\ Francisca Dorothea Josefa Antónia 
Gltrudes Rita Joanna Efigenia , nafceo em 
21 de Setembro de 1759, íendo o feu nafcimento 
celebrado com todas aquellas expreííbens degoílo, 
çoílumadas nos nafcimentos Reaes $ na Santa igre- 
ja Patriarcal íe cantou o Te Deum com grande Co- 
lemm Jade , eftando EIRey , e as peíToas Reaes na 
Tnbuna. Foy bautizada com Real pompa pelo 
Cerceai Patriarca a 15 de Dezembro do referido 
anno , íènJo feu Padrinho o Emperador Carlos VI. 
e Madrinha a Duqueza de Parma Dorothea deNeu- 
bourg fua fegunda avó , e com Procuração de am- 
bos tocou o Sereniílimo Infante D Pedro feu tio, 
fendo levada nos braços do Conde de Alvor Ber- 
nardo Filippe Neri de Távora , Mordomo mor da 
Princeza fua mãy, reveftido com opa rica debaixo 
de Paleo , de que levarão as varas o Marquez de 
Cafcaes D. Luiz Alvares de Caílro , o Marquez de 
Angeja D. Pedro de Noronha , o Conde de Villa- 
Kova D. Pedro de Lencaftre , o Conde de S. Vi- 
cente Manoel Carlos da Cunha de Távora , o Con- 
de de S. Miguel Thomás Botelho de Távora , o 
Conde da Ericeira D. Luiz de Menezes , o Conde 
Tom.VIIL Zz de 



3^2 HiHoria (genealógica 

de Valladares Dom Miguel Luiz de Menezes , e o 
Conde de Atouguia D. Luiz Peregrino deAtaide. 
Levarão as infignias , o Duque de Lafoens D. Pe- 
dro de Bragança e Soufa o Círio , o Marquez de 
Alegrete Fernão Telles daSylva a Vefte Cândida, 
eD.Joaõ de Bragança de Ligne o Maçapaõ , pre- 
cedidos de todos os Grandes , Officiaes da Caía da 
Princeza, e daquellas peílbas, que tem lugar emíe- 
melhantes funções. Os Reys aíMiraÔ na Tribuna 
com aspeíTòas Reaes. No dia 17 do referido mez 
a Rainha fua avó , e a Princeza fua may a levarão 
à Igreja da Cafa Piofeíla da Companhia a offerecel- 
la ao gloriofo S. Francifco Xavier , ccmo já haviaô 
feito com fuás irmãas , devoção , que a Rainha 
fempre praticou com íeus filhos , e já o havia com 
devotiíílma piedade executado com todos os feus 
fua gloriofiílima vifavó a Augufta Rainha Dona 
Maria Sofia de faudofa memoria , como deixamos 
efcrito. Nella íè contempla em tenra idade hum 
prodígio da natureza , moítrando na Real Infanta 
huma das mais belias, e primorofas producções do 
feu incomparável poder. Eftas belliífimas copias, 
com que a natureza ornou felizmente a noíía Cor- 
te , fao as meímas , que augmentaõ as noíTàs efpe- 
ranças de em breve produzirem hum Príncipe fuc- 
ceíTor das heróicas virtudes de feus Auguftos pro- 
genitores. 



A Prin- 



EIRey Dom 
Filippc V. de 
Caftella, nafV^ 
eco a ipde 1 
c f 



Luiz de França, - 
DelBm de Vie- 
na , n. no i. de 
Novembro de 
166 1 , t- a 14 
de AbnJ 17 ii. 



LuizXlV.Reyde" 
( França c Navarra, 

V o Grande, n. a 5 
\ de Sct. de 16585 

V + no l. de Setem- 
bro de 1 7 1 5. 
A Rainha D. Ma- 1 
ria Therefa de Au- 
ftria, + a 2,0 de 
Julho de 1683. 



Luiz XTII. Fey de 

Franç. n.a 27 deSet. 
( de 1601,+ a I4de 

Mayo de 1643. 
1 A Rainha D. Anna 
,de Auftria , + a 20 

deFevcr. de 1666. 



5 6 5 

Henrique IV. oGrr.rde, Rcy da 
França, + a 14 de Mayo de 1610. 
A Rainha Maria de Medicis, +a 3 
de Julho de 1642. 
D. Filippe III. Key de Caftella, n. a 
14 de Abril de 1578, + tm 1621. 
A Rainha D. Margarida de Auftria, 
+ a t, de Outubro de 1 6 li , filha 
do Archiduque Carlos. 

D.Filippelil. Rcy de Caftella. 



D. Filippe IV. Rey 
de Caftella , n. a 8 Ç 
de Abril de 1605, 3 

1 deY/f/ 6 SetCmbr ° £ A R ain « a D. Margarida de Auftria. 

A Rainha D. Ifabel 
"de Borbon , + a 6 
deOjtub.de 1644. 



Henrique IV. Rey de França. 



Dezcmbrode 
1685. 



/A Delfina Ma- 
narina Chrirtma 
Viftona de Ba- 
viera, + a 2 o de' 
Abril de IÔ"go. 



^ 



A Prinre- 

Í- a D. Ma- 
iima Vi- 
toria , 
K?lher do 
rr ncipe 
D. jo.eph. 



( Fernando Maria , 
Duque de Ba viera, 
Eleit. do Império 

, n. a 2, 1 de Oatub. 

'de 161,6)+ a 27 

| de Mayode 1(5 79. 

r A Eleitriz Adelai- 
da de Saboya, + 

, a ! H de Março de 
1676. 




Maximilianol. Elei- 
tor , Duque de Ba- 
viera, na lc. a l7de 
Abril de 1 5-73 , + a 
16 de Sci.de 1651. 
A Eleitriz M;na de 
Auftria , + a 2 5 de 
Setembro de 1651. 

Viíror Amadeo Du- /- 
que<.-e Saboya , n. a \ 
H Je Mayo de 1587,") 
) + a 7 de Outubro £ 
»deirí}7. ■ _ 

f A Duq. Chriftina de 
*"" Burbon , + a 27 de 



A Rainha Maria de Medicis. 

Guilherme V. Duque de Baviera , 

n. em i 548 ,+ a 7 de í ev. 1616. 

A Duqueza Renata de Lorena, filha 

deFranciíco Duque de Lorttm,+ 

em [Ví<jyodL- 1 601, 

Fernando il. Empcr n. a 5 de Julh. 

de 1 5 ; 8 , + a 15 de Fe v, de > 6 ., 7. 

AEmperatrizM.iria ce Baviera, + 

a 1 8 de Maiçode t6t6. 

Carlos Maneei , Duque de Saboya, 

+ a z6 de Julho de irt^c. 

A Duqu^ Catharina Mie ha eia de 

Auftria , filha de D. Filippe íí. tf ey 

de Caftella, + a 6 de Nov. de 1 59/. 

Henrique IV. Rey de França. 



Dezemb.de 1663. /A R ai "ha Maria de Medicis. 



/^Duarte Farnefe, 

\ Príncipe de P«r- 

\ ma , n. a 1 2 de 

\ Acoito de 1666 

A Rainha D. \ +a 5 deSerem- 

llabel Farne- Vbro deió^^. 

íe, n. a 2 5 de | 

Outubro de ^/ 

1692. 



A Princeza Do- 
roíhea Sofia dei 
'Baviera. 



'RaynucioFamefe,. 

Duque de Parma 
e Placencia , n. ai 
1 7 de Dezembro 
.de 1650 , + a 8 
'de Novembro de 
1604. 

A Duqueza Ifabel 
'dcEfte, + 1666. 



t Filippe 

Conde 

Eleit. do Império 
^n. a 2 5 deNov.de 

i C> I ? , +■ a 2 de 
jSetemb. de \(><jo. 

A Eleitriz J' I 

Amália de Hcllc 
, i 'nimftad, + a 4 

deAgofto 17C0. 



I 



Tom.VIII. 



Raynucio IV. Duq. de Parma , n. a 
4deMcrçode i5f)Q, + em 1622. 
A Duq. Margarida Aldobrandina, 
filha de Jcao Francifco , Príncipe 
Carpuganano,+em \6/\6. 
Coime II. Graó Duque deTofca- 
na, + cm 28 deFever.de 161 1. 

A Duq. Magd:lena de Auftria, fi!h. 
de Carlos Archiduque. + cm 1 6 3 l . 
Afvonío Vil. Duq. de Modena , n. 
em 11 5 o 1 , + a 2 ? de Máyo 1 644. 
A Duqueza Ifabei de Saboya , + ern 
1626, filha de Carlos Manoel, Du- 
que de Saboya. 

Raynucio Farnefe, IV. Duque de 
Parma. 

A Duqueza Margarida Aldobran- 
dina. 

Filippe Duque de Baviera , e Neo- 
bourg, + a 2 de Agofto de 1614. 
A Duqueza Anna de Cl ves } filh.de 
Guilherme , Duqu I ,&c. 

Guilherme V. 1 . Baviera, 

+ a 7 de Fevereiro de 1626. 
A Duqueza Renata de Lorena , + a 
2 3 de Mayo de i6"C2. 
LuizI. Land • Refle Datrrt- 

ílad , +a2 7 de Julho de 1626. 
A Landgr. Ma j e . 

bourg , + a 1 4 de Mayo de- 1 6 1 C. 

-Joaó Jorge í. Eleitor, e Duque de 
n a + a 2 oe Julho ^ Saxon , a f + . g de ()u , dc \ 

C'2 de Fevereiro de 1650. 

Zzii CA PI- 



Duarte , Duque de 
.Pama,&c. n. a 28 

de Abril de 16)2, 
\ + à io de Seiembio 
ide 164.6. 

A Duqueza Marga- 
■ rida de Medicis, 4- a 

5 deFev. de 1679. 

FrancifcoVlII.Du-r 

que de Modena , e J 
( Re^io , + a 1? de) 
Outubro de 1658. C 
A Duqueza Maria ç 
Farnele, + a 16 de S 
Junho de 1646. \ 

Wolfango Wilhelm. r 

- Duque de Baviera, ^ 

Wilhelmo,\ »• a ^9 de Outubro ^ 

Palatino , .) de « 5 7 8 , + a 2 o de C 1 

Março d: 165-^. ç 

A Duqueza Âla^da- \ 

lena de Havicra , + > 

tm 1628, I. mulh. (_ 

Jor^e II. Landgrave \ 1 
de Helle Darmi ad."j 
1 A Landgravína So- ^ 
fia Leonor de S 



J 




J.rhu.U ^ 



CAPITULO VIII. 

Do Sereniffimo Senhor Infante D. Carlos» 

Sereníssimo Senhor Infan- 
te Dom Carlos nafceo em 
Lisboa a 2 de Mayo de 1716, 
foy logo bautizado pelo Car- 
deal da Cunha , CapelLõ môr, 
e Inquifídor Geral , fendo íêu 
Padrinho o Infante D. Antó- 
nio íêu tio, e Madrinha a Infanta D. Alaria Barba- 
ra fua irmãa. Celebrou-fe ofeu nafcimento na Cor- 
te com as coílumadas demonílraçoes , veftinco fè 
todos de gala : beijarão os Grandes , Fidalgos , e 
Miniftros dos Tribunaes amaõ aEIRey, que paf- 
fou a Capella Real , onde fe cantou o Te Deum. 

Depois 




$66 Hijloria Çenealoglca 

Depois em hum Domingo 7 de Junho fe fez a ce- 
remonia de lhe pôr os Santos Óleos , que adminif- 
trou o Cardeal da Cunha , aíTiílido do Cabido da 
inflgne Collegiada de S. Thomé , e dos Bifpcs de 
Leiria, Angola, e Tagaíle , rodos reveftidos em 
Pontifical. Levarão asiníignias, o Senhor D. Mi- 
guel o Saleiro , o Duque D. Jayme o MaçapaÔ, o 
Marquez das Minas D. António Luiz de Souía o 
Cirio , o Marquez da Fronteira a Vefte Cândida , 
e o Marquez de Caícaes D. Luiz Alvares de Cas- 
tro a Toalha , e em ulrimo limar hia o Infante D. 
António , e a Infanta D. Maria Barbara , que erao 
os Padrinhos. Ao Infante levava nos braços Dcm 
Chriftovaõ Joíèph da Gama , Veador da Caía da 
Rainha, que eítava de íemana , por impedimento 
do Duque Mordomo mor , hia debaixo de hum 
Paleo , de que levavaõ as varas os Marquezes de 
Alegrete , Marialva , de Cafcaes Dom Manoel de 
Caftro , o Marquez de Valença , os Condes de 
Aveiras, e dos Arcos, feguindo-fe depois do Paleo 
as Damas , e Senhoras de Honor , acompanhando a 
Infanta com a coftumada formalidade , com que íe 
executaõ femelhantes funçues. 

Creou-fe o Infante com as admiráveis maxi- 
xas da Rainha fua mãy , porém logo começou a 
fentir faltas na faude a natureza , que o adornara de 
bella proporção , gentil prefença , benigno , agradá- 
vel , vivo , com admirável comprehenfao , e génio 
para os eftudos, e com huma natural inclinação aos 

livros , 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL $6y 

livros , porém a tudo íe oppunha a falta de faude: 
com tudo, levado da fua boa inclinação, naõ dei- 
xava em algumas vagantes , que as moleftias lhe 
permittiaõ , de íe applicar. AíTim efcreveo com 
muita curiofidade , e aceyo , foube Arithmetica 
fufficientemente , teve conhecimento da Esfera, e 
da Geografia, para acompanhar a Hiftoiia, de que 
muito fe deleitava , mandando-a ler no tempo, que 
naõ podia ter applicaçaõ própria. Teve propen- 
íâõ para a Mufica , e ainda com tanto embaraço 
de faude chegou a tocar com deílreza huma viola , 
com que também pertendia divertiríe dos trabalhos 
das fuás queixas. Fazendo grande gofto da con- 
verfaçaõ íéria , e reflectindo com maduro juizo nas 
coufas , que eraõ dignas de ponderação, elevando- 
fe de fo te neíle divertimento , que naõ quês ia , que 
em femJhantes occafioens o perturbaílèm , ainda 
para coufas precifas : mas augmentaraõ-fe de forte 
as queixas , nafeidas de huma afma feca , que per- 
turb?ndolhe a applicaçaõ, nos privou de hum eru- 
dito Príncipe , porque continuando as queixas , de- 
pois de ter fupportado diveríbs accidentes daquelle 
mal , e mudando por diverfas vezes de fitio nas vi- 
finhanças de Lisboa , e a Cafcaes , para o grande 
Palácio , que tem os Marquezes daquella Vilía , 
donde vinha tomar os banhos do Eftoril , que naõ 
eftaõ muito diftantes , mas crefeendo a queixa o 
poz no ultimo perigo delia , veyo a acabar , tendo 
recebido os Sacramentos com grande devoção , e 

ediíi- 



368 Hijloria (jenealogca 

edificado a todos na conftancia, com que /èrefígnou 
na vontade de Deos , e com repetidos actos de Fé 
implorava a fua mifericordia , que piamente enten- 
demos alcançou no dia de Seíla Feira Mayor 30 de 
Março do anno de 1736 à huma hora menos cinco 
minutos daquelle dia , contando de idade dezano- 
ve annos , dez mezes, e vinte e oito dias, e íêndo 
enterrado com Real pompa , jaz no Mofteiro de 
S. Vicente de Fora. 




CAPI- 




CAPITULO IX. 

T)o Serenijfimo Senhor Infante T)om Tedro. 




A Cdáde de Lisboa em huma 
fegunda feira pelo meyo dia 5 
de Julho do anno de 1717 vio 
o Sercniííimo Infante D- Pe- 
dro a primeira luz , com feli- 
ciííimo fucceííò da Rainha fua 
mãy, a quem EIRey na ma- 
drugada do mefmo dia veyo affillir da Quinta de 
Pedrouços , onde entaô eílava. Toda a Corte de 
gala acodio ao Paço a beijar a maõ a EIRey, que 
de tarde aííiftio na Santa Igreja Patriarcal ao Te 
Deum , que fe cantou com folemnidade. Ap« 
plauc^io-fe o feu nafcimento com todas as demonÊ 
Tom.VIII. Aaa tia- 



370 Hi floria Çenealogica 

trações de goíto , praticadas nos Reaes nafcimen- 
tos. 

Foy bautizado em hum Domingo 29 de Agof- 
to com o nome de D. Pedro Clemente Fran- 
cisco Joseph António. Bautizou-o na Santa 
Igreja Patriarcal o Patriarcha D. Thomás de Al- 
meida , do Confelho de Eílado , de Sua Mageíta- 
de , e íèu Capellaô mor , afliftido dos Cónegos da 
Santa Igreja reveftidos em Pontifical. ForaÕ Pa- 
drinhos o Papa Clemente XI. e a Sereniííima Se- 
nhora Infanta D. Maria Barbara fua irmía , e com 
Procuração de ambos aííiftio a eíle acto o Sereni£ 
íimo Infante Dom António. Foy levado nos bra- 
ços do Duque de Cadaval D. Nuno debaixo de Pa- 
leo , em cujas varas pegarão os Marquezes de Ni- 
za D. Vafco da Gama , o de Marialva D. Diogo 
de Noronha , e o de Caícaes D. Manoel de Caftio, 
os Condes dos Arcos D. Marcos de Noronha , o da 
Ribeira Grande D. Jofeph Rodrigo daCamera, e 
o de Santiago Aleixo de Soufa da Sylva. As iníig- 
nias levarão , o Senhor D. Miguel o Saleiro , o Du- 
que de Cadaval Dom Jayme o Maçapaõ , os Mar- 
quezes das Minas Dom António Luiz de Soufa a 
Vela , o de Fronteira D. Fernando Mafcarenhas a 
Vefte Cândida, todos do Confelho de Eílado , e o 
das Minas D. Joaõ de Soufa , do Coníèlho de Guer- 
ra, a Toalha para purificar. Na Tribuna aííiítirad 
as Mageílades a efta função , que íe celebrou com 
grandiííima magnificência , aflim pela aíliftencia do 

Cabido 



da Cafa T^al Tartug. Lh. VIL 371 

Cabido da Santa Igreja , revertido de Veftes Sacras 
com Mitras , como pela de coda a Nobreza da 
Corte com muito luzimento. Na noite > íègundo 
o co.Uime, íe puzeraò luminárias em toda a Cida- 
de , e houve falvas de artilharia em toda a Marinha. 
No Terreiro do Paço aíFiftiraó os Regimentos de 
Gwallaria , e Infantaria , e deraõ também três fal- 
vas. No fim do referido mez a Rainha fua may, 
acompanhada da Infanta D. Franciíca , foy à Igreja 
de S. Roque a ofTerecello ao Santo Xavier , como 
já fizera a feus irmãos , porque todos os feus filhos 
eraõ verdadeiros frutos da fua devoção. 

A natureza o ornou de gentil preíença , e de 
efclarecidas virtudes , porque rielle brilha em fuave 
génio , benigna condição , e moftrando , que he 
verdadeiro fruto de feus Auguftos Pays , parece fiel 
copia de feu Real , e Sereniííimo irmaõ ; porque 
fjndo educado pela íábia direcção da virtuofa Rai- 
nha fua mãy , confcrvou todos os diclames, que lhe 
foraõ infinuados nos primeiros annos. De forte, 
que nelle lê vè o culto , e veneração da Religião 
Catholica , a devoção , piedade , generofidade , e 
outras excelias virtudes, que exercita fèrn artifício, 
nem arreclaçaõ. Nao fendo menos applicado às 
fciencias , do que a liçaõ dos livros , e com íingu- 
lar fatisfaçao da Hiíloria , ( naõ perdendo o gofto 
dasbellas letras) que lê nas linguas Latina, Portu- 
gueza , Franceza , Italiana , e Hefpanhola , com tan« 
to cuidado, que tem dado principio a huma Livra- 
Tom.VIII. Aaaii ria 



37 2 



Hljlorla genealógica 



ria muy efcolhida para intert^r a fua applicaçaõ. 
Eftudou a Filofofu antiga , e moderna , inftruindo- 
íe nas fuás partes com grande aproveitamento. As 
Mathematicas íeguio com tanto gofto , como fiu- 
to, que lhe explica o Brigadeiro Manoel daMaya, 
como fez também a feus irmãos , como diííèmos , 
íabendo fundamentalmente a Geometria , Arithyne- 
tica , Geografia , para com ella acompanhar a liçaõ 
da Hiftoria , em que emprega grande parte do tem- 
po com íàtisfaçaõ , naõ lhe devendo menos os li- 
vros , que inftruem na verdadeira politica , culti- 
vando com mayor cuidado a liçaõ da Efcritura Sa- 
grada , Santos Padres , Theologos Moraes , e toda 
a erudição Ecclefiaftica , de cujo traje ufa. O tem- 
po em dilatado curíò irá publicando o augmento 
das fuás excelfas virtudes , lavrandolhe , ainda que 
vagarofamente , no Templo da Heroicidade dignifc 
fimo lugar ao feu Real nome. 




CAPI- 



373 




CAPITULO X. 

Do Serenijfimo Senhor Infante 2). Alexandre. 

OY o Serenifíimo Infante D. 
Alexandre o quinto % araõ , 
que do Real thalamo dos nof- 
íòs Augúrios Monarcas naíceo 
em Lisboa em numa feita Li- 
ra pelas cinco horas da manhãa 
de 24 de Setembro do anno de 
1723 com feliz, e breve fucceííb. Efta noticia par- 
ticiparão à Cidade 05 repiques dos finos j concor- 
reo toJa a Nobreza ao Paço com luzidas galas a 
beijar a maõ a EIRey. Na Santa Igreja Patriarcal 
fe celebrou MiíTi emacçaõ de graças , eftando pre- 
fence o Patriarca , que no fim entoou o Tc Deum , 

que 




374 Hi floria Çenealogica 

que íeguiraõ os Muílcos com toda a folemnidade. 
ÊlKey com os infantes D. Franciíco, e D. Antó- 
nio aífiílio a toda a função. Na noite , e em duas 
feguintes íè feílejou na terra com repiques , e toda 
a Cidade com luminárias , no mar com deícargas de 
artilharia das Torres, e Fortalezas, que guarnecem 
a Marinha , e de todos os navios , que etlavaõ no 
porto , e todos os da Coroa , c muitos Portuguezes 
illuminados, o que fazia huma agradável vifta. Foy 
bautizado a 6 de Dezembro do referido anno pelo 
Patriarca com grande folemnidade na Santa Igreja 
Patriarcal com aííiftencia do íeu Collegio , e de to- 
da a Corte , na forma praticada em íèmelhantes fun- 
ções Reaes, com o nome de Alexanop^e Fran- 
cisco Joseph António Nicolao , fendo levado 
nos braços de Gaítaõ Joíeph da Camcra , Vea- 
dor da Caía da Rainha , por fer occ-upado o Du- 
que Mordomo mor , íêndo Padrinho EIRey Ga- 
tholico D. Filippe V. por Procuração , que teve o 
Marquez de Capecelatro feu Embaixador , e Ma- 
drinha a Rainha D. Marianna de Neubourg, viu- 
va delRey D.Carlos II. por quem tocou com Pro- 
curação ília o Duque de Cadaval D. Nuno. Le- 
varão as varas do Paleo os Marquezes de Alegrete 
Ferna6 Telles da Sylva , o de Angeja D. Pedro An- 
tónio de Noronha, ambos doConíelho deEílado, 
o de Cafcaes D. Manoel de Caílro, do Confelho de 
Guerra , o de Alegrete Manoel Telles da Sylva , e 
o de Távora Franciíco de Távora \ e as infignias , o 

Senhor 



da Cajá 7{eal Torttíg. Lh.FI/. 37$ 

Senhor D. Miguel o Maçapaõ , o Duque D. Jay- 
me , do Conlelrto de Eilado , a Vela , o Marquez 
da Fronteira D. Fernando Mafcarenhas do Gonie- 
lho de Etlado , a Veíle Cândida. A natureza o ti- 
nha formado taõ lindo , e com tal graça , e vive- 
za , que anticipou nelle o uíò da raza5 aosannosj 
porque dos mais tenros começou a brilhar huma tal 
gravidade , que pareciaõ efFeitos de huma cuidado- 
fa prudência , com promptidaõ nas repoftas , que 
admiravaõ a todos , os que o ouvirão , porque moC- 
travaõ nafcerem da mais profunda meditação , por- 
que em tudo fe lhe divifava hum fublime engenho: 
eítis excelias virtudes , viftas com efpanto , parece 
impoííibiíitavaÕ a natureza a outra femelhante pro- 
ducçaõ. E quando lograva no carinho de íèus Au- 
guftos Pays toda a fortuna , que pode dar o Mun- 
do, e havendo conciliado univerfal attençaõ em to- 
dos , es que tinhaõ a honra de o tratar , vendo a fua 
Real prefença reveíiida de huma taõ grave ferie- 
dade , cheyo de partes taõ raras , e poucas vezes 
viftas em tenros annos , indicando progreííòs admi- 
ráveis , no exercício de heróicas virtudes , o atalhou 
o terrível mal de bexigas, que em poucos dias de 
doença o levou a lograr da Eternidade a 2 de Agos- 
to de 1728 , e fendo fepultado com Real pom- 
pa , jaz no Morteiro de S. Vicente de Fora. A 
Academia P^eal da Hiftoria no dia 28 do referido 
mez , ajuntando-íè na cofíumada falia das fuás AP 
fembleas para recitar huma Oraçaõ fobre a fua 

morte , 



37^ Hiftorta (genealógica 

morte , eftava encomendada ao Marquez de Va- 
lença feu Sócio , que difcorreo com grande elegân- 
cia , e difcricaõ , de que he ornado. 




CAPI. 



.--*-. 



377 




CAPITULO XL 

T>a Serenif/íma Senhora Infanta Dona Maria 5 
Trince^a das Ajlurias. 

ReFerio a natureza a Sereniífi- 
ma Senhora Princeza D. Ma- 
ria Barbara Xavier Leo- 
nor Theresa Antónia Jo- 
sefa a todos os íèus Sereniííi- 
mos irmãos , fendo o primeiro 
fruto da Real uniaõ de íèus 
AuguHos Pay?. Nafceo em Lisboa em huma feria 
feira das nove para as dez horas da manhãa do dia 
4 de Dezembro de 171 1 com feliciíílmo íucceíTo. 
Acodio toda a Nobreza ao Paço, e fahindo EIRey 
do quarto da Rainha para o leu, onde toda a Corre 
Tom. Y III. Bbb tfpe- 




378 Hittoria (fenealogica 

eíperava com exceííivo contentamento para lhe bei- 
jar a maõ. O Núncio do Papa , o Embaixador 
do Império , e mais Miniftros Eftrangeiros , tiveraõ 
audiência , e lhe reprefentaraõ da parte dos íeus So- 
beranos a grande fatisfaçaõ , que lhes caufava feme- 
Ihante dita : i ~» Terreiro do Paço concorreo huma 
immenía multidão do povo , que com repetidos vi- 
vas declaravaõ o feu extraordinário alvoroço. Os 
Embaixadores pafíàraõ ao quarto da Rainha, e da 
íegunda antecamera lhes mandarão reprefentar o feu 
contentamento. EIRey baixou à Capella acom- 
panhado dos Infantes íeus irmãos , dos Grandes , 
Officiaes da Cafa Real , e toda a Nobreza , e íê 
cantou o Te Deum , e Miílà com grande folemni- 
dade , e pregou com muita energia , e propriedade 
o Biípo de Angola D. Fr. Jofeph de Oliveira. 

Depois que a Princeza foy enfaixada a entre- 
garão a D. Luiza Maria do Pilar , Dama da Rai- 
nha , que a elegeo para lhe aííifiir, rilha dos íêgun- 
dos Condes de Aííumar , que levou a Princeza 
à cama , em que eftava a Rainha , e quando vio 
aquella taõ defejada prenda , fe alegrou com huma 
ternura , e carinho devido ao feu natural amor ; re- 
colheo-íe logo a Princeza, acompanhada do Duque 
de Cadaval D. Nuno , Mordomo môr , e da fua 
Aya , a hum Camerim , que eftava ornado magni- 
ficamente. Na Cidade fe fizeraõ todas as demonfc 
trações de gofto com tanta alegria , como nafcida 
de hum exceííivo contentamento. Ao Regedor 

das 



daCafi Ifyal Tortág. Liv.FII. 375? 

dasjuíiiças, Governador da Relação do Porto, e 
ao Confeiho de Guerra fe paíFaraõ Decretos, na for- 
ma coftumada quando naicem os Príncipes, e Prin- 
cezas herdeiras doReyno, para fefoltarem os pre- 
zos. Com efta alegre noticia paíTou a Alemanha 
D. Henrique Henriques , primogénito do Senhor 
das Alcáçovas. 

Celebrou-fe o feu Bautifmo em huma feita 
feira 18 de Dezembro do referido anno , que lhe 
conferio o Biípo Capellaõ mor, Inquifidor Geral, 
Nuno da Cunha de Ataíde , do Coníèlho de Efta- 
do , aftiftiJo do feu Cabido da infigne Collegiada 
de S. Thomé , que fe havia já erigido. Foy Pa- 
drinho o SereniíTimo Infante D. Francifco feu tio , 
e Madrinha a Emperatriz Leonor fua avó, e com 
Procuraça6 fua tocou o Sereniífimo Infante Dom 
António. Foy levada ao Sagrado Bautifmo pelo 
Duque de Cadaval , Mordomo môr da Rainha, do 
Coníèlho de Eftado , que com opa de brocado bran- 
co guarnecida de gaioens de ouro , forrada de grãa, 
e com hum cendal branco , em que havia de levar 
a Princeza , acompanhado de todos os Officiaes da 
Caía , entrou na antecamera de Sua Alteza a to- 
malla no^ braços , e fahindo com o mefmo acompa- 
nhamento , e fendo levada debaixo de hum rico 
Paieo , que eftava na cafa , cujas varas tiveraô os 
Condes dos Arcos , Gentil-homem da Camera do 
Infante D. Francifco , e o de Avintes , S. Vicente, 
Averas , Villa- Verde , todos quatro do Confeiho 
Tom.VIII. Bbb ii de 



380 Hiftoria genealógica 

de Eftado , e o Marquez de Niza. As infígnias to- 
carão ao Duque D.Jayme, que com huma toalha 
ao hombro levou o Saleiro , os Marquezes das Mi- 
nas o Maçapaõ , o de Fronteira a Vela , todos do 
Confelho de Eftado , o de Fontes a Vefte Cândi- 
da , e o das Minas D. João de Soufa , do Coníêlho 
de Guerra , e General da Cavallaria de Alentejo , a 
Toalha para purificar os Santos Óleos, e todos àcf- 
cobertos , como he coftume em femelhantes occa- 
fioens. Aííiíliraô à roda da Pia os Biípos de Leiria 
D. Álvaro de Abranches , de Angola D. Fr. Jofeph 
de Oliveira, de Hypponia D. Fr. António Botado, 
do Maranhão D. Fr. Timotheo do Sacramento , o 
de Lamego D. Nuno Alvares Pereira de Mello, e 
o de Tagafte D. Manoel da Sylva Francez. 

Antes de íe principiar o a&o , baixou à Capei- 
la o Fifico mor com quatro Repofteiros com quar- 
tas de prata , em que levavaõ a agua , que íê lan- 
çou na Pia , e temperou o Fifico mor. E dando 
principio aoacompanhsmento, na forma obfervada, 
pelos Porteiros com Maças de prata , Reys de Ar- 
mas , Arautos , e Paííàvantes com Cotas ricas , íe 
feguia a Nobreza , tocando-íe ao mefmo tempo di- 
verfos coros de inftrumentos , trombetas , e ataba- 
les com muita harmonia. Jofeph de Vaiconcellos e 
Soufa, Trinchante da Cafa Real, que fazia o offi- 
cio de Meftre-Salla , diííè em voz alta , que Sua 
Maoreftade mandava , que todos os Titulos íe co- 
briííèm , porém efta ordem naõ fc entendia com os 

que 



da Q/a "Real Tortug. Liv. VII. 381 

que levavao as inílgnias , pela terem de íê naõ co- 
brirem em quanto laõ com elias occupados , e na 
volta o fazem por as terem largado , e acabado 
com o íêu emprego ; e aílim tomaõ os lugares , que 
lhe tocaõ pela lua Grandeza , o que fe naÕ enten- 
de nos que levaõ o Paleo , que na volta vem fer- 
vindo namefma forma. Hia o Senhor Infante D. 
Francifco diante do Paleo , e à fua efquerda o In- 
fante Dom António , e detraz do Paleo a Aya da 
Princeza, aquém EIRey naquelle dia creou Mar- 
queza de Santa Cruz para exercitar aquella occu- 
paçaô, e a levou de braço o Conde Mordomo môr 
D. Martinho Mafcarenhas íêu filho , e a cauda íêu 
neto pnrrogenito D.Joaõ Mafcarenha c . Na Tri- 
buna eftiveraõ as Mageílades , e o Infante D. Ma- 
noel , e a Infanta D. Franciícaj e aííim íê executou 
a função com grande pompa. 

Foy educada com o exemplo das Reaes vir- 
tudes da Rainha fua mãy , crefceo nellas tanto, 
que parecerão mais próprias , do que adquiridas 5 
porque nos tenros annos começou a brilhar a pie- 
dade , em hum g< nio benigno , generofo , agradá- 
vel , e huma igualdade de animo taõ natural , que 
já muis fe lhe vio em occaíiaõ alguma dirTerença, 
nem que fe diminuifle aquella afFabilidade , que nel- 
la he admirável , como a natural graça na conver- 
íâçaõ familiar , porque no mais foy fempre revefti- 
da de huma Real feriedade, a que unio hum talen- 
to fublime, que naturalmente a levavao igualmente 

ato- 



382 Hijlorla Çeneabgíca 

a todos os exercidos virtuofos , do que à cpplica- 
ça5 das bellas letras , em que feinílnío com curio- 
fidade , a qual era tanta, que dava lugar ao eftudo 
das línguas , íabendo , além da natural, aAlemãa, 
Franceza , Italiana , e Hefpanhola , ufndo de to- 
das com propriedade , e elegância , naõ ficando de£ 
conhecida a Latina. A admirável arte da Muíica 
íêguio com particular inclinação , nella compõem 
com fciencia , e hum excellente , e primorofo me- 
thodo no fublime eftylo moderno , moítrando a Tua 
deílreza em diveríos inílrumentos , que toca com 
notável gala , e confonanciaj e na mefma forma íe 
admira no baile o ar , a bizarria , e a Mageftade , 
com que acompanha todas as fuás acções. Todas 
eftas excellentes partes, adquiridas nos primeiros an« 
nos, fe augmentaraõ na ultima perfeição com a gra- 
vidade , prudência , e Religião , que lhe feguraõ 
eminente lugar no Templo da Eternidade ent e as 
fábias Princezas , que admira o Mundo. O Ceo 
a defiinou para efpofà do Serenifíimo Príncipe das 
Afturias D. Fernando , herdeiro da Monarchia de 
Hefpanha, digno conforte dehuma tal efpofa; por- 
que ornado de excelfas virtudes, brilha a Religião, 
ea piedade como attributo da mayor grandeza, no 
exercício de todas as demais , para aííim viverem 
em ditofa uniaõ eftes Sereniííimos Príncipes. 

Depois dos Preliminares , que feus Auguítos 
Pays mandarão tratar das reciprocas allianças , co- 
mo já deixamos referido no Capitulo VII. defte 

Livro , 



da Cafa l{eal Tertitg. LivJll. 383 

Livro , íe celebrou em Lisboa hum Tratado Ma- 
trimonial em o primeiro de Outubro do anno de 
1727 , em que foraõ Plenipotenciários por EIRey 
de Portugal Diogo de Mendoça Corte-Real , do 
feu Confelho , e feu Secretario de Eftado , das 
Mercês, Expediente, e xiíimatura ; e da parte del- 
Rey Catholico Dom Carlos António Elpinola de 
Lacerda , Marquez de los Balvafes , feu Embaixa- 
dor Extraordinário , e Gentil-homem da ília Came- 
ra , e D. Domingos de Capecelatro , Marquez de 
Capecelatro , feu Embaixador Ordinário neíia Cor- 
te, em que íe acordou dar EIRey à Infanta fua fi- 
lha quinhentos mil efcudos dei Sol , ou feu jufto Prova num * x 44- 
valor, pagos na Corte de Madrid, e EIRey de 
Hefpanha a fegurança do dote, com as mais clau- 
fulas commuas em femeihantes Tratados. Tanto, 
que os Miniílros aífinaraô o Tratado , paílaraõ a 
beijar a maõ às Mageftades , com grande fatisfaçao, 
e alegria. 

Na5 havia ainda a Princeza recebido o Sacra- 
mento da Confirmação , e no dia 8 de Dezembro 
do referido anno , dia dedicado à folemnidade do 
myílerio da Immaculada Conceição da Virgem Se- 
nhora Noífa , lho conferio o Patriarcha , depois de 
aa-bada a Miífa , como já diífemos , junto com o 
Príncipe doErafil, e foy Madrinha a Marqueza de 
Unhaõ , Camereira môr. A 29 lhe deílinou EI- 
Rey quarto feparado , mandando a ferviííem os 
melmos Criados , que havia nomeado para fervir a 

Prin- 



384 Hifloria Genealógica 

Princeza doBrafil, quando vieííe da Corte de Ma- 
drid para a de Lisboa , para Mordomo môr o Mar- 
quez de Angeja D. Pedro António de Norciiha , 
do Confelho de Eftado , e Vedor da Fazenda , E£ 
tribeiro môr Pedro de Vafconcellos , do Coníelho 
de Guerra, Veadores o Conde da Ponte António 
de Mello e Torres , D. Carlos de Menezes , e D. 
Lopo de Almeida , Balio de Lefla da Ordem de S. 
Joaõ de Malta : Camereira môr D. Anna de Lore- 
na, filha do Marquez de Abrantes , e viuva de D. 
Rodrigo de Mello, filho do Duque de Cadaval, 
e Senhora de Honor D. Maria Madalena de Por- 
tugal , viuva de Bernardo de Vafconcellos , filho 
do Conde de Caílello-Melhor : Damas Cameriitas 
D. Luiza Joanna Coutinho , e D. Helena de Por- 
tugal , filhas de D. Filippe de Soufa ; Capitão da 
Guarda Alemãaj e Damas D. foanna de Mendo- 
ça, filha do Conde de Villa-Flor , Copeiro môr, 
e D. Marianna Joachina de Mendoça , fi ha de João 
de Saldanha, Vice-Rey da índia: Confeííor o Pa- 
dre Manoel Alvares, da Companhia , e outros Of- 
ficiaes , e Criados. O Marquez de Capecelatro , 
Embaixador Ordinário delRey Catholico nefta 
Corte , teve audiência dos noílbs Reys , para os 
felicitar de fe haverem celebrado os defpoíorios do 
Príncipe do Brafil , como deixamos referido. De- 
pois teve audiência da Infanta D. Maria, já intitu- 
lada Princeza das Aílurias , e foy feparada no íeu 
Quarto, e lhe beijou a maõ , dizendo, que elle era 

opri. 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 385 

o primeiro Vaííàllo íèu , que já em outras occa- 
lioens fe tinha poílo aos feus Reaes pés , e que ago- 
ra na mefma forma também era o primeiro , que 
tinha a honra de lhe beijar a maõ. 

Na tarde do dia 6 de Janeiro , em que a Igre- 
ja celebra a feita da Adoração dos Reys , do anr.o 
de 1728 fez a fua entrada publica o Marquez de 
los Balvaíes , para pedir a Sereniííima Infanta Dona 
Maria para eípofa do Príncipe das Afturias : foy 
conduzido por D. JoaÕ de Almeida, Conde de Af- 
fumar , do Confelho de Eftado , que o foy buícar 
na íóima coítumada com os coches da Caía Real 5 
começava o acompanhamento pelos coches dos 
Grandes , e Miniftros , a que fe feguiaõ os delRey 
com os Gentfc-homens do Embaixador com ricos 
veftidos , e depois três coches de Eftado delRey , 
da Rainha , e da Sereniííima Infanta, e logo dous 
Porteiros, quatro Corredores, e trinta e quatro ho- 
mens de pé , todos veílidos de pano fino verde com 
galoens de ouro , vefteas de pano encarnado , tam- 
bém guarnecidas do galaõ. Seguia-íe o Embaixa- 
dor com o Conductor em hum magnifico coche 
delRey , com íeis Pagens feus a cada lado , com 
os Eftribeiros de ambos a cavallo , e depois o trem 
do Embaixador , que íê compunha de duas liteiras, 
féis coches , e quatro cavallos da peíToa à maõ , e 
ultimamente o trem do Conde Conduclor , que 
confiava de huma liteira , três coches com os feus 
Gentis-homens , e dezoito Criados de libré de pano 
Tom.VUI. Ccc efcar- 



386 Hijloria (jenealogtca 

eícarlate , guarnecidas de galaõ de prata , e tuío 
muy luzido. Depois da audiência de Suas Ma- 
geftades , do Príncipe , e Infanta Dona Maria , a 
quem depois de a comprimentar da parte delRey 
íèu Amo , lhe pedio , que lhe déííè a maõ a beijar, 
o que ella lhe concedeo , e fe recolheo fendo já de 
noite : pelo que os íeus Pagens o alumearaõ com 
tochas ao redor do coche , levando o mefmo cor- 
tejo. Na meíma noite vifitou em ceremonia , com 
todo o íeu luzido trem , ao Secretario de Eftado 
Diogo de Mendoça , que lhe deu hum primoroíb 
refrefeo , e íe recolheo já muy de noite a ília cafa. 
Depois na tarde de hum Sabbado, que fe con- 
tavaô 10 de Janeiro de 1728, fe outorgarão as Ca- 
pitulações do Tratado Matrimoni.il da Infanta com 
o Sereniííimo Senhor Dom Fernando , Principe das 
Afturias , em huma falia do Paço na prefença de Suas 
Mageftades, eaííiftencia do Principe do Brafil, e In- 
fantes: eftavaõ osReys aíTentados dtbaixo de docel 
em ricas cadeiras de teíTú , e a maõ efquerda da Rai- 
nha o Principe, os Infantes D. Carlos , D. Pedro, 
D. Alexandre , e a Infanta D. Alaria , a quem íê fe- 
guiaõ feus rios os Infantes D. Francifco , e D. An- 
tónio, todos em cadeiras deefpaldas de veludo car- 
mefim , guarnecidas de galoens de oiko. O Secre- 
tario de Eftado Diogo de Mendoça Corte-Real leo 
as Capitulações , que depois aílinaraõ as Magefta- 
des, e AIrezas por fua ordem , para o que lhe che- 
garão hum bofete , coberto com hum pano de re£ 

íu, 



JaCafaltçalTortug. Liv.VIL 387 

íú , e com efcrevaninha de prata dourada , e havia 
outro coberto de veludo com outro recado de ef 
crever de prata , em que depois aííinaraõ os Embai- 
xadores , e teftemunhas. Nefta cafa naõ entrarão 
mais que es Officiaes , que aííiftiaõ às peíToas dos 
Reys , Príncipes , e Infantes , e os que foraõ cha- 
mados para teftemunhas por parte delRey, o Du- 
que de Cadaval Eílribeiro môr , o Conde de Aííu- 
mar D.Joaõ de Almeida, o Marquez de Alegrete 
Fernaõ Telles da Sylva , Gentil-homem da Carne- 
ra delRey , o Marquez de Fronteira , Prefidente 
do Defembargo do Paço, e Mordomo môr da Rai- 
nha , todos do Coníelho de Eltado , Gaftaõ Jofeph 
da Camera Coutinho, Eílribeiro môr da Rainha, 
o Marquez de Marialva D. Diogo de Noronha, 
Gentil-homem da Camera, que aííiftia ao Príncipe. 
Os que EIRey nomeou, e foraõ rogados pelo Em- 
baixador Marquez de los Balvafes , fbraÕ : o Mar- 
quez de Angeja D. Pedro de Noronha , do Coníe- 
lho de Eftado , e já nomeado Mordomo môr da 
Princeza do Brafil , Pedro de Vafconcellos e Soufa, 
Meílre de Campo General , do Coníelho de Guer- 
ra , e Eílribeiro môr dameíma Senhora , o Marquez 
de Niza D. Valco Balihafar da Gama, o Marquez 
de Calcaes D. Manoel de Caftro , do Ccnfelho de 
Guerra, o Marquez de Valença D. rrancifco de 
Portugal, e o Marquez de Alegrete Manoel Telles 
da Sylva ; além des referidos, aííiítiraõ na meíma 
cafa os CarJeaes da Cunha , e Mota. 

Tom. VIII. Cccii Tan- 



388 Hijloria Çtnealogtca 

Tanto , que fe acabou o ado , e a legalidade 
da aííinatura , os Reys, e peííoas Reaes fe recolhe- 
rão : na cafa immediata eftava toda a Ccrte , todos 
de gala , os Embaixadores paíTaraõ ao quarto da 
Sereniííima Infanta , que já reconheciaõ Princeza 
das Afturias , a orTèrecerlhe a joya , que lhe manda- 
va o Príncipe das Afturias com o íèu retrato guar- 
necido de excellentes diamantes de grande valor. 
Acabada a audiência , fe recolherão os Embaixado- 
res , porém logo voltarão ao Paço em particular a 
ver o fogo , que fe executou na praça do Terreiro, 
a que fe deu principio aííim , que os Reys , Princi- 
pe , e Infantes occuparaõ a janella , fazendo final 
com hum tiro de artilharia o Forte do mefmo Ter- 
reiro , a que correfpondeo o Caftello de S. Jor- 
ge com outro, e ao mefmo tempo huma defcar- 
ga geral de todos os Fortes , Torres , e Fortalezas 
da Marinha , e navios , a que íe feguio começar 
arder huma machina de fogo artificial , todo do 
ar , que fe repreíentava em huma rocha , íòbre a 
qual íè via hum bofque com boa idca , invenção 
do infigne Archite&o Canavaro , o que íe execu- 
tou com grande primor, e variedade por largo tem- 
po. 

No dia íèguinte , que era hum Domingo 1 1 
do referido mez , de tarde efperava a Corte no Pa- 
ço , e os Embaixadores , todos com agradáveis ga- 
las de ouro , e prata , muy ricas , e viftofas : íahio 
EIRey da fua Camera com o Príncipe , e os Sere- 

niííimos 



da Cafa T{eal Tortug. Liv. VIL 3 8p 

niííimos Infantes D.Carlos, D.Pedro, D.Alexan- 
dre, D. Francifco, e D. António j os Embaixado- 
res cumprimentarão a EIRey , que os mandou co- 
brir , e aos Grandes da íua Corte j tomarão os Em- 
baixadores o lugar, que lhes tocava, que he dttraz 
delRey , donde também hia o Marquez de Alegre- 
te, Gentil-homem daCamera defemana, o Duque 
Eftribeiro môr, e o Marquez de Maiialva, Gentil- 
homem da Comera , que aífiftia ao Príncipe. Os 
Infantes hiaõ por fua ordem affiítidos dos Veado- 
res da Rainha , e dos feus Gentis-homens os In- 
fantes D. Francifco , e D. António , o Conde de 
AíTumar do Confelho de Eftado , que fervia de 
Mordomo môr. EIRey chegou ao quarto da Se- 
reniífima Infanta , e entrando íahio com a Rainha , 
e com a mefma Infanta , indo diante delRey os In- 
fantes , diante deftes os Embaixadores , que fe naô 
quizeraõ cobrir , o Duque de Cadaval Eftribeiro 
môr , o Duque de Lafoens , os Grandes , e Officiaes 
da Corte , e hum grande numero da Nobreza j e 
decendo à falia dos Tudefcos , íe encaminharão à 
Patriarcal , onde o Patriarca alMido do Collegio 
da mefma Santa Igreja , e das mais Ordens Eccleíi- 
afticas , fez o ado de receber a SereniíTima Infanta 
D. Maria com o Principe das Aílurias D. Fernan- 
do , fendo Procurador do rr.efmo Principe EIRey 
feu pay : eraõ as Mageflades , e Altezas acompa- 
nhadas dos Criados , que lhe aíTifliaô, e com as tef- 
temunhas , que diíTemos , fe acharão prefentes na 

outor- 



3^0 Hi floria Çeneahgka 

outorga do Tratado. Acabada a íolcmnidade de£ 
te a&o com a mayor pompa , que fe pode imagi- 
nar , no mefmo lugar prefeiio ao Príncipe do Bra- 
fil íua irmaa a Princeza como hofpeda , e íê can- 
tou o Te Deum , e depois o Patriarca diíTe as Ora- 
ções conforme o Ritual Romano , lançou a ben- 
ção , e fe recolherão na mefma forma ao Paço. 

Na noite do mefmo dia , depois das peíTòas 
Reaes íè divertirem com os fogos artiíiciaes , que 
íè executarão com boa ordem no Terreiro do Pa- 
ço, aííiílira5 a hum feílejo harmónico no quarto da 
Rainha , onde em huma antecamera fe fabricou nu- 
ma efpecie de theatro com boa idéa para os Muíl- 
cos j aííiftiraõ a efia função os Embaixadores , Car- 
deaes , Patriarca , Damas , e Grandes , que fe con- 
cluio com huma falva geral de artilharia na forma 
já referida. 

No dia íêguinte teve audiência publica o Pa- 
triarca com todas as honras , que EIRey permitte 
nos íèus Reynos aos Cardeaes da Santa Igreja Ro- 
mana , mercê , que lhe havia concedido logo , que 
foy exaltado a efta Dignidade. Os Embaixadores 
na mefma manhãa em particular foraõ faber de Suas 
Mageftades , e Altezas , a quem fallaraõ nos íèus 
quartos ; e em todas eftas funções lhe beijou a mao 
toda a Corte, Prelados, e grande numero de No- 
breza , os Tribunaes na mefma forma , que já te- 
mos dito. Na noite continuarão os feílejos , co- 
mo nos outros dias. E no dia 13 teve a Acade- 
mia 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL $pz 

mia Real da Hiftoria a honra de ter audiência , e 
na prefença das peílòas Reaes , em nome de toda a 
Academia , tocou ao Conde da Ericeira fallar, e re- 
citou hum eloquente Panegyrico íbbre os defpofo- 
rios da Sereniílima Princeza das Aíturias , havendo 
já feito outro o Marquez de Valença íobre os do 
Principe do Brafil. Depois no armo de 1729 fe ef- 
feituaraõ as trocas no dia 19 de Janeí;o na forma, 
que deixamos efcrito , e paííòu a Princeza com os 
Reys Catholicos para Iíefpanha a viver na mais 
ditofa , e feliz uniaõ com o Príncipe feu eípofo , 
fendo univerfalmente amada de toda a naçaõ HeC 
panhola , que juftamente venera as excelfas virtu- 
des , de que fe adorna , as quaes na pofteridade, 
quando paliarem à Hiftoria , fe leráõ com admira- 
ção. 




O Prin- 



D. Filippe V. 
Rey de Caf- 
tclla, e Leaõ," 
nafc. a i y de 
Dezembro de 
1683. 



O Prínci- 
pe D. Fer- 
nando, ca- 
iado cem 
a Princeza^ 
Dona Ma- 
ria Barba- 
ra, lnt.inta 
de Purtu. 



A Rainha D. 
Maria Luiza 
r de oabo)a, 



Luiz XIV. Rey de 

r? vi 



i^uiz aiv. i\ey ae 
[ França e Navarra, 
V o Grande , n. a 5 
\deSet. de 16 38, 

lizdeFrançv^í" . 1 ' deS«em« 



*Lo 

Ddfin de Vie- 
na , n. no I, de 
Novembro de 
1661 , + a 14 



bro de 1 7 1 5. 
A Rainha D. Ma- 
ria Thercia deAu- 
w ftna, + a 30 de 



de Abril 171 1. Julho de 1683 



A Delfina Ma- 
riannaChrilhna 
Vitoria de Ba- 
viera, + a 20 de 
, Abril de i<5.qc. 



'ViclorAmadeo, 
L'u^.dtS*boya,- 
R:y ce Sarde- 
nha , n. a 14 de 
Mayode ifirtf), | 
i+aj 1 deOum- 
[brode 1752. 



/ ÍVinha Anna 
de Orle.ns , + a| 
z6 d.* Acoito de 
•1718, 



Fernando Maria ,• 

Duque de Bavier.', 

Eleit. do Império 

n. a ^ 1 de Oaaib. 

'de iflçf) ,-i- a 27 

; de Mayo dei 670. 

A Elciinz Adtlai- 

da de Saboya, +, 

, a i 8 de M*rço de 

i6;6. 



O rios Manoel," 
Duque de Saboya, , 
Scc. n. a 20 tíe Ju- 

Inhode 16 34, 
A Duqueza Maria 

' Joanna Bauuftade 
Saboya, "f a 1 5 dc| 
Março de 172 3. 



Filij-pe de França,. 
Duque deOrlean*, 

L + a 9 ds Julho de 
1701. 

I A 1'uqufza Hen- 
riqueta Anna Siu- 
ard , + a 3ode- Ju- 

,nno de 1670. 



Luiz XIII. Rey de 
Franç. n.a 27 de Ser. 

,de 1601, + a 14 de 
Mayo de 1643. 

' A Rainha D. Anna 
de Auftria , + a 20 
de Fevtr. de 1666. 

D. Filippe IV. Rey 
de Calteila, n. a 8 
de Abril de 1605, 

1+ a 17 de Setembro 

I de 1665. 
A Kainha D. Ifabel 

'de Borbcn , + a 6 
de Oatub.de 1644. 

Maximilianol. Elei- 
tor , Duque de Ba- 
viera, na(c. a 17 de 
Abril de l 573 , + a 
16 deSet. iíe 1 65 1. 
A Eleitiiz Maria de 
' Aulliii , + a : 5 ae 
Setembro de 165 1. 

Vi c\k>r Amadeo Du- 



3P3 

Henrique IV. o Grande , Rey oc 

França, + a I4ce Mayode IrSlc. 

A Kainha Maria de Medíeis, -i-a 3 
,dc Julho de 1642. 
. D. Filippe III. F iy de Caílella, n.a 

14 de Abnl de 15 78, + cm ir>2i. 
, A Kainha D. Margarida de Aultria, 

+ a 3 de Outubro de 1 6 1 1 , rilha 
! do Archiduque Carlos. 

D. Filippe 111. Rey de Caftella. 
A Rainha D. Margarida de Auftria. 
Henrique IV. Rey de França. 

A Rainha Maria de Medicis. 

Guilherme V. Duque de Baidera, 
n. em 1 548 , + a 7 de Fcv. 1 6 1 6. 
A Duqueza Kenata de Lc rcr a, filha 
Je 1 rancifeo Duque de Lorena, + 
cm Mayode 1602. 
Fernando S !. Em per. n. a o de Julh. 
de 157 8, + a i5deFcv.dc 1637. 
A Empe ratriz Maria de Baviera,* 
a 1 8 de Março de \6 6. 
Carlos Maneei , Duque de Saboya, 



deoDu-/- v " ,,1JS 
que de Saboya, n.a \ + 3 2 6 de Julho de 163c. 

10587 "x A Duqueza Caiharina Mithaelade 
jjjj-o ( Auftria , filha de D. Filppe li. Key 



8 de Mayo de: 

+ a 7 de Outub. ~ 

de 1 6^7. _ de Caílella, + a 6 de No v. de 15 07. 

A Duq. Chriftina de \ Henrique IV. Rey de Frar.ça. 



' Borbon , + .a 27 de 
Dczen.b. de 1663. 

Vittor Amadeo Du- 
• que de Saboya , n. a 

8 de Mayo de 1 587, 
1+ a 7 de Outubro 
I de 1637. 

A Duq. Chriftina de 

Borbon , + a 2 7 d; 

Dczernb. de 166 3. 



A Rainha Maria de Medicis. 

. Carlos Manoel , Duque de Saroya, 
n. em 1562 , + a 26 de Jul. 163c. 
A Duq. D. Catharina Muhaela de 
Auftria, Infanta de Heípanha, + 
em 6 de Novembro de 15^7. 

Henrique iV. Rey de França. 

A Rainha Maria de Medicis. 

Henrique de S<<boya , Tunue de 
Necmurs , n. a 2 de Novv rr 1 ro de 
1572 > +a 10 de Julho de 1632. 
ADuqueza Anna cie Lorera, 4- a 
: ode RLyode 1 6^4. 
Ccfar de Bourbon , Duq. de Vand. 
n.em 1594, + a 22 deOur.i66y. 
A Duq. Francifca de Lcrcr.a ; I 
Filit pe Manoel, Duq. de Mercoeur. 

Luiz XIII. Rey de \ Henrique IV. Rey de Fiança. 
França. ^ 

/ A Rainha Maria de Medicis. 
A Rainha Anna de >- 
Aultria. \ L>. Filippe III. Rey de Caftella. 



Carlos Amadeo de 
S.iboya , Duque de 
Nemours, e Auma- 
le ,n. cm 1624, -J-a 
30 de Jul. de 1 r> 5 2. 
■A Duqueza llabel de 
Vandoir.a. 



Carlos I. Rey de In- 

■ glatecra, n. a 19 de 

Nove mb. de itfco, 



Tom.VIII. 



S u.c mu. ac 1 eco , 
1 + a 3 o de Janeira de 
» 1649, 
A Kainha Henrique- 
ta Maria de Fi 
+ a 10 dcStt. 1660 




Ddd 



marca J 
^ Henrique IV. Mcy de ! ra 
/ A Rainha Maria de Medicis. 

c; . 



395 




CAPITULO XII. 

T>a Serenlfftma Senhora Infanta T>ona Ifabel 

Luiz^a fofefa , que foy jurada herdeira 

do %eyno. 

M a Cidade de Lisboa naíceo 
único fruto do Real coníòrcio 
delRey D. Pedro , e da Rai- 
nha Dona Maria Franciíca de 
Saboya , fua primeira mulher , 
a Infanta D. Isabel Luiza 
Josefa a 6 de Janeiro do an- 
no de 1669 com univerful applaufo de todos os Vaf- 
íallos de feus Reynos. Foy bautizada com Real 
pompa na Capella Real a 2 de Março do meímo 
anno por D. Francifco de Sottomayor , Bifpo de 
Tom.VIII. Ddd ii ' Tar- 




3 5? 6 Hijloria (genealógica 

Targa , Deaõ da mefma Capella , e nomeado Ar- 
cebiípo , e Senhor de Braga, Primaz dasHefpanhas, 
e rodeavaõ a cortina do Bauciílerio doze Moços 
Fidalgos com tochas acceías , íèndo feu Padrinho 
Luiz XIV. Rey de França, e com Procuração fua 
aífitlio a eíle acto o feu Embaixador Belchior de 
Heron , Abbade de S. Romain , e nao houve Ma- 
drinha. Levou-a nos braços à Pia o Duque de Ca- 
daval D. Nano Alvares Pereira de Mello , doCon- 
íèlho de Eílado , e do Supremo Defpacho das Mer- 
cês , e Mordomo môr da Rainha , e Princeza D. 
Maria Francifca. As varas do Paleo levarão Dom 
Vafoo Mafcarenhas , primeiro Conde de Óbidos, 
do Confelho de Eílado, D. Francifco deSoufa, III. 
Conde do Prado , do Confelho de Eílado , nomeado 
Embaixador Extraordinário a dar obediência ao Pa- 
pa Clemente IX. D. Diogo de Lima , Vifccnde de 
Villa-Nova da Cerveira, do Confelho de Eirado, 
Prefidente da Junta do Commercio , D. Fernando 
de Menezes , II. Conde da Ericeira , do Confelho 
de Guerra , Gentil-homem da Camera ; o Saleiro 
D. Vafco Luiz da Gama , I. Marquez de Niza, 
V. Conde da Vidigueira , do Confelho de Eílado, 
e do Supremo Defpacho , a Vela Dom Franciíco 
de Sá , I. Marquez de Fontes , III. Conde de Pe- 
naguião , que havia fido Camereiro môr deíRey 
D. AlFoníb VI. o Maçapaõ D. António Luiz de 
Menezes , I. Marquez de Marialva , III. Conde 
de Cantanhede , do Coníl-lho de Eílado , e do Su- 
premo 



diCa[a%Câl c PoYtuz > . Liv.VIL $<?J 

premo Deípacho , Vedor da Fazenda , e Gover- 
nador das Armas da Província da Extremadura. 
Acompanhavaô os Grandes em duas alas, fem pre- 
cedência , e os Officiaes da Cafa Real , e occupava 
o immediato lugar detraz do Paleo D. Luiza de 
Menezes , Aya da Senhora Infanta , que já o havia 
fido delRey D. Affbnfo, delRey D. Pedro, e da 
R ainha da Giãa Bretanha , e logo fe íêguiaõ as 
Damas , e Senhoras de Honor da Rainha. Na Tri- 
buna aííiítiraõ os Príncipes , a quem acompanhavaô 
a CondeíTa de Unhaõ , Camereira mor , D. Fran- 
cifca de Noronha; D. Joaõ da Sylva , II. Marquez 
de Gouvea , VII. Conde de Portalegre , Mordomo 
môr, do Coníèlho deEftado, e doíeu Supremo De£ 
pacho j D. JoaÕ Mafcarenhas , II. Conde da Tor- 
re, Gentil-homem da Camera do Príncipe, que ef- 
tava de íemana , do Confelho de Guerra ; Ruy de 
Moura Telles , Eílribeiro môr da Princeza , do 
Coníèlho de Eílado, e do Supremo Defpacho; Ma- 
noel deSouíà da Sylva, e D. Joaõ deSoufa, Com- 
mandado: da Ordem de Malta , e Governador do 
Prioraio do Crato , ambos Veadores da Cafa da 
Princeza. A efte Real a&o fez D. António Al- 
vares da Cunha, Trinchante da Caía Real, e Se- 
nhor de Taboa , hum livro , que intitulou : Obelif 
co Portuguez , Chronologico , Genealógico , e Pane- 
gyrico, que imprimio em Lisboa no anno de 1669. 
Naõ contava a Infanta mais que cinco annos, 
quando convocando-fe Cortes em Lisboa , que fe 

ceie- 



3p8 Hiftoria genealógica 

celebrarão a 27 de Janeiro de 1674, foy jurada her- 
deira do Reyno. A natureza a dotou de numa pro- 
digíofa fermofura , e adiantando-fe nos annos brilha- 
va com as virtudes ; porque foy de condição bran- 
da , com natural affabilidade , que Tentava em bom 
entendimento, a que ajuntou prudência, devoção, 
e piedade , com taõ admirável génio , que nunca 
deu motivo , a que peííoa alguma delia íe queixai 
íe , antes teve particular cuidado de honrar a todos; 
aííim era univeríalmente amada : a íua Real peíToa 
era a alegria do povo todas as vezes , que peimittia 
ceixarfe ver, fahindo fora. 

Tratou EIRey feu pay (entaõ Príncipe Re- 
gente ) o feu cafamento , e entre os Príncipes , cue 
entaõ a pertenderaõ , foy eícolhido Vidorio Ama- 
deo , II. do nome , Duque de Saboya , em quem 
concorria íer íèu primo com irmaõ , motivo , que 
inclinou tanto à Rainha, que moílrou o mayor em- 
penho , por entender íèr o eípofo , que mais con- 
vinha à Infanta , e ao Reyno. Ajuftado , e firma- 
do finalmente em Lisboa a 14 de Mayo do anno 
de 1679 ° Tratado do Cafamento da Infanta com 
o Duque de Saboya ; e porque conforme à Ley 
fundamental das Cortes de Lamego , que prohi- 
be caiarem as filhas herdeiras fora do Reyno , e 
que cafando , fícaráõ excluídos os feus descenden- 
tes da fucceííaf) da Coroa , confiderando-fe naõ fer 
poííivel naquelle tempo verificarfe a condição de 
cafar no Reyno , por naõ haver entaõ peílba da- 

quella 



da Cafa l^eal Tortug. Liv. VIL 399 

quella categoria deVaíTallo, com quem os Prínci- 
pes coftumaõ cafir dentro nos léus Reynos, fe con- 
vocarão Cortes , que fe celebrarão no referido an- 
no de 1671; , nas quaes , juntos os Três Eitados do Prova num. 115. 
Reyno , confirtia o meímo poder , que nos primei- 
ros , que a liaviaõ eftabelecido , para interpretarem 
a tal Ley j e com effeito nas Cortes íe declarou , e 
difpenfou nefta parte fomente a Ley, com a condi- 
ção, de que o Duque de Saboya viria a refidir nef- 
tes Reynos, naturalizando-fe nelles pela habitação, 
e animo de affiítir , e permanecer , pelo que fe re- 
putava para o effeito por nacional : e que o Prínci- 
pe Regente interpuzeííè authoridade Real , para 
que aquella difptnia foiTe firme , e eftavel , o que íe 
ftti>fez com toda a legalidade , ficando a mefma 
Ley fundamental no feu vigor ; porque a difpcnía 
foy fomente para o mencionado cafamento. 

Para ultimo complemento deite negociado 
mandou o Duque de Saboya a efte Reyno ao Mar- 
quez de Ornano D. Carlos de Eíte por feu Embai« 
xador Extraordinário com todos os poderes para íe 
celebrarem os efponíàes , e no dia 25 de Março do 
anno de 1681 fez a fua entrada publica , íèndo con« 
duzido pelo Marquez de Fronteira do Conftlho de 
Eftado , e no mefmo dia fe celebrarão os eíponíâes 
entre a Infanta , e o Duque de Saboya feu primo, 
como deixamos eferito no Capitulo V. deite Livro. 
Foraõ os Procuradores da Infanta o Duque de Ca- 
daval D. Nuno Alvares Pereira de Mello, do Con- 

felho 



400 Hi floria Cjenealogica 

felho de Eftado , e Mordomo mor da Rai »ha, e 
do Duque de Saboya o feu Embaixador. Eílavaõ 
no feu throno o Príncipe D. Pedro, e a Princeza 
D. Maria Francifca Ifabel de Saboya , affiftidos de 
toda a Corte , e aííim que o Embaixador chegou 
ao pé do throno , o Bifpo D. Fr. Manoel Pereira , 
Secretario de Eftado , fez final ao Duque de Cada- 
val para que defceíle do lugar , em que eftava afli£ 
tindo a Princeza fua Senhora. Chegou huma cadei- 
ra raza com huma almofada o Repoíleiro môr, fo- 
bre a qual o Sumilher de íêmana poz o Livro dos 
Santos Euangelhos , e o Secretario de Eftado , de- 
pois de fazer a devida reverencia aos Príncipes , leo 
Prova num. 1 g6« as Procurações do Embaixador, e do Duque , e pon- 
do-íe de joelhos o Embaixador com as mãos fobre 
os Euangelhos , repetio a forma do juramento , que 
ko o Secretario de Eftado , que era o íeguinte : 

„D. Carlos de Efte , Marquez de Ornano, 
„ Embaixador do Sereniífimo Duque de Saboya Vi- 
„ ctorio Amadeo Segundo , meu Senhor , juro aos 
„ Santos Euangelhos , em que ponho minhas mãos, 
-, que o dito Sereniííimo Príncipe Viclorio Ama- 
„ deo contrairá o Matrimonio, que eftá eftipulado 
„ entre Sua Alteza Real, e o muito poderofo Prin. 
„ cipe D. Pedro , para haver de caiar com a muito 
„ alta Princeza D. Ifabel Luiza Jofefa , e a rece- 
,, bera por fua legitima mulher na forma da Santa 
3, Madre Igreja Romana. „ O mefmo juramento 
fez o Duque de Cadaval em nome da Infanta em 

virtu- 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 401 

virtude da Tua Procuração , na qual fe intitulava Prova num, 137. 

Princeza , dizendo aífim : A lirfanta D. lfabel Lui- 

za Jofefa por graça de Deos Princeza de Portugal. 

Acabado eíte acto, fobio o Embaixador acumpii- 

mentar os Principes , que fe recolherão com hum 

pompofo acompanhamento dcs Offieiaes, e Criados 

das luas Cafas , e os Grandes com luzidiííimas , e 

cuílofas galas. 

Entre as condições , que íè outorgarão no 
Tratado defte cafamento , era huma , que o Prín- 
cipe Regente daria huma das Cafas do Eílado de 
Bragança , ou Infantado , à fua eftoiha ao Duque 
de Saboya ; e porque o Príncipe entendeo feria pre- 
ferida a de Bragança , fez Doação a Infanta fua fi- Prova num. 138. 
lha da Cafa, e Eílado de Bragança da maneira, que 
a poíTuiraõ os Principes Dom Theodofio , e Dom 
Affonfo feus irmãos , a qual então adminiftrava o 
Príncipe Regente na forma da Doação delRey D. 
Joaõ o IV. mas com a claufula , de que tendo rilho 
varaõ ceilària a dita Doação , a qual f >y feita a 20 
de Junho de 1682. Nefte mefmo anno fahio do 
porto de Lisboa huma das mais luzidas, eriças Ar- 
madas , que vio fobre fi o mar Oceano , para tranf- 
portar ao Duque de Saboya a efte Reyno , e para 
o conduzir o Duque de Cadaval, Embaixador Ex- 
traordinário, que levava Procuração da Infanta fei- Prova num. 139. 
ta a 29 de Mayo de 1682 pa^a em íèu nome íe re- 
ceber com o Duque de Saboya ; embarcarão na Ar- 
mada muitos Senhores, Grandes, e Fidalgos de il- 
Tom.VIII. Eee luílre 



402 Hijloria genealógica 

Juftre qualidade : e naõ tendo efeito o referido ma- 
trimonio, tornou a Armada para Portugal, como 
já deixamos eicrito. 

No dia da Apreíêntaçao de NofTa Senhora, 
que a Igreja celebra a 21 de Novembro , noanno 
,de 1685 , de que era cordeal devota , recebeo o Sa- 
cramento doChriíma na Capella Real , que lhe con« 
ferio o Capellaõ mor Luiz de Soufa , Arcebiípo de 
Lieboa } fendo feu Padrinho o Padre Fr. Domingos 
da Cruz , da Ordem Seráfica , Commiílario dos Ter- 
ceiros , de cuja Ordem a Infanta também era Ter- 
ceira , Varaõ a quem a Infanta , e os Príncipes íèus 
pays veneravaò pela fua exemplar vida , que acre- 
ditou até a morte, morrendo com confiante opinião 
de fantidade. 

Foy a Infanta D. Ifabel Duqueza de Bragan- 
ça , e Senhora de todos os Eílados , que pertencem 
aeíla Sereniííima Cafa, como fevê da Doaçaõ re- 
1 ívro da contadoria do f" erida - EIRey feu pay lhe fez mercê da Commen- 
Mcítrado da Ordem da mayor da Ordem de Chriílo , com as Commen- 

àr Chrilto do anno de , , -^ /"» r» n -r> t-x i 

1680 ,pag. j5ò'.verf. das da r,ga , Caltello-Jriranco , e Domes , das quaes 
teve a adminiftraçaô , e íe lhe paííâraõ Cartas no 
anno de 1686. Aííim teve grande Cafa férvida com 
muito refpeito , fendo fua Camereira môr a Mar- 
queza de Soure D. Francifca de Noronha , que ha- 
via fido fua Aya , e Damas Senhoras de igual qua- 
lidade ; e Mordomo môr Nuno de Mendoça , Con- 
de de Vai de Reys , do Confelho de Ellado, e Pre- 
fidente do Ultramarino j Eftribeiro môr N uno da 

Cunha 



da Cafa Ifyal Tcrtug. Liv. VIL 403 

Cunha de Ataidc , I. Conde de Pontevel , do Con- 
íe'ho de Guerra, e Prefidente da Junta doCommer- 
cio -, Veadores da fua Cafa D. Diogo de Faro e 
Soula, Chriftovaõ de Almada , e D. Lourenço de 
Lencaftre , e outros , e a efta maneira todos os 
mais Cfficiaes , e Ciiados pertencentes ao ferviço, 
e governo da Cafa , na meíma forma , que a da Rai- 
nha. Adoeceo a Infanta do terrível mal de bexi- 
gas , que com trabalho venceo ; porém como era 
muy delicada , e com averfaõ aos remédios , veyo a 
cahir em huma titica , que aggravando-íè , reconhe* Memorias do Duque 
cendo , que na6 podia durarlhe a vida , fe prepa- %£$XU tom * 7 ' 
rou com grande devoção: confelTando-fe, tomou o 
Santifíimo Viatico a 9 de Outubro do anno de 1690 
d- maõ do Arcebifpo Capellaõ môr , o qual orde- 
nou ao Prior de S. Julião trouxeííè o Santifíimo Sa- 
cramento da Fregutfia , onde foraõ os Moços da 
Camera cem tochas para o acompanhar. EIRey o 
veyo receber ao topo da efeada ; o Arcebifpo efta- 
va na primeira antecamera com Eftola , e tomando 
o Santifíimo, o levou à Infanta, que edificou acs cir- 
cundantes com a fua piedade. Tratava a Infanta 
de tudo , o que podiaõ fer difpofições para huma 
boa morte com o feu Confefíor o Padre Pedro Po- . 
mero, que já o havia fido da Rainha fua mãy , e 
outros Padres doutos , e de boa vida , que lhe afíifc 
tiaõ. E porque pela Ley do Reyno, e Direito 
commum , naõ podem os filhos famílias fazer Tefc 
tamento , pedio licença a EIRey feu pay para fa- 
Tom.VHI. Eeeii zer 



404 Hi floria genealógica 

zer o íeu Teftamento até a quantia de cincoenta 

n „ , „«, * ^ mil cruzados, o que logo por hum Alvará lhe con- 
Prova num. 140. r/rij^uj r • 

cedeo , que roy paliado a 1 1 de Outubro do reten- 
do anno. E no mefmo dia a Infanta fez o feu Te£ 
tamento , qual foy efcrito por Luiz Teixeira de 
Carvalho , do Confelho de Sua Mageftade , e íèu 
Secretario. Nomeou por Teftamenteiro a EIRey 
feu pay , e difpondo legados, e ( bras pias, man- 
dou dizer dez mil Miíías , e huma quotidiana no 
Mofteiro do Santo Crucifixo , onde fe mandou íè- 
pultar ; e lembrando- fe de toda a fua família com 
grande caridade, moftrou o quanto eftimara as peC 
foaà, que a ferviaõ , recomendando-as a EIRey j à 
Rainha manda pelo Duque offerecer huma joya, 
que elia lhe tinha dado, para demonftraçaõ , e me- 
moria do íeu refpeito , porque a tivera fempre em 
lugar de mãy ; e em todo elle íe naõ lê claufula, 
que naõ feja demonftradora da fua piedade , e de 
hum animo devoto, e Chrifiaõ. Depois foy efte 
Teftamento approvado por Mendo de Foyos Pe- 
reira , do Confelho de Sua Mageftade, efeti Secre- 
tario de Eftado , aos 15 do mefmo mez, e anno, 
eftando a Infanta aflentada em huma cadeira , lho 
entregou , e foraõ teftemunhas o Conde de Vai de 
Reys feu Mordomo môr , o Conde da Caflanheira 
Vedor da Fazenda , e da Caía da Rainha , Chrifto- 
vaõ de Almada , e Dom Lourenço de Lencaftre, 
Veadores da Cafa da Infanta , e o Duque de Cada- 
val Mordomo môr da Rainha. Naõ fe dilatou 

muito 



da Cafa Ttgal Tortug. Liv. VIL 405 

muito a viJa da Infanta , porque na primavera dos 
feus annos , contando vinte e hum , dez mezes , e 
vinte dias, falsceo em hum Sabbado 21 de Outu- 
bro de 1690 às nove horas da noite, dia , em que a 
Igreja celebra a memoria de Santa Urfula , e das 
Virgens fuás Companheiras , de que foy muy de- 
vota , em cujo Coro piamente fe foy aggregar a 
Infanta na Eternidade. Jaz no Morteiro das Ca- 
puchas do Santo Crucifixo em o Coro das Religio- 
íâs junto da Rainha fua mãy. Era a Infanta de 
corpo alta, algumi couíà delgada, mas muito bem 
feita , proporcionada , e ayrofa , muy fermofa , 
branca, os cabellos louros, ebellos, olhos azues , e 
fermcfifllmos , o nariz alguma coufa mayor , do 
que pedia a proporção do rofto , mas naõ lhe fer- 
via de dezar , a boca muito bem feita com admi- 
ráveis dentes , chea de Magettade , de íorte , que 
no todo foy huma das mais bellas producções, que 
creou a natureza , a que ajuntava huma benignida- 
de natural em coração pio , e generoío , com que 
íe fez univerfalmente amacia da Nobreza , e do Po- 
vo. A fua morte foy íèntida pelas Muíàs Portugue- 
zas em diverfàs Obras , que entaõ fe imprimirão. 
O Padre D. Rafael Bluteau com a fua admirável 
erudição , e eloquência dedicou à fua Real memo- 
ria o feguinte Cenotafio , que anda no feu Mufeo 
Blutaviano , que fe conferva manuferito : 



Sta 



4 o 6 Hijloria (jenealoçjca 

Sta Viator 

Vbi latent lumina, 

Tacent or acida, 

Jacent diademata, 

Serenijjima Princeps 

Elifabetha Ludovica Maria 

Fefto Epiphaniorum die, 

Magorum Stelía lúcido, 

LíCtitiíeJacibus clarijjimo , 

In fucem edita, 

Mundum virtutibus illuflr atura, 

Hic jacet. 

Itrfans Lufitani<e 

Haud tamen Infans , 

Cujus ore C fiardes loauebantur , 

Cujus ocidis fidera, 

Cujus genis Rofk , O* Li fia 

Mutuis íe provocabant Julgoribus. 

Cujus Jiorentem maieílatem 

Praeludentibus certatim Hymeneis 

Oftavit Sabaudia, 

Expetivit Tf ih feia , 

Poílulavit Germânia , 

Ávida fpe Gallia expeÔtabat. 

Cujus deniaue pufchritudinis fama per/onabat Orbem, 

Hic lutet. 

Petri Secundi , & Eli/abetlue Marine 

Portugal/iíC R egum , filia , 

Alto Ingenio , pietate excelia , fublimi peãore 

Omnem 



daCafaT^ealTortug. Liv.VIL 407 

Omncm meditata altitudinem fortuna , & gloria , 

*Ab honorumfa/ligio 

Et virtutum culmine 

Savâ Libitina impatientlâ 

Praceps ruem 

Trlâibus clrcumchfa tenebrh 

H/c latet. 

mAbi riutor, 

Cum Elifabethu abUrunt cmnia. 




CÀPITU- 




4°P 



CAPÍTULO Xííí. 

T>o Sereniffimo Senhor Infante T>om Francifco, 

'Duque de "Beja , Çrao "Prior da Ordem 

de Malta em "Portugal. 

Afceo o Senhor Infante Dom 
Francifco em Lisboa em hu- 
ma fetfa feira 2<deMayo do 
anno de 1691 às quatro horas 
da manhãa com feliz fucceíTo, 
debaixo do aufpicio de S. Frun- 
cifco Xavier, a quem a Rai- 
nha le havia encommendado com viva fé ; porque 
eftando pejada de quatro mezes ao tempo, que re- 
cebeo a noticia da morte do Sereniííimo Eleitor feu 
l ay , fe preoccupou tanto da mágoa , que eíteve 
Tom.VHI. Fff cm 




4 1 o HiBoria Çenealogica 

em evidente perigo de abortar ; porém íufpendidcs 
todos os fymptomas , que haviaõ pcílo em ccnfter- 
naçaõ , aos que lhe fcííiitiaÕ , continuou felizmente 
até que deu a luz ao Senhor Infante com prompto, 
e bom fucceíTo , e brevidade. 

Aflim que o Senhor Infante nafceo, concorreo 
logo ao Paço a Corte com a noticia , que lhe ha- 
viaõ dado os repiques dos Unes , e os Miniílros E£ 
trangeiros flzeraò omefrr.o, a cuem EIRey deu au- 
diência ; e paílàndo depois para a Capella , lhe bei- 
jarão a maõ os Grandes, Prelados, e iridalgos, que 
o efperavaõ : cantou-fe o Te Deum cem grande íb- 
lemnidade , e fe praticarão todas as demonftrações 
de alegria coftumadas em femelhantes occ^íloens. 
Foy bdurizado em huma fegunda feira 18 de Junho 
de 1691 na Capelh Real pelo Arccbifpo Capellaõ" 
môr Luiz de Souía com os nomes de Francisco 
Xavier Joseph António Bento Urbano, fen- 
do feu Padrinho o Eleitor Palatino Joaõ Vilhelmo, 
irmaõ da Rainha, feu tio, em cujo nome tocou o 
Cardeal de Lencaftre , afMio o Bifpo da Guarda 
D. Fr. Luiz da Sylva, eleito Arcebifpo de Évora, 
que purificou os Óleos , e o Bifpo de Lamego D. 
Joíeph de Menezes, eleito Arcebifpo Primaz. O 
Duque de Cadaval, Mordomo môr da Rainha , le- 
vou o Infante debaixo do Paleo , do qual pegarão 
na* varas o Marquez de Fronteira Dom Fernando 
Mafcarenhas, o Conde da Ericeira D. Fernando de 
Menezes , o Conde de Sarzedas D. Luiz da Sylvei- 

ra, 



da Cafa T^çal Tortug. Liv. VIL 4x1 

ra , o Conde de Atalaya D. Luiz Aíanoel de Tá- 
vora , o Conde de Pontevcl Nuno da Cunha de Ata- 
íde , e o Conde de Alvor Francifco de Távora, e 
as infignias , o Duque de Cadaval D. Luiz Ambro- 
fio de Mello o Saleiro , o Marquez de Arronches 
Henrique de Souía a Vela , o Marquez das Minas 
D. António Luiz de Soufa o Maçapaõ , o Marquez 
de Fontes D.Rodrigo Annes de Sá a Toalha, eo 
Marquez de Alegrete outra Toalha , a Marqueza 
Aya D. Maria de Lencaftre acompanhava ao In- 
fante. 

EIRey íeu pay amou tanto ao Infante Dom 
Francifco , que defde o berço lhe começou a fazer 
mercês, porque por hum Alvará de 2 de Março do Prova num. 141. 
anno de 1695 lhe deu as Commendas feguintes : a 
Commenda mayor da Ega , a de Dornes , e Caílel- 
lo- Branco , que fe achavaõ vagas na Ordem da Ca- 
vallaria de Chrifto. No anno feguinte lhe deu de 
tença trinta mil cruzados , vinte na Alfandega de 
Lbboa , e dez na do Porto , de que fe lhe paííòu 
Carta a 20 de Agofto de 1695. E pouco depois, Prova num. 142, 
quando naõ contava mais que cinco annos, em vir- 
tude da faculdade , que tinha , lhe conferio a Dig- 
nidade de Graô Prior do Crato da Religião de 
Malta , nomeandolhe por Tenente a Duarte de Al- 
meida, Balio de Acre, para adminiftraçaõ do Prio- 
rado, e prefidir na Aílèmblea , cujo Tribunal hoje 
confilta tudo , o que pertence ao governo , e fupe- 
rioi idade , que o Infante tem como Graô Piior nefc 
Tcm.VIlI. Fffii te 



412 Hl floria Çenealogtca 

te Reyno, no que toca à Religião de Malta. No 
anno íèguinte , quando EIRey feu pay armou Ca- 
valleiro na Capella Real com grande pompa ao 
Príncipe em 7 de Abril , nefta mefma occaíiaõ ar- 
mou Cavalleiro ao Infante feu irmaõ , e lhe calça- 
rão as efporas , a primeira o Marquez de Távora 
António Luiz de Távora , e a fegunda o Marquez 
de Niza D. Francifco Balthaíar da Gama : o de Tá- 
vora teve o prato , em que eíiavaõ as armas , e as 
efporas, e em quanto a calçou ao Infante nomeou 
para lhe ter maõ no prato por infirmação , que teve, 
a íèu filho o Conde de S. Joaõ. Depois proíeílbu 
em Salvaterra a 3 de May o de 17 10 com o Padre 
Prior Gerai da Ordem D. Fr. Angelo de Brito. 

Celebraraõ-íe Cortes no primeiro de Dezem* 
bro do anno de 1697 , em que o Principe foy jura- 
do herdeiro do Reyno , nellas aííiítio o Infante , fa- 
zendo o officio de Condeftavel , fendo de taõ pou- 
ca idade , e lhe aííiílio o Conde de Oriola , Baraõ de 
Alvito D. Vafco Lobo, Veador da Caía da Rai- 
nha , e lhe teve o chapeo, porque naquelle aclo íe 
naõ cobre peííòa alguma j nelle foy o Infante o pri- 
meiro , que jurou: a ímgular viveza , e deíembara- 
ço , com que cumprio as obrigações da Dignidade 
de Condeftavel , foraõ applaudidas na Corte com 
grande fatisfaçaõ delRey , porque o eftimava mui- 
to , como fe verifica das repetidas mercês , com 

Prova num. 142. c l ue ^ ie f° rmou num Eftado , para o que agora lhe 
fez Doaçaõ das Villas de Vimiofo , e Aguiar da 

Beira , 



da Cafa Tical Tortug. Liv. VIL 413 

Beira , da Cafa de Bobadella , dos bens , que foraõ 
da Caía de Linhares , com as fuás Villas , rendas , 
jurifdicçóes , Alcaidarias mores , Padroados , datas 
de officios , na mefma forma , que as poífuiraõ os 
Donatários, por quem vagarão, como também dos 
Reguengos de Villa-Nova de Portimão , Rendi- 
de , e o de Toyoía com as Lezírias , chamadas Tor- 
rão do Diabo , terras do Eíteiro Grande , e dos fó* 
ros do Reguengo de Terrugem, eCafal de Almei- 
rim , e feus foros , tudo de juro , e herdade para 
fempre , com a mefma natureza , condições , e pre- 
rogativas, com que EIRey Dom Joaõ lhe fizera 
Doação da Cafa do Infantado. Foy feita em Lifc 
boa a 21 de Abril de 169?. No de 1705 a 31 de Ou- 
tubro recebeo o Sact amento do Crifma juntamen- 
te com o Principe , e íeus irmãos , como diílemos. 
Crefvia o Infante D. Francifco brilhando na natural 
viveza fingulares partes, íendo a fua inclinação a 
caça, o manejo dos cavallos , e outros divertimen- 
tos dignos da fua Real peífoa , com que crefeia no 
gofto , e eftimaçaõ delRey feu pay ; aííim contan- 
do já mais de treze annos , no de 1704 o poz em 
hum grande cuidado , e a toda a Corte , fendo o 
Infante acometido do terrível mal de bexigas com 
fymptomas malignos , que temerofos os Médicos 
do fucceífo, foraõ de parecer recebeííe nSantifT.mo 
Sacramento por Viatico, porque depois algum in- 
cidente tal ve^ o poderia embaraçar, privando ao 
Infante daquelie incomparável Bem , no qual en- 
controu 



4*4 Hiftoria C/enealogtca 

controu melhor , e mais efficaz remédio , que na 
Medicina. Aííim a 7 de Dezembro do referido an- 
no tomou o Santiííimo Viatico da mao do Bifpo 
Capellaõ mor D. Fr. Jofeph de Lencaftre , e lhe 
deu o Lavatório o Bifpo do Algarve D. António 
Pereira da Sylva. Achava-fe ElRey nefte mefmo 
tempo doente da grande queixa , que padeceo , co- 
mo temos referido : mas com a melhora do Infante 
ficou ElRey aliviado , e ceifou o cuidado , que to- 
dos tinhaô , juftamente devido a hum achaque ma- 
ligno. 

Nefte mefmo anno de 1704, em que ElRey 
D. Pedro havia feito o feu Teftameuto na Cidade 
da Guarda a 19 de Setembro, nelle mefmo fez Doa- 
ção ao Senhor Infante D. Trancifco da Cafa do In- 
fantado , que ElRey poíTuía , como deixamos e£ 
crito no Capitulo V. deite Livro , a qual já El- 
Rey havia accrefcentado com outras muitas terras, 
e rendas , para fe unirem ao Eftado da Caía do In- 
fantado , das quaes já poíTúía o Senhor Infante al- 
gumas, e outras, de que depois lhe fez mercê, dan- 
dolhe tudo de juro , e herdade para íempre , fora 
da Ley Mental , para elle, e íêus defcendentes legí- 
timos, ordenando, que nunca efta Cafa fe pudeílè 
unir à Coroa por nenhum acontecimento 5 e aííim 
foííè fèmpre delia feparada , corro era a Cafa de 
Bragança , para o que faz diverfas vocações , e 
fubftituiçces para o tempo futuro. Depois no an. 
Prova num 144» no de 1705 por huma Doaçaõ pafíàda em huma 

Carta 



da Cafa %eal Tortug. Llv. VIL 415 

Carta Peita a 28 de Julho, lhe deu mais as Lezírias 
de Montalvão , Moiraceira, e dos quintos das Vil- 
las de Povos , e Cailanheira , com o Senhorio das 
ditas Villas, e da de Chelieiros com todos os íèus 
Padroados , jurifdicções , e prerogativas , com que 
as lograrão os feus últimos Donatários. 

Pela morte delRey D. Pedro fcbio ao Thro- 
no EIRey D. Joaõ o V. e no Auto do levantamen- 
to , e juramento , que então fe celebrou com ma- 
geftofa pompa na tarde do primeiro de Janeiro de 
1707 , fez o Infante o officio de Condeftavel : nelle 
foy o primeiro , que jurou como Infante , porque 
fendo como Condeftavel, devia fer no ultimo lugar, 
como fe vê no Auto , que fe imprimio no meímo 
anno. E nefte mefmo anno lhe fez EIRey feu ir- 
mão entre outras mercês a do Palácio da Bempof- p r0 va num. 145. 
ta na Cidade de Lisboa com a fua grande Quinta , 
e tudo o que pertencia ao mefmo Palácio com a 
fua Capella , que EIRey feu pay havia dotado de 
rendas para manter os Capellaens delia , e das ca- 
ías, que haviaõ fido do Monteiro môr junto ao Pa- 
ço da Corte-Real , dizendo nefta Doação as pala- 
vras feguintes : Com as mefmas clau/ulas , e condições, 
com que ElRey , meu Senhor , e Pay inliitiúo a Cafa 
do 1 nfantado na peffoa do dito Infante , ejeus defcen* 
dentes , Zíc. foy feita a 14 de Julho de 1707. E no 
mefmo anno por outra Doação feita no primeiro de Prova num. 146. 
Agofto , lhe fez mercê das Quintas da Morteira , e 
do Alfeite , terra das ?áarnotas , e outras. Depois 

lhe 



41 £ Hiíloria (genealógica 

Prova num. 147. ^ ie í" ez EIRey também mercê da Caía da Feira , 
com as mefmas claufulas , e condições da inftitui- 
çaõ da Caía do Infantado. Foy feita efta Doação 
a 18 de Fevereiro de 1708 , aííim lhe fez outras mer- 
cês. Deíia íòrte goza o Senhor Infante D. Fran- 
cifco hum opulento Efíado em jurifdicções , ren- 
das , e prerogativas y porque 

O Senhor Infante D. Francifco he Duque de 
Be'ja , Senhor defta Cidade , das Villas de Serpa , 
Moura, Alcoutim, de Villa-Real , Almeida, Ra- 
nhados, Canellas, Abreiro, Freixel, Lamas de Ore- 
lhão, Vimiofo, Honra de Sabroíâ , de Valença do 
Minho, Cominha , Valladares , de Linhares , Boba- 
della da Beira, Lagos da Beira, Aguiar da Beira, 
Villa deFornos, Algodres,. Pena Verde, daFeira, 
Pereira, Juzaõ, Cambra, Ovar, Caftsnheira, Cor- 
te da Cortegaíía , de Chaõ de Couce, Aveilar,Ma- 
çaas de D. Maria , Pouza Flores , Aguda , Povos , 
Chelleiros , de Domes, eEga, Graõ Prior da Or- 
dem de S. JoaÕ em Pcrtugal , e Commendador da 
Commenda mayor da Ega , da de Domes , e Caf- 
tello-Bianco da infigne Ordem Miiitar de Chrifío. 
De todas efias Cidades, e Villas tem o Padroado 
das Igrejas , e de outras muitas ; apreU nta os offi- 
cios dejuíliça, e Fazenda, e põem os Vereadores 
coma nomeação dos Minifíros de letras ; porque 
eílas terras fe dividem em fete Comarcas, afaber: 
de Beja, com Ouvidor , que correfponde a Corre- 
gedor , Juiz de Fora da mefma Cidade , Juiz dos 

Órfãos, 



da Cafa 1{cal Tortug. Liv. VIL 417 

Oifãos , Juiz de Fora de Moura , ejuiz de Fora de 
Seipa , de Villa-Real com Ouvidor , e Juiz de Fo- 
ra, de Valença com Ouvidor , ejuiz de Fora , de 
Caminha com Juiz de Fora, da Feira com Ouvidor, 
ejuiz de Fora , de Linhares com Ouvidor , da Caf- 
tanheira cem Ouvidor , e Juiz de Fora , de Chão 
de Couce com Ouvidor , e Juiz de Fora da Ega. 
Todos eftes lugares fe confultaõ por hum Tribunal, 
que tem , e fe chama Junta da Cafa , e E/lado do 
Infantado , em que fe trata tudo , o que pertence à 
adminiftraçaõ da fua fazenda, por onde íèpaíTaõ a3 
ordens, o qual oceupaó Miniftros de grande ílippo- 
fiçaõ , e letras. Saõ data íua também onze Alçai- 
darias mores , a faber : as das Cidades de Beja , e 
Leiria, as das Villas de Almeida, Serpa, Moura, 
Alcoutim, Villa-Real, Caminha, Valladares , Va- 
lença do Minho , e Amieira ; e também fa5 data 
fua os Preílimonios , que foraõ concedidos a Caía 
de Villa-Real por huma Bulia de S. Pio V. o qual: 
erigio os Preílimonios de bens Ecclefiafticos de cer- 
tas Igrejas do Padroado de D. Pedro de Menezes, 
IV. Marquez de Villa-Real , Capitão General he- 
reditário da Cidade de Ceuta , os quaes Preftimo- 
aios concedeo à fua inílancia o Papa em attençaõ 
dos muitos ferviços , que elle , e os feus Mayores 
haviao feito em Africa contra os inimigos do nome 
de Jcfu Chrifto , e foy paífada a Eulla em Roma 
no primeiro de Julho de 1 566 , e o primeiro anno 
Pontificado. Efta Cala foy unida à do Infan- 
Tom.VIÍL Gg^ tado 



418 Hiftoria Çenealogtca 

tado por EIRey D. Joaõ IV. que concedeo co- 
mo Governador, e perpetuo Adminiftrador doMef- 
trado da infigne Ordem de Chrilto, por hum Alva- 
rá paííàdo a 22 de Dezembro de 1654 ao Infante 
D. Pedro íèu filho , e a todos os mais poíTuidores 
defta Caía , a faculdade de prover os ditos Prefti- 
monios com a Ordem de Chrifto , para defte modo 
terem natureza de Commendas , como faõ as da 
Caía de Bragança j e juntamente , que o rilho primo- 
génito , e íucceílbr da Cafa do Infantado, tanto , que 
nafceílè , foííè chamado Duque de Villa-Real , íem 
que houveífe de miíler Carta , ou outra declaração, 
como já deixamos dito no Capitulo V. defte Livro, 
e nas Provas naquelle lugar , que ficaõ apontadas, 
pertencentes à. Caía do Infantado no tempo , em 
que aerigio EIRey D. Joaõ IV. para íeu rilho o 
Infante Dom Pedro , o qual depois fendo Rey fez 
delia Doacaõ ao Senhor Infante D. Francifco na 
forma , que temos referido. Saõ eftes Preftimonios 
trinta e três, a faber: em Noííà Senhora da Aftump- 
çaõ da Villa de Caminha , Arcebifpado de Braga , 
quatro ; em S. Salvador de Mouros no dito Arcebif- 
pado quatro , em S. João de Covas dous , em S. 
Joaõ de Argaha dous , em S. Pedro de Moledo 
dous , o de Santa Maria de Aguda , Bifpado de Co- 
imbra , em S. Pedro de Seixas dous , em S. Pe- 
dro de Riba de Mouro , Arcebifpado de Braga, 
três ; S. Pedro de Covas , ou Ganharem três ; em 
Santa Maria da Ermida , e Balear, três ; o de Santa 

Maria 



da Cafa Ttfal Tortug. Liv. VIL 4 1 p 

Maria de Ancora , o de Noíla Senhora de Pouza 
Flores , Bifpado de Coimbra , o de S. Miguel de 
Meciíaes, o de S. Chriílovaõ de Cunhos no Arce- 
biípado de Braga , o de S. Salvador de Friamundi 
no Bifpado do Perto, o de S. Salvador deTangil, e 
o de S. Salvador de Mouro dejunçaõ. Eftas Com- 
mendas , a que chamaÕ Preftimonios , faõ rendofas, 
e algumas de feiícentos , e fetecentos mil reis , e 
também alguma paíTa de quatro mil cruzados. 

Entrou o Senhor Infante D. Francifco de po£ 
íe defte grande Eftado , quando EIRey íèu irmão 
lhe deu Cafa no Paço no quarto da Campainha ; e 
porque o Infante naõ tinha idade para adminiílrar, 
e governar os feus bens , conforme ordenaõ as Leys 
do Reyno , EIRey lhafipprio, revogando inteira- 
mente a efte fim as referidas Leys , por hum Alva- Prova num * I4 *' 
rá pafljdo a 12 de Janeiro do anno de 1707. No- 
meoulhe juntamente para o fervirem de Gentis-ho- 
mens da Camera aos Condes de Arcos D. Marcos 
de Noronha, o da Ribeira Grande D.Jofeph Ro- 
drigo da Camera , o de Avintes D. Luiz de Almei- 
da , que também foy feu Eílribeiro môr, e a Dom 
Rodrigo de Lencafire, Commendador de Coruche, 
Sumilher da Cortina Chriftovaõ de Mello , e para 
Secretario a António Vaz de Caftellcbranco , e os 
mais Criados de foro nobre , e outros de inferior 
foro , para o ferviço , e decência da Cafa , confor- 
me oeftylo , e uío da Real. Depois foraõ Gen- 
tis-homens da fua Camera o Conde de Aveiras Luiz 
Tom. VIII. Gggii da 



420 Hifioria Çenealogica 

da Sylva Tello , Meftre de Campo General , e Go- 
vernador das Armas do Minho , o Conde de Avei- 
ras D. Duarce António daCamera, e D. Vafco da 
Camera. 

He o Sereniílímo Infante D. Franciíco orna- 
do de excellentes partes , dignas do feu Real naíci- 
meato, porque nelle fe vê a piedade, e Religião , 
da qual íeraó eternos padroens a fua Capella do Pa- 
lácio da Bempofta; porque às rendas, com que fo- 
ra dotada pela Rainha da Grãa Bretanha fua tia, 
unio com faculdade di Santa Sé Apoílolica huma 
rendofa Igreja do íeu Padroado para mayor aug- 
mento do culto Divino; e o Hofpicio , que deu, 
e fez edificar muy polidamente junto ao mefmo 
Palácio, para os Religiofos Capuchos da Provín- 
cia da Conceição ; na meíma forma brilha nelle a 
generofiJade , como fe vio em diverfas occafioens 
nos foccorros de dinheiro , com que fervio para a 
guerra à infigne Religião de Malta, e quando no 
anno de 1728 mandou o Graô Meftre Dom An- 
tónio Manoel a efte Reyno por feu Embaixador a 
EIRey íèu irmaõ , o Conde de Harrac , que veyo 
em huma Efquadra da Religião , que fe compu- 
nha de quatro grandes nãos de guerra , à qual man- 
dou o Infante hum magnifico refrefco em trinta e 
dous barcos , que ferviííè a toda a E/quadra , or- 
denando , que na praya da Corte-Real eítiveílem 
promptos coches para os Cavalleiros , que vie£ 
fem à terra, o que fe executou todo o tempo , que 

a Ar- 



daCafa^ealTortug. Liv.VIL 421 

a Armada eíleve no porto de Lisboa. Deu audi- 
ência depois ao Embaixador , ao General , e to- 
dos os Cabos , e Cavalleiros , a quem o Infante 
tratou com taõ benigno acolhimento , que a todos 
deixou ob:igados dentro nos portos , que occupa- 
vaõ j e já havia com a mefma grandeza tratado a 
Elquadra , que no anno de 1724 efteve no porta 
de Lbboa. A arre da Navegação lhe deveo hum 
fingular génio , applicando-fe com taõ particular 
goíto , que naõ íe fatisfez com a faber fcientifíca- 
mente , mas também praticamente nas manobras , 
que com admiração faz executar , do que tem da- 
do fingulares provas , entre ellas referirey , o que 
na occaliaõ da mefma Armada de Malta fuccedeo. 
Foy o Senhor Infante ver todos os navios da Ar- 
mada , e depois quando ella havia de partir do por- 
to de Lisboa, querendo honrar a Religião, na qual 
elle também he aliílado , o General da Armada em 
obfequio da peíToa do Senhor Infante, cedeo do go- 
verno para que Sua Alteza mandafle 5 e havendo 
de levar ferro a Capitania , começou o Senhor In- 
fante a mandar com tal bizarria , que fez executar 
huma manobra com tal arte, e prefteza , que o Ge- 
neral fe admirou , confeíTando íynceramente , que 
em taõ largo exercício , que tinha do mar , andan- 
do embarcado havia trinta annos , já mais a vira fe- 
melhante, e foy applaudida geralmente dos Caval- 
leiros , Officiaes , e toda a marinhagem da nao com 
acclamações , e vivas. Naõ he menor a fua pro. 

penfaõ 



^.21 Hi floria Çenealogjca 

penfaõ ao laborioíò exercício da caça , em que he 
incançavel no monte , porque em toda a eftaçaõ a 
fegue , ou feja a groíTa dos veados , e porcos mon- 
tezes , em que com bizarria , e grande deíèmbara- 
ço executa primoroíòs tiros , e da mefma forte com 
a do ar , fendo efte o feu mais commum diverti- 
mento. Naõ lhe deveo menos inclinação o mane- 
jo dos cavallos , em que he deftriííimo , forte , e bi- 
zarro , e na mefma fórma pratica a arriícada arte de 
Tourear, o que faz com tanto íòcego , e deftreza f 
que parece ter dominio na fereza dos brutos 5 por- 
que o magifterio tem taõ medidos os tempos , que 
nelíes executa ílngulares primores da arte , mais pa- 
ra admiração , do que para o imitar. O jogo das 
armas, e outros exercícios robuftos, em que obra 
o valor , e a fciencia da arte Militar, faõ também 
communs à fua inclinação , diftinguindc-íè na For- 
tificação , a que fe applicou com felicidade , e na 
mefma fórma a Artilharia, pratica, e efpeculativa: 
aífím a fua curiofidade o levcu a correr as Praças 
da Província de Alentejo , e outras da Beira , que 
fcientiíícamente obfervou , o que por muitas vezes 
tem feito a diverfas machinas , e inventos militares, 
em que deu a conhecer quam admirável era o feu 
talento , e curioíldade. Finalmente elle íè adorna 
de excellentes virtudes , brilhando o aguc!o do íèu 
profundo difcurfo, que naõ tendo feguido as fcien- 
cias , difcorre com tal acerto, que alguns Miniílros 
Eílrangeiros , de grande reputação , que tiveraõ a 

honra 



daCafa^ealTortug. Liv.VIL 423 

honra de lhe fallar com mais familiaridade , fe acmi- 
raraô da delicadeza , com que difconia nos negó- 
cios de mayor importância da Europa ; porém a ília 
compreheníaõ he taõ íublime , que com facilidade 
comprehende , ouvindo aos homens doutos , que 
elle íabe eítimar. 




CAPI- 



4-5 




*v5^^> 



CAPITULO XÍV. 

T)o Streniffirtio Senhor Infante T>om António. 

M o anuo de 1695 na Ccrte 
de Lisboa a 15 de Março, vio 
o Sereniífimo Senhor Infante 
D. António a primeira luz do 
dia em huma terça feira das 
cinco para as ílis horas da ma- 
rhãa. Foy o feu na/cimento 
applaudido com grandes demonflrações de alegria, 
expre fiadas já nos Reaes nafcimentos de feus ir- 
mãos , fazendo-fe o feu ainda mais eftimavel pela 
circunílancia ; por fer depois , que a Rainha fua 
mãy padeceo huma larga , e perigofa doença, da 
qual os Médicos naõ fó prognoílicaraõ a total ruina 
Tom. VIII. Hhh da 




Ai6 Hl floria Çenealogica 

da faude, mas também huma infecundidade ; pcrém 
a Divina Providencia , que he fobre os difcuríbs, e 
fciencia humana , permittio , cjue implorado Deos 
pela interceíTaõ de S. Franciíco Xavier , Iivraílè a 
Rainha do perigo , e naÕ fó íè reftituiííe à íâude , 
mas íè mukiplicaíTè a Real íucceíTaõ com o nafci- 
mento do Senhor Infante D. António com geral 
alegria dos Vaílàllos Portuguezes , que tanto ie in- 
tereílàõ no bom fucceííò dos feus Príncipes. 

Determinou-fe o bautizado com Real magni- 
ficência em hum Sabbado, que fe contavaÕ 16 de 
Abril do referido anno na Capella Real com as cof- 
tumadas ceremonias , e conferiolhe o Bautifmo o 
Arcebiípo Capellaõ mor Luiz de Souía com o no- 
me de António Francisco Xavier Joseph Ben- 
to Theodosio Leopoldo Henriqjje , e foy íèu 
Padrinho o Emperador Leopoldo , por quem to- 
cou o Duque de Cadaval D. Luiz, genro delRey, 
e Madrinha a Rainha daGraa Bretanha , por quem 
aííiftio o Biípo Inquifidor Geral D. Fr. Jofeph de 
Lencaftre. Levou ao Infante o Duque de Cadaval 
D. Nuno Alvares Pereira de Mello debaixo do Pa- 
leo com opa rica , aíTiftido de dous Moç/'S Fidal- 
gos , como he coílume : levarão as varas do Paleo 
os Condes de Sarzedas , Atalaya , e Avintes da par- 
te direita , e da outra os Cnndes da Ilha , dos Ar- 
cos , e Garcia de Mello , Monteiro môr , e Preíi- 
dente do Paço ; detraz do Paleo hía no lugar , que 
lhe tocava como Aya, a Marqueza de Unhaõ, en- 

coflada 



da Cafa T^eal Tcrtug. Liv. VIL 427 

cofiada em feu filho o Conde de Unhaõ , levando- 
Ihe a cauda Luiz da Sylva Tello , primogénito do 
Conde de Aveiras Joaõ da Sylva Tello ; asinfignias 
os Marquezes das Minas, Niza, Fronteira, Fontes, 
e o Conde de Alvor do Confelho de Eítado. O 
Cor-.de de Sarzed-s , que era mais antigo na Gran- 
deza , do que o de Alvor , duvidou , que efte lhe 
precedeílè , o que elle intentou defender pela pre- 
rogativa do lugar do Confelho de Eítado : o de Sar- 
zedas com o Secretario de Eílado fez hum protefto 
de lhe naõ prejudicar aquelie aclo , o qual o Secre- 
tario aceitou. Depois em outros ados íê refolveo, 
precederem os Grandes pela antiguidade da fua Car- 
ta , e naõ por empregos ; precedendo aos Coníè- 
Iheiros de Eftado quando faõ mais antigos. Os 
Bifpos aííiftentes foraõ o do Porto D. Joaõ deSou- 
fa , o da Guarda Ruy de Moura Telles, o de Per- 
nambuco D. Fr. Francifeo de Lima, e o de Leiria 
Dom Álvaro de Abranches. Contava oito annos 
quando no dia 51 de Outubro de 1705 recebeo o 
Sacramento da Confirmação juntamente com o Prín- 
cipe , e Infantes (eus irmãos , e no mefmo dia no 
Oratório do Paço lhe deu o Bifpo Inquiíidor Geral 
Capellaõ môr a primeira Tonfura , fendo elle o 
melmo , que lhe adminiftrou o Crifma. 

El&ey D. Pedro, que como verdadeiro pay 

de famílias amava a feus filhos , lhe fez mercê de 

trinta mil cruzados de tença nas Alfandegas de Li£ 

b ja ; e Porto , e da Commenda de Santa Maria de 

Tom.VilI. Hhhii Al- 



428 Hifioria (jenealogica 

Almada , e de varias penfoens groíTas em diveríòs 
Bifpidos do Reyno , eferiaô mayores as mercês, fè 
lhe naô faltara taõ cedo ávida. Contava o Infan- 
te pouco mais de onze annos , quando fentio efte 
terrível golpe. EIRey feu irmaô lhe deu no anno 
de 1707 por Ayo a Dom Fernão Martins Mafcare- 
nhas, II. Conde de Óbidos, Meirinho môr do Rey- 
no, e do íeu Confelho de Eítado , Varaõ em quem 
concorriaõ virtudes para eíle emprego pela autho- 
rídade dos feus annos , ornados de erudição j e foy 
elle hum dos Senhores de mayor refpeito do íèu 
tempo. Com a aíTtílencia do Ayo começarão a lu- 
zir as virtudes , porque no Infante reconheceo hum 
taõ fublime talento , que naô havia mifter mais, 
que encaminhado ; porque a natureza o havia dota- 
do de huma taõ fmgular viveza , e comprehenfaõ , 
que naõ dava trabalho aos Meftres. 

Achava-fe EIRey feu irmaõ no fitio de Pe- 
drouços no anno de 17 17 na Quinta do Duque de 
Cadaval, onde aííiítio algum tempo, quando a 25 
de Mayo armou Cavalleiro ao Infante na Ermida 
da mefma Quinta , dedicada ao foberano Myfte- 
rio da Puriíiima Conceição da Senhora, com todas 
aquellas ceremonias devidas àquelle acto; calçoulhe 
as efporas o Duque de Cadaval D. Nuno Alvares 
Pereira de Mello, e o Marquez das Minas D.Joaõ 
à; Souía, Gentil-homem da Camera delRey : or- 
denou EIRey depois ao Padre Fr. Fernando de 
Moraes , Dom Prior Geral da infigue Ordem Mi- 
litar 



da Cafa TZgzl Tortug. Liv. VIU 42 p 

: r de Chrifto , que lhe lançaílè o habito da me£ 
ma Cav aliaria naiórma, que ordenaõ osDefínito- 
rios , o que logo íè executou. 

EIRey íeu irmaõ lhe deu Cafa a 21 de De- 
zembro do anno de 1726 , nomeandolhe por Gen- 
ti i-homens da Cameta ao Conde de S. Miguel Tho- 
roás Botelho de Távora , Joaõ de Saldanha da Ga- 
ma , Senhor de Afequis , Ayres de Saldanha de Al- 
buquerque ; depois o foraõ Rodrigo de Mello, 
Conde de S. Lourenço , Dom Francifco Mafcare- 
nhas , Conde de Coculim , e Luiz Vaíques da Cu- 
nha , Conde de Povolide , e para Secretario ao Des- 
embargador Francifco Nunes Cardeal ; e conforme 
o uío da Cafa Real Portugueza, dafua familia tirou 
alguns Criados de foro nobre para com os mais no- 
vos o fervirem , como já havia feito com o Infante 
D. Francifco ; aíTim tem huma grande Cafa , com 
todos os officios , e foros , que fe oblervaõ na Real, 
e para adminiíiraçaô delia hum Tribunal , de que 
faõ os Miniílros de grande graduação , e letras , com 
Secretario , e mais Officiaes pertencentes à Fazen- 
da. Ao mefmo tempo em demonftraçaõ da gran- 
de amifade , e natural propenfaõ , com que EíRey 
eftima ao Infante feu irmaô , lhe fez huma gene- 
rofa mercê para manter a fua Caía com grandeza 
irnial ao ^enio do Infante , verdadeiramente acre- 
dor da Real attençaõ; porque he o Sereniííimo In- 
fante D. António ornado de excelias virtudes , be- 
nigno, agradável, generofo, magnifico, eftimador 

das 






43 o HiJlorU genealógica 

das gentes , e favorecedor de toda a peííba benemé- 
rita , ou íèja Civil , ou Militar , que elle íòccorre 
generofamente com a fua protecção , e com a fua 
liberalidade , de forte , que elle he amado naõ fó 
dos que tem a honra de o tratar , mas univerfalmen- 
te dos Portuguezes , e dos Eftrangeiros 5 porque 
nelle íe vê hum Príncipe de gentil prefença , vivo , 
bizarro, robufto, e defembaraçado , com fublime en- 
tendimento , curioíb , e fciente , dado às Mathema- 
ticas , e Filofoflas modernas , em que teve por Mef- 
tre a Manoel de Azevedo Fortes , General de Ba- 
talha , e Engenheiro môr , iníl^ne profeííbr da ar- 
chiteótura Militar , fciente na Filofona moderna , e 
na Mathematica , e ornado de erudição , e virtudes, 
que o fizeraÕ merecedor defta honra , e de numa 
univeríal eftimaçaõ : da fua affiftencia tirou o In« 
fante hum íingular aproveitamento inftruindo-fe fci- 
entificamente. De forte , que o feu mayor godo 
faõ as diíputas como Meílre, e ouvir os profcíTo- 
res , com quem difcorre , e affim eftima os eruditos, 
que trata com fuave acolhimento. 

Naõ fó as fciencias faÔ o objecto , em que ex- 
ercita o feu admirável talento , mas as bellas letras, 
e a lição da Iíiítoria, que lê na lingua própria, La- 
tina , Franceza , Italiana , e Caílelhana , goftando 
tanto da liçaõ , que tem huma grande Livraria ef- 
colhida com excellente eleição , em que fe vem al- 
guns manufcritos , e impreflbs raros, e de muita e£ 
timaçaõ : a admirável benignidade defte Príncipe 

nos 



da Cafa T^al Tortug. Liv. VIL 431 

nos pcrmitcio , que fe nos franqueaíTè efte thefou- 
ro , donde extrahimos dos manufcritos , com que 
enrique ;emos pela ilia generofidade o noílb traba- 
lho , como fe verá no Livro VI. das Provas , que 
he Tomo III. Nas artes liberaes fe diftinguio tam- 
bém com exceíío : na Muílca com natural propen- 
fu5 , principalmente aos infournentos , em que nas 
horas de defcanço íè diverte , com tanta deftreza , 
e conforme as regras mais polidas da arte da Muíi- 
ca , que admirou a celebres profeííbres. Na bella 
e viílofiffima arte de andar a Cavallo he deftro, for- 
te , airoíò , deíèmbaraçado , e fciente , e com igual 
deftreza Te ha na arte de Tourear , de que tem da- 
do fingulares provas. No exercício da caça nin- 
guém o excede , porque com natural propeníaõ a 
íegue fendo incanfavel, manejando as armas , ou 
feja na montaria com a lança , ou no campo com a 
efpinguarda, em huma , e outra parte a fortuna , e 
a íciencia militaõ igualmente obedientes ao feu bra- 
ço, o que também íè \è quando íè exercita no jo- 
go das armas , em que o forte , e oprimorofo com- 
pete com a deftreza. Finalmente nelle fe vê a de- 
voção , e piedade unidas com as virtudes moraes 
brilhantes , a caridade em larpas efmolas aos íèus, e 
Eftrançeiros , a univerfal eftimaca5 ao eftado Reli- 
giofo, diftinguindo os doutos, e de fanta vida com 
efpecial attençaõ , e favorecendo a todos com be- 
1 ÍG;na , e agradável vontade , de que íèmpre manaõ 
torrentes da fua generofidade para oculto Divino, 

e ou- 



43* 



Hijloria (jenealoçjca 



e outras muitas obras pias 5 porque nelle a reveren- 
cia ao Sagrado he o brilhante da Reiigiuõ , de for- 
te , que todas as virtudes , que íe podem admirar 
feparadas em hum Príncipe , unio o Sereniíumo In- 
fante D. António à fua peílba com tal arte , que 
todas lhe íuõ naturaes. Na larga , e perigcíà do- 
ença, que teve no mez de Abril doanno de 1739, 
moílrou a fua conftancia , e Chriftandade , pedindo 
os Sacramentos tanto a tempo, que edificou a Cor- 
te. Nefta occafiaõ moílrou EIRey o feu carinho 
com as mais finas demonftrações , o mefmo fez to- 
da a família Real, a Corte, e Reyno , que cele- 
brou a fua faude com todo affecto devido a taõ ex- 
çellente Príncipe. 




CAPI- 




'ii^^-f ■DJn.JJTcí s.-„if 



CAPITULO XV. 

T>o Sercniffimo Senhor Infante T>. Manoel. 

Afceo o Senhor Infante Dom 
Manoel em Lisboa a três de 
Agofto co anno de 1697 às oi- 
to horas damanhãa , íendo fef- 
tejado o íeu naícimento com 
igual applauíò ao dos Infantes 
ieus irmãos , que lhe preferi- 
rão no tempo , fem outra alguma differença , por- 
que em todos fe obíèrvaraõ iguaes demonílrações 
de contentamento, e gofto. Na tarde de 24 do 
refe ido mez foy bautizado na Capella Real com 
mageliofa pompa , t bfervando-fe o Ceremonial cof. 
tumado j conferiollie o Sagrado Bautifmo o Cardeal 
Tcm.VIII. Li Ar- 




434 HiUoria (genealógica 

Arcebiípo Capellaõ mor Luiz de Souft , que ha- 
via pouco tinha recebido de Roma a noticia da 
fua promoção ao Capello , e íuppofto naõ ter ain- 
da tomado o Barrete , por naõ haver chegado ; co- 
mo era grande íèrvidor delRey, n::õ quiz deixar 
de fazer efta funçaõ , fem embargo do Ceremcnial, 
que coftumaõ praticar os Gardeaes de naõ fahirem 
a publico em quanto naõ recebem p Barrete ; po- 
rém o Cardeal, que era bem vido nas politicas do 
Bi undo, entendeo fer^õ devia p ivac da honra de 
bautizar ao Senhor Infante , i ;aõ da 

Rainha deu o nome de D. Manoel Joseph ígna- 
cio Francisco António Domingos Caetano 
Estevão Bartholomeu. Foraõ Padrinhos o Elei- 
tor Palatino JoaÕ Wilhefmo feu tio , e a Eleitriz 
Anna Maria de Medicis lua mulher , e com Pro- 
curação de ambos tocou o Bi'po Inquiíldor Geral 
D. Fr.Jofeph de Lencaftre j affiftiraõ os Biípos de 
Elvas D. Bento de Beja de Noronha , que purifi- 
cou os Óleos , o de Bona D. Fr. Pedro de Foycs, 
o de Angola Dom Fr. Jafeph de Oliveira , e o de 
Hypponia D. Fr. António Botado. Levarão as 
varas do Paleo da parte direita os Condes da Ilha 
Francifco Carneiro , da Atalaya D. Luiz Manoel, 
e o de Avintes D. António de Almeida , e da eí- 
querda , os Condes de Oriola D. Vafco Lobo , o 
de Arcos Dom Marcos de Noronha , e de Alvor 
Francifco de Távora , do Coníèlho de Eílado. As 
Infignias levarão o Duque de Cadaval D. Luiz Am» 

broíio 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 435 

brcfio de Mello, genro delRey , o Saleiro 5 o Mar- 
quez de Niza D. Francifco Balthafar da Gama a 
Vela, o Marquez d^s Minas D. António Luiz de 
Soufa o Maçapaõ , o Marquez de Fontes D. Ro- 
drigo Annes de Sá a Toalha, e o Marquez de Ale- 
grete a Veíle Cândida. A Marqueza Aya D. Ma- 
ria de Lencaftre hia no feu lugar detraz doPaleo, 
levando por braceiro ao Conde de Unhaõ feu filho, 
eac.uda Luiz daSylva, filho herdeiro do Conde de 
Aveiras. Na Tribuna eflava EIRey , a Rainha , o 
Príncipe , e o Senhor infante D. Francifco , onde 
lhe aíTirtirao a Marqueza de Alenquer , Camereira 
môr, eaCondefla de Villa-Flor, Senhora de Honor, 
o Marouez de Marialva, Gentil-homem daCame- 
ra de femana , Chiiílovaõ de Almada, e D. Louren- 
ço de Lenialire, Veadores da Rainha. Na Tnbu. 
na efteve também a Senhora D. Luiza filha delRey, 
a Duqueza de Cadaval fua íogra, e fua enteada a 
Marqueza de Fontes , e fuás filhas , a CondeíTà de 
S. foaõ Dona Anna, D. Eugenia, eD.Joanna de 
Lorena. 

Naõ contava ainda íete annos, quando o Papa 
difpenfon para tomar a primeira Toníura, que a 14 
de Abril de 1704 no Oratório do Paço da Corte- 
Real lhe conferio o Bifpo Capellaõ môr Inquifidor 
Geral D. Fr.Jofeph de Lencaftre : o Duque Mor- 
domo môr lhe chegou a almofada para ajoelhar, o 
Barrete levou em huma falva Chriíiovaõ de Alma- 
da , Veador da Cafa da Rainha , e a fcbrepeliz o 
Tom.VlII. Li ii Bif- 



43 ^ HiHoria Çenealogica 

Bifpo de Elvas. EIRey íêu pay lhe fez mercê de 
largas peníòens nos Bifpados do Reyno , dandolhe 
também como aos Infantes feus irmãos trinta mil 
cruzados de tença nas Alfandegas de Lisboa } e Por- 
to. Noanno de 1706 teve huma doença taõ ma- 
ligna , que poz em grande cuidado a EIRey , e to» 
da a Corte , de que milagroíamente melhorou. 

Foy feu Ayo o Conde Meirinho môr , que 
também o era do Infante D. António íêu irmaõ, 
como fica dito : eraÕ curtos os annos , mas nelle 
refplandeciaô as virtudes, porque a natureza o ha- 
via ornado de huma gentil prefença , com natural 
agrado , e benignidade , revertido de efpiritos gene- 
rofos, que o encaminhavaõ à heroicidade, ajuntan- 
do a partes taõ excellentes, generofidade , e magni- 
ficência , de íòrte , que íèm mais trato , que a fua 
prelênça, íè fazia amável. Seguia a caça, e outros 
divertimentos dignos do íeu Real nafcimento, com 
huma propenfaÕ à arte militar , que naõ fó a deíè- 
java entender , mas praticar , de íòrte , que preoc- 
cupado o íèu coração de hum ardor militar , ven- 
do , que no Reyno havia muy pouco íe ajuftara a 
paz , e que nelle íe gozava de huma feliz tranqui- 
lidade , entrou na idéa de fe achar na guerra contra 
os Turcos. Erao muitos, e grandes osobftaculos, 
que impediaõ o poder pôr em pratica aquella reíò- 
luçaõ j mas o Infante íem reflectir nos inconveni- 
entes , que lho deviaõ embaraçar , levado do ardor 
dos poucos annos, porque naõ contava mais que 

poucos 



diCafa fyal Tortug. Liv.VII. 437 

poucos mezes fobre dezaíête annos , rompeo por 
todos os obftaculos , e determinou paiTar à Alema- 
nha para fe achar na guerra de Hungria. Efta re- 
íbluçaÕ fiou fomente de Manoel Telles da Sylva , 
que pouco lhe excedia em annos , filho íegundo do 
Conde de Tarouca Joaõ Gomes da Sylva , que na- 
quelle tempo refidia com o cara&er de Embaixador 
Extraordinário na Corte de Haya : com efte Fidal- 
go , hum Repofteiro , e outro Criado de foro infe- 
rior, aíTentou em íè auíèntar fem communicar a ou- 
tra alguma peííòa efta refoluçaõ ; aííim na noite de 
4 de Novembro doanno de 1715 fe embarcou, íèm 
fer conhecido , em hum navio mercante , que fazia 
viagem para Hollanda. Tanto, que o Infante fal- 
tou , fe divulgou a fua aufencia , fe defpediraõ Ex- 
preflos aos Governadores das Armas das Provindas, 
e fendo os indícios mais certos, que embarcara , fa- 
hio logo em huma fragata de guerra Ingleza em feu 
alcance o Marquez de Marialva D. Diogo de No- 
ronha , Gentil-homem da Camera delRey , e naõ o 
encontrando , fe recolheo. Havia ido com o Mar- 
quez Paulo Methwin, que havia fido Embaixador 
da Rainha Anna da Grãa Bretanha na noíía Corte, 
que tinha chegado da de Madrid, onde exercitou o 
meímo cara&er , para embarcar para Inglaterra na 
referida nao. EIRey quando elle voltou lhe agra- 
deceo a attençaõ , mandandolhe hum prefente de 
muito valor de barras de ouro, e hum grandiflimo 
refrefco. O Infante chegou a Amíterdaõ com de- 
zanove 



438 Hi floria Çenealogica 

zanove dias de viagem , depois de ter padecido di- 
verfos perigos, e trabalhos. O Conde de Tarou- 
ca, tanto que teve noticia da chegada do Infante, 
defpedio hum próprio a Lisboa , participando a El- 
Rey da fua chegada a Hollanda , e logo o foy buG 
car em companhia de Dom Luiz da Cunha , e lhe 
deu a lua cafa na Haya , e o tratou com grande 
magnificência , divertindo-o com íumptuoíbs bai- 
les , e outros divertimentos com admirável luzi- 
mento , e extraordinária deípeza. GsEftados Ge- 
raes o tratarão com toda aquella formalidade, re£ 
peito , e obfequio , que íe devia à íua Real pel- 
íòa j e querendo o Embaixador diíTuadillo do inten- 
to , em que eftava , propondolhe hum meyo , de 
que fazendo hum gyro por França , depois de ter 
vifto algumas Cortes incógnito , íe recolheílè a Por- 
tugal j porém nem a eloquência , e perfuafaô do 
Conde de Tarouca , nem a de D. Luiz da Cunha, 
que também íe achava com o mefmo caracler de 
Embaixador Extraordinário na referida Corte , pu- 
derao vencer nem por induftria , nem por arte a re- 
foluçaõ do Senhor Infante , o qual com efTèito íè- 
guio a fua idéa -, e íahindo de Hollanda , paflbu a 
Pariz , onde enraõ refidia por Embaixador Extra- 
ordinário delRey íêu irmaô o Conde da Ribeira 
Grande D. Luiz da Camera , que dandolhe a fua 
cafa , o tratou magnificamente com aquelle refpei- 
to devido à fua pefíba , o entreteve com fumptuo- 
íos bailes , e outros muitos divertimentos , de que 

aquella 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 43 £ 

aquella Corte he muy feivida: e naõ podendo cií- 
íuadir ao Infante, duque c-mfigo tinha aíferttado, 
o qual tendo noticia, de que o Exercito doEnpera- 
dor eítava em Campanha , fe deftmbaraçou dos di- 
vertimentos de Pariz , efez jornada para Alemanha; 
paííou à vifta de Vienna , e fem entrar na Corte do 
Emperador , caminhou a Hungria pelo receyo de 
perder o tempo de íe athar na batalha, que breve- 
meire fe havia de dar , prevenção, que foy muito 
atempo, p< rque per pouco, que fe houveííe deti- 
do em V r ienna , certamente ie naõ ter a achado na 
batalha , porque dous dias antes delia chegou ao 
Campo. O Príncipe Eugénio, que o tratou com 
todas as honras devidas ao feu Real nafcimento, 
fez tudo quanto lhe foy poílivel para lhe impedir, 
que fe achaííè na acçaó , que infalivelmente havia 
de haver dentro de dous dias , para o que lhe pro- 
por outro projecto para com elle evitar, a que íê 
expuzeíTe a taõ grande rifco : porém o Infante pe- 
netrando odefignio do Príncipe Eugénio, lhe decla- 
rou , que de nenhuma forte fe apartaria do feu lado; 
aílím o executou , e no dia da batalha de Peterwa- „ , ., f , 

_ Cí.mpagnesdelVonr.le 

racin , que roy a 5 de Agolto do anno ce 1716 , o PrinceEugeneenHon- 
feguio por toda a parte , e fe expoz aos mayores f"",^^,!,^?*! 
perigos. Finalmente o Sereniííímo Infante D. Ma- 60,70,7/^7*. 
noel deu extraordinárias demonftrações de valor, 
conftancia , e acordo , diftinguindo-íe de forte , que 
mereceo grandes elogios de todos os Generae , e 
Cabos na occafuõ , que o Príncipe Eugénio fe 

apeou 



44° Hl floria (jenealogica 

apeou para animar a Infantaria , que começara a 
defcomporfe na ala direita , o Infante o fez também, 
acompanhando-o íempre em toda a parte. 

Vencida a batalha, mandou o Píincipe Eugé- 
nio hum conííderavel dettacamento para ir no al- 
cance dos fugitivos , os quaes algumas vezes volta- 
vaõ as caras, e houve alguns combates bem fortes, 
e difputados ; o Infante quiz ir reíte deílacamento , 
naõ obftante as inftancias, que lhe flzeraÕ para o 
diíluadir. Neíta occafiaõ em hum choque , que 
houve em hum fitio , em o qual dous mil Turcos 
& tinhaõ intrincheirado , lhe matarão o caval!o , e 
cahio em hum pequeno foíTo , donde infalivelmen- 
te feria levado pelos inimigos fe lhe naõ acodiraõ 
D. Diniz de Almeida , entaõ Cavalleiro da Ordem 
de S. Joaõ de Malta , ( depois Commendador da 
Ordem de Chriílo , General de Batalha do Empe* 
rador , e feu Gentil-homem da Camera) que com 
Luiz daCofta, hoje Tenente deCavallos, que rom- 
peo pelos Turcos diftimidamente , que o cercavaõ , 
e o livrou do perigo. Quando o Exercito foy Ibbre 
a Praça de Temefwar , na abertura da trincheira, 
havendo-fe chegado muito a reconhecer a Praça, 
lhe matarão o cavallo , em que eftava montado, 
com huma bala de artilharia deípedida do Palanque, 
que he huma certa fortificação , a que os Turcos 
daõ efte nome , e ficou fétido no joelho direito 5 ef- 
ta ferida em quanto fe naÕ foube, que era leve, cau- 
fou grande fufto aos Generaes , porque temerão lhe 

tiraílè 



daCafa TfyalTortug. Liv.VIL 441 ■ 

tiraíTe a vida : porém o Infante foy bem fuccedido, 
e ió quatro dias eíleve Tem fahir da fua tenda , ain- 
da que muitos nas mãos dos Cirurgioens : efta no- 
ticia quando chegou à Corte de Vienna, a poz em 
grande cuidado. O Emperador entaõ lhe efcreveo 
huma Carta , e lhe mandou os parabéns do bom íuc- 
ceíío da Campanha , rogando a Sua Alteza para 
que paíTaííe aquella Corte , donde o efperava com 
grande alvoroço , e a 2 de Novembro do referido 
anno foy para Vienna. A primeira noticia defte 
íucceíTo , que chegou a Lisboa , de que o Infante 
fora ferido na trincheira de Temefwar , cauíbu na 
Corte hum grande fufto , e cuidado , em quanto naõ 
chegarão novas certas da Corte de Vienna y pelas 
quaes EIRey feu irmaõ fe inteirou, do que o Infan- 
te padecera , e de que ficava livre , o que foy ge- 
ralmente applaudido. Em algumas Memorias da- 
quelle anno lemos eíla acção com tanta gloria do 
Infante , que nos achámos obrigados a copiar as mef- 
mas palavras , que traduzidas fielmente da lingua 
Franceza , faõ as feguintes : O Príncipe D. Manoel p t ' m <x» a n n; í*/ 1 
de Portugal fe encobrio da vi lia de todos os cjue o acom- tom * 2 5 jpag. 344* 
panhavao , chagando- fe a trincheira , naõ obílante , que 
o Pi incipe Eugénio o (juiz dijjuadir , moflrandolhe o rif- 
co , que alli corria. Eiie Moço Difcipulo do De os 
Marte nao fe deixou perfuadir , e correo peiigo de 
perder a vida , porque huma bala de canhão lhe afom- 
hou levemente a perna direita , e queimando lhe a bota 9 
matou o cavallo , em que montava ; efta queda lhe fez 
Tom. VIII. Kkk algu- 



44 2 Hiftorla Çenealogtca 

alguma contufad , mas ao partir do Ccrreyo fe affegih 
roíij que o Príncipe edava livre de perigo , efíes lao os 
hercicos princípios de hum Príncipe da Jua idade ! Das 
mefmas Memorias referiremos traduzidas as palavias 
Dito tomo i$ ,p.3 $5. feguintes : Os Amigos , e todos os que fe inter ejfavao 
na confervaçao delie Príncipe Moço , de alguma forte 
fe alegrarão de fie fuccejfo , Jem o qual o Jeu ardor 
Marcial o haveria fem duvida levado ao a ff alt o do Pa- 
lanque , em que haveria corrido o me/mo rifco de tan- 
tos valerofos , e esforçados , que no me/mo Palanque 
facrificaroã ávida. Rendida a Praça deTemefwar, 
o Baxá , que a governava , fez vários prefentes , e 
ao Senhor Infante D. Manoel mandou hum fermo- 
íò cavallo , que o Infante agradeceo mandandolhe 
hum relógio de ouro de Inglaterra de grande preço. 
No anno íêguinte de 1717 a 16 de ^goílo íê 
achou o Infante na famofa batalha de Belgrado , 
huma efes mais completas vitorias , que fe ganha- 
rão depois de hum feculo , nella íê tomarão aos ini- 
migos cento e trinta peíTas de artilharia , trinta eíê- 
te morteiros , de que alguns lançavaõ bombas de 
duzentas livras , vinte mil balas de canhão , três mil 
bombas , e outras tantas granadas , íei (centos barris 
de pólvora , e trezentos de balas de mofquete , cin- 
coenta e três eftcndartes , nove caudas de cavallo, 
quatro trombetas, ogrands Tambor dos Janizaros, 
e outros diíferentes , o grande Timbale , e outros, 
e três mil carros , nao fallando no que fe tomou na 
Ilha , ou Forte da Eílrella , nas fragatas de guer- 
ra, 



da Cafa 7{eal Tortug. Liv. VIL 443 

ra , e íaiques , que fe renderão no Danúbio , mor- 
rerão milhares de Janizaros , porque foy horroro- 
íà a mortandade , que nelles fizeraõ os Chriftãos, 
fazendo hum grande numero de prifioneiros , em 
que entrarão muitos Chriftaos cativos achados no 
Campo inimigo, metidos em ferros, que ficarão li- 
vres , e todos affirmaraõ o defignio , em que eíla- 
vaõ os inimigos de atacarem o Campo Imperial ; e 
aííím acharão huma grande quantidade de inftru- 
mentos , e diveríâs machinas de fogo para atacarem, 
e eícalarem a trincheira do Exercito Imperial , do 
qual foy premio deita grande vitoria a meíma Pra- 
ça de Belgrado , em que havia de guarnição vinte e 
cinco mil homens , quatrocentas e trinta e féis peíTas 
ce bronze , cento e doze de ferro , e cento e cinco 
morteiros , e immenfas munições de guerra j fahi- 
raõ da Praça cincoenta e cinco mil peílbas entre 
Soldados, ePaizanos: delies fó hum chamado Muf- 
tafá Turco, e Negro, porperfuafàõ do Sereniffimo 
Infante , deteftando a feita de Mafamede , abraçou 
a Religião Chriítãa , e recebendo o Sagrado Bautif 
mo , tomou o nome de Manoel, em obíêquio do 
íèu Protector , e dentro de poucos dias morreo. 
Foy o Infante dos últimos , que fahiraÕ da Campa- 
nha , e no dia 27 de Setembro íè defpedio dos Ge- 
neraes , e difcorrendo pela Hungria Inferior , no fim 
de Outubro entrou em Alemanha , e no principio 
de Novembro na Corte de Vienna , onde foy geral- 
mente applaudidoj porque o Infante íe achou nos 
Tom.VIIL Kkk ii luga- 



444 Hijloria (jenealogica 

lugares de mayor rifco , ao lado do Principe Eugé- 
nio , na5 baftando toda a prudência defte grande 
General para o perfuadir, a que fe naõ expuzeflè 
tanto , e obrou fempre com tanto valor, e acordo, 
que nunca pareceo novo no exercício militar , con- 
íêguindo neftas Campanhas immortal gloria. De- 
pois de ter no anno de 171 8 voltado à Corte da 
Haya , onde indo ver o exercício de alguns Regi- 
mentos da Republica, lhe deu huma bala em huma 
perna ainda que íêm perigo , íòfreo huma violenta 
cura com grande conftancia , e intercedendo com 
igual generoíidade pelo Soldado , que teve a culpa 
do deíaftre , para que fe lhe perdoaííè o caíligo , e 
lhe mandou dar huma ajuda de cufto. Nos annos 
feguintes , tendo vifto as principaes Cortes de Eu- 
ropa , entre ellas a de Madrid , e a de Pariz ; no 
de 1721 no primeiro de Dezembro foy creado Ca* 
valleiro do Tofaõ de Ouro , juntamente com o 
prLces,&cianM72i Príncipe Real de Polónia ( hoje Rey ) o Princi- 
iom.$*,fcag. i$8. p e Maximiliano de Hanover , o Príncipe herdeiro 
de Lorena, (hoje Graô Duque deTofcana) o Prín- 
cipe herdeiro Palatino de Sulb3ch , o Principe Fer- 
nando de Baviera , e outros. Depois no anno de 
1722 tornou à Corte de Pariz , e fe achou na occa- 
ííaô, em que em Reheims fe coroou EIRey Luiz 
XV. Finalmente íe recolheo a Lisboa, e íê eílabe- 
leceo naCafa de Campo de Bellas , que he do Con- 
de dePombeiro , onde continua os feus virtuoíòs, e 
illuftres exercícios , diílribuindo com grande , e ge- 

neroía 



da Cafa T^eal Tortug. Liv. VIL 44 5 

nerofa piedade as rendas , que EiRey íèu irmaô lhe 
alíinalou, nomsandolhe para Gentis-homens da fua 
Camera o Conde de Vimieiro D. Diogo de Faro , 
Manoel António de Sampayo , Senhor de Villa- 
Flor, Rodrigo de-Figueiredo , Senhor de Ota, An- 
tónio de Saldanha de Albuquerque, ( filho herdeiro 
de Ayres de Saldanha ) e Manoel de Saldanha feu 
irmaõ , Secretario o Doutor Jofeph Vaz de Carva- 
lho , do Coníelho de Sua Mageílade , e íeu Defem- 
bargador do Paço , e todos os mais Criados de foro 
nobre , e ordinário ao uíò da nofíà Corte ; sííim tem 
huma Cafa proporcionada , e fervida com toda a 
decência devida à fua Real pcííba , ornada de ex- 
cellentes virtudes, em que o brilhante he a Reli- 
gião, com que venera oíàgrado com huma profun- 
da devoção , unindo huma benignidade , e genero- 
fidade fem limite. 




CAPI- 



447 

SÓ 




D í-A-íí Jil it-saJá 



CAPITULO XVI. 

©4 Serenlfjima Senhora Infanta D. Therefa. 

Afceo a Infanta D. Therefa 
em huma feita feira 24 de Fe^ 
vereiro às onze horas , e três 
quartos para o meyo dia do 
anno de 1696 no Paço da Cor- 
te Real. EIRey pafTou logo 
ao íêu quarto , onde a Corte 
o congratulou , beijandolhe amaõ pelo bom fuccefc 
fo da Rainha , e por fer já tarde naõ baixou a Ca- 
pella, o que fez no outro dia em publico acompa- 
nhado de toda a Corte , e íe cantou o Te Deum Memorias Jo Duqre 
com grande folemnidade , afíiftido do Núncio do tom.iorp^V 1 ^ ' 
Papa. Foy bautizada na Capdla Real em hum 

Domin- 




448 Hijlorla genealógica 

Domingo a 25 de Março do dito anno pelo Arce- 
bifpo Capellaõ môr com o nome de D. Theresa 
Maria Francisca Xavier Josefa Leonor, 
fendo feu Padrinho EIRey de Caftella Dom Carlos 
II. e Madrinha a Emperatriz Leonor fua tia, ecom 
Procuração de ambos fez efta funça5 D. Manoel 
de Semenat e de Lanuza , Marquez de Caftel de 
los Rios , Embaixador delRey D. Carlos , que até 
aquelle tempo havia refidido feu Enviado. Nefte 
mefmo dia às duas horas da tarde fez o Embaixa- 
dor a fua entrada com grande luzimento , fem em- 
bargo da grande chuva daquelle dia , foy conduzi- 
do pelo Conde de Alvor Francifco de Távora , do 
Coníelho de Eftado , e Prefidente do Confelho Ul- 
tramarino ; acompanhou-o no Paço D. Filippe de 
Soufa , Capitão da Guarda , e Fernaõ de Soufa Cou- 
tinho , Veador da Caía delRey , e depois de ter 
audiência de Sua Mageftade , voltou com o mef 
mo Conduótor à da Rainha , e fe recolheo a efpe- 
rar pelo bautizado a huma cafa junto à cafa gran- 
de dos Porteiros até que foy tempo. Naõ íó nef- 
ta occafiaõ , mas nos dias , em que o Príncipe fa- 
zia annos, celebrou no feu Palácio feflas magnifica?, 
de que el!e compunha osVerfos, e imprimia , en- 
trando em algumas delias íêus filhos , e fendo a ul- 
tima huma Comedia intitulada : Ei mejor E/aido 
de Perfeo , que era huma allegoria às Armas , que 
Chrifto deu a EIRey D. Affonfo I. convidando pa- 
ra todas eftas funções os Grandes, Senhores, e Se- 
nhoras 



da Cafa 'Real Tcrtug. Liv. VIL 445? 

nhoras da Corte, com tcdo oluzimento. Levava 
a Infanta nos braços o Duque Mordomo môr de- 
baixo do Paleo , como he coftume , aííiftido de 
dous Moços Fidalgos , e as varas levarão o Mar- 
quez de Fontes Rodrigo Anncs de Sá , os Condes 
de Sarzedas D. Luiz da Sylveira , o de Arcos Dom 
Marcos de Noronha , o de Avintes D. Luiz de Al- 
meida , o da Ilha Francifco Carneiro , e o de A ta- 
lava* D. Luiz Manoel. Diante do Paleo hia logo 
immediato o Embaixador delRey de Caílella com 
o feu Conduclor o Conde de Alvor , os Grandes 
em fcu lugar, os quaes todos foraõ cobertos , por 
dizer o Conde de AíTumar , Vedor da Cafa , que 
LIRey o mandava ; detraz do Palio hia a Marque- 
za de Unhaõ , Aya de Sua Alteza, fervindolhe de 
braceiro feu filho o Conde de Unhaõ , levandolhe 
a cauda Luiz da Sylva Tello , primogénito do Con- 
# de de Aveiras Joaõ da Sylva Tello. Seguiaõ-íe as 
Senhcras de Honor , e Dornas ( as quaes coftumaõ 
acompanhar femelhantes selos , quando he Infanta, 
a que íê bautiza. ) As infignias levarão , o Saleiro 
o Duque de Cadaval D. Luiz Ambrofio de Mello, 
genro delRey , a Vela o Marquez de Távora An- 
tónio Luiz de Távora , a quem ajudava hum Mo- 
ço Fidalgo , o Maçapaõ ltvava , aííiíiido de dous 
Moços Fidalgos, o Marquez das Minas D. Antó- 
nio Luiz de Sou'a , a Vede Cândida o Marquez 
de Niza D. Francifco Balthafar da Gama , a Toa- 
lha para purificar os Óleos o Marquez de Frontei- 
To m.VIII. Lll ra 



450 Hijloria Çenealogíca 

ra D. Fernando Maícarenhas. E obíêrvando-fê cm 
tudo o Ceremonial da Cafa Real , depois do Du- 
que fazer oraçaõ no íltial , que eftava preparado, 
de que tirou a cobertura Joaõ de Vaíconcellos , 
Deaõ da Sé de Lisboa , e Sumilher da Cortina dei- 
Rey , chegou o Arcebifpo Capellaõ môr , e fe co- 
meçou oaóto do Bautifmo, e feitas as ceremonias, 
que manda o Ritual, a que aífiíliaõ quatro Biípos, 
chegarão a Pia , a qual dcfcobrio o Sumilher da Cor- 
tina Lourenço Pires Carvalho , do Confelho de Sua 
Mageftade , e CommiíTario Geral da Bulia ; a Mar- 
queza Aya tirou o Bonete , que a Infanta levava , 
o qual recebeo em huma falva hum Moço Fidal- 
go , e tanto , que foy bautizada , lho tornou a pôr 
na cabeça a mefma Marqueza Aya. Acabado o 
Bautifmo , tomando o Duque a Infanta nos braços, 
íè recolheo a cortina , que abrio o mefmo Sumilher 
Joaõ de Vafconcellos , entrarão as Damas na corti- 
na coma Marqueza Aya, para íervirem a Sua Al- 
teza , e depois de tomado algum deícanço, voltou 
com a mefma ordem. Na Tribuna da Rainha et 
teve El Rey, e a Rainha, o Príncipe, o Infante 
D. Francifco , e a Senhora D. Luiza filha delRey, 
o Marquez de Marialva Mordomo môr , o de Ale- 
grete Gentil-homem daCamera, que eftava de íè» 
mana , e o Conde de Vianna D. Jofeph de Mene- 
zes , Eftribeiro môr , es Veadores da Rainha , a 
Marqueza de Alenquer Camereira môr da Rainha, 
aDuqueza de Cadaval com fua enteada a Marque- 
za 



da Cajá Ifyal Tortug. Liv. VIL 4 $ I 

za de Fontes, e fuás filhas a Condefla deS.Joaõ, 
e D. Eugenia de Lorena. No anno de 1703 331 
de Outubro no Oratório do Paço da Quinta de Al- 
cântara recebeo o Sacramento da Confirmação , 
que lhe conferio o Bifpo Capellaõ môr , e junta- 
mente a ília irmãa a Infanta D. Franciíca, íendo 
feu Padrinho o Padre Miguel Dias , que já o havia 
fido no meímo dia do Príncipe , e Infantes (eus ir- 
mãos. 

Naõ contava a Infanta de idade oito annos, 
quando íè obfervavaõ nella muitos de perfeição ; 
porque a natureza com íingular providencia a do- 
tou de entendimento , o que fe havia anticipado 
tanto aos annos, que fervia de admiração, aos que 
a tratavaõ , ver em annos tenros taõ brilhante a di£ 
criçaõ. Havia EIRey feu pay ajuílado como Em- 
perador Leopoldo cafar a Infanta com o Archidu- 
que Carlos ; ( que já entaõ íè intitulava Rey de 
Hefpanha ) porém o Ceo , que lhe havia preparado 
outra Coroa , que havia de fer eterna , desfez efte 
negoceado. Porque adoecendo a Infanta de hum 
farampo , do qual convaleceo , lhe fobrevieraõ be- 
xigas malignas com taõ terríveis fymptomas , que 
a Infanta quiz tomar o Santiflimo Viatico, o que 
fez com fiimma devoção , recebendo-o da maõ do 
Bifpo Capellaõ môr , e Inquifidor Geral Dom Fr. 
Jofeph de Lencaftre , a que lhe aíííftio a Marqueza 
de Unhaõ fua Aya , D. Barbara de Lara fua Dama 
Camerifta , depois Marqueza de Niza , a Condefla 
Tom.VIII. Lll ii de 



4 S 2 Hi floria Çenealogica 

de Villa-Flor D. Joanna de Vilhena , Senhora de 
Honor, e a Ccndeííà da Ponte Dona Anna Maria 
Coutinho , que havia fido fua Dama , e conferva- 
va as entradas livres. Tiveraó a Toalha D.Joíeph 
de Almada , Sumilher da Cortina , e o Padre Sebaf- 
tiaô de Magalhaens , ConfeíTor delRey , e deulhe 
o lavatório o Sumilher. Crefceo o mal , e naõ va- 
lendo os remédios humanos, fe íbube aproveitar dos 
Divinos , entregnndo-fe com ccnftancia nas mãos 
do íêu Creador : faleceo em hum Sabbado 16 de 
Fevereiro de 1704 às féis hoias da tarde , e paíTou a 
receber a immarceííivel palma , que lhe eftava def 
tinada no efclarecido Coro das Virgens, como pia- 
mente entendemos. E íendo veftida no habito de 
S. Francifco, com palma coberta de flores, foy me- 
tida em hum caixão de tela branca, com acoftuma- 
da ceremonia praticada nosReaes enterros. Acom- 
panharão o caixão até a liteira a Marqueza Aya, 
a Condeíla de Viila-Flor , Senhora de Honor , e as 
Damas , e muitas Senhoras da Corte , fem que íê 
obíervaííè preferencia : pegai aõ no caixão o Mar- 
quez de Cafcaes D. Luiz Alvares de Caftro , o Mar- 
quez de Niza D. Francifco Balthafar da Gama , o 
Marquez de Alegrete Manoel Telles da Sylva , o 
Marquez de Fontes Rodrigo Annes de Sá, o Con- 
de de S. Vicente Miguel Carlos de Távora , e Gar- 
cia de Mello , Monteiro mor ; e íendo levado ao 
Morteiro de S. Vicente de Fora , depois de fe fazer 
a entrega ao Prior , íê collocou em huma Eíla , le- 
vantada no Coro dos Religiofos , onde jaz. 

CA- 



453 







CAPITULO XVII. 

T>a Serenijfimz Senhora Infanta 2), Francifca. 

M a Cidade de Lisboa naíceo Memorias m.c do Du- 
a Infanta D. Francisca em ^ uc de Cadàval » tom - 
numa terça reira as dez noras 
do dia 30 de Janeiro de 1699. 
Concorreo toda a Corte ao 
Paço a beijar a maô a EIRey, 
que logo defceo à Capella , 
donde fe cantou o Te Deum com a me ima formali- 
dade , que nas mais occafioens. Quando EIRey 
voltou para o Paço fallou ao Núncio do Papa , ao 
Embaixador de França , e mais Miniílros Eftran- 
geiros , que haviaõ ido a fignifícar a Sua Magefta- 
de o feu contentamento. Foy bautizada pelo Car- 
deal 




454 Hi floria Çenealogka 

deal de Souia, Capellaô mor, Arcebifpo de Lisboa, 
em huma terça feira 24 de Fevereiro , em que a 
Igreja feftejava a feita do Apoftolo S. Mathias , fen- 
do feu Padrinho Joíeph , Rey dos Romanos , fèu 
primo com irmão , e com poder feu tocou o Biípo 
Inquiíldor Geral D. Fr. Jofeph de Lencaíire , e naõ 
houve Madriíiha. Foy levada nos braços do Du- 
que de Cadaval Mordomo mor da Rainha , e aííi£ 
tida da Marqueza Aya Dona Maria deLencaítre, 
que lua encoftada ao Conde de Unhaô íèu filho , 
levandolhe a cauda D. Pedro de Almeida , primo- 
génito do Conde de AíTumar \ feguiaõ-íê as Damas, 
e a Vifcondeíla de AíTeca D. Angela de Mello , Se- 
nhora de Honor. Levarão as infignias o Duque 
de Cadaval D. Luiz Ambroíio de Mello , os Mar- 
quezes de Távora António Luiz de Távora , o das 
Minas D. António Luiz de Souíà , o de Fontes D. 
Rodrigo Annes de Sá , o de Alegrete Manoel Tel- 
les da Sylva : as varas do Paleo da parte direita os 
Condes de Sarzedas Dom Luiz da Sylveira , o de 
Oriola D. Vaíco Lobo , o de Arcos D, Marcos de 
Noronha ; e da efquerda o da Ilha Francifco Car- 
neiro de Soufa , o de Atalaya D. Luiz Manoel de 
Távora , o de Alvor Franciíco de Távora. Aííifc 
tirão as Mageftades na Tribuna , em que eílavaô 
acompanhadas da Marqueza de Alenquer D. Catha- 
rina Barbara de Noronha , Camereira mor, algumas 
Senhoras de Honor , o Marquez de Marialva Dom 
Pedro de Menezes, Gentil-homem daCamera , que 

eftava 



da Cafa Ttgal Tortug. Lh. VIL 455 

eftava de femana , o Conde de Vianna D. Jofeph 
de Menezes , Eftribeiro môr , e Gentil-hcmem da 
Camera , os Veadores da Rainha , eefteve a Senho- 
ra D. Luiza filha delRey, a Duqueza de Cadaval 
D. Margarida de Lorena com fuás filhas. 

Em nada cedeo a Infanta D. Francifca a fua 
primeira irmaa a Infanta Dona Ifabel , porque a 
natureza logrou na fua Real peííòa huma das mais 
fingulares prooucções ; ajuntou à belleza prodi- 
giofà , agradável mageftade na prefença , ornando- 
fe de excellentes virtudes, porque era benigna para 
todos, com coração pio , e devoto , goftava da li- 
ç^õ dos livros, que lia na lingua própria , Hefpa- 
nhola , Franceza , e Italiana , fendo eíle o feu mais 
eftimavel divertimento, e da mefma íbrte na dança, 
inftrumenros, e intelligencia da Mufica. Teve por 
Aya , depois que foy nomeada Camereira môr a 
Marqueza de Unhaô , a D. Joanna de Lencaftre, 
Ma^queza de Fontes, que faleceo neíle exercício. 
Ofcu quarto era frequentado das Senhoras, a quem 
era permirtida efta honra , que ella tratava com 
agrado, e eHimaçaõ, de forte, que naõ podendo 
íer ne^ns mayor o refpeito , que lhe rendiaõ , fica- 
va fendo çrande a obrigação , em que a todas pu- 
nha a afabilidade , e génio da Infanta 5 de tal ma- 
neira , que ella foy geralmente applaudida naõ fó 
da Nobreza , mas do povo, que concorria a vella 
todas as vezes , cue tahia fora , com tanta fatbfa- 
çaõ , que pareceo a Infanta venerada Deidade do 

mais 



45^ Htjloria Çenealcgica 

mais fyncero , e fiel culto , que profeííàõ os Vaflàl- 
los Portuguezes à Real família ; e aííim fe vio na 
fua morte, porque adoecendo de leve queixa, com 
poucos dias de doença , fe precipitou efta de ma- 
neira , e em taõ pouco tempo , que dandolho fo- 
mente para uíar dos remédios Divinos , depois de 
lê ter largamente confeílàdo , e recebido o Santiffi- 
mo Viatico com muita edificação, faleceo em hum 
Domingo entre as duas , e três da tarde , em que íè 
celebrava afefta do Anjo da Guarda do Reyno 15 
de Julho de 1736 , contando trinta e íête annos, 
cinco mezes , e dezaíete dias , fendo a fua morte 
quafi a primeira noticia, que íèeípalhou daíua quei- 
xa , que violentamente arrebatou da noíTà Corte 
para a transferir à Celeíle. A fua morte foy geral- 
mente fentida , como teftemunhaÕ ostriftes, ainda 
que eloquentes Epicedios , que os mais luzidos en- 
genhos da noíla Corte dedicarão à fua faudoía me- 
moria , eternizada defta forte nas muitas , e diver- 
las Obras, que em verfo , e proía íè imprimirão, 
que faõ eloquentes pyramides levantadas à immor- 
talidade do feu Real nome. Foy a Infanta de eC- 
tatura alta , groíla , muy fermofa , com grande bi- 
zarria , e excellentemente airofa , rofio redondo, os 
olhos grandes, e pardos , muito branca , e corada , 
nariz , boca pequenos , e proporcionados , dentes 
perfeitiífimos , com fízionomia alegre, efummamen- 
te agradável: e fendo íèpultada com Real pompa, 
jaz em S. Vicente de Fora dos Cónegos Regrantes 
de Santo Agoftinho. FI- 



457 



FILHOS 

LEGITIMADOS 

D O 

SERENÍSSIMO senhor rey 

D.PEDRO II. 



Tom. VIII. Mmm CA,- 



4S? 




CAPITULO XVIII. 

T)a Senhora Dona Lui^a. 

Evemos também dar conta de 
outros filhos delRey D. Pe- 
dro II. de gloriofa memoria, 
e íêguindo a ordem dos feus 
nafcimentos , foy a primeira a 
Senhora D. Luiza , que naf- 
ceo a 9 de Janeiro do anno de 
'1679 ; houve-a EIRey feu pay em huma donzella 
limpa, como elle aílèverou, que íê chamou D. Ma- 
ria da Cruz Maícarenhas. EIRey a legitimou, e Prnv . nnm 1Àn 

2 s rrova num. 149. 

declarou com todas as clauíulas eipecioías , que po- 

diaõ fer de mayor honra , e eílimaçaõ defla filha , 

a qual foy entregue ao cuidado de Francifco Cor- 

Tom.VIII. Mmmii rea 




4^0 Hifloria Çenealogica 

rea de Lacerda , Secretario de Eftado , creando-íè 
incógnita em fua cafa até a idade de oito annos , 
em que EIRey a mandou recolher noMefteiro de 
Carnide de Religiofus de Sjjnra Therefa , cnde e£ 
tava fua tia a Senhora D. Maria , de quem no Ca- 
pitulo I. pag. 257 do Tomo VII. fizemos menção 
como filha do Grande Dom JoaÕ o IV. com toda 
aquella decência devida ao feu altiííímo nafcimen- 
to , eícrevendo a íua irmãa de prop ia maõ a Car- 
ta íeguinte : Minha Irmãa: Vay minha filha Luiza 
affidir a vojfa obediência , adonde na doutrina ha de 
achar os importantes documentos para huma Pr ince' 
za Cathoaca , fendo o vcffo exemplo o mais eficaz 
diclamt para a conduzir a mayor perfeição , que lie o 
que mais lhe de /è/o , e lhe prometto certo do que ao 
voffo affeôto devo , que he muy igual a eliimcçao , que 
faço devojjíi pejjba. Deos vos guarde. Lisboa 21 de 
Fevereiro de 1687. Rey. Depois lhe fez mercê 
Prova num. iço. ^ a adminiftraçaõ das Commendas de Santa Maria 
deMoreiras no Arcebifpado de Braga , e a de San- 
tiago de Monçarás no Arcebifpado de Évora , am- 
bas do Eftado da Sereniífima Cafa de Bragança , as 
quaes EIRey havia poííuido fendo It.fante. Foy 
paílàdo o Decreto a 19 de Setembro do anno de 
1692. O Papa Innocencio XII. por hum Breve 
paífado em Roma a 24 òz Janeiro de 1695 ^ ne con " 
cedeo a faculdade de poder gozar os frutos das re- 
feridas Commendas. 

No referido anno de 1695 querendo EIRey 

D. 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL 46 2 

D. Pedro fazer mercê ao Duque de Cadaval Dom 
Nuno Alvares Pereira de Mello, attendendo à re- 
prefentaçaô da ília Cafa , e premiar osíeus mereci- 
mentos , motivos , que o faziaõ digno da Real at> 
tenção , lhe concedeo para efpofa de feu filho o Du- 
que D. Luiz Ambrofio de Mello a Senhora Dona 
Luiza, a quem a natureza , alem do Real nafeimen- 
to , havia ornado de excellentes virtudes. Aííim 
que EIRey declarou ter ajuftado o cafamento de 
fui filha com o Duque D. Luiz , os Miniftros Es- 
trangeiros, que reíidiaõ nefta Corte demayor cara- 
ct-jr , pedircõ audiência, e da parte de íeus amos lhe 
deraÔ os parabéns j foraõ elles o Núncio do Papa 
Moní! Cornaro, que depois continuando efta Nun- 
ciatura , foy nomeado Cardeal , o Embaixador de 
França o Abbade de Eílreê , o Marquez de Caftel- 
lo de los Rios, Embaixador de Caftella. Antes da 
declaração defte cafamento nos fins do anno ante- 
cedente , e muy perto de fe publicar , eícreveo a 
Senhora D. Luiza huma Carta à Rainha D. Maria 
Sofia , a qual de fua Real maó lhe refpondeo a fe* 
guinte : Com grande contentamento recebi avojja Car- 
ta , e a? exprejjoens do vojjo aftecto , e pojjo fegurar- 
vos , que vo lo merece o meu amor , per que nefia parte 
nao (juizera me excede ffe Sua Mageflade: efpero, que 
vós cfjlm o conheçaes , quando eu twer o goílo de dar- 
vos hum abraço , tendome com alguma impaciência o 
tempo , que me dilato nefta demonâraçaõ , ajjim pela 
eítimacaÕ de vojja pejjoa , como pelos louvores , que 

Sua 



4 6 2 Hiftoria (genealógica 

Sua Magejlede de vós me tem dito. Deos vos guar- 
de , 2 de Setembro. Rainha. Approvou a Rainha 
da Graa Bretanha ília tia a mercê, qu« EIRey fi- 
zera ao Duque, eem demonftraçaõ do gofío defte 
Tratado, foy ao Morteiro deCarnide, onde aíiiftia 
a Senhora Dona Luiza , a darlhe os parabéns: a Se- 
nhora D. Luiza a efperou na Portaria , e tanto , que 
a Rainha entrou, fe poz de joelhos para lhe beijar a 
maõ , a Rainha a levantou com muito agrado , e 
abraçou , fignifícandolhe o gofto , que tivera da 
reíbluçaô, que EIRey feu pay tomara do feu efta- 
do j conduzida a Rainha para a Caía da Senhora 
D. Luiza , íè aííèntou no eftrado em duas almofa- 
das , e a Senhora D. Luiza em huma , pofta dentro 
do eftrado , mas aíFaftada defronte da Rainha , e 
alli aíííftiraõ muitas Senhoras Marquezas, e Con- 
deííàs íêm preferencia , nem lugar, e todas conver- 
faraõ em quanto durou a vifita. 

Havendofe de paílar a hum Tratado Matri- 
monial o ajufte defte cafamcnto , nomeou EIRey 
por hum Alvará de 7 de Abril de 1695 Procurado- 
res da parte da Senhora D. Luiza ao Marquez de 
Alegrete Manoel Telles da Sylva , Gentil-homem 
da fua Camera , do Coníelho de Eftado , e Vedor 
da Fazenda , e ao Doutor Joaô de Roxas de Aze- 
vedo, feu Secretario da Aííinatura, do feu Coníe- 
lho , Desembargador do Paço , e Chanceller môc 
do Reyno : dotou-fe a Senhora Dona Luiza com as 
Commendas de Santa Maria de Moreiras , e com 

a de 



daCafa 1\eal Tortug. Liv.VIL 46 $ 

a de Monfarás , ( de grande rendimento) e com to- 
das as joyas , prata , e ouro , que levaííè ao caiai. 
Os Duques feus fogro , e efpoíò íe obrigarão às ar- 
rhas , e dote , com a declaração íêguinte expreííada 
na Efcritura , onde diz : Os Senhores Duques Dom 
Nuno , e D. Luiz declararão , que havendo ref peito a 
grandeza dos dotes, e virtudes do animo da Senhora 
D. Luiza , e a mercê , que Sua Mageftade lhe fez 
em querer honrar a memoria da fua Cajá com efie ca- 
lamento , fao contentes , promettem , e foy acordado 
dar de ar r has a dita Senhora dezafsis mil cruzados to- 
dos os annos em quanto viver , /uccedendo o cafo de fa- 
lecer primeiro o Senhor Duque D. Luiz leu futuro 
efpojo [em filhos y porque tendo-os ficaria na efjolha 
da dita Senhora viver na companhia , e educação de 
feus filhos na maneira, que vivia com [eu marido, e 
querendo-fe apartar Je lhe continuariao as arrhas dos 
dezafeis mil cruzados promettidos , com a condição , 
que foy acordada , de que ceffaria a continuação , e 
obrigação dos dezafeis mil cruzados , no calo da dita 
Senhora pajjar alegando matrimonio , nao firiao elles 
Senhor Duque D. Nuno Alvares Pereira , /eus fuceí- 
fores , e herdeiros obrigados a dar de arrhas mais, que 
a terça da importância do dote najórma da Ley , e 
outras claufulas coftumadas em kmelhante Trata- 
do , que foy outorgado a 1 í de Abril do anno de 
1695 na Ermida de Nolla Senhora das Necefíida- 
des , de que foraõ teílemunhas o Marquez de Fon- 
tes Rodrigo Eannes de Sá, e o Condi àt Tarouca 
Joaõ Gomes da Sylva. Ce- 



4^4 HiHoria Çenealoglca 

Celebrarao-íe os defpoforios a 14 de Mayo do 
referido anno particularmente na Ermida de ívoílà 
Senhora das Necefíidades , a que aíííftio o Duque 
D. Luiz , e o Duque íêu pay com Procuração da 
Senhora D. Luiza 5 recebeo-os o Bifpo Inquiíldor 
Geral D. Fr. Jofeph de Lencaftre, com aíTiflencia 
doParocho da Igreja de Santa Jufta, e teftemunhas 
o Marquez de Fontes Rodrigo Eannes de Sá , Chrif- 
tovaô de Almada , Senhor de Ílhavo , e Vedor da 
Cafa da Rainha , e Dom Manoel de Azevedo de 
Ataide. 

Naõ* havia ainda a R ainha D. Maria Sofia vi£ 
to a Senhora D. Luiza pela indifpofiçaõ , em que 
íe achava , e aífim que convaleceo do parto do In- 
fante D. António , foy também a Carnide a darlhe 
os parabéns do novo eftado , e levou em fua com- 
panhia o Principe , e o Infante D. Franciíco , os 
quaes depois de fallarem , e abraçarem a fua irmaã, 
íe forao divertir pelo Mofteiro , ccmo pediaõ as 
fuás idades. A Rainha querendo honrar ao Du- 
que D. Luiz, lhe ordenou , que a acompanhsfle , e 
entrando no Mofteiro vio a fua eípofa, mas naõ 
lhe fallou , obfervando-íe com a Rainha o mefmo, 
que referimos íe praticara com a Rainha da Grãa 
Bretanha. A Senhora Dona Luiza accrefcentou à 
honra , que a Rainha lhe fazia , reverentes expref- 
íòens , e agradecimentos , de fèr Sua Mageftade a 
authora de toda a fua felicidade , em cujo reconhe- 
cimento fempre vivida. E havendo a Rainha fei- 
to, 



da Cafa l^eal Tortug. Liv.VII. 46$ 

to, em attençaõ da enteada, todos aquelles favores, 
que coftumaô fazer as Mageftades , quando que- 
rem honrar mais aos íeus, fe recolheo ao Paço, e 
no dia feguinte eícreveo a Senhora D. Luiza à Rai- 
nha a Carta feguinte : 

SENHORA. 

„ O meu cuidado , e as minhas íaudades care- 
„ cem deite alivio, façame V. Mageftade mercê di- 
„ zer como chegou , e Suas Altezas , e porme a íêus 
,, Reaes pés, fuppofto, que me faz digna defta hon- 
„ ra , o grande amor , que Lhe tenho , e o íingular 
„ gofto, com que os vi. Deos guarde a Real pef- 
„ foa de VoíTa Mageftade , como defejo , e hey 
„ mifter. Santa Therelli , fegunda feira. 

Beja os Reaes pés de Voííà Mageftade, 

Dona Luiza. 

E no fobrefcrito. A' Rainha minha Senhora. 

Defta Carta moftrou a Rainha a eftimaçaõ , que 
fazia da Senhora D. Luiza , a quem reípondeo de 
maõ própria a Carta íèguinte : 

„ Hontem nos recolhemos também com fau- 
„ dades tuas , mas com o contentamento de as ali- 
ciar brevemente, Sua Mageftade eftimou muito 
„ as noticias , que eu lhe dey , e eípera verte com 
„ grande alvoroço , e todos havemos de procurar 
Tom. VIII. Nnn „ fem- 



^66 Hiftoria Çenealoglca 

„fempre honrarte , e fazerte mercê, como pede o * 
„ amor , que te temos , e a grande eftimaçaÕ , que 
5 , fazemos da tua peííòa. Deos te guarde , como 
jjdefejo. Do Paço 16 de May o de 1695. 

RAINHA. 

Todo o tempo , que durou a vida da Rainha , lhe 
deveo a Senhora D. Luiza as mais finas expreííbens 
de arTècto, e benevolência , porque a tratou como 
filha, com carinho, e amifade , e com a occafiaõ do 
íèu cafamento lhe deu hum adereço de diamantes 
de muito valor 5 porque era taõ terno o amor, que 
parecia fua may , como fe vc naõ fó da referida Car- 
ta , mas das muitas repetidas efcritas da fua Real 
maô , que todas vimos , e fe confervaõ na Cafa do 
Duque de Cadaval. Havialhe a Rainha ordenado, 
que em todas as íèmanas fofíè ao menos hum dia ao 
Paço , fendo taõ fingular a mercê , com que a trata- 
va, que para demonftraçaõ da Real benignidade, 
entrava com ella na íua meíma liteira occultamente, 
e hia jantar com ella à fua cafa, pondo-a comílgo à 
meíâ , a que afiift iaõ os Duques , e Duqueza , e fer- 
viaõ à meíâ feus cunhados Dom Jayme de Mello , 
(que depois foy feu efpoíò) e D. Álvaro de Mello 
feu irmaõ , e parlando divertidamente o dia, e gran- 
de parte da noite , fe recolhia ao Paço acompanhada 
da Senhora D. Luiza com o mefmo íègredo. Efta 
afravel benignidade da Rainha recebia a Senhora D. 
Luiza com taõ vivo reconhecimento , que naõ deu 

nunca 



daCafa %eal Tortug. Lh.VIL 467 

nunca motivo , a que a foberania fe arrependeílè da 
íuaviffima humanidade , com que generofamente a 
favorecia. 

Depois de íe haverem celebrado os defpoíb» 
rios do Duque D. Luiz com a Senhora D. Luiza , 
na forma , que diíTemos , voltou a Rainha D. Ma- 
ria Sofia a Carnide no dia 25 de Mayo abufcalla, 
tanto que a Rainha entrou na liteira lhe ordenou 
entraiTè , e tomaífe o ailènto de diante , e a trouxe 
ao Paço da Corte-Real, paíTàndo por hum grande 
concuríò de gente, que àeído. Carnide até à Corte- 
Real tomavaõ as ruas ; no Paço efperava toda a 
Corte, e depois da Senhora D. Luiza beijar amaõ 
aElRey feu pay , e deeftar largo tempo converfan- 
do com elle, e com a Rainha na fua Camera , quan- 
do eraõ já dez horas da noite , a entregarão à Du- 
queza de Cadaval fua íògra , e acompanhada dos 
Duques feu eípofo , e fogro, e de outros muitos Se- 
nhores , foraõ para a fua magnifica cafa de Campo 
dePalhavãa, onde íe celebrarão eftas vodas. EI- 
Rey lhe havia acordado o tratamento áe Alteza , e 
que ella daria Excellencia às pefíòas , que gozaíTem 
da Grandeza , e às outras de qualidade Senhoria. Ha- 
via5 paííàdo alguns mezes defta ditofa uniaõ, quan- 
do adoeceo a Senhora D. Luiza, a Rainha afoy vi- 
fitar à fua cafa, honra , que muitas vezes lhe repetia 
em femelhantes occafioens , e para demonftraçaõ da 
fua benignidade , e da eftimaçaõ , com que a trata- 
va , lhe deu huma joya de rubins , e diamantes de 
Tom. VIII Nnnii gran- 



a 6% Hi Borla Çenealogica 

grande preço por brinco de fangria. Na caía , em 
que a Senhora D. Luiza eftava , entrou com a Rai- 
nha a Marqueza de Alenquer ília Camereira mor , 
e as Senhoras de Honor , e Dam is Mearão de fora j 
porém depois , que a Rainha fahio , entrarão todas 
a cumprimentar a Senhora D. Luiza , difpedindc-fe 
a Rainha lhe beijou a maõ , rogandolhe lhe fizeífè 
a mercê de a pôr aos pés delRey feu pay. A Du- 
queza de Cadaval , que já quando a Rainha che- 
gara fora eíperar a Sua Mageftade até a encontrar , 
e lhe beijou a maõ , e a conduzio a caía , em que a 
Senhora D. Luiza eftava , agora com fuás filhas , e 
a Marqueza de Fontes fua enteada , a foraõ acom- 
panhando até à ultima efeada, e ordenando a Rai- 
nha , que ficaflem naquelle lugar , o fízeraÕ depois 
de todas lhe haverem beijado a maõ. O Duque 
D. Luiz acompanhou a Rainha , e Manoel Telles 
da Sylva , filho do Conde de Villar-Mayor , alu- 
meou com a vela a Sua Mageftade , e os Moços da 
Camera do Duque às Damas até entrarem nos co- 
ches. Achava-íe nefte tempo EIRey feu pay mo- 
leftado , e a primeira vez , que efteve capaz de íâ- 
hir fora , a foy ver, e entrando na caía, em que ef- 
tava , íe fentou , e efteve converfando algum tem- 
po com fua filha , naõ eftando na caía mais peííòa 
alguma , o Marquez de Alegrete Manoel Telles da 
Sylva íêu Gentil-homem da Camera , que eftava 
de íemana , ficou na caía de fora converfando com 
os Duques , os quaes , quando Sua Mageftade íê dif 

pedio, 



daCafal^ealTortitg. Liv.VIL 469 

pedio, o foraõ acompanhando ate o coche , EIRey 
mandou ficar ao Duque íêu genro , e ao Duque 
Dom Nuno mnndou-o entrar no íêu coche , e o 
acompanhou até o Paço da Corte-Real. 

Houve a Senhora Dona Luiza de entrar nos 
Conventos das Religiofas da Corte, e fe ventilou, 
íè a fua peííòa como filha de Rey era comprehen- 
d ida na geral difpeníà, que os Cânones concedem 
a eítes : e fuppofto muitos Theologos de grande 
nome uniformemente diííèrao , que podia , com tu- 
do embaraçada de algum efcrupulo , parece naõ 
quiz ufar da referida permiílao , e recorrendo ao 
Papa Innocencio XII. lhe mandou hum Breve 
muy amplo, paííàdo a 14 de Agoílo de 1695 para 
poder entrar naõ fó nos Moíleiros da Corte , mas 
de todo o Reyno , e levar na fua companhia a Du- 
queza fua fogra, efuas filhas, e íeis Senhoras , que 
ella quizeíTe. Naõ durou muitos annos cafada com 
o Duque D. Luiz, porque quando viviao em agra- 
dável uniaõ , achando-fe feu efpoíò no melhor , e 
mais vigorofo tempo da idade com pouca diffèren- 
ça da dita Senhora D. Luiza , porque ambos nas- 
cerão no mefmo anno , adoecendo do terrível mal 
de bexigas , faleceo a 15 de Novembro de 1700, 
naõ havendo cumprido vinte e hum annos , como 
adiante diremos no Livro IX. Capitulo XVI. Em 
toda a doença lhe aííiltio com tal exceíío , e cuida- 
do , que excedeo a mayor fineza , fem que a pu- 
deílèm moderar 05 rogos , e perfuafoens do Duque 

feu 



470 Hi floria Çenealogica 

feu {ogro , para que fe apartaíTe hum inftante da a£ 
fiftencia do Duque feu efpoíb. Achava-fe EiRey 
feu pay entaô moleílado, aíTim paflàdos alguns dias 
no de 25 de Novembro , acompanhado do Conde 
de Vianna Dom Joíeph de Menezes feu Eftribeiro 
môr , e do Marquez de Marialva D. Pedro de Me- 
nezes íêu Gentil-homem da Camera , que eftava de 
(emana , entrou à noite em cafa do Duque de Ca- 
daval: efperava a Senhora D. Luiza acompanhada 
da Duqueza fua íbgrá , e das Condeííàs de Villar- 
Mayor, e Alvor fuás cunhadas ; chegou EIRey , e 
depois de abraçar fua filha carinhofamente , fallou 
à Duqueza , e Condeílas , e todas a foraô acompa- 
nhando até à liteira, e antes que entraífe, fez corte- 
zia à Duqueza , e entrando Sua Mageftade , e a Se- 
nhora D. Luiza , o Duque lhe concertou a cauda 
do manto , que lhe havia levado defde que fahira 
do feu apofento ; o Marquez de Marialva alumeou 
com avela, que lhe havia dado António Rebello 
da Foníeca , que fervia de Eftribeiro , o Conde de 
Vianna Eftribeiro môr exercitou o feu officio , 
abrindo , e fechando a liteira a EIRey , e fe reco- 
lheo a Senhora D. Luiza ao Paço da Corte-Real 
com feu pay, donde efteve todo o tempo, que du- 
rou a fua viuvez. 

A grande eftimaçaõ , que EIRey Dom Pedro 
fazia da fua filha , que íè achava no mais florido 
tempo da fua idade , porque contava vinte e dous 
annos , foy hum dos motivos para fazer fegunda 

mercê 



da Cafa %eal Tortug. Lh. VIL 47 1 

mercê ao Duque D. Nuno Alvares Pereira de Mel- 
lo , concedendolhe a Senhora D. Luiza para eípo- 
fa de D. Jayme , fucceííòr da fua Cafa , o que dif- 
peníàndo o Papa por huma Bulia ptííàda a 15 de 
Dezembro de 1701 , vieraõ a cafar a 16 de Setem- 
bro do armo de 1702, como diremos no Livro IX. 
Capitulo XVII. Vivia a Senhora D. Luiza com 
grande íàtisíàçaõ , muy eftimada de feu pay , achan- 
do-íe em Salvaterra nas occafioens, que EIRey pafc 
fava àquelle fitio a divertiriè no exercício da caça, 
e ella eílava na fua cafa de Campo deMuja , donde 
repetidas vezes via a EIRey , achando-fe nas caça- 
das. Quando no anno de 1706 experimentou a fua 
falta , e para demonftraçaõ de quanto EIRey a ama- 
va , no feu Teftamento fe lembrou delia cem as pa- 
lavras feguintes : Fora do Matrimonio houve huma 
filha chamada D, Luiza, que hoje eftá ca fada com o 
Duque D. Jayme , meu muito amado , e prezado So- 
brinho j e ào meu Covjelho de E/lado , mando ao Prín- 
cipe , e Infantes meus filhos, que a honrem , e acere f* 
centem em mercês , como pedem as obrigações do fan- 
gue , e as virtudes de Dona Luiza , e podo que o dito 
ca f amento foy dotada , com o que lhe dey quando a pri- 
meira vez ca/ou com o Duque D. Luiz , quero , e hey 
por bem , que por minha morte lhe dê o Príncipe huma 
joya digna da pefjca , que a dá , e de quem a recebe. 
Efta claufula he hum teftemunho do amor delRey, 
e das virtudes da Senhora D. Luiza , porque íe fazia 
digna da Real eftimaçaô j aííim a confeguio na mef- 

ma 



47 fc Hiftoria Çenealcgica 

ma forma delRey D. Joaô V. feu irmaõ , que a 
vifitou em diverfas occafioens, entre ellas íabendo, 
que eftava doente , e fangrada , a foy ver a 24 de 
Outubro de 1707 , acompanhado do Infante Dom 
Manoel , e de Manoel Telles da Sylva , primeiro 
Marquez de Alegrete, Gentil-hcmem da Camera, 
que eftava de íemana ; e fabendo EIRey , que a Du- 
queza fua fogra eftava fangrada , lhe fez a grande 
honra de a ir ver. Eftava a Duqueza em pé junto 
da fua cama , beijou a maÕ a EIRey , e ao Infante 
D. Manoel j EIRey , em quem a clemência brilhou 
íempre entre as mais virtudes, lhe fez a honra de 
dizer, que fabendo da fua moleftia, afentira, pelo 
que a Duqueza de novo lhe beijou a maõ. Depois 
no anno de 171 3 no fim do mez de Julho viíitou 
EIRey a Senhora D. Luiza efíando também fangra- 
da , depois de ter mandado faber delia por D. Fran- 
cifco deSoufa, Veador da fua Caía, e a Rainha por 
D. Luiz da Sylveira, Veador da fua Caía, foy El* 
Rey com os Infantes D. António , e D. Manoel, 
acompanhado do Marquez de Alegrete Fernão Tel- 
les da Sylva, Gentil-homem da Camera, que efta- 
va de femana , e do Conde de Vianna feu Eflri- 
beiro mor j e tendo a noticia , de que o Duque D. 
Nuno eftava doente, quando fahio do quarto da Se- 
nhora D. Luiza , paííbu ao do Duque , que íèmpre 
eftimou muito, e lhe diíTe, que fintia a fua molef. 
tia , e os Infantes na mefma forma , a todos beijou 
a maõ com aquelle arleclo de haver creado , e fer- 
vido 



da Cafa T{eal Tortug. Liv. VIL 47 3 

vicio a rodos cem glande amor ; EIRey íe deteve 
1 u .1) pi uco íem fe ílntar foliando cem o Duque, e 
fe iccoiheo , acompanhando-o o Duque D. Jayme 
ícu cunhado. PaíTados dous dias, a Rainha Dona 
iViona Anna de Auftria cem a Infanta D. Francif- 
ca a fora 5 ver, e mandou a Dom Jorge Henriques, 
feu Veador , faber do Duque D.Nuno, que ain- 
da eftava com moleftia , e que lhe diiTeíIè , que o 
defejava ver: a eíla efpecialiííima honra refpondeo 
o Duque , que era muy cortezaõ , e foccorrido, 
que íeria na Cafa, que era de Deos , para o que fe 
fez levar ao feu Oratório para íe pôr aos pés de Sua 
Mageftade , ende a Rainha lhe fallou largamente. 
AiUm foy honrada, e tratada a Senhora D. Luiza 
d< s H ey - , Rainhas , e Infantes , nefia , e em outras 
occaíloens, e ainda depois deopprimida dafua terrí- 
vel queixa expeiimentou em todas as peíToas Reaes 
iguaes sffèctos de benevolência , e compaixão j por- 
que febrevindolhe hum accidente, que a poz no ul- 
timo perigo, aforaõ ver as Mageftades, eos Infan- 
tes feus irmãos , fentindo muito o vela taô opprimi- 
da da queixa , de que entaõ naõ faleceo , durando 
muitos annos. Sendo a Senhora D. Luiza bem en- 
tendida, e ornada de excellentes virtudes . começa- 
rão os achaques a perfeguilla com alguma epicon- 
dria , de forte, que fendo naturalmente alegre, a 
melancolia a entriftecia, parece, que inípirada inte- 
riormente do mal , que lhe fobreveyo , íe confeíTòu 
geralmente no dia da Porciuncula do anno de 1722, 
Tom. VIU. Ooo e 



4 7 4 Hi flori a Çenealogtca 

e havendo recebido o Santiííímo Sacramento , e fei- 
to com grande devoção tudo , o que era poííivei 
para ganhar o Santo Jubileo , poucos dias depois, 
penetrada de huma viva imaginação , começou a 
padecer o entendimento , e nefta infelicidade viveo 
alguns annos com inexplicável fentimento da Cor- 
te , e daquella grande Cafa. Finalmente faleceo a 
23 de Dezembro do anno de 1752 íèm deixar fuc- 
ceííàõ , e fendo metido o íeu corpo em hum rico 
caixão , e depois em outro de chumbo, fe lhe poz 
a feguinte Infcripçaõ , que o Marquez de Alegrete 
Manoel Telles da Sylva efcreveo : 

Luduvica 

Tetri Ih Lufttanorum ^Rfgis 

Filia : 

Lèudmjici T)iícís Cacíavaknfís Ih 

Trimàm Uxor , 

Eoque extin&o fecundas Contraxit 

3\(uptias 

Ejus cum fratre facobo 

Cadavalenfe Duce llh 

Obiit ^Decimo í\alend. 

fanuar. 

M.VCC.XXXIIh 

Efcí- 



da Cafa ^al Tortug. Liv.VIL 475 

E feitas as honras funeraes com magnifica pompa 
devida ao feu Real nafeimento , foy levado o fcii 
corpo a Évora, e fepultado no Mofteiro deS.Joaô 
Euangelifta , Padroado da Caía de Cadaval , onde 
jaz na Capella môr junto ao Duque D. Luiz feu 
primeiro marido. 

Foy a Senhora D. Luiza de huma boa efla- 
tura , groílà, branca, e loura, olhos azues com fer- 
mofura , e grande deíembaraço , veftia com decên- 
cia, e naõ com exceíTo, entendimento varonil , com 
graça na converfaçaõ , explicando-fe com palavras 
efeolhidas , imitando em tudo, o que podia fer de- 
cente, aElRey feu pay, aquém em muitas couíâs 
íe pareceo com grande fatihfaçaõ ília , até nas for- 
ças , que delias fez admiráveis provas, excedendo 
os annos , e a delicadeza do fexo , admirando aos 
mais robullos, de que EIRey goítava muito. Te- 
ve grande piedade, e compaixão do próximo, por- 
que diftribuio largamente eímolas, humas vezes em 
dotes, outras pela pobreza, e lèmpre pelas almas, 
por quem mandava dizer grande numero de Miílàf. 
Foy devota da Virgem Santiííim3 , e trazia huma 
Imagem da Senhora do Monte do Carmo , que efc 
tá na porta do Clauftro do feu Convento de Li£ 
boa, a quem teve particular devoção ^ e depois de 
opprimida dos achaques , quando fe naõ levantava, 
a tinha pregada no íobreceo da cama , em que es- 
teve doente , e faleceo. 

Tom.VIII. Ooo ii D. 



D. Javme 

d; Milio, 
Hl. D ique 
lavai 
com 

a s e hora 
D. Luiza. 



■D. Nuno Alvares" 
Pereira de Mello, | 
III. Conde deTen- 
Jtu^al , + a 28 de 
k D. Francifco de -c Fever.de 1 Ç97. 
Mello, 1 1 1. Mar- ) A CondelTa D.Ma- 
quez de Ferrei- /rianna de Caltroj| 



"D. Nuno Al 
vares Perei 
ra de Mello, 
]. Duque de 
Cadaval, IV. 
Marq.deFer- 
rt:ra,\'. Co ri- 
de Je T nru- 
ga! ,do Con- 
le.ho deEfia 
do,Mordom. 
môr da Kai- 
[nha , e Mef- 
jcrediCampo 
[General jun- 
'toápefíoa, +. 
a 20 de ]an. 
de 1727. 



ra ,Ã:c. Mordú' 
mo môr da Rai- 
iiilia , do Confe- 
liio de Filado , 
't- a 17 de Mar- 
.ço de 1645. 



[ + a 20 de Janeiro 
Wc 1616. 



477 

D. Francifco de Mel- D. Rodrigo de Me!!o , I. Marq. de 

lo , primeiro do no- ^ Ferreira, &c. + 17 de Agolt.i 54 5. 

me ,11. Marquez de <í A Marq. D. Leonor de Almeida, 1. 
1 Ferreira ,+ eu De- / m. filha do Grande D. Francilcode 
izembrode 1588. Almeida , Vicc-Key da Intia. 

A Senhora D. Euge- Ç D. Jayme , único do nonie, Duque 

nia,+ a l 2 de Agol- 3 de Bragança. 

to de Is 59' / A Duqutza D. Joanna de Mcr.do- 

Cça , 2. mullier. 

t-» d j j ki r í^ D. Lopo de MofcofoOforio, IV. 
D. Rodrigo de Mof- ^ ^^ ^^ 

colo , V. Conde de <J A Cond> D AnM de Jokdo fi , ha 



Altamira, 

ACondeíTaD.If; 
de Caftro. 



A Marqueza D. 
joanna Pimen- 
tel , Carnercira/ 
mô. , + a 1 4 de ' 
k^»Set. de 1657. 



, D. António Pimen- 
tel , IV. Marquez 
de Tavera,Gentil- 
. homem da Orne- 
'ra delRey D. Filip- 
jpe Ill.de Caftella, 
+ a 2 8 de Março 
de 1627. 
A Marqueza Dona 
Uabel de Molcoio. /' 



Dom Bernardino Pi. 1 
mente I, III. Marquez 
de Tavera. 

A Marqueza D. Jo- 
anna de Toledo. 



f^ LuÍ2de , Lorena » < + a 25 dejulhode 
l Conde de Arma» 1,^^ 

\ gnac,Ellribeiro / A Condeffa M 

A Duqueza \ n.or de trança, f garic j a F,|jp pa 

D. Margari- \ Cavalleiro das 

da Arnunda 1 Ordens delRey, 

de Lorena, + 1+- a 1 } de Junho 

a 1 5 de Dez. ^/de 1718, 

rde 1750. 



de D. Pedro de Toledo. 
D. Fernando Ruiz de Caílro e Por- 
tugal, VII. Conde de Lemos. 
D. Therela de Andrade e Ulhoa , 
Ill.Condtfía de Vilhalva , &c. 
D. Pedro Pimentel, II. Marquez d; 
Tavera, Mordomo mor da Rainha. 
A Marq. D. Leonor Henr. fil. de D. 
Henrique, Conde de Alva de Lifts. 
D.Garcia de Toledo Oíorio , IV, 
Marq.dsVdla Fr nc» + em '578. 
A Marqueza D. V cloiia Cohna , 
fi'ha de Afcanio Colona , Duq ue de 
Paliano , Condeftav. 1 de Nápoles. 
D. Rodigo de Moícofo Oforio, V. 
Conde de Altamira. 
A Cond. D. Ifabel de Caftro , fil. de 
D. Fernand. VII. Conde de Lemos. 
D Frmcifco deSandovai e Roxas , 
IV. M rq. de Denia , + em 1 5:74. 
A Ma queza D. liabel de Borj;: , fi- 
lha de S. Francifco deBorja, iV. 

Duque de Gandia. 
Carlos de Lorena , ç RmitQ dc Lof M , R]heuf 

» ■ , . fp U4Ue de P a lb , í;UÍ '>Caval.dasOrdensdelRey,+ i5^. 
Henrique de Lore-\P<"* > e Eltnbeiro < 
pna, Conde de Ar- J môr de França , + 

l court, e de Arm.-Jemio-oy. Leonoro Chabot, Conde de Cnar 

nac , Lltribeirof A Duqueza Marga- ^ E ,i ribeiro môr de França. 

nda de Chabot +a^ ^ ConddTa ^^ de ^ ^ 
z 9 de Set. dc 1652. £ nhonde LongvVÍC % 2 . muIher< 

_ , , _ , —Francifco, Senhor de Cambout , de 

Carlos de Cambout , C r ,„ ( i- a,„ . „ , . . n , ■ ', 
,. j /-. ir \ Coimn,&c, + a 12 de Outubro ds 

Marquez de CoiHm, J ,^,, 

Cavalle.ro das OrO UJZa "^ p ]efn fi , ha de Luiz du 

dens delRey , + cmL p]effig &nhor de Richc|i 

1648. 

A Marqueza Filippa 

deBeurges, 2. mui. 



D. Lopo de Mofco- 
foOiorio, VI. Con- 
de de Altamira , El- 
tribeiro môr delRey 
D.FilippelII. &c.+ 
a 15 de Ser. 1636. 
D« Leonor de San- 
dovai e Roxas. 



\ 



, /A Marq. Luiza de l< itux, Cond. de 
trança , + (_ Harcourt , + a z, de Fev. de 1 5 54. 



môrdeFrança,&c. 

4" a 2 5 

ifSrSo". 

"ar 
ganda filippa de 
das ^Cambout , + a 9 
deDez.de 1674. 



Carlos deNeufvilIe, 
IV. donome,Senh. 



Carlos de Beurges , Senhor de Seu- 

ry. 

Joanna Lefcoét, 

Nicolao de Neufville, Senhor de 
Viile Roy , + em 1 f 08. 
Magdalcna de Aubeipine , + a 17 
deMayode 1 5^6. 



»Dtz.de 1707. 



r\ 

A Princeza Ca- Nicolao de NeufA de Ville Roy, e de 
tharinadeNeuf-( v 'He, Duq.deVile-^Almcourt , + a 12 
ville , + a 2 5 de V ^oy * I J -r , e Ma- ) j e Nov. de 1 ri 1 7. 

Vrichal de França ,(_ j jque |inade Harlay, Ç NlCO f l a ° ^ har l J\ S " ^eSan- 

lAyo delKey Lu.z"f e gunda mulher. < c ^ ' Cavallciro das Ordens delkcy. 

iXÍV. +aos28de /Maria Moreau. 

a n ' /' Carlos , Senhor de r~ António de Blanchefort , Senhor 

A Uuqueza Anna <-.„,ijjViot 

A r . ^Crequv, Príncipe de \ de S Janvrin. 

de^requy,-t-a ^ií PoiXjL)uque de Lef . < Caíharina de Agucrre, fiLdeClau- 

\diguieres, Par, e Ma- £dio , Senhor de Vienne-k-Chaftel, 
t richal dc França ,+ Francilcode Bonne, Duque deLei- 

ieres , Par , Marichal. e Con- 



: 



a 17 de Março devdigutei 

16^8. < delta vel de França , 4- cm 16 16. 

A Duqueza Magda-X A Duq. Claudia Bercnger filha de 

lena de Bonne, i.m, Ciaudio,Scn,dcGu ,«^:c.+ i<5c8. 

CA PI- 




47* 



CAPITULO XIX. 

T>o Senhor Dom Miguel. 

Sta nova linha he ta 6 efclare- 
cida , que teve o íeu principio 
no Senhor D. Miguel, filho 
do Augufto Rey D. Pedro II. 
de gloricfa memoria , corno 
ditfemos no Tomo VII. Ca- 
pitulo V. deíle meímo Livro 
pag. 760 do Tom. VIÍ. Nafceo efte Senhor em 
Lisboa a 15 de Outubro de 1699 , e foy entregue 
a Bartholomeu de Soufa Mexia , Secretario da Affi- 
natura , e depois das Mercês , de quem EIRey fa- 
zia muita confiança , e íendo creado em fua cafa 
juntamente com feu irmaõ o Senhor Dom Jofeph, 

como 




480 Hi floria Çenealogica 

como adiante diremos, EIRey D.Pedro, antes que 
faleceííè , os recomendou , e declarou , havendolhe 
feito entre outras mercês a da Alcaidaria môr , e 
Commenda de Thomar , e das Commendas de San- 
ta Maria de Marmeleiro , de Santa Maria da Gole- 
gaa , e de Santa Maria de Niza , todas na Ordem 
de Chrifto. 

Na cafa deíle Miniftro efiiveraõ efles dous 
Senhores incógnitos até que EIRey Dcm Joí;5 V. 
determinou , que tiveííèm cafa própria , e que fof- 
íem reconhecidos da Coite com o tratamento de- 
vido ao leu alto nafcimento , porque ate entaõ ef- 
tavaô defeonhecidos. Prepaiou-felhe para aííjítirem 
o Palácio do Conde de Soure , onde entrarão no dia 
de S. Joíeph de 17 12. Formou-fe a Cafa ordenan- 
do-fdhe a familia nos foros da Cafa Real, de Mo- 
ços daCamera, eGuarda-Roupa, e todos osoutros 
inferiores , e por Eílribeiro a Bernardo Pimenta do 
Avelar , Moço da Guarda-Roupa delRey , para 
que lhe aííiftiíle fempre , morando na mefma ca- 
fa , por fer peíToa em quem concorria prudência , e 
Chriftandade para os advertir , e confervar na au- 
thoridade , e refpeito devido a taÔ grandes peílòas. 
Havialhe aíTiftido por Meftre da lingua Latina o 
Padre Francifco da Rocha, elhe ficou continuan- 
do a mefma oceupaçaõ , de forte , que o Senhor D. 
Miguel fe adiantou com o tempo no conhecimento 
da lingua Latina , e de outras : pouco depois lhe 
nomearão para lhe enfmar Filofofia o Padre Dom 

Celeíli- 



daCafa^alTortug. Liv.VIl. 481 

Celeílino Signeau Clérigo Regular , em quem 
concorriaõ partes para efte magiíterio ; porque 
além da fciencia , era bem verfado nas bellas letras, 
de forte, que o Senhor D. Miguel naõ fó íe in£ 
tri 10 , mas foraõ grandes os progreíTòs na Rheto- 
lica , Poefia , e Filofofia ; depois a dic~tou também 
ao Senhor D. Jofeph , aíMindolhe até que foy pa- 
ra Évora. 

EIRey tendo ouvido o Confelho de E fiado, 
determinou o Ceremonial , porque eíles Senhores 
deviaõ fer tratados , acordandolhe o tratamento de 
Alteza , como já tinha fua irmãa a Senhora Dona 
Luiza , a preferencia do afíènto , e porta nas vifi- 
tas , e as honras , que concedia aos Duques 5 com 
declaração de precederem aos demais Duques, ain- 
da que mais antigos , em todas as funções , e que 
os Infantes es tratariaõ por efle Ceremonial, e que 
quando fofft m em publico , os iria bufear ao coche 
hum dos Offuiaes da Cafa Real para os conduzir 
à preíença delRey , e da Rainha , e na volta os 
acompanharia até o coche, que havia de entrar no 
póteo do Paço , e que huma , e outra Guarda lhe 
tomariaõ as armas , e a primeira lhe tocaria a mar- 
cha : e fahindo de noite , quatro Moços da Carne- 
ra com tochas accefas os acompanhariam. Nas fe£ 
tas publicas do Paço, em que naõ ha aíTènto , efta- 
riaõ em pé , como a demais Corte, e nas particu- 
lares , fe aíTentariaõ em cadeiras razas com almofa- 
das de veludo , como os Duques, defviados da h- 
Tom.VilI. Ppp nha, 



<£ 8 2 Hifloria Çenealogica 

nha , em que eftiveíTem as dos Reys , e Infantes. 
Os Duques , Marquezes, e Condes , os tratariaó 
de Alteza , e elles de Excellencia , os demais Fidal- 
gos na meflna forma , a quem dariaõ Senhoria ; e 
íiippoík), que nasvifttas, que tiveííèm , tomariaõ 
fempre a maó, porta , e melhcr cadeira , cem tudo 
feriaõ as cadeiras iguaes , em que fe deviuõ de aííèn- 
tar , e que acompanhariaõ aob G; andes , e i idaígos 
até à porta , que foíle íahir a ultima fulla , fal indo 
poucos paífos fora delia. E que os tratamentos re- 
feridos fe na5 haviaõ praticar com fuás mulheres, 
no cafo , que houveííem de cafar , por ferem conce- 
didos fomente às peííbas pelo íeu nafeimento. Re- 
gulada a forma , com que eftes Senhores haviaõ de 
íer tratados, lhes efereveo o Secretario de Eftado a 
Carta íeguinte : 

„ Sua Mageílade , que Deos guarde , tem or- 
„ denado o dia de à munhãa pelas duas horas da tar- 
,, de para Voíla Alteza vir em publico ao Paço, e 
5, íèr conduzido a fua Real preíença , e o participo 
„a Voíía Alteza, para que efteja nelle à dna hiOra, 
j, tendo VoíTà Alteza entendido, que depois ha de 
„ também fer conduzido à Real prefença da Rai- 
„ nha , noííà Senhora. Guarde Deos a peííba de 
„ Voífa Alteza muitos annos. Paço ió de Mar- 
3 , ço de 17 14. 

Diogo de Mendo ça Corte-Real. 

E deíle theor eraõ ambas as Cartas. Com efle avi- 

fo 



da Cif a %eal Tortug. Liv. VIL 483 

íb efjreveo o Senhor Dom Miguel ao Duque D. 

Jayme a Carta feguinte : 

„ Metí Senhor, à manhaa pelas duas horas da 
, tarde , tem EIRey , meu Senhor, determinado, 
, que eu , e meu irmaõ , vamos à fua Real prefen- 
, ca receber as honras , que a íua grandeza nos 
,quer conferir; e porque defejamos, que eíta fun- 
, çaõ íe authorize com a peíTòa de VoíTa Excellen- 
, cia , lhe pedimos fe firva de nos acompanhar , e 
, íerá igualmente eíta honra fe nos der empregos 
, de feu ferviço , em que lha mereçamos. Guarde 
, Deos a Voííâ Excellencia muitos annos. Cafi 
, íeíia feira, 16 de Março de 17 14. Irmaõ muito 
, Amigo , e Cativo de Voíla Excellencia. 

Dom Miguel. 

Dizia o fobrefcrito : „ Ao Duque Dom Jayme , 
„ do Confelho de Eftado , meu irmaõ, e Senhor, 
j, guarde Deos. „ Os Grandes , e Fidalgos tiveraõ 
avifo pela Secretaria de Eftado para os acompanha- 
rem. 

No dia 17 do referido mez de Março de 1714 
pelas duas horas da tarde concorrerão ao feu Pa- 
lácio, onde fe obfervou a eticheta , que íê havia de- 
terminado , e fica referida ; vieraõ ambos os dous 
Senhores receber as vifitas , fahindo à primeira caía 
do docel, e tomando-o a maõ , e porta, na íegunda 
cafa do docel tomarão as vífitas com pouca de- 
mora , fe levantarão todos , e recolhendo-fe os Se- 
Tom.VlII. Pppii nhores 



484 Hiftori aCjenealoyca 

nhores D. Miguel , e D. Jofeph à fua Camera , fi- 
carão os Grandes , e Fidalgos converíando , fem for- 
malidade, hunsempé, outros aíTentados. Depois 
chegarão os Duques de Cadaval D. Nuno Alvares 
Pereira de Mello , e D. Jayme , Eftribeiro môr del- 
B_ey , que os havia de levar à fua preíença , e tan- 
to , que os Duques fobiraõ , logo os Senhores Dom 
Miguel, e D. Jofeph , e todos os Grandes , e Fidal- 
gos , que alli eftavaõ , defeeraô ao pateo , o Senhor 
D. Miguel veílido à cortezãa de cappa , e volta , e 
o Senhor D. Joíêph à Ecclefiaftica , cuja vida havia 
de íeguir 5 o feu Eftribeiro lhe abrio a portinholla do 
coche, e oíferecendo a entrada ao Duque fcu cu- 
nhado , elle naõ fó a recuíou , mas a naõ quiz acei- 
tar ) e entrando os dous Senhores, fizeraõ a mefma 
ceremonia fobre o melhor aflento , que o Duque 
lhe cedeo , e tomarão aííím a melhor cadeira , e o 
Duque a da parte dos cavallos , os mais Senhores, 
e Fidalgos entrarão nos feus coches , e mardaraõ 
com ordem , mas fem precedência , com o feu E£ 
tribeiro a cavallo , a que íè íèguia logo o coche co 
Duque Eiiribeiro môr , e depois hum coche de 
Criados de Suas Altezas, em que hiaõ os feus Guar- 
da- Roupas, e dous Moços da Camera, aíTentados 
nos eftribos ; apearaô-fe dentro no pateo do Paço, 
donde os recebeo D.Lourenço de Almada , Meítre 
Salla da Gafa Real, e aífim foraõ conduz dos à pre» 
íença delRey , que eílava debaixo de docel , e fei- 
tas as primeiras cortezias , depois de entrarem na 

falia, 



d.i Cafa Ifyal Tortug. Liv.VlL 485 

falia, eítanJo já perto dtlRey, deu alguns paíTòs 
para os receber , e tornando ao próprio lugar y os 
Senhores D. Miguel , e D. Joíeph com o joelho no 
chaõ lhe beijarão a ma5 , e tendolhe o Porteiro da 
Camera ao mefmo tempo pofto duas cadeiras razus 
de vtludo com almofadas do mefmo , EIRey fen- 
tando-fe , os mandou fentar , e pondo o chapeo na 
cib?ça , os mandou cobrir, e o mefmo fízeraô os 
GranJes , que por fua ordem eftavaõ arrimados à 
parede. O Senhor D. Miguel agradecendo a EI- 
Rey aquella mercê , revertido do mayor refpeito , 
lhe dilTe : „ Senhor, vimos aos pés de VoíTà Magefc 
„ tade re:eber , e agradecer as honras , que a Sua 
,, Real grandeza nos quer dar : reconheço , que ho- 
„ je nos dá VoíTà Mageftade hum novo fer, como 
„ Senhor , e como Pay , nós como VaíTallos , e co- 
} ,mo filhos feremos fempre os mais amantes, mais 
„ fieis , e mais íògeitos a VoíTà Mageílade , e toda 
„ a noílà gloria fera , que VoíTà Mageftade fe dig- 
;, ne de feiviríe das noífas peíícas : ao que EIRey 
benignammte refpondeo com palavras de eftima- 
çaõ , e muito agrado , moílrandolhe íèrem muy 
gratas as fuás peíTòas , e beijandolhe fegunda vez a 
maõ na mefma forma , fe difpediraõ , e paífara5 ao 
quarto da Rainha, em que obfervadas as mefmas 
ceremonias , depois de fentados , e cobertos , lhe 
diíTe o Senhor D. Miguel: „ Senhora, aos pés del- 
,, Rey , meu Senhor, e de Voífa Mageftade vimos 
„ hoje a renafcer para a Corte , e para o Mundo 

„com 



48 6 Hijloria Çenealogica 

„ com as honras , que recebemos , taõ grande obri- 
ga ^aõ fera fempre em nós eílimulo para procu- 
„ rar em tudo fervir a VoíTa Mageílade com refpei- 
„ to , e fogeiçaõ de VafTalIos , e amor de filhos , íê 
„ aífin merecermos o Real agrado de VoíTa Ala- 
„ geftade , naõ teremos , que afpirar a mayor for- 
„ tuna. A Rainha lhe refpondeo com tanto agra- 
do , que moftrou nas fuás palavras o quanto os efti- 
mava j e aífim difpe Jidos com as ceremonias coftu- 
madas em íemeíhantes a&os , baixiraô com o me£ 
mo acompanhamento a bufcar o feu coche , e ao 
entrar, voltando pafa*o Duque feu cunhado, o ro- 
garão , que entraííè primeiro , o que elle naõ acei- 
tou , e chegando à fua caía íe apearão todos os Se- 
nhores , e Fidalgos , que os acompanharão , e fobin- 
do chegarão acé a primeira falia do docel : entaõ o 
Senhor D. Miguel com muito agrado , e cortezia , 
diílè para todos , o quanto agradecia a Suas Excel- 
lencias, e Senhorias aattençaõ , que experimentavaõ, 
mas que lhe fegurava , que procurariaõ muitas oc- 
cafioens, em que no íêrviço de cada huma das pef- 
íòas de Suas Excellencias , e Senhorias , defempe- 
nhaííèm a fua obrigação : e aííim difpedidos todos, 
íe recolherão , e pouco depois levados da fua devo- 
ção , quizeraô ir render as graças à devotifíuna Ima- 
gem da Virgem Santiííima das Neceííidades , o que 
fizeraõ fomente em hum coche , com o feu Eílri- 
beiro, e Meftre o Padre D. Celeftino Signeau. 

No dia feguinte foraõ ao Paço , e tivera õ au- 
diência 



da Cafa "Kcal Tortug. Llv. VIL 487 

di^ncia da Senhora Infanta Dona Franciíça fua ir- 
mfu, que em huma antecamera interior da Rainha 
o* efperava , affiílida fomente do Veador de fema- 
na, e depois de feitas as cortezias devidas, intenta- 
rão beijarlhe a maõ, que ella retirou, e naõ confen- 
tio y e levantando-fe em pé , como a Senhora Infan- 
ta e Uva , ponJo os chapeos na cabeça , o Senhor 
D. Miguel lhe diílè: ,, A mercê, que EIRey , meu 
,, Senhor , nos tem feito , nos traz aos pés de Vofíà 
,., Aheza para beijarlhe a maõ, reconhecendo fica- 
„ mos por ella obrigados a fervir também a Vofla 
; , Alteza, o que faremos toda a noíla vida, procu- 
,, r^ndo muito merecer o agrado de Vofla Alteza 
„ em tudo , que for do feu íèrviço. E dito iílo, com 
a mefma ceiemonia intentarão beijarlhe a maõ , o 
que a Senhora Infanta naõ confentio, e moftrou o 
quanto ficara íatisfeita das fuás peíTbas. 

E paliando a bufear o Senhor Infante D. Ma- 
noel , que tinha o feu quarto junto dodelRey, on- 
de acharão também o Senhor Infante D. António , 
a quem haviaõ de bufear feparadamente no feu quar- 
to , e oblirvando o mefmo ceremonial , que prati- 
carão com a Senhora Infanta, lhe diíle o Senhor D. 
Miguel outras íemelhantes expreflbens da íua fubor- 
dinaçaõ: os Senhores Infantes lhe refponderaõ com 
grandes demonítrações de eftimaçaõ , e particul.ir 
irTeclo , que rizeraõ ainda mais publico, deixanJo 
a formalidade da vifita por o trato familiar, enrre- 
tendo-fe em algumas praticas , e exercícios de artes 

libe- 



488 Hi flor ia Çenealogica 

liberaes , e curiofidades , em que paílarao algum 
tempo. No dia íeguinte foraõ à caía do Duque 
vifitar a fua irmãa a Senhora D. Luiza , mulher do 
Duque D. Jayme , que já opprimida das fuás lafli- 
rnofas queixas , fe achava de cama : e íuppofto, que 
o Duque D. Nuno por caufa de hum accidente de 
gotta íe achava impoíTibilitado fobre a cama , para 
poder aíMir àquelles Senhores , que também o bu£ 
cavaõ , levado do ardor do íêu animo , e do amor, 
que devia a EIRey D. Pedro, fe levantou, e arri- 
mado a hum Moço da fua Camera , foy bufcar a 
eftes Senhores ao quarto da Senhora D. Luiza, on- 
de íe detiveraõ largo tempo , e difpedindo-íe , o 
Duque , fem embargo da oppreíTaõ da mcleftia , e 
das repetidas inílancias dos meímos Senhores , os 
acompanhou até o coche , por mais cortezes ra- 
zoens , com que o períuadiaõ 3 porém o grande ta- 
lento , e experiência do Duque, naÕ ignorava oref 
peito , que devia àquelles Senhores por filhos del- 
Key , e a diferença das categorias , com que na 
Corte devem íèr regulados os tratamentos. No dia 
22 do referido mez determinou Sua Mageftade ar- 
mar Cavalleiro o Senhor D. Miguel , e com efta re- 
ibluçao efcreveo três Cartas domefmo theor, duas 
aos Duques , para lhe calçarem as efporas , e outra 
ao Marquez das Minas D. António Luiz de Soufa 
para ter o capacete , diziao as Cartas : „ Meu Se- 
„nhor, efta tarde pelas duas horas quer EiRey, 
5, meu Senhor, fazerme a honra de me armar Ca- 

„ vallei- 



.daCafallealTortug. Liv.VIL 48^ 

„ valleiro no feu Oratório , peço a Voííà Excellen- 
„ cia ma queira também fazer de calçar as efporas 
„ (levar o capacete) naquelle adio, e fobre tudo de« 
„ íèjo occafioens de íèrvir a Voííà Excellencia , cu- 
„ja peííoa guarde Deos muitos annos, 22 deMar- 
„çode 17 14. „ Na do Duque Dom Jayme dizia: 
„ Irmaõ , e muito Amigo , e fervidor de Voííà Ex- 
„ cellencia. Dom Miguel. Ao Duque D. Nuno : 
„ Amigo , e fervidor de Voííà Excellencia. E 
„ ao Marquez das Minas : Servidor de Voííà Ex- 
„ cellencia. „ Na dita hora foraõ ao Paço , e en- 
trando a preíença delRey, aquém aííiftiaõ o Car- 
deal da Cunha , os Duques , o Marquez das Mi- 
nas , o Marquez de Alegrete , o Marquez das Mi- 
nas Dom João de Souía , o Marquez de Marial- 
va , o Conde de Valladares , e o Conde de Unhaô, 
todos cinco Gentis-homens da Camera de Sua Ma- 
geftade. Entrou o Dom Prior Geral da Ordem 
de Chrifto Fr. ArTonfo Ferraz com três ReliVio- 
íòs da dita Ordem Militar , todos com Cogullas , 
e tomando Sua Mageftade o Manto Capitular da 
meíma Ordem , e os Duques , e quatro Gentis- 
homens da Camera com tochas , acompanharão a 
Sua Mageftade ao Oratório , levando comíigo o 
Senhor Dom Miguel , e Tentado EIRey da parte 
da Eoiílola , entrou Bernardo Pimenta , Eftribeiro 
do Senhor Dom Miguel , com hum prato de prata 
dourado , e tirando a efpada da bainha ao dito Se- 
nhor, a poz no prato , e pofto de joelhos , em quan- 
Tom.VIil. Qqcj to 



a$o Hiftoria genealógica 

to o Dom Prior fez as ceremonias coftumadas em 
femelhances actos , e acabadas , tomando a efpada , 
lha meteo na bainha , e fe levantou. Depois o Mar- 
quez das Minas aprefentou em hum prato as eípo- 
ras , e capacete a Sua Mageftade , que pegando 
nelle , lho poz na cabeça , e os Duques lhe calçarão 
as efporas $ armado Cavalleiro , fe levantou o Se- 
nhor D. Miguel , e com reverente poftraçaõ abra- 
çou a Sua Mageftade na forma do Ceremonial , e 
o Dom Prior continuou o mefmo acto , e o profef- 
íòu , e lançandolhe a Infignia da Ordem em hum 
habito de diamantes de grande preço , e feitio , que 
Sua Mageftade lhe dera , pendente de hum liftaõ 
carmefim j e aílim fe deu fim a efte acto , tendo os 
aííiftentes, Moços daCapella, que adminiftraraõ, 
huma larga propina. Depois nas occafioens de 
acompanharem a EIRey à Patriarcal , ou outras 
funções publicas , fe determinou , que o feu lugar 
íe feguiria aos dos Duques , e antes dos dos Infan- 
tes , que vaõ diante immediatos a EIRey. Naõ 
haviaõ viíítado ao Infante Dom franciíco por íè 
achar em Salvaterra na occaíiaõ , que foraõ ao Pa- 
ço j porém tanto , que chegou à Corte , o bufca- 
raÕ , e os recebeo na fua Camera , donde por mui- 
to tempo eftiveraõ converfando. Efte foy o mo- 
do , com que eftes Senhores ílihiraõ em publico , e 
foraõ declarados com as honras de filhos delRey D. 
Pedro. 

A Caía de Arronches , que com appellido de 

Sou fã 



da Cafa %eal Tortug. Liv t VIL 4^ I 

Soufa contava huma larga ferie de illuílriííimos pro- 
genitores , empregados nos íerviços dos Reys , na 
paz , e na guerra , de forte , que em todos os tem- 
pos foy eíta antiquiííima Caía huma das diftinchs 
doReyno, e benemérita da attençaò dos feus Mo- 
narcas. Achava-fe prefumptiva herdeira da gran- 
de Cafa de Soufa D. Luiza Cafimira de Soufa , fi- 
lha da Marqueza de Arronches Dona Marianna de 
Soufa , que havia fido cafada com Carlos Jofeph de 
Ligne , que nafcendo em Flandes Príncipe do Sa- 
cro Romano Império , foy por efte cafamento II. 
Marquez de Arronches , e V. Conde de Miranda, 
que faleceo a 20 de Janeiro de 1715 : e achando-íè 
a Marqueza D. Marianna viuva com huma única 
filha , confeguio fazerlhe EIRey Dom Joaõ V. a 
mercê de lhe dar por efpoíò o Senhor D. Miguel. 

Encarregou EIRey o Tratado Matrimonial 
ao Duque de Cadaval D. Nuno Alvares Pereira de 
Mello, do feu Confelho deEftado, Mordomo môr 
da Rainha , para que com o Defembargador Antó- 
nio de Bailo Pereira, do feu Coníelho , e íèu Secre- 
tario , Chanceller da Cafa da Supplicaçaõ , e Secre- 
tario da Rainha , fe pudeílè paííàr a publica forma , 
e com erfeito fe outorgou a Efcritura no Palácio do 
referido Duque a 5 de Janeiro de 171 5 , fendo am- 
bos por efpecial ordem Deputados para em virtu- 
de do poder , que tinhaõ , em feu Real nome cele- 
brarem efte Contrato pela parte do Senhor D. Mi- 
guel , a que também aífiftio por parte da Marque- 
Tom. VIII. Qqq ii za 



á 9 2 Hi floria Çenealogtca 

za de Arronches D. Jofeph de Ataide , como feu 
Procurador, e defua filha ? que dotou na fórma fe- 
guinte , como diz a Efcritura : Que em reconheci* 
mento da fingular honra , e incomparável mercê , cjue 
Sua Mage/lade foy fervido fazer lhe em approvar o di- 
to C af amento , e também em demon/lraçao do grande 
goílo , e contentamento , que tem de ver a lua Cafa , & 
de [eus avos tao e/clareci lamente exaltada na pejjoa 
do dito Senhor D. Miguel , e fua glorio/ a , e defejada 
poíieridade , tfc. Aífim fez logo Doaçaó de todos 
os bens da Coroa, e Ordens , que pofluía, aííim de 
juro, como em vidas, renunciando-os todos na pefc 
foa do Senhor D. Miguel , para que fe pudeílè en- 
cartar em todos : a fua filha dotou , cedendolhe , e 
trefpaíTando logo nella todos os Morgados , e bens 
livres , de qualquer natureza , que foítem , que ella 
poíTuia , e na mefma fórma ouro , prata, joyas , ta- 
peííàrias , e todas as mais alfayas , que na fua Caía 
havia em grande copia , os quaes bens , de que fez 
doação , e dote a fua filha, conlervariaõ a natureza 
de dotaes para a fua reílituiçaõ , no cafo de fepara- 
çaõ do matrimonio. Declarou-fe mais , que El- 
Rey lhe fazia mercê de conceder faculdade ao Se- 
nhor D. Miguel para que íè pudeííe meter de po£ 
fe de todos os bens da Coroa daCafa de Arronches, 
cedidos na tal Efcritura. Porém no caio , de que 
o Senhor D. Miguel falecefie primeiro fem filhos, 
teriaõ os taes bens reveríãõ a Caía de Arronches , 
com a mefma natureza , e qualidade , que tinhaõ , 

ainda 



da Cif a 'Rgal Tortug. Liv. Vil. 49 3 

ainda que nelles fe houveííe encartado ; porém fen- 
do ao contrario , de que faleceílè íem filhos primei- 
ro a fua efpofa , ainda que foííè viva a Marqueza 
fua mãy , todos os taes bens da Coroa , e Ordens 
lhe ficariaõ j e os dos Morgados, como dotaes, pa£ 
íariaõ a fua mãy , a qual naõ refervou para a fua 
peílba mais, que féis mil cruzados cada anno, vi- 
vendo na fua companhia , e que o Senhor D. Mi- 
guel feria obrigado a fuftentalía , e darlhe criados , 
e carruagens decentes à fua peílba , e eftado ; e no 
cafo de íe apartarem , teria doze , que logo íe apon- 
tarão , e ficarão refervados nos rendimentos das 
Commendas de Sofá , e Villa-Franca de Xira. O 
Senhor D. Miguel nomeou na fua futura efpofa a 
Commenda de Santa Maria de Niza , huma das 
quatro , que elle tinha , para que a poíTuiíTe no ca- 
fo, de que elle faleceííe primeiro, deixando filhos, 
e outras claufulas commuas , e dignas de taes pef- 
foas. No mefmo mez fe celebrarão eftas vodas , 
como adiante diremos. 

Nau deixou o Senhor D. Miguel com o no- 
vo eftado a goftofa applicaçao , com que feguia as 
Sciencias , e Artes liberaes , porque em todas falla- 
va, e praticava , e algumas exercia com deíembara- 
ço. Eílando no mais rlorecente tempo da idade, 
nao contando ainda vinte e quatro annos, mas mui- 
tos de prudência , e vivendo em huma ditofa união, 
faleceo diígraçadamente em a noite de huma quinta 
feira 1} de Janeiro do anno de 1724 recoíhendo-íe 

da 



4^4 Hijloria Çenealogica 

da outra banda do Tejo , adonde tinha ido à caça 
com íêu irmaò o Senhor Dom Joíeph , com alguns 
criados , e outras peílòas addiòtas à íua família : quan- 
do , cafo fatal ! cahe ao mar o Patrão , que gover- 
nava o efcaler , perde-íè logo o leme , e fe volta ao 
meímo tempo o efcaler , cooperando para eíla fa- 
talidade hum vento , que repentinamente fobre- 
veyo : o Senhor D. Jofeph com grande acordo íê 
poz fobre a quilha , e fazendo tudo quanto cabia 
no poííivel por falvar feu irmão , o naó pode con- 
íèguir , porque o Senhor Dom Miguel com toda a 
íua comitiva naõ appareceraõ em a noite tormen- 
tofa, e corriaô com violência as aguas dos montes, 
e aííim fomente o cadáver de hum Mufico Italiano, 
chamado Carlos Chriftini , fe achou dentro do efca- 
ler virado , eícaparaõ dous Algarvios femeiros , que 
também fe puzeraõ íòbre a quilha , e correndo o efc 
caler voltado com o Ímpeto da maré , íe embara- 
çou em huma ancora de hum navio , aonde com 
muito trabalho fe falvaraõ , acodindo-íe ao Senhor 
D.Joíèph, que elles nao conhecerão fènaõ depois. 
Paííàdos muitos dias, em hum Sabbado 5 da 
Fevereiro às duas horas da tarde appareceo junco a 
huma ancora de huma galera Eftrangeira , chamada 
Aurora , o corpo do Senhor D. Miguel , o qual , dan- 
do-íê parte , foy reconhecido juridicamente de or- 
dem delRey pelo Doutor Joaõ Marques Bacalhao, 
entaõ Corregedor da Rua Nova , e hoje do feu 
Confelho , e da fua Fazenda , foy conduzido de 

noite 



da Cafa "Real Tortrtg. Liv. VIL 42 5 

noite ao Moíleiro de Santa Catharina de Ribamar 
da Província da Arrábida, de que a Cafa de Arron- 
ches he Padroeira , onde ficou em depofito , ha- 
vendo-o acompanhado em diverfos efcaleres os pa- 
rentes da mefma Caía , e a fua familia com alguns 
Religioíòs , e nos dias feguintes lhe fizeraS furTra- 
gios em todos os Moíleiros, e Igrejas da Corte, do- 
brando todos os finos. EIRey , a Rainha , e In- 
fantes íe encerrara5 por três dias , tomando luto 
pezado por hum mez , e outro aliviado , e o me£ 
mo íe mandou praticar na Corte. EIRey mandou 
vifitar a Duqueza de Lafoens fua efpofa pelo Du- 
que D. Jayme feu cunhado, e Eílribeiro mor, e a 
Rainha pelo Duque de Cadaval Dom Nuno feu 
Mordomo mor , e a Marqueza de Arronches pelo 
feu Confeííor. 

Foy o Senhor D. Miguel ornado de excellen- 
tes partes , porque íbbre gentil preíênça , era de 
hum engenho fublime , com muita viveza, e ccm- 
preheníaó ; foube as linguas Latina , Franceza, Ita- 
liana , e Caftelhana , em todas compunha , e falia- 
va com energia ; amou a Muíica , em que íe entre- 
teve (cientificamente , como em muitas Artes libe- 
raes. Era devoto , pio , generofo , e muy corte- 
zaõ , e attento , com hum génio aftavel. EIRey 
feu irmaõ o eítimou muito , vifitando-o em algu- 
mas occailoens , como foy a 1 1 de Abril do anno 
de 1725 achando-fe doente de huma efquinencia , 
além dos bautizados , a que aífiílio peílòalmente , fa- 
zendo- 



^$6 Hijloria Çenealogica 

zendolhe muita honra , como diíTemos. Com a 
Nobreza , e Grandes da Corte entreteve huma boa 
correfpondencia , e com muitas peííòas eruditas, 
que tratou com grande eftimaçaõ , fendo bem quif 
to univerfalmente : aííim foy a íua difgraçada mor- 
te fentida também univerfalmente, a ella fe flzeraõ 
diverfas Poefias ; o Conde da Ericeira D. Francif- 
co Xavier de Menezes , que o tratou com muita 
familiaridade, imprimio huma Egloga : a fua excel- 
ia Mufa , defcrevendo o laftimofo naufrágio , acre- 
dita nos íublimes peníamentos , o fino da amiíade , 
e do íèntimento , com excellentes vozes. O Pa- 
dre Dom Rafael Bluteau com a fua elegante penna 
eternifou a fua memoria com o feguinte Cenotafio; 

DIRjE IN TAGUM. 

Pnecipua Orbis terraquei Jiumina 

Malh precantur Tago , 

Cujus undte, 

Domlnum Michaelem , Principem Lujítamim , 

Ohruerunt. 

Ganges, Euphrates , Pactolus , Rnenus , & Indus , 

Eridanus , Khodanus , Tiberis , prcçcepsque Garumna , 

Sequana , Volça , Liger, Vi /urgis , Vi fluía, Ma nus. 

Matrona , Danubius , Ticinus , Munda , Mofe/ia , 

Minius , Cf Sca/dis , Tamefis , Mofa , Beeús , Iberus, 

Denique quotquot agros , jiuvii , rivique perennes , 

Pro/uimus , fimul hic concordi feedere , V ore, 

Tuas detejiamur Tage immitis , undas. 

No/Ira 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 4^7 

No/Ira jwper infamaíii oficia , 
Naves in porta fuíiinere tcnemur , 

Nefas ejl mergere. 

Qii£ ratis audeat crederc fe tibi ? 

Omncm in te nequitiam , anchoras fixijfe, 

Credendum e/i. 

Malignè íuperbus, 

Simulas , te efe Maré ,• 

Agitar is , jaâtaris , intume/cis , 

Attollis te , ut opprimas , 

Deprimis te , ut ab/orbeas. 

Perfídc tranquillus , 

Srtpe quiefcis die, 

Vt noõie poffis furere ,* 

Tenebrofojurori quis objiflat ! 

Atram hanc rabiem noa conpefcuit máxima Claritasl 

Invitis tenebris, 

Omnia in Príncipe Veãore clarebant ; 

Regalis Juígebat claritudo /ânguinis, 

Vitae claritas , Cf fplendor virtutum ; 

Augebant lucem illudrium iludia 1 iterar um. 

Ver hm ad hoc genus lucis fata ctfcutiitnt, 

Et caligant infortunia. 

Deficiente aéris claritate, 

Etjerocius ingruente procellà , 

Ami/Jb gubernacufo, 

Et velis inccute vento permiffis , 

Decvmanis tandem fluòlibus demer/a tfl fcapha. 

Ouantam hoc naujragium jacturam attulerit ! 

Tom. VIII. Rrr Spon- 



Ve&or , qui navi vehi- 
tur , íummi guberna- 
tores , in magnis tem- 
peftaiibus, à ve&onbus 
adtnoneri íolcnt, 
Çiç. 7. Philip. 



4^8 Hiftoria Çenealogtca 

Sponfc viduhas , orbitas filiorum , 

Solitudo jòcrus , 

Der eli alio fervor um , amicorum reli Si Io y 

Haud jaús aperte demonílrant, 
,Ad Regni Caput pervenit detrimentum* 

Amifit fratrem Rex Lufitaniíe , 
Arnifit Lujitania provementem Heroem , 
Totí Regno accejjit offenfio. 
Multo latiíis manavit malum 
Tulchra luce orbatus eíl Orbis. 
Ad haec tanta , tamaue cruenta damna 
Nu Ho dolorisjenju affeãus, 
Crudelis Tage , 
Fluis , <& Refluis , 
Exfpatiaris , O* recipis te, 
Raptum a te inteflimàbilem thefaurum , 
Abjcondere volebas, 
Tanti pudore /celeris, 
Sed emeríit , 
Deformato corpore , auâíurus dobrem, 
An relinauetur inultum tam atrex facinus} 
Xcrxes flagrís caedi Hei- Defideratur Xerxes , qui te flagelkt. 

fr^W*. Divitiarum avidus ; _ 

a*tt(jMt.Gr<£cvr.tom,4. Interfluentibus aureis arenis , 

'**" *'""•'• HonáumreAimtafiti, 

Fripuidi nobis aurum, 

Obryzo longe nobilius, 

Aureisjcilicet moribus Principem, 

Auream fuis reduãurum atatem. 



Si 



da Cafa ^Real Tortug. Liv. VIL 4$<? 

Si te igncrajjet. 

Pretioíam Veterum xmulatus ingluviem , aodnis^fopifilius,ín 

uijuis m convnus deglutiebunt margantas , pa / àli c ut ait p linius) 

In liac una forbuiâi multas , s uid «fp^™ "' ar & a * 

rT . -, rira: , lingulos un.ones 

tielíUO UemmarimU convivis abiorbendos 

Animi candor e vincebat Michael candentes baccas, vnH'nt, „,„ , 

' rim. lio. y, cdp. 55, 

Pirmitate Adamantem, mm. $9. 

Charitatis igne Pyropum. 

M'dc!i\>e purpura Hyacinthum. 

Adjunellam tant,e c/adis recordationem y 

Embeice Tage , £7" JiJIe. 

Seu potius retro cur/um inque, 

Nwhjuam amplias a mortalibus videndus, 

Durum } àirumque jlumen , 

Uno tili ore precamur dirá, 

Areícat lubito , terraeque tremore dehlícat , 

Gu£ ttbt funàtt opes vena perennis aqute $ 

Hinc procul ampla petant 

Opulenta littora c/ajes, 

Per te vix poffint currere naviculíC. 

Cccytus , Ph/egeton, Acheron , nigr a Jlumina Avenri, 

Fluclibus infundant /ardida cwna tuis. 

Sed Tu, qui jemper ftatUis , das cuncia moveri , 

Moto aTe , motor maxime, parce Tago, 

EIRey Dom Pedro declarou efte filho, afir- 
mando o houvera em huma mulher limpa , e fup- 
poílo , que efta aíTeveraçaõ he o mais legal inftru- 
mento da grandeza do filho , cujo alto naícimento 
Tom. V III. Rrrii (c 



joo Hiftoria Çenealogica 

íe qualifica na legitimação delRey : corn tudo por 
fatisfazer com a parte pertencente à Genealogia , 
ditey, que fua mãy íè chamou D. Anna Armauda 
de Vergê , a qual fendo viuva teve eíte filho , e ti- 
nha vindo de França , donde era natural , de curta 
idade com fua mãy no ferviço da Rainha D. Ma- 
ria Francifca de Saboya , e íè havia creado no Pa- 
ço j fua mãy íe chamou Catharina Therefa de Ver- 
gê, fervio a Sereniííima Infanta D. I f > bel Luiza Jo- 
fefa com grande eftimaçaõ ; havia nafcido na Cida- 
de de Colónia , e cafada com Pedro Paftre de Ver- 
gê, Francez , natural da Gidade de Pruíía no Lan- 
guedoc , que foy Capitão de Infantaria , e Çuartel- 
Meftre nos Exércitos de França. Seus avós pater- 
nos íè chamarão Pedro Paílre de Vergê , e Anna 
Morim , naturaes da referida Cidade , da qual era 
Bifpo hum primo íèu ; os maternos foraõ Joaõ Eo- 
car, que havia nafcido em a Cidade deCoknia, e 
tido o poflo de Capitão de Infantaria, e calado com 
Ifabel Anna Vetnm de Clartmon , perto de Lim- 
bourg , o que tudo conílou jurídica , e legalmente. 
E fuppofto , que nada pode importar à efJarecida 
defeendencia deíle Príncipe efta declaração , com 
tudo por fatisfazer tal vez alguma curiofidade , que 
nos poderia arguir, a lancey neíle lugar. 

Cafou em 50 de Janeiro de 1715 com D. Lui- 
za Cafimira de Soufa e Nalau , herdeira da Ca f a de 
Arronches , como diremos no Livro XIV. quan- 
do tratarmos da família de Soufa. Em virtude âcf- 

te 



da Cafa 1{eal Tortug. Liv. VIL 501 

te cafamento lhe fez EIRey D. Joaõ V. a mercê 
de lhe conceder as honras de Duqueza , que teve a 
2 de Abril de 17 16 , fendo feu Condu&or o Duque 
de Cadaval D.Jayme, que a acompanhou em hum 
coche delRey, que precedia à liteira, em que ella 
hia , com o feu Eftribeiro a cavallo , e dous coches 
de criados , acompanhada dos feus parentes , e de 
muita Nobreza j alfim foy ao Paço, aonde teve au- 
diência da Rainha na forma coftumada em ftme- 
lhant:s funções. Depois por reíbluçaõ de 28 de 
Junho de 1718 lhe acordou EIRey fe intitulará 
Duqueza de Lafoens , titulo , que já lograva íeu fi- 
lho , como diremos. Naõ havia a Duqueza rece- 
bi Jo o Sacramento da Confirmação, affim a 28 de 
Abril de 1719 lho conferio o Patriarca, e ao Senhor 
D. Miguel leu efpoíb. EIRey honrou eíle aclo 
fendo íeu Padrinho , indo ao feu Palácio com os 
Infantes feus irmãos , e lhe fez preíènte de hum fio 
de pérolas com hum grande diamante pingente , e 
dous no remate , tudo de grande preço , e eílima- 
çaõ. Pertendeo a Duqueza , que em virtude de 
fer caiada com o Senhor D. Miguel, lhe pertencia*) 
conforme a direito todas as honras , e prerogativas, 
que eile gozava; efuppoilo eltas eraõ fomente pef- 
foaes, e concedidas íó à fua peíiba, como fe decla- 
rou no Ceremonidl , porque fe regularão , dizendo, 
que no cafo de caíar , naõ feriaõ communica veis 5 
ella citou ao Procurador da Coroa por hum LibeUo 
fundado na pragmática da Ley das Cortezias do anno 

de 



5 o 2 Hi floria genealógica 

de 1597, e obteve Sentença no fupremo Senado da 
Caía da Supplicaçaô a 7 de Novembro de 1722 , em 
que ie lhe julgou o tratamento de Alteza , que li- 
nha íêu marido , e fendo embargada a Sentença , foy 
confirmada a 6 de Abril de 1723 : porém efta Sen- 
tença naó fe chegou a executar , porque a Duque- 
za nunca teve Alteza. Scbreviveo poucos annos 
ao Senhor D.Miguel, porque ve>o a falecer a 17 
de Março de 1729, e foy depofitado o feu corpo 
no Moííeiro de Santa Catharina de Ribamar, jazi- 
go dafua Caía, onde também jaz , como diíTcmos, 
o Senhor D. Miguel. Foy a Duqueza bem pare- 
cida j grave , entendida , applicada à liçaõ dos li- 
vros, que leo nalingua italiana, Caílelhana, eFran- 
ceza, enaõ lhe foy defconhecida a Latina j foube a 
Mufica , e diveríos inílrumentos fcientifícamente: 
havia naícido no anno de 1694 filha de Carlos Jo- 
íèph de Ligne , II. Marquez de Arronches , V. Con- 
de de Miranda , Embaixador Extraordinário à Cor- 
te deVienna, que havia nafciio emFlandes, Prín- 
cipe do Sacro Romano Império , e cafado com D. 
Marianna de Soufa , II. Marqueza de Arronches , 
e herdeira da Cafa de Souía , defte efclarecido ma- 
trimonio nafceraõ os filhos feguintcs: 

20 D. Joanna Francisca Antónia Perpe- 
tua de Bragança nafceo a 1 1 de Novembro de 
1716, foy bautizada com grande pompa no Palá- 
cio de feu pay a 25 de Dezembro do referido an- 
no , a quem EIRey honrou com a fua Real aflif- 

tencia, 



da Cafa %ea\ Tortng. Liv. VIL 503 

tencia , fendo Padrinho, indo acompanhado dosSe- 
reniííímos Infantes Dom Francifco, e D. António, 
aííi ilido do Duque D. Jayme feu Eílribeiro mor, 
do Marquez de Marialva, Gentil-hcmem da Ca- 
mera defemana, do Marquez de Gouvea feu Mor- 
domo mor , e o Conde da Ribeira Gentil-hcmem 
da Camera do Infante D. Francifco ; bautizou-a o 
Cardeal da Cunha Capellaõ mor, aííiflido de duas 
Dignidades , e dous Cónegos da infígne Collegiada 
de S. Thomc , que foraõ o Deaõ D. Jofeph Ma- 
noel, o Arcediago do Bago Manoel Nunes, Mar- 
tim Monteiro de Azevedo, e Manoel Ferreira Va- 
relia. Levou-a nos braços à Pia feu tio D. Jofeph 
de Ataíde , irmaõ uterino da Marqueza íua avó, 
aprefentou o Saleiro o Duque de Cadaval D. Nu- 
no Alvares Pereira de Mello, doConfelho deEfta- 
do , o Ciiio o Conde de Atouguia D. Luiz Pere- 
grino deAtaide, e a Toalha D.Duarte da Came- 
ra , (depois Conde de Aveiras , ambos feus paren- 
tes ) e pegarão nas tochas o Marquez das Minas 
D. António Luiz de Soufa , do Ccnfelho de Fila- 
do , o Marquez de Cafcaes D. Manoel de Caílio, 
do Confelho de Guerra , e Governador da Torre de 
Belém , o Con J e de Aí]uma r D. Joaõ de Almeida, 
do Ccnf lho de Eílado , e o Conde de Vai de Reys 
Nuno de Mendoça , Deputado da Junta dos Ties 
Eílados. EIRey naõ ío honrou afobrinha, e ani- 
lhada , mas a íeus pays com eípeciaes demoniira- 
ções da fua innata benignidade , e fe deu fim a eíla 

íblcm- 



504 HlftoYia Çenealogka 

íòlemnidade com huma admirável compofiçao do 
Hymno Te Deum laudamus , cantado por tiinta 
peííòas de vozes , e inftrumentos , fuave , e deftra- 
mente ajuftados. Querendo EIRey retirarfe , fa- 
hio acompanhado de todos os Grandes , e Senho- 
res , que alli íèachavao. Dona Luiza Caíirmra de 
Souía , a quem EIRey já havia concedido honras 
de Duqueza , e agora recebera a de fer fua Coma- 
dre , íem embargo de Sua Mageftade a perfuadir o 
naÕ acompanhaíle , ella continuou em fazello com 
todas as fuás parentas , e mais Senhoras até à falia , 
em que o havia recebido , quando entrara , onde 
poftrando-fe aos Reaes pés em poucas , e reveren- 
tes palavras havia expreflado a grande hcnra , que 
de novo recebia a fua Caía naquelle dia , a que EI- 
Rey attendeo com palavras de muita eíiimaçaõ, 
fazendo-a levantar : o Senhor D. Miguel o acom- 
panhou até entrar no coche. 

Havendo de tomar eflado fe tratou o feu ca- 
íàmento , com approvaçaõ delRey , com D. Luiz 
Jofeph Leonardo de Caftro Noronha Araide e Sou- 
ía , que nafceo a 18 de Setembro de 1717, X. Con- 
de de Monfanto , herdeiro da grande Caía de Cas- 
tro , que ceve principio neíle Reyno em D. Álva- 
ro Pires de Caftro , Conde de Arrayolos , I. Con* 
deftavel de Portugal , e íe coníèrvou com grande 
efplendor , e ílluftrifíimas allianças nos Condes de 
Monfanto , Marquezes de Cafcaes , como deixa- 
mos efcrito no Livro III. pag. 551 do Tomo IL 

Outor- 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 505 

Outorgou-fe o Tratado Matrimcnial no Palácio do 
Duque de Lafoens a 14 de Julho do armo de 1738, 
eftando elle prefente , e a Marqueza de Arronches 
fua avó , de quem foy Procurador o Doutor Antó- 
nio Sanches Pereira , Corregedor do Crime da Cor- 
te , e Cafa , e o Doutor Gregório Pereira Fidalgo 
daSylveira , doConfelho de Sua Mageftade , e leu 
Deíembargador do Paço, nomeado por hum De- 
creto de Sua Mageftade, paflado no primeiro de Ju- 
lho do dito anno, Curador do Duque de Lafoens, 
e o Doutor Bento Coelho de Soufa , do Coníelho 
de Sua Mageftade , e feu Defembargador do Paço , 
nomeado Curador por outro Decreto de 25 de Ju- 
nho do mefmo anno , no qual fe diz: Dona Joanna 
Perpetua de Bragança , minha muito amada , e pre- 
zada fobrinha ; deuihe faculdade para poder outor- 
gar pela fua parte o dito Contrato , a quem a mef 
ma Senhora deu feu Alvará de Procuração com to- 
dos os poderes. Aííiftiraõ mais o Marquez de Ca£ 
cães D. Manoel de Caftro , e o Marquez D. Luiz 
de Caftro feu filho, o Doutor Jofeph Vaz de Car- 
valho , do Coníelho de Sua Mageftade , e feu De£ 
embargador do Paço , nomeado por hum Decreto 
de 28 de Junho Curador do Marquez D. Luiz , e 
fendo o meímo Miniftro Procurador da Marqueza 
deCafcaes D. Luiza de Noronha fua mãy, em vir- 
tude de hum Alvará de Procuração de 30 de Junho 
do referido anno de 1738 , fendo as claufulas prin- 
cipaes defte Tratado , que a Marqueza de Arron- 
Tom.VIII. • Sss ches 



5 o 6 HiHoria (fenealogica 

ches íua avó , e o Duque de Lafoens feu irmaõ , a 
dotavaÔ com todas asjoyas , prata, ouro , veftidos, 
roupas , que ella levaífe na prefente occaílaõ , e pe- 
lo adiante confiante o matrimonio, que tudo teria 
a natureza, e privilégios de dote , quer tiveíTèm, 
ou naõ tiveíTèm filhos, enamefma foi ma todas as 
joyas , e pelTas , que lhe dtfíèm os Marquezes de 
Caícaes , o Duque de Lafoens , e a Marqueza íua 
avô , íendo tudo avaliado na forma coftumada , e 
continuando , diz : Os Senhores Marquezes de Caí- 
caes aceitad eíle dote , e pela grande honra , autho- 
r 'idade , e go/lo , que con leguem nefte ca lamento , em 
relpeito dos dotes cia natureza , virtudes de animo, c 
grandeza da Illvjlriflima , e Hxcellentiffima Senhora 
D. Joanna Perpetua de Bragança li ília do Senhor D. 
Migue/ , promettem , ejao contentes de dar dearrhas 
a me/ma Senhora , fobrevivendo ao dito Illuftrifflmo y 
e Excellentijfimo Senhor Marquez feu futuro elpofo , 
doze mil cruzados em cada hum armo f em quanto vU 
ver , e permanecer no e fiado de viuva , C?V. e de mais 
lhe deraõ os Marquezes cenftante o matrimonio, 
para íêus alfinetes , e gaftos particulares , nove mil 
cruzados cada anno , pagos às mezadas , íêm que 
firvaõ para outros gaftos , ou encargos do matri- 
monio , com todas aquellas claufulas , e obrigações 
coftumadas, e praticadas nos Tratados detaõ gran- 
des peííòas. 

Effeituaraõ-íe as vodas a 20 de Setembro de 
1738, tendo precedido diípenia da Sé Apoílolica 

do 



da Q/a Ifyal Tortug. Lh. VIL 507 

do parentefco de confanguinidade. EIRey em at- 
tençaõ deite cafamento, creou Marquez deCafcaes 
a D. Luiz , de que tirou Carta paíTada a 22 de Se- 
tembro de 1758 com a honra do tratamento de fo- 
brinho , prerogativa 1 que já a fua Caía havia lo- 
grado em feus mayores no tempo delRey Dom 
Arroníb V. e agora EIRey lha renovou por caiar 
com íua fobrinha D. Joanna Perpetua de Bragan- 
ça , aquém o mefmo Rey concedeo todas as hon- 
ras , e prerogativas , que lograrão nefte Reyno as 
Duquezas , por Carta aífinada de fua Real maõ de 
20 de Setembro do dito anno, na qual declara , que 
logrará a fua antiguidade de 2 5 de Junho do referi- 
do anno , para haver de preceder às mais Duque- 
zas , que o forem depois defta mercê. A 26 da 
Outubro do mefmo anno foy ao Paço acompanha- 
da de todos os Grandes, e Fidalgos da Corte, don- 
de teve audiência da Rainha, e Píinceza do Brafil, 
em que foy tratada com as honras de Duqueza. 

20 Dom Pedro Henrique de Bragança 
Sousa Tavares Mascarenhas da Sylva na£ 
ceo a 19 de Janeiro do anno de 171 8 , e foy bauti- 
zado com magnifica pompa a 17 de Fevereiro do 
referido anno no Palácio de feu pay o Senhor Dom 
Miguel pelo Patriarca de Lisboa D. Thomás de 
Almeida, fendo feu Padrinho EIRey D. Joaõ V. 
que com a fua Real prefença aíMio a efte a&o, 
onde foy acompanhado dos Sereniííimos Infantes 
D. Francifco , e D. António , e afMido de alguns 
Tom.VllI. Sssii Cria- 



508 Hiftoria Cjenealogica 

Criados, e fazendo-fe efta função cem toda a for- 
malidade , e grandeza , que referimos em fua irmãa; 
no mefmo adio declarou o Secretario de Eílado 
Diogo de Mendoça Corte-Real , que Sua Ma^efc 
tade havia feito a feu fobrinho , e affilhado D. Pe- 
dro , Duque de Lafoens. Cantou-fe o Te Deum , 
que começando-o o Patriarca, foy continuado por 
excellente Muílca. O Senhor D. Miguel ofTere- 
ceo a EIRey huma infigne Reliquia do Martyr S. 
Vicente, Padroeiro de Lisboa, que era huma co£ 
tella inteira , ricamente engaftada , a qual lhe tirou 
o Cardeal de Souíâ , Arcebifpo da mefma Cidade, 
quando ultimamente fe defcebrio o íêu corpo na 
íua Cathedral no anno de 1692. Depois em 21 de 
Junho do referido anno lhe fez EIRey Doaçaõ do 
Confelho de Lafoens em Ducado , incluindo nefta 
mercê todas as Yillas, e terras do mefmo Confelho, 
com todas as jurifdiccões , foros , e tributos , per- 
tencentes à Coroa , datas de Officios , e aprefenta- 
çaõ de Juiz de Fora , e ultimamente fe lhe paíTòu 
Carta de Duque de Lafoens em 5 de Novembro do 
referido anno de 1718. 

Por morte do Senhor D. Miguel fuecedeo o 
Duque em todos os bens da Coroa , e Ordens , que 
pofluia íêu pay , e depois por morte da Duqueza 
ília may nos Morgados pertencentes a Cafa de Ar- 
ronches j e aíTim he I. Duque de Lafoens, III. Mar- 
quez de Arronches , VII. Conde de Miranda , Se- 
nhor do Confelho de Lafoens , e das V illas de Mi- 
randa 



da Cajá %eal Torfug. Liv. VIL J 09 

randa do Corvo , Jarmello , Folgofmho, Sofá , Po- 
dentes , Vouga, e Oiiveira do Bairro, Commen- 
dador das Commendas de S. Vicente de Villa-Fran- 
ca de Xira , de Santa Maria da Gollegãa, Nofla Se- 
nhora das Olalbas , Santa Maria de Marmeleiro , e 
da Alcaidaria mor de Thomar , dízimos dos Moi- 
nhos da Ilha da Madeira , e Açores , e de huma das 
Commendas das Ervages na liha de S. Miguel, S. 
Salvador de Minhoraes no Arcebifpado de Braga , 
S. Martinho de Guilhelbreu no Biípado do Porco , 
Maynhos no da Guarda , Santa Maria do Efpinhal 
no de Coimbra , Santa Maria de Alvito no Arce- 
bifpado de Évora , e Noíía Senhora da Graça de 
Alpalhao , Santa Maria de Niza, Santa Maria de 
Ares no Biípado de Portalegre , todas na Ordem 
de Chiiílo , herdeiro da Commenda hereditária de 
Sofá na de Santiago no Bifpado de Coimbia, Al- 
caide mor de Arronches, e Alpalhao, edaVilla de 
Thomar , Provedor da Capella do Infante D. Hen- 
rique , Padroeiro do Convento de Santa Catharina 
de Ribamar, da Capella mor deS. Domingos de 
Aveiro , e das Ahbadias de S. Joaõ de Lobiigos no 
Coníelho de Penaguião , Santo André da Várzea 
de Ovelha no Confelho de Gouvea Riba Tâme- 
ga, com alternativa com o Bifpo , Santa Leocadia 
no Confelho de Bayaõ , Santiago de Valdares no 
dito Confelho com alternativa , os Priorados de 
Santa Maria , S. Miguel , e S. Pedro da Villa de 
Jarmtllo , e o de Agua Bella no Bifpado da Guar- 
da , 



5 i o Hi floria Çenealoçjca 

da , os Priorados de S. Chriftovaõ de Macinhata no 
Termo da Villa de Serem , e Santa Maiia de Po- 
dentes , ambos no de Coimbra , as Vigairarias de S. 
Miguel de Sofá no dito Bifpado , e S. Pedro de Va- 
longa no Arcebifpado de Braga. Foy admirável a 
educação , que a Duqueza íua may lhe deu , e a 
todos os íeus filhos , applicando-os de tenros annos 
às Sciencias, e Artes Liberaes , em que o Duque 
fez fmgulares progreííòs , inílruindo-le nas bellas le- 
tras , e na Filofofia , de forte , que confeguio applau- 
íb em muitos actos litterarios públicos defta Cor- 
te ; e íbbre alto naícimento íè ornou de virtudes 
próprias da fua grande peííòa. 

20 D. Joaõ de Bragança Sousa e Ligne 
nafceo a 6 de Março de 17 19, e fendo bautizado a 
25 de Abril pelo Patriarca , foy também íeu Padri- 
nho EIRey 3 , eftudou Humanidades , e Filofofia , 
juntamente com o Duque íeu irmaõ , com grande 
aproveitamento , porque a viveza , e engenho de- 
raõ logo defde os primeiros annos indícios da fua 
diferiçaõ j e afTim feguindo as letras paífou a es- 
tudar em Coimbra , entrando por Porcionifta no 
Collegio de S. Pedro. EIRey D. Joaõ V. lhe 
declarou as honras de Marquez por aviíò de 21 
de Junho de 1758 , e que por elle lograria a pre- 
cedência aos Marquezes , que depois delle fo£ 
íèm creados , e fe lhe pafíòu Carta de aílènta- 
mento com exceííiva ventagem , em razaô do pa- 
rentefeo , às dos mais Marquezes , para cujo ef- 

feito 



da Cafa %eal Tortug. Liv. VIL 511 

1 

feito baixou Decreto ao Confelho da Fazenda. 

20 D. Francisca nafceo a 14 de May o de 
1720, e foy bautizada pelo Patriarca no Palácio de 
feu pay a 15 de Julho, fendo feu Padrinho EIRey, 
como o fora de todos eítes Senhores , indo à lua 
cafa , onde íe fez o Bautiímo com toda a folemni- 
dade, que diíTemos acima; contava quinze dias fo- 
bre anno e meyo, quando paíTou a viver na eterni- 
dade a 29 de Novembro de 1721. 




Dona 



Dona Lui- 
za Cafimi- 
ra de Sou- 
fa, Duqu 
2a de La-' 
foens, mu- 
lher do Se- 
nhor Dom 
Miguel. 



'■ Carlos Jofcph 
de Ligne, II. 
Marquez de 
Arronches , 
Príncipe do 
S.R.I. + a* 
dejaneir. de 
I7M- 



D. Marian- 
na deSoula , 
Marqueza de 
Arronches , 
naíceo a 2 5. 
de Abril de 
1672. 



'Florêncio Princi pe- 
de Ligne, e do S.R. 
I. Gentil - homem' 

|daCamcra do Ar- 
chiduque Alberto, 

l + em Abril 1622. 
A Princeza Luiza 
de Lorena , + em I 
I653. 



'Cláudio Lamo- 

ral , Principede 

Ligne , e do S. 

R.l. Marquez de 

Roubais, Conde 

1 de Fauquember- 

Ighe , Cavalleiro 

'doTofaó, Gran- 

.de de Helpanha, 

Va n de Dez. 

fde 1679. 



M mCe í\w"rJ° a5 » Conde de" 
raManadeNaí-l NaíTau . Sie Ca . 

fau,+a 4 deSe.V vaileirod( f To ' laó; 
-temb.de 1695. ) + emi6 3 8. 



A CondeíTa Ernef- 
, tina de Ligne. 



'Diogo Lopes de 
Sou ia, IV. Con- 
de de Miranda , 
+ a 26 de janei- 
ro de 1672. 



«Henrique de Soufa" 
Tavares , I. Mar- 
quez de Arronches, 
III. Conde de Mi- 
randa , do Conle- 

1 lho de Eftado, +a 
iodi Abril 1706. 
A xMarq. D. Mari- 

■anna de Caftro. 



A CondeíTa 
Margarija 
\ ilncna. 



D. ]oaô Mafcare- 
nhas ,111. Conde 
de Sabugal , Mei- 
rinho rrôr,-!- a 2 7 
j de Març. deirt8 í. 
D. Brites de Cattel 
lobranco , Condef- 
,fa de Sabu^iL 



Lamoral , I. Princi- 
pt de Ligne , e do S. 
R. I. Cavalleiro do 
Tofaõ , Grande de 
Helpanha , + em Ja« 
neiro de 1(524. 
, A Princ. Anna Ma- 
ria de Meluii,Senho- 
ra de Roubais , Scc. 

Henrique de Lorena, 
Conde de Chaligny , 
, Príncipe do S. R. I. 
+ em 1601, 
A Princeza Claudia 
de Mouy , + a 3 de 
Novembr.de 16 27. 

Joaó, Conde de Na f- 
íau^Siegen , + a 27 
'deSetemb.de 162 3. 
A CondeíTa Magda- 
lena de Valdeck , + 
em 1599, í.mulh. 



5»3 

,- Filippe , Conde de Ligne , &c. Ca- 
} valeiro do Tofaó , + cm 1 5 W ? . 



alam 



Lamoral , Príncipe 
de Ligne. 

A Princeza Anna de 
Melun. 



Diogo Lopes de Sou- 
fa , II. Conde de Mi - 
randa , Prefidente do 
Conlelho da Fazen- 
da , + a 27 de De- 
zembro de 1640. 
A CondeíTa D.Leo- 
nor de Mendoça. 



D. António Mafca. 



"\ A CondeíTa Margarida de L 
r^ filha de Filippe de Lalam , Conde 
" de Hoochftrate, +em 159S. 
Hugo de Melun , Princ.de Epinoy, 
ConJcft. her.de Mandes , + 1 545. 
A Princeza Violante de Carbaçon, 
Senhora de Roubais. 
Nicolao de Lorena , Duq. de Mer- 
coeur, &c. + 324 dejan. de l 577. 
A Duqueza Catharina de Lorena, 
?. mulher , + em Julho de 1 6c6. 
Carlos, Marquez de Mouy , Caval- 
leiro das Ordens delRey. 
CdtharinadeSuianne, Ccndefla de 
Cerny. 

Joaó , Conde de NaíTau , + a 8 de 
Outubro de \6o6. 
A CondeíTa Ilibei de Leuchtem- 
berg , 1. mulher , + em 1 579. 
Samuel , Conde de Valdeck , + em 
1570. 

A CondeíTa Anna Maria Schwan- 
zetiburg, filha de Henrique , Conde 
deSchwanzerburg , + em 1 507. 
Filippe , Conde de Ligne, Cavallei- 
ro do Foiaõ. 

A CondeíTa Margarida de Lalain. 

Hugo de Melun , Príncipe de Epi- 
noy. 

A Princeza Violante de Barbançon. 

Henrique de Soufa , I. Conde de 

Miranda. 

A Cond. D. Mecia de Vilhen. fil. de 

Fernand.da Sylva,Com. de Alpalh. 

Joaó Rodrigues de Sá , I. Conde de 

Penaguião, Camereiro mor. 

A Condella D. Ifabel de Mendoça , 

filha de Joio de Almeida, Senhor 

do Sardoal. 

SD. NunoMafcarenhas, Senhor de 
Palma , + a 3 de Janeiro de 1 6 1 8. 



renhas , Commenda- < n Vi I 4 rti J fi 1 V r -* 
dor de Caftelno vo , ? ? £H à ] °*ft ?"?* ^ Krna ° 

+ a 2 i de Julho de C T" 1 '"' Sc P\°I dc , Vnhã ?' , 



5 

1654. 

D. Ifabel 



Julho de 
de Qftro. 



D. Francifco Mafca- 
renhas , do Confelho 
de Eftado. 

I). Margarida de Vi- 
lhena. 



í 



S António de Mendoça , Senhor de 
Marateca, 
} D. Anna de Caftro , filha de Fernão 
C Telles , Senhor de Unhaó. 

D. Nuno Mafca renhas , Senhor de 
Palma , + em 3 de jan. de 1 6 1 8. 
D. líabel de Caftro, filha de Fcrnaõ 
Telles , Senhor de Unhaó. 
D. Joaó Mafcarcnhas , Senhor de 
Palma. 

D. Maria da Cofta , filha de D. An- 
lonio da Cofta. 
D. Francifco de Caf-rjE?' D ™% de Qftellobranco , í. 

teliobranco , Conde > ^t^nl l Munn , h %T T - 
u cu „ 1 m • • 1 A Condella U. Catharina da Sylva- 

íh„ríó R ' ^'V f '^c IA Bernardo Coutinho, A|I 
nho mor. v. . , , . „ ' 

ú r>~ 1 ii 11 1 •, cp.i de morde Santarém. 
A Condella D. Luiza ,- , , T 
t~ • l j_ fl ' Joa< 

Counnho , + em X I \ r ■, >. 

dcj«; iiro Jc 16 3 p. 



Tcm.YIII. 



• ) Ma 
CGo 



oaó Couiinho, Alc.niôrde Sanf. 
harina dc Menezes , til. de D, 
cl d- Meneze , Camer. mor , e 



vem. da Cafa do Sen. D.Duane. 

Ttt CAPI- 



5»5 




CAPITULO XX. 

Senhor T)om fofepb , Arcebifpo de *Braga 1 
Trima^ das Hefpanhas. 

Ntre os filhos , que teve EI- 
Rey D. Pedro, foy o ultimo 
o Senhor D. Joseph , que na£ 
ceo a 6 de Mayo de 1705 , 
houve-o EIRey em huma mu- 
lher limpa , como elle deixou 
declarado antes da fua morte, 
a qual depois fe recolheo no Morteiro de Santa Cla- 
ra de Lisboa , e íè chamou Dona Franciíca Cla- 
ra da Sylva ; creou-íe incognitamente com íeu ir- 
mão o Senhor Dom Miguel em caía do Secretario 
Bartholomeu de Souía Mexia , e tanto , que teve 
Tom.VHL Tct ii ida- 




^ 1 6 Hijlorla (genealógica 

idade , EIRey D. Joaõ V. íeu irmão lhe deu caía 
juntamente com o Senhor D. Miguel , conferindo- 
lhe toda a grandeza devida ao feu altiríimo nafci- 
mento , como deixamos dito no Capitulo antece- 
dente. EIRey feu pay lhe fez mercê das Com- 
mendas de Santa Maria de Almourol y Santa Maria 
de OJhaos , ambas na Comarca de Thomar , e a de 
S. Salvador de Laure na Comarca do Porto , todas 
da Ordem de Chrifto. 

Eíludou Latim com grande aproveitamento , 
e depois Filoíbfia juntamente com o Senhor Dom 
Miguel íeu irmão , tendo por Meftre o Padre Dom 
Celeftino Signeau , Clérigo Regular , e em breve 
luzio o cuidado do Meftre , e a curiofidade dos difc 
cipulos. Nefte tempo fuccedeo a fatalidade da mor- 
te do Senhor D. Miguel na noite de 15 de Janeiro 
de 1724, enaquelíe naufrágio padeceo também hum 
incrível trabalho o Senhor D. Joíêph , que vinha 
na fua companhia , como já diíTemos , de que eíca- 
pou por modo taõ eftranho , que fe pode ter por 
milagroíò ; porque íèm íbccorro humano , elle íè 
achou depois de voltado o eícaler , tendo lutado 
largo tempo com as ondas , fobre a quilha da mef- 
ma embarcação , de que ficou muy mal tratado , 
mas em breve convaleceo. EIRey o mandou vifi- 
tar , e darlhe os pezames da morre do Senhor Dom 
Miguel pilo Duque de Cadaval íêu Eflribeiro mor, 
e cunhado. 

DcfdQ os primeiros annos foy o Senhor D. Jo- 
íêph 



da Cafa Ifyal Tortug. Liv. VIL 517 

íl-ph deftinado à vida Ecclefiaílica , que elle abra- 
çou com tanto génio , e devoção , como logo dire- 
mos : e como delia faó iníeparaveis as letras, paííòu 
a eftudar (ciências na Univeríidade de Évora , ha- 
vendo-íe já inftruido nírFilofofia com felicidade , e 
no anno de 1725 paíTou àquella Cidade, onde o 
conduzio por ordem delRey D. António Eílevao 
da Coita, Armador môr, indo com elle no coche 
na meíma cadeira. Alojou-íe no Collegio Real da 
Companhia em quarto decentiííimo , que íe ornou 
como convinha à fua peílòa. Aqui eftudou de no- 
vo Filoíorla , e paílàndo à Theologia , depois de ha- 
ver feito todos aquelles aelos com grande applau- 
ío , e fatisfaçaô dos Meftres , foy laureado Doutor 
na Sagrada Theologia no dia 26 de Julho de 1755 > 
dedicado a gloriofa Santa Anna, que a fua devo- 
ção efcolheo para lhe oíferecer todos os feus pro- 
greíTos litterarios, em que tanto fe diftinguio. ■ 

A vida Ecclefiaílica , que começou a íêguir, 
abraçou com tanto fervor , como com edificação 
ger J , como fe vio em todas as occafioens , que to- 
mou Ordens , porque a todas deu principio com 
Exercícios Santos feitos na Caía dos Padres da Mif- 
í ò de S. Vicente de Paulo. A primeira Tonfura 
lhe conferio o Cardeal da Cunha , depois a 16 de 
Dezembro de 1725 tomou as Menores no Oratório 
da referida Cafa da Miííàô , que lhe deu o Arcebif- 
po de Lacedemonia D. Joaõ Cardofo Caílello , e 
no dia feguinte tomou a de Subdiacono na Igreja 

' de 



5 1 8 Hijlorla Çenealogica 

de S. Roque da Cafa Profeílà da Companhia , e no 
anno íeguinte a 17 de Dezembro lhe conferio o 
mefmo Arcebifpo a de Diácono , e ultimamente a 
17 de Dezembro de 1728 o ordenou Sacerdote o 
mefmo Arcebifpo na meíma Igreja , aonde EIRey 
em todas eftas occafioens aífiftio em huma Tribu- 
na : havendo o Senhor D. Joíèph ido defde a Cafa 
da Miííàô, onde tinha feito osfeus exercícios, aS. 
Roque a pé na companhia , e comitiva dos Ordi- 
nandos , com geral edificação da Corte, que via , e 
admirava a modeftia , e devoção , com que fe pre- 
parou para dizer a fua primeira Miíla , que foy no 
dia primeiro de Janeiro de 1729 no Oratório priva- 
do delRey, a que aífiftiraõ as Mageftades, o Prin* 
cipe , a Princeza das Afturias , os Infantes D. Car- 
los y D. Pedro, D. Franciíco, e D. António. De- 
pois voltou o Senhor D. Joíèph para Évora , aon- 
de reíidia empregado em litterarios , e louváveis oc- 
cupações , em que paflàva utilmente o tempo. Foy 
nomeado Arcebifpo , e Senhor de Braga , Primaz 
das Hefpanhas , em 1 1 de Fevereiro de 1739 , e ha- 
vendo recebido as Bulias da fua alta Dignidade, que 
o Papa paííbu em forma gracioía. , em attençaó do 
íêu altiílímo nafcimento , foy íagrado na Santa Igre- 
ja Patriarcal a 5 de Fevereiro de 1741 pelo Cardeal 
Patriarca , fendo afTiftentes o Bifpo da Guarda D. 
Fr. Joíèph Fialho , e o Bifpo de Angra D. Fr. Va- 
lério do Sacramento , fendo nefta mefma occafiaô 
juntamente íagrados no mefmo dia o Arcebifpo da 

Bahia 



da Ca/a T^al Tortug. Liv.VIL $ip 

Bahia D. Jofeph Botelho de Mattos , e do Rio de 
Janeiro D. Fr. Joaõ da Cruz j e fez a fua entrada 
publica na Augufta Braga a 25 de Julho do referido 
anno , onde celebrarão os feus Cidadãos com extra- 
ordinários feftejos a fortuna de terem hum taõ ex- 
celfo Prelado , que os fará felices na adminiftraçaS 
da Primacial Igreja das Hefpanhas. 



FIM. 



TABOA 



T A B O A VI. 



521 



GENEALOGIA DA CASA REAL DE PORTUGAL. 



D.JesõlV. Rey de Portugal, nafceoa 18 de Março de 1604 Duque 
de Bragança , coroado Rey a 1 5 de Dezembro de 1 640 , 4« cm Lisboa 
a 6 de Novembro de 1655. 



Caiou em 1 2 de Janeiro de if>n com » Rainfia D. Luza Francifca 
deGufnrpó, filha de D. Manoel Peres de Gufmaó , VilL Duque de 
Medina Sidónia , 4< a 28 de Fevereiro de 1666, 



r 



-A„. 



XIX 



XX 



XXI 



OPrincipe D. Theodofio, nafceoa A Senhora D. A Infanta D. Jo- 

8 deF:vereiro de i6$4t)uque de Anna , nafceo anna , nafceo a 

Barcellof. Foy jurado Príncipe do a íi dejanei- li) de Setembro 

Braíii a 2 o' de Janeiro de 1 64 1 , rb ro de li??, de 1 6 5 fí , ^ a 

a 15 deMayo de 1655. * no raeimo 17 de Novem- 

dia. brodei65 5_ 



A Infanta D. Catharina, Rainha 
da Gráa Bretanha , nalceoa 25 
de Novembro de 1658. Calou 
a íi de Mayo de 1662 com 
Carlos II. Rey da Gráa Breta- 
nha , 4" em Lisboa a ; 1 de De- 
zembro de 1705. S. G. 



O Senhor D. Ma- D. Affonfo Vi. Rey de Portuga! , nafceo a 2 t de Agofto 

noel , nafceo a fj de If>4? , fooio aoThrono a 6 de No/cmbn de 16 ji5 , 

de Setembro de ea iç do dito mez , e anno foy coroado. Cifo.i a 2 de 

1640 , $? meni- Agolío de 1666 com a Rainha D. Maria Francifca Habel 

no. de Saboya, filha de Caros Amadeo de Saboya, Duque 

de Neomurs. Depofto do Throno a 2 $ de Novembro 

de 1667, e annulado o matrimonio a 24 de Março de 

1668, 4* prezo em Cintra a 12 de Setembro de 1683. 

S.G. 



r, 



D.Pedro II. Rey de Portugal , rafceo a 26 de Abril de 1648. Foy 
jorado Príncipe, e Regente do Reyno em 2 7 de Janeiro de 1668, 
e aífim governou aié o anno de 1685 , em que fobio aoThrcno, 
>£ em Lisboa a 9 d^. Dezembro de 1 7c6\ Calou duas vezef. I. tom 
a Rainha D. Mana Francifca líabcl de Saboya lua cut hada em t 
de Afril de 1668 , *jf a 27 deDtZtmbro de ifi8:ç. 11. tom a Rai- 
nha D. Maria Sofia Habel de Neoburg filha de Filiipe Vilhelmo, 
Conde Palaiino do Rhim , emu de A^tllo de 1687, >i< a 4 de 
Acoito de 1699. , 

>v 



f ASer.hcra D. Maria, I 
, illej. itirr.a , rectlhiâa J 



no iVtfíeiro C.s Cot- 
mclnas L'elca!ças de 
Crr.ide, ^af) ue te- 
verciro uc 169$. 



A Infanta D.Ifabel , n. a 
6 de Janeiro de 1669, ju- 
rada Princeza H. da Coroa 
a 27 de Janeiro de 1674. 
Efteve delpofada com Vi- 
ôor Amadeo , Duque de 
Saboya , 4» donzella a 2 1 
deUutuLrode 1690. 



II. O Principe 
D. Joaó,nalieo 
a 50 de Agofto 
de 1688, *a 
1 7 de Setem- 
bro domefmo 
anno. 



II. D. Joaó V. Rey de Portugal , nefío Se- 
nhor, nafceo a 22 de Outubro de 1 1^89, 
jurado Príncipe do Brafil o primeiro de De- 
zembro de 1697, Coroado oprmeiro de 
Janeito de 1707. Calou a i 7 de Outu- 
bro de 1708 com a Rainha D. Maria An- 
na deAultria, fiiha doEmpcrador Leo- 
poldo I. 



II. O Infante D. 
Franci leo , nafceo 
a íj de Mayo de 
1691. 



II. O Infante D. 

António , nafceo 
a 1 5 de Março 
de i6py, 



y\_ 



II. A Infanta D. II. O Infante D. II. A Infanta D. A Senhora D. Luiza , legitimada , r.afceo 
Therefa, nafceo Manoel, nalceo Francifca , naf- a 9 de Janeiro de 1679. Cafou cm 2^ 
a 24 de Feve- a 5 de Agofto ceo a 50 de Ja- cie Mayo de i6oj com o Duque dt Ca- 
reiío de 1 r5pr> , de i6p7« neiro de 16^9. daval D. Luiz , 4 1 a 1 } de Noven.brode 

>b a 1 6 de Feve- 17CO.S.G. Calou fegunda vez em 16 

reiro de 1704, de Setembro de 1702 com leu cunhado 

o Duque D. Jayme , ella ■}■ a 2 } de De- 
zembro de 1752. 



A Infanta D. Maria , n. a 
4 de Dezembro de 1711. 
Calou em 1 I de Janeiro de 
1728 com D. Fernando, 
Príncipe das Afturias. 



O Principe D. Pedro, 
nafceo a 1 9 de Outu- 
bro de 1 7.1 2 , ^ a 
íp de Outubro de 
1714. 



O Principe do Brafil Dom Jofeph , 
nafceo a 6 de Junho de 1 7 1 4. Ca- 
fou em 1 9 de Janeiro de «729 com 
a Princeza D. Marianna Viftoría , fi- 
lha delRey D. Filippe V. de Callella. 



O Infante D. Carlos , 
nafceo a 2 de Mayo 
de 1716, >í« a ?ode 
Março de 1/36. 



O Infante D. Pedro , 
nafceo a 5 de Julho 
de 1717, 



O Infante D. Alexan- 
dre , nafceo a 24 de 
Setembro de 1722, , 
4> a 2 de Agofto de 
,17x8. 



c 



D. Maria Francifca Ifabel Rita 
Getrudes Joanna , Princeza da 
Beira , nalceo a 1 7 de Dezem- 
bro de 1754. 



A Infanta D. Maria Anna , 
nafceo a 7 de Outubro de 
1756. 



A Infanta D. Maria Fran- 
ciíca , nafceo a 2 1 de Se- 
tembro de I759. 



O Senhor D. Miguel , legitima- 
do , r.afteo a 1 5 ceOLtub-.oce 
lópo- Cjftu tm } o de Janeiro 
de 1 7 1 y cem D. Luiza Cafimi- 
ra de Soufa , H. da Cala de Ar- 
ronches , Dcqueza dclafoens, 
4« affogado no Tejo a I } de Ja- 
neiro de 1724. 



|7N 

D. ]e- I 



O Ser, r cr 
lêpri , legitimado , 
nalcto a 6 ce Ma- 
yo de 17c 3 , Ar- 
ctbifpo de Lta^a. 



^ C 



yV^. 



Dona Joanna Francifca Antónia 
Perpetua ce Bragança , nafceo a 
1 1 de Novembro de 1 7 1 6. Ca- 
fou com D. Luiz Alvares de Caf- 
tro , IV. Marquez de Caícaes. 



D.Pedro, nafceo 
a 1 9 de J; neiro de 
• 718, Duque de 
Lafoens. 



D. Fríncifca, naf- 
ceo a 14 de Mayo 
del72O,4 , aJ0 
de Noven.bro de 
1721. 



D. Joaó de Pra- 
gança , na'cco a 
6 de Mar to de 
I7 ,0 « 



Tom.VIII. 



Uuu 



INDEX 



INDEX 



5*3 



DOS NOMES PRÓPRIOS, APPELLIDOS, 

e coníiis notáveis. 



O numero denota a pagina. 



A 



j* Brantes ( O Marquez de ) Em- 

4^1 baixado* a Ktma , quando fez 
a lua entrada publica, 227 , e 
feg. l*'oy também Embaixador a 
Cíftelía , e cm que dia outorgou o 
Tratado do CaUme.io dos Prín- 
cipes doliráfu, 345. Quando, e 
com que magninetncia d;u a fua 
Embaixada cm Madrid, ibidem , e 
feg. 

Academia Militar, quando foy ere- 
tta , 24/5. 

Academia i<;al da H i floria Portugue- 
Za , quando fc fuadou, 244. Quem 
foraó os feus primeiros Cenlores, 
e com que Leys a honrou EIRey 
feu fundador ,245. Quando tez 
o juramento da Co^ceiç^ó, 255. 

A^-tas Liires, Louva-íea fumptuo- 
(idade idh fabrica, e a perícia do 
feu Director Manoíl da Maya, 
lót. 

Albuquerque Q Paulo Caetano de) in- 
crível va!or, ereíoluçaó fua com 
que inrro-luzio hun foccorro na 
Praça deCampo-.VlAyor , 163, e 
feg. Quando foy feito Governador 
da dita Praça , 1 74. E lambeu! da 
de Elvas, 177. 

A'.caidariasmv-:s da aprefentaçsó do 
!nlan;e D. Francifco, 417. 

Alcanuas ( A Praça de ) por quem 
fom.VUI. 



foy conquiftada , oo\ Quem a de- 
molio , 124. 

Alegrete ( O Marquez de) Embaixa- 
dor a AU manha. Veja-íe Vúlar~ 
Mayor. 

D. Alexandre , Infante de Portugal, 
quando naíceo, 57 3. Como le lhe 
conferio o fagrado Bautifmo, 3 74, 
Quando falcceo,c aonde jaz, 37jr. 

Alexandre Metello de Sonja e Me» 
r.ezfs , Embaixador ao Emperacor 
da China , quando ftz a íua entra» 
da publica , e com que honras foy 
recebido, 258. 

Almada ( Chriítovaó de) aííerfaó fui 
da nubre idea do Príncipe D. Joaó, 

4- 

Aimanca ( A batalha de) quando fuc« 

ceúco , e como foy difputada , 3 í . 

Almeida ( António Monteiro de ) 
com que valor diífipou a oufadia 
dos Cair. elhanos ,117. 

Almeida ( D. Diniz de) com que acti- 
vidade, e reloluçaó foccorreo ao 
Inrante D. Mtnoel , 440. 

Almeida (D. Pedro de ) Conde de 
AlTumar , admirável valor , com 
que ie portou na batalha de Çara- 
goça, 90. E na de Villa-Viçofa , 
02, e feg. Conduzindo de Catalu- 
nha as Tropas Portueuezas , que 
marchas rez , 1 H5. Com que rigor 
mandou caftigar hunj Soldados de- 
fertores , 1 89. Q^e queixas fe f«r« 
maraó injultamcrte contra ellena 
Jíxx Cor- 



524 



Index 



Corte de Madrid i ipO. Que re- 
pofta mandou ao Marquez de Bay 
querendo reconhecer as noffa^ Tro* 
pas , i y4- Como corre>pondeo ao 
dito General , querendo-o íaiisfa- 
zer dascaiumnias , que fJíamente 
lhe tinhaó imputado , i 96. Quan- 
do foy feito General da Cavallana 
de Alentejo, 307 , efeg. 

Almirantes da Armada Real no tem- 
po delRey D. Jo»ó V. 3 1 8. 

Almirantes de Portugal no me imo 
reynado, 3 1 5:. 

Alqneira de la Puebla ( O Forte de) 
porqu m foy rendido, jl. 

Alvor ( O Conde de ) que opera- 
ções fez com o noíTo Exercito, 
I 38. Porque cazaó quiz preceder 
nas funções publicas ao de Sarze- 
das, 427. 

J>, António , Infante de Portugal , 
quando nafceo , c foy bmtizado , 
4:5 , e feg. Como foy chrifma- 
do, e quando recebeo a primeira 
Tonfura,4t7. Que mercês lhe 
ftz EIRey feu pay. Ibidem , e feg. 
Quem foy feuAyo,42 8. Quan- 
do foy armado Gavalleiro eh Or- 
dem Militar de Chnífo. Ibidem. 
Quando teve Ofa , e de que Cria- 
dos he comporta ,429. De que 
virtudes , feiencias, c artes he ador- 
nado ,43o, e feg. 

Arcádia ( A Academia da) fendo Aca- 
démico delia EIRey D. Joaó V. e 
leu Protector 3 lhe mandou fazer 
hum nobre domicilio, 246". 

Arruda mandada por EIRey de In- 
glaterra a fegurar os nolTos \ órtos, 
de que nãos confiava, e quaes vio 
EIRey D. JosóV. 306". 

Aiwanda ( D. Anna ) de Vcrgé , feus 
afeendentes , e fueci fíaô, çoo. 

Atmasgns de Lisboa , e Eíiremoz, 
por quem for«;ó ftiros,2ç9. 

Armeitcs more} no tempo delRey D. 
J*.«õ V, queru lorÀÒj J14, 



Arfenal de Lisboa , por quem foy 
fundado, 259. 

Ariore daakendencia da Rainha D. 
Maria Anna de Auítria , 3 3 3. 

•— 1 da Princeza D. Marianna Vidlo» 
ria, 353. 

•— « do Príncipe das Afturias D. Fer- 
nando ,393. 

f— < do Duque deCadavaiD. Jayme, 

47 7- 
■— < da Duqueza de Lafoens D. Lui- 

za,5i?. 

Ajjumar ( O Conde de ) D. Joaó de 
Almeida, foy o que dingio oca- 
famento delRey D. Joaó o V. 40. 
O Conde D. Pedro. Veja-fe Almei- 
da. 

Atalaya. ( O Conde de) Veja-fe No- 
ronha, 



B 



Ty dirros do$ Embaixadores Eítran» 

JT) geiros , quando fe lhe tirou a im- 
munidade , 82 , e fe^. 

Balxafes (OMírquez de los) Em» 
baíxador Extraordinário de Cafiel» 
la para ajuftar 03 recíprocos caia- 
mentos dos Príncipes doBrafil, e 
Adurias, quando fez a fua entra- 
da publica, 385. Por quem foy 
conduai jo . e com que magnifi- 
cência fez efta funçaô. Ibid. e ícg. 
Em que dia fe celebrou o Tratado 
Matrimonial da Pnnccza das Af- 
turias, e com que formalidade, e 
que pe(To?.3 afliftiraó â celebração 
deft e aílo , •} 8(5 , e feg. Como foy 
feflejado , ?88. 

Barcarrota ( A Praça de ) quan Jo , c 
por quem foy tomada, 9c. 

Bajdica Patriarca! d: Santa Maria 
quando foy ere&a ,237. 

Bafilica Patriarcal de Lisboa. Veja-fc 
Patriarcal. 

Bautifmo delRey D. JoaõV. quando, 
c aende lhe f jy conferido, 2. 

Bay 



das coufas notáveis. 



Bay (OMirquez de) porque cau- 
ía dejxou de finar a Villa de Oli- 
vença , 57. Querendo tonvr Bar- 
bacena , e Arronches o n<iõ pode 
confeguir, 1 3 ç , c leg. Quando , 
ecom que dtli^nio formou o leu 
Exercito em Campanha , 141. 
Quando finou a Villa de Campo- 
Mdyor, 144. Forque cauta , e 
quando fe retirou, c que perda te- 
ve, l?2. Qlic retado mandou ao 
Conde de iWiumar [cm Fedro de 
Almeida , e que rej olta uve ,195. 
Que latistaçaó deu ao duo Gene- 
ral , 105, cieg. 

Beja ( ACid.de ce ) por quem foy 
loc^orrida a graiiác cíttnlidauc, 
que houve neila , 25O. 

Bellevi. Com que hm , e por quem 
foraó comprauas muitas caus de 
campo ctite (itio, 262. 

Bluteau (O PaJre D. Katael ) que 
Ccnoutiu compoz para a lcpultu- 
ra da Infanta D. liabel , 406. E 
p^ra a do Senhor L). Miguel , 406. 

Bobadelta ( A Cafa da ) a ijuem foy 
doada ,413. 

Bragança (Palácio da Cafa d?) em 
Lisboa , por quem foy fabricado, 

Bragança. Veja-fe D.Joanna Perpe- 
tua de Bragança. 



CAbinda ( O forte de ) na Cofta 
de Guine feito por huns piratas 
Inglezes , como foy arrazado 
p los noITos , 240. 
Cabral ( Fedro Alvares ) Senhor de 
Azurara , e Alcaide mor de Bel- 
monte , fendo Plenipotenciário em 
Caftelia , que iníulto lhe fizeraó , 
3c 3. Entrando nas fronteiras de 
Portugal , deixarão fahir ao Em- 
baixador de Caftelia , 305, 
Tom. Vil I. 



525 



Caçada. Como fizeraó huma em Vil- 
la Boim os noflos Monarcas , e 
Príncipes, 204. Com que magni- 
fica formalidade fizeraó outra em 
VilJa-Viçofa , 296. 
Cacir.da ( O Frincipc de ) por quem 
foy caítigada a lua ouladia ,212. 
Cadai/al ( O Duque de ) D. Nuno , 
que dific a EIRey D. Jo : ó V. of- 
ferecendoíhc huma chave , que ti- 
nha do Faço, 14. 

Cambottt ( A Condclía Margarida Fi- 
lippa de) teus aícendenteí , cafa* 
mento , e fucceííaó , 477. 

Catnpo-Mayor ( A Villa de ) qnan- 
00 foy litiada pelo Marquez de 
Bay, e que prifidio havia ntlla , 
1 44 , e (eg. Quando , e como foy 
rebatido o primeiro aíT.lto ,166, 
efeg. E os mais, que fe te^uiiaõ , 
168. Que mercês fez EIRey aos 
ieus moradores, 177. Sendo def- 
truija efta Villa por hum r»yo , 
por quem foy reedificada , 2 5C. 

Canonizações de alguns Santos , como 
foraó tcltejídas pela magnifica de- 
voção delRey U. Joaó V. 2 56". 

Capaji ( O Fadre Domingos aquan- 
do , e com que defignio veyo a 
Lisboa , 269. FaíTando à America 
a ordenar as Cartas Geográficas , 
que operações fez » e quando fa- 
leceo, 271. 

Capecelatro (O Marquez de) Em- 
baixador de Caftelia , quando fez 
a fua enrrada publica, 20c. Por- 
que motivo fe lhe ordenou naó 
foíTe ao Faço , fe lhe prendeo al- 
guma família, e fe deteve no Key- 
no alguns dias , 3 04 , e feg. 

Capella Real . quando foy ereíti em 
Collegiada, 228. E em Santa Igre- 
ja Fairiarcal ,229. 

Capitaens daGttarda delRey D. Joaó 

V. 314. 

Capuchinhos Italianos. Quem lhes deu 

huma grandiofa e Imola p^ra o 

Xxx u Mof- 



5 2 ^ 



Index 



Morteiro , qu; andaõ fazendo, 

257. 

Çaragoça ( A batalha de ) como foy 
diiputada , e em que dia fuccedeo, 
89 , e feg. 

Carbotie ( C) Padre Joaó Bautifta ) 
quem o mandou vir de Nápoles, 
e quando chegou , z6ç. 

Cardeaes da Santa Igreja de Roma 
creados por nomina delRey D.Joaó 
V. quem tem fido «26 5. 

D.Carlos, Infante de Fortuna!, quan- 
do nafceo, e foy bautizado , \(->$. 
Quando fc lhe applicaraó os San- 
íos Óleos, %66. De que virtudes, 
e t artes foy aJomado , quando 
faleceo , e aonde jaz , \ 6 8. 

Carlos III. Rey de Caftella , quando 
foy coroado Rey dos Romanos , 
11 o. 

Cari>ajales ( O Luçar de ) quando , 
e por quem foy conquitbdo , 96", 
Querendo recuperallo osCaftelha- 
nos , como foraô desbaratados, 
1 1 7 , e feg. Quando , e com que 
valer foy defendido fegunda vez , 
1*4. Sendo rendido, quem o in- 
tentou conquifear » 1 } 8. 

Cafcaes ( O Marquez de ) D. Luiz 
deCaftro, quando, e com quem 
rafou , 504. Qije mercê lhe fez 
ElRey em attençaó do dito cafa- 
mento , ^07. 

Cafre} de los Rios (O Marquez de) 
D. Manoel de Semenat e Lanuza , 
Embaixador dei Rey de CafMla , 
quando fez a fua entra ta publica, 
448. Com que magnificência ce- 
lebrava em fua cafa os annos das 
peíToas Rea??. Ibid. 

Cajlellode Lisboa, quando o eximia 
u EIRcy Dt loaõ V. eoPaUcio, 
Capella , e Ârchivo Real, que cita 
na Turre do Tombo, 272. 

Cax/alkiro da Ordem de Chrifto, 
aonde foy armado O Príncipe D* 
joaó, 5, tieg. 



Ca-valicri ( D. Caetano Uifirri de ) 
Núncio em Portugal , quando h- 
leu o , 265 , efeg. 

Cejtnbra ( A Vilia de) como rece- 
bia EiKey D. Joaó V- 108. 

C banctlleres mores do Rey no no tem- 
po dcIRey l). Jcvó V. } 1 8 , e ic.5. 

Changamira ( O Príncipe de) por 
quem ioy esft^ado o leu orgu- 
lho, e atrevimento, 21 2. 

Chax>i%tn ( Monf. de ) Embaixador 
de França , he louvada a fua pru- 
dência , è acerto, ?oo. 

Choque da Godinha, como foy dif- 
puiado , e o que fe palTou nelle , 

Chromfias mores do Reyno , tanto na 
Jingua Latina , como na Portugue- 
za , no tempo de!Rey D. Joaó V. 
^10. 

Clérigos de Campo-A-fayor defende- 
rão vai rofamente hum baluarte 
da dirá Praça , 158. 

Coimbra. Com que formalidade ju- 
rou os foros da fua Uruverfida.le 
RIRey D. JoaõV. 28, efe». 

Collcgiada de S. Thomé , quando foy 
erecta, ede que Miniftros contU- 
va , 228. 

Conmuffario de Guerra Caftelhano, 
que malícia ufava na condução das 
nolTas Tropas , 1 87 , e feg. Cim 
que calumnias fez aceufar em Ma- 
drid ao General D. Pedro de Al- 
meida, 190. Como fe fiz?r;.ó ma- 
n feíhs , tç<r. Como lhe remu- 
nerou EIRev o trabalho da coa- 
ducç.iõ , içf). 

Commiffarios Geracs da Buila da Cru* 
xada no tempo delRey D. Joaó \ r , 

?«7. 
Conceição da Puriílíma Virçrm Ma- 
ria , com que folemnidade a fez 
celebrar por todo o Reyno EIRey 
D. Joaó V. e com que piedade ju- 
rou o dito Mylrerio na Capella do 
palácio dos Duques de Bragança , 

252- 



das coufas notareis. 



tçi , e feç. Quando principiou a 
tazer o me iro o juramento a Aca- 
demia Real ci« Hiltoria Porugue- 

Condado de Alva, guardo toy crea- 
do , e «quem toi.ii.iiuu , 2<i>2,c 

f— cie Sana Cruz a quem foy con« 

CCCUdo, i IO. 

>— cio Lavradio, &c. } 1 1. 

•—■ de Po\ olide , 5cc. 5 1 I. 

« — de Redondo a quem toy confe- 
rido , } 1 1 . 

•— de Sabugpfa , &C. ) 1 1. 

*— de Sandumil , &c. ;n. 

•— « de Vimieiro, &c. {I 1. 

Cotijclho de Ejiado , com que forma- 
licude toy acm ndo à prsfença 
delKey D. Joaó V. a exprinurlhe 

pezame da morte delRey feu pay, 

1 j. Como foy recebido pelo mef- 
mo Rcy , achando-le íangrado, 
81. 

Confeiteiros de Ejiado creados por 
fclRey Dom )o'-óV. quero foraó, 
30, e 7, 1 y. Com que formalida- 
de lhe beijarão amaó pela noticia 
do ífu cafamento , 49, efes;. 

Coi:ftlheiros de Guerra feitos por El- 
Rey I). Joaó V. quem foraó 308, 
e * 1 7. 

Ccnti ( O Cardeal ) Núncio do Pa- 
pa em Lisboa , eme reípondeo 20 
Embaixador do lmp:río , convi- 
dando-0 para que arrogaíTe a im» 
munidade do feu b irro , 86. Com 
que formalidade, e por quem re- 
ctbeo o barrete Cardinalício, j8. 

Copeiros mores delRcy Dom Joaó V. 
quem foraó, 7, ! j. 

Co'ju (A [lha de) rorn que F.fqm- 
cras foy íoccorrida por HIRey D. 
Jcaó V. 214, e 2 17, efeg. 

Ccrrcyo de Madrid para o Exercito 
C-ftclhano foy tomado pdos noí- 
fob , I j 9, 

Curtes í/ç Lamego , como, e em que 



527 

ponto foraó difpenfadas , ^99. 

Coftvografos mores do Rcyno no tern- 
jo oeJKey D. Jcaó V. 3 lo. 

Cr/i^ (, O Padre Franciíco da) quan« 
do taleceo, 4. 

Cin.ha ( Nur-o da ) de Ataide , ouan- 
do toy creado Cardeal da Santa 
Igreja de Roma,. 132. Com que 
ceremonias recebeo o barrete peito 
f or EIRcy D. ]o«ó V. 1 3 2 , e íeg, 

D 

CT\ Epntados da Junta dos Três 
J^J EJlados no tempo delRey D» 

JoaÓ V. $ I 8. 

Diogo de Mendoça Corte- Real , Se- 
cretario de Eftaclo , ajuftou com o 
Marqu:Z de la Paz oCeremonial, 
com que fe haviaó tratar no Caya 
as Mageílades Portugueza , e Caí- 
telhana , zS§. 

Diogo Soares , da Companhia de Je- 
fus , com que emprego foy à Ame- 
rica , e que Obra compõem, 271. 

Doaçaô do Eftado, e Cafa de Bra- 
gança como foy feita à Pnnceza 
U Ifabel, 401. 

Ducado de Lafoens , quando foy crea» 
do , e a quem conferido, }I0 ? 
e ço8. 

Duclcre ( Monfíur ) Commandantí 
da Efquadra Franceza para inva- 
dir a Cidade do Rio de Janeiro, 
que operações fez para confeguir 
efte intento , 97. Sendo rebatidas 
pelo valor dos noíTos , ficou prifio- 
neiro , e os mais Francezes , 1 cl 9 



efeg. 



E 



E 



Alhaixada mandada porElRey 
Dora Joaó V. aoEmperador da 
China , como foy recebida ,. 
257, efeg, 

Embai- 



528 



Indi 



ex 



Embaixada do Conde deVillar-M-i- 
yor na Corte Cefarea , com que 
magnificência íe executou, 45 , e 
fes. 

Embaixada do Graó Meftre de Mal- 
ta a Cjrte de Liíboa , em que dia 
foy dada, 2 6" 4. 

Embaixadas mandadas por alguns 
Príncipes a EIRey Dom Joaó V. 
266, efeg. 

Embaixadores Efirangeiros , com que 
refoluçaó pertenderaó fegurar a 
imrnunidade dos léus bairros , e 
como lhe foy negada, 8z , efeg. 

Encarnação ( O Morteiro da ) por 
quem he reedificado, 249. 

Ericeira. ( O Conde da ) Louva-fe a 
ordem , com que poz promptas as 
carruagens para o íerviço do noíTo 
Exercito, 140. 

Ericeira ( O Conde da ) D. Luiz de 
Menezes , raro valor , e refoluçaõ, 
com que introduzio hum {decorro 
em Campo-Mayor, 16] , e feg. 
Referemíe algumas acções do feu 
governo da índia , 204 , e feg. 
Com que foccorro, e quando par- 
do íegundi vez para o Vice-Rey- 
nado da índia , 208 , efeg. 

Efmolas feitas por EIRey D. Joaõ V. 
a algumas Religioens , como faó 
numerofas, 157. 

Efquadra mandada por EIRey Dom 
joio V. 1 dettruir os Turcos, que 
inf-íltavaõ Itália , de que nãos conf- 
iava , e quando partio ,214. Re- 
feremfe as embarcações da fegun- 
da , que foy à mefma empreza , 
2 17. Quando entrou em Corfu , 
e com que felicidade combatco, e 
BÍfugentou a Armada O romana , 
2 1 8 , e 22?. Qje efcalas fez , e 
quan lo íe reííituio a Lisboa ,226, 
ele^;. 

Ejiribeiro mor , delRey D. Joaõ V. 
ijrem hr , ? 1 $. 

Exercito Uva todo por EIRey Dom 



Joaõ V-como foy numerofo , $06, 
efeg. 



T~>4brica dá Seda , aonde , e por- 

,£^quem foy eltabelecida , 259. 
Qjem he o feu Di redor. Ibid. 

Fabricas de Pólvora , Vidros , e Ata* 
na jus , quando foraó introduzidas, 
260. 

Feira ( A Cafa da) a quem foy doa- 
da , 416'. 

D. Fernando , Principe das Afturias , 
quando, e com quem fe ajuftou 
o feu ca (amento , 56' \. Com que 
pompa fe celebrarão os feus def* 
poforios , 589. Como foraó ap« 
pUudidos , e feftejados , 390. A 
fua Arvore, 39;. 

Fidalgos , que acompanharão a El« 
Rey D. Joaõ V. na entrada de San- 
tarém , quem foraó , 1 8 1 , e feg. 
Quaes o acompanharão na jorna- 
da ao Ciya, 276. 

D. Fraticifca, Infanta de Portuga!, 
quando nafceo , e foy bautizada, 
45 $. De que virtudes , e perfei- 
ções foy adornada, 455-. Quan- 
do faleceo, e aonde jaz, 456. 

D. Francifco , Infante de Portugal, 
quando nafceo , e foy bautizado , 
409 , e feg. Que mercês lhe fez 
EIRey feu pay , 411. Quando 
foy armado Cavalleiro da Ordem 
Militar de Chrifto ,412. Que 
Doaçaó lhe fez ÊlRey com as mef- 
mas claufulas da Cafa do Infantado, 
4 1 2 , e feg. E quando lhe foy aug- 
mentaJa efta com outros Eíiados, 
414, efeg. Referemfe as jurifdi- 
ções , e prerogativas , que logr<>õ 
os feus Ellados, 416 , e feg. Que 
Alcaidarias mores aprelenta , e 
quantas Com.n^ndas , 417 , e 
418. Quanlo teve G»fa , entrou 
da polTe dos feus EiUdos, e que 

Gentis- 



clascoufas notáveis. 



Gentis-rcmens tem tido , 419. 
Fm que (ciências , artes , e virtu- 
des he tíc!arecido,4JO , e leg. 

Trancijco í.e Cajlro de Aiorces , Go- 
vernado! da Ciuade do K10 de Ja- 
neiro , com que valor , e opera- 
ções a dekrnàco da imafaó dos 
Fr.-n<.czcs, 97 , eíep. Como foy 
premiado, 1 C4. 1 ^recendo , que 
a n*o v etc. dera cm outra invafaó, 
ve>o pnzo para L^boa ; mas la- 
hio lultihcado, 1 29 

Fruteira (O Marquez de) Gover- 
nador uai Armas da Frovincia de 
Alente 10, algumas operações fuás, 
69, c leg. Com que Exercito fa- 
hio fecunda vez à Campanha , e 
que empreza meditava , 7 $ , e feg. 
Com que valor , e dileiplina fc por- 
tou no choque da Godmha , 7 ç , e 
íeg. Com que felcid^de embara- 
çou o fino de Olivença , yj , e 
leg. Porque rauía pedio o def- 
obrigaíT.m daqnelle governo , e 
como foy premido , y \, 
Frota do Braííl, com que felicidade 
entrou, eque riquc.:a trazia, 1781 



G 



GAlo-xày ( O Milord de) quando 
voliou para Poru^al , c em que 
dia fez a fua entrada publica, 
68. AUiftio às feitas, que íe fize- 
raõ na occafiaó do cafanvnto dcl- 
Eey , f> 2 . Com que acordo fe por- 
tou noeboque da Godinha, 78. 
Quando teve audiência de delpe- 
dida j 89, 
Gáveas ( O Con.íe das) André de 
Mello e Caftr;'" , Vice-R?y da Ba- 
Fa , leuva-fe o acerro das fuás rc- 
Çfts, til. Quando foy declara- 
c. Embaixador em Roma, eque 
eircunfrancías teve a fua pempofa 
truraò publica , u". 



529 



Ceneraes da Armada Real no tempo 
delRey D. Joaõ V. 5 1 8. 

Generats de Batalha feitos por EIRey 
D. Joaõ V. ny. 

Gentis-bomcns daCamera delRey D. 
Joaõ V. quanoo foraó creados, 
282. Quaes tem fervido ao dito 
Monarca até o preíente , 5 1 }. 

—1 do Infante D. António ,429. 

— -1 do Infante D. Francifco, 419. 

1— do Infante D. Manoel , 445. 

Gib.aleaô (AVillade) com quanto 
remio o faço, que lhe queria dar 
onoffo Exercito, 72. 

Godinha ( O choque da ) como foy 
difpuudo, eoque fe paííou nelle, 

75* 

Governadores do Algarve no tempo 
delRey D. Joaõ V. 518. 

Governadores das Minas no mefrno 
Reynado, 202 , e íeg. 

Graô Mejire de Malta Fr. D. Antó- 
nio Manoel de Vilhena , mandou 
os Falcoens a EIRey com a mef- 
ma formalidade praticada com 01 
Monarcas de França, eHefpanha, 
264. Porque caufa mandou huma 
Embaixada a EIRey. Ibid. Quan- 
do faleceo , 2 66\ 

Graõ Pará ( O Bifpado do ) quando, 
e forquem foy erecto, z6t. 

Grandes Seculares , e Eccleíiafticosi 
que acompanharão a EIRey Dom 
Joaó V. na jornada ao Caya ,quem 
foraõ, 17c». 

Guardas mores da Torre do Tombo no 
reynado de D. Joaó V. ? 19. 

Guilherme, V. Duque de Baviera , que 
defeendencia , e afeendencia teve, 



H 



Arlay ( JaqueKna de ) com 
quem foy cafada , 477. Seus 
afeendenres, e fuccefíãó. 1 
Harratb (Fr.DvWences]ao,C 



53° 



Index 



de) Embaixador de Malta , em que 
dia fez a fua entrada pubhca em 
Lisboa , e por quem foy conduzi- 
do, 16 4,. Com que magnificência 
foy trata lo , c os mais Cabos da 
Armada pelo Infante D. Prancif- 
co, 420, e feg. 

p, Henrique Henriques , com que 
commilíaó foy à Alemanha, $79, 

Hollandc^s , que hoftiJidadcsnos fa» 
ziaó na Coita de Guiné, e como 
foy caftigado o feu atrevimento > 
242. 



I 



g~T\ Om Jdyme de Mello , Duque 

J^J de Cadaval , quando, e com 

quem cafou, 471. Quem fo- 

raó feus pays , e afcendentes, 477. 

2fernfa!em ( A Igreja do Santo Se- 
pulchro de) com que dadivas a 
tem enrequicido EIRey D, Joaó V. 
258. 

Ilha de Fcrnaõ de Noronha habitada 
pelos Piratas Eftrangeiros , como 
foy recuperada pelas noíTas armas, 
24? , efeg. 

Jmprejjaõ. Vio EIRey D. Joaó V. la- 
borar cila fabrica, 269. 

Índia. Veja-fe Vice-Reys. 

Infantado ( A Gafa do) de que Efta- 
dos confta , 41 6 , e feg. 

X>. Joa?ma Perpetua de Bragança, 
quando nafceo , e com que pom- 
pa lhe foy conferido o Sacramen- 
to do Baurifmo, 502 , c feg. Com 
quem feajuftou o feu cafamento, 
e que condições fe outorgarão nel« 
Je , 5:04, e feg= Quando contra- 
hio o matrimonio, e que mercê 
lhe fez EIRey D. Josó V. $c6 , e 
feg. Quando recebeo as honras de 
Duqueza, 507. 

D. "Joaó V. Rey de Portugal, quan- 
do, e aonde nafceo, 1. Quando, 
e aonde foy bautizaio , 2 , e feg. 



Que Meítre teve , 4. Quando en- 
trou , e tomou o habito da Ordem 
da Cavaliaria de Omito , 5 , e feg. 
Quando foy jurada Príncipe her- 
deiro do Keyno , r5 , e feg. Por- 
que caulà prometteo edificar o 
Mofteiro do Louriçal , il. Aon- 
de , e quando lhe foy co iferido o 
Sacramento da Confirmação, 12. 
Quando fobio aothrono , equem 
foy a primeira peffoa , que lhe 
b;i]ou amaó, 15. Ordenou , que 
os mefmos Gentis-homens da Ca- 
mera delRey feu pay o íerviffem 
na meíma occupaçaó , 14. Como 
admittio o Coníelho de Eftauo , 
expondolhe o fentimento da mor- 
te delRey feu pay , 1 y. Que Mi- 
niftros nomeou para o defpacho 
do expediente , 1 6. Com que for- 
malidade , c magnificência fe fez 
o Auto do feu juramento , e levan- 
tamento , 17 , e feg. Ratificou a 
liga da Grande Al!iança,2 7. Poz 
o barrete Cardinalício ao Núncio 
Apoftolico D.Miguel Angelo Con- 
ti, 28, efeg. Que Miniftros de 
Eftado creou , 50. Como fallou 
?.o Embaixador de Inglaterra fo- 
bre hum incidente, que houve, 
2, 5-, Com quem ajuftou o feu ca- 
íamento , 40 , e feg. Que condi- 
ções fe outorgarão no Contrata 
Matrimonial , 48. Quando man- 
dou dar parte delle ao Confelho 
de Eiiado, Tribunaes, e Miniftros 
Eftrangeiros , 49 , e feg. Com que 
magnificência , e formalidade foy 
vifitar a Rainha fua efpofa , e con- 
duzilla de bordo ao Paço , f 7 , e 
feg. Aonde receberão as bençoens 
nupciaes , 60. Que eticheta 1c ob- 
fervou na cea publica das peffoas 
Reaes , 61. Com que fxftas foy 
applaudido o feu caíam;nto , í»2 » 
e feg. Em que dia , e cem que 
magnificência foy à Metropolitana 

64, 



das coufas notáveis. 



S3i 



(T4, e feg. Com que dadivas pre- 
miou ao General , e Cibos da Ar- 
mada I.igieza , que conduzio a 
Kainha lua eípola , 67 , e íeg. 
Qje Regimentos permiitio , que 
fc kvantallem no Kayno pela cel- 
peza d» Coroa de Inglaterra , 79, 
c leg. Fitando làn^rado , como 
recebeo , e ou\i."> o Conlelho de 
Eftado, 81. Com que conLtancia 
comervou o coltume , de que os 
Embaixadores Eltrangtiros naó ti- 
velTem immunidade nosfeus bair- 
ros, 82 , e feg. Porque motivo 
foy afliltir em Azeitão , e que fa- 
mília o acompanhou, 104, e feg. 
Com que piedade vifitou o Mol- 
leiro da Arrábida, e que cafo lhe 
fuecedeo com hum Religioio Lei- 
go da mefma Província , 107. 
Porque caufa foy à Villa de Ce- 
zimbra , e como foy neila recebi- 
do, 108. Hindo à Villa de Setu- 
val , fatisfazer hum voto ao Se- 
nhor Jefus de Bom Fim , como 
fez a fua entrada na referida Villa, 
109. Foy cambem à Villa de Pal- 
mella , e alfíitio 20 Pontifical do 
Prior mor ,115. Que promoção 
fez de Generaes para a continua- 
ção da Campanha , 124 , e feg. 
Com que defignio quiz paliar à 
Província de Alentejo, 144. Que 
mercês , e honras fez aos Generaes, 
c Orficiaes , que defenderão a Pra- 
ça de Campo- Mayor, 175 ,efeg. 
Quando foy às Villas de Salvater- 
ra , e Santarém , e com que for- 
malidade fez a fua entrada nefia 
ultima Villa, 170, e leg. Com 
que magnificência mandou prepa- 
rar hum grande foccorro para os 
Effados da Índia , o qual foy ver 
no dia da partida , 208 , e feg. 
Quando, e com que defignio foy 
a Villa-Viçofa , e que pelToas o 
acompanh.riõ nfíta jornada )in, 
Tom. VIII. 



e feg. Que foccorro mandou ao 
Papa Clemente XI. para íegurar a 
Ilha de Corfu das ínvaloena Otto- 
manas , 214. Que prerogativas 
concedeo , e que doações Tez ao 
Patriarca de Lisboa , 2 $0, e leg. 
Que honras, e rendas fez applicar 
aos Principaes do Collegio Patriar- 
cal , 2 5 2 , e feg. Com que mag- 
nificência tem enriquecido a San- 
ta Igreja Patriarcal , i\$. Com 
que vigilância attende à conferva- 
çaó , e augmento do Commercio , 
240. Quando inltituio a Acade- 
mia Real da Hiftoria Portugueza , 
244, Fundou em Roma o domi- 
cilio para os Árcades fazerem as 
fuás conferencias, 246. Com que 
grandeza fatisfez o voto da funda- 
ção do Morteiro de Mafra , quan- 
do lhe lançou a primeira pedra , e 
foy iagrada a Igreja , 248. Com 
que piedade íoccorreo aos neceífi» 
tados de Lisboa na oceurencia de 
humas graves doenças , e aos de 
Beja , e Campo-Mayor, 2 50. Com 
que caridade favorece as almas do 
Purgatório , e efpecialmente as das 
peflbas , que conheceo ,251, Co- 
mo fez publico o fentimento, que 
teve do facrilegio comme:tido na 
Villa de Setuval , 251 , e feg. 
Mandou , que por rodo o Rcyno 
fe feftejafíê lolemniffimamente o 
Myfterio da Conceição puriffima 
da Virgem Maria , o qual elle 
mefmo jurou , e o Príncipe feu 
filho ,25$. Quando inftituio a 
Novena de S. Jofeph , e como 
augmentou o culto a elte Santo , 
254. Com que devoção cel bra 
a feita do dia deS. Francifco. Ibid< 
Lançou a primeira pedra no Tem- 
plo do Menino Deos , e acompa- 
nhou a ProciíTaó no dia da Traf- 
ladaçaó da mefma íoberana Ima- 
gem , 255. Celebrando magnifr 
Yyy camotue 



53 2 



Index 



camente as Canonizações de algans 
Santos , que efmolas fez a algu- 
mas Rcligioens , e aos Padres da 
Congregação da MiíTaó } z$6 , e 
feg. Que fabricas Itt tem introdu- 
zido no feu reynado , e que obras 
tem mandado fa2er , 2 59 , e feg. 
Que moedas mandou lavrar , cu- 
ja fabrica vio , e a da imprelíaó, 
268 ,e feg. Devendolhe a Mathe- 
matica grande applicaçaõ , que 
progreíTos , e operações tem feito 
nella . 269 , e feg. Indo ao Palácio 
da Alcáçova no Caftello de Lif- 
boa , vio a fua C^pelía , e o Ar- 
chivo Real da Torre do Tombo, 
272. Formou buma admirável 
Livraria no edifício , a que cha- 
maõ o Forte , 171,. Procurando 
EIRey D. Filippe V. os recíprocos 
caiamentos de feus filhos , quando, 
e por quem fe ajuítaraó, 2 74. Ten- 
do determinado ir aoCaya para a 
entrega das Princezas , renovou a 
libre antiga da Gafa Real , e man- 
dou , que os Grandes , e Officiaes 
da Caía o acompanhafíem ,275, 
e feg. Em que dia partio de Lif- 
boa, e que jornadas fez, 2 80, e 
feg. Como recebeo em Évora a 
Rainha fua efpofa , e filhos ,282. 
Com que magnificência foy ao 
Cava, e com que regularidade, e 
grandeza fe fez elf i funçaõ, 285 , 
c feg. Com que goíto fe avifèaraó 
hurnas , e outras Magcíhdvs , e 
que mais fe praticou nefte a£lo , 
zr>9 , e feg. Como vio o exercí- 
cio das Tropa* Portuguesas ,292. 
Quando fe tornarão a ver asMa- 
gettades, e com qut confiança , e 
sji do lc tiataraó , 29 3. Repetin- 
do-ie a mefma funçaõ, foy igual 
a correipond ncia , e muito í..u* 
dola a dei pedida , 2 pç. Com que 
gcande2a fez huma caçada em Vil- 
iâ-Yicoia, 296. De t ois de allif- 



tir na Metropolitana Igreja de Évo- 
ra às Vefperas de Nofia Senhora 
das Candcas , foy elperar a Rainha 
fua efpofa, 297' Com que gran- 
deza fez , e as mais ptffoas Reaes 
o traje&o de Montijo até Belém , 
299. E a íua entrada em Lisboa, 
500, e feg. Pedindo fatisfaçaó a 
EIRey D. Filippe V. do infulco fei- 
to ao nofío Miniítro , que mandou 
fazer ao Embaixador Hefpanhol, 
305. Mandandolhe EIRey de In- 
glaterra huma poderofa Armada 
para fegurança dosnotTos porros , 
foy a bordo dos três principaes 
navios , 306 Sufpendendo-fe as 
hoíiilidades , que Exercito for- 
mou , e que promoção fez de 
Gcneraes , 506 , e feg. QueCon- 
felheiros de Guerra , e Generaes 
nomeou , $08 , e feg. Que Titu- 
los tem creado de novo , 3 1 o , e 
feg. Que Officiaes tem tido a fua 
Caía , 3 i 3 , e feg. Que elogios 
fe tem feito das fuás Reaes virtu- 
des , e acções, que fe referem com 
o feu caraíirer, z,2o,eíeg. Quan- 
do cafou , 323. Que filhos tem 
tido, 327, e feg. Com que bene- 
volência vifitava a Senhora Dona 
Lttiza fua irmáa ,472. 

D. Joaõ de Bragança Soufa e Ligue , 
fobrinho delRey D. Joaó V. que 
mercês recebeo deite Monarca , 
312. Quando nafceo , e com que 
pompa lhe foy conferido o Sacra- 
mento do Bautifmo, 510, e feg. 

jffldõ de Saldanha da Gama , Vice- 
Rey da índia, como deltruío, e 
caftigou a oufadia dos nolTos ini- 
migos , 205 , e feg. Porque caufa 
naó recuperou as Praças de Patê , 
e Mombaça , 207. Teve huma 
Embaixada do Mogol , em que 
lhe agradecia a guerra, que tinha 
feito .i os feus inimigo»» , z66. 

Zojreo ( O l^dre Jofeph ) Prelado 

CO 



clascoufas tiotaveíi. 



533 



do Hofpício da Congregação i)a 
MilTaó , fczJhc EIRey D. Joaó V. 
mcrce de fundar hum Moltciro, 
e que cimoia llic deu para clic, 
256 , efeg. 
S.Jofevb. O feu culro fez au°men* 
ur muito Elivey [). Joaó \ T . e ihe 
dedicou a Novena na Santa Ig r e- 
ja Patriarcal , 2 54. 
D.Jofeph , Prmcq e do Brafil , quan- 
do nafceo, c coro que pompa Jlic 
foy conferido o Sacramento do 
Bfúirifmo , ? 9 5 , e feg. Como 
foy ofiferccido a S. Fiancifco Xa- 
vier , 5 {8. Quar.do recebeo as 
laxas bentas , que lhe mandou o 
Papa , e quem as trouxe, lbid. Q-.e 
P.kiires teve, e que progrellos fez 
nas Sciencias , e Artes , } 5 9 , e feg. 
Com quem cafou , c com que do" 
re , 545. Com que folemnidade 
fe tettejou em Lisboa cita noticia , 
3 5 1 , e leg. Aonde fe celebrarão 
Os defpolonos , 352. Que defeen- 
dencia tem tido, }54»eleg. 
D. y°f ( pb ( O Senhor ) quem foraó 
léus pays , e quando naiceo ,515. 
Que mercês lhe fez EIRey ftu 
py , 5 1 rí. Quem foy feu Mef- 
tre. lb d. Aonde eítudou as Scien- 
cias mayores, e quando tomou o 
Capeho Doutoral, 517. Qjando 
recebeo as' )rdens Ecclefiaíticas, e 
aonde ceLbrou a primeira MiíTa, 
5 1 7 , e jeg. Quando foy nomea- 
do Arcebilpo de Braga , aonde 
foy lagrado , e quando tez a fua 
entrada publica, 518, c leg. 
D. /[abei Fameje , Rainha de Caf- 
tclla , quem foraó os (eus afeen- 
d;ntes, tríj. 

abei Luiijt Jofcfa, Infanta de 
Portugal , de quem foy fiíha , e 
quando nafceo , $95. Com que 
pompa fe Ih; contei io o Sacramen- 
to do Baut.f no. lbid. e feg. Quan- 
do foy jurada Princcza herdeira 



do Reyno, 2,98. De que virtudes, 
e perteiçóes toy adornada , 398. 
Quando , e com quem te ajuitou 
o íeu caíamento. lbid. Com que 
formalidade, e quando fe celebra- 
rão os deípoforios , \<j$ , e leg. 
Quando lhe foy teita doaçaó da 
Cala de Bragança, 401. Aonde, 
e quando recebeo o Sacramento da 
Confirmação , 402. Que mercês 
lhe tez EJRey feu pay , e com que 
Criados foy fervida, ibíd. e feg. 
Com que piedade ordenou o teu 
Teftamento , e quando taleceo , 
4C4. Aonde jaz , e que Ccnotafio 
lhe compoz o Padre Bi uteau 3 4 c 5, 
cicg. 

L 

T Ado ( A V. Maria do ) quando 
/ j faleceo , 1 1 . 

Lafoetis ( A Duqueza de ) D. 
Luiza Cafimira de Souía , quan- 
do , e com quem cafou , foo. 
Quando recebeo as honras ckfte 
Titulo, 501. Aonde , e quando 
recebeo o Sacramento da Confir- 
mação, lbid. Que tratamento per- 
tendeo, c como lhe foy julgado, 
50 1 , e leg. Quem foraó léus pays, 
e quando nafceo , 502. Quando 
faleceo , aonde j«z , e que filhos 
teve. lbid. e feg. A fua Arvore, 
51 $. O Duque D.Pedro quando 
nafceo , 507. Com que pompa 
lhe foy conferido o Sacramento 
do Bautiimo. lbid. e feg. Quan- 
do foy feito Duque de Lafoens, 
e de que Etlados , e prerogativas fe 
compõem a fua Caía , ço8 , e íeg. 
Ldaiti ( D Margarida de) com qu m 
caiou , e que defeendencia teve , 

SM- 

Leys promulgadas por EIRey D. João 

V. 101. 

Levantamento ( Auto do ) delRey D. 
Yyy ii )o»õ 



534 



Index 



Joaó V. com que formalidade , e 
magnificência ie executou, i<5, e 
feg. 

Libré dos Criados da Cafa Real, 
quando fe mudou , 275, e (eg. 

Ligue ( Carlos Joftph de) com quem 
foy caiado , e quando íaleceo , 
491. Quem foraó os feus ascen- 
dentes, 51 3. 

Linhares (A Cafa de) a quem foy 
doada , 41 5. 

Lisboa ( A Cidade de ) quando foy 
dividida em duas, 2 5 f . A íua Igre- 
ja Metropolitana , quando foy uni- 
da ao Padroado Real 3 u>6. Quan- 
do ficou fugeita ao Patriarca de 
Lisboa ,2^7. Como, e quando 
fe abolio a divilaó das duas Lif- 
boas. Ibid. 

Lisboa ( Os moradores de ) padecen- 
do graviflimas doenças, como, e 
por quem foraó foccorridos , 2 50. 

Li-vraria da UniverfiJade de Coim- 
bra, por quem foy erefta , 25-9. 

Lorena ( Luiz de ) Conde de Armag- 
nac, feus afcendentes, cafamenco, 
e fucceflaó, 477. 

Lorena (APrinceza Luizade) com 
quem caiou, 51$. Quem foraó 
feus afcendentes , e que defcenden- 
cia teve. Ibid. 

Louriçal ( O Morteiro das Religiofas 
do ) por quem foy fundado , e 
com que culto he louvado nelle o 
Santillimo Sacramento , 1 r , e feg. 

Lubiava (O Bifpo de ) Embaixador 
do Império , como fe lhe eftranha- 
rao alguns infukos, que commet- 
teo para privilegiar o feu bairro, 
c*4 > e feg. Qnando fez a fua en- 
trada publica , e por quem foy 
conduzido, 89. 

7>. LutZjt (" A .Senhora ) de quem foy 
filha , e quando naíceo , 459. Aon- 
de fecreou, e que mercês lhe fez 
EIRey feu pay, 460. Comqurm 
le ajuíiou o feu caíamemo , 461. 



Como o f eftejou a Rainha D. Ca- 
tharina , 462. Com que claufulas 
fe celebrou o Tratado Matrimo- 
nial. Ibid. eleg. Quando, c aon- 
de fe celebrarão os léus deípofo- 
rios , 464. Com que fignuiarida- 
de a amou a Rainha D. Mana So- 
fia , 464 , e feg. Indo-a bufear ef- 
ta Senhora a Carnide , como foy 
entregue ao feu efpofo , 46 7. Com 
que formalidade recebeo em fua 
cafa as vifitas delRey, e Rainha, 
467, e feg. Teve faculdade para 
entrar nos Conventos das Religio- 
fas de todo o Reyno, 469. De- 
pois da morte de feu marido , a 
conduzio EIRey feu pay ao Palá- 
cio da Corte-Real , 470. Quan- 
do , e com quem cafou fegunda 
vez, 471. Como a eftimou EIRey 
D. Joaó V. feu irmaó ,472 , e feg- 
Com que devoção fe preparou pa- 
ra ganhar o Jubileo da Porciuncu- 
la , e quando faleceo , 47 ? , e feg. 
Aonde jaz , e de que virtudes foy 
adornada , 47$. 
D. Lniyi Ca/unira de Soufa* Veji-fe 
Lajoens. 



M 



Jl/jAfr* C O Morteiro de Santo 
íVJ António de ) quando fe lhe 
lançou a primeira pedr?, e com 
que ardente piedade fez EIRey D. 
Joaó V. efte a&o, 248. Quando 
foy íagrada a Igreja , e com que 
magnificência he fervida , 249. 
Na noite do dia da fagraçaó mi» 
niftrou o dito Rey as iguarias aos 
Religiofos , 2 5-4. 
May a (Manoel da) louva-fe orif- 
co, e direcção, com que faz con» 
duzir a Lisboa a agua de Bellas, 
261. Foy Meffre do Príncipe D. 
Jofeph, 2,42. E do Infante D. Pe- 
dro , 572. 

Métê 



das coufas notáveis. 



535 



Malta (O Graõ Meftre d;) D.Fr. 
Manoel Finto da boníeca quando 
foy eiei;o , 2(56. 

Z). fiiuii.il , lniantc de Portugal, 
quando nafceo , e foy bautizado, 
433 , c íeg. Quando, e como le 
Jhe conferia a primeira toniura, 
435. Querendo ir a guerra de 
Hungria , a quem eommunicou 
tlta reioJuçaõ , e quando panio , 
4$/. Qijc gyros fez, e com que 
Vaior u portou na batalha de re« 
terwaraan, 458, e leg. Era que 
perigo o poz a fua conitancia cm 
hum choque com os Turcos, e r.o 
fino de rcmefwac , 440. Quan- 
do chegou a \'ienna , 441. Com 
que agradeceo ao Governador de 
Temei ^ar hum prclcnte , que Jhe 
maidou, 442# Achando-fe tam- 
bém na batalha de Belgrado, fez 
que hum Turco abraçalíe a Re- 
ligião Catholica , 442 ,efeg. Que 
lhe íuecedeo em Hollanda indo 
ver hum exercício militar , 444. 
Quando recebeo o habito da Or- 
dem do Tufaó. lbid. De que Cria- 
dos íe ferve , e em que virtudes 
refplandece,44f. 

Manoel de Aiç-vedo Fortes , de que 
Sciencias foy Meftre do Infante D. 
António ,430. 

J). Maria, , Princeza das Afturias, 
quando nafceo , e foy bautizada , 
Z77> e ?7°« De que virtudes, 
feiencus , e partes adornou o feu 
Real efpiriro , 38 r. Quando, com 
quem , e com que claululas feajuf- 
tou o feu cafanicrr.o, 383. Quan- 
do recebso o Sacramento da Con- 
firmação, lbid. Tendo Cala fepa- 
1 1 , com que Criados fe fervio, 
: 84. Co v que formalidade , e que 
ttíloas afíiitiraó à celebração do 
Tratado Hitritnonial, }8r> , e fe». 
Como foy feftcjado, 1,88. Qjan- 
do , e com que po.npa le celcbra- 
Tom.VUI. 



raó os feus defpoforios , 585). Co- 
mo foraó appiaudidos , e rtfteja- 
dos , 390. 
D. Maria Ama de Auftria , Rainha 
de Portugal , quando nalceo, 323. 
Como , e quando lahio de Vien- 
na , 50. Aonde íe celebrarão os 
feus defpolorios , 51. Que Cria- 
dos a acompanharão na jornada pa- 
ra Portugal , a qus! fe refere , 51 , 
e leg. Km que dia fahio de lngla* 
terra , c com que comitiva , 56% 
Quando chegou à barra , como 
foy cortejada, e conduzida ao Pa- 
lácio de Lisboa , 57 , e feg. Com 
que formalidade ceou em publi- 
co, 60 y e feg. Ccmqua feitas foy 
foleniuzado o leu calamcnto, 6" 2, 
e feg. Lm que dia fez a entrada 
publica , e com que magnificência, 
64. Como foy recebioa na Villa 
de Santarém, 183. Ficou como 
governo em quanto EiRey foy a 
Villa-Viçofa ,213. Em que dia 
partio para o Caya , e que jorna- 
das fez , 2b'i. Quando cafoU , 
323. De que virtudes, e feiencias 
he adornada. lbid. Que Conven- 
to fundou ,324. Que cafo lhe 
f"Ccedeo na Parochial Igreja de 
fezimbra, 326. Quem foraó feus 
pays, eque filhos tem tido, 327. 
A fua Arvore ,333. 
D. Mana Anita , &c. Infanta de Por- 
tugal, quando nafceo, 350. Quan- 
do foy bautizada , e de que partes 
he orna ia , 360, e feg. 
Maria de Ba-vkra , Archiduqueza de 
Auftria , com quem cafou , e que 
afeendentes teve, 333. 
D. Maria Francifca , &c. Princeza 
da Beira , quando nafceo , e como 
fe applaudio eíla felicidade, 354. 
Quando foy bautizada , e com 
que formalidade . e pompa lhe 
foy conferido tile Sacnmento, 
35 f» e feg. De que virtudes, e 
Vyy ui tci< 



53* 



Index 



fciencias he adornada, 157 > e 
feg. 

D, Alaria Francifca Dorothea , &c. 
Infanta de Portugal , quando nal- 
ceo , e lhe foy conferido o Sacra- 
mento dobautifmo, 30" I. Quan- 
do toy offcrecida a S. Franciko 
Xavier , $62. 

D, Mariamia PiCloria , Princeza do 
Brafil , quando nafceo , 353. De 
que perfeições , e partes he ador- 
nada, Ibid. Quando caiou, 352. 
Que defcendencia tem tido, 353, 
e feg. A fua Arvore ,363. 

Marquei^, de Santa Crn\. Qjando, 
e a quem toy dado cite Titulo , 
381, 

Jlíarque^ado de Abrantes , quando 
foy creado , e a quem conferido 
com o tr 5 ca mento de Marquez io- 
bnnho, 3 10. 

•— 1 de Angcja , quando fe inftkuío, 
e a quem foy dado ,31o. 

•— 1 deCafcaes com o tratamento de 
fobrinho , 3 1 1. 

•— h de Gouvea com o mefmo trata- 
mento ,31o. 

—+ do Louriçal , &c. 3 I f . 

1— * d.c Valença coma prerogativa de 
fobrinho , 3 ! O. 

Jíafcarenkas ( D. Pedro ) Conde de 
Sandomil , que hoftilidides Tez no 
R?yno de Leaê , ^- Quando foy 
feito Governador das Armas di 
Província A: Alentejo, 126. Gam 
que difpofiçaó, e a que fim divi- 
dio o noffo Exercito, 1 36. Com 
que ardor , e vigilância mandou 
foccorrer a Praça de Elvas , 142. 
Que ireiidio mandou para a de- 
feria daVilla de Campo-Mayor, 
15*. Com que foccorro fegurou 
mais adita Praça , l(i\, 

jtfiitkanaíica. He muito perito nella 

EiKcy V. }o.ò V. 269. 
Jlfwtnkos morei doHeyno no tempo 
Rey UjoaóV. 314. 



Melcen^ A Princeza Anna Maria de) 
com quem cafou, e que aicenden- 
cia , e defcendencia teve ,513. 

Mtllo ( prar.cilco de ) Senhor de Fi- 
calho , porque caufa lhe deu El- 
Key huma Commenda , e lhe fez 
outras mercês , 37. 

Aíenino Deos ( Templo do ) lançou 
nelle a primeira pedra ElKey D. 
Joaó V s e acompanhou a Piociffaó 
da Traslacaçaõ da mdma lobcra- 
na Imagem, 255-. 

Afefa publica delKey de Portugal, 
com que formalidade he fervida , 
6>. 

Mtftres de Campo Generaes feitos por 
EIRey D. Joaó V. quem foraó, 
124. 

Meftres Salas do Palácio delRey D. 
Joaó V. 3 14. 

Adetropolitiina ( A Igreja ) de Lisboa 
Oriental , quando foy cedida , e 
unida ao Padroado Real , 230". 
Quando foy fugeita ao Patriarca- 
do de Lisboa , e fe tomou polTe 
delia, 237. Como foy fupprimi- 
do o feu Cabido, e de que Minii- 
tros feha decompor a nova Bafi- 
lica, 238. 

Aéetbww ( Paulo) foy no alcance do 
Infame D. Manoel ,437. 

Adeipgbarba ( D.Carlos António) Pa- 
triarca de Alexandria , com que 
commiíTaó veyo a Lisboa , c quan- 
do teve audiência delRey,2 3Q. 

D. Miguel ( OSsnhor ) quando rraf- 
ceo, eaonde is creou,4"o. Qoe 
mercís lhe fez LlKey feu pay, 
4#o. Aonde fe lhe preparou a íua 
Caía , e de que familia confiava. 
Ibid. Qje Medres teve , eemoue 
fciencias fez eruditos progreflos , 
4^1. Qje tratamento ihe foy 
concedido, e miis preeminências. 
Ibid. Com que formalidade foy 
conduzido, e feu irmaô, à audi- 
ência publica delRey D. Joaó V. 

4«j, 



das couft 



as notáveis. 



537 



48 3 , e feg. Ccmo fallou a EIRey, 
c a Rainha ,4^5. Como foraó re- 
cebidos pelos Jniantcs leos irmãos, 
e pela ierhoia IX l LÍ2a , 487 , c 
feg. Acnde , e cem que foi n. ali- 
dade foy íimsJo Cavallciro da 
Ordem de Chrillo , 488, e feg. 
Com quem íe ajuítou o leu caia- 
ir.er.to , e aonde Ic «.ciebrou oTra- 
taco Matr menul , 4^1 , e feg. 
Quando taleceo , e aj pareceo o 
cadáver , e aonde jaz , 49 3 , e feg. 
De que virtudes, e partes foy or- 
na, o , e qi e Lenotafio lhe com- 
' poz o Padre P/ureau , 495 , e feg. 
Quem foy fui máy, fco. Quan- 
d) ,e .oní qaem caiou , lbid. Que 
filhos teve, 502 , e íeg. 
Minas ( Governadores das) no tem- 
po delftey D. Joaó V. 202 , efeg. 
Minas (O Marquez das ) que ope- 
rareis fez com o no 'To Exercito, 
3 1 . Com que valor fe portou na 
batalha de rVlm^nça , 3 2 , e feg, 
Qua do foy feito Eftnbeiro mor 
da Kainha ,58. Quando voltou 
para Partu^a! , eçmque dia con- 
duzio o Embaixa-or de Inglater- 
ra , 6 8. 
Miranda ( A Cidade d« ) quando, 
e por quem h>y vendiJa aosC-.* 
uihanos , 95. Q^ae difpofiçóei fc 
fizeraõ p<>ra alua recuperação, 
1 18 , c feg. Com que corações , 
fe roní-guio ,123. 
Moeda ( A Cafa da ) quando , e por 
quem f.>y mudada para o novo 
fino, era efuc títá , 2*0. EIRey 
Dom Joaó V. vio a fabrica deiía , 
2*9. 
Moedas mandadas fazer por EIRey 

D. Joaó V. 2*8. 
Mu>:tiircs thjres do Reyno no tem- 

1 o dí D. Joaó V. 3 1 3 , e feg. 
M-.rdomos mores deilAey D. Jo;,õ V. 

A. onaj ( O AuLade de ) Embaixa- 



dor de França , por quem foy con- 
duzido, 199. 
Mota (O Cardeal da) he louvada 
a tua vigilância , e grande zelo, 

2f)C. 

Mulher de fetenfa attnos , que creava 
hum neto, aonde fevio tfte pro- 
dígio, 113. 



N 



X 7 Afjau (A Princeza Clara Ma- 

X.V ria de) quem foraó feus afeen- 
dentes , com quem calou , e; 
que defeendencia teve, 5 «2. 

Náutica. Como he infigne neíta ar- 
re o Infante D. Franci-co , 42 r. 

Neufaille (A Pi inceza Catharina de) 
com quem foy cafada,47/. Que 
afeendentes teve. lbid. 

Noronha ( D. Joaó Manoel de ) Con- 
de de Atalaya, com que difpofi- 
çaó , e valor confeguio a recupe- 
ração da Cidade de Miranda ,118, 
e feg. Quando foy feito Gover- 
nador ,e Capitão General do Rey- 
no de Angola, j 17. Como diffi- 
pou o orguiho do Príncipe de Ca- 
conda , 212. Quando foy feito 
Governador das Armas da Provín- 
cia de Alentejo , e Direítor da In- 
flaria do Reyno, 307. 

Niincios em Portugal no reynaJo de 
D. Joaó V. qu-m foraó, 2*3. 

JYuncios em Portugal , feiros Cardeais 
por eíta circuntuncia, arSj, 



O 



OBfer-vatorio no Collegío de San- 
to Antaõ , por quem foy feito 3 
170. 
Ordenanças ( O Regimento das no- 
vas ) quando fe ; ubl'COU ,202. 
Crleahs ÇAiHiaMaria de 



53» 



Iniex 



Sardenha, feus pays, cafamento, 
e filha, 393. 
Oflana ( O Duque de ) porque razaõ 
tomou as ViiJdS de Serpa, e Mou- 
ra» 57- 



CT\ AlmelU ( A Villa de ) quando 
JT íoy a cila ElRey D. Joaó V. 
115. 

Parce ( O General ) confervou na 
Província de Alentejo as Tropas 
Inglezas, 140. 

Pajjaportes para aspeíToas, que paf- 
Uõ à America , quando tiveraó 
principio ,81. 

Patriarca de Lisboa , que honras , e 
prerogacivas lhe foraõ concedidas , 
2^c. Que doações lhe fez EIRey 
D. Joaó V. 2 30 , e feg. Que Suf- 
fraganeos fe lhe aílinaraó , 232. 
Que mais SufFraganeos fe lhe uni- 
rão ,2?7« De que confia o íeu 
ampliflimo Padroado, 2 3 8. Quan- 
do foy feito Cardeal, 2 6 3, 

Patriarcal (A Igreja) de Lisboa quan- 
do foy ere&a, 229. Quando en- 
trou o Cabido de poiíe delia ,232. 
Com que magnificência aenrique- 
ceo EIRey D. Joaó V. e como he 
fervida, 2 3 y. A fua Bafilica, de 
que Miniftros ha de confiar ,23c. 

Pazes , quando , e com que forma- 
lidade fe apregoarão em Lisboa , 
198 , e 200. 

T>. Pedro , Infante de Portugal , de 
quem foy rilho , e quando nafceo, 
327. Qumdo foy bautizado , e 
quem roraó os padrinhos , 328. 
Com que grandeza, e pompa lhe 
foy conferido cite Sacramento, 
3 1 y. Qumdo faleceo , e aonde 
foy depoluado , 3 \o. 

D.Pedro , Infante de Portugal , qnan. 
óo nafceo , e foy bautizado , 3o"9, 
e leg. Quando toy offerceijo a S, 



Francifto Xavier, 371. De que 
virtudes , e icicncias hc ornado, 
?7« >efcg. 

Pedro de Vajconcellos e Soufa , quan- 
do foy nomeado Embaixador a 
Madrid , 2 CO. 

Pimentel (Úl*n<id ) Cofmografo rr.ôr 
do Keyno , he louvado com a oc« 
caGaó de ler Meftre do Píincipe 
D. Jofeph, 339. Quando talecto, 
e que demonitraçaó tez cie fentt- 
do o dito Príncipe , 340. Que 
Obra eferevia , e determinava pu- 
blicar , 341. 

Pina (Martinho deMendoça de) e 
Proença , com que incumbência 
foy às Minas ,203 ,cleg. 

Pólvora ( Fabrica da ) por quem foy 
erecto o magnifico edifício para 
ella, 260. 

Porteiros mores no tempo delRey D. 
Joaó V. 3 14- 

Portmorre ( Milord ) reformou os 
Regimentos , que militavaó pelo 
foldo de Inglaterra, 12,7. 

Presidentes da Junra do Commercio 
no tempo delRey D. Joaó V. 317. 

■— - 1 da Mefa da Confciencia, &c. 3 16. 

> — 1 da Mefa do Defembargo do Pa- 
ço , &c. 316. 

•— * do Senado da Camera , Scc. 3 i6\ 

Prejlimonios da Cafa do Infantado , 
quantos faó , e como faó provi- 
dos, 418. 

Princtpaes da Santa Igreja Patriar- 
cal , que honras lhe toraó conce- 
didas , 2 3 2 , e feg. Que rendas lhe 
foraó applicadas ,233, e feg. 

Príncipes , e Princesas herdeiras do 
Reyno , como laó appjaudidos os 
feu? nafei mentos , 379. 

Protectores do Reyno de Portugal na 
Corte de Roma ,263. 

Provedores das Obras do Paço no rey- 
nado dciRey D. Joaó V. 3 14. 



Qaiabú 



das ccvíi 



avias mtaxets. 



559 



Q 



«2 



. Um/.; ( As Minas de ) quando 
t r. ó defcubertaa , 2 02. 
Quináoinios, Quando (e ajuíta- 
raó a s duvidas , que houve iobie 
clles, 1 1)0. 



R 



T\ Aja de Amher , que prefente 

< /\ mandou ao Vice-Rey da Índia, 
c com que commifíaó mandou 
a Portugal dous Aítrologos, 267, 
efeg. 

Regedores das Jufticas no reynado de 
D. Joaó Vi 5 1 6.' 

Regimento das novas Ordenanças 
quando fc promulgou, 202. 

Ribeira ( O Conde ca ) porque cau- 
ia acompanhou a Rainha D. Ma- 
ria Anna de Auftria , 55. Quan- 
do , e porque motivo foy Gover- 
nador da Praça de Campo-Mayor, 
146". Em que perigo fe achou 
querendo enirar na praça , 147. 
Quando confeguio a entrada del- 
ia , 1 50 , e feg. Que ordens dif- 
tnbuio para defenfa da Praça , 
151. Qui2 encravar dentro nas 
Trincheiras dos inimigos a iun ar-- 
filharia , e com que feliiidzde fe 
diípoz a execução, 1*2, e feg. 
Com que idea , e valor eíperou o 
aíTalto da dita Praça , lo - 1 , e fep. 
Como fe portou nelle , e no? mais 
íuccefíívos , i66 , e feg. Com que 
condições permittio a refaõ de ar- 
mas p?ra fepultar osmorto^, e cu- 
rar os feridos, I 7 1. Paliando moí- 
tr à guarnição , oue gente lhe fal- 
tei 1 , 1 7 í. Porqre c?ufa fe reco- 
Jhco à Porte , l 74. Qjje rrerces 
teve delRey , e do Infante Tom 
liur.cilco, 176. Sendo tu. meado 



Embaixador a França , quando 
fez a lua entrada publica , e por 
quem foy conduzido, 1^0. 

Ribeiro ( Obvdre Joaó) r-orijue cau- 
fa foy expulfo da Rcií^iaó da Com- 
panhia dejefus, e que mercês lhe 
tez EIRey , 1 5 1 . 

Rio Grande ( O Conde do ) Almiran- 
te da Llquadra , que loy a Cortu , 
quando Ishio co \ orto de Lisboa, 
2 14. Porque caufa ie recolheo taó 
brevemente ,217. Quando iahio 
outra vez à mefma empreza. lbid. 
Que offerecimento fezaosGene- 
raes das outras Efquadras ,22o. 
Com que valor fe portou na bata- 
lha, e como foccorreo ao Conde 
de S. Vicente , 22$, e feg. Que 
mercês lhe fez ElKey , e como 
lhe agradeceo o Papa Clemente XI. 
ofeu zelo , 227. 

Rio de Janeiro ( A Cidade do ) que- 
rendo os Francezes conquiftalla, 
com que valor a defenderão os 
noffos , 97) e feg. Sendo fegun- 
da vez invadida pela mefma Na- 
ção , com que donativo foy ref- 
gatada, 128. 



ÇAboya ( O Duque de ) Vfdlor 

O Ama-.eo , com quem ajuftou o 
feu cafímento , e quando fe ce- 
lebrarão os efponíaes , } 98 , e feg. 

Sacrilégio cerrmettido ra Villa de 
Setuval, errro fez publico o fen- 
timento delle EIRey D. Joaó V. e 
acompanhou a ProcifTaó > que fe 
fez à Igreja de S. Roque , 251 , e 
feg. 

B.Sancho de Faro, Conde de Vimi- 
eiro , e Vice*Rey da Bahia , quan- 
do faleceo ,211. 

Satdoml. ( O Conde de ) Veja-fe 
Mascarenhas. 

Santa- 



54° 



Index 



Santarém ( A Vi'Ia de ) como fez a 
íua entrada nclla EIRey D. Joaó 
V. 1 8o , e feg. Como foy rece- 
bida nclla a Rainha lua efpola, 
18?. 

Saradas ( O Conde de ) António 
Luiz de Távora , quando foy fei- 
to Meftre de Campo General, 
309. E quando faleceo, 20$. 

Secretários de Eftado , Mercês , Ex- 
pediente, eAllinatura noreynado 
de D. Joaó V. 5 1 5. 

Semedo ( Jofeph de ) Maya , Capitão 
de mar , e guerra , com que ardor 
arrazou o Forte de Cabinda, 240. 
Que mais hoftilidades fez , e quan- 
do fe retirou , 241. Porque caufa 
combateo huma fragata Hollande- 
za , e a meteo a pique ,242. 

Seminário Patriarcal aonde fe ha de 
erigir, e que rendas lhe foraõ ap- 
plicadas , 2 ;8 , e leg. 

Setwval ( A Viíla de) com que mag- 
nificência recebeo a EIRey D. Joaó 
V. de quem fe refere a formalida- 
de da entrada, 1 io,eíeg. Como 
foy fentido o facrilegio , que fe 
commetteo nella , 2 5 1 , e feg. 

Sigtieau ( O Padre D. Celeftino) foy 
Meftre do Senhor D.Miguel ,4b';. 
E do Senhor D. Joíeph , Arcebif- 
po Primaz , 5 1 ri. 

Soufa ( O Cardeal de) antes de rece- 
ber o Barrete Cardinalício, bauti- 
zou ao Infante D. Manoel ,4^4. 

Sotija ( Henrique de ) I. Conde de 
Miranda , com quem cafou , e que 
dcfccndencia teve ,513. Alguns 
Senhores deffca Família com quem 
calarão. Ibid. Veja-fe Lafoetis. 

Soufa ( O Padre D. Manoel Caetano 
de ) pregou em Olivença hum 
Sermaó em acçaó de graças pelo 
bom fuecefío das noflas Tropas, 
I97. Com que motivo celebiou 
em hum Epigramma a morte de 
Manoel Pimentel , 340. 



Stampa ( O Conde de ) Embaixador 
de Carlos Hl. quando tez a (ua en- 
trada publica , 80. E quando teve 
audiencii dedcfpedida , 80. 

Stuart ( Henriqueta Anna) de quem 
toy tilha, 393. Seu cafamento, e 
dclcendencia. lbij. 



T 



erEjo no-vo , quem o mandou abrir, 

D.Therefa , Infante de Portugal, 
quando nalceo , e toy bautizada , 
447 5 e feg, Quando recebeo o Sa- 
cramento da Confirmação , 45 1. 
Com quem fe ajuítou o teu caia- 
mento. Ibid. Quando faleceo, c 
aonde jaz, 452. 

Tbomás da Sylua Telles , Vifconde 
de Villa-Nova da Cerveira , com 
que felicidade entrou em Campo- 
Mayor, 147. Manaou com gran- 
de vigilância fazer muita faxina , 
148, Com que valor, e fortuna 
futtentou huma terrível elcaramu- 
ça , 1 5 2 , e feg. 

Trinchantes delRey D. Joaó V. quem 
tem fi io , ^ 14. 

Tropas Portuguesas , em que dia fi- 
zeraó hum exercício na prefença 
delRey , e mais pelToas Reaes ,292. 



u 



TJÂlença de Alcântara , quando 
[f foy demolida a pezar dos emba- 
raços dos Caftdhanos , ?o , e feg. 
Vedores daCafa Real noreynado de 

D. Joaó V. 313. 
Vedores da Faxcnda Real no tempo 

delRey D. Joaó V. pô". 
Vergé ( I). Anna Armanda de) quem 
foraó feus afcenJentes , eque def- 
cendencia teve , joo. 

S. Fi' 



das cciijas notáveis. 



54* 



S, T'ico;te ( Refiqttia de ) quando , e 
quem a deu a EIRcy D. Jo^ó V. 
5 c 6'. 

Jice-Reys da Bahia no reyr.ado de 
D. Joaó V. 2 10 , e feg. 

/ 'ice-Keys da Ir.áia no tempo delRey 
D. JoaO \ . quem um fido , e que 
operações fizerió , 2C4 , e ieg. 

túla-Rcal (A Caia cie ) foy unida 
à do Infantado , e o primogénito 
delta Te pôde chamar , aííim que 
nafcer , Duque de Villa- Real , 4 1 8. 

J'\\\a~Verde ( O Ccndc de) quando 
toy feito Governador das Armas 
da Província de Alentejo , e com 
que Exercito fahio à Campanha , 
í>4. Que operações fez, 05. Com 
que Kxercito lahio outra vez à 
Campanha, e que conquiltas fez, 
tzç, Foy nomeado Vice-Rey 
para o EUado do Brafil , 126, c 
210. Quando foy feito Marquez 
de Angela, 510. 

Villa-Viçofa. Quando entrou nella 
EIRey D. Joaó V. 2 I ?. A lua Du- 
cal Cape lia, e Palácio, por quem 
foraó reedificados, ampliado o Se- 
minário , e o numero de Minif- 
tros , e ornamentos para a dita Ca- 
pella, 262. 

Vtlla-Vi^ofa (A batalha de) em que 
dia, e por quem foy vencida, 92. 

ViUar-Mayor ( Conde de) Fernaó 
Telles da Sylva , foy nomeado 
Embaixador ao Império ,e Condu- 



tor da Rainha D. M?ria Anna de 
Aultria, 40 , e feg. Quando partio, 
e que elcalas ttz , 41 , eleg. Que 
commillaô levava para a Rainha de 
Inglaterra, ecomo foy iiitudida, 
42 , e leg. Quando enireu em 
Vienna de Adiria , e como toy 
recebido dos Lmperadores , 44. 
Com que magnificência, e forma- 
lidade tez a iua entrada publica, 
45:, efeg. Em que dia recebeo as 
honras de Marquez deAkgrete, 6 7. 
Wclfango , Ccnde Palatino do Rhin , 
e Duque de Neobourg , com quem 
calou , e que dtleendencia teve, 

Hllfango , Duque de Duas Pontes , 
feu cafamento , afeendencia , e fuc- 
celTaõ j 5 5 $• 

X 

'X^Ercs ( A Praça de ) quando , e 
^\ por quem foy conquiftada , 95, 
Xèt/ora ( O Rio) com que va- 
lor o paíTou , e repaíTou o noiTo 
Exercito j 71. 



z 



z 



Unigd ( D. Pedro de ) MeGre 
r!e Campo General , dirigio o 
affalto de Campo-Mayor , 166, 



ADVER- 




ADVERTÊNCIAS, 

E ADDICCOENS. 

3 



A VENDO com o oitavo Tomo da Hiftoria Genealógica da 

Cala Keal Portugucza , que le imprimio nelte anno de I74»> 
. do ponto da r.oíla mais gloriofa fadiga , na fucceííaô 

da Uc.il Caia i<eynan;e , que Deos profpere , e abençoe de 
ottc , que na diuturnidade do tempo, le dilate a lua Real poí- 

cendade, por taõ dilatados íeculos , que competindo com a 
duração domino ivij.uo , lcja cita huma das mais elclarecida:; Épocas da 
Hul >ría Lufitana para emprega cos eruditos Authores , que também po- 
derão em:nJar osuefeuos, que nos naó alcançámos, nem cabuó no limi- 
tado de huma taõ curta esfera, quando emprendemos redizir a forma taõ 
foberana nmteria ; poré.n como fempre d:fcjamos acertar, naõ tendo outro 
objcvl > i mais que a verdade, pouparemos pane daquclle trabalho com el- 
tc manifclto. 

E f.ippofto , que naô damos por acabada efta Obra neíte volume , 
porqtii anualmente fe trabalha na ImprdTaô em outros, em qu; continuo as 
Linhas daquellas Cafat, que tem a honra de defcenJer por varonía da Keal 
Caía Portugueza, com tudo querendo fatisíazer aos curioíos , como quem 
naõ efereveo mais, que com defejo de aproveitar, e inllruir aos que eíli» 
maó aJiantaríe ni liçaõ th H ftoíia , nospareceo naó dilatar para outro tem- 
po , o haver de reparar algumas equivocaçóes, que nelta Obra le pedem 
julta nente notar, e com ella occaliaó íazer hum as AdJicções de al<;um:s 
couías , que depois que ella íè imprimio íuecederaó , para que fique cita Hif- 
toria menos' imperfeia , naõ fó pela correcção , mas também pelas addic- 
çóes dos nafei metros, cafamentos , e mortes de alguns Príncipes , que de- 
pois do anno de 175c acontecerão) em que fe começou a imprimir. 

Naó entramos pre.enidos co.n dclculpar os erros, e deícuidos, fe 
ot tivemos , ou fejaó , ou naó n olos , em todo , ou em parte , porque he cou- 
U , que ii ip jrta po >o a fua averiguação , nem menos nos lembramos do 
trabalho, qu; cita Oòri tem c.i.taio dceftudos, falidas , e vigias; porque 
afias n -is d mos por fatisíeito n* honra , que por ella lemos conlcgu^o, 
naó fen lo dodefagrada dono.Tj Augmtu, e Gran le Rey D. joaõ V. e de- 
pois delta incomparável dita, (efegue aol-rig. ç*ó , em que citamos a mui- 
t >- 1 e grandes eruditos, naó fó Nacionacs, mas ramhem a al^u.is Eiiran- 
g' iros n> c:ti naçaõ, que lhe tem dada , fe n que 01 defeitos , qae agora lhe 
reparamos, foliem outintes para que fe dimiauiiTe o conceito, que delli 
formarão, como quem .jilicee o maico , de que femclhantes Obras ne- 
ctffitaô pira chegare n àfua ultima perfciçiõ, porqje naó ignoraó a varie- 
dade de caacoi , e divcrfos Aucaorcs , o capricho de outros, os immenfos 
Tom.V.II. A Ori- 



2 jíívertencias , 

Originaes, e Documentos , osdifTvrentos motivos, e innumeraveis circunf- 
tancias , que fazem incvitaes nos grandes Autbores (quanto mais emnós) 
os tropeços, e equi/nc.çócs , como fc vem cm admiráveis , c applauojdas 
Hiftoiiasj e Obra?) Genealógicas , que correm impreífas com univerlal titi- 
nviçjó , (em quea eíiasoojuizo doserueitos feJhe diminua o applaufoj nem 
firva de aceulaçac : pelo que fe devem defculpar osdeteitoj, que nefta a^o- 
ra reparamos, le tdo taó vatta a matéria, e comprehendqndo tantos aífum- 
pios diferentes, e taó repeti Jas Ardores de Coitados antigas, que cauíaraõ 
o trabalho, que Ic naó vè, e poucos conhecem oeltudo , e tempo, de que 
caua huma neccfíita. 

E querendo dar ao Mundo todo huma evidente demonflraçaó do 
fyncrro animo, que nos domina, e da rtcla , edefiriterelTada mrençaó, com 
que eferevemos , de que ftrá evidente prova delta nolla aíleveraçaó a fin- 
ge leza , com que retraçamos os d- feitos dos livros, que eleita Obra fe tem 
irnjrello, porque de ternos acertar, fen^o elle o rim a que lómente afpi- 
ramos ; refta contonni 1 ade reparamos todos os defeitos , que aié agora 
comprehen lemos ndta Obra, para que cometia correcção, eaddicçoesfe 
faça m.is Útil aos curiofos , aquém por lhe poupar trabalno , mediremos 
nelte papel as eirata-; já apontadas nos Tomos precedentes , íem diítinçaõ 
das novas emendas, para que cada hum conforme alua curiofidade , le lir- 
va com mais commodo, que lhe parecer , achando-as íleguidas na allegaçaõ 
dos feus próprios lufares, que he tudo o que podemos fazer para dcmonl- 
iriçaò da boa vontade, com que nos interelfamos no bem publico. 

NO APPARATO. 

APa<í. \K. como por exemplo: Holftein por Alfacia , fe emende, Hol- 
Jalcia. 

Pag. XXII. Em que fefaRi no Livro Velho das Linhagens de Portuga!, 
acciefcento: ,, Que efte livro fe imprimio no anno de 17 $9 com Notas , 
„como íèvê apag.141 do Tomo 1. dis Provís, noqual fe diz , que o pu- 
„ bliquey no anno de 17^7, entaó fe tirarão taó poucos exemplares , que 
,,nac paliarão de oito, de que hum foy para a Bibliotheca delKey noHo 
,, Senhor, outro para a do Ssreniííimo Infante D. António, e outro puz na 
,i 1 ivraria da Cala da Divina Providencia , e os demais reparti por alguns 
j, eruui.os curiofot.,, 

Pag. XKVíH. Xyfto Tavares n. 9 : ,, Era filho natural de Josõ Ta- 
„ vares , CommenJador de S. Vicente da Beira, e de Alpedriz na Ordem de 
„ .iviz, da familia do feu appellido. „ 

Pag.XXXVlI. Fernaô Pacheco n.i<^ diremos, que o feu Nobiliário 
effava em Braga no anno de ir>^o cm poder do Licenciado Domingos Cor- 
rêa , acerefeenumos: „ Ser o meímo , que Gafpar Alvares de Loufada re- 
„ fere na Illultraçaó da Cafa de Soufa no fim do §. l8 quando trata de D. 
„ Maria Paes tiilvira , mulher de Affbnfo Diniz, allegando hum NoSilia- 
„ rio de Ktra antiga, que eftava na Cidade de Rr,\°i em poder do dito Li« 
„ cenciaJo Domingos Corrêa, filho do Licenciado btmaõ Corrêa , Arcedia* 



e Aádicçces. 3 

., go , que foy deXeiva, peToa de muitas letras, e curiofiJade : e que o tal 
M Nobiliário havia fi 10 de Joaô Pacheco , Commendador do Morteiro de Ba- 
3i r.ho no Dacado de Barcellos, hino do grande Duarte Pacheco , os quaes 
,,erao fem duvida dos mdnioi Pactiecos , e faleceo cm \ l de Outubro de 
j) l 59°i aquém tal vez o teria dado Fernão Pacheco , vor dizer fer dele- 
„ ira antiga, e elt.->r no poder do Licenciado Domingos Conca.,, 

P g XXXVIII. Afíonio de Albuquerque nu.n. 17 : „ Faleceo em o 
,, anno de 1 $hj. „ 

lbuem. O Meftre André de Refende n. 17: „ Jaz na Igreja deS. 
» Domingo] da Cidade de Évora, onde tem elte Epitáfio: 

L. A. KESENDIUS HIC SITUS EST. 

Efcreveo, além do que deixamos referido no Apparato : Geração SesCogo- 
s , tirada das Clnomcas pelo grande Mejtre André de Ktjende , m.f. 
junto com eila eftá ainíiicuiçaó 00 Alo. gado da Torre dos Coelnoros, e ou- 
tros documentos; elte papel, que he de Jctra amiga, exifle na Livraria dos 
Monge» Bencdi&inofi de Lisboa, aonde o vio o erudito Padre Jokph Caeta- 
no de Almeida, Clcn^o B^nficiado da Santa Ba(i'ica Patiiarcal de Lisboa, 
que me partici, ou eila , e ou:ras noticias, que a fua curiofiJade , e conti- 
nua applicaçaõ de sóbrio. 

Pag.XLVí. D. António de Lima, n. 25, Senhor de Gaftro Dairo, 
jaz na Capella mor de S. frrancifco de Lisboa com eíte hpitafio : 

Sepultura de D. António de Lima , do Confelbo dos 
R ys D. SebaJlldÕ , Dom Henrique , e Dom Fiítp- 
pe, Alcaide imr de Guimaraens , Stnbor de Cd/Iro 
Doiro, ao qual ficou a admlniflraçdÕ de fia Lapella 
mor, que be de D. Manoel de Lima, feu irmaÕ y 
parafehayer de continuar em [eus descendentes , e 
todos pode/n ter nefta Capella fuás fepulturas , 
faleceo a iS de Setembro de 1582. 

Pag.LIX. O Dojtjr Fr. Bernardo de Brito n. $8, que fe diz jaz 
em Aguiar defie 1617, le acerefeeme : „ Depois lendo D. Abbade CitraJ o 
„ Doutor Fr. Luiz dcSouía r,oanno de 1649, foy trasladado de Santa Ma- 
„ na de Agu ar para o Mofteiro de Alcob^ç. , e íepuitado dentro na Caía 
„do Capiiuio , entre osAbbades, etem cite breve Epitáfio: 

Condita Lufiadum tumulo , qui gejla revelat 
Bernardas Brito coniitw boc cumulo. 

Inter Sír!pt'>res magnas , Íbroni/Idque maior 
Regius ) & Jly.o maximus ipfefuit. 

Tom. VIU. A ii IH- 



4 Afaei tendas 5 

Ibidem. Álvaro Pires ce Távora n. 35: ,,Faleceo em Lisboa a 2 
, } df Julho de 1^40. ,, 

. LXlI. D. Manoel cc Menezes, rrerreo tm Li«l ca a 28 de Ju- 
lho de i(.2C>: ,,MorreO err Lisbo; a 18 de Juiho cc icib, jaz ia I^ie- 
} ,ja da Madre de Deos junca aXabiegas. ,, 

I'ag. LXXlll. Aflutvo de Torres , entre as fuás Obras fe diz fer Au- 
ther de hum pequeno volume celolha, fe acereleente : „ l/eito noanno de 
„ 163^. „ 

Ibidem. Alviro Ferreira ce Vera , rfcrrveo mais as Obras feguin- 
tes, que naó :inharros entaó vifto : Origén de los Reys de Portugal , Tt* 
tulos, Offxios , Jpptllidos , j yír»'<jí dt las Famlias de aq^el Reyno, im- 
frefjo € m Caragoça , anno 1(146 , r.»ó t-he ? .a mais, que aic EIRey D. Pedro 
1. inclufivè. Neita ió;ma vimos dous exemplares , hinn nos manukritos do 
Marquez de Collares , encadernado em hum livro defamiias, que fe con- 
íetva na Caía do Conde de Redo-do , e ourro ao Padre D. Joíeoh Parbofa. 
Outra : Linhas Reaes , e Âpptlhdos , qre tocaô ao Senhor Bartbolomeu de 
Vcfconcellus da Cunha , filho herdeiro do Senhor Franei/eo de FafconceVos 
da Cunha , Goiernador, c Capitão General dos Reynos de Angola, doCou- 
Jeiho de Sua Magejiade , «1.1:0 de 1644; Original, que vi , e <.( ! . r i em po- 
c'er de (eu ne'o , do íeo j reprio r.on.e, ri'ho deTroilo de Vafconcellos da 
Cunha, Secretario que foy da junta dos Três lilis dos, no principio tem a 
ericem dos VafroncrTo» . r vir.ie e h"ma linhas , he manuferito. Outro: 
Jtiformacion de la Origén de Vafconcellos , itvpnjjo em AJadiid cm 1*40", a 
favor do rc^ciJo B.-rtholomeu de Va'coi cellos. Ouro: Informado» dcl 
titulo deGijon, impreffo em «645. Mais: Linhas Reaes dos Condes de Fe- 
xaguiaõ. Out o: Linhas Reaes dos Marqueis de Trocifal , ambas m.f. e 
ceníerv; c-!e na Livraria do Marque? de Abrantes. 

Pag, LXXIV. Arronio Soares de Albergaria n. 51: „ Vivia po:n» 
„ ro de KÍ47. Na Livraria doMoíbiro de No!Ía Senhoiu da Graça deLif- 
„ boa íe ccqíçrvaó dons livros de famiíias originaes da fua própria letra, e 
,5 hum titulo de Cominhos hiftoriado , da fua prorria letra.,, 

. I.XXV. Gõlpar Alvares deLoufada n. 60. Naó tinha até er':ó 
viPo o feu livro : Illttftraçaô da Família , e Gtracaô dos Soufas , do qual tem 
copia o Duque Eftribíiro mor, porque aos muitos manuicritos , que her- 
dou do Duque feu p*y , £Junrou entre ourros a fua curicfklíde huma boa 
pò J ■ . o que feraò de D. António Alvares da Cunha, dos quaei muitos 
ti ihaó (:. H o do Chantre de Évora Manoel Severim de Faria , de quem foy 
a referida copia, como fe vè das fuás Armas, que punha de crdmario nos 
feus livros. Naó íeguio aquelle Auihor na dita familii mnis que o ramo 
fomente, que pertence aos Condes de Miranda, depois Marquezes de Ar- 
ron be«. Efta Obra h? bem trabalhada, e verdadeiramente de feu íuthor, 
cem grande cópia de FfcririTns, apontadas do Archivo Real da Torre do 
Top to, e de outros doReyno; porém lomou ocnrricho defazer legitimo 
aAffonlo Diniz , fiiho baftardo delRey D. Aff nfo Hl. impugnando com 
grande, tenacidade , e defprczo ao Defembargador Duarte Mures de Lcaó, 
produzmJo adie fim algumas Efcrimras, dasqm s te r > 1 , soque parece* 
feequivo.-ou, porque o Affonla, de que clUa talho, naó ^ójc ler Affon- 
fo Diniz. I a r. 



e Addkçces. 



Pag. LXXXf. D. Agcftir.ho Msrocl de Vafcor.cellos n. 67: „ Naf- 
„ ceo no -i'i.o u 15S1 , li t o deRuy Mendes de Vaiconcellos Calco , Se- 
,, nlor do Morj »Jo c< Machede, e de D. Atina Manoel lua mulher. 

Pag. LXXXiH. Amónio da» Povoas n. 71 : „ Faleceo a 16 de Agof- 
co de 1 64* , jaz no Carmo. , } 

Pag.LXXXV. Jacintho de Scufa de Sequeira n. 76: ,, He o nome, 
„q;ie te- c . r. J '.inymo de Soufa antes de ler Kcli&iofb, do qual no mei- 
j,mj Appara o \c faz mençaó ror. 74, lomque he hum ló author. „ 

Ibidem. Fr. Álvaro da Foníeca, rnho de Francifco da Fonieca Glo- 
rio n. 77, que foy )u 1 da òiUndega do Setuval , e de lua mulher Calha- 
rma Kodn^^cz. Faleceo em l\\ora a 2 de Mayo de 1664. 

Pag/LXXXVI Manoel Machado da fconfeca num. 78", que napag. 
CLV. n. 18 5 , ic r pete torro outro do melmo nome, foy ló hum, que 
entaó dckorihecem •> peias Onras diffcrent:* , apontadas emdiverfas partes. 
Foy Prior da I r/eja d: J.Cl riftovaó de Lisboa, e no anno de J506 com- 
poz: Ar-vore dos St>:l'jres daCa<a deOliíeira, que dedicou a D. Maria de 
O veira , que era filha de Joa me Mendei de Oliveira e Miranda, Senhor 
Caía » que* f-deceo no «nno d- 157X na batajha de Alcacere , e de lua 
mulher D. Brites de Vilhena . filha de Luiz Alvares de Távora, Senhor de 
A louro; ella Senhora í=!cceo lem ter eligido citado, No principio dei- 

ta Obra ll-e cravou hum Soneto em louvor ca Oliveira, e no fim o íeguinte 
F t i£ramma : 

Min tnis '.■'xrav.àã f<rcis tu íohfs Oliu£ , 

• "c olei effufi ftomeu babere potes. 
Qjtalis (j xquali prodis rrdice , r.ec ergo 
..Aram, fi mirus fruãus Oliva tuas. 

Ffcrevco m3Í c : Awo r e d* illuflre rrofupia , e Ca r a de Miranda, edecemo 
fi a-<Mhtaraô com 4 principal Fidalguia refles Reynos de Portugal , e jora 
; dedicada ã me Ima Senhora com hum Soneto no principio cm louvor 
dos Varoens deftas duas Cifas de Oliveira , e Miranda. Na referida Dedi- 
catória diz o Aumor ter fei'o as ( ' '-:uintes: Templo da Honra-, e .Nobre- 
za de PcrttigaK H-ma Arvore i Iluminada do Arabifpo D. Miguel deÇaf- 
tro. //. ;.s Coiv,<c?itarics d Ode 74 do litro ;. de Horácio , que he con:ra 
es A iremos, e frita ante> da vir óa de Chrifio , cuja explicação fora bem 
recebida pelos eruditos , r. ó ífrdo roeda porncrhum dos cinco Commen- 
da ' s, que até quelle tempo tinha tido Horácio. E que andava fazendo: 
Difcurfos , e Arvores illuminadas de algumas ptofapia;, e folares da Nobre- 
za dcjle Reyvo. As fobrediras Obras exifum na Livraria do Moíleiro dos 
Monges 13c 3 d« L ; d oa. 

Pag. XCV'!. António Tavares de Távora n. 92 , faleceo pelos annos 
de itfci , fe emende t «Faleceo a \6 de Fevereiro de 1642.., 

Pag.XCVI!. Fr. Bernardo de Praga n.O}, que difícmos fer Pro- 
vincial do Brafíl com errada to 'is, ro' fer rutrn Mcnge Penedi&iro do 
10 nome. co mio o Abbade Diogo Barfcofe na Bibiioihca Lu* 

Ft.Víi. „ F y 1 itur ! di Ctda le . qir 1! rdeu. oáppeHido, e fileceo no feu 
', ; Mcfteiro de Cibaens a 14 deAlarço de 16C5, havcr.do logrado direrfas 

„ AIoa. 



6 Aâxertencias , 

„ Abbadias , e lugares na fua Religião , como foy a de Santa Maria de Car- 
„ votiro, e a ce Pom beiro, c Definidor duss vc?t.«. ,, O mulo , que poz 
ra Obra , de que fizemos muiçaõ , he : £>4s Genealogia* da Njbre\a de Por* 
oal, dejde os Godos , Suez>)s , e Romanos aé fiojjo nmpo , covi os progrefjos 
das Cajás , e Solares; efta Obra fc conterva na Livraria cos Mondes Lkne- 
dic~riri->5 do Motteiro dePombeiro, repartida cm dous Tomos de rolha m.f. 
en?ó hum como diíTe o Padre Meftrc Fr.(iregorio de Argai* na Per vi a dt 
Catalunha* 

Pag. Cí. ManCel Severim de Faria , a'ém do que refermos no n. 
IO* do Apparato» compoz : Dfcurfo Genealógico da -verdadeira origem 
da Familia de Moíeis, efta Obra ie um^i a refutar outra de l >. Manuel 
de Menezes , que íeguio, que O tronco dos Menezes fora Dom Tello, que 
tiorecera no nono leculo; porém Manoel Severim o impugna erudiramtn- 
re , moilrando, fer D. Pedro tíernal de S. Fagundo origem dtfta ramilia ; 
e na verdade mó he outro , le bem hoje fe lhe um adiantado a fua aícen- 
dencia, mo.lrando Salazar de Caftro ler defeendente de IX Fruela II. Rey 
de Leaó por vsronía , o que já tinha primeiro ddcuber:o D. Pedro de Bri- 
to Coutinho no Memorial de Dom Luiz de Menezes, Conde de Tarouca, 
Marquez de Penalva. File Original da letra domelmo Severim feconftrva- 
va na Livraria doCar.ieal Pereira cm hum livro de folha com alguns titulas 
de Famílias Portuguezás. Jaz na Cartuxa de Évora noCemeteno dos Reli- 
&ioíos,onde emhuma campa tem o kguinte Lpitafio: 

Manoel Severim de Faria, Chantre, e Cónego da 
Santa Sc de Évora , elegeo para fi efta fepultura , 
ajfim por fua dtvoçao > como por efíar nella o corpo 
do Padre Dom Bajilio de Faria feu tio , e antecef- 
for , que faleceo , jendo Prior defte Convento , a 5 
de Abril de 1625. 

Pa». CHI. Amaro Moreira Címello n. lorí, fe emende António 
Moreira Carnillo , foy natural da Torre de ívioncorvo , Abbade da Igreja 
dcS. Salvador de Penedono, e CommilTano do Santo Orhcio , falecao no 
»nno de i6C>í; dclle faz mençaó o Licenciado Jorge Cardoío no Agtologio 
■Zjufitano, Jonn I. pag.qç^ , e Joaõ Franco Barreio na Eibliotbeca Lufitfr 
71a m.f como deixamos duo , e agora o Ahbade de Sever Diogo Barbola 
Machado no prim.-iro Tomo da fua Bibliotheca Lufitana , que imprimio 
n;íte anno de 1 741. 

Pag. ClV. O Doutor Miguel Achioli da Fonfeca , Cavalleiro da Or- 
dem deChrifto, Pro/cdor dos Refiduos em Lisboa, vivia pelos annos de 
lrt^O. „Nafceo niVill.x de Cadello-Branco no anno de 1609, foy Def- 
„ embarga ! >r da Cafa da Supplicaçaó , donde fahio nomeado Sindicante 
,, Gerai em todos os Domínios do Efta lo do Brafil ; taleceo na Cidade dcS. 
,, '» baftiaó do R ; o dc-Jíneiro a 7 de Dezembro de 1^74: emattençió dos 
„ícus íervicos foy dcipachado com huma Commcnda do lote de cem mil 

» teis 



e /fcUicçoes. 



„ r°is para dote de huma filha.,, Ffcreven alem do que referimos: Hum 
■Jr.i-.tU Ai FéniliéS de Cajlellobranco , outro dn ú' Cio ha, e hum lt-vro de 
Arvorei \do dos Títulos de Portugal com ai j nas Armas, 

Pa.;. CX. Manoel Corrêa Montenegro , a Obra , de que firemos 
mcnçip, i-m o titulo feguinte: Hijioria de los Reys , Solcrias , y Etr.pera- 
Aores de è-fpãMa, con todas Ias cofas mas notables , qtte eu efta Pro-viuciu 
kan aeaefcido dejde il Dilui-io univerjal hafta nuejlro tkmpo, impreífa em 
Salamanca cm içyz em oito folhas de papel lo!; s Jc grande forma; aqui 
trata la lefcendencia dos Emperadores , KeySj aiiiin naiuraes, como Soe- 
VoSj eQodolj que tem havido cmHcípanha, e dos do Keyno de Portugal. 
Pag. CXI V. D. •rancifeo Manoel de Mello compoz : ApparatoGe- 
tieahfiço dos Reys de Portuga ; Jcitc livro íez clle mcfmo menção na Vi- 
da de Dom Th-olofn, II. Duque de Bragança , pag. 74, m.i. em 1648, 
Obra imperfeita , cjnj n tem >•> cm leu lugar dito. 

Pag,CXV. D. Jeronymo de Ataíde, Il.Gjnde deCaftro Dairo, e 
VI. da Caftanheira , de quem íe trau no Tomo 11. da Hijioria Genealógica , 
pag-5'>"\ Faleceo a 12 de Dezembro de K>r>o, e jaz na Caltanheira. Os 
feu* trabalhos G lealogpcos, que faó eirinaveis, ficarão na lua Caía, don- 
de acaba id > Te a defcèndencia en fua fiha a CondelTa D. Anna de Ataide , 
que caiou con Simaõ C)rrea da Sylva , que por efte cafamento foy Con- 
de daCaíbtnh in, por fua morte pilTaraõ a poier de Thomé de Soufa Cou- 
tinho, ti. Conde de Redondo 3 emcu|aCafa feconíervaó; os quaes vi com 
muit >•» p-ipeis 1; fua letra de outras mnerias politicas, como também oNo* 
b ;i ano le D. Anrono de Lima, accreíccnudo pelo mefmo Conde, no qual 
no principio trata áo-, Reys de Portugal; porem o Original , de que tenho 
feito menção, de que fe conferva a copia na Caía de Caícaes, que tenho 
pela verdadeira !o Author, onsó ac^ev entre outros muitos livros, e aquel- 
la corrcl('onde à oufa , que eu também tenho com os Reys no principio, 
efuppoífo, que porelles devia principiar, ao que parece, com tudo, as cir- 
cunstancias (azem crsr , que a copia do Marquez de Cafcses hc a do livro, 
que compoz o A'i'hor, cen-o remos referido, 

Pa^. CXVl. O Doutor Manoel Delgado de Mattos , natural da 
Guarda , fe emende: ,, Natural àt CaíWlo de Vide. Foy Fidalgo da Caía 
,,deS.ia Mageftade, filho do Deícmbargador Álvaro Delgado, e de Dona 
„lubel Carniho de Maros. „ 

Pag. CXIX. D. Frarcfco de Menezes da illuflriíKma Familia de feu 
ippelli lo, r.mo di Cafa de Pamanhele , e de D. Ifabel Henriques, Senho- 
ra da Ponte da Barca. „ Naó foy Senhora da Pome da Barca , porque ef- 
„ te Senhorio entrou naquella Cafa depois pelo caíamento de Dona Joanna 
,,Ma-io.-l Je Magalhaens , que veyo a fer herdeira de feu irmaó António 
„ de Mígalhaens, VIII. ^enho»- h ^onte da Barca , a qual cafou com D. 
„ AfF 0V0 de Menezes, fiího de D. Fradiqu" , e irmaó de Dom Francifco de 
,, Menezes, de q 1: aqui fe faz menç.)^. Também advirá , que os livros 
„d-!l; A irhor , |ue imaginava elhvó cm poder de D. AfTonfo Manoel de 
„ Menezes , naõ he aíTiri , porque eft : Fidalgo memoítrou os feus livros, 
,,'l'je faó trabalho íeu , e naõ os Ori^inaes de feu cio > fuppofto, que acof- 
„uJo mui u a clles.,, 

Pag. 



8 AlvcYtencLis , 



Pag.CXXVI. Fr. Joaõ de Dcos , Religiofo de S. Francifco: „ As 
„ fuás Cbras Genealógicas fi.ãraó a ku irm.o Manoel B«rbofa Cabral, 
5 , Abbade da l^rt ja de Saniago de Síndim; com o que le tua ler errada 
g, a noticia de ficaram os feus 1 vros ao Cardeal de Lcnc.líre. „ 

P g. CXXVlII. Fr. Francifco do Sacramento , Carmdta Dtfcalço. 
Os livro* , que vi r,a Livraria dos Padres Carmelitas Ddcílços do Conven- 
to de Nofia Senhora dos Reme. ies de Lisboa , laó os leguinus: lírios Tra~ 
tados Hijloricos , e Genealógicos , e Panares , com bim Tta'ado <'a prin.iirt 
língua do Alnr.do, tol. Paiios Furecens jobre matérias Geualogt as , rol. 
Fragmentos Híjiortcos,fo\. Saô ci-. eríos T tulos de Famílias, em que cc me- 
ça com a de Menezes. Livro da Linhagem dos Reys de Portugal , e dos No, 
ires Fidalgos do Reyno, dando principio delKty D. 2 0a ° 1- de boa , t jeli\ 
memoria, com a mor wteirezp 3 e verdade , amo if>47, quarto. Principia 
no Conde D. He.rique , que faz defeendeme dos Condes ue Borgonha ? e 
de hum R?y de Hungria , muito brevemente ; e depois dos Keys, a Cafa 
de Bragança , Aveiro, edosCaltros: eftelivro hedafua letra, e naó fey fe 
he deile , ou coma de outro. Catalogo dos Ricos Homens , e Grandes Ho- 
mens de Hefpanha em o antigo, quarto, por ordem alfabética, brexe Re- 
lação dos Aibiijhos, fer-vico , e cortejo , fempre ufado em a Gaja Real. Lílá 
encadernado como Livro Velho das Linhagens, de que em ieu lugar tia» 
tey. tila Relação foy feita para a Rainha D. Luiza; naó truta mais, que 
da origem no antigo doferviço da Cafa Real no ("eu princip-o, e naó refe- 
re aspelToas, que ferviaó os ditos ofrkios. Fragmentos Hijioricos , em quar- 
to, que laó vários apontamentos de famílias. 

Pag. CXXIX. Duar.e Ribeiro de Macedo num. 848, nafceo em 
\6l } : „ Nalceo no anuo de 1618 , e faleceo em 10 de Junho do anno 
„ referido. „ 

Pag. CXXXVI. Diogo Gomes de Figueiredo : „ Faleceo a 1 2 de 
„ Fevereiro de 1684, fendo cafado com D. Maria de Menezes. Seu pay 
„ Diogo Gomes de Figueiredo faleceo a ;o de Setembro de 1685.,, 

Pag. CXXXVll. SimaõCar Joio Pereira: „Morreo a 11 dejanci- 
,, ro de 1 600. ,, 

Pag. CXLL O infigne Jofeph de Faria : „ Faleceo a 1 5 de Se;em- 
„bro de 1705. „ 

Pag.CXLlV. António da Sylva Pereira n. io"S: „ Nafceo em Lif- 
„ boa, roraó íeus pays António da Sylva, e Maria da Coita, pefloas N'o» 
„ bres. Faleceo na melma Cidade a 14 de Mayo de 17C4. „ 

Pag.CXLlV. Manoel Alvares PedrojTa n. sr>p: „ Nafceq em Ca- 
„ ranque junto à Villa deBellas, tilho de Gafpar Algares Corrêa, ede lua 
„ mulher Maria Pedrofa, que era da familia do feu appellido. ,, 

Pag. CLM!. António Pereira de Araújo: ,, António de Araújo de 
„ Azevedo, CavalJeiro daOrd<m deCbrifio, Capitão de Infantaria na ?ro- 
„ vjr.cia de Entre Douro, e Minho , a queui de dentro tocava ( como tile 
„ refere) a Cafa de Araújo em Galliza. „ 

PagpCLVí. O Doutor Fr. Gafpar Barreto n. 187 : ,, Entrou na 
„ Religião de S. Bento no Moleiro de Tibaens cm } de Fevereiro de 1678. 
?>loy Reyior do Gollc^io da Eftrdla , Procurador Geral, Dom Abbade do 

„Mof- 



e Addicçces. 



„Mo(teiro de Lisboa, e do CoHegio de Coimbra , e Acadettvco Supranu- 
„ mcr.ino daAcadmna Real da Hútjria Portugueza. Faleceo no Moltciro, 
„ cm que havia tomado o hálito a o de fevereiro doanno de 1727. Fn- 
„ ire as ducrias Ubras , que compoz a lua gr..nde erudiÇoó, imividuare* 
„ mos as q ic pertencem ao nollo ailumpto, e laó : Ar-vore G'ít:calogica da 
.yfémili* de Burrctji , e fens casamentos , combunut breve relação ca\ ptjjoas 
tt refcritUs nu dita Arvore , ecjmo l>ra\aò uai Anuas década família, com 
,, ijue.ii je aptre/itaraô , /. iiol. UC Jvl. m.J. O memo Original conferva o 
„ l J aarc br. Ai^fcdJiano da Aiceniaó ja mencionado. Mais: Speni.ro 1'orín- 
»»á>"'\> aludindo à Obra , que compoz ÍMlippe Jicobo Spencro com o ti» 
„ imo: 1 beatrum Nobilitam turopx, qi-c comem íomcnte Arvores de Caí» 
„ 10-0 , làO uczouo volumes dt toma m. 1. de que vimos alguns na íua pro« 
„ m* maõ , puiqu; com eile tivemos muito bom traio, e iine devemos mui« 
„ia atcciíydò , no tempo «.jue rclidio licita Corte. Deita Obra cinco volu- 
,,nns, que UÓ qudi perteuos , e ^ oitos em limpo, comerva Dom joaó de 
,, ALn.zcs , Scnbur jaijata uaiiarea, com quem unha parenteico, hum o 
„ 1 aJre t'r. iVUrcdliauo da Hncuuó , c os doze lkaraõ impertciios , que 
,, erao cuoaouafaó d* dua Oura. Mais hum í orno de Arvore» dt Coiia- 
„ ao d» Família* ^irncuí<rei m. 1. „ 

VifrCi+iií. Bcunior ue Andrade Leitaó : J3 Faleceo a 1 2 de Mayo 
„de 1712.,, 

Pag. CLXIL Manoel de Soufa Moreira: „ Filho deFrancifco Mo- 
} , reira de Oouia , c Je D. Mana de Atitas. „ 

Pag.CLXLV« L na parte, que pertence à Militar, e Civil; fe emen- 
de : ,, Que pertence a Hn-niucidra Minur. „ 

Pag. CLXV'1. Cjoltaõ juieph da Camcra Coutinho , Senhor das Ilhas 
Dclertas : „ Faiecco a t $ uc Acoito Je 170.» 

Pa ó . iXXVll. Dom jjicpn de Soufa de Caftellobranco , &c. naf- 
ceo em 1 de Novembro je 165. : „ Naiceo a 2 de Novembro de 1654 , e 
„UieceoaZo ác Juluo Je ( 740 ; h»via nalcido n« Cidade de Leiria, e fido 
„ Concho da 4 uciu CitncJral , Promotor da Inquiííçaó de Lisboa. Jaz no 
., Convento jos Cartuxos de uaveir s junto de Lisboa naCapella, que tinha 
„ .nauJalo e jiiicir para lua lepultura. „ 

Pag.CLXXU. BerrurJO Pimenta do Avelar: „ Bernardo Pimenta 
„do Avelar Porcocarreiro , natural da VilU de tbrantes, nalceo <;m Agolto 
„do anoo de 1670, hz Cipiuó mor da dm Villa , filho de Gonçalo Pi- 
„m:T(a do A. ciar, Cavalleiro da Orlem de S. Bento de Aviz , e Sargento 
„môr da Villa de Abranc:s, edefua mulher D.Maria Corrêa daSylva l J or- 
„tocarrciro. Eicrcveo três volumes com o titulo: Mappas dos Fidalgos da 
,yCaJa Rtal, que eltaó nos bor adore? , e contém toio< os Fidalgos aaCa- 
„ la ucal , excepto os di lnd>a. Hum Tratado dos lóros da Cafa R^ I , de 
„que tenho to^ ia. Hum Catalogo de tori(>s o* Fidílgos , que le filharão 
„ deídí- oanno ce \f>\~> ate ode 1724. Vinte voam<s de famílias , a que 
,. accrelcenr > 1 al^um^ Famílias de no^o, e ajuntou a outras diveríes ramos 
„defconheci lo», que faluvaó , ( tu. Io íeconferva em feu poder. „ 

Pa^. CcXXIIi. ) Bacharel Frãncifco Xavier da Serra Cresbcck: 
,>Faleceo a 2T \t Miyo de 1756, havendo nafeido a IO de Outubro de 

Tom.ViU. H »i»67?. 



I o advertências , 



„ i(Í7V Efcreveo Abecedario Genealógico das Fatnilids illuflres de Portu- 
gal em vinte Tomos pelas letra* do A ti C, oqu: havia principiado cn.do- 
2c Tomos, mas depois fel hum lup t lemento de oito, ncita Obra naõ itf- 
ponde igualmente ao titulo, porque nella fe comprenendem muitas Famílias, 
que naõ laó illuftres , e vay grande diferença de numa Familia nobre a nu- 
ma illultre , trro, que vemosmuy feguido , porque muitos cícrcvem o que 
naó fó naó fabem , ma« naó entendem , de que nafam muitas dehgualua- 
des faffidioías , e tal vez nocivas: efcreveo mais dous Tomos de Arv ores de 
Cofiados , que tudo conferva feu filho o Bacharel Francifco jofcph da Ser- 
ra Craesbeck , Corregedor de Tavira. 

Na dita pag. Jacintho Leitaó Manco , natural da Villa da Certáa: 
„Nafceo a 16 de Agoilo de 1690, filho de Manoel Vicente de Lima , e 
,,delfabel Manca Moutinha , pefíoas principaes , e Nobres da dita Villa: tem 
„cfcrito tm três volumes a Obra referida da Villa da Certáa ; alem diffo em 
„ trinta v< lumes as Famílias do Reyno. „ 

Pag. CLXXVl. Fr. Jeronymo da Encarnação : „ Principia o íeu li- 
„vro com os Pereiras, deduzindo tila Familia dos Lcngol ardos , e princi- 
7 ; ptando na Fundação de Roma, a fegue até o Império dos Godos. ,, 

Pig.CLXXXUI. Triftaó Guedes de Queiroz , Commenriador de S. 
Miguel de Allafegaes: „ de Mefajanes, e Alcaide mor de Valença , ralecto 
„ a 2 5 de Abril de 1696, jaz em S. Domingos de Lisboa. „ 

Pag.CLXXXLV. Foy impreffa noanno de „He noanno 

„de ifSgH. „ 

Pag.CLXXXVlI. Manoel de Oliveira , Pricr deS.Chriftovaó: „Vi- 
,,via noanno de 1589 „ 

Pag. CG II. No Morteiro de Pomfriro , &c. a que chamavaó Ga- 
lile. A elta taó celebrada fabrica, de que fe í?.be taó pouco, eccrelcentare- 
mos a^ora o que refere o grande Inveftigador d?s mais recônditas antigui- 
dades Gáfpar Alvares de Loulada Machado na /lluflraçaô da Cajá deSoti- 
fa , tratando de D. Gomes Echiguez , sonde no §. I ? diz . que conforme as 
Efcrituras antigas , o Mofteiro de Pombeiro foy fundado pelos Senhores da 
Cda deSoufa, (o que me parece naõ ter duvida) e que no arco da Galile 
fobre a porta principal, que em feu tempo fe desfizera , reduzindo fc ao mo- 
derno , vira elle as Armas dosSoufasnoalto do arco com as Quinas, e Lua», 
e defeendo por hum , e outro lado, fe viaó vários Rtazoens, c Armas tm 
Efcud?res, ns dos Albuquermes , Flores de Liz , Baftoens , H?rras de Ara- 
gão , Roellas, Efquaques, Caldeiras , Águias , Leoens, eEtlrellas, com ou- 
tras conhecidas na Armaria deite Reyno , e fuppoem ferem de Fidalgos , 
que fe alliaraó comosSoufas por cafamenrns , e d<» Bem feitores do Moffeiro. 
No mcfmo livro no §. 8. quando trata de Mem Vieeas , Senhor defta Cafa , 
refere, que vira no edifício da Galile algumas fepulturas encolhidas às pa_- 
redes, f>m letreiros , com eípadas largas efulpidas nellas , que moftravaõ 
fer de Caválleiros Armados nagu-.rra, por fer taõ efhmaJa naquelh* tempo 
a Cavallaria , querendo fieaíTem as infignias em memoria, fem nenhuns le- 
treiros, nem tiogios aos vindouros, Era a Galde , como fiei dito, huma 
íórma le Domo , diqud o rnefmo Loufadi refere ficir â entrada principal 
da Igreja, como pórtico levantado, com alguma ddnonílraçao, doqu- íe 



e Adikçoes. 1 1 

iè, eftava em Jerufalem no Templo deSalamaó, eque efta obra era de taõ 
eltranha figura, que a curiolidauc o fizera deier às vezes , e que naquella Ca- 
ía eftivera, e notara eíte letreiro: Era millejima trecente\\ma nona Jaclajuit 
Gatile , mandante D mino Roderico Abbate , que he anno de Clinlto cie 1271. 
As pedras deita tao eltimavel obra le empregarão na Ubrica das Torres dos 
Gr.os , que de novo le levantarão , que íuppolto atermofeaó toda a outra 
machina antiga do Moftciro, naõ pôde deixar de caufar fentimento o ver, 
que ieperdellem huns uó excedentes monumentos da antiguidade , que ain» 
da delpedaçados, eraó eftimaveis. 

Naó ló em Pombeiro houve femelhante fabrica deGalile, mas em 
outras partes do nofTo Keyno, c de todo le extinguirão, cujos veftigios fc 
achavaó em alguns Mofteiros antigos di Província do Minho. O Douto 
Lou.aJa na l\bt\\racaâ da Cafa de Sou/4 no §. }2 quando trata de Mem 
Viegas «íiirma , que algumas le conlert/avaó , como eraó as dos Mofteiros 
de Mancdlos, de Oliveira , de Cer«del!o , e a de Soaro , dizendo: A qual 
he de abobe da forte , com huma grande grojjura , com feu letniro do tempo, 
em que /e acabara ; fuecederaõ Cmjett lugar os Alpendres , que também ain» 
da {( vem em alguns Mojturos , e Templos antigos na mejma Tio-uncia de 
Entre Douro , e Alinho. 

Ao meimo Ajp rato ajuntamos agora mais o figuin'e numero de 
Authores , que tocaó aj tltudo Genealógico, que le a vida le naó acibar, 
muito cedo podercy formar huma Bibhothtca Genealógica , e Heráldica 
Critica, para melhor inltruir aos curiolos , aquém com boa vontade com» 
mumeamos , o que temos alcançado. 

Copia da Lifta das Comedorias de Grijó , que eftá no Tcmbo, 
que rrandou fittr tikvey D.Pedro, com efte titulo: E(les faô osnaturaes 
Fidalgos , que hora o Monteiro ha, que hora faô -vi-uos (corra entaò a lira 
de '40;, que hearmo deU.rlto 1 }f>5.) Primeiramente os Ricos- Homens, 
o Conde Joanne A finfo , e três filhos feus , e D. Ma r ia Telles , que he ca» 
faJi tOM Ali/aro Dias. Louzaja , que raz menção deite livro , quando 
ralla de Álvaro Dias de Soula no §. 4. no fim , e §. 5. um para fi , que efte 
luro ukíuc uiJa a NjbreZi , que havia no Keyno cm tempo dtlKey Dom 
Pedro I. c que n«ó encontrara .nos Cartórios , e Archi os de tedo elle cou- 
ía mais efti navel , do que efta. 

fc ra iito huma Lifta das Comedorias , que tinhaó osnaturaes , e Pa- 
droeiros do Mjíteiro de Gri)ó cada anno , defeendemes daquell.s primei- 
ros , que o Ijii ,ar«»ó , e dotarão ; eftá fituado efte M >fte;ro à vifta daeftra» 
da Kcal-, que vay da Cidaoc ao Porto para a de Coimbra. 

Ncfta Lifta le nonata: Em primeiro lugar os Ricos- H 'ornem , nofe» 
gunlo os Infai^Ões; depois Ca-valleiros , e Efcudeins dejangue , e Unias, 
emqi<e eraó asctafjes, p la qual ifta-va dijlinãa naqnelles tempos, e dixtdi- 
da a N,bre\a doReyno. Foy elU diligencia reita por mandado dclKey D. 
Pedro; ir- a tcnno vilro algumas copias, e eu conlervo huma da letra de 
Manoel ^1 ares Pedroia, porém me parece diminuta, fenaó he extraclo. 

Aos Genealógicos, de que fizemos mençaó no Apparato , alTociare- 
mos agora eftes , de que tivemos depois noticia, íem mais ordem, do que 
aquclla , com q-ie nos leoibraraót 

Tom. Vi li. B ti Duarte 



4 



I 2 advertências 5 

Duarte Ga'vaó , Fidalgo da Cafa delRey D. Affonfo V.dofeu Con- 
felho, e (eu Secretario , e como tal fizemos mençíó ctiic no Livro IV. La- 
pitulol. pag. 58 do Timo 111. Lom António ae Lima diz o tora de.Rey 
D. Joaóll. e Chronifti mor do Keyno , lu^ar , im ijue lucctdeo a Fernão 
Lopes, e pelo ku calamen:o Alcaide mor de Leiria , que tile venceo ao 
Marquez de Villa-Re.il ; oceupou diveríos empregos politiccs, que exerceo 
com fatisfaçaò, e ultimamente no tempo delRey D. Manoel foy mandado 
por Embaixador à Eihiopia; raiecco antes de chegar ao rim da lua mitaó na 
Ilha deC-maraó a 9 de Ju'ho de 1517? e deixando ?sChronicas } que ef« 
creveo , que n^ó penencem a efta memoria , a faremos lón ente , c'o que 
refere Manoel de Faria e Soufa na memoria dos livros, papeis impreíTos, e 
manuferiros n. 6g , que anda no primriro Tomo da Afia Portugue\a : Du- 
arte Gal-vaõ em hum Tomo^ que efcnbio defle próprio argumento ( ta lia de 
Famílias ) à imitado» dei Conde D. Pedro , empenando de los fteys , y tam- 
bien anda %>iciado; elh he a noticia , que tenho JOi (cus eltuJos Genealógi- 
cos , efuppollo laó innumeraveis os Nobiliaros antigos, que temos viíto» 
poderá fer oencontraftemos fem o conhecer, fenlo acaufa, porque he ra- 
ro o Nobiliário, em que fe veji o nome de feu Author. 

Dom Síthó de Cdtro, Senhor deRcriz, fez huma apologia pelos 
Crftros, que uíaó das trez; Roeras, de cuja linha elle era ; deli* Uz men- 
ção o Marquez deCollares noT^niolV. de Famílias. 

ODtfembar^ador Chrifto^só Soares de Abreu, natural de Ponte de 
Lima , Cavalleiro da Ordem de Chrift j , foy Vereador do Senado da Ca- 
mera de Lisboa, e o era no ^nno de 1666 na occafiaó da entrada publica, 
nelfa Cidade, da Rainh» D. Maria Fr^ncifca Ifabel deSaboya : faleceo a 4 
de Julho de 16^4, Devia fer dado à Genealogia , porque nos livros franu- 
frritos, que fecon r ervaõ na d fa de Redondo , vi hum, que diz: Nobiliá- 
rio deCbri(iox'a5 Siares de Abreu. 

Lniz Corre 4 , filho de Fraocifco Corrêa , Senhor de P>?l'as , e de D. 
Anna dn Svlva , Doutor em ambos os Direitos rela Univerfidade de Coim- 
bra , Ahha^e de Lordello no Bifpado do Porto , Àbbade deCumieira , e The- 
foirciro môr de Valenrp no Ar^lvfpi \o He Hra?a , compoz no principio do 
feculo decimo fctimo hum Nobiliário das Famílias Portn?.ue?/ts , oqu?l re- 
partio em fere volumes de folha , de que o rr míiro contém os Títulos de 
Famílias , cujos AppeIJidos princiríaõ pelas Wras A, e R: o fegundo peh 
doC: orerero pelas ck»D» F,G, I: o quarto L, M: o otvnto relas < ] o 
N , O , P , Q , R : o fex r o «-omprehende a letra S : e o íe'imo T,eV,ea 
0>fa Real. Contém rife* fece volumes cemo e feíT.mta Tirulní? Genealógicos , 
muito bem feitnj , porque alem Ho Author (er muito erndro , os fez mais 
cíttmaveis as Addicçóes de fea irmaó, remo logo Hiremrs. 

Anron : o forre*. Senhor de Pellas, e da Ilha da Pnn Viff a , Alcai- 
de môr de Viila-Frfcnca deXira, irrmó de Luiz Corrêa, fe? ArJmrfFmas , e 
importantes yíddiccôes ans referidos litros , de que o primeiro T^rro ron- 
ferva o Padre Fr. Marcelliano da /Mcer-fan , Mone,e Beneditino, Fxamina- 
dor dasTrí* Ordens Militares, e Dom Abhade doMofteiro de S. Pento da 
Vi''a de Santarém j a quem devemos o beneficio dealgnm» memorias para 
cfte Supplcmcnto. Dod;:o livro coníta tudo o que iica rtfcridoí e ovio, 

CCOIQ 



e Aâdicçcts. 1 3 



e cem a fua muita curiofidade o examinou o Beneficiado Jofeph Caetano cie 
Almeida , qu: me participou cita noticia. 

01'aciie joaó Alvaic* , Abbadc de Ermtriz , muito applicedo àHif- £ 
toria Portugueza , em que fez largos ^rogrcflos , coitiloz hum Ntbiúario 
PvUugue^ , divicido im cinco \oumcs de folha, que he muito tltimado 
na frovincia tic Minho , ..oiicic o r.utl.or florteeo , e le coníervaó em Braga 
na Biblioihcca Uc Gabriel de Arauj >, Senhor de Lobios , osOriginaes defta 
Obra. hfereveo m*i> : Aobiliarw de algumas fan Mas Cajhlbatias em hum 
vo ume i^e tolha. Gutro: 1 1 atado tíéi sumas das J-amittas de Portugal) e 
Cajttia , e <ie algumas dt Jtana. ÍSaiuo oAbtaoe Joaó Alvares nosarre» 
bai-.es da Cidade ue lira^a no anuo de i6i2 , e findo infigne profeflor da 
HífGna, ^ lieaealo&u, ;e tez memorável pela abrazada caridade, com que 
remediava a pobr-za , cm qut gaitou a mayor parte da lua fazenda , que era 
muita, Faletco petos «r.nos ce \joo. 

Bci.to l>-rbola de brito , natural da Augufta Cidade de Braga, efi- ^ 
lho de MUnocJ Barbo a , e de jeronyma de Brito, naíceo a 22 de Março de 
i6of> , c tuy idun^ado na bre^uefia de S. Vidtor a 2 5 do referido mez. 
Foy rresb^tero donabiro de S. l J e iro , e faleceo cm l de junho de \J\9* 
Deld- tenro» annos i~ applicou com grande golto ao eftudo Genealógico, 
cm que tompoz: Ardores de Cofiados , corroboradas comprovas, dous vo- 
lume> im tolha m. í. Jlluttra^tes , e /iddic^ões ao Nobiliário do slbbade de 
Erwerix.) proximam.nrc retendo , corroborando os primeiros quatro volu- 
me? com prooas , pondo em limpo o quinto , que acerefeentou muito , e 
lhe fez o 1 n d v. _ 

\ 'rio Pinto de Sá , natural da Cidade deBra^a, nafceoem l 2 de q 
De2embro de lo"5íl , filho do Licenciado Manoel Ribeiro Pinto, ede Jero- 
nyma de Araújo e Sá. Eitre a» muitas Obras, que tem compofto , lhe de- 
ve a Gen« logia efpecial ípplicaçaõ , por cu|o motivo efereveo: Nobiliário 
('as Famílias Eracta'e*Ta . ilhtfírado com pro-vas , foi. dous volumes m. f. 

í?io. o da Rocha de Ptffoi , nafceo em Caminha da Província do Mi» jr 

nho, filho de Martinho 'a Rocha , ede Aldonça de Antas de PalTos , fo , ', r ] l ~ 

o da Ca/a RH , e Caw llciro da Orlem de Chrifto. PafTou f-TÍ*^! 

aon 'e fervin fce limos i fni eufta , fendo Mem de Sá Go- rniU 

qu lies Efta losí - »n lo Bftaoo He Sá ronqiiftar o Rio dej*^"?' °„r~ 
1 n. 1 - , 1 d 1 ,~„j j 1 -- a conhecer o lea 

par' n.i r\(\* '■x;e 1 'Ciol^o U '<ocha, aonde dçxi b* .~ , 1. >_ 
1 1 1 1 i ir t, r inte«. Os trabalhos da 

vslor , c^-ni h .- '-.. o ''e valfro f n<; , e nohres afrer>- vnic -' . . - ^ „„ 
_ ' , ,. . , • r , 1 -mor. ave tinha a Crença- 

Oinranha ' v er?o r rturb?r--. q ranoíiHade , « amor, que 

tegia , eaíílm efcreW: Séãtcm.» H*ro irritado: W™*™'*' 10 ' 
Vaç* ■. ■ ben, rvc amiauamemt fe lla»>arov Patros , J dovk t n en f 
C*fa , v Solar , v £• ladeftwè porelfuelo Pedro AH ar es àejcmniayar, 
cLe >e C<Jáa\rifcoJe deTuy , Setar deUCoU.y Solar dt Sotto- 
trayor T alunos rchoi deCavalltrcs dfCaHm.y elprwmta, ^e ay pa- 
ra tiaryfomoi Caliegos, y m nos tntenimou Seo Aurhor o L'cenc.ado 
Joac ••') amro, qu, deícou e'>a Obra ao Cardeal Qu.roga, Ar bifpo 
de ToWo* emBarceto a a < de Setembro de. ^7. As refegas AJd.çoes 
fnrmavaõ Vn volume d< folha m.f. encadernado, comltcenças da lqqui- 
£ ac pari i.n x -rimir;e , j afiadas em Lisboa a 17 de Setembro de 1602 em 



j± Advertências , 

obfervancia da Cenfura de Fr. Manoel Coelho , feira em 14 do dito mez, e 
anno. 

J Q Jorge de Soufa Barreto, como de Author Genealógico, equecom- 

puzera hu 11 Titulo da F 'anula dos £\as bem trabiinado, raz ddle rrienç õ 
hum Nobiliário , que na lua excellentC Livnna tinha o hm menti filmo Car- 
deal Pereira , que vio oBvnchciado Joic-L>h Caetano de Almeida , que me 
deu elta noticia. 

j J Diogo de Paiva de Andrade, Commendador da Ordem de[Chrif- 

to , e hum djsfamolos proíeílores das beila» letras do leu tempo, viveo na 
Villa de rtlmaja , havendo calado com D. Mana de Sequeira; era filho de 
Francilco de Andrade, Commendador de S. Payo deTrogoens na Ordem 
deChnito, Cfironitta mor do Reyno, cGua.da mor da Torre do Tombo, 
c defua mulher Dona Elena da Coita, (viuva de D. Joaó de Eça ) e naó 
Violante da Coita , como diz o Abbade Uiogo Barbola na Libliotl.eca Lu~ 
Jitana , equivocando le com íua may ; porque loy Hlha de Salvador Corrêa 
de Menezes, e de D. V T iolante da Culta. Entre as Obras , que eArevto, e 
fe reterem na dita Bibliotheca , que naó laó do nofío aflumpto , t.creveo 
mais com particu ares noticias : Família dos E^tts , ue que r«z mençaó o ai- 
legado Nobiliário. 

T J D. Galtaó Coutinho , Commendador de Vaqueiros na Ordem de 

Chrifto , rilho quarto úcD. Gonçalo Coutinho, legundo Conde de Marial- 
va , e da Condella D. Brites de Mtllo. Sérvio cm África huma Commenda 
comgrar.de valor, trabalho, e merecimento , e le achou na ult ma guerra, 
que EIRey D. Afronfo V. teve iom Caliella, e retirando-le para a Corte, 
relia continuou afevir a EiRey D. Joaó II. 1'crcauía de 1 ur.s devoltos, 
que teve com outro grande bidal^o, le retirou paraGranaJa, em cujas uutr- 
ras militou cem grande esforço, e triunfou com ajmiravcl fortuna, fazen- 
do-fe por citas virtudes mny eítimaco dos Reys Catholicos, e mais Gene» 
raes , e foy companheiro de Dom Francifco de Almeida, aodepois primeiro 
Vice-Rey dalnd a, e deD.Cionçalo Fernandes deCordova , conhecido uni- 
v -íalmente pela antonomaiia de Gran Capitan. Foy muito pequeno de 
w, mas esforçado Cavalieiro , engraçado, muio genti -homem , e eu- 
v-n u o , ^ t, , mjttrou em muitos papeis, que compoz fobre di ver los af- 
lumpros. U^ys Catholicos D. Fernando, e D. lubel o calarão com D. 
io.Ja ^*«J«*», à>lfna da Rainha f Hlha de Gafpar Centelhai, Conde de 
yitva , ^anJolhe treze„,, s mil marave dis de tença de leu dote, pagos nos 
direitos das ledas doPeyno J e Murcia , de que le celebrou Eícritura de Pa- 
drão. iJepois de padecer icrrwew achaques naspern-s, de que elteve entre- 
vado baUantesam.os, raleceo muito velho, deixando iliultre denend.-. ca. 
L/>rnpoz: ti 1 (tona Genealógica defenta em £/»«'« dosmmes , e nafchnewos 
dejcfts imaos doscafamauos dclles , e dos filhos , qne w.haõ tido, m. I. 
3 j 1 j \ comiriUJU leu bdneto Dom Gonçalo Coutinho , Com- 

mendador de v íqueiros, efucceflbr da lua Cala, que depois de haver fer- 
vido em A fr. ca na Praça de Arzilla no anno de i f7 ô*, foy Governador, e 

h?'"? r,Í* n i ral J d f„ I ' MÇa dl M"^» « do Revno do Algarve , c do Con- 
feho de Fitado deJRey D. Filippe IV. faleceo no anno de ,6 ; o , havendo 
lido caiado com D. Maria de Oliveira, filha do Doutor Manoel de Olivei- 



ra 



c Aâdicçoes. i 5 



r 4 



ra , Pf fembargador do Tsço , c Juiz da Fazenda delRey Dom Sibafrkô , a 
qual talcceo a 2 \ de Abril de 104^ , c naó tiveríô luccefl.ó, acabando-íe 
nellc tila illurtniluna linha de G. 1 unhos. A referida Obra intitulou leu 
Author: Relato da defccndtncié de Dom Gonçalo Coutinho, (âgttndo Caule 
de Mariali a , a que hèjte Keyno chamarão o Ramiro, r.a q«al fo Je traía dos 
filhos vároem, que teve, eaasj.eiji.asy que dejtes dejcinãiraõ até o prvjtn- 
te armo de 1607. 

Ainda que no referido titulo fe diz , que trata fomente dos filhos 
varoem , he porque dtft.es trata individualmente í^s fuás acções; edashihas 
nascidas dclleS) e netas do duo Conde D.Gonçalo Coutinho, iômente apon- 
ta os pays , de que naiecr^õ , os matrimónios , que celebrarão > e a defeen- 
dencia , que tivcr^ó. Etia Obra ie inclue com a já apontada de D. Gaftaó 
Couunho em hum Notiliario , que contém alguns títulos de Famílias, o 
qual ie guarda na Livraria dos Monges beneditinos do Mofteiro de Lii- 
boa. 

Virente Rodrigues, eftreveo hum titulo de Pinheiros no anno de 
1609 , e cita em hum livro de Famílias da Cafa de Redondo. 

Entre os livros, que deixou o Marquez de Collares , etílaó na Ca- J C 
{3 de Redondo , fltá hum papel Original na letra de (eu Author, ediz: O 
Padre jOaõ Ribeiro, d/t Companhia de Jefu , defeerdente de Egas Mon\\ 
Barreto, o primeiro de fia Família, que pajjou ao E rali i , filho deFajco Mo- 

Fr. Franciíco de Monte Alverne da Família de Barros, o qual fen- J q 
do Inquifidor pafliiu a profeíTir a Regra de í>. Francifco , vivendo na Reli- 
gião em grande obfcrvancia. Fez hum Tratado da Njbre^a de Portugal 
m. f. 

Fr. Banholomeu de Azevedo, da Ordem dos Fremitas de Santo I ^7 
Agoftinho, natural de Evca , filho de António Rodrigues de Azevedo , e * 

de D. Antónia Pereira de Bnto , que dizia fer da Família dosAzcvedos; fa- 
Kceo cm Lisboa a 6 deAgofto de 1640, Delle he o livro de Famílias, que 
íeconferva na Cala do Marquez de Anpeja , eferito por ordem Alfabética. 
A fepunda Farte em foL que heoque tem o Marquez com hum Flcudo das 
Armas, qu* parere lhe perrenciaó, principia na letra F com o titulo fe^uiri- 
te : Litro das Gerações . qut foy trasladado fiilme?:te dolit>ro, que o Ir. jan- 
te Dcm L>iz, mandou fazer ao Chronifta Damiaõ de Coes, e/lá na Torre do 
Tombo, Archito Real de fie Rejno de Portugal. 

„ Kffe livro fe copiou por huns cadernos , que fe efereveraó fem 
„ l<cença, de quem entaó tinha aguarda da dita Torre, a pedaços , e às fur- 
,, tadas. Vaó eftas gfaçóes fem guardar antiguidade , e ordem delias , 
j, tudo o que nelle eflá, aqui feacha copiado irteiramente. 

„ \Pc livro dizem , que já hr ie naó eflá na dita Torre, eque he 
„ defapparecido per certos refprtos particulares, e trata Icmette das eera- 
„ çets donde acatou o Conde D. Fedro o feu livro , que na mefma 7 orre 
., tliá, e Ie guarda. O Fadre Fr. Partholomeu de Azevedo accrefctntcu 
sfíim no primeiro Tomo, como ntfe fecundo, e terceiro. „ 

D:fte Titulo parece Ie tira fer o referido livro copia do Nobiliário 
de Damião de Góes, o que naó he fem duvida alguma; porque traz mui- 
tos 



1 6 Ãivertencias 5 



tos títulos deFamilias, que oChror ifta nofeu Nobiliário naõ efereveo ; al- 
gumas lumihas faó tiradas de Gocj. Sem embargo dilto naó he Obra de 
ettimaçaó , porque comem diverios trios, naicidos de pouca averiguarão, 
emcnoj noticia uefte eltudo, p*ra o que te requer rccX« nurr.Çjó , que um» 
bem na tal Obra le naó conhece , ma» muita vaidade úi lua aiccndencfá* 
Delle faz mençaó o Abbade de Sever Diogo baibota Machado no 1. Tomo 
da bibliotheca Lujitana , e tratando de outras ObiaS fuás , naó teve noticia 
delta. 

- O Jeronymo Ximenes de Aragaó, que fuecedeo no Morgado, e Pa- 

A droado doCollcgio de S. Patrício , que mitituio leu irmão Roongo Xime- 
nes, eraò filhos deThomás Ximenes de Aragoó , edeD. ihtrcla ue Eivas, 
elereveo hum Lix/ro de famílias , mas° dclle naõ temos outra noticia mais, 
que achar allegaao o Nobiliário de Jeronymo Ximenes. 

_. ^ O Bacharel ChrkhKaó Kodngues Alinhei ro , natural, e morador 

y na Cidade de Évora, onôe roy Prior de huma Igreja. N« Chronica , que 
efereveo do2 Reys de Portugal, que acaba em ElRey Dom Jo«.ó 111. nella 
diz, que acabará elta recopilaçaó em Mayo de «535 , no qual *nno deixa 
a Vida do dito Rey. No principio diz alfim : Original , e Lna- S aô de Por- 
tugal , Prologo, aqui trata da Genealogia , e origem uuCon^e D. rlcnnque, 
e leguindo huma Cnronica do Cartório de Coimbra , o faz rilho de hum Rey 
de Hungria , que quer feja Santo Eltsvaó ; porecn da Rainha Dona Therefa 
trata com mayor fundamento , (eguindo fer legitima , e o pro*/a com a 
Chronica antiga deCaftelIa, (que entendo íer a mefma , que refere o Mef- 
tre André de Kefende ) ecom outra Chroni.a deGalliza. Ci ían do tio I. To- 
mo da Hifioria Genealógica daCafa Real tratey da Rainha Dom Therela , 
naó fiz mençaó deite Author , cujo Prologo era digno de l'e ajuntar com 
os Documenros , que refiro no I. Tom ) das Provas , por naó ter vifto efte 
livro (enaó muito depois de o ter imprefíb, e oconferva o Padre D. Joíeph 
Barbofa na lua admirável Collecçaó da Hiftoria Ponugucza ; delle ja faz 
mençaó no primeiro Tomo da Bibliotheca Lujitana feu irmaó oAbbade Dio- 
go Barbofa Machado. 

^ Q António de Almeida de Cafteliobranco , natural do Lugar de Lou- 

riçal, filho de Simaõ Vaz de Cafteliobranco, e de lgnez Tavares lua mu- 
lher, Fiial^o da Gifa Real, falcceo em Janeiro do anno de t6\o, Voy 
bem infiruido nasiítras humanas, emuy verfado nas aniguidades, para o 
que trabalhou muito, frequentando a Torre do Tombo no tempo , em que 
era Efcrivaõ Pedro de Mariz, de donde tirou muitos Documentos , e prin- 
cipalmente os que pertenciaó à fua Cifa ; deixou eleritas as Obra»; feguin- 
tes: Abbrex>iada Reitçaõ de todos os Reys de Portugal , c de/eus filhos legí- 
timos , e baftardos, e das Rainhas fuás mulheres, e de fuat Progénies, Pá- 
trias , e das confas nota-veis , que em futs vidas acontecerão. O jtra : Prin- 
cipio de algumas Gerações Illuíhes de Portugueses , tiradas a^tes da -vinda 
do Conde D. Henrique a Portugal , e outras depois de haver Reys nefie Rey- 
no. Outra: Principio le rolos os Títulos de D<o</es, Aíarqueies , e Con- 
des , A' mira ites , Condejiables , Adiantados , Officios mores da Cafa dos Reys 
de Por tu pai. 

2 j Amaro Vafques de Cafteliobranco H:nriqu:s , nafceo no referido 

lugar 



c Adlicçocs. 1 7 



lugar doLouriça] ap de Novembro de 1667, filho de António de Almei- 
da de Caltellobranco , de quem achamos de tazer menção, e de lua mulher 
L). Mana Antunia Peiíoa : loy Fidalgo da Caía de Sua Magefiadc , e Caval- 
leiro da Ordem de Chnlto, Lieceo a 16 de Agolto de 1 7 1 $ i era muy inf- 
truido nas leiras humanas, eefereveo hum livro com elL* titulo: Jardim de 
Ceres , cultivado por Amaro Cajqms , Projefjo na Ordem de Ckrijto , nata» 
ral da f tila do Louricti , e debuxado em dons Quadros , oprimttro para or» 
vaio dajna Laja , e o Jegnndo para utilidade. i\o primeiro Qu^oro con- 
tem íiuim ltrit tJtJiltua aicendcnieSj deou^indo alua varonia deldcPelayo 
/.mado (que diz ler leu duodeumo a\ôj em tempo do Conde D. Henri- 
que. ÍSole^urdo comr/rehende a noticia dos vínculos, pr-ZOs , e fazendas 
livres da lua Cata, ox.jo.es orlcrece a uus delcenutntes. 

António do Couto de Caltellobranco , Fidalgo da Cafa Real, Alçai- 2. 2, 
de môr de òanuago deCa-un, Lommendador na Ordem de ChnLto, Ge- 
neral de batalha uosExercuoD de Sua Mageftade : nakeo em Liaboa a 8 de 
Outubro de 166 y y hino ue Luu do l^outo Fclix , Fidalgo da Cala Real, 
Guarda mór da 1 orre do lombo j Varão eruditiiíimo, e hum dosmayo» 
res , que conheceo o nolta tcmj.o, am quem nve grande traio, e de D. 
pauia Joleia de Caueilobrnneo : lei vio com grande valor , e preíiimo na 
guerra , c compor uivtrías Ucras , de que íaz mtnçaó o Abbade Diogo 
turbou Maih-co na Mibíiuthíca Lu\\tana Tom. I. AsGtntak.gicas iaó as 
íeguintes: 1 ratado aa família a*, C unto. famílias do Reyno de Pottugal 
porordtm aljabuica , oito 1 otius. Famílias dos Rejs de Em opa, e dos Tí- 
tulos de Portugal , barbais , eOjjicios aa Laja Real , ondons 1 omos ; enten- 
do, ijue uó ArvOics de Cuiiaujs. O/ibòade Uio^o Barbola JVia«.hadona 
lua òibliotbeca Lu\itana Kz iaiga mer.ç^ó lua. 

joaode Brito bo.ciho, natuiai da Cidade de Évora, Fidalgo d.'. Ca- £ y 
{3. Real, toy Eltribeiro doòcurur L.Juieph, Arctbilpo de Braga, fiiho de '" ^ 
Luiz Lobo oa Gama , e ce L). Margarida de Brito , tem junto com grande 
indagação, e trabalho dos Cartórios públicos da Província de Alentejo, de 
que as extrahio, muitas noticias Genealógicas das Famílias , que pertencem 
a Évora , Olivença, e outras terras dameíma Província. 

Manoel da Coita Zuzarte de brito, nafceo na Cidade de Portale- 1 A 
gr: , Fidalgo da Caía Real , Cavalleiro da Ordem de Chrilto , e Coronel da T 
Cavallaria, eCio/;rnador da dita Cidade, filho de António Vcllez da Coda, 
Governa dor de Portalegre, e de D. Caharina Tavares de Oliveira fua mu- 
lher, lem elcnto, ainda que íem ordem , muitas memorias pertencentes 
ài Famílias de Portalegre , ede ostras terras vifinhas àquella Cidade. 

M>guei Luiz da Sylva de Ataide , nalceo na Cidade de Leiria , Fida!- 2, Ç 
go da Cala Kcal, Guarda môr dosl J inhae» de Leiria , filho de Luiz da Sylva 
de Ataide, Fidalgo da Cafa Kea! , Meftre deCarupo dos Auxiliares daquella 
C«im<rca , c Guarda môr dos Pinhaes , e de D. Joanna Paula de Mello ; a cr.-a- 
ç õ Je Teus primos Ant.nio Wz deG ltcllobr2n'o , edoBilpo do Funchal, 
q'-e o educarão com a ; [ 1 e< ç. 6 , < \t livros , o fizeraõ enirsr na curioíidade de 
faber das FaTiilias do l\e\no, te que he muy ncticiofo , tendo trabalhado 
em extrahir diveríos extradtos d< s livros de fcuí piimos, que com muita ex« 
atçaó adiantou. O Biípj do Funchal lhe deixou a Tua cur.oía Livraria. 
Tom.VHL C Amo- 



1 8 jfdvet temias , 



26 



António de Soufa de Caftellobranco , nafceo a 22 de Setembro de 
17%6í filho Je Fedro deSoula ce Odtellobrínco , Senhor doCju;ird«ò,de 
quem já fizemos mençaó no App-rato iiO t um. 174, e de lua rrulhcr D, 
Élena Mafalda de Catcllobranco lua iobnnha , hlha de António VaZ de 
Caltellobranco , de quem também fizemos mcnçaò'no num. 175 , ieguin- 
do o exemplo de (eu pay , e dus da lua Familu , todos appjicidos , e muito 
ornados de excellente» virrudes , feguo a vida militar, e naó Ic efqaeccnJo 
da liçaó dos livros, fcap t licou com curiofidade a Hid;oria , eàGcn-alogja, 
que legue comexacçaó; porque o leu gemo o leva à verdade , e oincua a 
feguilla a memona da honra, que os Itus por eila confe^uiraó , e que lhe 
deu naó menor luftre, do que a nobreza. 
9 *7 Baithafar de Soufa Colmieiro Telles de Távora , que nafceo na Vil- 

/ Ia de Vinhaes, Província de Traz os Mon es , filbo de Antónia Colmieiro 
de Moraes, Cavalleiro da Ordem deChrifto, e de lua mulher li. Angélica 
de Souia e Távora, he Cavalltiro d* Ordem de Chrifto , Fidalgo da C^fa 
Real, e Capitão de CavaMos na Província de Traz os Montes , tem muita 
noticia dasPamilas daquella Província , de que tem eícrito muito. 

Lourenço Mendes de Vafconcellos , Morgado deFontellas, Fidalgo 
da Cafa Real , filho de Ruy Mendes de Vafconcellos , Senhor do mdrno 
Morgado , defeen lente da Família de Teu appellido, e de fui mulher D. An- 
tónia Barbofa Cabral, efereveo diverfos livros de Famílias, que deixou na 
fua Cafa, onde faieceo na fua Quinta d as Cardoías junto de Verrids a 9 de 
Janeiro de 17^2. 

Fernaó Gomes Cabrera , natural da Villa de Olivença na Província 
de Alentejo , Cavalleiro da Ordem de Chrifto, e filho de Fernando G >mes 
Cabrera, e de D. Catharina Pegada do Rio, efereveo Famílias daquella Vil- 
la , onde vivia nnanno de 1642. 

Maninho Barba Correi Alardo, filho fesunío d? R^y Farba Corrêa 
A'ardo,n. 164, e de fua mulher D. Joanna Manoel deAragaõ, fep,uindo 
o génio de feu pay» eirmaõ, he muv curiofo doelludo Genealógico. 
2 I O Detembargador Pedro de Manz Sarmento , Cavalleiro da Ordem 

•^ de Chrifto, nafceo na Cidade deBragaríça, filho de Manoel de Mariz Sar- 
mento, e de D. Marianna de Lobaó , depois de ter fervido alguns 'ugares 
de letras, éter paíTado à Corre de Madrid no tempo, q^e nella refidio por 
Embaixador Fxtraordinario o Marquez cie Abr.intes , foy Deítml arpa^or 
da Cafa da Suppliraçaõ , e he Ptovedor da Alfandega de Lisboa , edoCon- 
felho da Rainha n. Maria Anna de Auftria , tem eferito Arvores de Coita- 
do, c diverfos Títulos de Famílias. 
2 2 O Padre Manoel Tavares de Soufa f Capellaõ FHalpo da Cafa Real, 

■* nafceo noanno de 1 5X0 na Villa de Aljubarrota , fiiho de António Tavares 
de ^ "-<a . e de T). Maria Pereira. Faieceo roanno de if>47. Efereveo hrrn. 
ffohiliario com diverías Famílias, que me dizem conferva (com alguns Tí- 
tulos menos") feu parente Jofcph Gomes Amado. Efereveo ottro também 
em foi. eílando em Caftelfa , deCtifrs ilhiftres daqrKÍU 7?fy»o, o qual odi- 
tojcfcph Gomes Amado deu ao Padre Fr. Manoel de S. Caetano , fegunda 
vez nefte anno de 1741 Provincial da Província de S. Francifco de Portu- 
ga 

Jofepb 



28 



2$ 



3° 



e Addicçoes. 1 9 



3* 



Jofeph Gomes Amado de Azambuja , natural da Villa de Aljubar- 9 2 
rota, e morador em Coimbra, rilho de Manoel Gomes Vogado de Azam- 3 •* 
buja, e de D. Maria Amada. 1 m eicriio dez grandes volumes de Fand* 
liai, e trabalha em outros de Ari/ores de Cojiados , divididos pelas Provín- 
cias do Reyno. 

Agottmho de Sá Vcloío , natural de Serolico da Beira , filho cio J /t 
Doutor Joleph C-.bral Veloio, c de D. Ciihanna Joanna de Miranda Cou- "* ■ 
tinho j tem eferíto muno, c principalmente das Famílias da Beira , e delis 
retere agrad.-cido Bernardo Pimenta do Avelar, que o (decorrera muito pa- 
ra o leu Aíappa dos Fidalgos pertencentes á dua Província , o que também 
linha teito a outros Genealógicos. 

Atitonio Feyo Cabral de Caílelbbranco , nafceo na Cidade de Lif- 9 Ç 
boa , foy Fidalgo da Cala de Sua Mageilade , G<val!eirc da Ordem de Chrif- ** * 
to , Thcioureiro proprietário da Cala de Ceuta , hino de Luiz da Motta Feyo, 
e de D. Luíza Francílca de Serqueira. Efcrevco treze volume de Famílias 
com muna cunofidade , e cuidado, porque toy prudente, edebello gemo, 
e mtcnç.0, bnoio, chcyo de nonra , e verdade. Faleceo em zó de Dezem- 
bro de i 740. 

Fr. Gil de S. Bento, nafceo na Villa de Bouzella < J a Provinda da 
Beira, filho dcSimaó de Figueiredo Coftellobranco , e de D. Brites leiles. 
Depois de eftudadíis as letras humanas, com grande aproveitamento da íua 
cunoíidade , entrou na Religião BeneditTrina no Mvlteiro deTibae:is em 20 
de Janeiro de 1 f> 1 5 com o nome de Fr. Heitor de S. Bento , que depois mu- 
dou pat-t o de Gil. A Religião agradecida aos laboriolos eftudos, que tinha 
feito nas leiras, aii!m humanas, como Sagradas, ocreou Chronilta da Pro- 
víncia leite Kcyno, e rJeceo cm 1 5 de Novembro de 1664. Entre mui* 
tas Obras , que cnmpoz, lhe deveo a Genealogia particular inclinação, e af- 
fim etereveo: Família de Machados , que da lua própria letra , com outras 
curiofas noticias, teconier»,a cm hum Tomo de quarto m. í. na Livraria do 
Solteiro deS. Bento da Saúde de Lisboa. 

O Padre Joaó de Araújo Coita e Mello, natural da Freguefia de S. 2 *7 
Ríartinho deCralto no Termo oa Barca, filho de António Soares de Araújo, ** ' 
e de lua fegunda mulher Maria de Barros Barbola. A nobreza , que herdou 
de ieus a.-ós, oue taõ das yrincipaes Familias da Província do Minho, a fez 
mns illuítre com o exerc cu das virtudes , em que florece , e com o progref» 
fo dos cltjlos, cm que íamo confumado Pregador, perfeico Ecclefiaftico , 
e grande Genealógico , com muita apphcaçaó das antiguidades hiftoricas do 
nofTo Reyno. He Aborde de Purozdlo , que fia no Coníelho de Entre 
Homem, e Cávado; tem efer to , e vay compondo: Njbihario das Fami~ 
lias Portuguesas , do qual tem já oito volumes de tolha m. 1. e nelles ir ta 
com grande oirrulao hilt >nca das Famílias do Reyno, e de muitos ramos 
* , queleefte icraópelj Reyno de ti llíza; eien.u teriÇàó det-zer hum 
ne i Família de cada lc;ra do A>t abeto , os Títulos , que principiaõ 
peio A , t »• ii'ó dous [*o n >s. 

António de Ma^ãL.aens de Menezes, Moço Fidalgo daC^fa Real, j g 
e Commenií i ir le Ab rites na Ordem de Chritlo, Mettre de Lan;po de 
Auxiliares n- Provinda do .»i.;n,io , òcnnor do Morgado de Moreira, cjui- 
Tom.Viil. Cii to, 



2 o advertências , 



4 



to , Padroeiro dos Mofteiros de S. Bento de Barcellos , e de Santa Clara de 
C minha, falccco a io de Junho de 1754; cicreveo s Títulos das tamiUas 
^ ^ deLardofos , e Banos , que u.ixou rn. 1. e laó nu/ txientuj. boy caiado 
com l). Catharuu de Calvos cMcikz:S, que ve>o a kr lurdeira da Honra , 
Morgado, e Solar de Cardofo , por ler filha oe Luiz Ordolo, Senhor da 
dita Honra deCírdolo, e de lua mulher D. Luiza (\4agdilena Sarme.uo do 
Amaral, Senhora do Morgado do Paço; applicou-fe con grande geoio a 
Hiftoria Genealógica de Heipanha, de^oe tem grande liçó, affi.n ^on- 
poz hum bem trabalhão I* tulo la Fanilia dos Marinhas le Gilliza m. f. 

4Q Fr. Manoel le Vafconcellos, nataral da AugulU Cidade de Braga, 

filho de Santos Men les de Vafconcellos, e de 111 mulher Chnftova de Gou- 
vtfa, foy Religiofo da Ordem le S. Bernardo, e dotado de grandes leiras, 
afllm Ecclefiaíiicas , cotio profmas 'om.x>z com íyncera exacçaó, e dif- 
fufas noticias hum Nobiliário de algumas Famílias Portugue\as , em dom vo- 
lumes de folha m. '. que conierva na Cidade de Braga Daarts M-*ndes de 
Vaiconcellos feu paren r e. 

Fr. Rafael de Jsfuí , nafceo na Villa de Ouimiraens no anno de 
1614, filho de Domingos Gonçalves, e Anna Jeronyma. Tomou o ha- 
buo Bsnedj&ino no Morteiro de S Rer>to da Victroria em t de Mayo de 
irtzo. Foy Predador geral, Ueytor doCollegio da Eftreila , Procurador ge- 
ral na Gd.de do Porto, Dom Abbade do Mofteiro de Rendufe , e de S. 
Bento d? Lisboa: os feus eftudos , eappPcaçaó àHftaria o hàbilitanó va- 
ra fer CbroTda mô- do Rev™, nomeado em li de Nw-mbro de i6"8l, 
efaleceo no Mofteiro leS. B.-nto de Luboi em 2 $ de Dezembro de 1I9]. 
Além das diverfas Obras, que compoz, de que humas correm impreíTãs, e 
outras feconfervan manuferita? , eferveo a V\da^ e acções delRey D. "Joaâ 
IV. com huma Arvore Genealógica da Cafa de Bragança , (-'ous Tomos de 
folha rn. L de que fecoafervaó copias cm poder de alguns curiofos donolTa 
Reyno. 

Fr. Ignac ; o de At-àide, nafreoem i< de Setembro de trí^rna QoirH 
ta de Rarbofa , Freguefia de S. Miguel de Dans , RKpado ào Porto; foraó 
feus pays D. Françifco de Azevedo e Ataíde, e D. Maria de Brito e Noro- 
nha , entrou na Religião Benedi&ina no Mofteiro de Tibaens em 24 de Se- 
tembro de I f> 7 1 , e continuando na Religião a cultivar com grande engenho, 
e feliciflíma memoria 03 <*ftu !os , foy eleita Mtftre , e na Univerfidade de 
Coimbra tomou o grão de Doutor na faculdade deTbeologia, da qual foy 
Lente Condu<3ario , e Jubilado na de Muhemanca da mefma Academia, na 
qual foy reconduzido por Pro/ifaó de 2 2 de Mayo de 172 2. F-deceo na 
Villa das Caldas da Rainha em As-^o de 1^2^. Alem de hum Sermão, 
que fe imprimi"» do OíTb de Santo Thomás de Villa-NJova , corrpo7 : Genei* 
lo"'i doi aCcevdevtcs da Tua Cafa, com atida de feu pay Dom Fraticijco de 
Axeiedo e Ataide , I. Tomo de quarto m.f. 

Jorge de Albuqu-rque, nafceo noEíhdo da índia ; fovC^piraõ de 
Ceilaó , depois paflou a Portugal , e faleceo na Cidade de Lisboa a lf> de 
Mayo de 1640 , jaz no Convento da Trindade de Lisboa , filho de F-nuô 
de Albuquerque , XLIV. dos Governadores da índia , poiio , em que locce- 
dto ao Vice-Rey D. Joaò Coutinho, ConJ: de Redondo , no anno de 1 6 1 9.. 

qus 



4^ 



43 



e Aâàicçoes. 2 1 



44 



que governou até o de 162 2 , como refere Manoel de Faria na jQjid Por- 
tUiueiM, lom. }.Lai. i o. talccco tm boa noanno de 1616 a 14 de Feve- 
icno, c o<- lua mu.tur D. ÍV.a.ia de Mir-nda , n.na de Marcos Rodrigues 
de Azevedu % que ao i\tyno \ aliou a^uelie Fitado, e alguns o hzem n-tural 
deá_i!>boa, c.clja mulher Lona Ignez de Miranda. Caiou Jorge de Albu- 
querque no hltaco da Índia com D. llabcl ceòoula , rilha de Fedro Lopes 
oc òouu , Capuo ue M*laca , c General da Conquilèa de Ceilaó , e di fte ma- 
trimonio n«leco umea U. brius de Albuqueique , que calou com D. Jere- 
ré n.o da ò^Kcna , de M uem lc conkrva illultre deícendencia. Efcreveo : 
L>ijt.nrjús Apologéticos cot.tra bio^o deLefpedes , cita Obra allega Luiz Cor- 
rêa como Gencaiog ca no-tu Nobiliário cm litulo de Henriques, 

Amónio C-r.os ..cCaltiu, naicco em Lisboa emMaiço deióSl , 
Fidalgo da Cala de bua Magtltaue , Commcnda*dor na Ordem de Chrifto, 
Coronel da Cavallaria, com o exercício de Fenente Coronel em hum dos Re- 
gimentos da Corte , de que he leu Coronel o General Marquez de Marialva; 
iervio na gu.rra tom dittinçaó , e lendo CommilTario da Cavallaria da Pro- 
\incia 00 Minho, le achou na batalha de Almança , onde obrou com tanto 
■cardo , i,uc lho n. andou agradecer o General Conde de Atataya a Bayona 
cnà ioy 1 t Goneiro ; h« filho oe Sebaítiióde CaíiroCalda> , Commendador 
naOrdim de Ct- rito, Governador ooKio de Janeiro, e Pernambuco, def- 
ctntnc da lamilia do leu appeNido , e de I). Antónia Thomafia de Miran- 
da , e Variai. Titn e:cnto diverlos livros deFamilias, principalmente das 
da í'r^\n cia do Minho, de donde delcendem os feus progenitores. 

Rodrigo Xavier Pedro de Faria, naíceo na Vilia de Santarém de 4L Ç 
j-rogenioe* de conhecida nobreza , filho da Joaó Pereira de Faria , e de D. ' 
Mana de Varroncellos, he applicado às belías leiras com muita inclinação à 
F.Uona. e Genealogia, de que tem alguns eferitos. s 

OPa : re António Cordeiro , da Companhia de Jefus , nafceo naCi» é^O 
d?de de Angra ra ll^a Terceira noanno de 1641 , filho de Manoel Cordei- 
ro M rutofo, e de D. Mari-a de Ffpinofa. Faleceo a 2 de Fevereiro de 1722. 
tov hum dcxinfKn-s Theologos do leu tempo, e efcreveo diverfas Obras, 
que imj rimir» . e nró rerrencem a efte affumpto , e fomente o livro , que 
tetin 'ou : Htjloria Infuidtut das Ilhas de Portugal , fogeitas no Oceano, 
que im; rimio no anro de 1717 , nella trata de muitas Famílias , mas com 
pejea 'xacraó em a'gumas pirres , porque naõ eftava na Critica, de que 
efte tftudo necefltra, oqu? fuecede a mui r os. 

D. Alexandre de Soiromayor Muitonobre , natural de Villa-Real, «d. J 
Fidalgo daOía Real, filho de Pedro Taveira de Sortorrayor Muitonobre, 
que ferio tfta Coroa fendo Capitão deCavalIos, e de Mar, e Guerra, ede 
fua mulher D. Filippa da Sylva cCaftro, peffoas prinripaes da Província de 
Tr.z os Montei. Eícreveo algumas Familias, efpecialmeDte da fua Provín- 
cia. Q 

Mrnnel de Príro Freire, de que naó tení-o osrra noticia ma:?, q«e «4.0 
1^'gatl deAtholi daFonlcca allegar o livro antigo do duo em o Titulo de 
Cofias, 

]ront de Villasbozs Ca r ado , Ar>?dc de Ar.rorz , de quem fiz ^O 
menção o Licenciado Jcrge Cadofo no Temo III. do Jlgiohgio Lttfirano> *~ 

F". " . 



5o 



5* 



5* 



53 



54 



2 2 jíJvertencias , 

pag. $$£, dizendo fer muy [cientifico nas antiguidades , e gerações; vivia 
no anuo de «639, era irrruo do Doutor Marçal Calado Jaco.ne , Colle- 
gial de S. Pedro , Lente de f rima de Leys na Untveriidade de Coimbra , Def« 
ernbargador do Paço, naturaes de Vianna, tiliios de Joaó Calado Jacome, 
e de lua mulher Maria do Kcgo. 

André do Avellar, inligne Mathematico , que nafceo em Lisboa no 
anno de 1 546 , efcreveo : Aiuore Genealógica da Cafa de Bragança , que 
naó vi, nem tenho mais noticia delta Obra, doqueachalla ciuda pelo in- 
figne Padre D. Manoel Caetano deSoula no Tomo I. das Memorias Hijlo- 
ticas , que ajuntey dosíeus incomparáveis elíudos, e puz na Livraria da Ca- 
ía de Nolla Senhora da Divina Providencia, 

Amaro Moreira C^melio , Cavaileiro da Ordem deChrilto, efere- 
veo hum Tomo da Família de Malcarcnhas, que dividio em qua ro livros , 
com eíte titulo: Memmas da Famlia Mascarenhas , fecunda Progenitora 
de ajjinalados faroens , e generojos Heroes , di vidida em quatro li-vros , os 
quaei dedicou a Senhores da meima Família , que entao í-xiltiaó, o primei- 
ro a Dom Francifco Malcarcnhas, do Conlelho de Eftado , o qual elere* 
veo em Lisboa noanno deiófO; olegundo namelm^ Cidade noanno de 
165 I , que dedicou a D. Joaó JVlaíc*renhas , 11. Conde de S<mia Cruz; O 
terceiro quando eltava em Goa no anno de »o"54, que dedicou a D. Joaó 
Mafcarcnhas , íí. Conde de Palma; o quarto eítando ainda namdma Cida- 
de noanno de 1655, dedicado a D.Jorge Maícarenbas, II. Conde de Se- 
rem. Delta Obra , ( que naõ vimos ) raz mençaó o Abbade D.ogo Bar- 
bofa Machado na Bibliotheca Lujttana. 

Fernaó de Soufa , Senhor de Gouvea , Alcaide mor de M.mte- 
Alegre, Commendador de Sinta Maria de Biade, e de outras na Ordem de 
Chnfto , Vedor da Cala doSerenifíimo D. Theodofio Ií. Duque de tíragan- 
ça, e depois paliando aoferviço daCda Real, foy noanno de 1617 Go- 
vernador, e Capitão General de Angola. Cafou com D. Maria de Caftro, 
filha de D. Simaó de Cattro , Senhor de Reriz. Elcreveo: Nobiliário das 
Famílias de Portugal , em quatro volumes , élcritos a mayor parte da lua 
letra , e com notas de feu filho D. Diogo de Soufa , que foy Deputado da 
Mefa da Conl ciência , do Confdho Geral do Santo Orficio, edoConfelho 
d; Filado delRey D. Affonfo VI. e delftey D. Pedro, fendo Príncipe Re- 
gente , que o fez Arcebifpo de Évora, e falcceo no anno de 1Ó78. Eites 
livros íeconíervaô na Cafa de Redondo. 

Francifco Vieira Pinto, filho de Francifco Pinto da Fonfeca, e de 
fua mulher Jeronyma Pinto da Fonfeca, foy Reytor d; V«longo no Bifpa- 
do de Coimbra junto da Villa , e Ponte ie Vouga , pelo Bilpo D. Joaó de 
Mello; acho-o allegido cm Titulo de Pintos como Gcnc-lo^ico. 

Ayres Falcaó Pereira, de que naó tenho outra noticia, do que re- 
fere e Licenciado Manoel Alvares Pega* , infigne Advogado, no forno lí. 
pag. 702 de Ataioratn , em que fe diz porpp.rtí deAuthores, em a denun- 
cia de humas ta lias: Qrtc o aito Ayres Falcão Pereira fora homem grande 
Chrijiaô de q> > grande Letrado } cuvtito -vi\h nas Famílias, nau já 

de Évora, e Montemor o No-vo , mas de todo Alente)); o qual já era fale- 
cido quando k proferia a Sentença , que foy no anno de 1 6 b' 1 • 

Fern.m- 



Addicçoes. 2 3 



Fernando Gemes Cabrcra , Cavalleiro da Ordem de Cbriflo, que - — 
vivia ro ai.ro de > C>4< , rilho de l*irnai,do Gomes Cabrera, e de fua mu- 5 j 
Jlcr l.tr.anr.a i'e>;a<.u lo t\io , deixou memorias e.critas das Famílias de 
<?/ii<>.\4 , <cmo (t oiz cm hi m 1 nulo cc A.'attos da dita Villa, 

r i iorio de A bucjUcniue, fiiho de Cia. par Barradas daSylveira, e m /£ 
de fua mulher li. bel L*ldura da Fonleca , vivco em Monforte, deile naõ J 
techo outra noticia , do ljuc aihallo alienado em Titulo de Barradas de For- 
talece. 

M-noel Barbofa Cabral, filho de Ruy Cabral de Barbofa , edefua m mj 
mulher D. Ba u la bail Ua, toy/.bbade deScniia^o deSandim noConfelho D / 
de FUguciras , Commillatio do Sanio Cfhcio , e Brotonotario Apoíiolico, 
era irnuó imciro lo Padre Pr. joaô de Deos , Provincial que foy da Bro» 
vincia d; Oblervancia , de quem rizemos mençaó no Apparato no n. 144, 
e os ícus li wo>> de Famílias ficarão cm íeu poder, que elle depois continuou, 
com que parece naó os lc\ou o Cardeal de Lcncoftre , e tal vez levaria ai* 
guiij i'|eis jeritncenics ache cftudo t rt 

Dom Belchior oe Tcive, nafceo na Cidade do Funchal , Capital da * \y 
Ilha da Madeira , dj nobre Bamilia do teu appellido , filho de Gaipar de Tei- 
ve , Cavaleiro da Ordem de Chrilro , que roy Eltribeiro mor da Princeza D. 
Joanna , mày delUey D. Sebaftiaõ , com quem voltou para Caítella, e com 
squelle henorifico lug r cachamos no ferviço daBrinccza, como diíTemos 
ro TomolP. pag 559, edefua muiher D. Anna de Brito , natural da mef- 
ma Ilha , e try Í ). Belchior o ultimo fi ho na ordem do nafeimento, fendo 
o | linicro D. Dio^.o de Teive, qnr lervio a EIRey D. Filippe o Prudente , 
e foy uu 1 J " m . t de] oi Gentil-homem , achou-le com el!e na jornada de 
Inglatern noanno de »5?4, e depois em Flandres na batalha cie S. Quin- 
tim; r fou a In !i. s havei do ca fano, e deixado fucceffaó. Segundo, D. 
Pantil . ó <c T.ive, Gentil-homem da Boca do mclmo Rey, que faleceo 
i<rr geraç õ noanno d iç^y. Terceiro, D.Aleixo de Teive, Bagem do 
Príncipe D Carlos , o qual fervia no anno de 1 568 , em que fuecedeo a fua 
mor <•. Qoar o , D. (uC ar de Teive , que depois de fer Bagem da Rainha 
D. lfobcl, no ?.nno de 1571 pafTou à Alemanha, e foy Gentil-homem do 
Empera J or Rodolfo, e <-indo a Portugal com hum recado feu a EIRey D. 
S íriaó, noanno rle 1 ç - 8 o icomranhou ã Africa , onde acabou na in- 
felice bainha de Alcácer. Qtrnto, D. Jo?ó de Teive, que foy Padre da 
Companhia em Santo /^mbrofio de Valhadolid ; efte me parece fer o que 
foy Azcmelriro mor dí Brinrfza D. Joanna. Sexto, D. Vicente de Tei- 
ve, Eremita de Sarro A?oítinho. E o fttimo D.Belchior de Teive, que 
fcguindo a-Icrrís, fov Lente em Salrmanca, eoccnpou diverfos lugares, e 
ultimamente fov do CoNribo , e C?mera de Caftella ; cafou com D. Leo- 
nor Ttllo r>r Gufmaó. Do feu caíamento, e fua pofieridade trará Salafar 
deCaflro no T< rr o Ml. fag.40i da Caía de Iara, e naõ dasfuas Obras, e 
rapag. 280 quando defereve o casamento de feu filho, e facceíTor D. Gaf- 
rrr àt Tc ; ve Te"o e Gufmaó , ! Marquez dela Fuente, Conde de Benazu- 
ç? , Cavalleiro da Orcem de^artiago, dos Ccnfelhos deEífaco, eGuerra, 
eCamera de índias delRey D. Filippe IV. Gentil-homem da fua Camera, e 
feu Embaixador a Veneza , Franja , e Alemanha j e deixando à parte efta 

relação 



2J. Aàxertencias , 



5P 



relação por naõ pertencer aonofTo affumpro, diremos, que entre a fua !ít- 
teratura , toy muy verfado na Hifturia, como fe vè riàGeneala^ia da Cafa 
deLerma, que eicreveo com grande acerto, pelo que he lou*ado de mui« 
tos , e iníi ,nes Genealógicos , com reipeito aos léus cítudos : toy contempo- 
râneo de Fr. bernardo oe Bnto, com quem fe communicava , como lc tira 
do referido livro da Cafa de Lerma , oe que tenho co t >u eferita em folha, 
Compoz mais na língua Caítelhana hum Titulo da Família de Tellos de Me- 
tiezp y que devia tazer em oblequio da iliuttre aiccndencia de lua mulner, 
porquanto com a íua memoria lhe da fim, ehe eíta Obra merecedora da 
mayor eftimaçaõ. Henrique Henriques no livro das Famílias da Ilha da 
Madára trata da fua com a exacçaó, que coitumou. Ua primeira Obra 
faz Salazar mençaó na Hiftoria da. Cafa de Sylva , forno I. pag. 42 , e naõ 
no Tomo ih. da de Lara pag. 491. 

Luiz Francílco Pimentel, Fidalgo da Cafa Real, Cofmografo mor 
doReyno, e Académico do iNumefo da Academia Real, nafeco na Cidade 
de Lisboa em 5 de Julho doanno de 1692 , tenao por pay» aoinfigne Ma- 
noel Pimentel , Fidalgo da Caía Real , c Colmograto mor 00 Keyuo , ds 
quem nefta Hiftoria já temos feito mençaó, e a Dona Clara Mana de Mi- 
randa ; toy educado entre lábios, porque na cafa de feu pay vi;iaó juntos 
feus tios Francifco Pimentel , Quartel ívhllre General dos Exércitos de òua 
Mageftade, Varaó de igual valor, que ltiencia Mditar, c ] »rge Pimentel, 
feiente nas Mathematicas , e de huma grande erudição , naõ menor, que 
feus irmãos, que todos conheci, etratey, fendo com mayor familiaridade, 
e a quem devi muita attençaó , e bom trato , Manoel Pimentel, Varão gran- 
de , e fem duvida hum dos mayores fabios, que profazio o noiTo íeculo ; 
da fua caía , e virtudes, foy digno fu:celTor Luiz bYamifco Pimentel, taõ 
ornado de feiencia , e erudição , qu: tanto que faieceo feu pay , foy logo 
provido no honroío , e identifico emprego de Cofmografo mor, qumdo 
contava vinte e fete annos de idade ; a fua grand; cotnprèhenfaó cultivada 
em largos eíhiJos, naó fó dasSciencias, mas das Humanidades , o fez muy 
favorecL'0 das Mulas, fendo a lua Latina elegante , e puriíli na , he muy 
verfado na Hiftoria , e naó menos na parte , que toca à Genealógica , im t in- 
do cambem no gcfto , com que fe applica a eft; eftalo , a alguns dosCofmo- 
f. raios mores feus antecelTores , com> foraó Joaó Bautifta Lavánha , e D. 
Manoel de Menezes , de quem fizemos m;n7aõ no Apparato, que com a 
| • tillitõ das Iciencias Mathem atiças naó omittiraô oeftudo das Genealogias, 
i tem trabalhado com fingular exacçaó , c cuidado, de que tenho vifta 
diverfos papeis ícus muito eftimaveis. 
qQ O Padre Jacintho Pereira, natural do Lugar deVillar, Termn de 

Fonte Arcada noBifpado de Lamego, fabe comnui'ta exacçaó as Famílias 
naõ ló d 1 noíTo Reyno, mas de to^ui os Príncipes Soberanos di Europa , da 
qual gyrovi huma grand: parte , e muitas Eftrangeiras , principalmente de 
Alemanha ; naó fey, que tenha efento coufa alguma, mas tem taó prodi- 
pioia mem >ria , que repete em toda a occsfnó , que fe ofF tece , naõ íó a 
origem , augmento', e declinação , mas fe ,ui ido as linhas com admirável 
ordem, e certeza : oqae relirj , naõ por informação, mas peta conhecer, 
e tratar ha muitos annos, reconhecendo nefle partes, que mereciaõ bem dif- 



e Addicçiis. 2 5 



ferente fortuna, porque he infigne Poeta Latino, muy ornado de erudição 
jrotana, e da Hiltoru , e de hum ex tHcnte procedimento. ^ 

An onío dà ^>lva Calcara Pimentel , natural de Évora , filho de 6 I 
Agoltinho CaLeira Pimentel , e de LA Catharina M^tthei, fervio nas Arma- 
das , enoanno de 1700 paliou à Índia ; os leus Icrviços , e prcltimo o habi- 
litarão para ler provido no pulto ue Governador das M. nas de 5. Paulo, quo 
exerceu com prudência, de donde voltou no anno de 1 7 3 i , he muy cu- 
rioio do cltudo Genealógico, cm que ir. balha ha muuos annos, 

O Padre Pr. Amónio Ruutauo , Rcligioío da Ordem dos F remitas /% 2, 
de Santo A^oihnho , n. kco cm Lisboa a 1 1 de Novembro de 1601 , ef- 
creveo quatro Turnos tom tltc titulo : P 'utvar Genealógico , Hijlorico, Cbro^ 
vologico , e Lruuu , plantado no Lnuo An&uJtwiano LufitanO, uue n^ó vi, 
mas inn alguns podeis kus Gcnealofcicus muy bem trabalhado* , que cor- 
rcipondem ao conceito, que tenho aos icus eliudos Genealógicos, que per- 
tci.ue tuiidar lempre cm Documentos. 

António de Meira Fuxoto , natural deGu maraens, onde faleceo a ^1 
17 de M-yo uc 1676 , elereveo cous Tomos de Famílias, e Árvore de *) 
toda Afcendemia dos Peixotas. 

António 1 cixcira de Mendoça , natural da Ilha da Madeira, efere- £ A 
veo : Livro das Gerações do tieyno dt Portugal , dedicado a D. Margarida » 
Cortt-keal , mulher do Maru,ucz de Caltello-Roirigo uom Chriltovaó de 
Moura , de o,uc nao tenho outra noticia mais, que achallo entre os Autho- 
res Portuguczes na Libliotbeca do Atbade Diogo barbofa Machado. 

Triltaó Guedes uc Queiroz , Fidalgo da Cala de Sua Mageftade , 
Commcnuídor das Commcndas de ò. Chr.iiovaó de Parada , e S. Miguel de- 
MeUjanes na Ordem ue Chufto, Alcaide mor de Valença, Padroeiro do 
Convento dosRclgioios de J>. António deEltrcmoz, Senhor dos Morgados 
de Mampor-ao , e da Granja , cm que fuecedeo a leu pay Triltaó Guedes 
de Queiroz, de quem no Apparato le tez mençaó no n. til. Seguio ávida 
militar , como riveraó 05 leus Mayores , e he Capitão de Infantaria no Re- 
gimento da guarnição de Calcaes. Tem eícrito com grande curiofidade, e 
exacçaó das Famílias deite Reyno ; porém com particular cuidado > as que 
lhe pertencem pelos leus progenitores , authoriíadas com lnftrumentos , e 
Documento?. 

Thadeu Luiz António de Carvalho e Camoens, nafceo na Villa de fo fy 
Guimarae s a 1 1 de Fevereiro de 1692 , Moço Fidalgo da Caía de Sua Ma- 
gettade , V li. senhor, e Capitão môr hereditário doi Coutos de Abbadnn, e 
Negrellos, cjih jur.ldieçaò Ci /cl , e Crime em todas as fuás Povoações, Se- 
nhor das Forres , e Solares de Ca noens, Sanhm , Torneiros , Monte-Longo, 
e Padroeiro das luas Igrcjis, Cavalleiro da Ordem deOiriíto. Tem eícrito 
coti muito trabalho, cijuer imprimir: Memorias Ecclejiaflicas , Seculares, 
t Genealógicas da filia de Jtiimaraem , em u,ue dá noticia de muicas antigui- 
dues, edi nobreza daqjella ílijUre Villa, edafua hfigne Collegiada. 

Dio^o Pires Cinza, natural da Villa de Alpedrinha na Província da fi <y 
Beira, Clen^) taó verfado na Hiitoria Sagrada, e Profana, como na Ge- / 
nealogia , econi) tal faz lejk mençaó o Licenciado Jorge Cardofo no Agio- 
logio Tomo l. no Commcnurio do dia iz de Janeiro, letra A, compoz: 
ToouVIIL D Profa. 



6% 



2. 6 Advertências , 



Pr of a pia dos Reys de Portugal, imprefjo em Lisboa em i6zi , de que faz 
meiçdó Joaó branco barreio na lua bibliotheca Lufuana m. I. e Aie morins 
Ca.ealogkas dosCoJias de Alpedrinha , que confia de cinco Diálogos irunu. 
icritoSj ccmo rctere oAbbadc Dio^o barboU iVlacliado na Bibhotbeca Lu» 
fitana. 
S O " OScreniííimo Senhor Infante Dom Duarte , de quem fizemos larga 

** ® mençaõ no Capitulo XIX. do Livro VI. pag. j77 do Tom. Vi. compoz: Ar- 
lore Genealógica da Cafa de Bragança , como elcrtveo o AbbaJe Dio^o 
Baiboia Machado na fua Libliotheca Lufítana; aflirn com cita noticia he pre- 
cilo , que honremos os Genealógicos comerte Sereniílimo Sócio, luppofto, 
que tendo tido muitas, e elpeciaes memorias daapplicaçaó defte Príncipe > 
naó tivemos noticia, de que fedéffe aefte eftudo , tendo tido tantos. 
/j q Fr. Francifco da Encarnação , Monge beneditino , nalceo na Cida» 

* de do Porto em 29 de Setembro de 167? , filho de Miguel Vieira , e Ma- 
ria de Ab-eu. Na Religião do Príncipe dos Patriarcas S. bento, cujo habi- 
to recebeo no Morteiro da Vi&oria em 2 ? de Março de 1694, foy Pre- 
gador Geral, em cujo lugar jubilou, efaleceo no Moftciro de Refoyos no 
anno de 1729. Entre algumas Obras , que compoz, efe confervaó m. f. 
efereveo hum volume de folna de algumas Famílias Portuguezçs , que exif* 
te no Mofteiro de Bafio. 
p» q Fr. Leonel de S. Payo , que profefTou o mefmo Inftituto Ben?di&i- 

J no , e cultivando com applauío as feiencias próprias delle, fe applicou à Ge- 
nealogia , que comprehendeo com admirável relicidade , e efereveo Varias 
Famílias Portuguesas , incluídas em hum luro, que por fua morte ficou na 
Livraria do Molteiro de Rendufe. 

7j Luiz da Sylva de Moura e Azevedo , nataral da Cidade de Elvas , 

defeendente das Famílias de feus appellidos , Fidalgo da Cafa Keal , Com« 
mendador na Ordem de Chrifto , Sargento mor do Regimento deCavallaria 
da Praça de Campo-Mayor , filho de Francifco da Sylva de Moura , Meftre 
de Campo de Infamaria , pófto , com que fervio na guerra com reputação , 
e foy Governador da Praça de Campo-Mayor ; e de Dona Anna da Sylva de 
Vaironcellos, efereveo livros de Arvores de Cofiado , e vários Títulos de Fa- 
mílias da Província de Alentejo. 
^7 2. ]° a0 Peixoto da Sylva de Macedo Carvalho e Almeida , Senhor do 

' Confelho de Penhafiel, e Ada il mor do Reyno , Senhor dos Morgados de 
Peixotos , Macedos, Carvalhos do Algarve, e outro». Faleceo em Lisboa 
no mez de Mayo de 172c, era filho de Gonçalo Peixoto da Sylva , Senhor 
dePinhafiel, e Adail mor doRiyno, e de fua mulher D.Paula de Alarcão. 
Foy muy applicado, einfrruido nas Humanidades, e Hiftoria, e dado à Ge- 
nealógica , de que efereveo diverfos Títulos. 
*! Z Manoel Ferreira de Eça feu rio, Senhor do antigo Morgado de Ca- 

valeiros na Província do Min^o, nafeido na nobre Villa deGuimaraens , fi- 
lho de Gregório Ferreira de Eça , Senhor domefmo Morgado do«Cavallei« 
rcs,eoutros, ede I). Margarida de Alarcão, foy muy da \o ao eftudo Ge» 
nealogico , de que na fua cafa fe con<crvaô os feus manuferitos. 

António Machado de Azevedo, nafceo na Augulta Cidade de bra- 
ga , filho de António Macha Jo , e de lua mulher Mana da tonfeca. Foy 

bauu • 



1-i 



e Addlcçoes. 2 j 



bautizado na Parochial Igreja de Santiago da Civid.-.de em 4 de Novembro 
de t66$. Cultivando dcidc tenros annos as beilas letra», \ alfou ao excr- 
cicio uas armas , fentanda praça de Soldado Intaníe na Villa de Almeida. 
Nem cite citado, em que riorrceo quatro annos, nem o de calado, o hze- 
rao leparar da liçaõ dos livros hiltunco» , c dos Documentos, que cxiltuõ 
nosCartonos mais celebres cti Província do Minho, pelo que conleguio ler 
reputado o mais tamoio Antiqu»no Ja relenda Província, e grande Genea- 
lógico. Foraó trutos da lua erudição as Obras legumtes: Títulos ríe Famí- 
lias antigas Braíbarenjcs. Ou;ra : Fidas dos Santos , Varoun illii/ircs , e 
J>tJpo> j.aturati <it braga. ~ Suppktuetito àHi/toria Ecclejialuct de 6ra% 
%a , compojia peio sin<.t>ifpo D. huungo da Cunha, com a continuarão das 
/ ;,:.» iIjs PruúiLs , q:itt tonic ate o jeu tanpo. Sendo dotado uc pcrki- 
104 coltomca ía^ccu lithun lIcuhz cm M iço de 17^5 , e jaz leLultado 
na meima i b rcja , cm que rccbto o Sacramento do B. ut imo. 

Ju.o de caries, ii.li^nc hUruor , cujas Ubras illultraraõ o noíTo H C 
Reytio, merecendo por tU*& ler umverlalmcnte aplaudido por muuos , e 
divcrios eruditos j «linn nol os , como fcltran^eiros , com merecidos Elo- 
gios, jdluniciue Utviuuj a^ tx, cllci.it eftylo, emethodo, comque ckreveo 
asUcc«uds oa lndu , Varão verdadeiramente grarde, loube as línguas Lati- 
na, eCirega com pertuçaó, as Icicncias Mathcmaticas, e leiras humanas uó 
protund.mci.ie , temo ulicinunhaó as divcr.as Ubras, que eícreveo- , naó 
ió as 111 jrclUs , m«- alt,um«s manuenus , i^ue vimos, e fe ronferv.ó na 
Livraria coCor.dc de C lUllo-Mdhor , acmiranro-fe em todas o feu fubli- 
me talento, c vdtahçao, ornando-ie ao mefmo trrnpo de excellentcs virtu- 
des, que lhe tei-trao inimoital glona , co.no ie póJe ver na Vida. que dei- 
te grande V*r«o cler^veo o cru^itiliimo Chantre de Évora Manoel Severim 
de bana, que irrpr imo no anno de 1642 no livro , que innrulou: Dijcur- 
fos Políticos; iorquc nos «gora naó fazemos menção dos léus eleritos íenaó 
pela parte, que icitcn.c aotUudu Genealógico, naó íó pelo que obíervá- 
mos nas íuas Obras , mas tambrm pelo adirmos allegado em memorias Ge- 
nealógicas , motivo porque quizemos concluir eftas Addicçoes com Vario 
taó elti.nado na Ke^ubnca das leiras ; porque fendo a Genealogia pane ef- 
fencial da Hiltoria , naó Ine podia fal'ar eíU parte, de que podaremos dar 
mais individual not.cia tf a vida íe nos dilatar, (o que be dirh.ultoio em 
idade a/an;ada ) para qjc podamos formar a Bibliotheca Portugueza Ge- 
nealógica , e H;ral liça da a mclmas memorias , que aqui , e no Apparato te- 
mo» ajuuado, -onjuiZJ critico de cada huma das Obras , de que tratar- 
mos ; porque rnuicai naó faó mais, quí copias de outras , de kvte , que 
huma grande pare dos Nobiliários naó faó mais que traslados , c de orji- 
nar.o co n Oi melnos erros, que nelles fecontinhaó, porque laó pou:os o» 
qut mereceu eltinaçaó , c lojror. Foy Joio de Barros natural da Ci aie 
de \'ne i , 0:1 ie c.j iror n? a mais certa opinião nalceo pelos annos d; 1 49'S 
foy fiho da Lop > Ie Barros, delcenJente da nobre Família de feu appeJJi- 
do , e cafa ia ora Maria de Almeida , rilha de Lopo de Almei la , de | uen 
teve diverfos fi 'íos , de que hoje naó ha defeendencil mais que por íua ri- 
lha D. lúbcl d; Al neida , que caiou em Braga com Lopo de Ba-ros, H'i- 
dalgo da mefma Fa.ndia , em cujos dcfcendcntcs feconferva o Morgado de 
Tom.VllI. Uii Joací 



2 8 dâxertencias 5 

Joaó de Barros, que havendo tido diverfos empregos, foy ultimamente pro- 
vido no anno de 15?* cm Feitor daCifa da Índia, eMina, lugar oe mui- 
ta authoridaJe , que vinha a ler o melmo ; que Provedor. Falcceo a 20 
de Outubro de 1 570, 

T O M O I. 

NApag. it , Mir<yrolo» ; o Gallico, fedida Gilicano; 
Pag. 1 1 , leu irmiò Roberto LI. he Roberto I. 
Pag. $z, omj fiz;ri )á , feemenle comj fe fizera já. 
Pag. 49, Arvorei, fe accrcfcente o que entaó naó ubia. 



V Gerardo de Vergy ,Con- j 
Aremberga de y* Bergonha. £N 



Vergy , mulher < Lamberto I. Conde de Be 

ae Ualmacio , &c. J lfabe , f irmia - de Hug0 j í auns > c de chalon. 

/ Bif^o de 



Auxerre. j Adelaya , ConJeíTa de Cha- 

lon , filha de Roberti de 
Vermandois , Conde de 
Troya. 



Na referida Arvore fe diz Alberto, Conde de Trõya,/? emende Roberto, 
Conde de Troya , que he o mefmo acima. 

Pag, 6 1 , no anno l I 90 , he anno 1 To?. 

Na dirá pag. in era M.CCXXXK feemendí in era M.CCXLV. 

Pag.f)4, Arvore III. D. Raymundo Berenguer, X. Conde d- Kar- 

cellom, filho de D. Berenguer , IX. Conle de Barcellom , e defua mulher 

D.Sancha , filha de O. Sancho, Conde deBurdeaux, eGafcunhi ,&c. ena 

me r ma Arvore, a Condefía D.Adona, mulher do referido D, Raymun lo , 

X. Conde de Bircíllona, filha deBermrdo, Duque de Me Mina . e Apúlia, 

fe emende: „D. Ramon Berenguer, X. Conde de Barcellona, cafoucomD. 

„ Almolis , filha de Roberto Guifcardo , Duque de Calábria , e Meífina , 

„ morreo em ioXç ; feu marido Dom Rrnion era filho de Ramon Beren» 

„guer, IX. Conle de Barcellona . edefpa mulher Dona AlmoJis. filha de 

jjBernarJo, I. Conde de la Marche, e de fua mulher Amália ; affim o ef- 

„ceveo o Padre Anfelmo na H\ 'floria Genealógica daCafa Fca\ de Franca , 

„ Tomo III. pag. 70, eera neto de D. Berenguer Borrelo , Vi II. Conle ds 

„ Barcellona, e defua primeira mulher Dona Sancha, filha de D. Sancho, 

„ Conde de Caltella. „ 

Por naó tornarmos a fallar nos Condes de Barcellom , repararemos 
aqui outras equivocaçóes, alaber: Na Arvore IV. rag. 71 aCondelTa Dona 
Mafalda, mulher do IX. Conde de Barcellona, que íc diz filha de Bernar- 
do, 



e jí d dicções. 2£ 

do, I. Conde de la Marche, e de Maria , herdeira do Condado de la Mar- 
che , Je emende : „ D. Almodis , filha de Bernardo, I. Conde de la Marche , 
,,euc iu- mu;her nmalia ; „ c a Londclla Dona Mafalda hc , Dona Almo- 
tíis , amo leve nai.ua Arvore. 

Na Arvore VI. pag. o $. A CondelTa D.Mafalda deAdelmodis, he 
amefma Dona Almodis acima, e fe emende na mefma forma ; e a Arvore 
IX. pag. i 14, fe emende na mefma forma , que diiçmos, epara ditar toda 
êconfuftô, repttimoi a Ar-vore da Ramba D. Berengaria , mulher de D. Af- 
funio y III. Key ue Cajtella, o Emptraaor , que he 4 Arvore 1F. para por 
ejtaje emtndar aquella , e todas as outras., 



A Rainha 



A Rainha 
D. Beren- 
garia,mul. 
delRey D. 
Affonfo 
VIU. de 
Caftella , o 
Lmperad. 



3° 



Dom Ramon) 
Bcrenguer , 
XI. Conde de 
bircelluna,4- 
em Julho de 
II ji. 



A Conde (Ta 
Dona Dulce, 
terceira mu- 
lher. 



Alvertencias , 



D. Ramon Be- 
renguer, X.Con- 
de de Barcello- 
na, + a6 de De- 
lzemb.de 1082. 



D. Ramon Beren- 
guer, iX. Conde 
de B^n-eílona , + a 
xj de Mayo de 
1076. 

A Condena D.A1- 
rnouis. 



D. Berenguer Borrelo , 
VIU. Conde de Bar- 
cellona ,+ em io$ç. 
D. Sancha , chamada 
Infanta , filha de Dom 
Sancho, Conde da Cai- 
iclla , 1. mulher. 

Bernirdo , I. Conde de 

la Marche. 

A Condeíía Amália. 






A CondeíTa Do 

na Alm jdis. 



Tancredo de Haute* 
l Roberto Guifcar- 1 Vllld Normando. 
\ do , Duque de Ca- 

llabru, eApulha,^ N. 

r* ^ 

_..- V Vifconde de Ay-~S 

> V,f *\milhan. /N 

de Aymi- J \^ 

han , Conde de | <~ 

Provença, + em / t N. . . . 

IIO *« f N 3 

c n - 

Ç Gotfredo , Conde de 
Bertrando , Conde \ Provença, + cm 1065. 
Soberano de Pro-*>v , _ __ . . 

vença. / A CondeíTa fcitcfania 

ACondcfla Matil-\ N 

de. < 

h 



Gilberto 
conde 
lhan 
Pro 



Geoberba, 



Pag. 66. 



e Adàicçces. 



31 



Pag. 66, de Santo Cruz ►— de Santa Cruz. 

Pag. <, 3 , (ienaó otu 11. áy a D. 1 herda Sanches , mulher de Affonfo 
Telles de Nlcnc^cs, «.vc. e js pode aarcfceiítar: „Maria l-elag,'a Ribeira, co- 
., mo le iè na hil[a>.ia Jllujirata , rag. 1 2 57 do Torro 11. „ 

Pag. 97. <i CondcHa U.Maria, filha do Lm^erador de Conílanti- 
nopla Manoel ,je emende Eudoxia , como le vê na Arvore XVTl. do diio 
Tomo. 

Pag. ilj, para a v : toria , fc emende para a veftoria. 

Na pag. 120, Arvore X. tallando-le nos pays da Rainha D. Marga- 
rida , mulher de U. Garcia , Rey de Navarra, le diz que foy filha de Ko- 
trou , Conde de Perche ; n*ò he allim; porque foy fobnt.ha de Rotron , Con- 
de de Perche , filha <le fuá irmãa Juliana de Perche , mulher de Gilberto , Se- 
nhor de Axgle em Normandia , o que leguem diverfos Authorcs Francezes ci- 
tando a Hry na Hijloria de Perche , liv. 3.C. 4. n. 7. e ultimamente o Padre 
Anfclmo na Hijloria (Jeneahgica da Cafa Real de França , Tom. 111. pag. 
308, imprefio cmi7tX, relutando a opmiaó, que íeguimos na referida 
Àrrore , excraaida dos Efcri cores antigos, e corroborada com a authoridads 
l'o Arcebilpo D.Rodrigo, o que le verifica com Autheres judiciolos , que o 
comprovaó , e o Padre Moret no liv. 3. De la In-uejiigacion de Navarra, 
onje produz Sellos delRey de Navarra , que elfampou comaAguia, como 
me advertio, e (ubminiltrou a fingular erudição do Duque de Sottomayor : 
pelo que fc deve emendar na diu Arvore X. aquelle quarto na forma fe- 
guinte : 



A Rainha D. 
Margarida. 



í 



Gilberto, Senhor de 
Aigle em Norman- 
dia , calou no anno 
de lOpi. 



Richer, Senhor de Aigle, filho de 
Euglberto , Senhor de Aigle , &c. 
+ em t. 066. 

Judith , ftíha de Ricardo Goz , Con- 
, de de Abranches. 



Godofredo II. Conde de Perche, 
Ç ede Mortaigne, filho de Rotur , I. 
Juliana de Perche. } ConJe de Perche. 

-^Beatriz de Roucy , fi'ha deHildui- 
/ no, II. Conde de Roucy, e de Ade- 
L lay de Chaftillon , filha de ManaíTes, 

Senhor de Chaftillon. 

Pag. 1 36, a fua morte foy revelado >— revelada. 

pjg. 140, anno deChrifto 12 17 •— ' 1218. 

Pag. I4< , e naó por Dacia , fe diga fenaó por Dacia. 

Pag. 148 , em 24 de Jjlho >— de Junho. 

Pag. 1 50 , feu irmaó D. Acento , fe ernefide : D. Fernando. 1 

Pag. 161 , o demónio do Peyno >— odominio doReyno. 

Paç. 180. Nosfilhts illegiiimos delRey D. Affonfo (II. fe naõ faz 
mençaõ He huma til ia chamada : „ D na Urraca Affonfo , que foy cafada 
„ com Pcdfi Ann.*à Gigo > filha de Jo-ó Martins Chora de Riba de Vizela , 

„que 



3 2 divertencias , 



5 , que naó teve fuccefTaó, como fe vè no Livro Velho das Linhagens, que 
„íeimpnmio no Tomo 1. das Provas no fim da pag. 18, conforme a coo- 
pta, qu; nelle feoblerva. ,, 

Pa^. 188, taliou — a Prova num. 32. 

pag. 197, Era 1 392 , fe emende 1529. 

Pag. 203 , Urvieto — * Orvieto. 

Pag. 209, no livro 1. Dextras , fe acerefeente pag. io?. 

Pag. 209, Jhe pafíou outra Carta com declaração de lhe pertence- 
rem os navios de alto bordo, Je emende: ,,Havtndo-itlhe já p afiado outra 
„ Carta em Vifeo a 9 de Abril de 1444, devia, &c. „ 

Pag. 2 I ç , Wandingo ad ann fe i^y, 

Pag. 218, nomea a Santa Rainha , Tua mulhtr , a D. Martim Pi- 
res: „Nomea a Rainha Santa , lua mulher, a D. Martim Pire-.,, 

Pag. 219, faó muitos os legados pios aos Ploipitaes : „ iaó muitos 
5, os legados pios , que deixou aos Hofpitaes. „ 

Pag. 220, com os Sellos Reaes , delRc y , e da Rainha fua mulher , e 
da Infanta D. Mana fua filha, Je emende : ,,e da Infanta D.Maria fua neta. „ 

Pag. 220, quando fe falia do Ttfiamento da Rainha Sarna Ji.bel , 
faltou : „ Foy feito em Coimbra a 22 de Dezembro de »?f>5> que he o 
„ anno de I 3 2 7 , como fe vè na Prova num. 1 6 , pap. 1 1 7 do Tomo I. das 
„ Provas , e foy depois trasladado por mandado delRey a 5 de Julho de 
j, I ? 74 j que he o anno de Chrifto 1336'.,, 

Pag. 246 , Aldeã de Jequis ■— de Sequis. 

Pag. 25O , Obra de Portugal 1 — 1 do Portugal. 

Pag. 260, porque nella tinha já o Conde ■— nelle tinha já o Conde» 

Pag. 26c , Aphoneo Chacaó »— Affonfo Chacaó. 

Pag. 269 , reconhecido porGaípar Alvares — reconhecida. 

Pag. 270, D. Giriftcvaó de Moura ~— D.Manoel de Moura. 

Pag. 272 , foraó cortados à thiioura •— foraó cortadas. 

Pag. 288, anno 1 $42 ►— 1344. 

Pag. 319, que he anno do Senhor 117, faltou , he anno I 3 27. 

Pag. 3 3 1 , Ragin Thoyras ►— Rapin Thoyras. 

Pag. 341 , depois Cardeal no anno, &c. : „ Depois Cardeal. No 
j,anno feguinte expedio. » 

Pag. 345, Dorchefter •— Dorcheftre. 

Pag* ?5f > Guilhelmina Carlota de Anfpach , Rainha de Inglaterra, 
feacerefa-nte: ; ,que faleceo no primeiro de Dezembro de 1737.5» 

Ibidem. Frederico Luiz , Príncipe de Galles , &c fe acerefeente: 
„ Cafou com Auguífa de Saxonia Gotha , ao prefente Princeza de Galles, 
„ filha de |oaó Vilhelmo , Duque de Saxonia Gotha, pag.358 do Livro III. 
,, Tom. II. de quem tem os filhos feguintes : 

24 „ A PRINCEZA AUGUSTA, que na r ceoa 11 de Agoftode 1737. 
24 „í) PRÍNCIPE GUILHERME GEORGE , quenafceo a 4 de 
„ Junho de l 7 3 S. 

24 „ A PK1NCEZI N que nafceo a 2? de Março de 1739.,, 

Pag. 362, foy feito em Barccllona a II de Janeiro de 1437, he 
de 1 347. 

Pag. 



c Aidicçoes. 3 3 



P:*. 564, Arvore XXI. D. Bernardo Guilhem de Entença, Senhor 
dos Condados de Faltas , e Ribagorça , q ae naó tem mulher , (eacerefeente: 
Dona G^iboas. Namelma Arvore, D. L J once , Conde de Urge 1 , naó tem 
mulher , Je lhe ae:rcícaite: Doía lubel de Cardona. E na metma Arvore 
faltaó os paya da Condeflâ Dona Conltança de Moncada,/»? acerei ceatem : 
„ D. Pedro de Moncada , II. Haraó de Aytona, Graó Seneical de Catalunha > 
„ e lua mulner D. Sibyiia, rilha de D. Rodrigo de Abarca, IV. Senhor da 
„ Baronia dsGavm. „ 

Pag. ] 74 , em o ultimo de Fevereiro da Era de l 5 74 , que he an« 
no de Chr&o de 1 5 96 , ft emende : „ Na Era de 1576 , que he anno de 
„ Chriíiú de 1 ,ib,,, 

r*í g. J77 1 Lourenço Peres de Távora , 1— Lourenço Pirss de Tá- 
vora. 

Pag. ;88 , faltou fazer mençaõ da Prova n. $ró, que vay no To- 
mo das Provas a pag. 260. 

P a g« 59<S j Conde de Cakaniíícta, Aderno, edeSelafani , fe emende 
de Selafana. Na meíma pag, (c diz , que o Cuque de Bivona , que era Gran- 
de de Helpanha: ,, Naó o roy , porque o primeiro, que teve elta Digoida- 
„de em Sicilia , foy o Príncipe de Botcra , e depois o Duque de Terra-Nova. „ 
Pag. 40 1. Deixamos em branco o nome da V. Duqueza deS. Joaó , 
ella fe chamou D. Cattana , e na meíma forma o de ("eu filho , que he Dom 
Lui\ de Moncada tJranchiforte , VI. Duque de S. Joaõ, Conde de Camarata, 
ecafou com Dona Margarida Pio de òaboya, filha de D. Gilberto, Prínci- 
pe de S. Gregório , e foy fua primeira mulher, e calou íegunda vez com 
„ D. Joanna vintimilíia ePignatelli, rilha de D. Franciíco Vintimillia, XU. 
„ Marquez de rdarache , Príncipe de Caftel-Bucno, &c, ede D. Joanna Pig. 
,, nateli de Aragaó , tiiha de Heitor Pignatc.ti , Vi. Duque de Monteleon , &c. 
j, ede D. Joanna de Aragaó Tallavia e Cortela , V. Duqueza de Terra-Nova, 
„ Marqueza dei Valíc de Guaxa , &c. li foraô feus filhos D. Fernando de 
,, Moncada Vintimilíia de Camarara , que íaieceo iem lucceflaó, havendo 
„caudo co n D. Angela Branchitorte , filha dos Príncipes de Botcra, e ella 
„ calou legunJa vez com Dom Xavier de Valguaxenera , Príncipe de Val- 
„ guaxencra e de Gravina , Conde de AlTaro, &c. D. Francilco de Mon- 
„cada Vj-.iimiilia , íucceJeo a feu irmaó o Conde D. Fernando , ehe Con- 
f) àc de Camarata , caiou com D. Joanna Doroth;a Kuro e Moncada, de 
„que:n teve diverfos filhos, que morrerão de tenra idade. Dona Cuhari* 
,,n* d: iioncada e Vintimilíia, caiou com D. Jeronymo Vintimilíia Gravina 
jjRequefeni e Xiita, Príncipe de S. Miguel , Duque de Montevago, Mar- 
„quez de Sanca Ehlajita, Grande de Helpanha da primeira cUfle, Gentil- 
,, nomem daCimera com entrada de D. Carlos Rey das duas Sicilias , efaõ 
», l;us filhos D. Jjaó d: Gravina e Moncada , Príncipe de Montevago, que 
,.r'.c o. -efenre n.ió to noa eftado, e Dona Jeronyma Gravina e Moncada, 
ca > j com feu primo o Príncipe de Com. tini , e outras filhas também 
„fem eftaJo. l). Maria Therefa de Moncada, ultima fiiha do D^que de 
„S. Joaõ D. Luiz, cal 1 1 com l:u primo o Conde de Vintimilíia, primoge- 
„nito duM.rprz le I , e morreo fem fuccelTaõ. „ 

Pag. 40$ j D. Caetano Uriini Cavalieri: „ Faleceo a 10 tie Oati- 
TonuVilI. E „bro 



34 Advertências, 

„ bro de 1 7 ? 8. Foy depofiWo na Igreja de NoíTa Senhora do Loreto da 
i} Naçaó Italiana.,, 

Pag. 4^4, Júlio Saccheti , Ccnego de S.Pedro em Vaticano, e Ca- 
rcereiro dcHo.ior do Papa Cltmtme XU. „ Noanno de 17^8 veyo a Lil- 
j, boa , onde checou a $ de M-yo com o Barrete p«ra o Eminennílimo 
„ Cardeal Patriarca D. Thomás de Almeida, que o recebeo a 24 do referido 
jjmez no (eu Oratório da maó domeimo Prelado.,, 

Pag. 4^ , Conde Carnon 1 — ■ de C?.nion. 

Pag. 4 j 8 , D. Prancílco Ofores •— U. Joaó Olores. 

TOMO II. 

Ag. 4. Diverfas declarações de Príncipes, de Damas , deve fer com 

Damas. 

Pag. 1 9. nas mais difficieis *— difnceis. 

Pag. 50. Dom Lope Dias de Soufa *— Dom Lopo. 

P a g« 57 i vem a fer anno deChrifto 1406 , fe emende de 1404^ 

Pag. <;$ , que heanno de I 39c , fe emende , que he anno de i 2,97. 

Pag. 8< , detpojando-o de ofH;io deCundeftavel, deve fer do oífi- 
cio de Condtfhvel. 

Pag. 8ó\ Eftando EIRey em Santarém; a 18 de Março , fe diga, 
? ,eftando EIRey em Santarém a 18 de Março. „ 

Pag. 89. E o Duque de de Cleves , deve fer, e o Duque de Cleves. 

Pag. 91. Creou-fe na UniverfidaJe de Coimbra , fe emende : „Na 
s, Cidade de Coimbra , porque ennó naó era Uni verfi Jade. „ 

f* a í'9? > nâ I^eja de S. Minato, be de S. Miniato. 

Pag. ioi. Dom Gombal deEntença , Senhor de Alcoeta , &c. fe 
diz, que era filho de D. Bernardo Guilhen deMompelher , &c. que era ir- 
mão da Rainha D.Maria de Moirpelher, Sc:, e de D. Juliana de Ampuria 
e deEntença, fe emende: „ D. Gombd de Entença , filho de D. Bernardo 
,j Guilhen deEntença, If. do nome, Senhor dos Condados de Palhas , Riba- 
j. gorça, &c. Mordomo mor da Cafa Real de Aragaó , e Procurador , ou 
j, (íovemidor daquelle Reyno , que fez o feu Teftamento a 4 de Setembro 
>, de 1500; edefm mulher D. Galboac, neto de D. B:rn3rdo Guilhen de 
3 , Mompelher , Senhor do Condado de Palhas, irmaõ da Riinha de Aracaó 
„ D. Maria de Montpelher , e filhos de Dom Guilherm •, V. do nome , VII. 
«Soberano de Montpelher, e de lgnes , fun terceira mulher; e de D. Júlia- 
„na de Ampurias e de Entença , filha deHu^o , ill. do nome, Conde de 
? , Ampurias , e Penlada , que íe achou n-s Cortes de 1 1 07 cmOirona , e de 
,,<"a rru her AdelaiHa , como eferc^nnos na pag. ^4 na Arvore XX'. do 
} , Tomo 1. aonde fe trocou , dando a Dom Gombal por pay a (eu avó. 

Pag. «0$, quar;o filho , fe emende , quinto filho. 

Pag. 1 14, entregar Tangere , je emende , entregar Ceuta. 

Pdg. 1 1 7 , André de Thoulongeon , be A J ri.íó de Thoulo r ií**on. 

Vi/- 12 1, havia Infanta por namral de Pátria de feus Senhorios: 

s , havia a Infama por natural da Pátria de feus Senhorios* » 

Pag. 



c Addicçoes. 3 5 

Pag. 1 2 £ , produzio alguns dos referidos documentos : „ produzin- 
do alguns dos reten.los documentos. ,, 

Pag. i 38 , que o tem tido depois de Carlos V. que fazem o nume" 
ro de doze: «wjue fiztm o numero de dez. ,, 

i J jg. 143 , fediz de Carlos, o Atrevido, que nelle tivera fim a va- 
ronia daiHultre, e antiga Caía de Borgonha, líum Excellentiffimo erudi- 
to reparou na palavra antiga, porque efta linha naó havia tido mais, que 
quatro poííuidores defde , que iahio da Cata Real de França , no que naó 
deixamos de lhe achar razaó , e por naó termoi feito elía reflexão , quando 
elcrevemo? , a advertimos ncíte lugar. 

Pag. 161 , a Cidade deSona >— a Cidade de Sorea. 
Pag. 167, na Arvore da Inhnta D. Ilabd fe vè hum anoronifmo , 
porque fe diz, que o Infante O, Joaó leu pay naiceo a 1 3 de Janeiro de 1442, 
oqiK- procedo de le trocarem os números, e de-vs fer : „raleceo a 1 8 de 
,, Odtubro de 1442 , como du;mos a pag. 149 , e 1 54 do dito Tomo. „ 

Pag. 160, a Infanta D. Leonor, Rainha de Portugal, nôlceo em 
Lovayna a 1 j de Novembro de 1 440 , Je emende : „ nakeo em Lovayna a 
d 15 de Novembro de 1408. „ 

Pag. 173, entre as filhas , que tiveraó os Reys D. Filippe I. e D. Jo- 
anna de Caltella , faltou: „ n. 14, A INFANTA D. MARIA , que nafceo 
jj no anno de «505. Caiou com Luiz , Rey uc Hungria, e Bohcmia , de 
,,qusm no ann.j leguinte ficou viuva fem luccellaó ; foy depois Governa- 
dora de Flandres , e morreo a 18 de Outubro de 1558 „ 

Pag. 180, imitando as fins fab;as máximas ; entrou a governar: 
„ imitando as fuás lábias máximas entrou a governar. „ 

Pag. 182 , com Mahaametc 111. >— Mahom.te IIÍ. 
P^g. 1 87 , A Archiduqueza Anna de Aullria, como fe verá no Ca- 
pitulo Vil 1. be no Capitulo IX. 

Pag. iqó i Calou iegunda vez no anno de 16 21 com Leonor Gon- 
zaga: jj que ficando viuva, en;rou no Convento dasDelcalças de Vienna.,, 
Pag. 203 , paliou a terceiras vodas a 14 de Dezerouro de 1657, 
be de 1676. 

Pag, 204. A ArchiJuquiza Maria Ifabel , Governadora de Flan- 
dres: „Filcceo a 17 dcA^offj de «741 em Marimond , havendo governa- 
„do defde y de Oitjbro de 1725, em que principiou a exercer aRegen- 
„ cia daq'-ielles Eliado?. „ 

Pa^. 207, oJonJe deThaun ■— ■ oConde deTraun. 
Pag. 2 1 ç , o Emperador Carlos VI. ,, Faleceo a 20 de Outubro de 
,, 1740 , fendo o uti no varaó da Caía de Auitria , que por taó largo nu- 
„ mero de annos havia reynado no Império. „ 

Pa?,. 2 16, n.20 O ARCHIOUaUE LEOPOLDO, qne naf- 
ceo em Vienna: „ ro/ bautizado pelo Nu.icio Moof. Spínola, e Padrinho 
„EIRey de Portugal D >m Joaó o V. e .vlaJriniai a Emperatriz Leonor lua 
„avó, eaEnperauú Gailhelmina Amália, vili/is. „ 

Pa^. i%6. A Archidu^ueza Miria Therefa. „ Pormorte do Empí- 

,,rador Ci^o; VI. fio 1 luecedendo pela Pragmática Samfon em todus os 

„ Eílados daCifa dcAultria; toy Coroada Rainha de Hungria a 25 de Ju« 

Tom. VIU. Eii „nho 



3 6 advertências , 

„nho de 1741 com grande folemn ; dade naíua Capital dePofon, ouPref- 
„ boug. N;ite dia le Lnç-.raó diverUs moedas de ouro , e prata , em que t~e 
,,via de huna pane iSia^è. Coroa, taó venerada dos Hungarcs, de que 
jjconfervaó tra liç.ó ler de Sm r o liihvaó, Rey de Hungria, com efta Je- 
3 , tra : Abaria fere fia in Regno H angarie Coronata. Pofon. 25 3««» 
j, 1741 , enoreverfo hum Leaó coroa jo, defeançando nas Armas de Auf- 
„ tra , tendo as duas Cruzes de Hungria com ella leira: Jujlitia , & Clemen- 
,. tia. O Eleitor de Baviera lhe difi/utou o referido direito , penendendo 
„ tuceeder em to los os Eita los hereditários da Caía de Auítria , e EIRey de 
3, PruíTia fe apoderou da Silefía , e formando-fe huma liga dediveríos Prin- 
„ cipes do Império , perteniem defpojar a Rainha de Hungria de todos os 
„ mais EltaJos, menos deite Reyno. Havia cafado a Rainha em vida de 
„ (eu pay aos 12 de Fevereiro doanno de 17 $6" com Francifco, Dique te 
„ Lorena , eBar, Eftaios, que cedeo à Coroa de França por hum Tratado 
,, feito noanno le 17$6 pelo Graó Ducido deTolcant , e os Ducados de 
5, Parma, e Placencia cm Itália. Deita Real união tem havido ate o prefen- 
„te armo de 1741 o« filhos íeguintes: 

21 „A ARCHlDU'iUEZA MARIA ISABEL JOSEFA GABRIE- 
„LA JOANNA ÁGUEDA, que nafceo a 5: de Fevereiro de 17^7, c ía- 
j, leceo* a 7 de Junho de 1 740. 

21 „A ARCHiDUQUEZA MARIA ANNA JOSEFINA JOAN- 
„NA ANTO\'!NHA, que nafceo a f> de Outubro de (7 $8. 

21 „A ARCHIDUQUEZA MAR» A CAROLINA ERNESTINA 
„ ANTÓNIA JOANNA JOSEFA, nafceo a 12 de Janeiro de 1740, e 
3) faleceo 225 dodiro mez , eannr». 

21 „0 ARCHIDUQUE JOSEPH BENTO AUGUSTO JOAM 
„ ANTÓNIO ADAM, que nafceo a i 3 de Março de 174L Foy bau- 
,, rizado pelo Nuicio do Papa Monf. Pauluci , fendo feus Padrinhos o Pa- 
„r>a Benedito XI V. e EIRey Auqufto de Polónia , e no mtfmo dia foy crea- 
? ,do Cavalleiro doTofaó pelo Graó Duque feu pay. „ 

Pag, 2 2 3. E depondo o Sceptro em 6 de Junho de 1 55 1 , he o ati- 
no de Itfç I. 

Pag. 227 , Federico Guilherme Markgrave de Brandetnburg Schu- 
edr , cafadò com a Princeza Sofia Dorothea de PruíTia , tem 

2 l A PRINCEZA N que nafceo ajode Abril de I73?» 

Pag. 228, no reclamo Sophia ~— Anna Sofia. 

Pig. 230, foraô os feus Eftados mais florentes , fe emende , mais 
florecentes. 

Pag. 231, Duque deMecldemburg-Grabau, fe emende, Meckfem- 
burg Scbvverin. 

Pag. 232 . Federico Guilherme , IT. Rey de Pruífia: „ Faleceo a 
„ 3 l de Mayo de 1 740. ,, 

Pag. 234, o Príncipe Federico Henrique de Pruffia: „ Faleceo no 
„anno de 1 741. „ 

P-g. 234, o Príncipe Augufto Femand» de Pruffia : „Cafo;i po 
,,anno de 1740 coma Princeza Luiza Amália Bruuf w ik»Wolfcnbutel j w» 
j, máa d; fua cunhada a Rauíia dePruíIia.j, 

Ibidem 



e Addicçoes. 3 7 



Ibidem. Carios Federico, Príncipe herdeiro de Pruria: „ fucccdco 
„aElRcy leu pay, c he I\iy uc Frullia , &c. „ 

Pag. 2^6, Ho]fana*ticck , he Hollacia-Beck. 

Ibidem , liti 20 de M«rço de 168$ , he 1658. 

Pag. 2 }y , o Príncipe ledenco , que ralcto a 14 de Agoflo de 
1720: „ Colou no armo de 1740 comapnnceza Maria de Inglaterra, fi- 
„ lha delRey jorge 11. da Gráa bretanha. „ 

Ilibem, Siair.oudcr, áa Províncias deFrifia, &c. : „StaIthouder 
jj das Providcias, Scc. ,, 

Pag. 244 , Lrriíliano VI. Rey de Dinamarca, &c. Caiou com 
Sotia Guilt-.eirrtna de biai dcmlurg-Culmbach , &:c. fe emende: „ Caiou 
,, tem Sofia Magdalena , fiil.a de Chriltiano Henrique, Marquez de Bran- 
„ dcmbourg-CulmLach , c«.mo le\è napag. 252.,, 

Pag. 249 , naíceo no primeiro de May o de 1 ycTc; , fe emende , de 
165c. 

Pag. 2 ç 1 . A Princeza Sofia Chriftina de W olífiein, &c. : Faleceo 
„a 23 de Agoíto de i7?7->> 

Pag. 251 , junto a Parma a 29 de Julho >— de Junho. 

Pag. 253. A Princeza Sofia Chriftina Luiza : „F«leceo a 1; de 
„ Junho de 1739, lendo caUda com o Príncipe herdeiro de ia Tour Taxis. „ 

Ibidem. AP.N em Setembro de 1752 , he: „APnn« 

„ceza Ifabel , que nafceo a :o de Agofto de 1732.,, 

Pag. 25^. A Princezi Erdemunda Thereía de DicTtrichftein : „Fa- 
; , leceo a ! ç de Ma ço de 1 7 ? 7- » 

Pag. 2^8, Marquez de Cafavarcio — « Marquez de Caravaggio. ■ 

Pag. 263. Anna Juanovvna, Enr^ratriz da Kuííia: ,. Faleceo a 28 
,,de Outubro de 1740, nomeando a Teu lobrinho Joaó 111. Emperador de 
j, todas as Rulíías. „ 

Ibidem. E d^poi* de Polónia em ir>o8„ edepois de Polónia. Em 
1^98 abraçou a Religião Catholica Romana. O meímo Príncipe , que he 
Fernando, Duque deCurlandia: Faleceo a6 de Majo de 172.7. 

Pag. 269, e he Graó Marichal ^- e foy Graó Manchai. 

Pae. 274. A Princeza Maria Amália de Polónia. Cajon com El- 
Rey das di as Stcilias , ermo fe diz, vafa%. 276 do Temo 111. Seu pay El- 
Rty Augultolll. de Polor.ia ttve mais da Rainha lua mulher os filhos fe- 
guintes : 

21 „A PRINCFZA^MARIA JOSEFA CAROLINA , que nafceo a 4 
j, de Mayo de l 7 ? <• 

21 „A PRINCEZA MARIA ISABEL AFCLLCNIA, nafceoaio 
„ de Fevereiro de \J%6* 

21 O PRÍNCIPE ALEERTO CASIMIRO , nafceo a 1 1 de Abril 
„de 1738. 

21 „0 PRÍNCIPE CLEMENTE WENCESLAO ALEERTO, 
>, nafceo a 28 de Srrembro r!c 1 - X 9. 

21 A PRINCEZA DOROTHEA CONEGUNDA HEDUVIGIA 
,, XAVIER PI ORENCA , nafreo a 10 de Novembro de 1740.,, 

^ a á« z 75 1 aCid.dc ut Veiflcnfd íotre a Sala ^~ fobre crie c -;';•. 



3 8 advertências , 



Pag. *77j o Príncipe Gcorge Alberto , fe emende : Carlos Alberto, 
„ que foy Duque de Saxonia-tíarbi , e morreo i u de Junho de 1759, 
„ havendo-íe frparado de fua multier no armo de 1732.,, 

Pag. 277, de quem nafeco a 27 de Julho de 1690. A Princeza 
Anna. a Princezjt Arma,. 

Pag. 284. O Príncipe Henrique, Duque de Saxonia-Merburg : 
,,Faleceo a 20 de Julho de 175 b" fem deixar íuccefTaó, e os f eus Ellados , 
„ como devolutos, tiveraó reverfaó àCaía Eleitoral de&xonia. „ 

Pag. 289 , no Arcebilpado ds Javerin ■— no Bi I pado de Javerin. 

Pag. 290, e morreo a 15 do mcímo mez , fe emende , e morreo a 
1 5 do mez de Mayo. 

Pag. 291 , n. 18. O Príncipe Maurício — 1 19 O Príncipe Mau- 
rício. 

Pag. 29?. Foy Cónego •— ■ Foy Conega. 

•^g- 1 95> O Príncipe Jorge ; repetio-íe por erro tal vez do Ama- 
nuenfe. 

Pag. 299 , até o dia 11 de Novembro , fe emende , até o dia 2 1 de 
Novembro. 

Pag. 300, Ernefto Luiz Landgrave de Heffc: «FaJeceo a 12 de 
,, Setembro de 1759. „ 

Pag. 301 , nafceo a 20 de Fevereiro de 171 2 , he de 171 7. 

Pag, 304. O Príncipe Carlos Alexandre de Wirtemberg : „ nafceo 
i, a 24 de Janeiro de 1^84. Abraçou a Keligiaó Catholica , fervio ao Em» 
,,perador, e foy Feld Marichal General do Império ; fuecedeo no Ducado 
,, de Wirtemberg, e faleceo apre (Rd a mente a 12 de Mayo de 1737.,, 

Pag. 304 , de quem além de Cario» Alexandre : ,, de quem teve 
,j além de Carlos Alexandre. „ 

Pag. 307 , num. 2 l. A Princeza Ifabel Catharina Chriftina de Me- 
cklemburg. „Caíou a 14 de Julho de 1739 com o Príncipe António Ulri- 
., co deErunfwik Wolffenbutel , a qual depois da morte de lua (ia a Em* 
„ peratriz da Rufíia , foy declarada Graó Duqueza , e Regente da Kuflía , e 
„ feu marido Generalillimo daquelle Império, e deite matrimonio tem naf* 
„ eido até o prefente 

iz „0 PRÍNCIPE JOAM, que nafceo a 23 de Agofto de 1740 , 
,,ehe Emperador Soberano de todas asRuífias, declarado a 2 3 de Agofto 
j, de 1740 pela Emperatriz Anna Joanovvna , fua tia, antes de morrer. 

22 ,,APiUNCEZA CATHALUNA,quenafceoa26deJulhodei74i. 
„ Porém depois por huma confpiraçaó , executada em grande fc^redo , hou- 
„ve huma notável revolução no Império da Rullia, iendo acclamada Em- 
peratriz a Princeza Ifabel Petrowna , filha doEmperador Pedro 1. e de fua 
,, fegunda mulher a Emperatriz Catharina , que havia nafeido a 29 de De* 
,, zembro de l7io, e exalçada no dia 6 de Dezembro deite anno de 1741 
jjcom tal tranquilhdade, que em pouco efpaço de tempo fe executou elte 
„ grande Cualtroíe fe n effufaò de langue. A Graó Du ]ucza , feu marido , e 
„ H hos foraó mania los la^o para Ale ninha , e deíp nados dos Títulos , que 
„ ^ozavaó , e fó.rtente fe Jhs dá o de icu nalcimento de Princcii de cVle- 
>; cklcmburgo, ,, 

Pag- ? ' 5 y 



e jíddicçocs. 3 p 

Pag. } 1 5 , Carlos Fcdcrico , Duque de Holftein-Gotorp : „Falcceo 
,,316 de junho oc 1 7 2, 9. „ 

1 ag. 2, 1 b" , òoh- Magdalcna Angufla , fe eviende , Auguíta. 
1 i t . 32 2. Clcu « 1 8 ue/ibril lc lócy , /f iJCi». 
t* a fr 5*3- Caiou a 17 ue òttembro oe 1674, Je emende , de 



1 547- 
«547- 



Pag. 32} , nafceo a 2 de (Juculro de 1574 , fe emende , de 



Pag. 324 , nafceo a l 2, de Guieiro de 1 575 , he 1 576. 

Pag, $i(> , tilippe \\ nhcinio, Conde Paiauno do Khin, nafceo a 
5 de Novembro de 1^59 , dtxe-Je emendar , de 1615. 

Pag. }$o. Ol-ntitije Akxanorc òeghmundo, Palatino: ,, Falccco 
j, no anno de 1737.» 

Pag. 2, 2,2. A Prínceza Heduvigc Ifabel Amália de Baviera: „ Fale- 
„ ceo a 1 tj de Dezembro de 1738.,, 

Pa ,. 5 ! 5 , onde !e diz , que Federico Maurício Czfimiro de !a Tour 
deA^ver^nc, Príncipe de Turena , C-mcreiro mor de França , que morreo 
no primeiro de Outubro de 1723, íe adverte , que he equivocaçaó , porque: 
„ Eli; Príncipe no anno de 1733 tez a Campanhi de Alemanha, depois tez 
„ dcixaçió do (eu Regimento , e largou o lerviço no anno de 1735. Te- 
„ ve de lua mulher 

21 „ A PKINCEZA MARIA LU1ZA HENRIQUETA JOANNA 
>jDE LA TDbK A ^8 EkGNE, que naíleo a 15 de Acoito de 1725. 

21 „u PRÍNCIPE N DE LA TOUR AWERGNE, que 

„ nafceo a 16 de]-nciro ce 1728. ,, 

Pau. 3 ?,$ , a 2f de Mayo de tr>Qc/ , he a 25 de Março. 

Pag. 341 , n. 2 1. A Princeza Amália Maria Arina , &cc. „Cafou a' 
,,a 17 de Jane ro de 1742 com o Duque Clemente de Baviera, filho ao 
j, Príncipe Fernando de Baviera , irmão do Eleitor Reinante , eleito Empe- 
„ rador. ,, 

Pag. 2,42 , n. 2 1. O Príncipe Carlos Fillppe Tbeodoro : „Ó.fou • 
„ com fua prima corn umáa a Princeza Maria Ifabel , filha do Príncipe ]o- 
„ fcph Carlos, Conde Palatino de Sultzbach. „ 

Pag. 244, nafceo a 20 de ( )utubro de 1650, deve fer, de 1(1 5^ 

^'g- ?47 } Príncipe de laThurn, cTaífis, he Príncipe de la Tour, 
e Tiffis. 

Pae. 2,çf) , a 14 de Novembro de if>2p , he de 1669. 

Pa,:. 2,50". Cstr-nercs 1 2, haiiaõ de ir dentro. 

Paç. 2,50. AI nrcc2a Magdalcna Auguíia de Anbalt: „Faleceo a 
j, ! I de Outubro de l 740. „ 

Pa»:. ?6o . nafceo a ?o de Pe7errhro de 171 7 , he de 1707. 

Ibidem. A T rincíz? Augulra de Saxoria-Gota : „ Caiou, como di- 
,,zemo! na pag. 2,5c do Livro II. Tomo I. cem o Príncipe dcGales, herdei- 
„ ro da Coroa de In^Iarcrra. „ 

Pag. 2,f>i , n.ifceo a 1 1 de Agofto de 1666, deve fer de 1676. 

IbiJcm. nafceo a J, de Outul ro de 1602, , dete fer de irt 77. 

Pa . 562 , a quem oLmpcrador o participou com o Duque de Sa- 

xonia, 



4 o jídvertencias , 

xonia, de-vefer: „ participou como Duque de Saxonia. „ 

Pag. 372 , naíceo a 2$ de Fevereiro de 1675, fo de 1675. 

Pag. 373. A i J rinceza Augufta Luiza , mulher de Jorge Alberto: 
„ Faleceo no anno de 1738.,, 

Pag. 378, morreo a 17 de Abril de 167'/ , dexe fcr: „ morreo 
„ a 14 de Fevereiro de 1618.,, 

Pag. 3 70 , deixando cinco filhos ^— deixando féis filhos. 

Pag. 39* j a ordem de iuceeder na Coroa, feito a 1 3 de Agofto , 
dsfefery feita a 13 de Agofto. 

Fag, 395. He Duque de Duas Pontes , deue-fe di*çr: „ Foy Du* 
„ que de Duas Fontes. „ 

Pag. 3 p9 , nafceo a 2 8 de Novembro de 1728 , he de 1730. 

Pag. 406. APrinceza Chriftina Sofia de Brunfwik-Beven : „ Cafou 
„at6 de Dezembro de 173 1 com Federico Ernefto, Margrave de bran- 
5, demburg-CuImbach , Cavalleiro da Ordem do Elefante , e Governador de 
„Gottorp por EIRey de Dinamarca, eteve 
N. 
N 

Pag. 4otf. O Principe António Ulrico Bevern: „ Cafou a 14 de Ju- 
„ lho de 1739 coma Princeza líabel Catharina de Mecklenburgo , como le 
„ diíTe na pag. 307.,, 

Pag.413. O Principe Luiz Ernefto Bruf^ick Bevern: „ Foy eleito 
„ Duque de Curlandia pelos Eftados daquells Ducado a 16 de Junho de 

Pag.4i3. APrinceza Juliana Luiza de Oílfrife, Duqueza de HoN 
ftein-Ploen, viuva do Duque Joachim Federico: „ Faleceo a 9 de Janeiro 
„ de 1 740 de idade de quarenta e dous annos. „ 

Fag. 414, 21 „N de ReuiTen , nafceo em Março de 

„ 174! , filha de Henrique XXV. de Reuficn. „ 

Fag.417, e morreo a 28 de 1725: „e morreo a 28 de Janeiro 
„ de 1705. „ 

Fag. 44 3 , Joaó Gaftaõ de Medicis , Graó Duque de Tofcana : „ Fa« 
„ lecso a 9 de Junho de 1737 fem deixar fucccííaó, lendo o ultimo var-õ 
„ dúquclla Cala , que havia polfuido aquelle Eftado. „ 

Pag. 455 , e quinta vez com N Senhor de Chancelou, 

he quarta vez. 

Pag. 461, APrinceza Jofefa de Lorena, nafceo a 16 de Fevereiro 
de 1705 , he de 1503. 

Pag. 462. APrinceza Ifabe! de Lorena, nafceo a 15 de Outubro 
„de 1711: „ Cafou com Carlos Manoel, Ilcy de Sardanha, e faleceo a 3 de 
„ Julho de 1 741.5, 

Pag. 470, dos direitos do de Campo •— • dos direitos do Campo. 

Pag«479 , a 5 de Fevereiro de 144.3 , hl a 5 de Junho de 1445. 

Pag. q.8y. Era Efcrivaõ da Puridade no anno de 1 34(5 , he no an« 
no de 1436. 

Pag. 490 , nem no manejo dos cavallos , cu que eraó taó def- 
tro *— em que era taó defiro. 

Fag. 501, 



e Addicçoes. 4 1 

P.\g. $01 , e outra de Paulo II í. — • e outra de Paulo II. 

Pag. 5 1 C> . por morte dclRey Filippe — por mercê dclKey Filíppe, 

F g« 5 • 8 > por Carta paliada a 1 4 de Ma) o de 1 647 , £<? de 1641. 

Pag. 510, Uona Filippa deLara, he: „ Dona Fllippa de Mtntzcr, 
,,aqual taleceo a if> de A gol! o de 1644, e jaz com a retaida lua irmãa no 
,, Capitulo do Moltciro decanta Anna de Leiria. „ 

ibidem. Uom TheoJoíio, I. do nome, V. Duque de Bragança, e 
I. de Bdrcelios: „ Ffte Príncipe naó foy Duque de Bar.eilos, e o 1. foy leu 
„ filho o Duque D.Joaó, como dilíemos na pag. 1 1 7 doTomoVl.,, 

Pag. 525 , D. Álvaro de Noronha, eítá concertado a calar com D. 
Ifabel de Noronha, filha dos 111. Marquezes de Angeja ,je di&a: „ Dona 
„ Therela de Noronha , filha dos il. Marquezes de Angeja , com quem ca- 
„tou a 2 ] de Outubro de 1758 , e tem D. MARIA DO CARMO DE 
„ NORONHA , que naiceo a 2 de Novembro de 1741.,, 

Napag. 526 , D. JoUph de Noronha , e D. rrancifco feu irmaõ , 
faó Cónegos da Santa bafilica Patriarcal , de que tomarão poile cm 16 de 
Mayo de 1739. 

Pag- 5*7- Foy Abbade da Igreja Collegial 1— da Igreja Collcgiada, 

Pag. 528, Senhor de Lucena y c Soljorea 1— e Sollona. 

Pag. 529. D. Francilco deMoncada, IV. Marquez de Aytona , 1— • 
be: D.Miguel Francilco deMoncada. 

Ibidem. Dom Guilhen Ramon deMoncada, VI. Marquez de Ay- 
tona : he V. Marquez de Aytona. 

D.Maria Ctharina deMoncada ,&c. aqual morreo na flor da ida- 
de em vida de ftu pay : „Naó toy fenaó mais de íeis annes depois da mor- 
j, te de feu pay.,i 

^ a g- 5 5?» e de Alhos Vcdros, e Orlalagoa , he Ortalagoa. 

Pag. 554, e S. Salvador de Valorco , ^-« e de S. Salvador de Val- 
dreu. 

P a §- 5i7> Dom Jeronymo deAtaide, II. Conde de Caftro Dairo: 
j,Faleceo a 10 de Dezembro de \66g. ,, 

P a Ã- 5 19 j e n0 Reyno Morgado da Foz , 1— e no Reyno do Mor- 
gado da Foz. 

Pag. 540, e S. Lourenço do Barro, —* e S.Lourenço do Bairro. 
Pag, ç4«5 , onze dias , que fomente teve de vida ■— < nove dias, 
que fomente te^e devida. 

Pag. 548, D. Filipa Coutinho , Scc. : „Falcceo a 2 de Fevereiro 
„dci72.cT„ 

Pag. $48 , eTamarutara •— e Tamarandiva. 
Pag. 548 , Frontriro môr do Rcy :o •— * Fronteiro môr de Lisboa. 
Pa^. 551 , 1). Luiz Joieph Thomáa de Caftro Noronha e Souía , X, 
Condi de Monfanto: „He ÍV. Marq íez de Cafcaes por mercê delRey D. 
,, Joaó V. com o tratamento de íobrinho. Cafou a 20 de Setembro de 
, .17^8 conD. Joanna Perpetua de Pra^ança, aquém omeímo Rey con- 
„ cedro ss honras , e prerogauvas de Duqueza, filha do Senhor D. Miguel, 
„eda Djqutfza de Laroens D. Luiza Cdfimira de Souia íua multar, como 
„ lediiír no Opitulo XIX. do Livro Vil. „ 

Tom.VlH. F Ibidem. 



A 2 Advertências 5 

Ibidem. Dona Maria Jofefa da Graça de Noronha : „ Dona Maria 
„]ofyh da Graça de Noronha. Caiou az Ue Mayo cc 1 740 comD.Fran- 
„cilco Rafael de Menezes, Vi. Conde da Ericeira, ptimo D enito dcD.LuiZ 
} , de Menezes , 1. Ma.quez deLcuriçal. „ 

Pag. 560 , na allegaçaó da margem hemmatum — Stemmatum. 
Pag. 563 , tendo naíeidonoarmo de 1585 — tendo nufcido a IO 
de Abril de 150*. 

Pag. 564, com a Princeza Jacquclina de Baden, que nafceo a ip 
de Novembro de 1 580 : „ A Princeza Maria Jacquclina de tíaden , que naí» 
„ ceo a 2 ç de Julho de 1 507 , e morreo a 1 $ de Novembro de 1 580. ,, 

Pag. 573 , fe leguio a tomada de Belgrado, em que entrou coma 
efpada na maó a 6 de Setembro de 1 6 89 , he o anno de 1 6 88 ; e loy % o adiante : 
no fuio de Moguncia fe achou quando íe tomou elta Praça no armo de i 6 90, 
he o atino de 16 89. 

P a £'575' OPrincipe Fernando Maria de Baviera : „ Faleceo aç 
„ de Dezembro d^ 1738. 2 1 Maximiliano Francilco feu filho, faleceo 

,,a 28 de Abril de 1 738. 21 N nafceo a zi de Julho 

„de 1723, chama-fe MARIA THERESA.,, 

lbdem , n. 2 1 O Príncipe Clcmenre , 8cc. „Cafou a 1 7 de Janeiro 
„ de I 742 com a Princeza Amália Maria Anna , filha de Jofeph Carlos , Con* 
, ; de Palatino de Suhzbach.,, 

Ni meíma pag. 57^ , o Duque de Baviera Carlos Aiberto , &c. : 
, 5 Pela morre do Emperador Carlos VI. pertendeo fueceder nos Eftados da 
„ Cafa de Auílria , r.-fufcitando hum direito dirivado do Emperador Fer« 
j, nandol. aííim declarou guerra à Rainha de Hungria , e entrou no Reyno 
„ de Bohemia com o feu Exercito, efe coroou Rey na Cidade dePriga, e 
„ depois foy eleiro Emperador a 24 de Janeiro de 1742. „ 

Pag. 589, que rnorreo a 14 de Março de 1682, he 1582. 
Pag. 591 , nafceo, e morreo noanno 1601 , foanno 1 562. 
Bag. f 92 , e morreo no anno i 667 , he anno de 1 567. 

Pag. 609. N. de Bourbon , nafceo a I 5 de Janeiro de 

1705, he aiç de Janeiro de 170? , e fe chama: HENRIQUETA LUI- 
ZA ANNA DE BOURBON CONDE 5 VERMANDOIS, he Religioía. 
22 Therefa Alexandrina de Bourbon : he ISABEL ALEXANDRINA. 

Pag. 610 j n. 22 Luiz Henrique, Duque de Bourbon , &c. „ Fale- 
„ ceo a 27 de Janeiro de 1740. Teve da fegunda mulher 

2? „AN DE BOURBON, Principí de Conde , que 

„ nafceo a 9 de Agofto de 1736 , fuecedeo nos Eftidos de feu pay, e no 
„ círgo de Mordomo mor , de que lhe fez mercê EIRey Luiz XV. o qual 
„ Jogo começou a fervir feu tio Cailos de Bourbon, Conde de Charolois, 
„ até que cumpriííe dezoito anno». ,, 

Ibidem. Faleceo a 30 de Fevereiro de 1632 , he a 30 de Feverei- 
ro de 1732. 

Pag. r>i ç. Cafou a 20 de Julho de 17OT , he o anno de I700. 
Pag. 622 , a 2 1 c'e Agolío àt 199c , he de 1^95. 
Pag. 629 j na.ceo a 19 de Janeuo de 17*0, he a 10 de Junho de 
1707. 

Paj. 



e AJcíicçocs. 4 3 

Pag. 6^1 , que morreo moço 166$ *— rrorreo moço em t66$. 

Pag. 6 }f> , o qual já tinha fido cafado no anno de 1 688 , be 158 8. 

Pag. 641, 21 OPrinci t e Guilherme Gultavo de Anhalt : „ Fale- 
„ceo de bexigas em DelT^u no mez de Dezembro de \y\7 » lendo Tenen- 
„ te General da Cavallaria com hum Regimento de Couraças. „ 

Pag. 644. A Frinceza Henriqueta Cafimira de Natlau : „ Falcceo a 
„ 1 8 de Dezembro de 1758.,, 

Pag. 645 , naíceo polthumo , o primeiro de Fevereiro de 171 1 , 
devefer, no primeiro de Setembro de 171 1. 

Pag. 645. Oíou 425 de Abril do anno de 1755» he de l 7?4« 

TOMO III. 

PAg. 4, em o mais florente tempo *— em o mais florecente tempo. 
Pag. 7. Dom Pedro de Menezes , quarto Conde de Cantanhede , e de- 
pois primeiro Conde : — -. Dom Pedro de Menezes, quano Senhor de 
Cantanhede , e depois primeiro Conde delta Villa. 

Pag. 7. Dom Fernando de Menezes , Mordomo mor do Infante: 
"— * Dom Fernando de Menezes , Mordomo mor do Infante D. Ferrando. 

Pag. 8. Dom Joaó de Abranches de Almada , primeiro Conde de 
Abranches : ~ D. Joaó de Abranches de Almada , filho do primeiro Con- 
de de Abrancrrs. 

Pag. 14, opprimido dos bandos dos feus VaíTallos naõ teve effeito. 
«— * Naõ tiveraó effeito. 

Pag. 1 6 , a que violência deu o nome ►— a quem a violência deu 
o nome. 

Pa^, 2 1 , e naõ podiaó attender a cilas com a fua aufencia — i e 
naô podiaó attenier a elles. 

Pag. 2 ç. D. Sancho de Noronha , I. Conde de Odemira , &c. onde 
diz: Enomelmo livro fo!. 209 eftá huma Carta feita em Çamora a 20 de 
Outubro de 1475, naqual diz, querendo fazer mercê ao Conde de Faro, 
e OJemira, e Aveiro, meu muito amado (obrinho: „ Foy equivocaçaó , 
„ porque a tal mercê foy feita afeu genro D. Affonfo , I. Conde de Faro, 
„ como fe verá no Livro VlII. Capitulo I. do Tomo IX. pag. 1 00. „ 

Pag. 27, po-que naó achamos defte appellido Fidalgo com cite 
nome, nem em outra de tantos merecimentos: ~^ nem outrem de tantos 
merecimentos. 

Pag. 29, fazendo Conde ao Vifconde D.Lourenço de Lima, elle o 
recufou *— 1 fazendo-fe Conde aoVifconle D.Lourenço. 

Pag. i,o , em que fucceJeo ao Infante D. Fernando , o Santo , ro 
anno de 1475: ,,emque fiuceJeo aolnU.ite D.Fernando, o Santo. No 
,,anno de 147c ainda era M »rdomo môr. » 

Pag. } 2 , lhe faço mercê de feu Camereiro môr >— lhe faz mercê 
defeu Cimerciro mó-, 

P â g« \ 5 > 1 ue era oceupaçóes de Fidalgos 1— que eraó oceupações 
de Fidalgos. 

Tom.VIlf. Fii Pag. 



a a advertências^ 

Pag. 4?, a qual Carta lhe mancou por GonçalJo Vaz : — « a qual 
Carta lhe mandou paffar por Gonçallo Vaz. 

Ibidem. Foy /Umotacè , uizcndo EIRey na Carta : ^- Foy Almo- 
tacê mor, e diz EIRey na Carta. 

Pag. 50 , Ruy Gomes da Sylva , Senhora da Chamufca , — « Se- 
nhor daChamufca. 

Pag. 54 , como confta da mercê de Alcaidaria mor »— como conf- 
ta da mercê da Alcaidaria môf. 

Pag. 64 , devemos íobre todas fempre muy grande prezar , e amar : 
mm devemos fobre todas grandemente prezar, e amar. 

Paft.fSo, como deixamos eícrito no Capitulo XI. deite do Livro: 
»— 1 como deixamos elcrito no Capitulo XI. do Livro III.pag.66t. 

Pag. 87 , como difTemos no Capitulo IV. defte Livro: „ como dif- 
„ femos no Capitulo IV. do Livro III. pag. 145, e no Capitulo IX. do Livro 
„Ill.£ag. 562.,, 

Pag. 90 , fobreviveo a fna mulher, que faleceo no anno de 1 509 : 
p— < porque faleceo no anno de 1 ÇO9, 

Pag. It7, que fe rizeraó docafamento do Principe Dom Aff >nfo : 
•—1 que fe fizeraó pelo cafamenro do Principe Dom Affonfo. 

Pag. 1 ;o, Senhor do Paul, de Boguilobo ►— ■ Senhor do Paul de 
Doquilobo. 

Pag. Ml, Dom Fernaõ Martins , do feu Confeiho, Alcaide mor: 
„Dom Fernando Martins Mafcarenhas, do feu Confeiho, Alcaide mor de 
„ Montemor o Novo. „ 

Pag. 1 5 8. Mandou edificar huma Ermida em Almeirim , e outros 
legados pios: „ Mandou edificar huma Ermida cm Almeirim , e deixou ou- 
„ tros legados pios. „ 

Ibidem , e outras difpofiçóes de animo Real »— e fez outras difpo» 
ções de animo Real. 

Pag. 144, o Arcebifpo D. Martinho de Portugal, be o Arcebifpo 
D. Martinho da Cofia. 

Pag. 147, Duarte III. Rey de Inglaterra , morreo a z 1 de Junho 
<de I \69 , be anno de 1577. 

Pag. ifíz, e por Vedor da f-ia Cafa ; Gomes de Figueiredo: •— 
epor VcJor de fua Cafa Gomes de Fiçeiredo. 

Pag. 1 7 tf , a 9 de Julho de IÇ14 > — ■ a 9 de Junho de i Ç14. 

Pag. 181, que cheo de fanto gofto •— • que cheyo de fanto gof- 
to. 

Pag. 20^. Dom Joaõ de í,»ncaftre , filho primeiro do Senhor Dom 
Jorge, Duque de Coimbra , fez Marquez de Monte mor: ►— < fez Marquez 
de Torres Novas. 

Pag. zotí , que chfgsraõ à noffa noticia, afaber: íem preferencia 1 : 
r— < que chegarão à nola noticia f;m preferencia das prerogativas , Scc. 

Pag. rz ^ , o que tuco foy jurado pelos ditos Corftitucntes ■— pelos 
ditos Constituintes. 

Pag. 225 , que firersó condição defte Tratado exterminação dos 
Cbriííáos novos: — 1 ddie Tratado, a exterminação dosChriftáos novos. 

Plg.Zttfy 



e Aâiicçoes* 4 5 



Pag. i 2 6. O Bifpo da Guarda; Dom Pedro Vaz Gaviaó: — < O 
Bifpo da Guarda Dom Ptdro Vaz Gaviaó. 

Pag. 21 8 , o Príncipe D. Miguel da Paz, Scc. morrendo em Gra- 
nada aio de Junho de i 500 1 — ■ a 10 de Julho de 1 500. 

Pag. 2^8. Oitocentas dobras de ouro Caftclhanas: *-n Oitocentas 
mil dobras de ouro Caltelhanas. 

Pag. 24$, aonde diz D.Pedro de Caftella , Conde de Traftamara, 
morreo a 2 < J e Miyo 14CC D. Ilabel deCallro , feetvetide: „D.Fradique, 

„ M<ftre de Santiago , rr.irno a 29 de Mayo de 1 558 , e N Na 

„ melma Arvore : A cir^tfla D. Mama de Ayala , kc D.Marina de Ayala. „ 

Pag. 24S , a 6 ut Outubro do referido anno de 1 526 , ke anno de 

Pag. 252, e deixando de feu nome immortal fama, paflou a Hef- 
panha a 2 1 de Setembro do anno de 1 558 , e morreo no Morteiro dcSaõ 
Jufte: j, paliou aHefpanha, e morreo a 21 de Setembro de 1558 noMof- 
„ teiro de Saó Juííe. „ 

P a g- 2 5í > como fe dirá no Capitulo XVI. deite Livro, fo Capita- 
lo XV. dcfte Livro. 

Pag. 254, que morreo em Valhadolid 315 de Julho de I54$> ke 
a 12 de Julho de 1 $45. 

Pag. 2 54 , como alguns eferevem a 24 de Junho de I568 , he de 
Julho de !$r>8. 

Pag. 258,0 num. ! 8 , he 17. 

Pag. 259. A Rainha de Hefpanha D. Marianna de Baviera: „ Fale- 
„ eco em Julho de 1 740. „ 

Pag. 262 , deu incomparáveis moftras de valor *—• dando incom- 
paraveis moftr is de valor. 

Pag. 1 1 7. Foy levado de Cidiz a Leorns com huma armada *— em 
huma Armada. 

Hag. x6-r. EIRey dis duas Sicilías : ,, Cifou a 19 de Mayo de 
5» 17^8 com a Princeza Maria Amilia de Polónia , filha de Feierico Aa- 
„ surto , 11!. Rev de Colónia, deqiem tem até o prefente 

21 „ A PR1\"T.7\ M\R1A ISAREL ANTÓNIA DE PADtM 
^FRANCISCA XAVIER F' } A\'^CA DE PAULA JOANNA NE- 
„POMUCENA JOSEPH ONOSIFORA, que nafceo a 6 de Setembro 
„de 1740.,, 

Pag. 21Í9. Ourorgiraõ na prefença de Sua Mageftade : ►— Outor- 
garão na prefença de Suas Magertade». 

Pag. 28 ? , com fua prima com irmáa Maria Luiza deBorbon, fe 
diga: Francifca Maria Luiza de Borbon. 

Pag. 28}. Not fi.^os dr> Dunue de Orleans , que fe achaõ aponta- 
dos com o n. 18, de-vem íer todos com o num. 1 9. 

Pag. ?8j,, com) fe v; r á adiante no §. Hl. do Capitulo III. defir; 
Livro, fetmende: no § IT. Capitulo VIL dcfte Livro. 

Pag. 285 , de Borbon ^onri Conde ^- de Borbon Contl-Condc: 
Na rrefmi pagina: Os fiihos d- Luiz, Duque de Orleans, que vaó aponta- 
do» com o num. 19 , dsxe fer como num, 20. 

Pag. 



a 6 Advertências , 



Pag. 2 86\ Duque de Montemâr , e de Wonea >— • e c?e Vivone. 

Pag. 29 I , tederico il. Encerador >— Federicu lil. Emperador. 

Ibi.iem. D.Duarte Key de Portugal, morreo a 9 de Setembro de 
148 $ , he de 1438. 

Pag. 294. EIRey lhe deu em dote cento e cincoenta mil ducados de 
bom valor , e julto pezo , cem em dinheiro, e o maia em Joyas : *— cem mil 
em dinheiro , e o mais em joyas. 

Pag. 194,/ê acha repetido o num.jç das Provas, e napag. $87 
falta o num. 98 das Provas, mas hum, e outro fe achará no Tomo dos Do- 
cumentos , onde r vaÓ lançadas, 

Pag. 200, e a debaixo partidas de branco h— e a debaixo partida 
de branco. 

Pag. 500 1 que fintio a violência das Armas de Barbaroxa >—* que 
fentindo a violência das Armas de Barbaroxa. 

Pag, 504. Fazendo-o alvo dos feus vifinhos, ■ — 1 Fazendo-o alvo 
dos feus defignios. 

Pag. 510,0 num. 1 6 , deve fer 1 7. 

Pag. 317» mandou no anno de 1719 huma Armada a Sicília: 
•— 1 mandou no anno de 1718 huma Armada a Sicília. 

Pag. 519, jurarão a Princeza 1 — ■ a jurarão Princeza. 

Pag. 520 , nafceo a 17 de Setembro de 1687 , he de Ifí88, 

Pag. 521. Carlos Manoel de Saboya , Rey de Sardenha: „Cafou 
„ terceira vez a 5 de Março de 1757 com Ifabel Therefa , Princeza de Lo- 
rena, filha dos Duques de Lorena Leopoldo, c de Ifabel Carlota de Or- 
„ leans, como fe diz na pag. 46* do Tomo II. a qual faleceo fobre parto a 
„ 3 de Julho de 1741 , tendo tido os filhos feguintes: 

20 «CARLOS FRANCISCO MARIA DE SABOYA , Duque de 
„Aoíta, que nafceo no primeiro de Dezembro de 1758. 

20 „ A PRINCEZA MARIA ViCTORIA DE SABOYA, que naf- 
„ceo a 12 de Junho de 1740. 

20 „ N. ........ . Duque de Cia vais, que nafceo a 1 1 de Junho 

„dei74«.„ 

Pig. 522 , nafceo a 19 de Março de I 750 , he o anno de 1729. 

^-S'?) » fi' na d Pincipe de Carinhano Thòmás, num. 1 8 , he 
num. 16. 

Pag. 552, que nafceo no anno de 1691 , he o anno de 1591. 

Pag. 542 , o num. 2o , he 19. 

Pag. $50, Marquez de Uroncro 1 — ■ Marquez de Dronero. 

P a S' $5 ?• A Condeffa Joanna filha de Hugo, Conde de Paul »— 
Conde de S.un Paul. 

^ a S' ?57> e por outra paffada a I 2 do mefmo anno •— • paffadaa 
12 do me imo mez. 

P a S« %6$. Apofenrador mor ; D. Vafco de Eça : >— Apofentador 
mor D. Vaíco de Eça. 

Pag, 1,66, V ir outra verba coníla pedira EIRey pelos feus ferviços 
•— « coníèa pedir a EIRey. 

Pag. j 68. Ahmji mxrcent fios ►— marcefeeret fios. 

F" a g-?7?> 



e Addicçccs. <yj 



P a ?« ?77 > c da Tua partida, que depois moftrou a experiência •— 
Joque depois moftrou a experiência. 

Pag. $ 8 6 ate à ^87, rijqnetnfe os parenthefis. 

Pag, ^hj , na margem adat.no <— ad annum. 

Pag. 393 , chamou o Senrsor O. Amónio á fua prefença a feus fi« 
lhos 1— ' alua picltnça leu filho. 

Pag. $94. loy conduzido por dous navios : »— Foy conduzido em 
dous navios. 

Pag. $97 , Hic tuh k— Hie tultu. 

Pag. 398. l-aitcco em Pariz a a, oe Junho de 161,8 , fe acerefeen- 
tt: „Jaz na C»pella de Gondi no Convento dos Francilcanos junto deícu 
„ pay , como ie lé na H itoria de Pariz de Filibien. ,, 

Pag. 40 1 , c o rez Balio de Santa Catharina de Utreclu 1— o fez 
Balio. 

Pag. 4c (5 , como fe dirá no livro V. •— ■ como fe dirá no Livro VI. 

Pag. 4c o, )á depois da morte deliiey D. Manoel ■ — 1 foy já de- 
pois da morte delKey D.Manoel. 

Ibidem , que na dita Cidade dclRey tinha »— que na dita Cidade 
EIRey t : nha. 

Pag. 415. D. Fernando de Caftro , Senhor de Ançáa, morreo em 
Anril cm 144» — em Abril de 1441. Namefma Arxicre falta o tempo 
da morte do Conde (lai el D. Nuno Aluares Pereira, que foy a li de Afayo 
de 14}* , e o nome de f tia mulher D. Leonor de Alvim. 

Pj£ 418. D. Fernando de Valconcellos, Bifpo de Lamego, e Ca- 
pellaô mor Ayres B«rbjU feu Meftre •— Capeilaó mor. Ayres tíarboía feu 
Metlre. 

Pag. 419 , aíodeOutubo de 1 54^ •— ■ a So de Ojtubrode t q %o. 

Pag. 4$ 7, pela Infanta fui máy , e com as dittinçó;s de Prindps 
do fangue — < p-Ja infanta fua máy, com as di funções de Príncipe do fm« 

gUC * 

Pag. 4^-ç , a 1 7 de Fevereiro de lo" 81 — > a 1 7 de Janeiro de 16 81. 

Pi,'. 458. Princeza de Palatina — Princeza de Paleftrina. 

Pag. 4*5 5 1 que inea admiraeuum *— aâmiracultm. 

Pag. 475 , em II de Julho de 15^7 >— em 1 1 de Junho de 1557. 

Pag. 4^9 , porque vem reynar depois nellis 1 — « porque vem a rey- 
nar depois nelles. 

Pag. 480, a que chamarão o Roxo •— ■ aquém chamarão o Roxo. 

Pag. 486, ror Bu)'a do referido Pipa a 1 1 de Julho do anno de 
154$ ' — por Bulia do referido Papa de 11 de Mayo de 1 54c. 

Pag. 487 , em Aviohaõ a 8 de Mirço de I ; t ? , de outras memo- 
rias, 1— em À inhió a 8 te Mirço de 1 2,25. De ostras memorias. 

Pag. 498 , nem que teve efte titulo 1— - nem quem teve efte titulo. 

Pag. 510 , coro fica dito a foi. 414 ►— napag. 214. 

Pag. 512 , cm qve exerceo os tacs póílos •— em que exercia os 
ta es {-óft-vs. 

P a ^« 5 '9 > CoTimenda/or de cem Soldados 1 — ■ decem SoMos 

Pag. 535, onde diz foy oPrincip conduzido nos braços do Infan- 
te 



a 8 Aàvertencias , 

te D.Luiz, e das peças levou o Infante D.Fernando o Saleiro, aofferta do 
Círio o Duque de B^rcellos D.Theodofio , e a Fogaça o Conde de Tentúgal : 
„ padecemos equivocaçaó, em que nos fez cahir o Cnronifta Franciico de 
„ Andrade na Chronica delKcy D. Joaó III. paru 2. cap. 2 $ , pag. 1 05 verf. 
„ porque o Ducado de Barcclios naõ entrou na Cala de Bragança fenaô 
,, muito depois no Duque D. Joaó I. do nome entre os de Bragança , e !. de 
,j Barcclios noanno de l$6t, o que naõ padece duvida, como eícrevemos 
„ no Livro VI. Capitulo XV. pag. 1 2 1 do Tom. VI- com que o Duque , que 
„ aííiftio naquella funçaó , devia íer o Duque D. Jayme , que vivia naquelíe 
„ tempo , e parece , que a elle tocava aquella honra , e f : foy teu hlho D. 
jjTheodoíio, e era Duque, o feria de Guimaraens , porque cÁc Ducado «n- 
„taó era da Serem ífima Caía de Bragança.,, 

Na mcfma pagina : e no topo delia hum eftrado 1 — ■ e no topo dei- 
la eftava hum eftrado. Nejia pagina o paragrafo, que fe imprtmio , naõ fe 
devia fepar ar por elle , porque era continuada a matéria, como fe ii. 

fag, 545. A Duqueza Maria de Borgonha, morreo a 2 — morno 
a 2 5 de Mdrço de 1 482. Na dita Arvore : A Duqueza Maria de Baviera , 
morreo a 2 5 de 142 3 : • — 1 morreo a 2 3 de Março de 142 3. Na mefma 
Arvore. D. Fedcrico Herique II. Almirante de Caílella. ►— D. Fedenco 
Henriques , &c. 

P^g- 554 » que em ferviço da Igreja fizeraõ beneméritos •— que 
emferviço da Igreja íe fizeraõ beneméritos. 

P a g' 559 ■> eaffim os demais officios, que ferviaõ na fua Cafa >— • 
e aílim os mais officios , que ferviaõ na fua Cafa. 

Pag. ç6ç , a 26" de Mayo de 1 544 , he de 1 $44. 

Pag. 57; , na margem a Prova num. 941 , he num. 149. 

Pag. 582. Teve por ama a D. Ignes, &c. fe acere fcente : „ A qual 
„ cafou com Sebaftiaõ Mendes Pimentel , de quem toy filha D. Filippa Pi- 
„ mcntel , mulher de Chriftovaó Pantoja de Almeida com fucceffaõ , como 
„ fe ve em titulo de Pantojas. „ 

Pag. 584. No dia, que entrou a governar D.Aleixo, revertido de 
zelo. »— No dia, que entrou aaovernar, D.Aleixo revertido de zelo. 

Pai. 589 , com que vinha a fazer de renda doze mil cruzados *— 
com que vinha a fazer quaíi onze mil cruzados. 

P a S- 596' Anno Inçar nationis Domi>ri mUlefimo quinçente(imo fep- 
thno. ►— ■ Anno Inçar nationis Domini quingentejimo quinquage\\mo feptimo. 

Pag. $97 , de poderem ablolver ' — o poderem abíolver. 

Pag. 621, por fer provido em Bifpado de Lamego •— no Bifpado 
de Lamego. 

Pag. 647, com que era convencida huma prefcripçaó de três fecu- 
los »— com que era convencida, huma prefcripçaó. 



TOMO 



e Aàákçtís. 42 



TOMO IV. 

PAg. p , Joaõ Schilteferi i — i Jo,iô Schiltero. 
Pag. j o , Taboa I. em EIRey D. Fernando , num. XXXVW. ha defer 
num. XXXVll. 

Na mefma pagina quando fe falia na Rainha D. Leonor Telles , num. 
XXXVll. ha defer num.XXXVHI. 

Pag. 1 1 , Taboa II. no Cardeal D. Jayme, num. LXVI. *— XLVI. 
Pag. i5,nomez de Junho da Era 1171 , que he anno de Chriito 
1 M? 3 fe emende: nomez de Junho da Era l\79) que he anno de Cíni- 
co 1 1 4 1 . 

Na mefma pagina , Manoel de Soufa Moreira , he ., Manoel Mcrei- 
„ ra de Soufa , hoje do Confelho de Sua Magcftade , e Prelado da Santa igre- 
ja Patriarcal , aíTumj .0 era 16 de Mayo de 1739.» 

Pag. 1 6. Os números , que eftaõ no fim do paragrafo , fe haó de 
mencionar no principio dcJJe. 

Pag. 1 9 , de 1 2 1 o •— de 1220. 
Pag. 2 i, de 1266 ►—de 1276. 
Pag. 52, de 1 578 »— de 1587. 

TOMO V. 

PAg. 76, de já fizemos mençsó 1— de que já fizemos mençaõ. 
Pag. 147. P«:fTou depois no anno I557 à Africa, he de 1457. 
Pag. 2 1 5 > e 2 \6 , Dom Joicph António de Noronha , Dcaó deMur- 
cia,Scc. etiteve concertado a caiar com Dona Maria Luiza deZuniga, VI. 
Marqueza de Baides, Scc. porem naó teveeffeitOj por morrer efta Senhora 
antes de fe effeituarem as v odas, fe acerefcetite : „ Calou depois com D. Ma« 
„ria Vilhela.e Alva, III. Condclía deLences, e de Treviana, Senhora de 
„ Vilheris, e deCormenon, que havia fido cafada com D. Álvaro Baffan e 
„BenavidíSj VII. M-irquez de Santa Cruz dei Vifo, e Bayona , Commen- 
„ dador de Alhambra , e la Solana , Grande de Heípanha , que depois foy 
„ Mordomo môr da Rainha D. Iíabel Farnefe , Cavaileiro do To f aó , eSan- 
„ cti Spiritus, e fe havia annullado o matrimonio , e D. Jofeph foy lli. Du- 
„ que de Linhares , e faleceo fem fucceffaó ; e aflim paffou a fua Cafa aos fi- 
lhos de íeu cunhado D. Agoftinho deLencaftre, Duque de Abrantes. 

Pag. 221, como fe dirá no Capitulo III. do Livro VII. he do Livro 
VIII. 

Pag. 228, num. 2 1 Joaó Cofme de Távora , Porcionifta de S. Pe- 
^ro de Coimbra , que nafccoa2ci de Setembro de 1 7 1 f> : ,,Nafceo a 27 de 
5, Setembro de 1 7 1 5 , e fendo Oppofitor às Cadeiras de Leys , em que era 
„ Doutor na Univerfida Je de Coimbra , e Deputado do Santo Orficio na mef- 
5 , ma Cidade, entrou no »nno de 1758 na Congregação dos Cónegos Re» 
j, grames de Santa Cruz, onde profelTou, „ 

Tom. Vil I. G Pag. 



5 o Advertências , 

Pag. 128. Jofeph Francifco de Tavcra } nafceo a 25 de janeiro de 
I 7 r 9 ►— a 1 4 de Janeiro de 1 7 1 7. 

Ibidem, Carlos jofeph de Távora: „ Nafceo a 25 de Janeiro de 
,,171 8. „ 

Ibidem. Francifco de Távora : „ Nafceo a 5 de Abril de 172;, ca« 
„ fou a 19 de Mayo de 1/41 com D. Maria Leonor da Cofia e ívíofcofo, 
„ filha herdeira de D. Joaó Maneei da Coita , e de D. Anna Thereía de Mof- 
„ coío,dequem tem atéorrefenre a D. JOAM MANOEL DA COSTA.,, 

Pag. 218. Dona Thereía de Távora , que nafceo em 19 de Abril de 
1722 , eftá concertada , &c: „ Cafou a 12 de Fevereiro de 1741 com D. 
,j António deCaftro, Almirante de Portuga], „ 

Pag. 245. O Conde de Sarztdas António Luiz de Távora: „ Fale- 
j, ceo nos Tocantins em o mez de Agoílo de 1 7 ; 8. „ 

Ibidem. D. Marianna do Pilar da Sylveira : „ Cafou a 5 de Julho 
„ de 1 7 3 9 com D. Joaó de Soufa , filho herdeiro dos IV. Marquezes das Mi- 
„ nas. „ 

Pag. 274, filha herdeira de D. Antam de Vafconcellos , he de D. 
António de Vafconcellos. 

Pag. 275, te diz : receberaõ-fe a 6 de Janeiro do anne de 1 f 94 por 
procuração; celebrou efte adio o Arcebifpo de Évora D. Joleph cie Mello, 
irmaó do Marquez de Ferreira, na Carteia do Duque, eftando prelente a 
Senhora D. Caiharina , &c. O que >iaõ he ajjim , efe deve emendar : „ Ctle- 
„brou eíre adio o Senhor D.Thtodofio, Arcebijj-o de Évora , filho doDu» 
5 , que de Bragança- D. Jayme. , 

Pag. 287. D.Rodrigo António Jofeph de Alcântara Francifco Xa- 
vier Bakhafar de Menezes , he de Noronha. 

Pag. 288. D. Pedro de Menezes , Vi. Conde de Cantanhede, tem 
os filhos feguintes : 

22 „D. ELENA DE MENEZES, que nafceo a 50 de Novembro de 

22 ,j D. DIOGO DE MENEZES, que nafceo a 1 6 de Junho de 17^9. 

22 ,, D. N que nalceo a 7 de Junho de 1 741. 

Pag. 589, de taõ grandes defeendentes ►— de taó grandes afeen» 
dentes. 

Pag. }0}, Pedro Cefar de Menezes: „alcm dos filhos, que fe lhe 
j,ttumeraó, teve mais de outra mulher a Fr. FRANCISCO CÉSAR, Ere- 
„mita de Santo Agoftinho , que faleceo na índia, fendo Miniftro da Inqui- 
„ fiçaó de Goa , feito em 14 de Março de 1 7 1 } , como fe vè do Catalogo 
,, dos Deputa-los daquella Inquifiçaó, pag. 14 , num. 98.,, 

Pag. 3, \o. D. Maria Antónia Soares de Noronha , cafada com Dom 
Rodrigo de Noronha, teve mais eftes filhos: 

«2 » D. JO.AM PEDRO DE NORONHA SOARES, que nafceo a 
„ 8 de Abril de 1 7 $9. 

22 ,. N que nafceo a 1 $ de Novembro de 1740 , e fa- 

3 , leceo em M:yo de 1 741. „ 

^ 1 ? , homem de taó grande esfera como Dom Henrique ►— ■ 
cemo D Jf.rtnjmo. 

Pag. 



dicções. 5 1 

Pag. 314, Senhor deUnhiõ, Cepan , &c. *— Scpacs. 

Pag. {26. Luiz Alvares da Cunha de Eça : „ Faleceo a 22 de Se- 
tembro de 1741 , e lua mulher a 12 de Julho de 1724.,, 

Pag. 526. D. Elena Therefa de Caltro , que cafou com Chriftovaõ 
Efmeraico de Atoognia , tiveraõ 

20 „ LUIZ AN rOMO ESMERALDO, que lhe fuecedeo na Cafa , 
„ c cafou com D. Leonor , rilha de Francifco Luiz de Vafconcellos. 
20 „ AYRES TELLES DE MENEZES. 

20 „ ANTÓNIO 1ELLES DE MENEZES , que pafíou a fervir à 
„ Índia, onde faleceo, tendo cafado naqucllc Eftado. 
20 „D. JOANXA THERESA, 
20 „ D. ISABEL, que faleceo em 1740, 

20 „e D. MARIA SEBASITANA, todas três Freiras no Mofteiro de 
., Santa Clara da Cidade do Funchal, „ 

Pag. 351, Joaõ da Sylva Tello de Menezes , IH. Conde de Aveiras : 
„ Faleceo ai/ de Abril de 1740.,, 

Pag. $54. Luiz da Sylva Tello, IV. Conde de Aveiras: ,, Faleceo 
„ em Vianna , governando as Armas da Província do Minho , a 2 2 de Mart, o 
„dei74i.„ 

Pag. 558. Faltou apontar mais hum filho a Ayres de Saldanha, e 
a D. Maria Leonor deMofcofo, o qual he GASPAR DE SALDANHA È 
ALBUQUERQUE, que naíceo a 10 de Novembro de 1720. He Cónego 
da Santa BafilicaLatnarcal, de que tomou poffe em 16 cc Mayo de 1759. 

Pag. 365. D. Antónia Xavier deMendoça: „ Caiou com Lopo de 
,, Barros de Almeida , Ca valleiro da Ordem de Chrifto , Senhor das Saboarias 
„ de Portalegre , e dos Morgados de Amoreira do Real , e outros , defeenden» 
j, te ca Família de feu appellido. „ 

}f>4. An'onio Francifco de Saldanha, e Francifco de Saldanha: 
„Saó Prelados da Santa Igreja Patriarcal de Lisboa, de que tomarão políe a 
„ 16 de Mayo de 17 $9.,, 

Pag. $78. D. Luiz de Menezes , V. Conde da Ericeira, he Marquez 
do Louriçal por Carta de 2 2 de Abril do anno de 1740, e ncfte mefmo 
anno paliou iegunda vez à índia por Vice-Rey com numa Armada de féis 
nãos, fahindo de Lisboa 87 de Mayo do referido anno. 

Pag. $88 D. Francifco Xavier Rafael de Menezes, he VI. Conde 
da Ericeira, calou a 2 de Mayo de 1740 com D. Alaria jofeph da Graça de 
Noronha. 

Pag. }8S\ Dona Confiança Xavier Domingas Aurélia deM:nezes: 
„ Ca r ou a 2 de Mayo de I 740 com jofeph Félix da Cunha, filio herdeiro 
„ de Manoel l^nacio da Cunha, Senhor do Morgado de Payo Pires, eCa- 
,, chofras , Commendador de Sar.ta Mjtu de Nine , e S. Pedro de Marialva 
, , na Urdem deChriflo, e Santa Maria de Tavira na Ordem de Santiago, 
j, Alcaide mòr da niefma Cidade, Senhor d )S Salgados de Lagos, defeenden- 
„ te por varonia da antiga C*fa de Cunha com efeiarecidas allianças, de quem 
:,,tem D. AVNA DA CUNHA, quenafceo a 24 de Fevereiro de 1741.,, 

P«g. }8g. D. F:rnando de Menezes: „Faleceo de bexigas em De- 
zembro de 1 740, era de gentil preknça , com grande propenfaó , e appli* 
Tom. VM. G ii „caçaõ 



5 2 Advertências , 

„ caçaó aos efludos , e nos feus curtos annos dava largas cfperanças de fer 
„ fiel imiudor de (eu p^y , e aves. „ 

Pag. 486 , o pareceo na differença do trato 1— o pareceo na feme- 
Ihança do trato. 

Pag. $ 08 , e foraó D. Rodrigo de Mello , Conde de Tentúgal , de- 
pois Marquez de Ferreira, D. Fernando de Faro , filho de D. Sancho, Con- 
de de Faro , fe emende : filho de D. AfFonfo , Conde de Faro; e logo : Dom 
Fernando de N'oronha , filho herdeiro de D. Sancho de Faro , he D. AfFon- 
fo de Noronha , filho herdeiro de D. Sancho de Faro. 

Pag. 548. Queixou-íe ao Arcebifpo de Évora , que enta.5 era o 
Cardeal D. Henrique : „ Queixou-fe ao Bilpo de Évora , que entaó era o 
„ Cardeal D. Affonfo. „ 

P a g- $99- D. jayme faleceo a 2 de Janeiro de \^6l , he de 1565: 
Foy fepultado no Carmo de Lisboa , e jaz no Coro dos Religioíos no lugar , 
craque eftá aEttante, como fevè nas Aíemorias Hijloricas defte Con-ven* 
to } pag. 117. 

Pag. 607, nafceo quarto filho *— nafceo terceiro filho. 

Pag. 645. Faleceo 87 de Janeiro de 1 581 1 — ■ Faleceo a 7 de Ja- 
neiro de ! 582. 

Pag. 691. Dom Pedro de Vela fco , II. Conde de Haro , caiado com 
D. Maria de Mendoça , ha de fer D, Mecia de Mcndoça. 

TOMO VI. 

PAg. 66. Ultimamente , que Martim Affonfo de Soufa , donde proce- 
diaõ todos os Soufas , era bifneto dclRey D. Diniz. Aqui refiro o que 
di\ia a reprefentaçao do Duque de Bragança na mefrna forma , que elle 
fe explicou , e naõ entrey na averiguação de quem defeendiaô todos os Sou/às, 
qm deduzimos (jeomo fe verá na pag. 117 do I, Tomo') delRey Dom Affonfo 
III naõ encontrando muita inwerofimilidade naquella opinião , de que def- 
eendiaô dtlRey D. Dini\ os Soufas , como alguns entenderão, 

Pag. 107 , ( que era caiada com D. Joaó da Sylveira , herdeiro da 
Cafa de Sortelha) *— (que era neta de {ua irmáa D. Magdalena de Len- 
caftre , que fora calada com D. Joaó da Sylveira , herdeiro da Caía de Sor» 
relha. 

Pag. 109. D. Álvaro Oforio, I. Conde de Lemos, fe emende: D» 
Pedro Alvares Oforio, I. Conde de Lemos, Scc morreo a ip de Fevereiro 
de 1485, 



Na 



e Adikçoes. 



53 



Kn, mtftna Arrote aCoudeffa D,TkereJa Oforio. 



D. There- 
li Oforio, 
mulher de 
D. Rodri- 
go Oforio, 
II. Conde 
de Lemos. 



D. Pedro Al- 
vares, U.Mar- 
quezdeAftor- 



r &. Pedro Alvares Oforio , 
C D. Álvaro Peres C I. Conde de Trafiamara , 
Olono , 1. Mar- ) + no primeiro de Junho de 
quez de Altor-"} 1461. 
ga, II. Conde de f D. Ifabel de Roxas, pri- 
+ ^- meira mirlher. 

D. Fradique Henriques, 
II. Almirante deCaftella, 
+ a 23 de Dez. de 147$. 
D. Therefa de Quinhones, 
fegunda mulher. 



Traítamara j 
:m 1471. 

A Marqueza D. 
Leonor Henri- 

' quês. 



/-»D. Diogo 

nandes de 



1 na 



Fer-C 

Qui-3 
< tur 

Cd. 



íhones , I. Con 
de de Luna , +■ 
A Marquez» V cnl i4<5<7. 

D. Brites de 1 r 

Quinhones. f A Conde fia Do- \ 



[ na Joanna Hen- 






riques. 



I 



Pedro Soares de Quinho- 
nes, Meirinho mor de Al- 
tunas, vivia em 143 i. 

Brites da Cunha. 

D. Henrique Henriques, I, 
Conde de Alva de Lifte. 

A CondefTa D. Therefa de 
Gufmaó. 



Pag. 137, filha de Henrique III. 1— ■ de Henrique II. 

Pag. 269. D.Leonor da Cunha deGufmaõ, mulher de D. Joaó de 
Caftro, Senhor do Cadaval: >— D. Leonor da Cunha Giraó. 

Pag. 2 8 ; , nos filhos de D. Marciano Jofeph Pacheco , X. Marquez 
deMoya,/* aeertfcente: D. HL1PPE PACHECO DE LA CUEVA. 

pag. z 87 , fe emende 



D. Affbnfo Henriques, III. 
Almirante de Caftella , Con- 
de de Melgal , + em 1485. 



D. Fradique Henriques , II. Almi- 
rante de Caftella , + a t 3 de De- 
zembro de 1473. 

' D. Therefa de Quínfiones , filha 
de Diogo Fernandes de Quinho- 
nes. 



Pag. 329. Juiz da fua Fazenda , e das Juftificaçóes delia , em Lisboa 
a 14 de Abril dodito anno 1— « Juiz das Juftificaçóes : dada cm Liiboa, &c. 

Pag. 386 , do Conde Populi *— do Conde de Populi. 

Pag. 448 , no anno feguinte de 1 6 04 , a 1 9 de Março , nafceo , &c. 
— h a 1 8 de Março , nafceo. 

Pag. 4^7 , naõ podendo fofre a preferencia 1 — ■ naó podendo fo- 
Rner a preferencia. 

Pag, 



5 4 Advertências , 

Pag. 49 ?j dos poucos affe&os — h dos pouco affe&os. 
Pag. 504, moibava a elte Príncipe a fua pedade 1 — ■ a fua piedade. 
Pag. 520, que razaó no Coro , ►— que reziò no Coro. 
P a g« 57 5 1 D. Anna Gurrea, de quem ignorava entaõ os paysi fo- 
raõ os feguinces : 

Ç D. Joaõ de Gurrea , Senhor de Ar- 
X gaviefeo. 
Dona Anna Gur- < D. Catharina Gurrea , filha de Dom 
rea, ) Lopo , XIV. Senhor da honra Gur« 

\, rea , e de D. Therefa de Entença. 

P a &« 579 > das grandes azas da virtudes •— das grandes azas das 
virtudes. 

TOMO VII. 

P Ag. 128, epara aparte do Sul Porto Calvo, e Sagiripe >— Sergipe. 
Pag. 403 , porém cllc mm admirável conftancía , facrificando toda a 
fua fortuna particular , e publica do Reyno ►— naõ dijje tal , fenaõ : 
facrificando toda a fua fortuna particular à publica do Reyno. 

Pag. 472, fedeípofou a Infanta com o Duque de Sàboya no anno 
de 1682 , be de 1681. 

Pag. 556', e ferido em huma perna o Quartel- Meflre Frarcifco Pi- 
mentel >— „ e ferido em huma perna o Quar;el-Meftre General Francifco 
Pimentel „ o que fe deve também reparar tia pag. 6 1 9 , e 6 2 o , em que naâ 
diremos Qjtartel-Meftre General , como devia fer , porque efte foy o pofio , 
que teve Francijco Pimentel; porém as Memorias do tempo, efentas tia lín- 
gua FranccTjt , com a fna abbreviatura nos fizçraõ cahir Jem reparo nejle 
erro, e pode fer, que também em alguns mais. 

Pag. 591 , enrre os Fidalgos, que fenomeaó ferviraó no Terço do 
Marquez de Fontes , faltarão : D.Pedro de Almeida, depois Conde de AíTu- 
mar , eD. Miguel Luiz de Menezes , depois Conde de Valadares. 

Pag. 65-3 „ aonde referimos os Senhores , que depois das pefibai 
jj Reaes en.raraó na Camera delftey D. Pedro antes de falecer , e tiveraõ a 
j, honra de lhe beijar a maô, faltou apontar o Conde de S. Vicente Miguel 
„ Carlos de Távora , do Confelho de Eltado , e General da Armada Real, a 
„quem ElKey fempre havia eflimado , e tratado com efpecial mercê, ena. 
,, queila occafuó o honrou com expreíTocns muy particulares , dizendolhe o 
„ quanto eftimara fempre ofeu zelo, eferviço, eque cfperava ocontinuaf- 
„ fe na melma forma no ierviço do Príncipe com o cuidado, que elle lhe 
„ merecia: o Conde enternecido, c obrigado , lhe rendeo as graças com mais 
„ leaes afF.ftos oa lua fervidaó , do que com palavras. 

Pag. 679 , como diremos no Capitulo X. defte Livro •— no Capi- 
tulo VI. deífe Livro, Tomo VIII. 

Pag. 68ç, 03 Embaixador -s, Marquez de Amelot , e oViiam d> 
Elhault •— e o Vidame d 3 Efnau lc. 

Pag; 



e Adilcçocs. 5 5 

Pag. f>8?, o Marquez deOrnero ►— o Marquez de Ornano. 

Tau. 7 i 7. D. Alv.ro de Abranches, que cÍ2emos foy Sumilheí da 
Cortina , r,àó o toy : c faltou I). Fernando de Almeida , Cónego de Coim- 
bra , e Deputado da Junta dos Três Fitados, que foy Sumilhcr da Cortina. 

Pag. 72 $ , onde re ki imos os Prefidentes do Senado da Camera de 

Liiboa, falrou dizer : „ Que EIRey D. Pedio, íendo Principe Regente, de- 

„ra nevo modo degcverr.o ao mefmo Senado: peloqual tirandoihe oPre- 

„íidenre, e apofentando os Vereadores, que nelle ferviaó , nomeou de no- 

„ vo quatro Vereadores da primeira Nobreza, que ferviaó prefidindo às fe- 

„ manas , c mais dous Vereadores Mindtros de letras. Para o que lhe fez no- 

j, vo Kegimento , ordenando, que fe obícrvaffe o antigo, no que naó toíTe 

„ alterado pelo que de novo mandara dar ao Senado, o qual ioy feito a ç 

„de Setembro de ií?i , e o tranfereveo Pegas no Tom. 5. pag. 365 dos 

,, Conw.etitar. d Ordenação Portugmiç , lib. 1. tit. 67 , §. 1 5. E por outro 

., Decreto nomeou para Vereadores a D. Rodrigo de Menezes, Gentil-ho« 

„mem da lua Camera, leu F.ftribeiro môr, e do Conlelho de Fitado; ao 

„ Marquez oe Távora Luiz Alvares de Távora, Gentil-homem da lua Ca- 

„ mera , e do Coníelho de Guerra; a Garcia de Mello, Monteiro môr do 

„Keynoj do feu Cuntclho ; e nosDuuiuics Ivl«uil)cus Moufinho , e Manoel 

„ Rodrigues Leitaó , ambos Defembargadores dos Aggravos , foy oDecré» 

„ to paliado no melmo dia 5 de Setembro de 16 ji. E porque os Vcrea- 

„ dores hr.viaó de ler quatro dos Fidalgos, que haviaó de prefidir, nomeou 

„ por outro Decreto de ij de Novembro do referido anno ao Conde da 

,, Ericeira D. Fernando de Menezes, osquaes ferviraõ sté o anno de 1672, 

„ que por hum Decreto de 7 de Novembro daquelle anno foraó nomeados 

,.com a iJiftribuçaó dos Pelouros , o Conde deFigueiíó D. Jofcph Luiz de 

, 5 Lencafire, Commendador môr de Aviz, no da Saúde, Manoel de Mello 

„nas Obras, Dio^o de Mendoça Furtado na Carne , D. Pedro de Almeida 

„ na Limpeza , o Doutor Joaó Carneiro de Moraes na Almotaceria , e o Dou- 

„tor Ignacio Pereira de Soufa no Terreiro do trigo. Enefte governo per- 

„ maneceraó aic que pernovo Decreto de 4 de Janeiro de 1 680 foraó no- 

,, meades o Conde de Soure D. Gil Eannes da Ccfta na intendência da Carne , 

„ o Conde de Oriola, Paraó de Alvito D. Vafco Lobo na Limpeza, Dom 

„Mrcos de Noronha , MJVe-Saila , nas Obras; D.Luiz da Coita, Tenen- 

„te Genval da Civ liaria da Província de Alentejo na Saúde, o Doutor Mi* 

„gu;l daSylva Pereira na Almotaceria, e o Doutor António de Aguiar da 

„S>Ka ro Terreiro, e neíra oceupaçaó eftiveraõ eftes Fidalgos , que entre 

„ fi prefidiac ài ftmanaj , no que naó entravaó os De fembarg? dores , ainda 

„que eraó Vereadores, até que o mefmo Rey por Decreto de 5 1 de De» 

,,zeirdro de ififlj tornou apor o Senado na antiga forma , dandolhe por 

„ Pi fidente o Conle de Por.revel , e r orneando por Vereadores Miniftros 

„ Togados, que foraó os Defen-ib^rgadores Francifco da FoníecaSiinel, An- 

„ temo da Ceita Novaes, Joaó Cotlho de Almeida, ígn.?rio do Rego de 

,, An. rade, Francifco Ferreira Bayaõ, e Sebaftiíó Ruiz de Barros. Corno 

,, c ve r,o Livro Cramefim deide pag. 1 32 , e feguintes, que eítá na S.'cre- 

„ ..ria da Camrra defta CiJadr. „ 

*° a & 7^2 j Pagem da Companhia ►— Pagem daCamt ainh-". 

5 TOMO 



5 6 JJver tendas ? 



TOMO VIII. 

PAg. 20, Thomé de Soufa Coutinho , D. Francifco Xavier , Pedro de 
Soufa , Vedores •— Thomé de Soufa Coutinho , Francifco Xavier 
Pedro de Soufa , Vedores , &c. 

Pag. ? 5 , Paulo Meth vvin , Embaixador da Gráa Bretanha ►— Pau- 
lo Methvvin, já declarado Embaixador da Gráa Bretanha. 

Pagt 44 , na Caía do Baraó de Tinto »— Baraó de Tinte. 

Pag. 66 , Joaó de Saldanha da Gama ►— Joaó de Saldanha de Al- 
buquerque. 

Pag, 69 , c impedido algumas operações i — > e ter impedido algu- 
mas operações. 

Pag. 70, fe recuperarão , fazendo voltallos — fazendo-os voltar. 

P a g- 76 , Jofeph do Quental Lobo »— Joaõ do Quental Lobo. 

^ a 8* 77 y hum parallelo gramon *— gramo. 

P a frP7j Duclere ■— duClere; eajfim napag. 102 , e 103. 

Pag. p7» O Guvciurtvlui Fiam-ifcu Jc Moraes de Ca (Iro ■ — ■ Fran- 
cifco deCaítro de Moraes; e na mefma forma fe emende napag. 128 como fe 
di\ napag. 129. 

Pag. qo , chegarão à barra de Tojuza t— à barra de Tojuca. 

Ibidem , e a de Guaratiba , quatorze legoas diftante ►— e a de Gua- 
rataba. Rocha Pita na fua America Portugueza , pag. 568 , ài\que dijtú 
onze legoas , outros a põem no-ve. A Relação , que i>i mandada do Rio de 
janeiro ao Duque , e (e confer<va na Livraria defeu filho o Duque Eflribti' 
ro mor , di\ quatorze. 

Pag. 1 00. António de Ultra da Sylva •— António de Utra ; e ajftm 
fia pag, 102. 

Pag ; 1 1 8 , o Marquez de Quluz •— o Marquez de Queilús. 

Pag. 13$, Joaó de Leiros >— Joaó de Leiro. 

Pag. 170. Finalmente ceffou o fogo, depois de fete horas de com- 
bate. ►— Finalmente ceifou o fogo depois das fete horas, e o combate, to- 
cando hum Tambor dos inimigos à chamada. 

Pag. 191 , que as queria acampar •— ■ que as queria campar. 

Pag. 209, que foy fervindo de Almirante h— de Almiranta. 

Ibidem, Bernardo António Pereira ►— Bernardo António Rabello. 

Pag. 211.O Principe de Caconda , vifinho do Paiz de Bengalla , 1 — ■ 
de Benguella. 

Pag. 220, comefta noticia partirão doZante ■— > deZante. 

Pag. 222, na Bahia de Caron , fe emende , de Coron. 

Pag. 241 , mandou encravar, c quebrar os Unhões, fe emende , os 
Munhoens. 

Pag. 28 c. Depois no dia 19 <— Depois no dia 18 

Pag. ; 10. D.Bernardino Marimonda •— Marimond. 

Pag. 318, Aernardo de Távora — Bernardo de Távora. 

Pag. 540', Meftre de Outel ►— de Hotel. 

Pag. 409, 



e dddicçoes. 5 7 

Pag. 409 , l\ — 2 s . 

Pi£. 477 , Tavera ■— Tavara. 

Pag. 479, dol\n:o Vil. n/í-jr efas paktras , />0/7«f */«</<* //«e 
fequdra uner L1110, jajica apcr.tado. 

Pa^.. 4 b ; , 11 mánoo-o — lomando 

Pag. 4^7 , cotifejcuit — ampejciiit, 

Pa^.499, í^ne ■— torqne. 

Pag. 5 1 ; , Im 6. col. : , a t de Janeiro *- a 20 de Janeiro > fo* 
wojífd f/írifo «<*/><»£. 491. 



Tom.VIII. ti INDEX 



59 



INDEX 

DOS AUTHORES, 

que vaõ illuítrados neftas Adver- 
tências. 



O numero denota a pagina. 



A 



Ffonfo de Albuquerque, ;. 
D. Affonfo Manoel de Mene- 
zes, 7. 

AfFonlo de Torres, 4. 

D. A^oftinho Manoel de Vafconcel- 
los , 5. 

AKaro Ferrara de Vera, 4, 

Fr. Álvaro da Fonftca, y. 

Álvaro Pires de Távora, 4. 

Amaro Moreira CamellOjfj. 

Andté d< Refasde, ?. 

António de Araújo de Azevedo , 8. 

I \ Amónio de Lima , ■\. 

António da Sylva Pereira , 8. 

António >>o.;res de Albergaria , 4, 

António Tavares de Távora, j. 

Btlchior de Andrade Leiraó , <)> 

Fr. FWnardo de irriga , 5. 

Fr. Bernardo de Briro , ?. 

Btrnardo Pimenta do Avellar, 9, 

I íogo Gomes de Figueiredo, 8. 

r'u<=rte Pibeiro de Macedo, 8. 

Fernaó Pacheco , 2. 

D. Hranciio Msr.oel de Mello, 7. 

D. Franciíro de Menezes, 7. 

Er. Prancílco do Sacramento , 8, 



Francifco Xavier da Serra Craesbe» 

eck , 9. 
Gafpar Alvares de Loufada , 4, 
Fr. Gaípar Barreto , 8. 
Gaftaô Joieph da Camera Coutinho , 

9' 
Jacintho Leiraó Manfo, io. 
Jacintho de Soula de Sequeira , 5, 
D. Jeronymo de Ataide , 7. 
Fr. Jeronymo da Pncarnaçaó , io, 
Fr. Joaó de Deos , 8. 
Joieph de Faria , 8. 
D. Jofeph de Soufa de Caftellobran- 

co, 9. 
Manoel Alvares Pedrofa , 8. 
Manoel Corrêa Montenegro, 7, 
Manoel Delgado de Mattos , 7. 
Manoel Machado da Foníeca , 5, 
D. Manoel de Menezes , 4, 
Manoel de Oliveira, IO. 
Manoel vSeverim de Faria , 6, 
Manoel de Sonfa Meeira , 9, 
Miguel Achioli da Fonleca , 6. 
Simaó Cardoío Pereira, 8. 
Trftaó Guedes de Queirós, io 4 
X) fto Tavares , z. 



Tom.VIII. 



Hii 



IN- 



éi 



INDEX 

DOS AUTHORES, 

que fe accreícentaraó neftas Adver- 
tências, 



Os números acaifdô os das margens. 



AGoftinho de Sá Vclofo , 34, 
Ayres Faicó Pereira , 54. 

D. Alexandre de Suitom-yor 
Muuonobre , 47. 
Am«ro Moreira Camello, yl. 
Amaro Vaíques de Caltcllobranco 

Henriques, 2 1. 
André de Avellar, 50. 
António de Albuquerque, $6. 
Ancor.io de Almeida de Caftellobran- 

co , 20. 
António Carlos deCiftro, 44. 
O Padre António Cordeiro, 46". 
António Corrêa , 5. 
António de Couto de Caftellobran- 

co , 2 2. 
António Feyo Cabral de Caftellobran- 

co, $?. 
António Machado de Azevedo, 74. 
António de Magilhaens de Mene- 
zes, $8. 
António de Meira Peixoto ,6":,. 
Fr. António Roufado , 6 2. 
António da Syiva Caldeira Pimen» 

tel , 6l, 
Amónio de Soufa de Caílellobran- 

co, 16. 
António Te'xeira deMindoça, 64, 
Balthafar de Soufa Col.nieiro Telles 

de Távora, Z/, 



Fr. Bartholomeu de Azevedo , 17. 

D. Belchior de Teive , 58. 

Bento barbofa de Bruo , 7. 

D. Cathanna de Calvos e Menezes, 

Chnltovaõ Rodrigues Azinheiro, lo. 
Chnltovaó Soares de Abreu, 3. 
Diogo dePayva deAn J rade, II. 
Diogo Pires Cinza, 67. 
Dio^o da Kocha de Paços , 9. 

Infante D. Duarte, 68. 
Duarte Galvaó , 1. 
Fernaó Gomes Cábrea ,29. 
Fernaó Gomes Cabrera, 55. 
Fcrnaó de Soufa , ?2. 

Fr. Francifco da Encarnação , 69. 
Fr. Francifco de Monte Alverne, 16", 
Francifco Vieira Pinto, 55, 
D. Galtaó Coutinho , 1 2. 
Fr. Gil de S. Bento, }6. 
D.Gonçalo Coutinho , 1$, 
Jacintho Pereira , 60. 
Jacome deVilUsboas Caiado, 49. 
Jeronymo Ximenes de Aragão, 1 8, 
Fr. Ignacio deAtaide, 42. 

1 jaó Alvares, 6. 

Joaó de Araújo da Coita e Mello, 

Joaô de Barros, 75". 

Joaó de Brito Botelho, 23. 

Joaõ 



6z 



Index dos Authores. 



Joaô Peixoto da Sylva de Macedo 
Carvalho e Almeida, 72. 

O Padre joaó Ribeiro , 1 5. 

]orge de Albuquerque , 45. 

Jor^e deàouia Barreto, 10. 

]oleph domes Amado de Azambu- 
ja» 11» 

Fr. Leonel deS.Payo, 70. 

Luiz Corrêa, 4. 

Luiz Francuco Pimentel, 59. 

Luiz da Sylva de Moura e Azevedo, 

7«* 
Lourenço Mendes de Vaíconcellos> 

18. 
Manoel Barbofa Cabral, 57. 
Manoel de Brito Freire , 48. 



Manoel da Coda Zu2arte de Brito , 

24. 
Manoel Ferreira de Eça , 75. 
Manoel Tavares de Souía , $ 2. 
Fr. Manoel de V afconcellos , 40. 
Maninho Barba Corrêa Alardo, 50. 
Miguel Luiz »ia Sylva de Ataide , 2 5, 
Pedro deManz Sarmento, 51, 
Fr. Rafael dejefus, 41. 
Rodrigo Xavier Pedro deFaria^j. 
D. Símaó deCaftro, 2. 
Thadeu Luiz António de Carvalho e 

Camoens , 66. 
Tnftaó Guedes de Queirós, 65, 
Valério Pinto de Sá , 8. 
Vicente Rodrigues» 141 






Nas ^Advertências , e lAáàicçccs , (jue deixamos re- 
feridas , faltou a mie agora diremos , por nos 
chegar e/la noticia depois de ellarem 

imprcjjas. 

NO LivroVI.CapiruIoX. pag.643 do Tomo V. fe trata de D. Francií- 
code Bragança , dizendo-le , que naícera cm Guimaracns , c morre- 
ra em Lisboa , e huma , e curra coufa naò he allim ; r orque íuppoí- 
to alguns Authcrts ortteum , a quem leguimo? , íe equivocarão , porque 
D. Franoíco de Bragança pakeo na Cidade do Porto , cerro ele o afiirtna 
im huma Carta Original , que fe guarda na Camera d.quella Ouadc no Li- 
vro IV. d;.s Provifeens , pac,. 3 ><5 , onde diz o feguinte : 

„ Como muito íiíeçoado a cila Cidade, e Cidadão delia, de que 
,, muito me prezo , e obrigado da muita Irma , que iempre me fez, a leryi 
,, tm ludo o fjue me niindou, e «nccmcr.íiou, eeupude, d;lto haverá jerr.» 
„ brar.ça, c Cartas shi : agora quz lazer faber a voilês rr.nccs, que pcdei.á 
., fer demais effeito cita minha boa vontade, e promptidaó de animo, que 
„ n;ô faltara r.unca psra léus orcrelcentamcrMos , e oque lhes convier cm. 
j,commum, e em particular , porque S. Magtltade memaida, que vâ al- 
,,filiir r.oConfeiho de Eíi^do da Coroa de Portugal, que rcíitíe em Madrid, 
3 , e com untas, e taó particulares honras, e mercês, que cilas, e algumas cir- 
„cunflancias de rruito credito para rrim, que lá lefaberáô, me obrigaó a 
„ obedecer , e dexar minha quietação , que fohre tudo ornava , e eltima- 
„ va : fcrmeha menos penofa cfla mudança, fe volTas mercês fe fervirem de 
„mim como de Agente feu, emeavifarem, do que hey de fazer como tal, 
,, e como Miriftro , eu efpreitarey as occafioens , e nenhuma perJerey : e 
„ para que pofía acertar melhor no ferviço , e bem defte Reyro , que hea 
„ principal coufí , que me força ir, me façaó vofTãs mercês mercê mandar 
„ lembrar a edes Morteiros encomendem iflo muito a Deos cm feus facrifi- 
„cios, e orações. El ; e guarde a voíTas mercês com augmentos de todos os 
„ bens. Lisboa 1 5 de Novembro de 1 6 i 8. 

,, Vom Francifco de Bragança* 

Defte Documento fe tira evidentemente , que D. Franciico nafceo 
na Cidade do Porto, porque fenaó fora íffim , naõ dilTera , que era (eu 
Ctda '.íó , de que muito fe prezava, com o que fe verifica, que aquella Ci- 
dade fora a lua Pátria. 

Que faleceíTe em Coimbra , enaõ em Lisboa, também claramente 
fetira de outros Documentos autbcrticos, de que he o primeiro os livros do 
Cor.fdho da Univerfidaie , onde fe diz: 

., F.m o primeiro de Fevereiro de r<^4 na falia dos Autos da Uni- 
„\cifidade fe ajuntou o Senhor D, Aluro da Cufta, do Coníelho de Sui 

„ Ma L ifta- 



^4 



„Mageftade, com os Doutores, Lentes, Deputados, eConfelhéíros 

„E logo no mcímo dia propoz o Senhor Reytór como tra íalccico Dom 
„ Francifco de Bragança, R e formador , que ioy dcíf?. Univerfidade , e fe 
3 , parecia a elles Senhores darfe predito p;ra o enterramento , e fe pedilTem 
5, para as fuás Exéquias o pano, íe convinha empreftarfe , e affentar-ô, que 
„ era muito conveniente darle preUito para o acompanhar a Univerfidade, 
„ e viíio haver coíiume emprcftaríc o pano de tela , lê empreite, e aílinaraó, 
jj Joi.õ da Sylva oeferevi „ 

He o fegnndo Documento o livro dos Óbitos do fcliegio da Com- 
panhia de Jefus da Cidade de Coimbra , de que temos huma certidaã , de 
que a pag. ! 5 verí. do referido livro eftá o afíento feguinte: 

„ O Illuítriííimo Senhor D. Francifco de Bragança reco!hcndo-fe da 
«Corte de Madrid, aonde fora muitos annos do Confclho ; mez e roeyo , 
j3 pouco mais, ou menos , depois de citar nefta Cidade, morreo com gran- 
„ de fentimento de todos. Eftá depofitado debaixo dos deg<-aos do Altar mor, 
5 ,que para ilTo fe deifiz^raó. Eftá bem nomeyo, metido em hum caixaó; 
„ a cabeça para aparte doEuangelho, os pés na da Epiftola : morreo nopri- 
„ meiro deFeVereiro de 1634. E à margem defte aífento nomefmo livro 

Í" 1c O feguinte : „ Eo Padre Fernaó Carvjllio levou aoíTada cm 2 O de fc« 

3, ntiro de 1641. Coimbra 22 de Mayo de 174Í. „ 

Francifco de Amaral. 

Da referida nou fe vê , que os feus ofTos os levara o Padre Fernaó Carvalho 
em 20 de Janeiro de 164! , e parece para a Capslla daCaU ProfeíTa de Lif- 
boa, que elle hivia funritfdo , e donde jaz , ficando com efte Documento 
cmendido o erro, que fe le no feu Epitáfio , dizendo , que falecera a ? I 
de Julho de «634, fenrlo, como naó pidece duvida , no primeiro de Fe- 
vereiro de ií<^4. Com eftes Documentos^ ficaó reparadas as equivocações 
da Pátria de D. Francifco de Bragança , e cronde falecso, o que devemos à 
curiofidade do Reformador da Univeríidade de Coimbra o Doutor Francif- 
co Carneiro de Figueiroa , do Confelho de Sua Mageftade , e do G?ral òo 
Santo O;ric'o, taó erudiro, como eminente na profiiíaô do Direito Pontifí- 
cio, fendo bum dos mayores talentos, que conhecco aquela florentiíííma 
Academia, em que foy M:ftre, o qual lendo a Hijloria Genealógica-, repa- 
rou o erro referido, que me manou participar por leu íohrinho Joaó de 
Figueiroa Pinto, Senhor de Porro Carreiro, taó ornado de boas pattes, co- 
mo dí erudição 3 que o fazem merecedor de toda a boa fortuna. 



-*: 



V 



.*- 



• - 



., 1 



^1^ 



'i 



. -> 



. 



./ 






KJ 




*$$« 



■'.vÇ-. .-' 






■v'.'". s -.^N '■.•'■-. 



wwsasr 



MVSPW. 



V£S 



{ Wi